Cunha não tem poder para derrubar Dilma. Principalmente depois de incriminado pela justiça da Suíça

Outra manchete golpista e mentirosa

BRA_CB correio mentira cunha

Dependesse de Eduardo Cunha, Dilma Rousseff estaria degolada, presa ou exilada, e o Brasil presidido pelo pmdebista Michel Temer.

A conspiração de todo o poder para o PMDB (apenas um deputado do partido, Jarbas Vasconcelos, assinou o pedido de cassação de Cunha) nunca vingou e, agora, ficou impossível: o povo conhece os crimes de Cunha, e ele não pode como presidente da Câmara substituir Temer na presidência da República.

O PSDB e o DEM firmaram nota recomendando apenas o afastamento de Eduardo Cunha da presidência da Câmara. Isto é, uma folga, ou férias para jogar tênis ou cuidar das contas secretas nos paraísos fiscais.

Naturalmente Dilma luta contra os golpistas, mas a perda do mandato de Cunha passa pela aprovação da Câmara e/ou condenação da Justiça.

Ronaldo
Ronaldo

.BRA_ZH força de cunha

Imprensa golpista mente sobre acordo Dilma e Cunha.

Leia as manchetes combinadas, escritas por um único jornalista que participou da reunião dos partidos da oposição – a banda podre do PMDB, os pelegos do Solidariedade de Paulinho da Força, “os taradinhos do impechamente” do PSDB, as viúvas da Arena que pariu o PFL, o DEM e outros partidos direitistas.

A imprensa esquece: os deputados petistas, com o PSOL, já solicitaram a cassação de Eduardo Cunha por falta de decoro parlamentar, e prática de vários crimes: recebimento de propinas, extorsão, lavagem de dinheiro, participação na comelança do Lava Jato, tráfico de moedas etc.

deputados assinaram cassação Cunha

A prática embusteira da mesma e repetida manchete em todos os jornais assinala a realidade criminosa de uma conspiração golpista, realizada por uma imprensa familiar – Marinho, Frias, Mesquita e outros barões da imprensa – facciosa, sectária, elitista, mafiosa, corrupta, e inimiga do povo, da Liberdade, da Democracia, da Igualdade, da fraternidade.

Uma imprensa quinta-coluna, que prega o ódio, a violência, a intervenção militar, a tomada do poder pela força, mesmo que resulte em uma guerra civil, e transforme o Brasil em uma Síria.

A manchete única dos jornais de hoje

BRA_OE cunha dilmaBRA_FDSP cunha dilma

BRA_FDL cunha e dilma

BRA^PE_JDC dilma cunha recife

O Globo disse que Veja disse que Youssef disse que Pansera era pau mandado. O protegido doleiro nunca citou o nome do deputado. E a esposa foi presa com 200 mil euros na calcinha

BRA_OG ministo pau mandado Cunha Saúde

Do ministério de notáveis de Dilma Rousseff constará Celso Pansera, na pasta de Ciência e Tecnologia. Celso Pansera é o “pau mandado” que intimidou a família de Alberto Youssef, segundo o próprio doleiro, a mando de Eduardo Cunha.

As outras credenciais de Celso Pansera para a Ciência e Tecnologia são igualmente altíssimas: ele é dono de um restaurante “self-service”, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

O nome do restaurante é Barganha. In O Antagonista

PANSERA DEIXOU PSB DE MARINA SILVA PARA VOTAR EM DILMA

.

Carreira presidencial, Reginaldo Moreira
Carreira presidencial, Reginaldo Moreira

Nascido em São Valentim (RS), Pansera é um dos seis filhos de agricultores. Aos 26 anos, mudou-se para o Rio. Foi filiado ao PT, que deixou em 1992 para aderir ao grupo que fundou o PSTU. Pansera é dono de um restaurante em Caxias, o Barganha. “Achei o nome no dicionário. É um self-service.” Também dá aulas voluntárias de Português para carentes.

Quando o PSTU ganhou a direção do Sindicato dos Bancários em Caxias, do qual foi assessor, passou a militar na Baixada. Em 1998, trabalhou para a reeleição do então deputado federal do PSB Alexandre Cardoso, hoje prefeito da cidade. “Essa proximidade era incômoda. Isso abriu um fosso do ponto de vista ideológico e programático que acabou com a saída dele do PSTU”, disse Cyro Garcia, presidente do PSTU-RJ.

Cardoso e Pansera deixaram o PSB quando Eduardo Campos lançou-se candidato a presidente, e Pansera aderiu ao PMDB, que tem como seus partidários Cunha, Michel Temer e Renan Calheiros.

VEJA QUE A VEJA MENTIU MAIS UMA VEZ

veja doleiro

O deputado Celso Pansera (PMDB-RJ) afirmou ao G1 que não faz “sentido” dizer que é “pau mandado” do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na CPI da Petrobras.

Em depoimento à Justiça Federal do Paraná, o doleiro Alberto Youssef afirmou que está sendo alvo de intimidação por um deputado federal que integra a comissão de inquérito.

Youssef não identificou o parlamentar, mas disse que é um “pau mandado” do presidente da Câmara. O doleiro contou ao juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, que o deputado tem feito intimidações as suas filhas e a sua ex-mulher.

Depois do depoimento, o site da revista Veja noticiou que Youssef se referia ao deputado Pansera.

A Veja é costumeira na rendosa mitomania, síndrome de Wallace, compulsão em mentir, em criar pseudologia fantástica como propaganda política. Não é um mentir patológico, que é um transtorno psicológico, mas por negociar notícias, transformando a imprensa em um balcão de negócios.

Na sexta (17), Pansera divulgou nota para dizer que, em nenhum momento, fez uso de sua condição de integrante da CPI da Petrobras para ameaçar ou pressionar familiares do doleiro Alberto Youssef.

Celso Pansera protocolou duas vezes na CPI requerimentos pedindo a quebra do sigilo bancário da ex-mulher e de duas filhas de Youssef. Para os advogados do doleiro, as solicitações foram uma forma de intimidá-lo.

“Isso não tem nenhum sentido. Eu faço [os requerimentos para a família do Youssef] porque a minha consciência fala para eu fazer. Ele [o doleiro] já fez delação perante a Justiça antes. É uma pessoa em que não se pode confiar”, disse Pansera ao G1

Alberto Youssef é um blindado intocável. Teve ou tem pra lá de cem empresas, e nenhuma delas foi investigada. Que é dono de empresas que funcionavam e desapareceram no ar, outras que estão em plena atividada, além das empresas fantasmas e de fachada. Para completar casou com uma conhecida doleira de traficantes de drogas.

Nasceu em Londrina em 6 de outubro de 1967. Faltam quatro dias para ele dar uma baita festa de aniversário.

Youssef ficou conhecido com o caso do Baneestado, quando teve sua primeira delação premiada concedida pelo juiz Moro, seu velho conhecido.

Mas as atividades criminosas de Youssef começaram como contrabandista.

In Wikipédia: “O nome Youssef sugere que sua família tenha vindo do Oriente Médio. Pois o seu nome é comum a judeus, curdos, coptas e árabes.

Quando pequeno, Youssef vendia salgados nas ruas de Londrina. Quando ainda adolescente, virou sacoleiro, trazendo mercadorias do Paraguai para revender no Brasil, sendo detido cinco vezes com muamba. Foi acusado de comprar em Ciudad del Este produtos encomendados e enviava-os pelos correios aos clientes. Na década de 90 Youssef teve ainda uma casa de câmbio na rua Pará, em Londrina”.

Note bem: apesar de detido cinco vezes pela polícia, abre uma casa de câmbio, dando início sua lucrativa e proveitosa profissão de doleiro.

OUTRAS PASSAGENS PELA POLÍCIA E PELA JUSTIÇA
Paixão
Paixão

In Wikipédia: Em 2002 veio à tona o caso do Banestado, onde o banco foi privatizado, sendo comprado pelo Itaú. O Banestado serviu para enviar irregularmente para o exterior US$ 30 bilhões. Era Youssef que administrava as contas CC5 (de não residentes) que eram utilizadas para essas remessas. Youssef foi condenado e admitiu ter movimentado US$ 5 milhões ilegalmente. Ainda em 2002, Youssef foi flagrado acompanhando um pagamento total de R$ 39,6 milhões da Companhia Paranaense de Energia (Copel) numa agência do Banco do Brasil em Curitiba. Segundo o Ministério Público (MP) do estado do Paraná e da Procuradoria Geral do Estado, os recursos se referiam à compra de créditos de ICMS de uma empresa falida, a Óleos e Vegetais Paraná S/A (Olvepar). A transação teve autorização de Ingo Henrique Hubert, então secretário da Fazenda. Youssef e outros envolvidos foram denunciados pelo MP por formação de quadrilha.

JAMAIS TEVE OS SIGILOS QUEBRADOS

gato sete vidas

Protegido da justiça, da polícia, da mídia, como recompensa pelos serviços prestados, Youssef continua intocável como uma virgem. Ele protege a esposa doleira e vários doleiros associados.

Quem vai quebrar o sigilo bancario? Quem vai quebrar o sigilo fiscal? Quem ousa saber das contas de Youssef abertas no exterior?

lava jato doleiro petrobras

— O Banestado foi a catapulta para Youssef se firmar como o maior doleiro do país. Ele saiu praticamente quebrado e se recuperou rapidamente. Hoje, todos os doleiros giram ao redor dele — afirma o então promotor Luiz Fernando Delazari, um dos primeiros a denunciá-lo, 10 anos atrás.

ZH – As acusações contra Youssef se avolumam. Encabeçou uma lista de réus da Operação Lava-Jato. Entre outros crimes, é acusado de cometer 3.649 vezes o de evasão de divisas. Entre 2011 e 2013, remeteu para o Exterior cerca de US$ 450 milhões. O dinheiro, de acordo com as investigações, saia do país para pagamentos de importações fictícias de empresas operadas por laranjas.

Segundo a PF, o dinheiro movimentado pelo doleiro circula no submundo do crime, envolve tráfico internacional de drogas e até contrabando de diamantes de uma reserva indígena em Mato Grosso.

Entre seus comparsas estão Maria de Fátima Stocker — braço financeiro de uma organização que fornecia cocaína para a máfia italiana, desmontada pela PF em março, e Nelma Kodama, que aparece em grampos como “Cameron Díaz”, presa com US$ 200 mil na calcinha, quando embarcava para Milão.

QUE NEGOÇÃO PEGA COM 200 MIL EUROS PAGA 15 MIL REAIS DE FIANÇA

Justiça fixa fiança de R$ 15 mil para doleira presa com 200 mil euros na calcinha.
Nelma Kodama, alvo da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, foi denunciada por tentativa de evasão de divisas.

Noelma Kodama presa

noelma kodama 2

nelma_kodama

nelma 4

por Fausto Macedo


A Justiça Federal em São Paulo fixou fiança de R$ 15 mil para a doleira Nelma Mitsue Penasso Kodama, presa em flagrante no aeroporto internacional de São Paulo, em Guarulhos, quando embarcava para Milão, na Itália, com 200 mil euros escondidos dentro da calcinha.

Se Nelma depositar os R$ 15 mil ela ficará livre do flagrante e terá sua prisão revogada neste caso em que foi denunciada pela Procuradoria da República por tentativa de evasão de divisas. Mas ela responderá ao processo criminal na Justiça e os 200 mil euros continuam confiscados judicialmente.

A AMANTE DO DOLEIRO VIRA CAPA DA PLAYBOY

youssef playbloy taciana camargo

taciana camrgas dolares

Logo após ser preso em março de 2014, pela Operação Lava Jato, o doleiro Alberto Youssef pegou o telefone e mandou uma mensagem. Do outro lado da linha, quem recebeu o comunicado da prisão foi Taiana de Sousa Camargo, de 30 anos.

De salto alto e coberta por notas de dólares, a ex-amante do doleiro estampa a capa da revista Playboy de janeiro posando em quartos de hotel e jatinhos particulares. À publicação, ela contou que foi “a primeira pessoa para quem ele mandou uma mensagem quando foi preso”.

“Ele nunca mais me ligou depois daquela mensagem. Acho que ele primeiro pensou em se preservar. Fiquei magoada”, disse Taiana.

O romance começou em 2009 após Taiana se mudar para São Paulo, para trabalhar com vendas. Ela conta que foi apresentada a Youssef por uma amiga em comum e que o contato entre os dois se tornou frequente até se transformar em um tórrido caso de amor.

De acordo com a Polícia Federal, que quebrou o sigilo telefônico do doleiro, entre 2010 e 2013 eles se falaram ao telefone por 10.222 vezes. Ela conta que, durante o relacionamento, tomou conhecimento sobre casos de corrupção envolvendo o doleiro. In Contexto Livre

charge-calcinha 200 mil euros

Imprensa faciosa espalha palpite golpista e vingativo de delegado demitido

Vem um sujeito qualquer e diz um palpite infeliz, e a imprensa sectária faz que leva a sério. Transforma em manchete a presunção, a hipótese, a conjectura, a desconfiança, a apreensão, a presunção, suposição, a cisma de um policial faccioso, partidário, vingativo.

delegado demitido josélio azevedo de sousa

JANIO: CAÇADA A LULA COLOCA PF SOB SUSPEITA

“Se a Polícia Federal não apresentar indícios e argumentos, o alto número de convictos de haver caça a Lula vai aumentar muito”, afirma o jornalista, a respeito do pedido de um delegado da PF ao STF para ouvir Lula no âmbito da Lava Jato, mesmo sem ter provas contra o ex-presidente; segundo ele, “a PF levou tão longe o propósito de enquadrar Lula que acabou na situação original de ficar ela mesma sujeita às suas suspeitas”

Vitória
Vitória

247 – “A PF levou tão longe o propósito de enquadrar Lula que acabou na situação original de ficar ela mesma sujeita às suas suspeitas”, afirma o jornalista Janio de Freitas, em sua coluna deste domingo.

Segundo ele, “se a Polícia Federal não apresentar indícios e argumentos, o alto número de convictos de haver caça a Lula vai aumentar muito”.

O colunista comenta o pedido feito pelo delegado da Polícia Federal Josélio de Sousa ao Supremo Tribunal Federal para ouvir Lula no âmbito da Lava Jato, mesmo sem ter provas diretas contra o ex-presidente, conforme ele próprio admite no documento.

Trecho do documento da PF “recusa a possibilidade de inexistirem, no governo, pessoas insuspeitas de conexão com negócios ilícitos na Petrobras.” Janio comenta: “Se a ‘base de apoio’ para isso era ‘sustentada à custa de negócios ilícitos na referida estatal’, com ‘vantagens mesmo para o governo’, a PF, como parte do governo, fica incluída na suspeita que lança.”

Leia aqui a íntegra.

Vitória, Espírito Santo
Vitória

Belém, Pará Belém

O Jornal do Comércio do Recife faz campanha mentirosa e odienta contra Lula

Sei que cargos de chefia são da máxima confiança. Que jornalistas bem pagos escrevem do jeito que o patrão gosta e ordena. Escreveu diferente leva um pé na bunda.

Veja a pergunta capciosa, sectária do Jornal do Comércio, que abusa da mentira, das meias-verdades, dos balões de ensaio, da propaganda marrom:

BRA^PE_JDC PF Lula Joao Paes Mendonça

Escreve Gilmar Crestani:

Aberta temporada de caça ao grande molusco

É incomensurável o tamanho do ódio ao Lula. É diametralmente oposto ao seu reconhecimento internacional e à popularidade que granjeou enquanto Presidente. Bem, é exatamente por estes atributos que os midiotas o odeiam. A máquina de moer reputação comandada pelo Instituto Millenium só fez espalhar ódio e alimentar a perseguição implacável. Ninguém tem sido mais investigado do Lula. E tudo o que apresentam para incriminá-lo é esta sopa de idiotices.

Até o fato de ventríloquos como estes Joselitos (Josélio Azevedo de Sousa) e Timbós (Valtan Timbó Mendes Furtado) usarem da prerrogativa do cargo para se lançarem na caça ao Lula gigante não é notada como uma conquista da democracia para a qual tanto Lula quanto Dilma tanto lutaram.

A velha mídia, a mesma que participou do golpe de 1964 e se locupletou com a ditadura, preparou o terreno onde brotam Timbós e Joselitos

Até acho que estes dois tristes personagens, na alucinada cavalgada de perseguição e caça, são vítimas. Os verdadeiros culpados estão noutro lugar e em outro patamar. Basta observar quem desencadeou o ódio contra o PT, Lula e Dilma a partir do início das políticas de inclusão social. Vou dar uma pista… “Não somos racistas”….

blidagem tucano PSDB

.

Escreve Janio de Freitas:

Suspeitas e suspeitas

Se a Polícia Federal não apresentar indícios e argumentos, o alto número de convictos de haver caça a Lula vai aumentar muito

Os muitos convictos de que todo o vendaval de aparente moralização visa Lula, desde o processo do mensalão, devem estar reconfortados com a aprovação que lhes dá a Polícia Federal. O que não assegura, necessariamente, a exatidão da tese. Mas a PF levou tão longe o propósito de enquadrar Lula que acabou na situação original de ficar ela mesma sujeita às suas suspeitas.

No pedido ao Supremo para tomar o depoimento do ex-presidente, a PF sustenta que ele “pode ter sido beneficiado […] obtendo vantagens para si, para seu partido, o PT, ou mesmo para seu governo, com a manutenção de uma base de apoio partidário sustentada à custa de negócios ilícitos” na Petrobras.

Ministro da Justiça no primeiro mandato de Lula, Marcio Thomaz Bastos deu à Polícia Federal uma nova estatura. Em abertura para investigação de crimes do poder econômico, em liberdade investigatória, em qualificação técnica e em quadros. E em conceito da corporação e dos seus integrantes. Antigos e recentes funcionários foram beneficiados, em muitas dimensões, pela nova PF. Tal benefício foi possível, aplicando-se a concepção exposta pela PF ao Supremo e ao país, por vários fatores.

Primeiro, haver um governo que nomeou um ministro disposto a fazer da PF e dos seus policiais o que, por diferentes motivos, nenhum antecessor fizera, desde o governo Jango. Segundo, ser um governo disposto a dar à PF e aos seus policiais o apoio e as condições materiais para a mudança de importância e de estatura que tiveram. Terceiro, sem o qual os dois anteriores seriam inúteis, dispor aquele governo de “uma base de apoio partidário” que aprovou os recursos e as medidas, diretas ou não, para dar à Polícia Federal e a seus quadros novo papel e nova estatura.

Se a “base de apoio” para isso era “sustentada à custa de negócios ilícitos na referida estatal”, com “vantagens mesmo para o governo”, a PF, como parte do governo, fica incluída na suspeita que lança.

Outro trecho recusa a possibilidade de inexistirem, no governo, pessoas insuspeitas de conexão com negócios ilícitos na Petrobras. Sustenta a PF que “os indícios de participação devem ser buscados não apenas no rastreamento e identificação de vantagens pessoais por ventura obtidas pelo então presidente, mas também nos atos de governo que possibilitaram que o esquema se instituísse e fosse mantido”.

Está claro aonde a PF quer chegar: os atos de governo mencionados são as nomeações para a Petrobras. São frequentes os inquéritos de fatos graves ocorridos na PF – desaparecimento de grande quantidade de cocaína recolhida à polícia, engavetamento de inquérito, quadrilha de delegados, e outros. Na tese da PF, as nomeações dos autores de tais ocorrências, e outras feitas pelos demais governantes, implicaram o conhecimento da conduta que cada nomeado teria. Uma ideia estapafúrdia.

Se a Polícia Federal não apresentar indícios e argumentos menos suspeitos de desejo e autoritarismo, o alto número de convictos de haver caça a Lula vai aumentar muito. Pior para as pretensões, em 2018, de Aécio, Alckmin, Serra e Temer.

QUATRO PERGUNTAS

Se a retirada do “selo de bom pagador” do Brasil por uma das três empresas privadas que ganham fortunas dando ou negando esses selos justifica a tragédia escandalosa feita aqui, por que a concessão do selo em 2008 não mereceu escândalo positivo?

Pode-se acreditar na seriedade da empresa que rebaixa, com o Brasil e a Petrobras, a confiança financeira merecida pelos bancos Itaú e Bradesco, ambos entre os bancos privados de maior lucratividade no mundo?

A OAB deu um leve sinal de que agiria contra a interrupção, no Supremo, do julgamento sobre dinheiro de empresas nas campanhas. Pronto. O ministro Gilmar Mendes liberou o seu voto, retido há um ano e cinco meses. Pode ter tido outro motivo que não a delicadeza?

Foram mulheres que iniciaram o movimento pela proibição de saias curtas ou justas e decotes panorâmicos na Câmara. Mas por que acabar com o que ainda haja de proveitoso por lá?

helicoptero droga cocaína tucano

Imprensa terrorista faz a apologia de um golpe da extrema-direita, apoiado pelos banqueiros

Ditadura PM polícia

Lauro Jardim escreve no seu blogue, publicado na falida revista Veja: “Um ex-ministro de Dilma Rousseff aconselhou na semana passada um afoito banqueiro que já fazia planos do pós-Dilma: ‘Só não conte com ela. A Dilma vai resistir até o fim’.

A propósito, algumas alas do PMDB – também afoitas – já discutem como seria o ministério de Michel Temer, caso ele assuma a presidência”. Pronto. Terminou todo antijornalismo desse jardim de espinhos. Confira.

A primeira fonte de Jardim é um ex-ministro sem nome, que aconselha um “afoito banqueiro” sem nome, que “só não conte com ela”, Dilma, para aceitar, passivamente, um golpe brando ou na marra. Porque a presidente, obviamente, “vai resistir até o fim”.

Depois dessas duas fontes anônimas, Lauro Jardim apresenta dezenas de golpistas, todos também desconhecidos. “Alas do PMDB – também afoitas – já discutem como seria o ministério de Michel Temer”, que assumiria a presidência.

Os golpistas de Lauro Jardim ou são frouxos, covardes, traiçoeiros, ou tudo não passa de um balão de ensaio, de notícia inventada, mentirosa, de propaganda marrom, de apologia do golpe, que pode ser transformado em uma guerra civil, sendo Temer, na visão malandra de Lauro Jardim, um boi de piranha para o retorno da ditadura pregada por Bolsonaro, pelos pastores Marco Feliciano e Silas Malafaia.

Não acredito em jornalismo com fontes anônimas, e o uso do verbo no condicional. Jornalista que mente, e inventa, não merece nenhum crédito. Principalmente quando conspira contra a liberdade, a democracia, a legalidade, a paz, para servir estranhos e secretos interesses, Que o verdadeiro jornalismo se faz com coragem e sonho. A defesa da Pátria Grande, livre das investidas do colonialismo, do imperialismo, da pirataria internacional, e do terrorismo financeiro.

Bolsonaro cemitério clandestino osso desaparecido ditadura

Irmãos Marinho donos da rede Globo espalham boato de que amanhã não tem passeata contra os inimigos da democracia

Juan Hervas
Juan Hervas

 

É uma espantosa mentira. Para acabar com o Ato Nacional que será realizado amanhã em defesa da Liberdade, da Democracia, do Nacionalismo, da Petrobras, e contra o retorno da ditadura, as televisões, as rádios e os jornais impresso e online dos irmãos Marinho, proprietários do monopólio das organizações Globo, espalham a seguinte barriga:

“Governo pede à CUT para cancelar manifestação da próxima sexta-feira

Planalto quer evitar que ato estimule mais manifestantes contra o governo nas ruas no dia 15”

Confira aqui. O jornalismo da Globo é capaz de tudo para enganar o povo.

O jornalista pode tudo, menos mentir.

Escreve Andreia Rocha: “Pronto. Agora a Globo conseguiu me deixar boquiaberta. Estou, neste momento, completamente atônita com o nível de mau caratismo que o jornalismo dessa empresa alcançou. Um boato é desmentido por TODAS as fontes “consultadas” pelo jornal e mesmo assim é publicado em manchete como se verdade fosse. É o cúmulo da mentira e da manipulação.
A cara de pau é tão grande, que o jornal não sentiu nenhum tipo de constrangimento de usar a primeira parte da “notícia” para criar um fato e em seguida ser obrigado (para não levar um processo depois) a desmentir TUDO o que acabou de noticiar como verdade.

Gente!!!!! O ministro negou que tenha dito isso, o governo negou que tenha pedido para o ministro dizer, a CUT negou que tenha recebido qualquer pedido, mas a manchete do fato inexistente insiste na verdade fabricada: “Planalto quer evitar que ato estimule mais manifestantes contra o governo nas ruas no dia 15″.

Sério mesmo, estudo a mídia e seu comportamento há um tempo, e até escrevi em minha dissertação de mestrado que, hoje, a manipulação das massas ocorre de forma mais sutil e menos explícita do que as que ocorreram nas Diretas Já e no debate entre Lula e Collor em 89. Mas, percebo que me enganei. O negócio está cada vez mais aberto. A mídia sente cada vez menos vergonha de deixar de ser jornal para ser panfleto partidário.

Pasma, eu, Andreia, jornalista, realizo nesse momento o definitivo funeral de qualquer resquício de honestidade e respeito aos princípios democráticos daquele que, um dia, chamamos de jornalismo brasileiro”.

O jornalismo deixou de ser brasileiro quando, na ditadura, foi permitida a entrada da grana estrangeira para financiar a criação da TV Globo, que estendeu o Reporter Esso das rádios para os jornais e televisões. E para o jornalismo on line e qualquer outro meio que seja inventado.

Na monstruosa empresa Globo temos um jornalismo marrom, de propaganda ideológica e partidária. Um “jornalismo” que espalha mentiras, balelas, calúnias, embustes, farsas. Um “jornalismo”capaz de todo tipo de fraude, impostura, intrujice, trapaça, para enganar o povo.

vem pra rua