A classe jornalística com o pé a puxar para o chinelo social e da ignorância

Presidenta, ou ‘a ignorância é um espanto’

por Pedro d´Anunciação/ Sol/ Portugal

 

Andam por aí os jornais a tratar o gosto de Dilma Rousseff em ser tratada por Presidenta (assim mesmo, com ‘a’ no fim) como uma bizarria idiomática, de cariz político semelhante ao das mulheres que preferem obrigar a palavra poeta (substantivo masculino) a funcionar nos 2 géneros, para se aplicar a elas, que a preferem ao seu feminino, poetisa.

Até pode ser que haja cariz político semelhante na coisa. Simplesmente a palavra Presidenta, como feminino do substantivo de 2 géneros Presidente, existe e é acolhida há muito nos dicionários portugueses mesmo de Portugal (ao contrário de poeta no feminino), sem precisar para nada deste último e polémico Acordo Ortográfico. Passo a enumerar o que sucede nos meus dicionários, ou naqueles a que tenho maior acesso. Na 10ª edição do Morais, datada dos anos 1940, lá vem Presidenta, de forma muito escorreita. Como vem no dicionário que uso hoje mais para fixar a língua portuguesa, à margem do ‘insistência em ver o Presidenta’um anigo programa de J 1981.como feminino do substantivo de 2 gncionar nos 2 gúltimo Acordo Ortográfico, a edição de 1981 do Grande Dicionário da Língua Portuguesa, da Sociedade de Língua Portuguesa.

Mas esta insistência em ver o ‘Presidenta’ como uma bizarria de Dilma só me faz lembrar aquele slogan de um antigo programa de Jô Soares que por aí passou, e que dizia: «A ignorância da juventude é um espanto». E é que não é só da juventude. Pode ser também a classe jornalística com o pé a puxar para o chinelo social e da ignorância. Não sabem do Presidenta, não sabem do poeta ser masculino, não sabem dizer oiro e toiro (preferem as versões mais popularuchas de ouro e touro), não sabem que a cor encarnada existe em português (antigamente os ‘vermelhos’ eram só os comunistas, e nunca os benfiquistas), não sabem que presente é mais usável e bonito do que prenda (neste caso, apesar de ambas as palavras serem aceites nos dicionários) – enfim, não sabem uma série de coisas da língua portuguesa.

 

Anúncios

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s