Temer, Calheiros e Lewandowski, a conspiração de presidir o Brasil

A campanha todo o poder ao PMDB perdeu Eduardo Cunha, e restam como candidatos a presidente do Brasil Michel Temer e Fernando Calheiros.

O terceiro candidato, que age na surdina, o pisa mansinho da justiça tardia e falha, Enrique Ricardo Lewandowski, presidente do Superior Tribunal Federal – STF.

Michel Temer, sem votos, foi escolhido e eleito vice-presidente por Dilma Rousseff.

O segundo da linha sucessória  o atual presidente da Câmara dos Deputados Waldir Maranhão. O terceiro Renan Calheiros, presidente do Senado Federal.

O quarto permanece no armário, no quarto escuro da justiça suprema e absolutista, Ricardo Lewandowski, que já funcionou como presidente da República em exercício nos dias 23 e 24 de setembro de 2014, tendo sido o quinto presidente do STF a assumir a chefia do Poder Executivo.

 

Waldir Maranhão pode supreender e acabar com o golpe

 

Nos momentos de crise, a esperança de surgir do nada um líder com a virtude de entrar na História como herói, e salvar a frágil democracia brasileira dos que pedem o retorno da ditadura, ou o terceiro turno tão louca e ambiciosamente desejado pelo derrotado Aécio Neves (PSDB), quando, constitucionalmente, além de impossível, ilegal, imoral, valeu como propaganda para desestabilizar Dilma Rousseff, e atiçar os chamados coxinhas inimigos das urnas, das eleições, dos plebiscitos, dos referendos.

De Waldir Maranhão a habilidade de surpreender como representante do povo, e garantir o governo do povo como fez o marechal Henrique Texeira Lott, que se distinguiu pelo legalismo e por suas convicções democráticas.

O Brasil deve muito ao marechal Lott, a posse e a existência na História do governo de Juscelino Kubitschek. In Wikipédia:

Quando Juscelino Kubitschek e João Goulart venceram as eleições presidenciais de outubro de 1955 – respectivamente para presidente e vice-presidente -, houve uma divisão das Forças Armadas, pois a chapa vitoriosa era constituída por dois candidatos getulistas, o mineiro Juscelino Kubitschek e o gaúcho João Goulart.

Em 11 de novembro o então general Lott desencadeou o movimento militar, dito de “retorno ao quadro constitucional vigente”. Houve então a declaração do impedimento do presidente em exercício, Carlos Luz (Café Filho havia sofrido um infarto e afastara-se da presidência), a entrega de seu cargo ao presidente do senado Nereu Ramos e a garantia da posse dos eleitos, em obediência à Constituição.

Aécio Neves apenas repete os golpistas que queriam a cabeça de JK. Para que fique bem lembrado:

JK apresentou um discurso desenvolvimentista e utilizou como slogan de campanha “50 anos em 5”. Em uma aliança formada por seis partidos, seu companheiro de chapa foi João Goulart. Em 3 de outubro de 1955, elegeu-se presidente com 35,6% dos votos, contra 30,2% de Juarez Távora, da UDN. A oposição tentou anular a eleição com a alegação de que JK não havia obtido a maioria absoluta dos votos. No entanto, o general Henrique Lott desencadeou um movimento militar que garantiu a posse de JK e Jango em 31 de janeiro de 1956. Na presidência, JK foi o responsável pela construção de uma nova capital federal, Brasília, executando assim um antigo projeto para promover o desenvolvimento do interior e a integração do país.

De Waldir Maranhão o dom de manter a continuidade do governo de Dilma Rousseff, livrando o Brasil da Escuridão, da incerteza de um golpe chamado de brando, mas que pode ser o começo de uma ditadura, com suas listas de presos políticos, tortura, exílio e morte. Para tanto, basta anular a sessão deprimente, corrupta do impeachment da máfia de Eduardo Cunha.

Waldir já demonstrou que tem a devida coragem de enfrentar os golpistas

‘Oposição está assustada com Waldir Maranhão’, diz Paulo Pimenta

 

Parlamentar do PT do Rio Grande do Sul diz esperar do novo presidente da Câmara que ele “atue com isenção, tenha independência e acolha o recurso do advogado-geral da União contra o impeachment”

 

por Eduardo Maretti, da RBA

São Paulo – A queda de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara e sua substituição pelo deputado Waldir Maranhão (PP-MA) não agradou a oposição, que tinha tudo sob controle no encaminhamento do processo de impeachment de Dilma Rousseff. “A oposição não está satisfeita. Eles estão assustados”, diz o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS).

Para a situação, e principalmente para a oposição ao governo na Câmara dos Deputados, os próximos passos de Maranhão são uma incógnita, e é isso o que incomoda os grupos que trabalham pelo impedimento de Dilma.

O substituto de Cunha votou contra o impeachment na decisão da Câmara no dia 17 de abril. Ele tem ainda bom diálogo com o governador Flávio Dino (PC do B-MA), com o qual teria um acordo para a eleição de 2018, na qual Dino tentaria a reeleição e Maranhão uma vaga ao Senado junto com o governador.

Pimenta diz esperar de Maranhão uma atuação republicana no cargo que herdou com a derrubada de Cunha pelo STF. “Espero que ele atue com isenção, tenha independência, ao contrário do que Eduardo Cunha vinha fazendo. Que possa tomar medidas a partir do espírito republicano, entre elas acolher o recurso do advogado-geral da União (José Eduardo Cardozo) pela nulidade da sessão de 17 de abril para restabelecer o ambiente de normalidade democrática do país.”

Apesar de reconhecer que a situação é muito difícil para Dilma, Pimenta diz que ainda é possível reverter o processo. “A lógica, a tendência, tudo encaminha para isso (a abertura do impeachment no Senado), mas não podemos desistir de ter uma alternativa. Vamos tentar a nulidade dos atos em função do afastamento de Cunha, chefe de uma organização criminosa, que caracteriza o impeachment como uma ação do crime organizado dentro da Câmara”, afirma o deputado.

Se, num ato inesperado dentro do script já estabelecido, Maranhão decide acatar o pedido da AGU e anular a sessão do dia 17, todos os demais atos subsequentes passam a ser nulos, lembra Pimenta.

Em sua página no Facebook, Maranhão postou na tarde de hoje (6) um pequeno texto que deixou a oposição muito desconfiada: “Na democracia, o governo é do povo, pelo povo e para o povo. Sou feliz por morar em um país democrático. E reafirmo minha busca para que cada escolha do povo brasileiro seja sempre respeitada”, escreveu.

 

 

 

Alunos da Escola das Américas citados no Tortura Nunca Mais. Formação de ditadores assassinos

Escola das Américas formou vários ditadores e torturadores e espiões das ditaduras na América do Sul.

Escola das Américas foi inicialmente criada em Fort Amador, no Panamá, como parte da iniciativa da conhecida Doutrina de Segurança Nacional. Sua denominação inicial foi “Centro de Adestramento Latinoamericano – Divisão da Terra” (“Centro de Adiestramiento Latinoamericano – División de la Tierra” em espanhol). Sua missão principal era a de fomentar cooperação ou servir como instrumento para preparar as nações latino-americanas a cooperar com os Estados Unidos e manter assim um equilíbrio político contendo a influência crescente de organizações populares ou movimentos sociais de esquerda.

Instalações onde funcionou a Escola de das Américas no Panamá.

Em 1950 a escola mudou o seu nome para United States Army Caribbean School ( Escola Caribenha do Exército dos Estados Unidos, em português) e foi transferida para Fort Gulick, também no Panamá; neste mesmo ano o espanhol foi adotado como língua oficial da academia. Em julho de 1963 o centro reorganizou-se com o nome oficial de United States Army School of the Americas (USARSA), ou mais popularmente como Escola das Américas.

Durante as seguintes décadas cooperou com vários governos e regimes totalitários e violentos. Vários dos seus cursos ou adestramentos incluíam técnicas de contra insurgência, operações de comando, treinamento em golpes de Estado, guerra psicológica, intervenção militar, técnicas de interrogação. Manuais militares de instrução destas iniciativas, primeiramente confidenciais, foram liberados e publicados pelo pentágono Americano em 1996. Entre outras considerações, os manuais davam detalhes sobre violações de direitos humanos permitidos, como por exemplo o uso de tortura, execuções sumárias, desaparecimento de pessoas, etc definindo seus objetivos como sendo o de conter e controlar indivíduos participantes em organizações sindicais e de esquerda.

O Brasil enviava regularmente militares para treinamento na Escola das Americas . Entre os graduados mais reconhecidos encontram-se importantes instigadores de crimes de guerra ou contra a humanidade, alguns deles também relacionados estreitamente aos esquadrões da morte e ao crime organizado bem com com ligações com a CIA estado-unidense:

  • Brigadeiro João Paulo Burnier, militar da Força Aérea Brasileira.
  • General Manuel Noriega, responsável pela ditadura militar no Panamá, e antigo colaborador da CIA, esteve preso por vários anos nos Estados Unidos por sua relação com o narcotráfico, atualmente segue preso, porém foi transferido para o Panamá;
  • General Hugo Banzer, responsável pelo sanguinário golpe na Bolívia em 1971 e sua subsequente ditadura militar que se prolongou até 1978. Hugo Banzer foi incluído em 1988 no Hall da Fama da Escola;
  • Roberto D’Aubuisson, graduado en 1972 e depois parte do serviço de inteligência de El Salvador, acusado como líder de esquadrões da morte, entre outros crimes e delitos.
  • General Héctor Gramajo, ex-ministro de Guatemala, autor de políticas militares genocidas nos anos oitenta.
  • Roberto Eduardo Viola, promotor do golpe de estado na Argentina em 1976.
  • Leopoldo Fortunato Galtieri, precursor da Guerra das Malvinas (1982), líder da Junta Militar da Argentina que supervisionou desde 1981, os dois anos finais da “guerra suja”, onde se torturaram mais de 100.000 pessoas, e posteriormente mais de trinta mil foram assassinadas e desaparecidas.
  • General Guillermo Rodríguez, responsável pelo golpe de estado de 1972 a 1976 no Equador.
  • Vladimiro Montesinos, advogado, militar, colaborador inicial da CIA, responsável pelo Serviço de Inteligência do Peru durante o polêmico governo de Alberto Fujimori. Acusado de repressão política, incitador do golpe de estado e de arrecadar enorme fortuna graças a sua estreita ligação com o narcotráfico.

Notorious Graduates From Brazil


Bismarck Baracuhy Amancio Ramalho, 1967, Military Intelligence, Phase II
Repressive Forces: According to the Brazilian human rights group
Tortura Nunca Mais, he is linked to the repressive forces that existed
in Brazil in the 1960’s and 70’s. (Tortura Nunca Mais)

Mauro Baptista Lobo, 1967, Counterintelligence
Repressive Forces: According to the Brazilian human rights group
Tortura Nunca Mais, he is linked to the repressive forces that existed
in Brazil in the 1960’s and 70’s. (Tortura Nunca Mais)

Carlos Alberto Bravo da Camara, 1967, Military Intelligence Phase I;
1967, Counterintelligence Off.
Repressive Forces: According to the Brazilian human rights group
Tortura Nunca Mais, he is linked to the repressive forces that existed
in Brazil in the 1960’s and 70’s. (Tortura Nunca Mais)

SGT Sergio Mazza de Azevedo, 1968, Combat Intelligence; 1968, Advanced
Auto Repair
Repressive Forces: According to the Brazilian human rights group
Tortura Nunca Mais, he is linked to the repressive forces that existed
in Brazil in the 1960’s and 70’s. (Tortura Nunca Mais)

Joao Flavio de Freitas Costa, 1967, Counterintelligence
Repressive Forces: According to the Brazilian human rights group
Tortura Nunca Mais, he is linked to the repressive forces that existed
in Brazil in the 1960’s and 70’s. (Tortura Nunca Mais)

CPT Luiz de Souza Aguiar, 1959, Military Police Officer
Repressive Forces: According to the Brazilian human rights group
Tortura Nunca Mais, he is linked to the repressive forces that existed
in Brazil in the 1960’s and 70’s. (Tortura Nunca Mais)

Ubirajara Escorcio, 1968, Combat Intelligence
Repressive Forces: According to the Brazilian human rights group
Tortura Nunca Mais, he is linked to the repressive forces that existed
in Brazil in the 1960’s and 70’s. (Tortura Nunca Mais)

Jose Gomes da Silva, 1969, Military Police
Repressive Forces: According to the Brazilian human rights group
Tortura Nunca Mais, he is linked to the repressive forces that existed
in Brazil in the 1960’s and 70’s. (Tortura Nunca Mais)

1LT Jose Lamas Portugal,1990, Instructor
Repressive Forces: According to the Brazilian human rights group
Tortura Nunca Mais, he is linked to the repressive forces that existed
in Brazil in the 1960’s and 70’s. (Tortura Nunca Mais)

GEN Helio Lima Ibiapina,1966, Military Intelligence, Phase I
Torture, 1969: Accused by Gregorio Bezerra of false imprisonment and
torture. (Tortura Nunca Mais)

Altevir Lopes, 1960, Military Police Officer
Repressive Forces: According to the Brazilian human rights group
Tortura Nunca Mais, he is linked to the repressive forces that existed
in Brazil in the 1960’s and 70’s. (Tortura Nunca Mais)

CPT Paulo Magalhaes, 1959, Military Police Officer
Torture, 1969: Accused in a military court by students Sergio Ubiratan
Manes and Paulo Roberto Manes of torturing them. (Tortura Nunca Mais)

Francisco Renato Mello, 1967, Military Intelligence, Phase I
Repressive Forces: According to the Brazilian human rights group
Tortura Nunca Mais, he is linked to the repressive forces that existed
in Brazil in the 1960’s and 70’s. (Tortura Nunca Mais)

CDR. Clemente Jos? Monteiro Filho, 1965, Military Intelligence
Torture, 1969: Accused in military court by the following persons of
torture by various methods, including electric shock: Humberto Trigeiros
Lima, ina de Souza Medeiros, Marta Maria Kagsburnn, Marta Mota Lima
Alavarez, Sebastiao Medeiros Filho and Luis Carlos de Souza Santos.
(Tortura Nunca Mais)

Joao Paulo Moreira Burnier, 1967, Military Intelligence, Phase 1
Torture and Execution, 1971: Accused in military court by political
prisoner Alex Polari de Alverga of torturing and killing Stuart Edgard
Angel Jones. (Tortura Nunca Mais)

Clodoaldo Paes Cabral, 1970, Inteligencia Militar para Alistados
Repressive Forces: According to the Brazilian human rights group
Tortura Nunca Mais, he is linked to the repressive forces that existed
in Brazil in the 1960’s and 70’s. (Tortura Nunca Mais)

Paulo Scholoenback Rubens, 1970, Inteligencia Militar para Oficiales
Repressive Forces: According to the Brazilian human rights group
Tortura Nunca Mais, he is linked to the repressive forces that existed
in Brazil in the 1960’s and 70’s. (Tortura Nunca Mais)

Walfrido Silva, 1964, Jungle Operations
Repressive Forces: According to the Brazilian human rights group
Tortura Nunca Mais, he is linked to the repressive forces that existed
in Brazil in the 1960’s and 70’s. (Tortura Nunca Mais)

CPT. Lucio Valle Barroso, 1970, Military Intelligence for Officers
Torture, 1971: Accused in military court by political prisoner Alex
Polari de Alverga of torture by electric shock, suffocation, and
injection of pentothal. (Tortura Nunca Mais)

Thaumaturgo Sotero Voz, 1962, CIO
Torture, 1972: Accused in court by ex-political prisoner Danilo Carneiro
of personally torturing him. (Tortura Nunca Mais)

Moyses Thompson do Nascimento, 1972, Instructor
Repressive Forces: According to the Brazilian human rights group
Tortura Nunca Mais, he is linked to the repressive forces that existed
in Brazil in the 1960’s and 70’s. (Tortura Nunca Mais)

“Moro pode tudo. Quem será o primeiro cadáver dessa guerra?”

Não é preciso ser profeta. Basta ler qualquer livro de História. Não há golpe sem presos políticos, tortura, exílios e morte.

“Do jeito que vão as coisas e as pessoas, entramos num período de expectativa técnica: quem será o primeiro cadáver dessa guerra? Não se sabe seu gênero, sua idade, sua raça ou o que o matará – mas ele toma forma, e vem vindo. Depois, os dois lados se culparão mutuamente pela sua morte, e todos lamentarão a tragédia – o que para ele não fará a menor diferença”, avisa o escritor Luis Fernando Verissimo, um dos maiores intelectuais brasileiros, sobre o clima de pré-guerra civil instalado no País; em sua crônica, ele também critica o que considera abusos do Paraná; “as leis brasileiras foram simplificadas a uma só diretriz: o Moro pode tudo”

 

“As leis brasileiras foram simplificadas a uma só diretriz: o Moro pode tudo”

247 – O escritor Luis Fernando Verissimo, um dos principais intelectuais brasileiros, publicou um importante alerta em sua coluna “O primeiro morto”, publicada neste domingo em vários jornais.

“Do jeito que vão as coisas e as pessoas, entramos num período de expectativa técnica: quem será o primeiro cadáver dessa guerra? Na convulsão que toma as ruas, nos enfrentamentos constantes e nos choques de ódios que se repetem, está se gerando o primeiro morto. Não se sabe como ele será. Por enquanto, é apenas uma suposição do que ainda não aconteceu, um fantasma precoce do que ainda não existe. Não se sabe seu gênero, sua idade, sua raça ou o que o matará – mas ele toma forma, e vem vindo. Depois, os dois lados se culparão mutuamente pela sua morte, e todos lamentarão a tragédia – o que para ele não fará a menor diferença.”

Na mesma crônica, ele também critica o que considera abusos do Paraná, como a condução coercitiva do ex-presidente Lula, determinada pelo juiz Sergio Moro no dia 4 de março deste ano. “As leis brasileiras foram simplificadas a uma só diretriz: o Moro pode tudo”.

 

 

Sem indicar o nome do sucessor de Dilma, tucanos e camisas pretas realizam amanhã marcha golpista

Cartazes proibidos na passeata de amanhã 13 de março: As contas no exterior de Eduardo Cunha, de FHC, a lista da Furnas, o leilão de ações da Petrobras na bolsa de Nova Iporque, o Proer dos bancos, os governadores tucanos, o tráfico de diamantes, de nióbio, de dinheiro para as ilhas fiscais desde os tempos do BanEstado do juiz Moro, que tem fixação em Lula, e o nome do substituto de Dilma, no caso de um impeachment ou de uma intervenção militar estrangeira.

A corrupção no Brasil começa na justiça. Uma justiça cara. Receber um salário acima do teto constitucional é corrupção. Pode ser legal em todos os sentidos, mas não é justo. Não há justiça quando se perpetua a desigualdade.

A separação dos brasileiros em classes, em castas, é odienta, racista, preconceituosa, e inimiga da liberdade da maioria, e da fraternidade. Temos que combater o apartheid social, econômico, que a pobreza tem cor. A cor da camisa de Moro.

A Operação Lava Jato tem mais delator premiado do que preso preso. Pra lá de premiado. Tem doleiro que vai sair mais rico. Assim como aconteceu no julgamento dos ladrões e sonegadores do BanEstado. É a justiça misturada com a politicagem. Ninguém vai perder suas fortunas. Podem até devolver alguns trocados, como farsa, cortina de fumaça. Todos continuarão podres, podres de rico. As empreiteiras com suas concessões de ilhas, e palácios em praias particulares, e moradias de luxo no exterior. E os políticos com a ficha limpa, tão lavada quanto o dinheiro das propinas em fundações e ONGs e gastos super faturados nas campanhas eleitorais. O dinheiro que está nos paraísos fiscais não volta.

O Brasil perde todas.

Perderá mais ainda com a corrupção de um golpe. Toda ditadura tem banho de sangue. Lista de presos políticos, tortura e morte. Os ricos que patrocinaram o golpe de 64 ficaram mais ricos. Inclusive políticos e empreiteiras que estão na Lava Jato são crias de 64, e serão todos novamente beneficiados.

Os puros que lutaram contra a ditadura foram assassinados. E com a ajuda do Tio. Para isso Moro já pediu a ajuda do FBI. FHC deu permissão para CIA abrir escritórios no Brasil, entregou as estatais e desnacionalizou as empresas, inclusive os meios de comunicação de massa. Transformou nossas bases de foguetes em bases do Tio. Está tudo entregue. É o “ame-o ou deixe-o” dos militares e torturadores. Idem da oposição consentida.

Quem não gosta da cunha do Tio, vá pra Cuba. Para a Prisão de Guantánamo (Guantánamo Bay Detention Camp).

O brasileiro, na sua maioria, é um empregado terceirizado, mão de obra barata de uma ex-estatal, de uma montadora ou oficina estrangeira. Um sem teto, um sem terra, um sem nada. A Cidade Maravilhosa do Rio de Janeiro tem mais de mil favelas, e São Paulo, a capital mais rica, mais de duas mil favelas. No Rio, foram criados muros para separar as favelas. Isso é apartheid. Dizem que o tráfico está nas favelas. O tráfico de dinheiro, de moedas, de minérios, principalmente do nióbio, das drogas transportadas em helicópteros. Conversa para boi dormir. Piada. Humor negro.

Têm santos e santas que pedem o impeachment de Dilma, ou a morte matada, ou o suicidio. Que seja enterrada sem choro nem velas.

Safada, covarde, malandra, demagogicamente não citam o nome de quem vai suceder a presidente eleita democraticamente. Os mistificadores pretendem enganar o povo, porque não possuem nenhum nome aceitável. As eleições da sucessão de Dilma têm data marcada para o final de 2018, e posse, do candidato eleito nas urnas, no dia 1 de janeiro de 2019.

Hojemente, pela linha sucessória, assume o vice-presidente Michel Temer, eleito e reeleito com os votos de Dilma. Tão solidário com os atos e fatos do governo, que foi indicado por Dilma para ser candidato à reeleição. Se Michel, por força destes vínculos eleitoral e governista, também for cassado, assume o presidente da Câmara dos Deputados, o corrupto Eduardo Cunha, réu em vários processos de propina, tráfico de dinheiro e enriquecimento ilícito.

Tem que peça uma ditadura de Bolsonaro, mas nenhum general, ou almirante ou brigadeiro, por vários motivos, aceitaria o comando de um capitão. Ninguém sabe, realmente, os motivos de Bolsonaro ter abandonado o posto de capitão, nazista que é. É deputado federal com cadeira cativa, e elegeu o filho deputado estadual, e a mulher vereadora. Trocou de mulher, e no lugar da primeira esposa elegeu o segundo filho vereador. É um nepotista eleitoral que defende a Tradição, a Família e a Propriedade (TFP), e combate os negros, os gays, as lésbicas, o sexo anal praticado pelas mulheres, os esquerdistas.

Aécio, Alckmin, Marina, Serra, Maluf, Moro, Joaquim Barbosa, FHC só podem disputar eleições presidenciais em 2018. Falta a resposta: essa gente é democrática ou golpista? Pede eleições livres e diretas ou o retorno da ditadura?  Ou faz campanha para Michel Temer ou Cunha?

O que é melhor para o Brasil? Quem, realmente, deseja a felicidade do povo em geral? Um Brasil colônia ou um Brasil independente?

 

Impeachment seria extraordinário retrocesso. É preciso aprofundar a consolidação democrática

O manifesto A sociedade brasileira precisa reinventar a esperança é um dos resultados do ato anti-impeachment realizado nessa sexta-feira 16, no Centro Universitário Maria Antônia USP, que reuniu cerca de 150 intelectuais e acadêmicos. O documento começou a circular ontem mesmo e a lista de adesões é preliminar.

golpe paraguai cunha militar congresso
.

Manifesto: A sociedade brasileira precisa reinventar a esperança

A proposta de impeachment implica sérios riscos à constitucionalidade democrática consolidada nos últimos 30 anos no Brasil. Representaria uma violação do princípio do Estado de Direito e da democracia representativa, declarado logo no art.1o. da Constituição Federal.

Na verdade, procura-se um pretexto para interromper o mandato da Presidente da República, sem qualquer base jurídica para tanto. O instrumento do impeachment não pode ser usado para se estabelecer um “pseudoparlamentarismo”. Goste-se ou não, o regime vigente, aprovado pela maioria do povo brasileiro, é o presidencialista. São as regras do presidencialismo que precisam vigorar por completo.

Impeachment foi feito para punir governantes que efetivamente cometeram crimes. A presidente Dilma Rousseff não cometeu qualquer crime. Impeachment é instrumento grave para proteger a democracia, não pode ser usado para ameaçá-la.

A democracia tem funcionado de maneira plena: prevalece a total liberdade de expressão e de reunião, sem nenhuma censura, todas as instituições de controle do governo e do Estado atuam sem qualquer ingerência do Executivo.

É isso que está em jogo na aventura do impeachment. Caso vitoriosa, abriria um período de vale tudo, em que já não estaria assegurado o fundamento do jogo democrático: respeito às regras de alternância no poder por meio de eleições livres e diretas.

Seria extraordinário retrocesso dentro do processo de consolidação da democracia representativa, que é certamente a principal conquista política que a sociedade brasileira construiu nos últimos trinta anos.

Os parlamentares brasileiros devem abandonar essa pretensão de remover presidente eleita sem que exista nenhuma prova direta, frontal de crime. O que vemos hoje é uma busca sôfrega de um fato ou de uma interpretação jurídica para justificar o impeachment. Esta busca incessante significa que não há nada claro. Como não se encontram fatos, busca-se agora interpretações jurídicas bizarras, nunca antes feitas neste país. Ora, não se faz impeachment com interpretações jurídicas inusitadas.

Nas últimas décadas, o Brasil atingiu um alto grau de visibilidade e respeito de outras nações assegurado por todas as administrações civis desde 1985. Graças a políticas de Estado realizadas com soberania e capacidade diplomática, na resolução pacifica dos conflitos, com participação intensa na comunidade internacional, na integração latino-americana, e na solidariedade efetiva com as populações que sofrem com guerras ou fome.

O processo de impeachment sem embasamento legal rigoroso de um governo eleito democraticamente causaria um dano irreparável à nossa reputação internacional e contribuiria para reforçar as forças mais conservadoras do campo internacional.

Não se trata de barrar um processo de impeachment, mas de aprofundar a consolidação democrática. Essa somente virá com a radicalização da democracia, a diminuição da violência, a derrota do racismo e dos preconceitos, na construção de uma sociedade onde todos tenham direito de se beneficiar com as riquezas produzidas no pais. A sociedade brasileira precisa reinventar a esperança.

Assinam, entre outros:

Antonio Cândido

Alfredo Bosi

Evaristo de Moraes Filho, membro da Academia Brasileira de Letras

Marco Luchesi, membro da Academia Brasileira de Letras

André Singer

Rogério Cézar de Cerqueira Leite

Ecléa Bosi

Maria Herminia Tavares de Almeida

Silvia Caiuby

Emilia Viotti da Costa

Fabio Konder Comparato

Guilherme de Almeida, presidente Associação Nacional de Pós-Graduação em Direitos Humanos, ANDHEP

Maria Arminda do Nascimento Arruda

Gabriel Cohn

Amelia Cohn

Dalmo Dallari

Sueli Dallari

Fernando Morais

Marcio Pochman

Emir Sader

Walnice Galvão

José Luiz del Roio, membro do Fórum XXI e ex-senador da Itália

Luiz Felipe de Alencastro

Margarida Genevois e Marco Antônio Rodrigues Barbosa, ex-presidentes da Comissão Justiça e Paz de São Paulo

Cláudio Couto

Fernando Abrucio

Regina Morel; o biofísico

Carlos Morel

Luiz Curi

Isabel Lustosa

José Sérgio Leite Lopes

Maria Victoria Benevides, da Faculdade de Educação da USP

Pedro Dallari

Roberto Amaral

Paulo Sérgio Pinheiro

Leia também:

Marilena Chauí: “É insuportável que aqueles que lutaram contra o golpe sejam os golpistas de hoje

Desfile da Independência do Brasil. Da Democracia e do Povo Livre

esquadrilha2

Com a apresentação da Esquadrilha da Fumaça, foi encerrado no fim da manhã de hoje (7) o desfile do 7 de Setembro em Brasília. Os aviões escreveram a frase “Somos todos Brasil” no céu da Esplanada dos Ministérios.

Em seguida, as aeronaves fizeram várias manobras ao fim da parada. Pouco antes, desfilaram vários grupamentos de cavalaria da Polícia Militar do Distrito Federal e dos Dragões da Independência.

Caminhando e cantando e seguindo a canção
Somos todos iguais braços dados ou não
Nas escolas, nas ruas, campos, construções
Caminhando e cantando e seguindo a canção

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer

Pelos campos há fome em grandes plantações
Pelas ruas marchando indecisos cordões
Ainda fazem da flor seu mais forte refrão
E acreditam nas flores vencendo o canhão

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.

Há soldados armados, amados ou não
Quase todos perdidos de armas na mão
Nos quartéis lhes ensinam uma antiga lição
De morrer pela pátria e viver sem razão

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.

Nas escolas, nas ruas, campos, construções
Somos todos soldados, armados ou não
Caminhando e cantando e seguindo a canção
Somos todos iguais braços dados ou não
Os amores na mente, as flores no chão
A certeza na frente, a história na mão
Caminhando e cantando e seguindo a canção
Aprendendo e ensinando uma nova lição

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.

 


Para não dizer que não falei de flores, por Geraldo Vandré

 

Frente Brasil Popular será lançada sábado em BH contra golpismo e por avanços

Em defesa da democracia e do mandato constitucional da presidenta Dilma Rousseff, forças progressistas realizam, na Assembléia Legislativa de Minas Gerais, a Conferência Nacional Popular em defesa da democracia e por uma nova política econômica.

Movimentos sociais e sindicais, forças políticas progressistas ocuparam às ruas no dia 20 de agosto em todo o país.
Movimentos sociais e sindicais, forças políticas progressistas ocuparam às ruas no dia 20 de agosto em todo o país.

Por Eliz Brandão

O encontro tem como ponto de partida assegurar a preservação dos compromissos assumidos pela presidenta Dilma Rousseff e os avanços conquistados nos últimos anos, além de combater a onda conservadora recentemente aflorada.

Para unificar a luta e construir uma ampla organização popular de resistência, os diversos setores e agrupamentos sociais e os partidos políticos consolidarão a Frente Brasil Popular.

Nela, atuarão militantes que lutam nos mais diferentes espaços representativos, tais como movimentos populares e sindicais, com destaque para a CTB, CUT, UNE e MST. Parlamentares e dirigentes de partidos como o PCdoB, PT, PDT e PSB, além de intelectuais, economistas, jornalistas, artistas, produtores culturais, entre outros.

Instrumento estratégico, a Frente vai defender as liberdades democráticas e os direitos sociais, uma política econômica desenvolvimentista, com reformas estruturais democráticas.

Para alterar a atual correlação de forças, que inibe e pressiona o governo eleito pelo povo, será preciso uma frente ampla e forte.

A Conferência

Para apontar os rumos, a Conferência em Belo Horizonte debaterá e aprovará um manifesto à Nação. O documento terá uma plataforma política mínima com seis pontos programáticos e organizativos. São eles:

• Lutar por reformas estruturais e populares;
• Defesa dos direitos dos trabalhadores;
• Defesa dos direitos sociais do povo;
• Defesa da democracia;
• Defesa da soberania nacional
• Defesa da integração latino-americana.

A Frente popular é o ponto de partida para assegurar a preservação dos compromissos populares esperados pelo governo Dilma e de fazer face à onda conservadora.

Para isso, a Frente visa atuar nacionalmente, com sua organização nos estados e municípios, procurando tecer a mais extensa rede de atuação.

A Frente, porém, não substitui outras iniciativas. O momento é de reunir todas as forças democráticas comprometidas com o desenvolvimento do Brasil e com a continuidade dos avanços sociais. In Portal Vermelho

Ditadura nunca mais, por Nayer
Ditadura nunca mais, por Nayer