Festivais comprovam a degeneração da música brasileira

Lollapalooza faz propaganda de grupos políticos ligados à direita estadunidense 

Acontece de 12 a 13 de março de 2016. Já começou a propaganda do festival de música estrangeira no Brasil dos alienados
Acontece de 12 a 13 de março de 2016. Já começou a propaganda do festival de música estrangeira no Brasil dos alienados

Lollapalooza é um festival de música anual composto por gêneros como rock alternativo, heavy metal, punk rock e performances de comédia e danças, além de estandes de artesanato. Também fornece uma plataforma para grupos políticos e sem fins lucrativos. Lollapalooza tem apresentado uma grande variedade de bandas e ajudou a expor e popularizar artistas como, Alice in Chains, Tool, Red Hot Chili Peppers, Pearl Jam, The Cure, Primus, Rage Against the Machine, Soundgarden, Arcade Fire, Nine Inch Nails, Nick Cave, L7, Janes Addiction, X Japan, The Killers, Siouxsie and the Banshees, The Smashing Pumpkins, Muse, Hole, 30 Seconds to Mars, The Strokes, Arctic Monkeys, Foo Fighters, Green Day, Lady Gaga e Fun.

Concebido e criado em 1991 pelo cantor do Jane’s Addiction, Perry Farrell, como uma turnê de despedida para sua banda, o Lollapalooza aconteceu até o ano de 1997 e foi revivido em 2003. Desde a sua criação até 1997 e em seu renascimento em 2003, o festival percorreu a América do Norte. Em 2004, os organizadores do festival decidiram ampliar a permanência do festival para dois dias por cidade, mas a fraca venda de ingressos forçou o cancelamento da turnê de 2004. Em 2005, Farrell e a Agência William Morris fizeram uma parceria com a empresa Capital Sports Entertainment (atual C3 Presents), sediada em Austin, no Texas, e reformularam o festival para o seu formato atual, como um evento fixo em Grant Park, Chicago, Illinois.

Em 2010, foi anunciada a estreia do Lollapalooza no exterior, com um ramo do festival sediado em Santiago, no Chile, em 2 e 3 abril de 2011, onde estabeleceu uma parceria com a empresa chilena Lotus. Em 2011, a empresa Geo Eventos confirmou a primeira versão brasileira do evento, que foi sediada no Jockey Club, em São Paulo nos dias 7 e 8 de abril de 2012. Foi anunciado que o primeiro Festival Lollapalooza será realizado na Europa em setembro de 2015, na capital alemã,Berlim, no histórico aeroporto Tempelhof.

Lollapalooza de 2009 em Chicago
Lollapalooza de 2009 em Chicago

A palavra, algumas vezes pronunciada como lollapalootza ou lalapaloosa, vem dos séculos XIX e XX, de uma expressão americana que significa “uma extraordinária ou incomum coisa, pessoa, ou evento; um exemplo excepcional ou circunstância.” Com o tempo, o termo passou também a um grande pirulito (em inglês lollipop). Farrell, em busca de um nome para seu festival, gostou da sonoridade do termo ao ouvi-lo em um filme dos Três Patetas. Em homenagem ao duplo significado do termo, um personagem no logo original do festival segura um pirulito.

Lolla 2012

Em 1997, no entanto, o conceito Lollapalooza tinha acabado, e em 1998, os esforços não conseguiram encontrar uma banda principal adequada, assim resultando no cancelamento do festival. O cancelamento serviu como um significante declínio da popularidade do rock alternativo. Em meio aos problemas do festival, Spin disse, “Lollapalooza é como um coma para o rock alternativo agora.”

mapa_lollapalooza2012

Morto o festival, apelaram para a ressurreição em países colonizados.

Em 2010, foi anunciado que Lollapalooza iria estrear na América do Sul, com um ramo do festival produzido na capital do Chile, Santiago de 2 a 3 de Abril de 2011. A lineup incluia Kanye West, Jane’s Addiction, 30 Seconds to Mars, The National, Manny and Gil the Latin, The Drums, Los Bunkers,The Killers, Ana Tijoux, Javiera Mena, Fatboy Slim, Deftones, Los Plumabits, Cypress Hill, 311, The Flaming Lips e outros.

Em 2011, foi confirmado a versão brasileira do evento, que foi feita no Jockey Club em São Paulo nos dias 7 e 8 de abril de 2012.

Veja todas as atrações do Lollapalooza 2016 na ordem divulgada pelo festival:
Eminem, Florence + The Machine, Jack Ü, Mumford & Sons, Snoop Dogg, Noel Gallagher, Tame Impala, Alabama Shakes, Zedd, Kaskade, Die Antwoord, Of Monsters and Men, Marina and the Diamonds, Cold War Kids, Odesza, Zeds Dead, Flosstradamus, RL Grime, Emicida, Bad Religion, Walk the Moon, Twenty One Pilots, Halsey, Matanza, Jungle, Marrero, Eagles of Death Metal, A-trak, Seed, Albert Hammond Jr., The Joy Formidable, Gramatik, Maglore, Vintage Trouble, Supercombo, Matthew Koma, Jack Novak, Dônica, Versalle, Groove Delight, Zerb, Karol Conka, The Baggios, Funky Fat, Dingo Bells.

lollapalooza-2016-eminem-florence-mumford-sons-tame-impala-alabama-shakes

As onerosas repartições públicas das secretarias e Ministério da Cultura não promovem a música brasileira. Nem os artistas novos. Prefere mega eventos de shows superfaturados dos cantores da TV Globo.

O Lolla mantém outra que é sua principal característica: apostar em grupos não tão conhecidos no Brasil. Entre eles, o mais destacado no line-up é o Mumford & Sons, estreante por aqui. Representantes do novo rock dançante, Walk the Moon e Twenty One Pilots têm em comum o fato de serem do estado americano de Ohio.

É o cantar na língua inglesa. Precisamente no inglês dos Estados Unidos. Que mortos estão os ritmos brasileiros.

o último jogral

No festival são proibidas as músicas de Tom Jobim, João Gilberto,  Chico Buarque, Caetano Veloso, Noel Rosa, Cartola, Gilberto Gil, Dorival Caymmi, Pixinguinha,  Luiz Gonzaga, Paulinho da Viola. Vinicius de Moraes, Milton Nascimento, Baden Powell, Ary Barroso, Nelson Cavaquinho,
Zé Ramalho, Adoniran Barbosa, Sivuca, Capiba, Nelson Ferreira, Getúlio Cavalcanti, entre outros mil da Pátria Amada Brasil.

A música preferida dos brasileiros

Por que não cantar em português, que aparece entre o sexto ou sétimo idioma mais falado do mundo?

Em número de pessoas

1. Chinês – 1.213 bilhão
2. Espanhol – 329 milhões
3. Inglês – 328 milhões
4. Árabe – 221 milhões
5. Hindi – 182 milhões
6. Bengali – 181 milhões
7. Português – 178 milhões
8. Russo – 144 milhões
9. Japonês – 122 milhões
10. Alemão – 90,3 milhões

Fonte: ethnologue.com (2012)

No Top 10, o português é o sexto da lista com 249 milhões de nativos + 20 milhões como segunda língua = 269 milhões no total.

Atualmente, o português é língua oficial de oito países (Portugal, Brasil, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Timor Leste). Apesar da incorporação de vocábulos nativos e de modificações gramaticais e de pronúncia próprias de cada país, as línguas mantêm uma unidade com o português de Portugal.

O português também é falado em pequenas comunidades, reflexão de povoamentos portugueses datados do século XVI, como é o caso de: Zanzibar (na Tanzânia, costa oriental da África), Macau (ex-possessão portuguesa encravada na China), Goa, Diu, Damão (na Índia) e Málaca (na Malásia).

A língua portuguesa se faz presente em todos os continentes. Observe 

Acontece que se faz propaganda com tudo. Um exemplo, o Brasil apequenado no mapa mundi:

mapamundi1

mapamundi 2

O Brasil possui 198,7 milhões de habitantes (2012); e Portugal, 10,6 milhões.

Os livros sagrados das principais religiões são escritos em que idiomas?

800px-Religion_distribution

As 10 religiões com mais adeptos do mundo:

1º. Cristianismo – 2.106.962.000 de adeptos
2º. Islamismo – 1.283.424.000
3º. Hinduísmo – 851.291.000
4º. Religiões chinesas – 402.065.000
5º. Budismo – 375.440.000
6º. Skihismo – 24.989.000
7º. Judaísmo – 14.990.000
8º. Espiritismo – 12.882.000
9º. Fé Bahá’í – 7.496.000
10º. Confucionismo – 6.447.000

Fonte: wikipedia

Que músicas são mais cantadas: as profanas ou as religiosas?

Fiz várias perguntas para demonstrar que não se deve confiar em nenhuma lista, estatística (veja a confusão política criada pelo último censo realizado na Bolívia, para a contagem genética), que toda propaganda é inimiga da verdade e da realidade.

Nada é imparcial. Minha intenção é saber se existe uma política de degeneração da música popular brasileira.

As 10 músicas mais tocadas nas baladas do Brasil 2013

De acordo com a lista divulgada pelo Escritório Central de Arrecadação (Ecad), estas foram as músicas que mais tocaram nas baladas do Brasil, à partir do segundo semestre de 2012:

1. Titanium – David Guetta

2. Somebody that I used to know – Gotye e Kimbra

3. Gangnam style – Psy

4. We found love – Rihanna

5. Glad you came – The Wanted

6. Louquinha – João Lucas e Marcelo com MC K9

7. Camaro amarelo – Munhoz e Mariano

8. Where have you been – Rihanna

9. Feel so close – Calvin Harris

10. Gatinha assanhada – Gusttavo Lima

Por que as músicas brasileiras dificilmente são internacionais, e as escolhidas não são mais tocadas no Brasil? Confira  

O top por país, e escute as músicas aqui.

Para completar: Les chansons les plus reprises

Três perguntas finais: Nossa população negra e mestiça, que deseja ser chamada de afrodescendente, conhece a música de Angola, de Moçambique? Ainda existe música popular brasileira, que não esteja contaminada pela música estrangeira, notadamente pela estadunidense?

Nos Estados Unidos nasceram estilos como o blues, o jazz, o rock and roll e o rap.

Qual música vem sendo divulgada pelos Ministérios, secretarias estaduais e municipais do Turismo e Cultura deste Brasil colonizado?

Troque a palavra música por literatura ou livro, que você entenderá porque os escritores brasileiros são desconhecidos no Brasil e lá fora, propositadamente nos países que falam português. Que as embaixadas brasileiras apenas cuidam de encantados negócios.

Rock in Rio Lisboa não promove a cultura brasileira e cria antipatia

Diário de Notícias/ Portugal. Os moradores do Bairro da Flamenga voltam queixar-se da música e fogo-de-artifício ‘pela noite dentro’ e da falta de estacionamento por causa do Rock in Rio Lisboa, considerando que a oferta de bilhetes não resolve o problema.

No rescaldo da primeira noite da 5ªedição do Rock in Rio, encerrada esta madrugada com o heavy metal dos Metallica, os moradores do Bairro da Flamenga (Marvila) passeavam pela hora de almoço entre prédios e vedações, ali colocadas pela PSP para os impedir de chegar às portas do festival.

Eduardo Gouveia, que vive no bairro há 22 anos, contou à Agência Lusa que a neta, ainda criança, não conseguiu dormir durante a noite e que pelas 12:30 estava ainda a descansar. O vizinho Adriano Pistolas diz que o problema não é o barulho da música, mas sim o do fogo-de-artifício “que incomoda muito”.

Joaquim Maia, antigo presidente da Associação de Moradores do Bairro da Flamenga, contesta a hora a que termina o fogo-de-artifício que encerra os concertos no Palco Mundo e afirma: “Não se admite que à uma ou duas da manhã ainda se oiça”.

“Isto até parece que saiu o Euromilhões aqui ao pessoal. Somos sorteados, ao fim de cinco ou seis horas de música, com fogo-de-artifício”, ironiza.

Para Eduardo Gouveia, esta é “uma falta de respeito pelos moradores” do Bairro da Flamenga. “Além do barulho, a organização chega aqui, fecha isto e não fala com ninguém. Fecham-nos com grades como se fossemos… nem tenho palavras”, indigna-se.

“Isto não devia ser feito no sítio onde está. Ou então com outras condições. Dar estacionamento, não os bilhetes. O estacionamento é das coisas mais importantes. Quanto ao barulho, podiam colocar-se umas janelas duplas. Não ia resolver totalmente, mas já ajudava”, sugeriu Joaquim Maia.