Latuff sobre as ameaças de morte: “É importante discutir a violência policial. Um tabu que poucos têm coragem de tocar”

Carlos Latuff, fotografado por Roselita Campos
Carlos Latuff, fotografado por Roselita Campos
 As ameaças contra Carlos Latuff mancham o nome do Brasil. Natural que essa desonra aconteça. O artista plástico, jornalista, pintor, ativista dos direitos humanos, Latuff tem trabalhos espalhados por todo o mundo.

Biografa a Wikipédia: Durante o ano de 2011, vários protestos estouraram em todo o mundo árabe, sendo chamados de “Primavera Árabe“, Carlos Latuff se torna, através de seus trabalhos artísticos, em um dos grandes expoentes internacionais do movimento. SCAFLíbia e OTAN são, por exemplo, temas frequentes de seu trabalho, exposto pela mídia brasileira e diversos veículos internacionais. Seu trabalho sobre os acontecimentos se tornaram inclusive notícia em grandes meios de comunicação. “É um trabalho autoral, mas não se trata da minha opinião. É preciso que seja útil para os manifestantes, e que eles possam usar aquilo como uma ferramenta.

“Charge incomoda”, disse Latuff. Seu trabalho com temas sobre a “Primavera Árabe” tornou-se algo tão evidente, e importante para os povos que estão vivendo os acontecimentos, que se tornou fácil encontrar os trabalhos de Latuff nas mãos de protestantes pelas ruas de todas nações árabes, e de outros países que vivem tal efervescência. Seus trabalhos são impressos e expostos em tamanho normal, e por vezes ampliados, e copiados em faixas, cartazes de rua, posters carregados pelo povo nos protestos.

Futuro_da_Líbia
Palestine
AMEAÇAS DE MORTE NO BRASIL
Escreveu, esta semana, Carlos Latuff:  “Era de se esperar que houvesse reação violenta diante da minha provocação de que o garoto que matou o pai, um policial da ROTA, merecia atendimento psicológico e uma medalha. No estado policial em que vivemos no Brasil, as organizações da repressão são alçadas a condição sacrossanta. Quem ousar denunciar seus abusos corre sério risco de vida. Isso não é novidade pra mim, desde 1999, quando fiz meu primeiro protesto contra a violência policial, realizando uma exposição virtual de charges intitulada “A Polícia Mata”. Ao longo dos meus 23 anos de profissão como cartunista já fui detido três vezes por desenhar contra a truculência da polícia brasileira, e já recebi inúmeras ameaças, seja de judeus sionistas por conta de minhas charges em favor dos palestinos, seja de extremistas muçulmanos pelas minhas charges sobre a questão egípcia e síria. Portanto, ameaças fazem parte do meu trabalho.
Dessa vez, com as redes sociais, estas ameaças são potencializadas, graças a comunidades relacionadas a organizações policiais, que reúnem não só membros ativos das forças de repressão, como também simpatizantes com perfil fascista, anti-comunista, anti-petista, machista e homofóbico. É sabido que dois desses perfis,Fardados e Armados e Rondas ostensivas tobias de aguiar “Rota”estão incitando seus membros a tomarem ações violentas contra mim. E é bem possível que isso aconteça, afinal de contas, a polícia mata! Não seria eu o primeiro, e muito menos o último. Essa é a característica de nossas polícias, de nosso estado. E se acontecer, que sejam responsabilizados os administradores destas comunidades e o estado brasileiro.
Latuff2
Latuff3
Latuff pai
Fico feliz que essa polêmica esteja acontecendo. Diante de casos como o desaparecimento do pedreiro Amarildo na Rocinha, e de tantos outros pelo Brasil, herança maldita da ditadura militar que torturou, matou e sumiu com diversos militantes de esquerda, é sempre bom discutir sobre a violência policial, que é um tabu que poucos têm coragem de tocar.
Me sinto orgulhoso de receber ameaças assim. Me sinto no mesmo patamar dos corajosos militantes do Mães de Maio e da Rede de Comunidades que, quotidianamente, se arriscam para defender as vítimas do terrorismo de estado no Brasil. Se eu tiver que cair pelo que acredito, cairei. Meu pai, um cearense xucro de Nova Russas, não me criou pra ser frouxo.
Espero que todo esse esforço não tenha sido em vão, ou termine com minha morte. Que os partidos de esquerda, PSOL, PSTU Nacional, Partido Comunista Brasileiro – PCB (Oficial), PCdoB – Partido Comunista do Brasil, Partido Comunista Revolucionário, Partido da Causa Operária, e os movimentos como a Liga dos Camponeses Pobres, MST – Movimento dos Trabalhadores Sem Terra e o Mtst Trabalhadores Sem Teto, e mesmo a esquerda do Partido dos Trabalhadores, defendam sempre a bandeira dos direitos humanos e contra a violência policial.
Pelo fim de grupos de extermínio oficiais como a ROTA e o BOPE, que só fazem matar pretos e pobres. Pelo fim da “guerra contra as drogas”. Pelo fim da filosofia militarista nas polícias.
Valeu gente! Não passarão!”
latu 1

latu 2

lat 3 cartaz

No Brasil e no mundo, a arte de Lanuff termina exibida como outdoor

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s