Poesia de Anaíra Mahin

O jornaleiro

Anaíra grávida

Anaíra filho

Encontrada

média três kilos já tem
a menina grande
sem circulares

tem perfil na foto
uma sobra feita
na barriga dura

um fêmur de 7 e meio
que dispensa medições
a menina grande
dentro dos padrões

água ainda tem bastante
placenta quase madura
acenando pronto instante
rica de graça e candura

uma cabeça pendida
pela gravidade conduzida
e um corpo que se espreme
no corredor da barriga

e a menina apronta
coração presente
corajosamente
a sua saída

a sua chegada

e a menina aprontada
já não se adianta

mas já se encontra
de pronto encontrada

leite

leite é coisa tão boa que nem sendo um leite assim de caixa fica ruim, nem sem lactose, nem em pó…
leite tem o gosto do primeiro gozo, primeiro contato, gosto de mãe.

mãe é coisa tão boa que mesmo sem lactose, sem leite e sem peito.

===

Fotos de Anaíra Mahin Valadares Galvão

Ver o post original

Poesia de Cristina Moreno de Castro

O jornaleiro

Cristina Moreno de Castro poeta e jornalista

Serenidade

Hoje meu estado de espírito está sonolento.
Diferente da corrida na chuva.
Devo recolher-me a atividades mais serenas.
Concentração sem reflexão.
Análise sem reflexão.
Porque reflexão é suicídio romântico.

Duas lágrimas

Só derrubei duas lágrimas. As outras, me inundam por dentro.

Octógono da solidão (Sessão de blues)

I
Tudo perfeito.
B.B. King no som
Chuva em plena hora mágica
Gaita desafinada
– e nenhuma lágrima.

II
John Lee Hooker começou.
E os pensamentos não brotam como deveriam.
Eles todos me deixaram só
Então sou só eu e minhas pernas e braços imóveis.
Eu e minha respiração e meus pés gelados.
Sem voz e sem dúvidas
Mas, sem dúvida, está tocando blues.

III
O telefone tocou quando eu estava deitada.
Escutei, não dormia, mas não queria levantar.
Quando ele parou, levantei e era uma amiga.
Meus amigos devem estar por aí, contando piadas.
Liguei, ninguém atendeu.
As the years go…

Ver o post original 267 mais palavras

Poesia de Christiana Nóvoa

O jornaleiro

Christiana Nóvoa

a muda

fiquei sem voz

procuro sábios

que saibam ler

meus grandes lábios

o castelo

venta aqui fora

faz frio

,

o sol em brasa

se esconde

e de longe

me fita

triste e vazio

como uma casa

bonita

onde o amor mora

e ninguém visita

o juízo

eu morderia

qual fruta a luz

na tua treva

e neste dia

preciso

adão e eva

fariam jus

ao paraíso

 

Recital de poesia de Christiana Nóvoa

Ver o post original

Poesia de El Maria

O jornaleiro

el maria 3

Com minhas linhas de cerol
Fiz uma cerca que cercam alguns pulsos de até criar
De até vingar
Ou até estilar
Ainda eram minhas quando perdi
Ainda eram linhas quando quebrei
Eram suas quando me enrolei
A face das contas que deixei
O verde das plantas que pintei
Não te falei que as marcas da carne
Juntei
Pra trocar por duas moedas
E colocar nos olhos que calei

Aguento as minhas horas corridas
Pra que sejam sentidas como um peso colhido
Lá estão elas
Descem o rio
Cruzam, e descruzam
Elas nunca mais voltam

Não engulo
É gula da boca
O céu é perto
É teto do esperto
Avise lá na casa das rochas brancas que o aluguel aumentou!

Sabe quando não, e nem?
Sim
Quando o chão rala o ventre
E o ventríloquo
Quando os terminais de prazer doem
E as cachoeiras de sangue matam mil…

Ver o post original 16 mais palavras

Água não é mercadoria: reestatização da Sabesp já!

por Fabíola Calefi

água sp
O acesso à água é direito humano fundamental, pois se trata de um patrimônio da humanidade e constitui o princípio da vida em nosso planeta. Transformar água em mercadoria é deixar na mão dos grandes capitalistas estrangeiros a decisão de dar ou não acesso à água tratada às pessoas. O governo deve garantir o abastecimento deste recurso.

As grandes empresas estaduais de saneamento foram criadas pelos governos, pois o investimento para construí-las era muito grande e o retorno lento. Por isso, nenhum capitalista participaria deste negócio. Mas assim que essas empresas estão funcionando os capitalistas iniciam o lobby para extrair lucro delas e passam a pressionar o governo, exigindo sua privatização. Foi o que ocorreu com a Sabesp. A empresa foi parcialmente privatizada [Governo Geraldo Alckmin]. Teve seu capital aberto, com 47% das ações indo parar nas mãos de acionistas privados, negociadas na Bolsa de Nova Iorque. O estado de São Paulo tem 50% de suas ações e continua administrando a empresa. A abertura do capital fez com que a companhia se transformasse. O princípio de funcionamento não é oferecer um bom serviço à população, mas gerar lucros aos acionistas privados.

O resultado da onda de privatizações das companhias públicas de saneamento é que hoje, segundo a própria Agência Nacional de Águas, 55% dos municípios brasileiros poderão ter déficit no abastecimento em 2015. Nada menos que 84 % precisam de investimento para adequar seus sistemas de abastecimento e 16% precisam de novos mananciais. Seriam necessários R$ 22,1 bilhões em investimento para reverter essa situação.

No meio de uma crise de água causada pela má qualidade do serviço da Sabesp, que não ampliou a captação de água exigida pelo contrato e ainda tem quase 40% da água vazando pelos canos devido à falta de investimento nas redes. A Agência Nacional de Água (ANA) prorrogou o prazo de vigência de concessão do Sistema Cantareira para até 31 de outubro de 2015. Esse era o momento, se os governos realmente se importassem com a falta de água, de cassar a concessão, já que a empresa não cumpriu suas obrigações, reestatizar a Sabesp e fazer os investimentos necessários para que a empresa trabalhe para dar acesso à água potável para a maioria da população e não lucros para meia dúzia de empresários.

 

água alckmin sado mzoquismo eleitor