Aposentados e pensionistas de Pernambuco passam fome e Paulo Câmara, o Governador Caviar, compra 283 mil reais em crustáceos, carnes e frutas para seu gabinete

Os funcionários públicos aposentados do governo de Pernambuco passam fome para Paulo Câmara Ardente comer e beber do bom e do melhor, e ter uma vida de luxo de fazer inveja ao Rei Sol da França. Antes de ser governador, ele já era marajá do Tribunal de Contas de Pernambuco. Eta vida boa e ociosa.

Que faz o governador Paulo Câmara pelo pensionista sem teto e sem nada, que herdou de um funcionário morto uma pensão de merda, humilhante, degradante, cada vez mais desvalorizada, de marginalizado econômico e social?

Paulo Câmara, um governador que não faz nada que preste para o povo. Nem para o funcionalismo público. Funcionários condenados ao esquecimento na vida e na morte. Que, mesmo depois de mortos, são supliciados.

Pensionistas e aposentados, desde os tempos de Eduardo Campos, vivem no inferno

Para Paulo Câmara não existe vida depois da morte. E nem direito à vida para aposentados e pensionistas. Isso quando ele depende do espetáculo fúnebre e macabro de uma câmara ardente…

Escreve Jamildo Melo:

Sem alarde, o gabinete pessoal de Paulo Câmara (PSB) finalizou uma licitação para compra de até 283 mil reais em alimentos para o seu gabinete pessoal no Palácio do Campo das Princesas.

Através de uma ata de registro de preços, o gabinete terminou a licitação de crustáceos, carnes, verduras, frutas, polpa de frutas, peixes e gelo para consumo do governador e seus assessores.

O resultado da licitação foi assinado em 8 de janeiro, mas só foi publicado no Diário Oficial em 27 de janeiro, um atraso inusual na divulgação.

A aquisição foi feita através de um pregão eletrônico, via Internet.

Em 27 de novembro, com exclusividade, o Blog de Jamildo revelou que o mesmo gabinete estava promovendo outro pregão para aquisição de até 90 mil reais em flores “para atender ao Gabinete do Governador”.

As flores para o gabinete tiveram grande repercussão (negativa) em redes sociais.

Leia os comentários

Claudia Cruz, a esposa de Eduardo Cunha, optou por uma vida de luxo e perdulária

.

De âncora do Fantástico para o banco de réus

 

 

Cada um escolhe o seu caminho… Foi o que fez a lindíssima jornalista Cláudia Cruz.
Ela iniciou suas atividades profissionais na Telerj, onde conheceria Eduardo Cunha, presidente da empresa no governo do ex-presidente Fernando Collor, que se apaixonou pela bela jovem.

A convivência com Cunha, resultou em namoro, mas Cláudia, independente, buscou trilhar sua própria trajetória profissional.

Da Telerj foi para a Rede Globo do Rio de Janeiro, em 1990, onde passou a apresentar o telejornal ‘Bom Dia Rio’. No ano de 1992 assumiu o Jornal Hoje. Na sequência, apresentou o Globo Ciência, Globo Comunidade, Jornal da Globo, até atingir o ápice da carreira como âncora do Fantástico.

Quando os dois começaram a namorar, quase vinte anos atrás, foi um espanto generalizado, ela um rosto conhecido e admirado como apresentadora da Globo, ele um sujeito sem graça, sem carisma e petulante. O que ela viu nesse cara? É o que todos se perguntavam.

Cunha tem uma característica inegável, é um grande manipulador. Assim, manipula eleitores e na presidência da Câmara manipula deputados.

Uma vez marido de Claudia, fez a jovem deixar a promissora carreira para se tornar sua sócia e parceira em atividades ilícitas.

O deputado, da mesma forma que fez a jornalista abandonar a carreira, utilizou-a para esconder os seus ganhos ilegais. Cláudia, hoje com 48 anos, era a titular de uma das contas de Cunha na Suíça. Cerca de R$ 9,6 milhões já foram bloqueados no exterior. Por decisão do STF, o dinheiro será transferido para o Brasil para uma conta judicial.

Cláudia Cruz optou por uma uma vida de luxo e perdulária proporcionada pelo dinheiro fácil. Agora, terá que enfrentar o banco de réus… (Transcrito do Jornal da Cidade)

Cláudia Cruz é tão interesseira e corrupta quanto seu marido

Um típico (e cafona) casal da elite brasileira que provavelmente se entende muito bem, dentro e fora de suas escandalosas falcatruas

Ardilosa
Ardilosa

por Nathalí Macedo

Cláudia Cruz precisa de defensoras?

Ela é linda, letrada, rica e, ao que me consta, plenamente capaz de fazer escolhas inteligentes. Casou-se com um homem influente e poderoso – apesar de sórdido – e trocou o trabalho como jornalista por uma vida de mordomias, entre viagens a Miami e contas milionárias na Suíça.

Mesmo feminista declarada e cônscia de minhas próprias convicções, afirmo: Cláudia Cruz não precisa da minha intercessão.

Acho lamentável e irracional que, havendo tantas demandas importantes para a militância feminista – como o último projeto vergonhoso do próprio Cunha, que dificulta o atendimento de mulheres vítimas de estupro – ainda se fale que é injusto, machista ou misógino acusar Cláudia de ser tão interesseira e corrupta quanto seu marido. Ela, que, a essa altura, está jogando tênis em alguma academia caríssima ou numa sessão de peeling facial enquanto mulheres se digladiam para manter intacta a sua reputação de moça honesta que se casa por amor.

O meu feminismo não se presta a isto. Não porque mulheres bonitas não sejam capazes de se casar com quem quer que seja por amor – até porque mulheres são capazes de fazer o que quer que queiram – mas porque estamos falando de uma elite articulada, corrupta e interesseira – homens e mulheres – preocupada em firmar alianças politicamente benéficas.

Não me cabe avaliar o amor de Cláudia Cruz por Eduardo Cunha ou vice-versa. Isso, aliás, sequer me interessa. Mas podemos analisar – ainda que sob uma ótica feminista – os interesses envolvidos nesta aliança, haja ou não amor: uma escolha vantajosa para ambos. Um típico (e cafona) casal da elite brasileira que provavelmente se entende muito bem, dentro e fora de suas escandalosas falcatruas.

É ingênuo agir como se não pudéssemos acusar Cláudia Cruz de defender os próprios interesses corruptos simplesmente porque ela é uma mulher. Como quando, numa discussão virtual, acusei-a de ardilosa e fui repreendida por uma companheira do movimento feminista: “Você acha certo acusar outra mulher de ardilosa?”

Bem, se ela o for, sim, eu acho. Como acho certo acusar Eduardo Cunha de corrupto porque, ora, ele é. O fato de Cláudia Cruz ser mulher não a redime.

Não é ofensivo dizer que Cláudia defende os próprios interesses elitistas porque não estou falando de uma mulher qualquer ou de um casamento qualquer. Estou falando de um casal que reflete fidedignamente a corrupção e a indecência da elite brasileira – e então isso nada tem a ver com militância feminista. Uma coisa não pode e não deve excluir a outra.

O feminismo não precisa se preocupar se acusamos uma mulher ardilosa por ser ardilosa (e não por ser mulher).

Pensando nisso – e apenas nisso, frise-se – escrevi sobre por que poupá-la seria extremamente irracional. O resultado foram acusações irracionais de machismo.

Sobre o Autor:

Atriz por vocação, escritora por amor e feminista em tempo integral. Adora rir de si mesma e costuma se dar ao luxo de passar os domingos de pijama vendo desenho animado. Apesar de tirar fotos olhando por cima do ombro, garante que é a simplicidade em pessoa. No mais, nunca foi santa. In Diário do Centro do Mundo. Escreve sobre tudo em: facebook.com/escritosnathalimacedo

Cunha e mulher ocultaram fortuna no exterior e têm carro de luxo

BRA^MG_OT inquérito Cunha

FOLHAPRESS – Informações repassadas pela Procuradoria Geral da República ao STF (Supremo Tribunal Federal) indicam que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e sua mulher, Cláudia Cruz, movimentaram milhões em contas no exterior e ainda contam com uma frota de carros -que inclui veículo de luxo- avaliada em quase R$ 1 milhão à disposição no Rio de Janeiro.

Segundo o Ministério Público Federal, o deputado abriu conta nos anos 90 no exterior, que teria sido precedida de análise de risco apontando patrimônio de aproximadamente US$ 16 milhões (R$ 62 milhões) na época.

De acordo com a Procuradoria, Claudia e as empresas do casal (Jesus.com e C3 Produções) têm oito carros registrados, que teriam preço médio que variam de R$ 18 mil a R$ 430 mil (um Porshe Cayenne ano 2013). Os procuradores destacam que ao abrir conta em um banco da Suíça, a mulher do deputado afirmou que “era dona de casa”.

A evolução patrimonial do casal é um dos indícios apontados pelo Ministério Público Federal para justificar a investigação do deputado e familiares por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, fruto de desvios de recursos da Petrobras. A abertura de inquérito foi autorizada pelo Supremo Tribunal Federal e os dois serão investigados por corrupção e lavagem de dinheiro. Uma das filhas do deputado que é dependente de uma das contas na Suíça também é alvo de investigação.

“Há indícios suficientes de que as contas no exterior não foram declaradas pelas pessoas mencionadas, ao menos em relação a Eduardo Cunha, e de que são produto de crime”, diz o procurador-geral da República interino, Eugênio Aragão, em parecer ao STF para justificar a abertura de inquérito para investigar contas secretas na Suíça atribuídas a Cunha e a mulher.

O procurador enumera informações para ressaltar que apesar de declarar atualmente patrimônio de R$ 1,6 milhões, Cunha é beneficiário de contas no exterior que movimentaram valores bem mais expressivos do que esse.

“A análise de risco e perfil do cliente demonstram que Eduardo Cunha já mantinha conta junto ao banco Merril Lynch nos EUA há mais de 20 anos de perfil agressivo e com interesse em crescimento patrimonial. Sua fortuna seria oriunda de aplicações no mercado financeiro local e do investimento no mercado imobiliário carioca. Há também referências à sua antiga função de Presidente da Telerj. Seu patrimônio estimado, à época da abertura da conta, era de aproximadamente US$ 16 milhões”, escreve o procurador.

O ENVOLVIMENTO DA FILHAS

O inquérito foi aberto contra Cunha, Cláudia Cruz e uma filha do primeiro casamento do peemedebista, Danielle Cunha. Aragão afirma ainda que na conta na Suíça atribuída à mulher de Cunha – que movimentou “despesas bastante consideráveis em cartões de crédito” e outros gastos – consta inclusive a assinatura de Cláudia Cruz. A essa conta está vinculada Daniella e a filha do primeiro casamento de Cláudia Cruz, Ghabriela Cruz Amorim.

Eduardo Cunha tem negado reiteradamente envolvimento com desvio de recursos da Petrobras. De forma indireta, nega ter contas na Suíça. Mas afirma que somente seus advogados irão se manifestar, no momento adequado, assim que conhecerem o teor das acusações. Transcrito do jornal O Tempo

Primeiro ministro Eduardo Cunha, entrincheirado na presidência da Câmara: Daqui não saio. Daqui ninguém me tira

Cunha trincheira

247 – O deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, concedeu rápida entrevista à Globonews neste sábado, em que reiterou sua disposição de resistir no cargo, a despeito das denúncias que se avolumam contra si.

“Pode pressionar, eu não renuncio. Sem a menor chance. Podem retirar apoio, fazer o que quiserem. Tenho amplo direito de defesa. Não podem me tirar”, afirmou.

Ela também demonstrou não ter preocupação com eventual representação no Conselho de Ética por quebra de decoro parlamentar. ”Vão iniciar de qualquer jeito. Isso leva um tempo”.

As contas secretas na Suíça atribuídas ao parlamentar e a sua esposa, a jornalista Claudia Cruz, receberam depósitos de R$ 23,2 milhões nos últimos anos. Uma delas foi usada para despesas pessoais da jornalista, como aulas de tênis numa academia de Miami (leia mais aqui).

Apesar disso, Cunha ainda tem o apoio do PSDB, do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que conta com ele para um eventual processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

Jornalista Cláudia Cruz
Jornalista Cláudia Cruz

Relatório do Ministério Público da Suíça mostra que Cunha usou suas contas secretas no país para pagar faturas de cartões de crédito internacional e despesas pessoais da família na Inglaterra, na Espanha e nos Estados Unidos, entre outros países. Entre os gastos está até pagamento de US$ 59,9 mil para a IMG Academies, de Nick Bolletieri, famoso professor de tênis em Palm Beach, reduto de milionários americanos. Os suíços investigaram Cunha por corrupção e lavagem. A partir de agora, ele poderá ser investigado também por sonegação fiscal e evasão de divisas, entre outros crimes.

Parte da movimentação já rastreada pelos investigadores suíços indicam que uma das quatro contas secretas recebeu US$ 1.363.371,80 desviados de um dos negócios fraudulentos da Petrobras descobertos na Operação Lava-Jato. As contas estão em nomes de off-shores com sede em paraísos fiscais e não foram declaradas à Receita Federal.

Cunha e a mulher, a jornalista Cláudia Cruz, abriram quatro contas secretas no Julius Baer, na Suíça, em nome de quatro diferentes off-shores: a conta de número 4548.1602 Orion SP que tem sede provavelmente nas Ilhas Cayman; a conta de número 4548.6752 está em nome da Netherton Investments Ltda; a conta de número 4546.6857 aparece em nome da Triumph SP; a conta de número 4547.8512 aparece em nome da Kopek, cujo titular é Cláudia Cruz. Três contas foram abertas em 2008 e uma delas,Triumph, em 2007.

As contas Orion, Netherton e Trirumph têm como titular, segundo os documentos, Eduardo Cunha. A Kopek tem como titular Cláudia Cruz. Duas das quatro contas, a Orion, e a Triumph foram fechadas ano passado, logo depois do início da Operação Lava-Jato, como informou o GLOBO na edição online ontem. Outras duas contas, a Netherton e a Kopek foram bloqueadas em abril desde ano com saldo de US$ 2.566.121,00, o equivalente a quase R$ 10 milhões. Mas a movimentação financeira de Cunha e Cláudia Cruz é bem superior a estas cifras.

Parte dos extratos bancários indicam que as contas de Cunha e da mulher receberam pelo menos US$ 5,9 milhões, o equivalente a R$ 22 milhões desde que foram abertas. Parte do dinheiro da conta Kopek, US$ 119.795,95 foram gastos em pagamentos na Fundacion Esade, em Barcelona, entre 4 de agosto de 2011 e 15 de fevereiro de 2012. No mesmo período Danielle Cunha, filha de Eduardo Cunha, fez um MBA na escola.

Danielle Cunha
Danielle Cunha

BRA_GDP mulher cunha academiaBRA_FDSP Cunha dinheiroBRA_OE cunha pegou dinheiro até na África

Família de Cunha derrama dinheiro nos Estados Unidos e Europa. Jornalista Claudia Cruz gastou 59,7 mil dólares com academia de tênis na Flórida, e a filha na Espanha. Ô vida boa!

.

Suíça detalha caminho de dinheiro e fecha o cerco
Dossiê entregue à PGR movimentações desde contrato da Petrobras até mulher de Cunha

.

Paixão
Paixão

por Rodolfo Borges
El País/ Espanha

A situação de Eduardo Cunha à frente da Câmara dos Deputados ficou ainda mais frágil nesta sexta-feira quando se tornaram públicos detalhes de movimentações de dinheiro nas contas que o Ministério Público suíço atribui ao peemedebista. Segundo os dados entregues pelas autoridades da Suíça à Procuradoria-Geral da República brasileira, o dinheiro espalhado por quatro contas bancárias abertas pelo presidente da Câmara por meio de diferentes empresas teria origem em um contrato da Petrobras no Benin.

Já alvo de pressões para deixar o posto desde que as primeiras informações sobre suas contas no exterior foram reveladas — contas, aliás, que o deputado negou ter durante depoimento à CPI da Petrobras em março —, Cunha agora se vê confrontado com a informação pública de que sua mulher, a jornalista Claudia Cruz, gastou 59,7 mil dólares com o cartão de crédito de uma das contas suíças na IMG Academies, academia de tênis do treinador Nick Bollettieri, na Flórida. Também foram rastreados pagamentos para MBA da filha de Cunha na Espanha.

No total, teriam saído 525 mil dólares de um cartão de crédito entre janeiro de 2013 e abril de 2015 e mais 316,5 mil de 2008 a 2012, informam os jornais Folha de S.Paulo e O Globo. Esse dinheiro é parte de uma soma equivalente a pelo menos 22 milhões de reais dividida em quatro contas, segundo o Ministério Público suíço. Desse valor, 5,1 milhões de reais teriam saído de uma offshore como propina do empresário João Augusto Henriques, apontado como lobista do PMDB, para a Orion SP, de Cunha, em 2011, três meses depois de a Petrobras fechar negócio no Benin.

Confrontado com os detalhes, o presidente da Câmara repetiu que só vai se manifestar sobre o assunto ao conhecer os detalhes do processo encaminhado pela suíça para as autoridades brasileiras. Enquanto isso, o peemedebista vai tendo a imagem desgastada. Nesta semana, um grupo de deputados de seis partidos apresentou uma representação protocolaram a primeira representação formal contra Cunha, entregue à Corregedoria da Câmara.
Opositores do deputado também já falam em interpelá-lo no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Casa.

BRA^MG_EDM tênis Cunha mulher

BRA_OG mulher Cunha

Receber um salário mínimo do mínimo como pensão ou aposentadoria é violência e humilhação

Compara a pensão ou aposentadoria de um idoso, que recebe a merda do salário mínimo, com as moedas de ouro das ricas aposentadorias de um desembargador, de um coronel da polícia militar, de um fiscal, de um deputado, de um senador, de um prefeito, de um governador, de um brigadeiro, de um almirante, de um general, de um procura dor e não acha e outros marajás e Marias Candelária.

Eta Brasil desigual.

Um salário mínimo mora em algum mocambo em uma favela sem saneamento, sem água, sem nada.

Morto de fome, humilhado, esquecido, abandonado, para receber a pensão ou aposentadoria mínima, pra lá de mínima, tem que provar, a cada seis meses, que ainda não morreu. Neste Brasil de muita gente viva. Viva demais.

Eta país corrupto.

violencia idoso

É preciso ser um cara de pau para pronunciar esta frase mentirosa e cruel. Coisa de agiota e escravocrata:

Fraga, salário mínimo