Festivais comprovam a degeneração da música brasileira

Lollapalooza faz propaganda de grupos políticos ligados à direita estadunidense 

Acontece de 12 a 13 de março de 2016. Já começou a propaganda do festival de música estrangeira no Brasil dos alienados
Acontece de 12 a 13 de março de 2016. Já começou a propaganda do festival de música estrangeira no Brasil dos alienados

Lollapalooza é um festival de música anual composto por gêneros como rock alternativo, heavy metal, punk rock e performances de comédia e danças, além de estandes de artesanato. Também fornece uma plataforma para grupos políticos e sem fins lucrativos. Lollapalooza tem apresentado uma grande variedade de bandas e ajudou a expor e popularizar artistas como, Alice in Chains, Tool, Red Hot Chili Peppers, Pearl Jam, The Cure, Primus, Rage Against the Machine, Soundgarden, Arcade Fire, Nine Inch Nails, Nick Cave, L7, Janes Addiction, X Japan, The Killers, Siouxsie and the Banshees, The Smashing Pumpkins, Muse, Hole, 30 Seconds to Mars, The Strokes, Arctic Monkeys, Foo Fighters, Green Day, Lady Gaga e Fun.

Concebido e criado em 1991 pelo cantor do Jane’s Addiction, Perry Farrell, como uma turnê de despedida para sua banda, o Lollapalooza aconteceu até o ano de 1997 e foi revivido em 2003. Desde a sua criação até 1997 e em seu renascimento em 2003, o festival percorreu a América do Norte. Em 2004, os organizadores do festival decidiram ampliar a permanência do festival para dois dias por cidade, mas a fraca venda de ingressos forçou o cancelamento da turnê de 2004. Em 2005, Farrell e a Agência William Morris fizeram uma parceria com a empresa Capital Sports Entertainment (atual C3 Presents), sediada em Austin, no Texas, e reformularam o festival para o seu formato atual, como um evento fixo em Grant Park, Chicago, Illinois.

Em 2010, foi anunciada a estreia do Lollapalooza no exterior, com um ramo do festival sediado em Santiago, no Chile, em 2 e 3 abril de 2011, onde estabeleceu uma parceria com a empresa chilena Lotus. Em 2011, a empresa Geo Eventos confirmou a primeira versão brasileira do evento, que foi sediada no Jockey Club, em São Paulo nos dias 7 e 8 de abril de 2012. Foi anunciado que o primeiro Festival Lollapalooza será realizado na Europa em setembro de 2015, na capital alemã,Berlim, no histórico aeroporto Tempelhof.

Lollapalooza de 2009 em Chicago
Lollapalooza de 2009 em Chicago

A palavra, algumas vezes pronunciada como lollapalootza ou lalapaloosa, vem dos séculos XIX e XX, de uma expressão americana que significa “uma extraordinária ou incomum coisa, pessoa, ou evento; um exemplo excepcional ou circunstância.” Com o tempo, o termo passou também a um grande pirulito (em inglês lollipop). Farrell, em busca de um nome para seu festival, gostou da sonoridade do termo ao ouvi-lo em um filme dos Três Patetas. Em homenagem ao duplo significado do termo, um personagem no logo original do festival segura um pirulito.

Lolla 2012

Em 1997, no entanto, o conceito Lollapalooza tinha acabado, e em 1998, os esforços não conseguiram encontrar uma banda principal adequada, assim resultando no cancelamento do festival. O cancelamento serviu como um significante declínio da popularidade do rock alternativo. Em meio aos problemas do festival, Spin disse, “Lollapalooza é como um coma para o rock alternativo agora.”

mapa_lollapalooza2012

Morto o festival, apelaram para a ressurreição em países colonizados.

Em 2010, foi anunciado que Lollapalooza iria estrear na América do Sul, com um ramo do festival produzido na capital do Chile, Santiago de 2 a 3 de Abril de 2011. A lineup incluia Kanye West, Jane’s Addiction, 30 Seconds to Mars, The National, Manny and Gil the Latin, The Drums, Los Bunkers,The Killers, Ana Tijoux, Javiera Mena, Fatboy Slim, Deftones, Los Plumabits, Cypress Hill, 311, The Flaming Lips e outros.

Em 2011, foi confirmado a versão brasileira do evento, que foi feita no Jockey Club em São Paulo nos dias 7 e 8 de abril de 2012.

Veja todas as atrações do Lollapalooza 2016 na ordem divulgada pelo festival:
Eminem, Florence + The Machine, Jack Ü, Mumford & Sons, Snoop Dogg, Noel Gallagher, Tame Impala, Alabama Shakes, Zedd, Kaskade, Die Antwoord, Of Monsters and Men, Marina and the Diamonds, Cold War Kids, Odesza, Zeds Dead, Flosstradamus, RL Grime, Emicida, Bad Religion, Walk the Moon, Twenty One Pilots, Halsey, Matanza, Jungle, Marrero, Eagles of Death Metal, A-trak, Seed, Albert Hammond Jr., The Joy Formidable, Gramatik, Maglore, Vintage Trouble, Supercombo, Matthew Koma, Jack Novak, Dônica, Versalle, Groove Delight, Zerb, Karol Conka, The Baggios, Funky Fat, Dingo Bells.

lollapalooza-2016-eminem-florence-mumford-sons-tame-impala-alabama-shakes

As onerosas repartições públicas das secretarias e Ministério da Cultura não promovem a música brasileira. Nem os artistas novos. Prefere mega eventos de shows superfaturados dos cantores da TV Globo.

O Lolla mantém outra que é sua principal característica: apostar em grupos não tão conhecidos no Brasil. Entre eles, o mais destacado no line-up é o Mumford & Sons, estreante por aqui. Representantes do novo rock dançante, Walk the Moon e Twenty One Pilots têm em comum o fato de serem do estado americano de Ohio.

É o cantar na língua inglesa. Precisamente no inglês dos Estados Unidos. Que mortos estão os ritmos brasileiros.

o último jogral

No festival são proibidas as músicas de Tom Jobim, João Gilberto,  Chico Buarque, Caetano Veloso, Noel Rosa, Cartola, Gilberto Gil, Dorival Caymmi, Pixinguinha,  Luiz Gonzaga, Paulinho da Viola. Vinicius de Moraes, Milton Nascimento, Baden Powell, Ary Barroso, Nelson Cavaquinho,
Zé Ramalho, Adoniran Barbosa, Sivuca, Capiba, Nelson Ferreira, Getúlio Cavalcanti, entre outros mil da Pátria Amada Brasil.

A música preferida dos brasileiros

Por que não cantar em português, que aparece entre o sexto ou sétimo idioma mais falado do mundo?

Em número de pessoas

1. Chinês – 1.213 bilhão
2. Espanhol – 329 milhões
3. Inglês – 328 milhões
4. Árabe – 221 milhões
5. Hindi – 182 milhões
6. Bengali – 181 milhões
7. Português – 178 milhões
8. Russo – 144 milhões
9. Japonês – 122 milhões
10. Alemão – 90,3 milhões

Fonte: ethnologue.com (2012)

No Top 10, o português é o sexto da lista com 249 milhões de nativos + 20 milhões como segunda língua = 269 milhões no total.

Atualmente, o português é língua oficial de oito países (Portugal, Brasil, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Timor Leste). Apesar da incorporação de vocábulos nativos e de modificações gramaticais e de pronúncia próprias de cada país, as línguas mantêm uma unidade com o português de Portugal.

O português também é falado em pequenas comunidades, reflexão de povoamentos portugueses datados do século XVI, como é o caso de: Zanzibar (na Tanzânia, costa oriental da África), Macau (ex-possessão portuguesa encravada na China), Goa, Diu, Damão (na Índia) e Málaca (na Malásia).

A língua portuguesa se faz presente em todos os continentes. Observe 

Acontece que se faz propaganda com tudo. Um exemplo, o Brasil apequenado no mapa mundi:

mapamundi1

mapamundi 2

O Brasil possui 198,7 milhões de habitantes (2012); e Portugal, 10,6 milhões.

Os livros sagrados das principais religiões são escritos em que idiomas?

800px-Religion_distribution

As 10 religiões com mais adeptos do mundo:

1º. Cristianismo – 2.106.962.000 de adeptos
2º. Islamismo – 1.283.424.000
3º. Hinduísmo – 851.291.000
4º. Religiões chinesas – 402.065.000
5º. Budismo – 375.440.000
6º. Skihismo – 24.989.000
7º. Judaísmo – 14.990.000
8º. Espiritismo – 12.882.000
9º. Fé Bahá’í – 7.496.000
10º. Confucionismo – 6.447.000

Fonte: wikipedia

Que músicas são mais cantadas: as profanas ou as religiosas?

Fiz várias perguntas para demonstrar que não se deve confiar em nenhuma lista, estatística (veja a confusão política criada pelo último censo realizado na Bolívia, para a contagem genética), que toda propaganda é inimiga da verdade e da realidade.

Nada é imparcial. Minha intenção é saber se existe uma política de degeneração da música popular brasileira.

As 10 músicas mais tocadas nas baladas do Brasil 2013

De acordo com a lista divulgada pelo Escritório Central de Arrecadação (Ecad), estas foram as músicas que mais tocaram nas baladas do Brasil, à partir do segundo semestre de 2012:

1. Titanium – David Guetta

2. Somebody that I used to know – Gotye e Kimbra

3. Gangnam style – Psy

4. We found love – Rihanna

5. Glad you came – The Wanted

6. Louquinha – João Lucas e Marcelo com MC K9

7. Camaro amarelo – Munhoz e Mariano

8. Where have you been – Rihanna

9. Feel so close – Calvin Harris

10. Gatinha assanhada – Gusttavo Lima

Por que as músicas brasileiras dificilmente são internacionais, e as escolhidas não são mais tocadas no Brasil? Confira  

O top por país, e escute as músicas aqui.

Para completar: Les chansons les plus reprises

Três perguntas finais: Nossa população negra e mestiça, que deseja ser chamada de afrodescendente, conhece a música de Angola, de Moçambique? Ainda existe música popular brasileira, que não esteja contaminada pela música estrangeira, notadamente pela estadunidense?

Nos Estados Unidos nasceram estilos como o blues, o jazz, o rock and roll e o rap.

Qual música vem sendo divulgada pelos Ministérios, secretarias estaduais e municipais do Turismo e Cultura deste Brasil colonizado?

Troque a palavra música por literatura ou livro, que você entenderá porque os escritores brasileiros são desconhecidos no Brasil e lá fora, propositadamente nos países que falam português. Que as embaixadas brasileiras apenas cuidam de encantados negócios.

Palavra final: Os caminhos da corrupção em São Paulo

O Brasil virou um país sem atrações turísticas. Cidades consideradas patrimônio da humanidade estão abandonadas pelos prefeitos e governadores. Reclama o deputado federal José Chaves de Pernambuco: A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) já concedeu o título de patrimônio mundial (cultural ou natural) para 17 localidades no Brasil. José Chaves afirma, no entanto, que esses locais não recebem tratamento diferenciado do governo federal. “O Poder Executivo insiste em tratá-los como qualquer outro município brasileiro”, critica. “Não foi para isso que a Unesco conferiu a essas cidades tão importante título.” Conheça o projeto 

As entradas das cidades brasileiras são terrivelmente iguais e feias. Favelas e mais favelas, postos de gasolina, porteira de pedágio, posto fiscal, monstruosos edifícios de shopping, hipermercado, fábricas e oficinas estrangeiras.

O turismo azul acinzentou. Desapareceram os mapas dos rios, com suas ilhas e cachoeiras; idem de suas ilhas marítimas e oceânicas. Belezas encantadas pelas outorgas. E nenhuma praia classificada entre as mais belas do mundo.

O Brasil era conhecido como terra do samba e do futebol. Os nossos melhores jogadores continuam vendidos, na lavagem de dinheiro dos cartolas, para os clubes europeus; e o Rio de Janeiro pretende o título de capital do rock, com a degeneração da MPB. 

Triste realidade de um pais atualmente famoso pelo turismo sexual e pela corrupção, inclusive como atração para investidores estrangeiros, e negócios bilionários como comprovam as atuais investigações, da justiça internacional, das propinas da Siemens e da Alstom.

 Não é de estranhar que seja proposto um antigo roteiro turístico – que pode ser realizado em qualquer outra capital: 

Numa mesma caminhada, podemos ver vários prédios públicos onde negociatas foram feitas – e os privados que delas se beneficiaram

por Milton Jung/ Revista Época

Prisão domiciliar do juiz Lalau
Prisão domiciliar do juiz Lalau

Político na cadeia não é privilégio de Brasília. Não adianta a Capital Federal ficar se vangloriando com a hospedagem oferecida aos condenados do Mensalão, porque São Paulo saiu na frente. Nem vou levar em consideração o fato de que parte dos que lá estão deveria estar aqui. Só foram para a Papuda devido ao presidente do STF, Joaquim Barbosa, que nos roubou alguns deles. Antes desses aí, porém, nossa cidade já havia colocado atrás das grades ao menos um político. Foi no fim dos anos 1990, quando funcionários da prefeitura foram acusados de cobrar propina para fazer vistas grossas a irregularidades no comércio e em construções, na gestão Celso Pitta (1997-2001). Era tanta falcatrua que a Câmara Municipal instalou a CPI da Máfia dos Fiscais e pela primeira vez na história da cidade um vereador foi condenado à prisão. Vicente Viscome, denunciado em 1999, foi para a cadeia por ser um dos chefes da quadrilha. Um marco na luta contra a corrupção, definiu o promotor Roberto Porto, do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (GAECO) que, hoje, ocupa a Secretaria Municipal de Segurança Urbana na administração Fernando Haddad.

Encarcerar político era tão raro que o então Ministro do Turismo, Rafael Greca, me surpreendeu durante entrevista, na época, com uma ideia mirabolante. Sugeriu que se criasse um roteiro turístico da corrupção, em São Paulo, que se iniciaria na sede do Ministério Público Estadual, na rua Riachuelo, onde foi entregue a acusação que deu origem à investigação, feita pela empresária Soraia da Silva que não suportou o assédio dos fiscais que insistiam em receber dinheiro em troca da licença para a abertura de uma academia de ginástica, em 1998. Com mais dez minutos de caminhada, os turistas chegariam à Câmara Municipal, no Viaduto Jacareí, onde Viscome prestou serviços. O ápice seria a visita à cadeia do 77º Distrito Policial, em Santa Cecília, na qual o vereador permaneceu durante alguns dias antes de seguir para a penitenciária de Tremembé, no Vale do Paraíba.  A proposta, como era de se imaginar, não prosperou e, um ano depois, Greca deixou o Ministério suspeito de envolvimento com donos de casas de bingo e máquinas caça-níquel. Foi inocentado, mas por pouco não virou ponto turístico em outra freguesia.

Pelas denúncias atuais, percebe-se que o “tour da corrupção” seria um negócio de alto potencial, inclusive com o patrocínio do Metrô e da CPTM que ofereceriam bilhetes mais baratos para os turistas se deslocarem pela cidade em trens e linhas superfaturados. Túneis, avenidas e viadutos fariam parte da visita. Prédios públicos onde as negociatas foram feitas e privados, que se beneficiaram delas, também. Obras inacabadas, menos atrativas,  estariam no roteiro por seu valor simbólico.  Todos seriam convidados à sede do Tribunal Regional do Trabalho, na Barra Funda, e recebidos, para um café, pelo ex-juiz Nicolau dos Santos Neto, o Lalau, que abriria sua mansão, onde cumpre prisão domiciliar.  Os turistas fariam compras com desconto nos shoppings que pagaram propina para construir acima do permitido e, como diversão, teriam de descobrir onde estão as vagas de estacionamento exigidas por lei. Para conversar com as celebridades da corrupção recomendaria-se deixar uma “caixinha” (dois).

Enquanto ninguém se atreve a investir nesse negócio, o que vemos por aqui é a preocupação da elite política com as condições impostas aos presos.  A persistirem os sintomas, sugiro que nossos políticos em vez de cadeia, sejam condenados a frenquentar escolas e hospitais públicos.

casa-do-maluf

maluf 1 
 

Com a dupla Debi e Lóide no governo, o Rio de Janeiro vive uma fase deprimente

por Carlos Newton / Tribuna da Imprensa

Debi e loide

O povo teve muita esperança nos dois. Quando Sergio Cabral Filho surgiu na política, na aba do pai, que era vereador, e do sogro, Gastão Neves, diretor da Paranapanema e sobrinho de Tancredo Neves, parecia que se tratava de um jovem ético e idealista.

O pai, que sempre se declarou comunista e até hoje frequenta a roda dos velhos camaradas, descaminhou e deu um jeito de ser nomeado para o Tribunal de Contas do Município. O filho, na primeira oportunidade que teve, candidatou-se a prefeito pelo PSDB, mesmo sem chances, e começou a fazer fortuna com as famosas “sobras de campanha”. Depois, eleito presidente da Assembléia, aliou-se ao deputado Jorge Picciani e tornou um dos maiores corruptos da política brasileira.

Seu padrinho no PSDB era o ex-governador Marcello Alencar, que chegou a denunciar o enriquecimento ilícito do afilhado, mas não pode ir em frente, porque Cabralzinho ameaçou com um dossiê sobre Marco Aurelio Alencar, filho de Marcello, que então recolheu os flaps, como se diz na linguagem aeronáutica.

NO PAPEL DE LÓIDE

Como na série de comédias de Hollywood, Cabralzinho é o Debi e seu pupilo Eduardo Paes faz o papel de Lóide, com grande maestria. Criado na Barra da Tijuca, o prefeito não conhece a cidade, especialmente o Centro. Altamente irresponsável e delirante, é capaz de derrubar o mais importante viaduto do Rio, sob o argumento de que enfeia a cidade, e consequentemente criar um dos maiores engarrafamentos do mundo.

Na primeira chuva forte, seus planos foram literalmente por água abaixo, desculpem o inevitável jogo de palavras. E ainda bem que não chegou a concretizar seu outro projeto genial e mirabolante – a transformação da Avenida Rio Branco em rua de pedestres. Se o fizesse, seria caso de internação compulsória no Hospital Pinel.

Agora, a honorabilidade de Eduardo Paes também despencou, com a revelação das contas no Panamá, abertas em nome do pai, da mão e da irmã, no valor total de R$ 20 milhões. Ou seja, além de idiota e debilóide, o rapaz é também corrupto, vejam quanto talento.

E a culpa é nossa, que colocamos essas raposas para tomar conta dos galinheiros. Os dois deveriam estar atrás das grades, juntos com Luiz Fernando Pezão, que contratava as obras com a Delta de Fernando Cavendish, e com Sergio Cortes, o secretário de Saúde, que faz papel de Médico e de Monstro. Além, é claro, do empresário Arthur Cesar, o rei das concorrências fraudadas e grande peça do “esquema”.

Ah, que saudades do meu Rio de Janeiro…

Treino para as olimpíadas
Treino para as olimpíadas
Chuva deixa ruas alagadas no Centro. A Via Binário ficou alagada na altura da Cidade do Samba - Márcia Foletto: Agência O Globo
Chuva deixa ruas alagadas no Centro. A Via Binário ficou alagada na altura da Cidade do Samba – Márcia Foletto: Agência O Globo
Queda de um muro na estação de trens da Piedade, na zona norte do Rio de Janeiro provocou atrasos nesta quarta-feira (11) - Fábio Gonçalves: Agência O Dia
Queda de um muro na estação de trens da Piedade, na zona norte do Rio de Janeiro provocou atrasos nesta quarta-feira (11) – Fábio Gonçalves: Agência O Dia

br_oglobo.hoje
br_extra. rio hoje
BRA^RJ_MET rio hoje

AGORA VOCÊ ENTENDE A MANIA DE HELICÓPTERO DE SÉRGIO CABRAL

Degeneração da Cultura brasileira e a luta de Julia Colle contra os rodeios

A música dos Estados Unidos vem sendo cultuada no Brasil de uma maneira que provoca a degeneração da nossa cultura tão desprezada, apesar da existência de um Ministério, 26 secretarias estaduais, Distrito Federal e centenas de secretarias municipais da Cultura, além de associações, faculdades e ONGs de música.

O Rio de Janeiro virou a capital do Rock and roll.  Caldas Novas, Goiás, do country. Vem se popularizando o inferno chamado Caldas country.

São Paulo é a capital do jazz. O techno o som de todas boates. E o Spiritual, notadamente nos templos evangélicos, para diferenciar das tradicionais músicas de procissão dos católicos. Quando a música que Jesus cantou e dançou, na Última Ceia, talvez seja encontrada nos folclores judeu e árabe, especialmente no interior da Síria, e outras pequenas comunidades do Oriente Médio, onde o aramaico  ainda é falado.

Os gêneros musicais brasileiros vêm sendo abandonados. Pode-se, inclusive falar, na degeneração da música brasileira. Até o samba está destruído, na versão da TV Globo do Show Beleza e turísticas escolas de samba do Rio de Janeiro.

Citarei como exemplo apenas as músicas que dancei: modinha, lundum,  choro, baião, xaxado, bate-pé, batuque, coco, frevo canção, frevo de rua, maxixe, mineiro-pau, pastoril, maracatu e caboclinho.

Também perdidas as danças infantis. Que não mais se brinca nas ruas, nas praças, nos quintais e nas escolas. 

Esta lembrança me veio quando pesquisava a página, no Faceboox, de Julia Colle, uma garota linda de olhos azuis, azuis, que se acorrentou ao portão do Instituto Royal, que fazia dos animais cobaias para o fabrico de produtos de beleza.

O que a diferenciava de outras ativistas era o amor pelos animais além dos beagles. Dia ou noite, desde que avisada, saia para socorrer um vira-lata ferido ou abanado pelas ruas de São Roque, santo padroeiro de diversas profissões ligadas à medicina, ao tratamento de animais e dos seus produtos e aos cães.

São Roque
São Roque

A música country embala os rodeios. Que São Roque nos livre dessa peste. Que São Sebastião livre o Rio de Janeiro da peste do rock. Amém.

Na página de Julia
Na página de Julia Colle

Dinheiro para a Cultura os prefeitos negam.

rodeio

Ary Barroso ganha homenagem do Google no 110º aniversário

PROIBIDO DE TOCAR NO ROCK IN RIO

 

ary-barroso

O Rio, ex-Capital do Samba, virou capital do rock.

Não toca mais Ary Barroso.

Escreve Thiago Barros: Ary Barroso, um dos maiores compositores da música popular brasileira, que festejaria seu 110º aniversário nesta quinta-feira (6), é o homenageado pelo Doodle do Google de hoje. A  ilustração de um pianista e um casal dançando samba formam a palavra Google. A biografia de Ary Barroso é repleta de grandes sucessos da música nacional, como: ‘Aquarela do Brasil’, ‘É Pra Frente Que Se Anda’, ‘Rio de Janeiro’, ‘Inquietação’, ‘Terra Seca’, ‘Na Baixa do Sapateiro’ e ‘Brazil’.

Você, que festeja os roqueiros, que não sabe nada do samba, escondido pelas rádios e televisões, clique aqui

 

Centenário do esquecido Vinicius de Moraes

Fausto
Fausto

Não sei pra que servem as isoladas manifestações fúnebres? Vinicius jamais foi indicado, pelo Brasil, para o Nobel de Literatura. Foi exonerado do Itamarati pelas não reveladas acusações de ser boêmio e gay. Viveu exilado para não ser preso como subversivo. Sua música não é tocada nas rádios. Sua poesia não é recitada nas escolas. No Rock in Rio deste ano, e sempre, ninguém falou dele. Que o Rock in Rio é a degeneração da cultura brasileira.

Existe alguma universidade, fundação, biblioteca, casa de cultura como o nome de Vinicius? Talvez sim, mais provável que não.

O “Poetinha” que tanto exaltou o Brasil e sua gente, que perdõe o nosso desamor. Conheça o portal 

A ROSA DE HIROXIMA

por Vinicius de Moraes

Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroxima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A antirrosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada.