Arquivo da categoria ‘Cultura’

 

 

 

maos-sangue

BRA^BA_COR chacina polícia bahia

 

Mortes de doze rapazes ocorreram há quase dois meses, após operação policial na comunidade da capital baiana

 

 

Os laudos cadavéricos produzidos pelo Departamento de Polícia Técnica da Bahia apontam que as doze vítimas da operação policial, que ficou conhecida como Chacina do Cabula, em Salvador (BA),  foram executadas. As informações são do jornal baiano Correio.

De acordo com os relatórios, parte dos disparos foi realizada de cima para baixo. Além disso, alguns dos rapazes baleados apresentam perfurações na palma da mão, braços e antebraços. As análises indicam ainda que a maioria possuía pelo menos cinco marcas de tiros — alguns deles disparados a curtas distâncias, de menos de 1,5 metro.

Em um dos casos, as perfurações em um dos suspeitos dá a entender que o projétil entrou pela base da cabeça e saiu pelo queixo. Consultada pelo Correio, uma fonte ligada à investigação declarou que disparos desse tipo ocorrem normalmente quando as vítimas foram mortas em posição de defesa, e afirmou que há “sinais evidentes de execução”.

Também procurado pela reportagem, um perito baiano que preferiu permanecer anônimo disse que os diparos de cima para baixo indicam “que a pessoa morta está numa região mais baixa do que quem atirou”. “Isso subentende que a pessoa baleada estava deitada, agachada ou ajoelhada”, adiciona. Quanto aos corpos com marcas de perfurações no antebraço e braço, a situação sugere que a pessoa deve ter sido “pega de surpresa e que por isso elevou o braço”.

Relembre o caso

Chacina da polícia petista

Chacina do Cabula 

As doze mortes ocorreram há quase dois meses, na madrugada do dia 6 de fevereiro, durante ação levada a cabo por policias militares das Rondas Especiais (Rondesp). A versão da PM é a de que o grupo – suspeito de planejar um assalto a uma agência bancária –, ao perceber a chegada das viaturas, disparou em direção a elas. Em resposta, os agentes teriam iniciado o tiroteio. Os homens fugiram e adentraram um matagal, onde se encontravam outros integrantes da quadrilha, em um total de trinta pessoas. A ocorrência deixou, ao todo, 16 baleados.

No entanto, os moradores da comunidade de Vila Moisés, onde tudo aconteceu, contam outra história. Testemunhas afirmam que os “suspeitos” foram executados. “De repente, ouvi rajadas. Me abaixei. Quando ouvi que não tinha mais nada, todos os rapazes estavam no chão”, contou um dos moradores da região.

 

Caboclinhos

Caboclinhos

Desculpem o trocadilho. Ninguém sabe quanto as prefeituras e o governo do Estado investem no nosso autêntico Carnaval, realizado por clubes e troças e grupos folclóricos que divulgam o frevo, o maracatu, a ciranda, o coco, os caboclinhos, entre outros ritmos.

Jamildo Melo denuncia: Entenda porquê artistas nacionais vão às lágrimas, como Fafá de Belém, ao falar do Carnaval de Pernambuco

Acreunnamed18

 

Acrescenta Jamildo: “No Carnaval de Pernambuco, a Empetur está dando uma força para as bandas de fora para que toquem no interior. Os gastos parciais foram compilados com base no Diário Oficial de Pernambuco e a relação dos principais contratos. Curiosamente, o Maestro Spok, homenageado do Carnaval do Recife, só recebeu um contrato para tocar fora do Recife. O seu cachê de apenas R$ 35 mil é mais barato que o show de Waleska Popusuda no Baile dos Artistas”.

Essa gente vai descaracterizar o Carnaval interiorano. Que as cidades têm seus carnavais típicos, como Nazaré da Mata com o Maracatu Rural, Bezerros com os Papangus, Pesqueira com o Carnaval dos Caiporas, Triunfo com o Carnaval dos Caretas.

 

Maracatu Rural

Maracatu Rural

Caiporas, foto de Ricardo Moura

Caiporas, foto de Ricardo Moura

Papangus

Papangus

Caretas

Caretas

A variedade de ritmos, de manifestações carnavalescas representa uma diversidade que enriquece nossa Cultura. Basta o exemplo de que o Carnaval do Recife é totalmente diferente do Carnaval de Olinda.

Os shows patrocinados pela Empetur visam uma unicidade que corrompe em todos os sentidos do termo. Corrompe o comportamento do povo, nossos costumes, marginalizam os grupos folclóricos, principais responsáveis pela autenticidade do Carnaval pernambucano, festa do povo, feita realizada e patrocinada pelo povo, que o dinheiro dos governos estadual e municipais o rei Momo não sabe bem o destino.

 

 

 

 

Moacir Japiassu2

 

Chance & risco
Chamada de capa do UOL:

Estocar água
eleva chance de
afogamento
infantil em casa

Janistraquis só não deu risada porque o assunto é sério:

“Para o redator do UOL, se você encher um balde grande e não providenciar cerca de proteção, terá boa chance, ou seja, terá ótimas possibilidades de ver um filho morto. Note bem: o comprador do balde não corre o risco de afogar a criança, só aumenta a chance da tragédia… Pois se eu fosse diretor do UOL, o responsável pela chamada seria escalado para cobrir baile gay na terça-feira de Carnaval!!!”

 

Céu e inferno

Por sugestão do considerado Elio Gaspari em sua coluna, Janistraquis visitou o endereço do YouTube abaixo reproduzido e adorou a “campanha eleitoral” de Maviael Melo, compositor, poeta, cantador e cordelista pernambucano.

 

Samba-enredo

Mais uma do nosso Roldão, em carta publicada na Folha de quinta-feira, 12/2:

Um fantástico patrimônio cultural brasileiro –a música de Carnaval– vem sendo desprezado. Explico: as músicas de Carnaval, com harmonia e melodia, acabaram. Há mais de 50 anos, só existe o samba-enredo, que é uma batucada, uma marcha acelerada para apressar o desfile.

 

(Transcrevi trechos. Leia mais)

por Gilberto Prado

 

Amarildo

Amarildo

Wesley Safadão, Nando Reis, Jota Quest, O Rappa, Del Rey e Tiesto, contratados para o Carnaval do Marco Zero. Só pergunto. Esse pessoal tem alguma identidade com o evento? Será que o Recife trocou “seis por meia-dúzia”, substituindo os Joãos (Paulo e da Costa) pelo atual prefeito? Como é triste ser enganado. O “monturo é o mesmo”.

 

 

 

O Papa da Crônica Social

 

por Fernando Machado

 

“Eu não quero realismo. / Eu quero magia. Magia. / É isso o que eu tento dar às pessoas. / Eu transfiguro as coisas. / Eu não digo a verdade. Eu digo o que deveria ser a verdade”. É uma frase de Blanche DuBois do filme Um Bonde Chamado Desejo interpretado por Vivien Leigh que divide a telona com Marlon Brando, era um pensamento que Alex gostava de interpretar para os amigos mais íntimos. Nunca entendi o porque e agora muito menos. Alex pertencia a linhagem eruditos que encarava o jornalismo como uma máquina de emoção.

Alex de black-tie e com sua inseparável máquina de datilografia

Alex de black-tie e com sua inseparável máquina de datilografia

Pois bem, foi encerrada, hoje com a sua morte, uma das mais importantes páginas da história social pernambucana. Alex ajudou a escrever os momentos mais curiosos, mais encantadores e mais corajosos de nossa vida na sociedade. Conquistou leitores de peso como Gilberto Freyre, Nilo Pereira, Mauro Mota, Marcos Vilaça etc. Com o tempo foi relegado a um segundo plano mesmo depois de ter sido alçado como um símbolo do autentico cronista mundano. E os pernambucanos passaram a reverenciá-lo como um símbolo autentico da intelectualidade.

Alex pelo pincel de Walter Vieira

Alex pelo pincel de Walter Vieira

Alex, ou melhor José de Sousa Alencar, com s, nasceu no dia 5 de agosto de 1926, em Água Branca, Alagoas. Estreou no jornalismo no Diário de Pernambuco, no inicio dos anos 50, como critico de cinema e com o pseudônimo de Ralph. Ele era um apaixonado pela sétima arte, tanto que, em 1952, foi assistente do filme O Canto do Mar, dirigido por Alberto Cavalcanti. Em 1958 foi convocado por Esmaragdo Marroquim para o Jornal do Commercio, onde assumiu a coluna social do matutino, marcando época e criando um colunismo social moderno, onde ficou até 1997.

Alex entrevistando o ator e agora padre José Ramos (Foto Clovis Campelo)

Alex entrevistando o ator e agora padre José Ramos (Foto Clovis Campelo)

Algum tempo depois o Jornal do Commercio dispensou e foi a partir dai que aconteceu seu ocaso espiritual. Alex estava para o Jornal do Commercio como João Alberto está para o Diário de Pernambuco. Alex carregou o Jornal do Commercio durante toda crise, exigindo dos amigos que fizessem uma assinatura do jornal. E como ele tinha prestigio e fama se transformou no papa da crônica social de Pernambuco. Foi uma vitima do preconceito, principalmente na época dos trotes das universidades do Recife, era o alvo dos feras.

Nelbe Souza, Zayra Pimentel e Sonia Maria Campos (Fotos da Coluna de Alex no JC)

Nelbe Souza, Zayra Pimentel e Sonia Maria Campos (Fotos da Coluna de Alex no JC)

E num ato de rebeldia transformou, Consuelá, um travesti, num ícone das paginas sociais da região. Muitas socialites não engoliram isso. Foi um grande mestre. Em dezembro de 1972 iniciei no jornalismo com ele por indicação da jornalista Leticia Lins. Trabalhei ao seu lado e Silvio Niceas por 24 anos, com direito a um hiato de três anos quando fui trabalhar no Diário de Pernambuco. Alex foi o primeiro cronista social a entrar na Academia Pernambucana de Letras,. Foi eleito no dia 2 de julho de 1970, e empossado no dia 4 de agosto de 1970, sendo saudado pela Acadêmica Dulce Chacon na cadeira número 10 que pertencia a Cleofas Oliveira.

Fernando Machado, Muciolo Ferreira e Alex no dia que completou 87 anos (Foto Romero )

Fernando Machado, Muciolo Ferreira e Alex no dia que completou 87 anos (Foto Romero )

Escreveu cinco livros e num deles O Tempo não Retorna frisou que a solidão foi uma fera que aprendeu a domesticar. No livro Anotações do Cotidiano refletiu melhor: “Quinze anos depois eu percebo que há um pouco de charme e de pretensa literatura na confissão, mas é falsa”. Também coordenou o Miss Pernambuco de 1956 (Nelbe Souza), 1957 (Zayra Pimentel) e 1958 (Sônia Maria Campos). Foi a primeira pessoa a entrar no ar na TV Jornal do Commercio, onde apresentou por muitos anos o programa Hora do Coquetel, ao lado de uma de suas musas Violeta Botelho.

Violeta Botelho Maia a musa de Alex (Fotos Clóvis Campelo)

Violeta Botelho Maia a musa de Alex (Fotos Clóvis Campelo)

Alex teve papel importante nos bailes municipais do Recife. Foi ideia dele usar o primeiro andar do Clube Português do Recife para camarotes. Um gesto muito bonito e digno de registrar, quando Alex foi afastado do Jornal do Commercio, coube a Eduardo Monteiro ao convidá-lo para trabalhar na Folha de Pernambuco. Poderia escrever muito mais, porém a tristeza que estou passando não vai dar para dizer mais nada, apenas ratificar Alex, você foi um dos monstros sagrados no jornalismo pernambucano. E como frisava Ibrahim Sued: Sorry, periferia!

 

Transcrevi trechos do necrológio escrito por Fernando Machado. Que foi republicado no Facebook por vários jornalistas. E com os devidos comentários:

Aldira Alves Porto: Um sábado triste

Helio Garret Vasconcelos: Fez muito pelo jornal escrito

Ricardo Antunes: Morreu triste e magoado com muita gente que lhe paparicava quanto tinha poder e a coluna

Raimundo Carrero: Uma grande pena, de verdade…

Talis Andrade: Alex me confidenciou que foi preso duas vezes pelos militares. Sequestrado para informar os nomes dos jovens oficiais homossexuais, como se fosse possível um cronista social possuir a chave de todos os armários. E como castigo, por ter informado que o viúvo Castelo Branco estava noivo de uma pernambucana, tia de um jornalista que trabalhou na sucursal do JB com Ricardo Noblat, também amigo meu, e que até hoje faz parte da equipe de jornalistas de José de Souza Alencar, membro da Academia Pernambucana de Letras. Pela manhã, na redação vazia do Jornal do Comércio e Diário da Noite, encontrei Alex várias vezes. Ele ia redigir suas críticas de cinema e teatro; eu, para fechar o Diário da Noite, e pela amizade com as revisoras – na época, final dos anos 50, a única presença feminina na imprensa pernambucana, totalmente machista. Alex terminou fazendo apenas crônica social, e escrevendo sobre comportamento e costumes. Foi humilhantemente encostado pela atual direção do Jornal do Comércio. Eu, quando diretor responsável do JC, tive a honra de colocar na Carteira de Trabalho dele a promoção de repórter para redator.

Raimundo Carrero: Muito bom texto, Talis…

Gilvandro Filho: Morre Alex

Alexandra Torres: Que ele tenha um bom regresso à Pátria Maior. Deus o abençoe.

Ana Aragao: O fim de uma era

Liborio Melo: Trabalhei anos com ele, no Jornal do Commercio. Figura humana única.

Sergio Moury Fernandes: Grande figura humana. Descanse em paz

alex foca

Ivan Maurício: O repórter policial José de Souza Alencar, o Alex, no começo de sua carreira, fazendo um “bico” no “Diario de Pernambuco” (foto).

Alex é alagoano de Água Branca e seu primeiro emprego em Pernambuco foi na Prefeitura do Recife nomeado por Miguel Arraes.

Alex também foi crítico de cinema no “Jornal do Commercio”, com o pseudônimo de Ralph, e ganhou notoriedade como cronista social.

Como escritor foi integrante da Academia Pernambucana de Letras.

Foi, arbitraria e injustamente, preso durante o regime militar.

Tenho em meu poder (só não consegui encontrar agora) a entrevista de Alex ao “Jornal da Cidade” onde ele relata em detalhes sua prisão pelo DOI-CODI. Na época, ele pediu para que não publicássemos pois ainda vivia atormentado com a violência que sofreu.

Assim que achar este texto publicarei aqui no Facebook.

Fica a minha homenagem a esse companheiro que muito dignificou a profissão de jornalista. Culto, preparado e íntegro.

Viva Alex!!!

ONG francesa dará aulas em São Paulo sobre como viver sem banho

suvaco-nova-modalidade-de-emprego

Tem que ser uma ONG européia. Ô povinho sujo!

Toda maldade deste vasto mundo possui seu lado bom. Com a seca planejada pela Sabesp, o povo ficou conhecendo as almas sujas dos governadores tucanos de São Paulo. Quase quatro décadas de mando. Desde o governo de Montoro, eleito em 1982.

O que fizeram pelo abastecimento d’água para o povo? Nadinha. Neca de pitibiriba. Principalmente Serra e Alckmin.

Alckmin

Alckmin

Aproveitaram para roubar mais, lá na Sabesp. Deram meio milhão para a fundação de Fernando Henrique. Que é uma imensa parede para pendurar os diplomas emoldurados de doutor honoris causa de FHC. Que a profissão de ladrão do povo tem reconhecimento internacional, por beneficiar os piratas estrangeiros.

A única obra importante foi vender a Sabesp. Ou melhor dito, entregar a preço de banana para a felicidade geral da bolsa de Nova Iorque. O povo paga água, que custa o olho da cara, e a dinheirama vai parar em estranhas mãos.

Um país que privatiza a água, não ama o povo. A água vale mais que o ouro. É uma bênção de Deus, afirmam os sertanejos no (de)sertão do Nordeste brasileiro. “Se liga aí, paulistano”, aconselha Marcos Simões.

Certo que essa história da ONG é uma piada: “A solidariedade entre os povos chegou a um nível comovente. Sensibilizados pelo drama dos paulistanos, franceses estão em nosso país exclusivamente para ensinar como viver sem tomar banho”.

O paulista não toma banho porque falta água. Daí o aparecimento na imprensa de notícias para rir da crise. E outras verdadeiras:

Durante o verão, as altas temperaturas nos faz ter que tomar uma série de banhos para conseguirmos nos sentir confortáveis. Apesar da crise hídrica, não resta muita opção quando não se tem um ar-condicionado sempre por perto. Quem é rico se vira, tem ar frio em casa, a temperatura ideal, e pode tomar banho de água mineral.

O brasileiro branco, de origem européia, costume indígena, adquiriu o hábito de tomar ao menos um banho por dia, coisa que nem sempre é feita em alguns países, mesmo os mais desenvolvidos.

Mas você já se perguntou se realmente é necessário tomar banho todos os dias? Segundo o artigo de Rachel Wilkerson Miller, do BuzzFeed, alguns especialistas afirmam que não precisamos tomar banhos com tanta frequência como somos acostumados.

A autora falou com dois dermatologistas sobre o assunto, e eles explicaram um pouco mais sobre o assunto.

Eles contaram que os norte-americanos – que tomam banho na mesma frequência que os brasileiros – usam o chuveiro muito mais do que o necessário. Segundo Dr. Joshua Zeichner, professor assistente de dermatologia do Hospital Mount Sinai, em Nova York, a frequência que tomamos banho e o que notamos como odor corporal é “muito mais um fenômeno cultural”.

A dermatologista Dr. Ranella Hirsch, de Boston, concorda com seu colega. Ela disse: “Nós tomamos muitos banhos neste país, e isso é perceptível. Uma boa parte da razão por que fazemos isso é devido a normas sociais”.

Tais normas são resultados, principalmente, de uma boa publicidade. Até o final da década de 50, os homens não usavam perfume nem sabonete com cheiro.

As mulheres entraram no mercado de trabalho, e mais homens começaram a trabalhar em fábricas, ocasionando em outro foco cultural de limpeza, gerando o ato de necessidade de banho.

Outro problema é que nossa pele, ao ser exposta a banhos com muitas frequências – especialmente em águas quentes – pode ressecar e irritar, atém de retirar bactérias boas que existem na epiderme e servem para nos proteger. Isso pode causar fissuras de ressecamento que podem levar a infecções. [Cuidado com certas informações, que a sujeira pode causar as mais graves doenças]

Os dois médicos dizem que os pais não devem dar banhos em bebês e crianças diariamente. Isso porque a exposição à sujeira pode fazer com que a pele se torne menos sensível e consiga evitar alergias e doenças como eczema.

Para os especialistas um banho a cada 2 ou 3 dias é o ideal. Eles indicam que limpar apenas os pontos mais críticos é a medida que devemos tomar, principalmente no inverno, quando sentimos menos necessidade de banhos.

No verão o indicado é usar produtos mais suaves nos banhos, evitando assim irritar a pele. Esses produtos mais suaves custam uns dois salários mínimos.

É isso aí.  Nem precisa lavar o corpo, nem trocar de roupa.

Não é lenda. Pura verdade. As índias tinham nojo dos brancos. As índias brasileiras eram amantes de banhos de rio. E andavam nuas, cheirosas. Cheiro gostoso de corpo molhado, refrescado. Os europeus fediam. As índias eram forçadas a fazer sexo, na escravidão e nos estupros das guerras de conquista.

ÍNDIOS TOMANDO BANHO NO RIO XINGU/PA. Clau Barbosa

ÍNDIOS TOMANDO BANHO NO RIO XINGU/PA. Clau Barbosa

 

RIOS DE ESLOVÁQUIA

RIOS DE ESLOVÁQUIA

El Parlamento de Eslovaquia aprobó una enmienda constitucional, que entrará en vigor en diciembre, por la que se prohíbe la exportación de agua potable y mineral, informó la Cámara en su página web. La enmienda fue consensuada con la oposición y obtuvo el voto de 102 legisladores, con lo que se superó el mínimo de tres quintos (90 sobre un total de 150 diputados) exigido para las leyes de rango constitucional.

 
“Está prohibido el tránsito por las fronteras, por medio de transporte o por conductos, de agua obtenida de formaciones acuíferas que se encuentran en el territorio de Eslovaquia”, dice el enunciado de la enmienda. Más adelante se matiza que la prohibición no atañe al agua envasada para consumo personal, para las misiones humanitarias o para situaciones de emergencia. La ley establece los detalles de las excepciones para el agua envasada para consumo personal y para esa misiones específicas.

 

“Si bien tenemos suficientes fuentes acuíferas de calidad, hay factores que pueden poner en peligro este estado, y uno de ellos es la sobreexplotación del agua, es decir, la exportación no autorizada de agua potable o mineral de Eslovaquia”, explicó el primer ministro, Robert Fico/

 

Rio da Eslovaquia

BRATISLAVA (ESLOVAQUIA) EL RIO DANUBIO DESDE EL MIRADOR DEL PUENTE NUEVO

BRATISLAVA (ESLOVAQUIA) EL RIO DANUBIO DESDE EL MIRADOR DEL PUENTE NUEVO

El río principal es el Danubio, y la inmensa mayoría de los ríos de Eslovaquia pertenecen a su cuenca. Sólo algunos del extremo norte pertenecen a la vertiente del mar Báltico. Aparte del Danubio, son importantes el Váh, Hron, Nitra, Hornad, Ipel (que está en la frontera con Hungría), Tisza (en la frontera con Hungría y con Ucrania) y el Ondava, afluente del Tisza.

* Río Danubio (mar Negro)
* Río Váh (afluente del Danubio)
* Río Nitra (afluente del Danubio)
* Río Hron (afluente del Danubio
* Río Slana (Keleti-föcsatorna)

http://pt.123rf.com/footage_28433835_o-rio-transbordou-após-fortes-chuvas.-o-nome-de-rio-slana,-roznava,-eslováquia..html

* Río Hornad (Keleti-föscatorna)
* Río Torysa (afluente del Hornad);
* Río Ondava (Keleti-föscatorna);
* Río Uh (afluente del Ondava);
* Río Topl’a (afluente del Ondava);
* Río Laborec (afluente del Ondava);

El río Laborec en Strážske.

El río Laborec

* Río Poprad (Dunajec)

Galeria de fotos