Festivais comprovam a degeneração da música brasileira

Lollapalooza faz propaganda de grupos políticos ligados à direita estadunidense 

Acontece de 12 a 13 de março de 2016. Já começou a propaganda do festival de música estrangeira no Brasil dos alienados
Acontece de 12 a 13 de março de 2016. Já começou a propaganda do festival de música estrangeira no Brasil dos alienados

Lollapalooza é um festival de música anual composto por gêneros como rock alternativo, heavy metal, punk rock e performances de comédia e danças, além de estandes de artesanato. Também fornece uma plataforma para grupos políticos e sem fins lucrativos. Lollapalooza tem apresentado uma grande variedade de bandas e ajudou a expor e popularizar artistas como, Alice in Chains, Tool, Red Hot Chili Peppers, Pearl Jam, The Cure, Primus, Rage Against the Machine, Soundgarden, Arcade Fire, Nine Inch Nails, Nick Cave, L7, Janes Addiction, X Japan, The Killers, Siouxsie and the Banshees, The Smashing Pumpkins, Muse, Hole, 30 Seconds to Mars, The Strokes, Arctic Monkeys, Foo Fighters, Green Day, Lady Gaga e Fun.

Concebido e criado em 1991 pelo cantor do Jane’s Addiction, Perry Farrell, como uma turnê de despedida para sua banda, o Lollapalooza aconteceu até o ano de 1997 e foi revivido em 2003. Desde a sua criação até 1997 e em seu renascimento em 2003, o festival percorreu a América do Norte. Em 2004, os organizadores do festival decidiram ampliar a permanência do festival para dois dias por cidade, mas a fraca venda de ingressos forçou o cancelamento da turnê de 2004. Em 2005, Farrell e a Agência William Morris fizeram uma parceria com a empresa Capital Sports Entertainment (atual C3 Presents), sediada em Austin, no Texas, e reformularam o festival para o seu formato atual, como um evento fixo em Grant Park, Chicago, Illinois.

Em 2010, foi anunciada a estreia do Lollapalooza no exterior, com um ramo do festival sediado em Santiago, no Chile, em 2 e 3 abril de 2011, onde estabeleceu uma parceria com a empresa chilena Lotus. Em 2011, a empresa Geo Eventos confirmou a primeira versão brasileira do evento, que foi sediada no Jockey Club, em São Paulo nos dias 7 e 8 de abril de 2012. Foi anunciado que o primeiro Festival Lollapalooza será realizado na Europa em setembro de 2015, na capital alemã,Berlim, no histórico aeroporto Tempelhof.

Lollapalooza de 2009 em Chicago
Lollapalooza de 2009 em Chicago

A palavra, algumas vezes pronunciada como lollapalootza ou lalapaloosa, vem dos séculos XIX e XX, de uma expressão americana que significa “uma extraordinária ou incomum coisa, pessoa, ou evento; um exemplo excepcional ou circunstância.” Com o tempo, o termo passou também a um grande pirulito (em inglês lollipop). Farrell, em busca de um nome para seu festival, gostou da sonoridade do termo ao ouvi-lo em um filme dos Três Patetas. Em homenagem ao duplo significado do termo, um personagem no logo original do festival segura um pirulito.

Lolla 2012

Em 1997, no entanto, o conceito Lollapalooza tinha acabado, e em 1998, os esforços não conseguiram encontrar uma banda principal adequada, assim resultando no cancelamento do festival. O cancelamento serviu como um significante declínio da popularidade do rock alternativo. Em meio aos problemas do festival, Spin disse, “Lollapalooza é como um coma para o rock alternativo agora.”

mapa_lollapalooza2012

Morto o festival, apelaram para a ressurreição em países colonizados.

Em 2010, foi anunciado que Lollapalooza iria estrear na América do Sul, com um ramo do festival produzido na capital do Chile, Santiago de 2 a 3 de Abril de 2011. A lineup incluia Kanye West, Jane’s Addiction, 30 Seconds to Mars, The National, Manny and Gil the Latin, The Drums, Los Bunkers,The Killers, Ana Tijoux, Javiera Mena, Fatboy Slim, Deftones, Los Plumabits, Cypress Hill, 311, The Flaming Lips e outros.

Em 2011, foi confirmado a versão brasileira do evento, que foi feita no Jockey Club em São Paulo nos dias 7 e 8 de abril de 2012.

Veja todas as atrações do Lollapalooza 2016 na ordem divulgada pelo festival:
Eminem, Florence + The Machine, Jack Ü, Mumford & Sons, Snoop Dogg, Noel Gallagher, Tame Impala, Alabama Shakes, Zedd, Kaskade, Die Antwoord, Of Monsters and Men, Marina and the Diamonds, Cold War Kids, Odesza, Zeds Dead, Flosstradamus, RL Grime, Emicida, Bad Religion, Walk the Moon, Twenty One Pilots, Halsey, Matanza, Jungle, Marrero, Eagles of Death Metal, A-trak, Seed, Albert Hammond Jr., The Joy Formidable, Gramatik, Maglore, Vintage Trouble, Supercombo, Matthew Koma, Jack Novak, Dônica, Versalle, Groove Delight, Zerb, Karol Conka, The Baggios, Funky Fat, Dingo Bells.

lollapalooza-2016-eminem-florence-mumford-sons-tame-impala-alabama-shakes

As onerosas repartições públicas das secretarias e Ministério da Cultura não promovem a música brasileira. Nem os artistas novos. Prefere mega eventos de shows superfaturados dos cantores da TV Globo.

O Lolla mantém outra que é sua principal característica: apostar em grupos não tão conhecidos no Brasil. Entre eles, o mais destacado no line-up é o Mumford & Sons, estreante por aqui. Representantes do novo rock dançante, Walk the Moon e Twenty One Pilots têm em comum o fato de serem do estado americano de Ohio.

É o cantar na língua inglesa. Precisamente no inglês dos Estados Unidos. Que mortos estão os ritmos brasileiros.

o último jogral

No festival são proibidas as músicas de Tom Jobim, João Gilberto,  Chico Buarque, Caetano Veloso, Noel Rosa, Cartola, Gilberto Gil, Dorival Caymmi, Pixinguinha,  Luiz Gonzaga, Paulinho da Viola. Vinicius de Moraes, Milton Nascimento, Baden Powell, Ary Barroso, Nelson Cavaquinho,
Zé Ramalho, Adoniran Barbosa, Sivuca, Capiba, Nelson Ferreira, Getúlio Cavalcanti, entre outros mil da Pátria Amada Brasil.

Forró, a dança Caliente do Nordeste Brasileiro, está de volta com força total em Goiás

Forr_Universit_rio_2

A música de Pernambuco, decretada pela Globo, Governo de Pernambuco e Prefeitura do Recife, é da Bahia. Pernambuco terra do frevo, apenas no Carnaval.

Em Pernambuco, não tem virada de ano com forró. Forró, música considerada brega, pelos recifenses, fica para o São João de Caruaru. Que promete, neste 2014, ser para lá de animado.

O novo governador de Pernambuco, depois de março, é caruaruense e, para completar, tem o nome do santo.

João Lyra Neto vai fazer tudo para que a “Princesinha do Agreste” mereça o título – disputado com Campina Grande – de “Capital do Forró”. São 31 dias contados de festejos de rua.

Vão queimar muito dinheiro público nas fogueiras. Que pra festa nunca falta grana.

Começar o Ano Novo com forró é coisa de Goiânia.  Publica o CN Goiás hoje:

O forró surgiu no século XIX no tempo do chão batido.  A palavra forró é uma abreviação de Forrobodó que significa: arrasta pé, confusão, farra. Uma característica é o ato de arrastar os pés durante a dança, sempre realizada por casais que dançam com os corpos bem colados. Por muitos anos o forró foi uma dança tipicamente nordestina, que se espalhou por todo Brasil nas décadas de 1960 e 1970. Virou uma febre, grandes nomes da nossa música somaram para que a dança do nordeste se espalhasse mais e mais país a fora.  Existem vários gêneros do forró: forró eletrônico, forró tradicional, forró universitário, forró pé de serra e agora o forronejo.  Como as coisas mudam, a dança também teve  mudanças, com novos ritmos surgindo a cada momento o forró sumiu, casas antes lotadas, abriu espaço para o sertanejo universitário e os mais jovens também aderiram a outros ritmos. Um exemplo da mudança frenética é a nova onda funk que alastrou e também passou por mudanças; o Funknejo essa mistura quase que improvável tentou, mas não está sendo o “boom” do momento. A moda retrô voltou e junto  a onda forro pegou mais uma vez. O sertanejo universitário já não é mais o mesmo, e o universo do forró está com força total, trazendo grandes bandas que arrasta o publico dançante. Diversas casas hoje apostam 100% no forró. As academias apostam no retorno do ritmo misturado com o zouk, uma dança sensual em que os dançarinos se posicionam lembrando a “lambada” porem com uma sensualidade mais explicita onde  simulam um prazer incondicional, visto que: a dança além de modelar o corpo, queima calorias, resultado de escolas de dança cheias. Hoje as Casas de Shows,  usam meios da semana e promovem festas que atraem multidões, pessoas que bebem pouco e dançam muito. Goiás é um estado sertanejo?  Errado Goiás é um estado forronejo.  Na nova mistura entre forró e sertanejo,  a lambada também está de volta e  nessa salada musical fez com que novos ritmos surjam. Muitos dizem que o excesso de romantismo musical de certa forma afasta as pessoas, já no forró a dança envolve mais.  Prova disso é o mega sucesso que Marcya Delukas vem fazendo na noite Goiana. Considerada como a ”Rainha do Forró Goiano”, Marcya vem sendo disputada para grandes Shows na Capital e interior, usando em seu repertorio a raiz do forró. Musicas que foram engavetadas por muito tempo, ressurge agora com força total, atraindo um publico que curtia dançar, o publico da dança de salão, lambada e agora o zouk .   Marcya Delukas nasceu em Londrina PR. Mas se mudou com a família para Bauru SP onde viveu até os 15 anos. Iniciou sua carreira cantando musicas evangélicas. Já em Goiânia animava festas e cantava em bandas. Além de ser um sucesso cantando forró e hoje se considerar uma Goiana de Coração, Marcya já é figura carimbada nos carnavais do interior de Goiás, que todos os anos ela faz com a Banda Extremo Desejo.  Após retornar sua carreira, Marcya Delukas coloca em pratica um grande projeto, lançar um CD até o final do ano e continuar seus shows tanto na Capital, quanto no interior. Marcya já está com um repertorio formado para as festas de fim de ano, onde canta ao lado do esposo Castro Junior em confraternizações e outros eventos um repertorio voltado para MPB e músicas mais lentas. Confira entrevista concedida por Marcya Delukas ao jornal CN/Goiás.

Trilha sonora da guerra do narcotráfico no México

 

O derramamento de sangue no norte do México é notícia quase todos os dias, com  chacinas entre grupos rivais, assassinatos de jornalistas e a juventude pobre alistada pelo poder da grana e das armas do tráfico. Tijuana seria o epicentro da violência.

Essa realidade virou tema de canções.

Os narcocorridos são primos mexicanos do proibidão do funk carioca. Usam o Corrido, ritmo tradicional do norte do país, para exaltar traficantes, a grana que rola, as mulheres que os rodeiam. Cultuam a violência como estilo de vida. O ritmo é alegre e contagiante, nos leva à pacata vida no interior, mas as letras… O governo simplesmente proibiu a execução desse tipo de música, o que apenas deve aumentar seu prestígio. Mas a vida desses músicos não é fácil. Há casos em que, ao glorificar certo traficante ou grupo, são ameaçados ou mortos por traficantes rivais.  Moleza, hã? Vê vídeos