Brasileira Andréa del Fuego vence Prémio Saramago

Andréa del Fuego

Andréa del Fuego que esta terça-feira recebeu o Prémio Saramago pelo romance ‘Os Malaquias’, foi também distinguida, este ano, com o Prémio São Paulo Literatura.O prémio foi atribuído por unaminidade e é entregue a Andréa del Fuego, pseudónimo de Andréa dos Santos, por Pilar del Río, presidente da Fundação José Saramago e viúva do Nobel da Literatura, que também integrou o júri.

 

Andréa del Fuego, 36 anos, estreou-se literariamente em 2004 com a antologia de contos ‘Minto enquanto posso’. O ano passado experimentou a escrita para a infância, tendo editado ‘Irmãs de pelúcia’.
A escritora, natural de São Paulo, tem formação em publicidade, fez produção de cinema e realizou duas curtas-metragens, ‘Morro da Garça’, inspirada nas paisagens de Guimarães Rosa, e ‘O Beijo e Ela’.
O apelido ‘Fuego’ serve o seu pseudónimo e provém de uma bailarina naturalista brasileira, Luz del Fuego, que dançava semi-nua, dominando uma cobra.

Antes de se dedicar à literatura, Andréa del Fuego colaborou em várias revistas, nomeadamente assinando uma coluna em que respondia a dúvidas sexuais de leitores de uma revista de rádio paulista.
Em 2005 editou ‘Nego Tudo’ a que se seguiu, em 2007, ‘Engano seu’ e, em 2009, ‘Nego fogo’.
Entretanto, lançou os títulos juvenis ‘Quase caio’ e ‘Sociedade da Caveira de Cristal’, em 2008.

A autora está incluída nas antologias ’30 Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura Brasileira’, ‘Os cem menores contos brasileiros do século’, ‘Fábulas da Mercearia’, ‘Doze’ e ’69/2 Contos Eróticos’.
Integra também a coletânea ’35 Segredos Para Chegar a Lugar Nenhum’, editada em Outubro passado pela Bertrand Brasil.
Sobre ‘Os Malaquias’, Andréa del Fuego afirmou ao diário Folha de São Paulo que a história começou “com um facto familiar pouco falado em casa”. “Esse silêncio foi deixando o passado cada vez mais místico. Parti desse silêncio, desenhando o que teria sido a orfandade do meu avô Nico”.

“Perder os pais para um raio, não passaria em branco, essa força abundante que acontece entre céu e terra, um coração é fraco para absorver tanta eletricidade. Fico intrigada por forças que, por ganhar nomes e descrições, acabamos por achá-las normais, quando nunca deixará de ser um espetáculo toda tempestade”, contou.
E acrescentou ao diário paulista: “O realismo mágico ajuda muito nisso, sair dos factos lineares. Uma fuga consciente, tranquila e com retorno para casa garantido. O realismo mágico exige ainda mais do leitor: um pacto de cooperação. É um jogo arriscado e irresistível”.

O escritor Vasco Graça Moura, membro do júri desta edição do Prémio Saramago, afirma que a laureada “transfigura, numa impressiva obra de ficção, a cruel banalidade da existência de três desgraçados irmãos órfãos, nascidos no rude ambiente de uma fazenda da Serra Morena, que a vida separa desde muito pequenos”.
“Escrita surpreende insuspeitados recursos de estranheza na coloquialidade quotidiana, e desenvolve-se num ritmo muito seguro, perturbante e por vezes quase alucinatório”, atesta ainda o Graça Moura.

Esta é a sétima edição do Prémio Saramago, tendo sido os anteriores vencedores Paulo José Miranda, Adriana Lisboa, José Luís Peixoto, Gonçalo M. Tavares, Valter Hugo Mãe e João Tordo.(Correio da Manhã, Lisboa)

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s