RECADO PARA A PRESIDENTA DO POVO BRASILEIRO

 

Dilma tem que falar para a Nação. Toda vez que necessário. Para defender o seu mandato.

Responder cada infâmia dos golpistas.

Explicar ao povo o que é pedalada. Porquê a pedalada é necessária. E nomear quais os benefícios urgentes de uma pedalada. Quais projetos e programas sociais precisaram do dinheiro das pedaladas.

Que considera o dinheiro enviado para o povo tão importante, ou mais, que o enviado, todo mês, para os gastos da Câmara dos Deputados, do Senado Federal, e da Justiça Federal.

Tem que falar em cadeia nacional, através de todas as televisões e emissoras de rádio, que são concessões do Governo.

Tem que falar já .

E ir para as ruas com o Povo, a voz de Deus.

“MST vai para Cuba com o PT”

JOÃO PEDRO STÉDILE: “A NOSSA BURGUESIA SENTE RAIVA DE POBRE E DE PRETO”

Stédile e o Papa Francisco
Stédile e o Papa Francisco

João Pedro Stédile, no início do Seminário Reforma Política e Combate à Corrupção, iniciado quarta-feira última, em Fortaleza, declarou:

“Esse ataque não foi pessoal, mas direcionado à classe trabalhadora. A nossa burguesia tem raiva de pobre e de preto. Ainda não consegue conviver com casa grande e senzala”, disse Stédile, referindo-se às agressões que sofreu imediatamente após o desembarque no Aeroporto Internacional Pinto Martins.

O encontro ocorreu na Casa Amarela Eusélio Oliveira, equipamento da Universidade Federal do Ceará. E o ataque a Stédile foi patrocinado pelos especuladores imobiliários, filiados ao PSDB dos golpistas Aécio Neves, José Serra, Fernando Henrique e Aloysio Nunes Ferreira, ex-comunista, que passou do stalinismo para a extrema direita.

stedile procrado vivo ou morto

A direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) repudiou hoje (23), em nota, a agressão sofrida pelo membro da coordenação nacional do movimento, João Pedro Stedile, quando deixava o aeroporto de Fortaleza na noite de ontem. Um grupo de pessoas cercou Stedile e o seguiu até seu carro, em um trajeto de seis minutos, chamando-o de “assassino”, “fascista”, “comunista”, “traidor da pátria” e entoando em canto “MST vai para Cuba com o PT”.

Para a direção do movimento, “este episódio não é um fato isolado, mas um reflexo do atual momento político do país, em que se vê crescer a cada dia o ódio contra os movimentos populares, migrantes e a população negra e pobre”. O texto compara o episódio à agressão sofrida no último sábado (19) por jovens de favelas cariocas que foram impedidos, sob o risco de danos físicos, de frequentar as praias da zona sul da capital fluminense.

“Estes atos de violência e ódio propagado intensamente nas redes sociais, e que reverberam cada vez mais nas ruas, são mais uma demonstração da violência dos setores da elite brasileira dispostos a promover uma onda de violência e ódio contra os setores populares”, diz o texto. A direção do movimento lembrou que recentemente Stedile foi vítima de outra agressão, quando circulou nas redes sociais um cartaz que oferecia uma recompensa por ele “vivo ou morto”.

O MST entende que essa onda de ataques é resultado de “uma mídia partidarizada, manipuladora e que distorce e esconde informações, ao mesmo tempo em que promove o ódio e o preconceito contra os que pensam diferente”. “São esses meios de comunicação a serviço de uma direita raivosa e fascista os responsáveis por formarem essas mentalidades criminosas e odiosas que alimentam as ruas e as redes sociais com os valores mais antissociais e desumanos que possa existir.”

Tais atos, no entanto, não enfraqueceram a luta pela reforma agrária e pelos direitos sociais protagonizada pelo movimento, segundo a nota. “Não aceitaremos que nenhum militante dos movimentos populares sofra qualquer tipo de agressão ou insulto por defender e lutar por justiça social. Nos comprometemos a permanecer em luta nas ruas pela defesa da democracia, dos direitos civis, da classe trabalhadora e o respeito aos valores humanitários.”

O chefe do MST, João Pedro Stédile recebeu a comenda mais importante de Minas Gerais no dia da Inconfidência Mineira, 21 de abril de 2015, que lhe foi dada pelo governador do PT, pelo governador Fernando Pimentel.

stedile raiva de

Vídeos

Jornais brasileiros não destacam visita do Papa a Cuba. Até “Francisco é comunista”

A imprensa brasileira pregou o golpe de 64. Desde que Lula e Dilma foram eleitos presidentes, a imprensa, vendida ao imperialismo e ao colonialismo, passou a pedir o retorno da ditadura militar. Que enriqueceu as famílias Marinho (Globo), Mesquita (Estado de S. Paulo), Frias (Folha de S. Paulo), Civita (Editora Abril, Revista Veja), Sirotsky (Zero Hora, Grupo RBS) e outros zangue azul e direitistas com contas numeradas nos paraísos fiscais.

Para a imprensa sectária, radical, elitista, o Papa Francisco é comunista, porque defende os sem terra, os sem teto, os sem nada, os bolsas-família, os emigrantes, os trabalhadores que ganham o salário mínimo do mínimo, o salário do medo e da fome.

Porto Alegre, hoje
Porto Alegre, hoje
Nova Iorque, hoje
Nova Iorque, hoje
Rio de Janeiro, hoje
Rio de Janeiro, hoje
Flórida, hoje
Flórida, hoje

O empregadinho dos Civita, Rodrigo Constantino escreveu:

O papa Francisco é comunista? Ou: Triste o mundo que já teve Reagan e João Paulo II ter que se contentar com Francisco!

Adán Iglesias Toledo
Adán Iglesias Toledo

Aqueles que nutriam o benefício da dúvida, porém, acordaram com ressaca após o novo discurso do papa, o mais politizado e… comunista de todos. Papa Francisco assumiu de vez o tom anticapitalista, chamando o capitalismo de “ditadura sutil” e clamando por uma mudança de “estruturas”:

“Reconhecemos que este sistema impôs a lógica dos lucros a qualquer custo, sem pensar na exclusão social ou na destruição da natureza?”, perguntou o papa a algumas centenas de representantes de movimentos sociais de vários países, entre os quais o MST, sem-teto, indígenas e quilombolas brasileiros,durante o 2º Encontro Mundial de Movimentos Populares, em Santa Cruz de la Sierra (Bolívia).

“Se é assim, insisto, digamos sem medo: queremos uma mudança, uma mudança real, uma mudança de estruturas. Este sistema já não se aguenta, os camponeses, trabalhadores, as comunidades e os povos tampouco o aguentam. E tampouco o aguenta a Terra, a irmã Mãe Terra, como dizia são Francisco”, completou o papa no encontro, realizado no auditório da Expocruz.

Ora, ora, e pensar que ontem mesmo escrevi sobre os palpiteiros aqui! Não pretendo ensinar o papa a rezar a missa em latim, mas ele agora quer nos ensinar sobre capitalismo? Deveria ficar quieto no seu canto, falando de temas religiosos com sua “infalibilidade papal” ex cathedra, e não se meter a pregar sobre o que não entende. Então o capitalismo é inimigo da natureza e dos pobres? Por isso os países socialistas poluem tão mais e possuem tanta pobreza a mais? Menos, papa Francisco, muito menos…

A verdade é que há, na Igreja Católica, uma ambiguidade constante em relação ao capitalismo, ao lucro, ao livre mercado. Encontra-se bases de defesa desse sistema nas escrituras sagradas e nas encíclicas papais, mas também é possível encontrar seu oposto. Papa Francisco, um jesuíta, mostra-se tão esquerdista quanto o papa Paulo VI, antecessor de João Paulo II, que escreveu, na Encíclica Populorum Progressio, uma verdadeira defesa do socialismo.

Em uma das passagens, o papa diz que é lamentável que o sistema da sociedade tenha sido construído considerando o lucro como um motivo chave para o progresso econômico, a competição como a lei suprema da economia, e a propriedade privada dos meios de produção como um direito absoluto que não tem limites e não corresponde à “obrigação social”. Em outras palavras, o papa lamentou que o capitalismo de livre mercado predominasse em relação ao socialismo. Os interesses coletivos, sabe-se lá quem os define, estariam acima do direito de propriedade privada, o que torna indivíduos sacrificáveis pelo “bem comum”.

O papa ignora que, no livre mercado, o lucro é fruto do bom atendimento da demanda dos consumidores, ou seja, é o indicador de que os indivíduos, por meio de trocas voluntárias, estão satisfeitos. Todos sabem o que aconteceu nos países que tentaram abolir o lucro, a competição e o direito de propriedade privada. O resultado foi a miséria, a escravidão e o terror. São conseqüências inexoráveis do socialismo colocado em prática.

Em outro trecho, o papa afirma que Deus pretendia que a terra e tudo que ela contém fosse para o uso de todo ser humano. “Logo”, ele continua, “enquanto todos os homens seguirem a justiça e a caridade, os bens criados deveriam abundar para eles numa base razoável”. E ainda conclui que “todos os outros direitos, incluindo aqueles da propriedade e do livre comércio, devem estar subordinados a este princípio”. O papa, entretanto, não define o conceito de “razoável”, que é totalmente arbitrário. Ou seja, enquanto todos não tiverem acesso aos bens produzidos de uma forma “razoável”, podemos invadir, pilhar e roubar.

A declaração é inequívoca: “O bem comum exige por vezes a expropriação, se certos domínios formam obstáculos à prosperidade coletiva”. Fora isso, devemos questionar: bens produzidos por quem? O minério de ferro encontra-se na natureza, mas dele até um automóvel existe um processo complexo que foi descoberto e realizado por indivíduos. Um fogão, uma geladeira, um avião, uma casa, nada disso cai do céu, nada disso nasce em árvores. Tudo é fruto do uso de mentes criativas e do esforço de indivíduos. Se todos terão direito a esses bens produzidos, significa que alguém terá o dever de produzi-los. Logo, podemos escravizar indivíduos, em nome da máxima socialista aqui implícita: “de cada um pela capacidade, a cada um pela necessidade”.

Como podemos ver, o viés socialista não é novidade no papismo. É lamentável, porém, verificarmos que justo numa época de avanço do socialismo, especialmente na América Latina católica, a Igreja tenha um papa simpático a tal agenda vermelha. E nos Estados Unidos temos uma liderança fraca, covarde, pusilânime, e também vermelha. Se nos tempos da Guerra Fria os Estados Unidos nos deram um Reagan e a Igreja um João Paulo II, hoje temos um Obama e um papa Francisco, o que é de arrepiar qualquer amante da liberdade.
“Reagan, Thatcher e João Paulo II foram o trio que destruiu o comunismo soviético e o seu Império do Mal”, escreveu o historiador Paul Johnson. E agora temos de nos contentar com Obama e Francisco, a dupla cuja maior “conquista” foi recolocar a ditadura comunista cubana em evidência e obter vantagens para os irmãos assassinos Fidel e Raúl Castro!

    Ramses Morales Izquierdo
Ramses Morales Izquierdo

Assim desanima…

Salários nas alturas

Alfredo Sábat
Alfredo Sábat

Dispararam os salários. Dos deputados. Dos vereadores. Dos togados. Dos coronéis das PMs.
E o salário mínimo da fome precisa deixar de ser degradante, humilhante.
Basta de tanta desigualdade.

A grande maioria da população passa fome, recebendo um salário, ou pensão, ou aposentadoria de 788 reais.
Eta Brasil cruel.

O voto do ódio fez o nazifascismo triunfar na Alemanha de Hitler e na Itália de Mussolini

A eleição do melhor candidato. A eleição do melhor para o povo em geral.

No Brasil, por falta de debate, censura da mídia e da justiça, o eleitor não conhece os candidatos aos cargos executivos e legislativos. Vota no escuro em políticos de ficha suja. Em ladrões. Em assassinos. Ou vende o voto. Ou vota pelo ódio a um partido. instituto Vox Populi: ódio ao PT atinge 12% do eleitorado.

negociacao-da-lei-da-ficha-limpa 3

Os comícios chows, com cantores pagos, transformam a campanha em um pastoril. O voto na Mestra. Na Contra-Mestra. Na Diana. Na Borboleta. No pastoril não existe ideais, idealismo. Apenas a paixão, a festa de ser vermelho, ou azul, ou vestir uma camisa com um lado encarnado e outro azulado.

Corrompe o pleito o voto vendido. E o voto do ódio. Do nazismo. Pelo retorno da ditadura.

Thiago Lucas
Thiago Lucas

O voto racista. O voto homofóbico pregado pelos pastores. A guerra religiosa. O voto iconoclasta.

homofobia religião indignados

O voto do medo. Medo dos sem teto. Medo dos sem terra. Quando o Congresso deve representar todas as classes sociais, e não apenas os ricos, a elite.

Ensina Marcos Simões: “O motivo do ódio? Entorpecimento e envenenamento midiático. O pior de tudo isso? É saber que existem pessoas que dão audiência à mídia corrupta e sonegadora de impostos. Pior ainda é saber que não conhecem um pingo, uma gota da História do Brasil! Tem-se que ter paciência, pois o fruto não cai da árvore verde”.

por Giancarlo Moser — lavagem cerebral pensamento propaganda tv

Alimentos, água e terra para todos

À assembleia da Fao o Papa pede que a solidariedade esteja no centro das relações internacionais 

acesso terra

É preciso voltar a pôr «no centro das relações internacionais a solidariedade, transportando-a do vocabulário para as opções da política: a política do outro». Foi a recomendação dirigida pelo Papa Francisco aos participantes na trigésima nona sessão da conferência da Fao, recebidos em audiência na manhã de quinta-feira 11 de Junho, na Sala Clementina.

.

No discurso pronunciado em espanhol o Pontífice ofereceu uma ampla e documentada análise da relação entre desenvolvimento, agricultura e alimentação, recordando sobretudo que «o acesso aos alimentos necessários é um direito de todos» e reafirmando que «os direitos não permitem exclusões». Segundo Francisco não é suficiente «fazer o ponto» sobre a fome no mundo ou «constatar» os dados e os números. Antes, frisou, «questionemo-nos sobre o que podemos fazer; ou melhor, sobre o que eu já estou a fazer».

.
Preocupa o Papa antes de tudo a dimensão do desperdício, que diz respeito hoje a um terço dos alimentos produzidos. «Reduzir o desperdício é fundamental» afirmou o Pontífice, mas é importante também «reflectir sobre o uso não alimentar de produtos agrícolas» empregados para a alimentação dos animais ou para a produção dos biocarburantes. O caminho, segundo Francisco, é «modificar os estilos de vida» reduzindo o consumo de recursos. De resto, garantiu, «a sobriedade não se opõe ao desenvolvimento, ao contrário, já é evidente que se tornou uma sua condição».

.
O Papa convidou também a considerar a incidência do mercado sobre a fome no mundo: concretamente, o andamento dos preços dos produtos alimentares, que tende a subir impedindo «que os mais pobres façam programas ou contem com uma nutrição até mínima», e a especulação financeira. «Também neste aspecto – sugeriu – tentemos percorrer outro caminho, convencendo-nos de que os produtos da terra têm um valor que podemos chamar «sagrado», porque são fruto do trabalho diário de pessoas, famílias, comunidades de camponeses».

.
Deplorando a resignação e o desinteresse que caracterizam a atitude de Estados e organismos internacionais perante a fome, o Pontífice recordou que muitas vezes a pobreza não é só um mal-estar social mas «uma questão estrutural», para cuja solução não chegam simples estratégias políticas. Além disso, denunciou, no sul do mundo assolado pela fome crónica as ajudas de emergência que chegam do estrangeiro «não são suficientes e nem sempre vão parar nas mãos certas». Com o resultado que se penalizam as cultivação locais e «se cria dependência dos grandes produtores».

.
Precisamente sobre a questão do «açambarcamento das terras cultiváveis por parte de empresas transnacionais e de Estados» Francisco expressou sérias preocupações, frisando que este processo «não só priva os agricultores de um bem essencial, mas afecta directamente a soberania dos países». Severo também o juízo sobre a falta de compromissos concretos a fim de garantir o direito à água e «de tornar sustentável o consumo deste bem-recurso»: todos, auspiciou o Papa, «possam aceder à água indispensável para as suas necessidades e actividades agrícolas». In Osservatore Romano 

.

Papa defende acesso de todos a alimentação digna e critica «especulação» financeira

bancos capitalismo fome

O Papa defendeu hoje no Vaticano a necessidade de aprofundar a luta contra a fome e sublinhou que a alimentação é um “direito de todos”, condenando a especulação financeira neste campo.

“Preocupam-nos, com justiça, as alterações climáticas, mas não podemos esquecer-nos da especulação financeira: um exemplo são os preços do trigo, do milho, da soja, que oscilam nas bolsas”, alertou, perante os participantes na 39ª conferência da FAO, organização das Nações Unidas para a alimentação e a agricultura.

Francisco questionou os presentes sobre o impacto das “regras” do mercado na “fome do mundo” e apelou a uma mudança de fundo, reconhecendo o valor “sagrado” dos produtos da terra.

“São fruto do trabalho diário de pessoas, famílias, comunidades de agricultores. Um trabalho muitas vezes dominado por incertezas, preocupações pelas condições climáticas, ansiedade perante a possível destruição da colheita”, sublinhou.

O discurso denunciou a “usurpação” das terras de cultivo por parte de empresas transnacionais e países estrangeiros, o que afeta “diretamente a soberania” de muitas regiões, deixando a população local duplamente empobrecida, “porque não tem alimentos nem terra”.

O Papa lamentou que a “miséria” de muitos homens e mulheres, num tempo de crise, seja agravada pelas “dificuldades em aceder a alimentação regular e saudável”.

“Em vez de atua, no entanto, preferimos delegar, a todos os níveis”, observou.

Francisco desafiou a uma nova relação com os recursos naturais, “o uso do solo, o consumo, eliminando o desperdício”.

“Assim venceremos a fome”, vaticinou.

A intervenção aludiu ao desperdício de bens e à utilização de produtos agrícolas para outros fins, “que não são a necessidade imediata de quem passa fome”, como a alimentação de aninais ou a produção de biocombustíveis.

O Papa deixou votos de que seja possível mudar os “estilos de vida” e desafiou a comunidade internacional a prosseguir a luta contra a fome “sem segundas intenções”.

“A sobriedade não se opõe ao desenvolvimento, pelo contrário, hoje fica claro que se transformou numa condição para o mesmo”, prosseguiu.

Francisco falou ainda das consequências das alterações climáticas e das tragédias humanas por falta de água ou por deslocações forçadas das populações.

Em conclusão, o Papa sustentou que os recursos do planeta “são limitados” e que o seu uso sustentável é “absolutamente urgente para o desenvolvimento agrícola e alimentar”. Agência Ecclesia 

Paulinho da Força é condenado por improbidade. Enganou 72 famílias

Paulinho

 

O Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) manteve a condenação por improbidade administrativa contra o deputado federal Paulo Pereira da Silva, conhecido como Paulinho da Força, que liderou os deputados que votaram na lei do emprego terceirizado. Em decisão unânime, os magistrados rejeitaram apelação do deputado e de outros 11 condenados por desvio de recursos públicos

Paulinho, do Solidariedade, é acusado de desvios do Programa Banco da Terra na região de Ourinhos, interior de São Paulo, na década de 2000. De acordo com o Ministério Público Federal, a Força Sindical e um ex-prefeito de Piraju (SP) intermediaram a compra de uma propriedade que teria sido supervalorizada.

O MPF aponta que os recursos foram parcialmente desviados, mediante superavaliação da propriedade rural. A ação apura ainda que “houve falsificação da proposta de financiamento da Fazenda Ceres e seus projetos” e superfaturamento da ordem de 77,30%. O dinheiro foi desviado, segundo a denúncia.

A sentença contra Paulinho o obriga a pagar multa de cerca de R$ 1 milhão.

72 famílias de trabalhadores rurais enganadas por Paulinho

A turma de Paulinho embolsou R$ 2,85 milhões (recursos públicos) destinados a comprar e realizar obra de infraestrutura na Fazenda Ceres (302 alqueires destinados ao assentamento de 72 famílias de trabalhadores rurais no município de Piraju, interior paulista).

“Peritos do Ministério Público Federal apuraram que o valor de mercado do imóvel, à época do negócio, era de no máximo R$ 1,29 milhão, ou R$ 4,29 mil o alqueire. Foi comprado por R$ 2,3 milhões, R$ 7, 51 mil o alqueire”.