Renan e Cunha instalam o parlamentarismo à brasileira

De iniciativa do Congresso não foi votada nenhuma lei que beneficie o povo. E sim contra o pobre povo pobre brasileiro.

Terceirização = Servidão

AUTO_jotaa temer degola dilma faixa presidencial

Pretendem deputados e senadores a terceirização ampla, geral e irrestrita para o retorno do emprego precário, do emprego sem nenhum direito trabalhista. É o retorno das tempos da escravidão, quando o negro tinha o direito de descansar aos 70 anos.

Fim da Lei do Sexagenário 

O senador José Serra pretende aumentar a idade de aposentadoria do trabalhador brasileiro, que bate o ponto e trabalha de 10 a 14 horas todo santo dia. Quando um senador trabalha apenas três dias por semana, e tem mais férias que um togado. Uma vida mansa no luxo e na luxúria. Pela vontade de Serra, aposentadoria só depois dos 75 anos, sem oferecer ao brasileiro da classe média baixa, e a grande maioria dos que ganham o salário mínimo, nenhuma garantia de emprego, que a estabilidade foi cassada pelo ditador Castelo Branco.

Shopping de artigos de luxo

shopping camara

Eduardo Cunha vai construir um shopping de um bilhão, com o dinheiro da crise. Tudo para a vida secreta das madames. Artigos de comes e bebes. De cama e mesa. Tudo a preço bem baratinho. Que a Câmara não paga impostos. Vive dos impostos diretos e indiretos.

Parlamentarismo 

pec bengala

Estava previsto um golpe à Honduras e Paraguai. Mas Renan Calheiros e Eduardo Cunha, inspirados no modelo militar que deu posse a Jango, criaram coisa parecida, um parlamentarismo nada legal.

Leis contra o povo e contra o Brasil estão sendo votadas, visando o fim do presidencialismo, com o apoio silencioso da justiça absolutista, que receberá, em troca, a Lei da Bengala para beneficiar o ministro Gilmar Mendes e foder  de vez os brasileiros sem nenhum poder.

Pelo parlamentarismo caboclo, os senadores pretendem nomear os ministros do STF e os presidentes das estatais e empresas de economia mista.

Dentre outra safadezas, para ajudar os banqueiros, nomear e dar autonomia ao presidente do Banco Central.

esposa deputado

Direita quer Banco Central manipulado pelos banqueiros

FMI brasil

O FMI, o imperialismo, os banqueiros, os partidos de direita volver estão tramando o fim de Dilma Rousseff, que vai perdendo poderes presidencialistas para a ditadura parlamentarista de Eduardo Cunha, e para os direitistas Joaquim Levy e Tombini, que assumiram a política econômica do governo, e defendem as mesmas idéias de Marina Silva, de Aécio Neves, propostas na campanha eleitoral.

Joaquim Levy foi chefe do tesouro do governo de Fernando Henrique, e secretário da fazenda do governador Sérgio Cabral Filho, quando pagava os contratos da Delta. Levy cuidou do dinheiro de dois governos corruptos, e dos serviços terceirizados do Bradesco, com milhares de trabalhadores escravizados na Contax.

Os dois comandantes da economia do governo de Dilma rezam na cartilha do FMI. São homens da máxima confiança dos banqueiros. Tombini, entre 2001 e 2005, foi um simplório assessor sênior da Diretoria Executiva no escritório da representação brasileira do Fundo Monetário Internacional.

Nesta terça-feira (26), na Câmara dos Deputados, Alexandre Tombini defendeu as propostas conservadoras de Marina e Aécio para o Banco Central, que se opõem à política econômica do PT que defende total independência do Banco Central.

Em linhas gerais, na campanha presidencial, e neste começo do segundo governo de Dilma, o que está em disputa é o conceito geral de como cuidar da economia e, de certa forma, dos rumos da nação: de um lado estão os que defendem a intervenção mínima do governo. Para estes, o mercado pode se autorregular, e um BC totalmente independente é parte do pacote. Do outro lado estão os que defendem alguma intervenção do governo na economia, de forma a garantir que o Poder Executivo eleito pela maioria da população (e não o mercado) seja a voz mais forte na definição das prioridades da economia nacional. “O assunto pode soar arenoso ou parecer mera discussão técnica. Mas não se engane: o regime do Banco Central pode influenciar diretamente no dia a dia de sua família”, in Carta Capital.

Tombini: O BC não opera um dia sem autonomia.

Estadão – “BC não consegue operar um dia sem autonomia operacional”, disse Tombini. Perguntado sobre projeto que tramita no Congresso sobre o tema, o presidente declarou também que, se a casa não tivesse autonomia, ele não estaria presidindo-a. “Não estaria a frente do BC se não tivesse autonomia”, disse.

Ele fez questão de diferenciar autonomia operacional de independência do BC e autonomia de juris, pela lei. Sobre o projeto que tramita na casa, Tombini afirmou que “o parlamento é quem melhor dirá” sobre o assunto. O tema ganhou muito destaque na campanha presidencial do ano passado.

Na audiência, Tombini voltou a dizer que a missão do Banco Central é levar a inflação para o centro da meta, de 4,5% ao ano até o fim de 2016. Ele ressaltou que o Brasil cresceu 20% desde 2008 e saiu rapidamente da crise. “Precisamos agora reequilibrar a questão dos fluxos fiscais. É muito importante para retomar a confiança e as bases para a retomada do crescimento”, afirmou.

Tombini disse ainda que o BC tem dado “uma grande atenção” ao sistema cooperativista de crédito e ressaltou que o número de cooperativistas tem crescido.

O presidente do Banco Central disse que, apesar das limitações do atual cenário econômico, a área de fiscalização é prioritária. A afirmação vem em meio a operações de investigação de casos que envolvem a lavagem de dinheiro, como a Zelotes e a Lava Jato.

“Em relação aos recursos humanos, estamos de fato com 4 mil funcionários no Banco Central e também somos supervisores e reguladores do sistema”, disse. “Neste período de escassez, onde todo o governo, as autarquias, as agências reguladoras estão sofrendo o impacto da restrição orçamentária, estamos trabalhando para preservar ao máximo as atividades”, ressaltou.

banco banqueiro FMI troika

O MAIS RICO DEPUTADO ELEITO PELO PSDB TEM R$ 108 MI DE PATRIMÔNIO E DEVE R$ 1 BILHÃO PARA CREDORES

AK

 

A revista IstoÉ  publicou uma matéria curiosa sobre um sinistro deputado recém-eleito do PSDB. A pergunta que não quer calar: o restante da mídia tucana repercutirá a denúncia?

Segundo a reportagem, intitulada “Riqueza suspeita”, o deputado federal Alfredo Kaefer (PSDB-PR) é o mais rico dentre os parlamentares eleitos em outubro passado. Ele declarou à Justiça Eleitoral que possui R$ 108,5 milhões em patrimônio. A maior parte desses recursos provém do aglomerado de empresas em seu nome, que inclui seguradora, frigorífico e jornais. Até aí nada de mais. Afinal, a onda conservadora verificada no pleito deste ano garantiu a vitória de inúmeros ricaços, que fizeram campanhas milionárias. O novo Congresso Nacional está lotado de empresários, ruralistas e outros representantes das elites endinheiradas. O que chamou a atenção da revista, porém, foi a forma como o tucano construiu sua fortuna!

“O deputado é alvo de três inquéritos e uma ação penal no Supremo Tribunal Federal (STF), dois deles em fase avançada, graças às investigações já realizadas pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Paraná. A suspeita mais recorrente nas investigações é a de que o deputado milionário tenha enriquecido graças a calotes aplicados nos seus credores e a uma série de manobras no patrimônio familiar para salvar seus bens de execuções. Segundo o Ministério Público Federal, a soma das dívidas de Kaefer com credores e instituições financeiras passa de R$ 1 bilhão, se somados os juros e as multas. É dez vezes o patrimônio que ele declara possuir”.

Em setembro passado, Kaefer se tornou réu no STF por fraude do sistema financeiro. “A ação penal aberta contra ele apura crimes de gestão fraudulenta, empréstimo dissimulado e fornecimento de informação falsa ao Banco Central quando era presidente do conselho de gestão da empresa Sul Financeira S/A”, descreve a IstoÉ. O tucano ricaço, que nega toda as denúncias, pode até ser cassado em breve. Será que a velha mídia, sempre tão imparcial e neutra, produzirá reportagens investigativas para apurar o caso? Ou ela só se interessa por denúncias contra os adversários da sua linha editorial golpista, entreguista e neoliberal? (Fonte Poço 10)

CALOTEIRO COM FICHA LIMPA NO SCPC E NO TSE

Este velho blogueiro fica matutando, desde que nascido nas brenhas do interior de Pernambuco: Cuma é possível um caloteiro safado desse possuir ficha limpa na Gestapo do SCPC e outros 1001 serviços de espionagem da ditadura econômica?

Espia só os sinônimos de caloteiro: trapaceiro, tratante, velhaco, fintador, ardiloso, embusteiro, esperto, maquiavélico e outros nomes próprios de bandidos do colarinho (de) branco.

A resposta fica para as autoridades da política econômica – ministro da Fazenda, presidente do Banco Central etc – : cuma um sujeito réu no STF, cheio de trambiques e calotas, pode ser dono de uma seguradora?

O diabo é que o tribunal eleitoral da República do Paraná já diplomou o sujeito deputado federal.

Cadê o Tribunal Superior Eleitoral?

devolve gilmar

P.S.: Ontem publiquei no Facebook: Aposto que o nome de Kaefer tá limpo na Gestapo dos pobres: o SCPC e outros serviços de espionagem da ditadura econômica. Aposto que a ficha dele tá limpa no TSE e no fisco, que é um leão domesticado, de circo, que apenas morde a classe média.

Comentou Marcos Simões: “A Injustiça tupiniquim cagou no Ficha Limpa de iniciativa popular, principalmente as altas cortes. Fez-se uma lista de inelegíveis, gatinhos sem unhas e sem dentes, passando a sensação aos incautos que barraram os ladrões, assasinos, traficantes, estupradores e bandidos. Que nada. Só gatinhos. Os verdadeiros leões predadores do povo foram liberados, diplomados e vão assumir o mandato.

O Judiciário phode o Brasil todos os dias”.

 

 

Armínio Fraga, o poderoso chefão da campanha de Aécio, jurou defender Tio Sam e lealdade e fidelidade aos Estados Unidos

armirio-fraga-caricatura

 

Armínio Fraga Neto quando se tornou cidadão dos Estados Unidos fez o Juramento de Fidelidade. Garantiu que estava disposto a apoiar e defender os Estados Unidos e sua Constituição.

Armínio Fraga declarou sua “dedicação”, lealdade aos Estados Unidos e à Constituição dos EUA ao fazer o Juramento de Fidelidade.

É este cidadão estadunidense que coordena a campanha e escreveu o programa de governo de Aécio Neves.

O Juramento de Fidelidade é realizado em uma cerimônia pública. “Só é cidadão quem já fez o Juramento de Fidelidade. Na hora do juramento um oficial lê o texto devagar, parte por parte, e pede para você repetir as palavras. Uma vez juramentado, você receberá seu Certificado de Naturalização. Esse certificado prova que você é cidadão americano. Antes do Juramento de Fidelidade, na cerimônia formal de naturalização, você não é cidadão. A cerimônia de Juramento de Fidelidade é um evento público. Muitas comunidades realizam cerimônias especiais no Dia da Independência, em 4 de julho”, pag. 68, Guia para emigrantes.

Armínio Fraga tem relevantes serviços prestados aos Estados Unidos.

 

Fraga, salário mínimo

In Wikipédia: Fraga começou sua carreira em 1985 como economista-chefe no Banco de Investimentos Garantia, no Brasil. Dois anos mais tarde, assumiu o cargo de Vice-Presidente do Salomon Brothers em Wall Street. Durante os anos de 1991 e 1992, Fraga ocupou o cargo de membro e diretor do Departamento de Assuntos Internacionais do Banco Central do Brasil e, em agosto de 1993, foi contratado como diretor da Soros Fund Management LLC em Nova York, onde permaneceu por 6 anos. Ele era responsável pelo gerenciamento de fundos de alto risco e de toda sorte de investimentos nos países emergentes.

Armínio Fraga assumiu a presidência do Banco Central do Brasil em março de 1999, durante o segundo governo de Fernando Henrique Cardoso. No mesmo ano, recebeu o prêmio de Economista do Ano, da Ordem dos Economistas do Brasil (OEB).Fraga deixou a presidência do Banco Central em janeiro de 2003, e logo após, em agosto do mesmo ano, criou a Gávea Investimentos, empresa de gestão de recursos.

Em maio de 2007, o prêmio Nobel de Economia Joseph Stiglitz indicou Armínio Fraga para presidir o Banco Mundial (BIRD). Dois anos depois, em abril de 2009, Armínio Fraga foi eleito presidente do conselho de administração da BM&F/Bovespa pelos membros do conselho.

Fraga vendeu a Gávea Investimentos para a JP Morgan em 2010, porém continuaria à frente da Gávea por cinco anos.(Exame) Em março de 2013, tomou posse como membro do conselho administrativo da Universidade Columbia no Brasil, com sede no Rio de Janeiro. De acordo com o Diário da Russia, a Universidade Columbia é uma das mais tradicionais instituições universitárias do mundo.

Em abril de 2014, o presidenciável Aécio Neves indicou Fraga como Ministro da Fazenda caso seja eleito.

 

NauFraga tem dupla cidadania

Leblon confirma: ministro de Aecioporto é tão americano quanto brasileiro

 

arminio

 

por Paulo Henrique Amorim

 

 

Bem que o Conversa Afiada suspeitava.

Agora, está aí o Leblon, que não nos deixa mentir:

ABAIXO OS INTERMEDIÁRIOS: ARMÍNIO GORDON PARA PRESIDENTE

Armínio Fraga tem cidadania americana e isso não é uma metáfora: ele foi indicado a Obama pelo ex-Secretário do Tesouro, Tim Geithner,como alguém confiável

A notícia soa como uma daquelas tiradas espirituosas da verve nacionalista brasileira: ‘Armínio Fraga cogitado para comandar o Fed norte-americano (o BC dos EUA)’.

Parece um revival do bordão dos anos 60, ‘Abaixo os intermediários, Lincoln Gordon para a presidência’, em cenário invertido.

Gordon, embaixador gringo, um dos articuladores do golpe de 64, não chegou lá.Mas a cogitação de Armínio , ex-presidente do BC, de Fernando Henrique Cardoso, que despontou para o estrelato rentista como operador do fundo especulativo de George Soros –e hoje é o principal fiador de Aécio Neves junto aos mercados– é mais que uma metáfora venenosa.

A proposta, real, foi revelada pelo próprio autor, Timothy Geithner, ex-secretário do Tesouro dos EUA, que conta o episódio em seu livro, ‘Stress Test’ (‘teste de resistência’). Nele, Geithner faz um retrospecto do fiasco da paridade entre o Real e o dólar , que obrigou a uma maxidesvalorização cambial de 30% em 1999. A decisão, empurrada com a barriga até se consumar a reeleição de FHC em 1998, ancorada em dupla fraude: compra de votos para aprovar a emenda constitucional no Congresso e a ilusão da moeda forte.

A ressaca começou logo em seguida à contagem dos votos. A máxi de janeiro de 1999 fez explodir a inflação levando Armínio a elevar a taxa de juro básica do país a 45%. Fechou-se assim o torniquete que o transformou em um centurião dos endinheirados : desvalorização da moeda, perda de poder de comora dos assalariados e juro sideral. Ele é soberbo nisso.

Quem diz é o amigo Geithner que narra assim a implosão: ‘Após abandonar uma tentativa inicial de se manter a paridade do real com o dólar, uma liderança econômica soberba do Brasil conseguiu dar a volta por cima em poucos meses’.

Em MATÉRIA SOBRE O LIVRO, de maio deste ano, o jornal Folha de SP () destaca a origem da credibilidade do brasileiro junto aos americanos: ’Ao explicar os pacotes de ajuda decididos pelo governo norte-americano, diz a matéria da Folha, Geithner acrescenta que “só funcionaram quando lidamos com líderes competentes e confiáveis. O presidente do banco central brasileiro, Armínio Fraga, que também possui cidadania americana, foi tão notável que mais tarde eu o mencionei para o presidente Obama como um potencial presidente do Fed [o BC americano]“, escreveu Geithner citado pela Folha. Seu empenho pela nomeação da ‘ liderança econômica soberba’ foi tão entusiasmada que fez questão de lembrar a Obama, como diz no livro, a condição de cidadão norte-americano de Armínio ( ele tem dupla cidadania e neste caso não é apenas uma metáfora venenosa)

A empatia entre ‘Tim’, como é chamado o ex-Secretário do Tesouro, e Armínio tem raízes profundas. O americano é um entusiasta dos derivativos que funcionaram como um dos bombeadores da crise de 2008.Não só. Durante a crise, Tim funcionou como uma espécie de embaixador da alta finança junto à Casa Branca: sua prioridade era salvar bancos.

A intercambialidade de Gordons , Armínios e Tins não é novidade na história brasileira.

Mas nem por isso a influência desses coringas deixa de trazer problemas no trato de interesses e agendas, nem sempre tão complementares quanto eles.

Tome-se a encruzilhada do país nos dias que correm.

Dois de seus principais desafios consistem em elevar a taxa de investimento e reverter o estiolamento da base industrial.

Armínio e Aécio Neves deram uma entrevista ao jornal Valor, no início de maio, em que o coordenador econômico da candidatura tucana expõe seu modus operandi ao tecer críticas à ação oficial nessa área.

Entre outras coisas, o amigo de Geithner manifesta sua desaprovação ao Programa de Sustentação do Investimento (PSI). Talvez a coisa mais certa que o governo fez nessa frente.

Criado na crise de 2009, o programa garante crédito barato de longo prazo à aquisição de bens de capital, desde que apresentem 60% de conteúdo nacional.

O mesmo critério incômodo foi incorporado ao regime de partilha, que rege a exploração soberana do pré-sal brasileiro.

Todas as encomendas associadas à exploração das reservas bilionárias devem incluir 60% de conteúdo fabricado no país.

Compreende-se a má vontade.

Nos idos tucanos, quando Armínio pontificava, dizia-se que a melhor política industrial para uma nação em desenvolvimento é não ter política industrial alguma.

Com Armínio no comando (aqui, no Brasil) voltaríamos aos domínios dessa fé inquebrantável na capacidade dos livres mercados para alocar recursos com maior eficiência, ao menor custo.

O veículo por excelência dessa ubiquidade é o capital financeiro, dotado de alguns requisitos.

A saber: liberdade irrestrita de ir e vir, um Banco Central complacente e condições adequadas para impor sua remuneração pelos serviços prestados.

Se alguém disser que nessa chocadeira vingou o ovo do colapso neoliberal de 2008 não estará longe de uma verdade sintética acerca do ocorrido.

O amigão de Armínio ajudou na choca.

Quando presidente do Fed regional, de Nova Iorque, Geithner defendia que os bancos podiam reduzir suas reservas de segurança e alavancar operações , mesmo sem ter caixa para honrá-las, se necessário.

Deu-se o que se sabe. E agora se sabe que quando se deu, Geithner lembrou-se de Armínio – ‘competente e confiável’, afiançou ao presidente norte-americano, para ajudar a resolver o melê.

Hoje, no Brasil, essa linha de pensamento nomeia o arrocho fiscal, de consequências sabidas, como a principal alavanca corretiva para destravar o crescimento da economia.

Trata-se de recuar o Estado para o mercado agir e a sociedade prosperar. É o que dizem.

Nunca é demais repetir que essa reordenação vigora há alguns anos em países europeus, sob ajuste da troika.

Neles se colhe taxas de desemprego de 11,5% a 50% (entre os jovens); as contas públicas se distanciam do equilíbrio; o crédito mingua, a atividade econômica rasteja e a juventude migra. Mas a extrema direita floresce: sua bandeira é substituir a desordem resultante por uma ordem policial atuante.

Em nenhuma outra dimensão da luta política nesse momento a pauta do país é tão esfericamente blindada e impermeável quanto na área econômica.

Discute-se como se não existisse a opção de cortar os juros para a construção de um equilíbrio que poupe o investimento público em programas sociais e em infraestrutura.

Sim, é verdade, na era das finanças desreguladas o comando do Estado sobre a taxa de juros é limitado pelo poder de chantagem dos capitais que respondem à ‘afronta’ com fugas maciças levando a uma crise nas contas externas.

Mas também é verdade que tudo se passa como se o recurso do controle de capitais não figurasse no cardápio econômico mundial, embora seja tolerado até pelo FMI.

A invisibilidade imposta a essas angulações é parte da encruzilhada brasileira.

Ao afunilar o horizonte do país num labirinto repetitivo desemboca-se, inapelavelmente, no paredão do arrocho onde estão escritos os mandamentos seguidos pelos Armínios e assemelhados.

É impossível desmontar essa ciranda sem afetar os interesses da alta finança.Razão pela qual respeitados economistas cogitam alguma forma de controle de capitais numa reordenação macroeconômica para retomada do crescimento.

Se o PT avançará nessa direção num eventual segundo governo Dilma é incerto. Depende em grande parte da correlação de forças interna e externa.

Agora, imaginar que um potencial presidente do Fed americano possa agir contra seus camaradas de fé, em defesa do país, equivale a aceitar que Lincoln Gordon operou o golpe por amor à democracia.

 

Leia mais:

LULA: AÉCIO MENTIU SOBRE NAUFRAGA!

 

Manifestação por Banco Central independente dos banqueiros

São Paulo

 

por Rodolfo Wrolli

 

Contra a independência do Banco Central e a favor do fortalecimento dos bancos públicos. Esse foi o recado claro que a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e entidades a ela filiadas, além de movimentos de moradia, agricultura familiar e sem terra deram à sociedade brasileira em atos ocorridos por todo o Brasil ontem.

Os dois temas ganharam grande relevância nos últimos meses devido ao debate político gerado por causa das eleições à Presidência da República. Candidatos da oposição defendem a independência do BC e a diminuição do crédito direcionado concedidos ao financiamento imobiliário, ao microcrédito ou a setores pouco lucrativos da economia, como a agricultura familiar.

Os atos ocorreram em frente aos prédios do Banco Central em Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém e São Paulo, onde nem mesmo a chuva fina e o frio foram capazes de arrefecer os ânimos dos manifestantes.

“A independência do BC significa entregar os rumos da economia aos bancos privados, ao mercado financeiro, que não têm nenhuma reponsabilidade social”, afirmou a presidenta do Sindicato, Juvandia Moreira.

Juvandia Moreira
Juvandia Moreira

Ela lembrou que os bancários estão em plena Campanha Nacional, e frisou que a categoria tem reponsabilidade especial na defesa dos bancos públicos, sobretudo os funcionários do Banco do Brasil e da Caixa.

“É por isso que os bancários, no meio da greve nacional, fizeram questão de realizar esse protesto em defesa dos bancos públicos e contra a autonomia do BC, para que não se torne um banco independente da população brasileira, para que o crédito direcionado continue financiando a agricultura familiar, o microcrédito e a casa própria. Lembrando que os bancários de todo o Brasil lutam por valorização salarial, melhores condições de trabalho, garantia de emprego, mais saúde e mais valorização, e nós vamos lutar até que os bancos atendam às nossas reivindicações.”

O ex-presidente do Sindicato e deputado estadual, Luiz Claudio Marcolino (PT), destacou a importância da função dos bancos públicos para a economia. “A Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e o BNDES são bancos que hoje investem no financiamento do país, mas que estavam sendo preparados para serem vendidos na gestão do Fernando Henrique Cardoso e hoje são essas empresas públicas, junto com a Petrobras, que ajudam no desenvolvimento do Brasil.”

Ele ressaltou ainda a onda de privatizações ocorrida durante os anos 1990 – auge das políticas econômicas neoliberais, quando praticamente todos os bancos públicos foram vendidos.

“Nós já perdemos o Banespa, o Banerj, o Bemge, a Nossa Caixa, bancos públicos que tinham o papel de desenvolver a economia dos nossos estados mas foram vendidos para os privados, que agora querem controlar o Banco Central, querem mandar na economia brasileira, na taxa de juros, na inflação. O BC não pode ser patrimônio dos banqueiros. Deve estar vinculado ao governo brasileiro, porque é o governo que determina os rumos da economia”, acentuou o deputado.

O presidente da CUT, Vagner Freitas, mencionou a Europa, onde o BC da zona do euro é independente e o continente patina há anos em uma recessão.

“Um dos motivos da integração do continente estar sendo questionada é porque lá o Banco Central europeu formou política contra os interesses dos Estados e uma ideia bonita como essa [integração política continental] vai se perdendo porque os direitistas e os rentistas utilizam o BC para promover políticas de recessão. No Brasil isso não pode ocorrer”, afirmou.

“Nós precisamos que o governo olhe cada vez mais para a agricultura familiar, precisamos também que o campo e a cidade caminhem juntos, e é por isso que nós estamos aqui nesse momento tão decisivo para o Brasil”, afirmou a líder da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar, conhecida como Preta.

Ganhadores do Nobel Paul Krugman e Joseph Stiglitz, criticam autonomia do Banco Central, defendida por Marina Silva

A independência formal do Banco Central é tema de destaque no debate eleitoral. Atualmente, as ações da autoridade monetária brasileira são conduzidas com técnica e responsabilidade, mas dentro da linha do governo eleito democraticamente pelo povo. Existem programas de candidatos à Presidência da República que defendem a independência formal ou legal do BC, o que significa total liberdade frente às políticas governamentais.

Recentemente, economistas renomados, como os ganhadores do Prêmio Nobel Paul Krugman e Joseph Stiglitz, manifestaram suas críticas à independência dos bancos centrais. Para eles, ambos norte-americanos, o maior culpado pela crise econômica mundial, cujo epicentro foram os EUA em 2008, foi a excessiva liberdade dada pelo Federal Reserv (FED) – o BC norte-americano – ao mercado financeiro e sua ganância sem freios.

BNDES dinheiro banco

Em palestra na sede do Banco Central da Índia, Stiglitz destacou que um dos princípios centrais defendidos pelos banqueiros do Centro-Oeste (Europa e Estados Unidos) é esse desejo de independência do BC. E acrescentou: “Na melhor das hipóteses, essa posição é questionável. Na crise, os países com bancos centrais menos independentes como China, Índia e Brasil fizeram muito, mas muito melhor mesmo do que os países com bancos centrais mais independentes, caso da Europa e dos Estados Unidos”.

“A questão é quem vai estar lá e qual política ele vai praticar”, disse Stiglitz, para quem um presidente de BC escolhido pelo mercado tende a atender aos interesses desse mercado, ainda que isso prejudique a maioria da população. Ele deu como exemplo a atitude do presidente do FED de Nova York, William Dudley, pouco antes da eclosão da crise: “Ele executou um modelo de má governança em razão de seu conflito de interesses: salvou os mesmos bancos que ele deveria regular – os mesmos bancos que lhe permitiram ganhar a sua posição de mando”, afirmou Stiglitz.

crise_judici_rio

O Banco Central decide sobre taxas de juros e câmbio, estabelece e executa metas de inflação e pode baixar normas para regular o mercado. “Não se pode dar um poder desse ao mercado, que age conforme sua ganância, sem se preocupar com a população e o futuro do país”, critica a secretária-geral do Sindicato, Ivone Maria da Silva.

Patetada – Em entrevista ao Brasil Econômico, a conceituada economista brasileira Maria da Conceição Tavares foi incisiva: “BC independente é uma patetada”. Disse ainda que autonomia não existe porque, se tem liberdade em relação ao Executivo, está ligado às decisões do mercado. “Independente quer dizer o que? Independente do governo? Do mercado?”, questionou.

 

 

 

Bancários em greve e nas ruas contra autonomia do Banco Central

 

 

“A paralisação é forte em todo o país, mas é necessário que cada bancário faça sua parte para ampliá-la cada vez mais. É fundamental aumentar a pressão para que os bancos se mexam e apresentem o quanto antes proposta que atenda às reivindicações da categoria”, afirmou a presidenta do Sindicato dos Bancários em São Paulo, Juvandia Moreira.

Segundo a secretária-geral do Sindicato, Ivone Maria da Silva, os empregados estão dando resposta às instituições financeiras de que não suportam mais tanta pressão no ambiente de trabalho. “Tanto os funcionários das unidades quanto das concentrações cobram o fim das metas abusivas, querem melhores condições de trabalho e exigem ser valorizados. Também cobram mais segurança nas agências. Ou seja, é uma série de fatores que vão além das reivindicações econômicas e que precisam ser revolvidas pelos bancos”.

A CUT, sindicatos e movimentos sociais estão concentrados desde às 15h de hoje, na Avenida Paulista, contra a independência do Banco Central. “Somos contra a independência do BC porque isso significaria entregar ao mercado, aos bancos, decisões tão importantes para o país como a inflação, a moeda, taxa de juros. Questões que têm grande impacto no emprego e na vida da população e não podem estar nas mãos de apenas um setor da sociedade”, afirma Juvandia Moreira.

ato_BC_materia

 

Direito de greve – O direito de greve está previsto na Constituição Federal e prevê algumas exigências, como a publicação de aviso de greve em jornal de grande circulação. O Comando Nacional dos Bancários também encaminhou às instituições financeiras o calendário até a deflagração da greve (por lei, a greve deve ser aprovada em assembleia dos trabalhadores e, após isso, comunicada ao empregador com antecedência de 72 horas). Essas determinações da lei foram rigorosamente seguidas pelo Sindicato. Para o empregador, a Lei de Greve proíbe a dispensa de trabalhadores ou a contratação de funcionários substitutos durante o período de paralisação.