População do Brasil passa dos 200 milhões. Para jornal O Globo apenas 879 mil golpistas estiveram nas ruas deste domingo

BRA_OG protesto junto menos um milão no Brasil todo

Para o IBG a população atual do Brasil: 204 678 668. Confira aqui

O jornal direitista, para tentar impressionar, deu a soma total de manifestantes em todas as cidades do Brasil. 

Não esquecer nunca que O Globo também fez campanha pelo golpe de 1964. 

879 mil? O monopólio da Globo sempre exagera nos números, para impressionar, para vender como verdade seu noticiário mentiroso e tendencioso. 

.

Refugiados no Brasil pedem paz, e guerra nunca mais, e ditadura nunca mais

refugiadoTem nazi-fascista que pede o retorno da ditadura militar, o golpe contra Dilma, o perigo de uma guerra civil.

Antes de ir para a marcha militar deste domingo, asista este vídeo:

Desuma polícia de Sérgio Cabral. Mulher é baleada e arrastada por viatura da PM

Mulher arrastada por viatura da PM RJ

 

Eram cerca de 9h desse domingo, quando uma viatura do 9º BPM (Rocha Miranda) descia a Estrada Intendente Magalhães, no sentido Marechal Hermes, na Zona Norte do Rio, com o porta-malas aberto. Depois de rolar lá de dentro e ficar pendurado no para-choque do veículo apenas por um pedaço de roupa, o corpo de uma mulher foi arrastado por cerca de 250 metros, batendo contra o asfalto conforme o veículo fazia ultrapassagens. Apesar de alertados por pedestres e motoristas, os PMs não pararam. Um cinegrafista amador que passava pelo local registrou a cena num vídeo.

A mulher arrastada era Claudia Silva Ferreira, de 38 anos, baleada durante uma troca de tiros entre policiais do 9º BPM e traficantes do Morro da Congonha, em Madureira. Em depoimento à Polícia Civil, os PMs disseram que a mulher foi socorrida por eles ainda com vida, e levada para o Hospital Carlos Chagas, em Marechal Hermes, mas não resistiu. Já a secretaria Estadual de Saúde informou que a paciente já chegou à unidade morta. Ela levou um iro no pescoço e outro nas costas.

TRAJETO DE 250m

A cena começou a ser registrada próximo ao número 796 da Estrada Intendente de Magalhães, na altura da Rua Boiacá, e foi filmada aproximadamente até o 878, onde fica uma agência da Caixa Econômica Federal. A irmã de Claudia, Jussara Silva Ferreira, de 39 anos, ficou chocada quando viu a imagem do corpo da irmã sendo arrastado. Revoltada, ela quer que os policiais sejam punidos:

“Acham que quem mora na comunidade é bandido. Tratam a gente como se fôssemos uma carne descartável. Isso não vai ficar impune. Esses PMs precisam responder pelo que fizeram.”

Antes mesmo de saberem o que havia acontecido com Claudia, familiares tinham desconfiado de que algo pudesse ter ocorrido, já que viram o corpo dela em carne viva ao chegarem no hospital:

“Achamos estranho quando vimos o corpo daquele jeito. Desconfiamos de que tinha acontecido no trajeto até o hospital” relatou Diego Gomes, de 30 anos, primo de Claudia.

Thaís Silva, de 18, filha da vítima e a primeira a encontrá-la morta, já tinha reclamado até mesmo da forma com que os policiais do 9º BPM a socorreram:

“Eles arrastaram minha mãe como se fosse um saco e a jogaram para dentro do camburão como um animal” revoltou-se a jovem.

“Foi revoltante ver aquele corpo pendurado. Eles iam ultrapassando outros carros, e o corpo ia batendo. As pessoas na rua gritavam, tentando avisar os policiais, mas eles não ouviam. Só pararam por causa do sinal e, aí, conseguiram ouvir o que as pessoas diziam. Dois policiais, então, desceram da viatura e puseram o corpo de volta no carro” disse o cinegrafista.

Mãe de quatro filhos, Claudia, conhecida no Morro da Congonha como Cacau, era auxiliar de serviços gerais do Hospital Naval Marcílio Dias, no Lins. Nascida e criada em Madureira, ela ainda cuidava de quatro sobrinhos. A vítima faria 20 anos de casada com o vigia Alexandre Fernandes da Silva, de 41 anos, em setembro deste ano.

Em nota, a assessoria de imprensa da PM afirmou que os policiais do 9º BPM trocaram tiros com criminosos durante uma operação no Morro da Congonha, e um suspeito chegou a ser baleado. Ainda segundo a assessoria, os policiais encontraram a vítima baleada na Rua Joana Resende, ponto mais alto da comunidade. Ela foi levada para o Hospital Carlos Chagas, mas não resistiu. A 29ª DP (Madureira), que investiga o caso, esteve no local para perícia. Dois fuzis usados pelos policiais foram recolhidos para serem periciados.

Revoltados, moradores do Morro da Congonha fizeram protestos pela manhã e também à noite. Eles chegaram a fechar a Avenida Edgar Romero.

mulher arrastada por viatura da PM-RJ como se fosse um saco

Segundo o marido da vítima: “Arrastaram o corpo da minha mulher como se ela fosse um saco. A perna dela ficou toda em carne viva. Não podiam ter feito isso com ela”

Maioria dos brasileiro subsiste com menos de 375 reais

Resultados do Censo de 2010 começam a ser divulgados pelo IBGE. O Censo aponta que metade da população brasileira tem rendimento mensal de até R$ 375. Até. Milhões vivem com menos. Começa com os professores de Minas Gerais. Na tabela salarial dos estados, em relação ao piso, Minas, que está entre os três estados mais ricos da Federação, fica na lanterna, o último da fila, com o piso de R$ 369,00. Esta é a herança nefasta de Aécio Neves governador.

Até a tv Globo mostra que esse Brasil nada cordial continua racista. Veja vídeo

A esmola do bolso família de Lula da Silva tornou menos miserável a vida do brasileiro.
Que a desigualdade caiu 11,5% em dez anos no Brasil.
Mais o absurdo acontece. Nas escadarias dos 1001 palácios da Capital do Brasil. Onde as cortes vivem no luxo e na luxúria. Onde se ganha salários acima do teto. Onde os lobistas tecem suas barganhas. O registro de que a desigualdade é maior do que no Ceará.

Ao longo da última década, a diferença de renda, medida pelo índice de Gini, caiu em todas as unidades da federação brasileiras, mas de maneira mais intensa em umas do que em outras. Por isso houve a inversão no topo do ranking. Desde 2000, a taxa do Ceará despencou 11,3%, para 0,556, enquanto a do Distrito Federal diminuiu apenas 6,8%, para 0,573.
O índice de Gini varia de 0, a menor desigualdade, até 1, a maior. Entre os dois censos, a taxa média do Brasil caiu 11,5%, para 0,536. É um avanço, mas ainda o dobro do registrado nos países mais desenvolvidos da União Européia e no Canadá.
Após o Distrito Federal, dois Estados nordestinos surgem com altas taxas de desigualdade no Censo 2010. Sergipe registrou índice de 0,563 e Piauí, de 0,560. Confira