Neca do titular aparecer. O PC reserva de Marina

Um cochicho que vale ouro
Um cochicho que vale ouro

 

Marina prometeu governar com o banco de reservas do PT e do PSDB. A maioria deles pernas de pau e mãos leves ou traidores que tiveram as ambições frustradas. Um deles, Walter Feldman acusado de receber propina da Siemens.

Em 25 de novembro último, o Estadão publicou: Marina Silva se solidarizou com o deputado Walter Feldman (PSB-SP), citado em relatório do ex-diretor da Siemens Everton Rheinheimer por “ligação muito próxima” com Arthur Teixeira, apontado pelo Ministério Público como responsável por pagamento de propinas a agentes públicos. Feldman diz não conhecer Teixeira.

Defendeu Marina: “Walter ofereceu a quebra de sigilo fiscal, bancário, telefônico, em demonstração de que ele não tem temor das investigações. Não quero fazer julgamento nenhum. Quero que a gente tenha justiça. Eleição não é o momento de tentar ganhar voto e simpatia em cima da honra de quem quer que seja. Jamais direi qualquer palavra contra Dilma (Rousseff, candidata à reeleição), contra Aécio (Neves, pré-candidato do PSDB a presidente) simplesmente para ter dividendo eleitoral. Minha expectativa é que possam agir assim em relação a nós”, afirmou.

Marina lembrou que, em 2011, pediu para ser investigada pelo Ministério Público quando surgiram denúncias contra seu marido, Fábio Lima, por supostas irregularidades cometidas quando era ministra do Meio Ambiente. “Quando foram feitas acusações levianas contra mim, fui com meu marido ao Ministério Público pedir que fôssemos investigados. Foi o que Walter Feldman fez também”, lembrou. “No meu caso, graças a Deus nada ficou provado”.

 

 

O braço direito de Marina é símbolo do que há de mais velho na política

 

Marina Silva e WalterFeldman
Marina Silva e WalterFeldman

 

por Kiko Nogueira

 

Se com Eduardo Campos a “nova política” de Marina Silva já era pouco sustentável, em sua carreira solo fica cada vez mais evidente que isso é uma miragem, especialmente com toda as velhas raposas que a cercam e que nos últimos dias se transformaram em seu núcleo duro.

Um dos pivôs — provavelmente o mais importante — do rompimento com o secretário geral do PSB, Carlos Siqueira, é Walter Feldman.

Siqueira e Marina bateram boca na quarta-feira, quando sua candidatura foi oficializada. Marina quis fazer mudanças na campanha e “trazer o Walter” para a coordenação.

Walter acabou com o cargo de coordenador adjunto (Erundina ficou com a posição) mas é conselheiro, braço direito, porta voz, amigo, articulador financeiro.

Pode ser tudo, absolutamente tudo, menos novidade, menos revitalização ou algo que o valha. Ao contrário, é um político tradicional, com 30 anos de carreira sem brilho. Essa experiência, segundo um pessedebista histórico, lhe permitiu crescer dentro de uma estrutura amadora como a da Rede.

Formado em medicina, Feldman foi do PC do B e passou pelo PMDB antes de fundar o PSDB. Foi deputado estadual em 1998 e, entre os anos de 2000 e 2002, presidente da Assembleia Legislativa.

Em 2002, elegeu-se deputado federal e em 2005 assumiu uma secretaria de Coordenação das Subprefeituras. Entre 2007 e 2012, foi secretário de Esportes, Lazer e Recreação do município de São Paulo. Chegava a aparecer de boné e skate.

Tem uma pendenga antiga com o governador Geraldo Alckmin. Ligado a Serra, liderou em 2008 uma ala tucana que apoiou a reeleição de Gilberto Kassab (que estava no DEM) para a prefeitura, preterindo Alckmin. Kassab, eu disse.

Em 2009, isolado, anunciou que ia sair do PSDB. Acabou enviado a Londres como titular de uma secretária inventada para ele, a de Grandes Eventos. Passou seis meses lá, segundo ele mesmo para estudar a Olimpíada e ver que lições poderiam ser úteis a São Paulo. Lembrando que os Jogos serão no Rio.

Kassab tentou mantê-lo na Inglaterra, sem sucesso. Feldman voltou no ano seguinte feliz com Geraldo e com seu partido, que estava “oxigenado”. Em 2011 estava fora.

Em três décadas de vida pública, é difícil citar algo com sua assinatura, na cidade ou no estado. No plano das ideias, o panorama fica mais turvo.

Mas seu nome esteve envolvido no escândalo de formação dos carteis para a compra de trens. Foi citado num relatório do ex-diretor da Siemens Everton Rheinheimer.

Antes disso, foi mencionado na Operação Castelo de Areia, uma investigação da Polícia Federal sobre evasão de divisas, lavagem de dinheiro e caixa 2. Documentos listavam doações da construtora Camargo Corrêa a vários políticos. Feldman aparecia com 120 mil dólares recebidos entre 13 de janeiro e 14 de abril de 98. Ele se indignou com a menção.

Marina mesma o defendeu no caso do chamado trensalão. Em 2013, declarou que Feldman não tem medo das acusações. “Ele próprio quer ser investigado”, afirmou.

A jogada ousada de Walter Feldman, de se arriscar aos 60 anos na Rede, acabou tendo uma mãozinha do destino — se você quiser chamar assim — quando o avião caiu em Santos.

Agora, merece um pirulito de açaí quem acredita que Walter Feldman se aproxima remotamente de algo parecido com a renovação que Marina Silva apregoa ininterruptamente. Sua presença é, na verdade, um choque de realidade e um exemplo carcomido de sobrevivência política.

Serra e Feldman
Serra e Feldman

 

 

Marina: Reformista ou acomodada?

por Carlos Chagas

Alpino
Alpino

 

Na campanha agora acirrada e cheia de surpresas, surge uma encruzilhada para a ex-senadora: diante da possibilidade de vencer a disputa, ela manterá a imagem de candidata que rejeita a prática vigente no país desde o governo Fernando Henrique, passando pelo Lula e por Dilma, ou, no reverso da medalha, prepara-se para amaciar? Fará concessões às forças conservadoras, evitando assustá-las, como estratégia para ganhar a eleição, ou preservará suas características de contestadora da velha política, imaginando ter sido esse o instrumento que a trouxe à pole-position?

Numa palavra, Marina apresentará uma nova “Carta aos Brasileiros”, no estilo Lula, garantindo a governabilidade e abrindo mão de seu perfil contestador? Ou seguirá atropelando concepções e diretrizes enraizadas no Brasil? A dúvida é saber por qual desses caminhos imagina chegar ao palácio do Planalto: recuar e garantir o apoio das elites ou avançar imaginando dispor da maioria do eleitorado ávido por mudanças fundamentais?

Em sua primeira aparição nas telinhas, sábado, ela ficou em cima do muro. Prometeu superar a velha política e criticou PSDB e PT, “que dividem o país numa guerra”. Denunciou a chantagem dos partidos sobre Dilma, “que troca ministérios por tempo na televisão” e até provocou Aécio, revelando esperar o apoio de José Serra. E enviou sinais à turma do agronegócio, através de seu candidato a vice, Beto Albuquerque.

Está sendo pressionada pela turma do “deixa disso”, no Partido Socialista, para não bancar o lobisomem, modelo que o Lula seguiu depois de vencer a eleição, dando garantias de que não mudaria as regras do jogo. A dúvida é saber se Marina conseguirá chegar ao 5 de outubro equilibrando-se entre os dois pólos contrários. Entre ser reformista, quase revolucionária, ou acomodada, submetendo-se ao modelo econômico, político e social vigente, estará chave do sucesso ou do malogro de suas pretensões. (Transcrevi trechos)

 

Marina é uma acomodada. Pra lá de acomodada
Aroeira
Aroeira

 

Deseja que o Gigante continue adormecido. A única mudança que propõe é que não adormeça mais em berço esplêndido. E sim em uma rede.

Informa hoje a agência alemã Reuters:

A candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, aproveitou o programa de rádio e TV nesta terça-feira para reforçar seu discurso de que o país precisa de união e que pretende dialogar com outros partidos.

O discurso cada vez mais forte na campanha serve, por um lado, como um contraponto à polarização entre PT e PSDB, siglas que comandaram o país nos últimos 20 anos.

Mas as declarações de que ela buscará outras legendas e que há pessoas qualificadas em outros partidos funcionam ainda como uma sinalização para obter apoio para um eventual governo, se eleita.

“É preciso uma mudança na política, na relação com o Congresso (Nacional), e com a sociedade. Nós vamos chamar pessoas honestas e competentes. Vamos dialogar com os partidos”, disse Marina no programa eleitoral desta tarde.

Segundo o coordenador-geral adjunto da campanha, Walter Feldman, o argumento –que inclui o reconhecimento de avanços obtidos tanto pela gestão tucana quanto pela petista– estará cada vez mais presente, inclusive no debate da TV Bandeirantes previsto para a noite desta terça.

“Se não tivermos um governo que reforce a unidade das forças, e que não reconheça os avanços na questão social, na questão econômica, o país vai desandar”, disse Feldman à Reuters, por telefone.

“É momento de ter uma unidade nacional e esse processo não pode ser conduzido pelo PT nem pelo PSDB. Eles não se aceitam”, afirmou, acrescentando, no entanto, que há pessoas nesses e em outros partidos “dispostos a contribuir” para o avanço do país. [Deseja Marina um governo da pacificação dos protestos de junho de 2013, da anistia, de tudo como dantes no quartel de Abrantes.

  Osmani Simanca
Osmani Simanca

O que caí na rede é peixe 

[Veja que Marina, que reúne antigos correligionários do racha petista, prega a união com seus antigos adversários do racha tucano.

Walter Feldman é do racha do PSDB, José Serra é outro. Marina já apóia Geraldo Alckmin para governador, reeleição.

Do racha petista: A própria Marina, o vice Beto Albuquerque, a coordenadora da campanha Erundina, Heloísa Helena e outros velhos companheiros de Lula da Silva]

 

Os secretários de Alckmin serão afastados?

por Altamiro Borges

tucanos banco impunidade

 

As revelações bombásticas do ex-diretor da Siemens, Everton Rheinheimer, de que vários secretários do governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) estiveram metidos no bilionário esquema de propinas da multinacional alemã seriam suficientes para justificar a imediata exoneração dos citados. O executivo deu nome aos bois – ou melhor, aos tucanos: Rodrigo Garcia (Desenvolvimento Econômico), Edson Aparecido (Casa Civil), José Aníbal (Energia) e Jurandir Fernandes (Transportes Metropolitanos). Ele também incluiu na lista da sujeira o senador Aloysio Nunes Ferreira, o deputado estadual Campos Machado (PTB) e o ex-tucano Walter Feldmann, que hoje é aliado fiel da verde Marina Silva.

Segundo farta documentação apresentada por Everton Rheinheimer, obtida com exclusividade pelo insuspeito Estadão, todos os citados embolsaram grana da empresa alemã, ajudando-a em contratos com o governo paulista, e utilizaram o dinheiro no esquema de caixa-2 do PSDB em várias eleições. O ex-executivo também incluiu na lista do propinoduto nomes do DEM e do PPS – duas legendas que adoram se travestir de paladinas de ética. Diante das novas e graves denúncias, a bancada do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) decidiu propor a imediata exoneração dos mencionados.

O deputado Alencar Santana (PT) já anunciou que solicitará a convocação dos atuais secretários para prestarem esclarecimentos. A tarefa não é fácil, já que os tucanos têm folgada maioria na Alesp e são famosos por sabotar qualquer tentativa de apuração de escândalos de corrupção em São Paulo. Além disso, os chefões do PSDB contam com a generosidade da mídia – por motivos econômicos (fortunas em publicidade) e políticos (o principal partido da direita nativa). As graves denúncias do ex-diretor da Siemens não puderam ser ocultadas. Mesmo assim, o tratamento na cobertura midiática é seletivo.

Quando ministros do governo Dilma foram vítimas de denúncias vazias, sem provas, a mídia fez um enorme escarcéu exigindo a imediata exoneração. Manchetes diárias, comentários raivosos na tevê e rádio, cerco permanente dos citados e linchamento público. Com os atuais secretários do governador Geraldo Alckmin o tratamento é mais “civilizado”. A mídia amiga relativiza as denúncias e ainda tenta confundir os leitores e telespectadores, apostando no diversionismo. Se não houver pressão das ruas e coragem dos parlamentares, a tendência é que o propinoduto tucano seja logo esquecido!