Ali Kamel é manipulador e faz jornalismo de hipóteses

tv manipulação pensamento globo

Neste blog existem várias reportagens, artigos, entrevistas denunciando o jornalismo das empresas Globo como manipulador, parcial, tendencioso, mentiroso e vendido. Vide links. Um jornalismo baseado em hipóteses.

E quem dirige esse jornalismo safado, vendido (vide relatório do honrado deputado Djalma Aranha Marinho, hoje nome do plenário da Comissão de Constituição e Justiça), principalmente o da TV Globo?

Os manipuladores são os jornalistas que exercem os cargos da máxima confiança dos proprietários. Um diretor de jornalismo aprova a pauta de reportagens, seleciona os textos, as imagens e os áudios. Tudo conforme os interesses dos patrões.

Um jornalismo livre apenas é possível quando o Conselho de Redação, exclusivamente eleito por empregados sem cargos de chefia, decide a linha editorial.

A criação dos Conselhos deveria constar da Lei dos Meios, que o Brasil não possui, para evitar o monopólio, que cria o atual jornalismo manipulador do pensamento único, da censura dos empresários, do nefasto e profético Big Brother (O grande irmão Marinho, empregador de Ali Kamel) previsto por Georger Orwell.

Denunciada a existência do Partido da Imprensa Golpista (PIG)
Denunciada a existência do Partido da Imprensa Golpista (PIG)

 

globo tv pig golpista

pensamento único censura justiça

Com o monopólio dos meios, a liberdade de imprensa constitui uma propriedade das empresas, e não um direito do jornalista.

O jornalismo é feito de hipóteses. Em geral, um enunciado (ou conjunto de enunciados) que possa ser colocado à prova, atestado e controlado só indiretamente, isto é, através das suas consequências. A característica da hipótese é, portanto, que ela não inclua nenhuma garantia de verdade nem a possibilidade de uma verificação direta.

A manipulação começa pela escolha do jornalista (o patrão sabe que tipo de texto escrito se pode esperar de um editor que ele empregou). A preferência das fontes de informação (agências nacionais e estrangeiras, autoridades, pessoas de prestígio etc), sem esquecer que Carlinhos Cachoeira era ouvido e cheirado pela Veja e Globo. O abuso dos releases. A definição do espaço na imprensa, no jornalismo on line; e do tempo na tv e rádio.  E a mensagem vai da mentira a uma meia-verdade. De um balão de ensaio à propaganda (repetição) dos teasers.

tv globo

Kamel versus Nassif: a diferença de tratamento que a Justiça dá a casos semelhantes

 

por Paulo Nogueira

Falta de objetividade e de coerência nas decisões da Justiça
Falta de objetividade e de coerência nas decisões da Justiça

Da Justiça se espera ao menos uma coisa: que seja coerente nas decisões.

É a única forma que os cidadãos têm de medir eventuais consequências jurídicas de suas ações.

Estou falando isso a propósito da decisão da Justiça do Rio de condenar Luís Nassif a pagar 50 mil reais de indenização para Ali Kamel, diretor de jornalismo da TV Globo.

A juíza Larissa Pinheiro Schueler baseou sua decisão no fato de Nassif haver afirmado que Ali Kamel é “manipulador” e faz “jornalismo de hipóteses”. Isso, segundo ela, extrapolaria o “direito à informação”.

Aplique esta mesma lógica não apenas para Nassif, mas para a mídia em geral. Não faz muito tempo, no âmbito da mesma Globo de Kamel, os nordestinos foram chamados de “bovinos” por Diogo Mainardi.

Se “manipulador” custa 50 mil reais, qual seria a indenização para “bovinos”? Ou, já que falamos de Mainardi, de “anta”, como ele tratava rotineiramente Lula em seus dias de colunista da Veja?

A Justiça deveria, em tese, ser igual para todos, mas é mais igual para alguns do que para outros.

monopólio tv censura

Há uma decisão jurídica recente que demonstra isso com brutal precisão.

O jornalista Augusto Nunes, o Brad Pitt de Taquaritinga, foi processado por Collor. Quer dizer: Collor fez o que Kamel fez.

Com uma diferença: perto do que Nunes disse dele, Nassif arremessou flores na direção de Kamel.

Começa no título: “O farsante escorraçado da Presidência acha que o bandido vai prender o xerife”.

Um trecho: “… o agora senador Fernando Collor, destaque do PTB na bancada do cangaço, quer confiscar a lógica, expropriar os fatos, transformar a CPMI do Cachoeira em órgão de repressão à imprensa independente e, no fim do filme, tornar-se também o primeiro bandido a prender o xerife.”

O site Consultor Jurídico noticiou o caso assim:

“Na sentença, a juíza Andrea Ferraz Musa, da 2ª Vara Cível do Foro de Pinheiros, disse que, em um estado democrático, o jornalista tem o direito de exercer a crítica, ainda que de forma contundente.

(…) “Embora carregada e passional, não entendo que houve excesso nas expressões usadas pelo jornalista réu, considerando o contexto da matéria crítica jornalística. Assim, embora contenha certa carga demeritória, não transborda os limites constitucionais do direito de informação e crítica”, disse a juíza.

(…) No pedido de indenização, Collor alegou que foi absolvido de todas as acusações de corrupção pelo Supremo Tribunal Federal e que há anos vem sendo perseguido pela Abril.

A juíza, entretanto, considerou irrelevante a decisão do STF. “As ações políticas do homem público estão sempre passíveis de análise por parte da população e da imprensa. O julgamento do STF não proíbe a imprensa ou a população de ter sua opinião pessoal sobre assunto de relevância histórica nacional”, justificou.”

Um momento. Ou melhor: dois momentos. “Irrelevante” a decisão do STF? Então você é absolvido de acusações na mais alta corte do país e mesmo assim isso não vale nada? Podem continuar a chamar você de bandido sem nenhuma consequência?

A juíza aplicou uma espetacular bofetada moral no STF em sua sentença. Como para Augusto Nunes, também para ela não houve nenhuma consequência.

Se um juiz trata assim uma decisão da Suprema Corte, qual o grau de respeito que os cidadãos comuns devem ter pela Justiça?

O segundo momento é por conta da expressão “certa carga demeritória”. Raras vezes vi uma expressão tão ridícula para insultos e assassinato de imagem.

Regular a mídia é, também, estabelecer parâmetros objetivos para críticas e acusações feitas por jornalistas.

Não é possível que “manipulador” custe 50 mil reais e “bandido”, “chefe de bando”, “farsante” e “destaque da bancada do cangaço” zero.

Quando você tem sentenças tão opostas, é porque reinam o caos e a subjetividade.

A única coisa que une o desfecho dos dois casos é que jornalistas de grandes empresas de mídia se deram muito bem.

Isso é bom para eles e as empresas nas quais trabalham.

Para a sociedade, é uma lástima.

Enio
Enio
O debate da lei dos meios na Argentina
O debate da lei dos meios na Argentina

Aécio Neves não explica nepotismo, desvios R$ 7,6 bilhões na saúde, e transferências milionárias de recursos públicos para rádios da família Neves

charge-preso1

 

Até hoje não há explicação para ditadura judicial/policial de Aécio Neves manter preso, incomunicável, o jornalista Marco Aurélio Carone. Eta justiça facciosa e iníqua.

Qual foi o crime de Carone? Denunciar o que a imprensa mineira escondia. A corrupção dos governos tucanos, iniciada pelos irmãos Aécio e Andréa Neves.

Será que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) explica como pode um jornalista, no exercício da profissão, ficar, meses e meses, acorrentado e amordaçado, em uma masmorra de segurança máxima, como perigoso inimigo ordem pública e da família Neves?

 

O povo quer saber. Dilma perguntou. Falta Aécio explicar

 

Irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG), Andrea Neves da Cunha é citada em processo
Irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG), Andrea Neves da Cunha é citada em processo

Correio do Brasil – O candidato tucano Aécio Neves saiu do debate na TV Bandeirantes, na madrugada desta quarta-feira, com assuntos pendentes junto à opinião pública. Acusado de nepotismo e de promover uma onda de censura à imprensa em Minas Gerais, Estado que governou ao longo de oito anos, Aécio Neves também não respondeu à denúncia da adversária petista, Dilma Rousseff, de desvios na área da Saúde, que somam R$ 7,6 bilhões, e transferências milionárias de recursos públicos para rádios da família Neves.

.
Sobre a questão do nepotismo, Neves saiu-se com uma evasiva, sem admitir, como já havia feito anteriormente, ter sido contratado para trabalhar na Câmara dos Deputados, que fica em Brasília, mesmo enquanto ainda morava no Rio de Janeiro, em 1980. Na época, tinha 19 anos. Em nota recente, o tucano disse que cuidava da agenda do deputado Aécio Ferreira da Cunha – seu pai – que exercia mandato no Partido Democrático Nacional (PDS), sigla sucessora da Arena, legenda criada pela ditadura militar.

.
De acordo com a nota emitida pela assessoria de imprensa de Aécio, não havia qualquer irregularidade no fato de ele estudar no Rio e trabalhar para o gabinete do papai. Os ocupantes de cargos na Câmara só passaram a ter que atuar em Brasília a partir de 2010, segundo o texto. A questão do nepotismo, porém, pareceu inexpressiva para o atual candidato à Presidência da República. Em sua biografia oficial, porém, Aécio Neves omite o período em que trabalhou remotamente para o mandato paterno.

 

Rádios milionárias

 

Corrupción-campante
No debate, Dilma pediu que o adversário esclarecesse quanto pagou, em dinheiro público, aos meios de comunicação que sua família controla do Estado de Minas Gerais. Nem ele, nem o atual governo mineiro, no entanto, divulgam informações precisas sobre despesas que o então governador realizou na veiculação de publicidade oficial em três rádios e um jornal de seus parente, entre 2003 a 2010, período em que esteve à frente da máquina pública. Em relatório, divulgado no início da semana, o atual governo reconhece que as empresas da família Neves receberam repasses milionários, em publicidade, no período em que ocupava o Palácio da Liberdade. Mas recusa-se a dizer, exatamente, quanto pagou.

.
A família do presidenciável tucano controla a Rádio Arco Íris, retransmissora da Jovem Pan em Belo Horizonte, e as rádios São João e Colonial, de São João del Rei, além do semanário Gazeta de São João del Rei. Aécio é sócio da Arco Íris com a irmã mais velha, Andrea, e a mãe, Inês Maria Neves Faria. Quando o irmão era governador, Andrea Neves era coordenadora do grupo de assessoramento do governo que tinha como atribuições “estabelecer diretrizes para a política de comunicação” e “manifestar-se previamente sobre a relação de despesas com publicidade”, de acordo com o decreto que o regulamentou.

.
Em 2011, a pedido do PT, o Ministério Público de Minas Gerais apurou, junto ao governo, que a rádio Arco Íris recebera R$ 210.693 no ano anterior e aguardava um levantamento detalhado sobre os gastos desde 2003, mas esses dados, até agora, permanecem sigilosos. Procurada, a assessoria da campanha do candidato tucano preferiu não se manifestar. Na véspera, o candidato do PSDB à Presidência já havia tangenciado a questão e afirmou a jornalistas que “não tem ciência” dos números sobre o quanto o governo de Minas Gerais transferiu, em forma de publicidade, às rádios e ao jornal da família.

.
Neves mostrou-se irritado com as perguntas dos repórteres e disse apenas que a pergunta devia ser feita ao governador de Minas – Alberto Pinto Coelho, do PP, seu aliado.

.

– Não tenho ciência destes números, mas estimulo o governo que os dê. Tem que perguntar ao governador de Minas. Não sou governador – disse Neves, de forma ríspida, em rápida coletiva na capital paulista.

.
A propriedade da rádio por Aécio, a irmã Andrea Neves e a mãe, Inês Maria Neves Faria, veio a público em abril de 2011, quando o senador teve a carteira de habilitação apreendida durante uma blitz da Lei Seca no Rio. Ele dirigia um Land Rover, comprado no ano anterior em nome da emissora. Aécio tornou-se sócio da Arco Íris em dezembro de 2010 quando já tinha deixado o governo. No período em que Aécio era governador, Andrea Neves já integrava o Núcleo de Comunicação Social do Governo – que tratava da publicidade do Executivo.

.
Irmã poderosa

.
A jornalista Andrea Neves chegou a receber a alcunha de “primeira irmã da república das Gerais”. Ela, segundo a Wikipedia “fez parte do Grupo Técnico de Comunicação do Governo de Minas Gerais. Trata-se de um núcleo de trabalho que reúne os responsáveis pelas áreas de comunicação dos órgãos da administração direta e empresas públicas, entre outros, para estabelecer as diretrizes e a execução das políticas de prestação de contas do governo estadual à população. O grupo atua de forma colegiada e tem caráter consultivo e de assessoramento”.

.
“À frente do Grupo Técnico de Comunicação do Governo, Andrea despertou som e fúria, dependendo do gosto e do partido do freguês. Aos olhos da situação, ela teve papel fundamental na construção da imagem de Aécio como gestor competente que saneou as finanças do Estado”, acrescenta o jornalista Luiz Carlos Azenha, em seu blog.

.
Ainda segundo reportagem publicada no blog do Azenha, a principal tarefa da irmã de Aécio Neves era servir como um “tentáculo do irmão esticado em direção à mídia, que se valeu dos mais variados instrumentos para afagar ou sufocar veículos de comunicação.

.

Durante o governo de Aécio Neves, Andrea foi acusada de manejar as verbas de publicidade do Estado de acordo com os interesses políticos de Aécio e de influir na imprensa mineira, a ponto, inclusive, de provocar a queda de jornalistas pouco simpáticos ao governo. Deputados da oposição chegaram a apresentar denúncias formais contra Andrea, imputando a ela e ao irmão desvio de recursos da área de comunicação do governo”.

Xalberto
Xalberto

Censura mineira: 66 blogueiros perseguidos. Jornalista Geraldo Elísio desafia Aécio

Mohamed Sabra
Mohamed Sabra

Minha solidariedade aos 66 bloqueiros perseguidos por Andréa e Aécio Neves.

Rapazinho e mocinha, o avô de vocês disse que o primeiro compromisso de Minas é com a liberdade. Disse não, leu, porque quem escreveu foi o gost writer Mauro Santayana. Talvez por isto vocês não se sintam obrigados a segui-lo. É assim que você quer superar a sua insignificância Aécio, censurando os que apontam os seus vícios, erros e falcatruas.

Você e a desvairada da Andréa colocaram a polícia civil em minha casa, com ordem judicial, apreender meus equipamentos eletrônicos, enquanto um promotor me acusou de fazer parte de uma quadrilha de falsários a movimentar um bilhão de dólares anuais.

Reagi com a tranquilidade dos inocentes, que nada devem, e ofereci ao ínclito Ministério Público de Minas Gerais, através da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Assembléia Legislativa mineira, a quebra dos meus sigilos fiscal, bancário e telefônico. Por que não quebram? Porque sabem que sou aposentado do INSS, nada devo, nada preciso temer, e a farsa cairá por terra.

Seja homem, Aécio! Seja mulher, Andreia! Vamos conversar.

Expliquem o desvio do dinheiro da saúde, da ponte que caiu, ou melhor, viaduto, de todos os superfaturamentos, da mentirada sobre o deficit zero, dos aeroportos de Cláudio e Montezuma, de suas ações pessoais com ilícitos, no caso de Aécio com as drogas pesadas como toda a rede social divulga.

Expliquem de quem são os 450 quilos de cocaína encontrados no helicoca dos Perrellas.

Você é um blefe de discursos mofado.

Sou contra todo e qualquer crime, e por isso desejo que todos sejam apurados, inclusive os de vocês.

Explique-se, de maneira simples, como eu fiz: abri os meus sigilos fiscal, bancário e telefônico ao MP, à Justiça, e estou oferecendo, de público, à mídia ou a quem interessar possa, desde que, sem medo, de mãos limpas e almas puras, possam fazer o mesmo.

Você é um blefe, não é sério. É um marionete manipulado por sua irmã Andréa.

É a minha liberdade de expressão e a minha liberdade de imprensa que eu uso. Para me defender basta apenas os meus bons costumes, e a minha história. História, você um garoto mimado, também a tem, mas bons costumes duvido.

Geraldo Elísio – Repórter
.

Propaganda típica do PSDB de Minas Gerais in PT Saudações

bala 45

arma 45

IMPRENSA. A perseguida que Aécio gosta

Rogério Correia: “Como Aécio comete ilegalidades na vida pública e apronta muito na vida privada, ele precisa de blindagem absoluta na mídia”
Rogério Correia: “Como Aécio comete ilegalidades na vida pública e apronta muito na vida privada, ele precisa de blindagem absoluta na mídia”

 

Pelo interesses de esconder obscuros acontecimentos, a imprensa se tornou a perseguida de Aécio Neves. Stalking que ele promove por gosto e vício.

O patronato não faz a imprensa. E sim os jornalistas divididos em três tipos: os verdadeiros, os frouxos e os vendidos.

 

“Aécio fez com jornalista do Rio o que sempre faz em Minas. Censura, cala e até prende quem denuncia o que ele faz de errado”

Escreve Conceição Lemes: Nessa semana, a pedido do Ministério Público do Rio de Janeiro, a jornalista Rebeca Mafra, do Canal Brasil, teve a casa invadida por policiais e apreendidos um computador, dois HDs externos, pen drives, um iphone sem uso, chips de computador, CDs de fotos e um roteador.

A acusação é de que ela e outras quatro pessoas fariam parte de uma espécie de “quadrilha virtual” organizada para difamar nas redes sociais o senador e candidato do PSDB à Presidência da República Aécio Neves.

Rebeca, além de não conhecer os demais acusados, nunca falou nada de Aécio nas redes sociais.

Em entrevista à TVT, Rebeca confirma que a denúncia partiu do senador tucano.

“Uma denuncia feita pela assessoria de imprensa dele, diretamente ligada à candidatura”, frisa. “Pelo que eu soube, foram 17 buscas e apreensões no Rio. No mandado que tinha o meu nome eram mais quatro pessoas.”

Nenhuma novidade para jornalistas e políticos mineiros. Não à toa deputados estaduais criaram o bloco parlamentar de oposição Minas Sem Censura (MSC), integrado por PT, PMDB e PRB.

“Aécio não tem limites, é um perigo à democracia. Em Minas, não há democracia. O que existe é um poder de exceção feito a partir do dinheiro e do poder”, denuncia Rogério Correia, deputado estadual Rogério Correia (PT-MG) e vice-líder do MSM. “O que acontece hoje em Minas é uma amostra do que Aécio fará no restante do Brasil, se eleito. O caso da jornalista do Rio de Janeiro é a prova.”

“Como Aécio comete ilegalidades na vida pública e apronta muito na vida privada, ele precisa de blindagem absoluta na mídia”, prossegue. “Tem que frear tudo que contraria seus interesses.”

“Aécio fez com jornalista do Rio o que sempre faz em Minas. Censura, cala e até prende quem denuncia o que ele faz de errado”, alerta Rogério Correia.

“Um dos objetivos centrais de Aécio, caso eleito, será limitar o acesso à informação. Tanto que não ele queria a aprovação do marco civil da internet”, previne o deputado.

Rogério Correia fala de cadeira. Em 2010, o então governador Aécio Neves tentou cassar o seu mandato e o do deputado estadual Sávio Souza Cruz (PMDB-MG).

Segue a íntegra da nossa entrevista com um dos mais combativos deputados estaduais de Minas.

Viomundo – Surpreende-o o fato de Aécio Neves ter denunciado ao MP do Rio a jornalista Rebeca Mafra e outras quatro pessoas por difamação, embora ela nunca tenha falado dele na internet nem conheça os demais integrantes da “quadrilha virtual”?

Rogério Correia — Nenhum pouco. Aécio fez com jornalista do Rio o que sempre faz em Minas. Censura, cala e até prende quem denuncia o que ele faz de errado.

O senador não tem limite. Ele é completamente blindado aqui e agora está adquirindo blindagem nacional.

A Folha de S. Paulo fez reportagem sobre o assunto como se fosse um grande escândalo e o senador a vítima. Assim, o blinda, até porque é o candidato desse extrato das elites dominantes brasileiras.

Viomundo – O deputado Sávio Souza Cruz diz que em Minas “está tudo dominado” por Aécio e seus parceiros. Concorda?

Rogério Correia – Assino embaixo. Aqui, o controle de Aécio se dá em todas as esferas: Ministério Público, Tribunal de Justiça, Tribunal de Contas, Assembleia Legislativa… Além disso, há uma blindagem muito forte da imprensa quanto a qualquer tipo de análise negativa que possa ser feita sobre a sua administração como governador ou a respeito de sua vida privada.

Essa blindagem faz com tudo que é negativo em relação a ele se torne inquestionável. Também dá muita tranquilidade para que Aécio e seus parceiros possam agir fora da lei na certeza da impunidade.

Viomundo – Que tipo de impunidade?

Thiago Lucas
Thiago Lucas

Rogério Correia – Vou dar dois exemplos. Um é a não aplicação de recursos estipulados pela Constituição em relação à Saúde e à Educação.

Desde o governo Aécio desviam-se em Minas recursos da saúde. Na gestão Antônio Anastasia, isso virou ação institucionalizada.

Explico. A Constituição determina a aplicação de, pelo menos, 25% dos recursos dos Estados em Educação e, no mínimo, 12% em Saúde. Mas mediante um Termo de Ajustamento de Gestão (TAG), firmado em 2012 com o Tribunal de Contas do Estado, o governo de Minas foi “autorizado” a não cumprir o mínimo constitucional para Saúde e Educação. O Tribunal de Contas deu permissão para o governo de Minas cumprir o que estabelece a Constituição somente depois de 2015.

Um absurdo no campo da gestão pública. E o que é pior. Com o aval do órgão que deveria fiscalizar e impedir que esse tipo de coisa acontecesse.

Apesar de auditores fiscais, parlamentares e três promotores do Ministério Público mineiro questionarem esse absurdo, o governo de Minas nunca recebeu uma punição.

Aqui, tudo é arquivado, esquecido, engavetado,diante do poder ditatorial de Aécio e do PSDB em Minas. O que permite que o senador e aliados, como o ex-governador Antônio Anastasia, saiam impunes. Resultado: Aécio segue infringindo a lei, pois sabe que sairá impune.

Aliás, esta semana, foi noticiado o arquivamento de mais uma denúncia contra o senador tucano.

Viomundo – O outro exemplo.

Rogério Correia — É a Lei 100. Mesmo sabendo que era ilegal, Aécio efetivou 100 mil professores sem concurso público. Ele age com a complacência da Justiça, já que isso vai ser julgado muito tempo depois, quando ele já não estará mais no governo. Em consequência, não dá inelegibilidade para ele.

Depois que ele conquista essa blindagem, ele acha que está impune a tudo, inclusive na sua vida pessoal. Por isso faz também da sua vida pessoal uma baderna.

É o menino mimado do avô. Então, tudo é protegido para ele. A irmãzinha [Andréa Neves] protege-o de tudo o que ele faz de errado. Ele virou um garoto mimado.

Viomundo – Como se dá a blindagem em Minas?

Rogério Correia – Aqui há o que eu chamo de pacto das elites dominantes, que têm um projeto em torno do Aécio. Elas o paparicam com discursos do tipo “Aécio é mineiro e vai retomar Minas”. Essa mesma elite ocupa os mais altos cargos dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário de Minas. No caso da mídia, não é só a elite amiga que mantém o controle, mas também a sua própria família.

É uma ação de mão dupla, pois o governo de Minas garante muitos ganhos para essas classes mais altas. Aqui, já saiu o aumento salarial para o Ministério Público, que ganha o que quer de dinheiro. O Tribunal de Contas e os juízes, idem.

Para eles, não tem tempo ruim. Já para os professores e o pessoal da saúde, são migalhas. Na prática, é tudo para os amigos. A blindagem faz parte dessa troca de favores.

Viomundo – Já quem ousa divergir ou denunciar os malfeitos do senador corre o risco de ser preso.

SOLEDAD CALÉS
SOLEDAD CALÉS

Rogério Correia – É o que ocorreu com o jornalista Marco Aurélio Carone, do Novo Jornal. A pedido de Aécio, o seu site foi fechado e Carone está preso há quase cinco meses, apesar de problemas de saúde.

O Tribunal de Justiça de Minas negou o habeas corpus para libertá-lo e responder o processo em liberdade. A negativa do habeas corpus é uma proteção a Aécio.

O Carone não respeitava a censura imposta por Aécio ao restante da imprensa mineira e Aécio o calou. Assim como ele quis cassar o meu mandato e o do Sávio Souza Cruz. Aécio não admite adversário. Adversário é inimigo que tem de ser aniquilado politicamente.

Viomundo – Aliás, assim como o Carone, a jornalista Rebeca Mafra, do Rio de Janeiro, está sendo acusada de formação de quadrilha, embora ela não conheça os demais acusados.

Rogério Correia – Acho que a formação de quadrilha é a forma que Aécio encontrou no Judiciário para justificar e facilitar desmandos autoritários. Tanto que o Carone e o Nílton Monteiro estão com prisão preventiva acusados de intimidar testemunhas que comprovariam formação de quadrilha. Aécio cala as vozes dissonantes na imprensa e, ainda, se faz de vítima.

Além disso, ele põe os seus parceiros para fazer propaganda suja na internet, contrata robô para baixar o nível nas redes sociais, e o Ministério Público finge que não vê.

É um absurdo o que ele conseguiu agora no Rio de Janeiro. Depois, será no Ministério Público de São Paulo, no Ministério Público Federal… Aécio é um perigo.

Viomundo – Os mineiros estão totalmente a par dessa situação?

Rogério Correia – Uma parcela, sim. Só que, com essa blindagem absoluta, ele passa a imagem que quer. Por isso, boa parte da sociedade mineira desconhece os malfeitos do Aécio.

Viomundo – Diria que a imprensa mineira é responsável por essa desinformação?

Rogério Correia – Completamente. A mídia é fator fundamental. Conseguir pautar nos grandes veículos mineiros alguma notícia que critique o governo de Minas é trabalho árduo. Como Aécio comete muitas ilegalidades na vida pública e apronta muito na vida privada, ele precisa dessa blindagem absoluta, que é garantida por sua irmã Andrea Neves.

Nos dias de hoje, a internet e as redes sociais devem ser o inferno para Aécio, pois elas democratizam muito mais as informações.

Eu acho que, se eleito presidente – o que não acontecerá ! – , um dos objetivos centrais de Aécio será limitar o acesso à informação. Tanto que ele não queria o Marco Civil da Internet.

Ele tem que frear tudo. A ponto de se preocupar com a coitada da jornalista no Rio de Janeiro. Assim como já faz em Minas, ele está usando o Ministério Público do Rio de Janeiro para pôr em prática a sua censura.

Viomundo – O que acontece hoje em Minas poderá se repetir no Brasil?

Rogério Correia — Não tenho a menor dúvida de que o que acontece, aqui, há anos, é uma amostra do que Aécio fará no restante do Brasil, se eleito.

O caso da jornalista Rebeca Mafra é a prova. Por isso, eu reitero: Aécio é um perigo à democracia. Em Minas, não há democracia. O que existe é um poder de exceção feito a partir do dinheiro e do poder.

Brasil registra maior número de jornalistas mortos nas Américas em 2013

expresão jornalista liberdade

O Brasil é o país que mais registrou mortes de jornalistas no exercício da profissão durante o ano de 2013 em todo o hemisfério ocidental, apontou um relatório da organização Repórteres Sem Fronteiras.

De acordo com a Folha de S.Paulo, ao todo, foram cinco vítimas, mesma quantia registrada em 2012. A entidade relacionou as mortes aos “altos índices de violência” do país e aos riscos envolvidos em coberturas jornalisticas sobre o crime organizado e suas atuações com o tráfico de drogas, com a corrupção e a venda ilegal de matérias-primas.

A RSF cita a pressão sofrida por jornalistas durante os protestos de junho do ano passado, que começaram em São Paulo e se alastraram pelo país. A organização alerta que houve “grande repressão policial” sobre os profissionais de mídia.

Segundo o relatório, ocorreram pelo menos cem atos violentos contra os profissionais de imprensa, durante o que classificou como “primavera brasileira”. Além de apontar as mortes, a entidade abordou os riscos sofridos por jornalistas investigativos, intimidados por “coronéis” da polícia. O texto menciona o caso do jornalista Lúcio Flávio Pinto, do Pará, que denunciou o tráfico de madeira no Norte e acumulou 33 processos.

A organização fala também sobre países da América Latina, como a Bolívia, o Paraguai e a Argentina, indicados como locais com problemas para a liberdade de imprensa. Em 2012, o México ocupava a primeira posição como o país mais perigoso para os profissionais.(Transcrevi do Portal Imprensa. Veja links.

Geraldo Elísio denuncia na Assembléia de MG que tem três livros sob censura

A todos os meus amigos.
Acompanhado da minha advogada doutora Aurora Ramalho compareci hoje a um “Pinga Fogo” televisado da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa de Minas Gerais para expor a situação decorrente da apreensão com ordem judicial de meu netbook, pendrive, HD externo, CD’s e cadernetas de telefones e outras anotações.
Primeiro reafirmei a minha alegria em constatar a eficiência do órgão então inexistente em 1977 quando, em companhia de outros colegas ganhei o Prêmio Esso Regional de Jornalismo denunciando torturas quando ainda vigia o AI-5.
Agradeci a todos os parlamentares integrantes da Mesa dos Trabalhos pedindo aos mesmos se fizessem porta vozes de meus respeitos a todos os senhores parlamentar, integrantes de um Poder fundamental para a existência da vida democrática.
Reafirmei não mudar um ponto de tudo o que já escrevi a respeito e a minha estranheza diante do ocorrido em virtude de ter trabalhado no site Novojornal, hoje fora do ar.
Disse da minha convicção de que nenhum cidadão brasileiro a começar por eu próprio se situa acima de qualquer suspeita, e, perante os integrantes da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa de Minas Gerais, de livre e espontânea vontade assinei um documento a ser encaminhado ao Ministério Público de Minas Gerais autorizando a quebra de meus sigilos fiscais, bancário e telefônico, tendo como testemunhas parlamentares da oposição e situação.
Abri mão igualmente de eventual prerrogativa de dispor de mais de 70 anos argumentando que desejo ser um cidadão livre não em virtude de uma idade avançada, mas por nada dever ou temer, nem a Deus por que a um Pai que é a Suprema Bondade e Sabedoria não se pode temer, cabendo sim o respeito.
E reafirmei a minha condição de perseguido político e de três livros que estou em fase de conclusão estar sob censura prévia, cujos textos estão contidos no meu notbok que sinceramente espero não venha a sofrer danos, pois os senhores policiais do Depatri que estiveram em minha residência, embora sendo educados e cumprindo a formalidade de ouvir duas testemunhas nem o número do processo deixaram comigo, não me exibiram a relação do que foi recolhido e não colheram nenhuma assinatura minha, sequer lacrando os equipamentos arrestados o que logicamente causa preocupações de várias naturezas.
Providências serão tomadas e agradeço a cordialidade dos senhores parlamentares Durval Ângelo, Sebastião Costa, Duarte Bechir, Rogério Corrêa, Célio Moreira, Bonifácio Mourão e a deputada Elisa Prado.
Tudo o que escrevi decorreu das minhas prerrogativas profissionais e constitucionais, inclusive o segredo da fonte, e na crença absoluta do que ouvi da boca de um amigo do passado, o doutor Tancredo Neves segundo o qual “O primeiro compromisso de Minas é com a liberdade”. Não posso assegurar que todos aprenderam esta máxima. Eu aprendi!
Geraldo Elísio (de camisa) na Assembléia Legislativa de Minas Gerais. Foi saudado pelo deputado Rogério Correia: "Geraldo tem História no jornalismo e no combate à ditadura militar". Foto: Juniamar Azeredo Coutinho
Geraldo Elísio (de camisa) na Assembléia Legislativa de Minas Gerais. Foi saudado pelo deputado Rogério Correia: “Geraldo tem História no jornalismo e no combate à ditadura militar”. Foto: Juniamar Azeredo Coutinho

Chuva de balas contra jornalista no Paraná

André Almenara
André Almenara

 

A casa de família do repórter André Almenara, do programa Maringá Urgente, exibido pela Rede Massa(SBT), foi alvo de atentado a tiros na noite de domingo (7). De acordo com a Polícia Civil, 11 cápsulas de pistola calibre 380 foram encontradas no entorno da residência, que fica na Vila Isabel, em Maringá.

Ainda segundo a polícia, a casa pertence aos pais de Almenara. No Facebook, o repórter afirmou que vai acompanhar de perto as investigações do caso. “Eu e minha família fomos alvo de bandidos nesta madrugada. Não estava em casa quando aconteceu isso, mas meus pais, sim. Não vou aceitar vagabundo nenhum ir na casa dos meus pais e fazer o que fizeram”, disse.

O atentado ocorreu por volta das 23 horas. Ninguém ficou ferido, segundo a polícia.

 

 

As marcas da violência contra mais um jornalista no Paraná
As marcas da violência contra mais um jornalista no Paraná

“Meus pais estão bem, mas ficamos todos muito abalados. Eu trabalho diariamente entrevistando bandidos, mostrando o rosto deles na televisão, e de certa forma já esperava por isso, mas quando acontece, abala todo mundo, ainda mais quando envolve sua família”, fala Almenara.

Policiais civis e militares estiveram no local para iniciar as investigações. O repórter acredita que o crime tenha sido cometido por algum bandido que não tenha gostado de alguma reportagem realizada.

“Fui ameaçado recentemente por um homem que incendiou um comércio, e fiz algumas matérias denunciando ações de facções criminosas, como o PCC [Primeiro Comando da Capital], em Maringá. Os policiais pediram para eu me lembrar de matérias feitas recentemente, para ajudar nas investigações”, conta.

O repórter fala que irá reforçar a segurança pessoal e de sua família. “Vou ser mais cuidadoso, mas não vou parar de trabalhar, isso não vai me intimidar”, disse.

 

Atentados

Esta não é a primeira vez que a equipe do programa Maringá Urgente sofre atentado. Em novembro de 2011, um carro do programa foi atingido por 10 disparos. O crime ocorreu durante a madrugada, na frente da residência de um cinegrafista, na Vila Morangueirinha. Ninguém ficou ferido.

Em agosto do mesmo ano, a sede da RPC TV Cultura (afiliada da Rede Globo em Maringá), foi atingida por mais de 15 tiros de pistolas calibre 40 e 9 milímetros. Os suspeitos foram presos.