EM BUSCA DE UM NOVO TEMPO

por Miguel Sales

 

deusa da justiça

Uma nova luz,
Um novo Natal,
Um novo ano,
Um novo tempo,
Desejo de uma Justiça real e humana,
De um Direito que livre os oprimidos.
Terra que renasça um novo homem,
Cheio de paz, longe da violência.
É tempo de ter esperança:
Por um novo destino,
Um novo sentir, um novo pensar:
Harmonia entre tecnologias e natureza,
Na qual a vida respira mais forte.
Sonhos de construção de um novo lugar
Onde não falte o que essencial,
À dignidade da pessoa humana:
A morada, o trabalho, por exemplo.
Porém, apesar da fome,
Apesar do desabrigo,
Apesar do desemprego,
Apesar de tantos dias amargos,
De tanto descaso de certos governantes,
É preciso acreditar no homem.
É preciso acreditar no despertar do povo,
Na separação do joio do trigo,
Na vinda de um novo amanhã,
De novo significado para a vida.
De uma força que transforme o egoísmo de alguns
Em felicidade para cada um de nós.
Somente assim vale a nossa fé,
O amor pelo semelhante,
Que é a imagem de nosso Deus
E a medida de todas as coisas.

Poesia de Fábio Chap: a gente é

prisão jornalista
a gente é
só notícia
a gente é
notícia só
somos nota curta
no
jornalnúmero de RG
endereço
e
conta paga
[se quiser
ser
bonito]

esquecendo
que
a gente é só
um flash
passageiro

um livro
que
logo
acaba

15 segundos
de
tragédia

a gente
é a média

perto
do mínimo

grande
é só
o coração
que
a gente
põe
no que
faz
ou que
tenta

[ser]

de
resto
somos
sopro
pro
nada

notícia
no rodapé

um traço
do
vulto
avulso
no
rastro
confuso
de
insignificância

somos
a
ânsia
de algo
maior

nunca
seremos

jamais saberemos

o que resta
é
viver

só deixar

numa vida
só numa

viver
uma vida

Fábio Chap
Fábio Chap

O mais belo alimento

por Luana Duarte
Luana Duarte
Duas sementes, uma raiz
Vidas diferentes, uma só escolha
Momentos iguais, atitudes iguais
O vazio que deu vida a vida.
.
Cresceu, viveu, vivendo
Nasceu, floresceu o fruto santo
O fruto da união
O mais belo alimento.
.
Folhas, folhas de sustento
Algo doce e amargo
que se ponderado
não seca, não murcha, não cai.
.
A luta diária
Para novos frutos
O que vem agora
Para dar vida
Um novo sentido
As sementes, a raiz
Os frutos e folhas
Uma árvore
Nossa árvore
Nossa vida.

A vida um sonho

por Talis Andrade

Beatriz Brasil, como Diana do Pastoril, fotografada por Herbert Loureiro, in revista Gaciliano
Beatriz Brasil, como Diana do Pastoril, fotografada por Herbert Loureiro, in revista Gaciliano

3

A vida um sonho

um tempo encantado

o feitiço da namorada

no vestido encarnado

de mestra do pastoril

a cantar a vinda

do Menino Jesus

que veio ao mundo

para nos salvar

 

 

O cuidado dos pais

que iam à missa

todos os domingos

as roupas engomadas

as consciências leves

dos pecados lavados

no confessionário

As brincantes do pastoril, Galeria Roberto Medeiros
As brincantes do pastoril, Galeria Roberto Medeiros

Trecho do poema Esquife Encarnado, que deu nome ao livro publicado em 1957, pela editora A Tribuna, Recife

Papa Francisco: não há, não devem haver “vidas descartadas”

Time 1

 

A revista Time elegeu o Papa Francisco Pessoa do Ano 2013, explicando que é raro que “um novo protagonista consiga tanta atenção no palco do mundo”.

“O que torna este Papa tão importante é a rapidez com que cativou milhões que tinham desistido de ter esperança na Igreja. […] Em escassos meses, Francisco elevou a missão de reconfortar da Igreja – a missão de servir e confortar os que mais precisam – acima da doutrina política que fora tão importante para os seus antecessores”, escreve a revista, justificando a escolha.

Lider da Igreja católica desde 13 de Março, o argentino Jorge Mario Bergoglio, de 76 anos, que sucedeu a Bento XVI, é o primeiro não-europeu a cumprir esta função suprema em cerca de 1300 anos.

Com o seu estilo modesto e próximo das pessoas, ele fez soprar ventos de mudança numa Igreja católica em crise, apesar dos seus 1.2 milhões de fieis.

“Em nove meses, ele soube colocar-se no centro das discussões essenciais da nossa época: a riqueza e a pobreza, a equidade e a justiça, a transparência, a modernidade, a globalização, o papel da mulher, a natureza do casamento, as tentações do poder”, resumiu a directora da Time, Nancy Gibbs.

pope-time 2

O fogo da misericórdia

por Giovanni Maria Vian

A publicação da mensagem do bispo de Roma para o dia mundial da paz logo depois da decisão da revista “Time” de declarar o Papa Francisco “homem do ano” é sem dúvida uma coincidência casual. Contudo, precisamente o texto pontifício que indica de novo a fraternidade como fundamento e caminho da paz explica o porquê da escolha da revista norte-americana, tão difundida quanto influente.
De facto, num ano marcado por um acontecimento sem precedentes como a renúncia de Bento XVI, o seu sucessor que veio “quase do fim do mundo”, soube impor-se em pouquíssimo tempo à atenção mundial sendo simplesmente, e portanto revelando, ele mesmo: um homem, um cristão, um bispo da Igreja preocupado unicamente testemunhar e anunciar o Evangelho. Com gestos e palavras que fazem admirar todos pela sua autenticidade.
Os exemplos já são muitíssimos, da atenção a cada pessoa encontrada a intervenções diversas, mas como invadidos por um fogo interior – o testemunho pessoal do Papa Francisco – do qual cada um sente imediatamente a credibilidade. Assim na Evangelii gaudium, verdadeira suma programática de um pontificado que quer a Igreja em estado permanente de missão, como na mensagem para o dia mundial da paz, e como no discurso a um grande número de embaixadores.
O texto sobre a paz começa desejando a indivíduos e povos “uma existência cheia de alegria e de esperança” porque reconhece em todos uma aspiração à fraternidade. Não é optimismo ingénuo porque na mensagem se segue a forte denúncia das contínuas violações dos direitos humanos, “sobretudo do direito à vida e à liberdade de religião”, das guerras visíveis e das “menos visíveis, mas não menos cruéis, que se combatem em âmbito económico” destruindo vidas e empresas.
Se é clara a indicação dos males que marcam o actual momento histórico, de igual modo clara é o seu diagnóstico. “As éticas contemporâneas mostram-se incapazes de produzir vínculos autênticos de fraternidade” porque “a raiz da fraternidade está contida na paternidade de Deus” ressalta de facto sem meios-termos a mensagem, que repete com clareza uma expressão muitas vezes reafirmada pelo Papa Francisco: não há, não devem haver “vidas descartadas”.
Iniciado por Paulo VI há quase meio século, o dia mundial da paz é desde então uma ocasião para que a Igreja recorde a todo o mundo palavras muitas vezes ouvidas, mas não por isso menos verdadeiras, sobre a necessidade de restabelecer relações fraternas nas famílias e nas comunidades humanas. Através de estilos de vida sóbrios, com a reconsideração dos modelos de desenvolvimento e o contraste de crimes vergonhosos como o tráfico de seres humanos, que o Papa Francisco denuncia incansavelmente.
Por estas denúncias claras, fruto de um testemunho em primeira pessoa, o bispo de Roma suscita interesse. Mas admira talvez mais ainda o anúncio da misericórdia de Deus porque o homem pode converter-se sempre, e portanto “nunca deve desesperar da possibilidade de mudar de vida”. E há provavelmente também este desejo escondido e contradito na base do reconhecimento do Papa como “homem do ano”.

Vídeo

 

timepapacapa 3

DA RESIGNAÇÃO

por Talis Andrade 

            

 

Narciso, por Hans Feibusch
Narciso, por Hans Feibusch

 

            Um cigarro

            depois do outro

            Uma mulher

            depois da outra

            Entre taças de vinho

            mil copos de chope

            fui desfiando a vida

            sem medo dos espias

            e dos mensageiros

            das notícias ruins

 

            Não faltarão juízes

            o cochicho dos delatores

            o testemunho invejoso

            – Irresponsavelmente desperdiçou

            fortuna e sinecura

            em bares e vaginas

 

            Os homens enterrem

            botijas de ouro

            As mulheres envelheçam

            longe de mim

 

            Que me arranjo sozinho 
 
 
 
 
 
  

 

Estou em um corredor

Felipe Mendes

por Felipe Mendes
Nunca vou esquecer desse corredor, do cheiro desse corredor, das pessoas desse corredor. Aqui está super lotado, o corredor ė só o inicio dessa grande emergência, as pessoas se acomodam em suas cadeiras, enroladas em seus cobertores, enroladas em seus medos, com seus braços já roxos estendidos, tomando seus medicamentos, de olhos fechados, ou com os olhos arregalados.
Nunca vou esquecer do barulho desse corredor, dos choros das crianças que parecem invadir seu cérebro, dos berros dos adultos, dos passos apressados dos enfermeiros e dos médicos, tentando atender as inúmeras mãos que se levantam pedindo ajuda, pedindo atenção.
Nada aqui está perto de ser fácil, tudo ė muito custoso, ė muito duro, muito complicado. Uma coisa ė certa, ninguém queria estar aqui, as pessoas queriam estar em suas casas, nas suas camas confortáveis, comendo suas refeições gostosas, não aqui, onde as luzes nunca apagam, onde o colchão virou cadeira, onde a comida ė sem gosto e enjoativa.
Quero ir embora, eu só penso nisso. A dona Maria na minha frente também quer ir, o seu Pedro reza dia e noite para sair por aquela enorme porta azul, a Cintia conversa no telefone com seus familiares e juntos fazem uma oração para isso acabar, o seu Antônio chega a sonhar que está em sua casa, longe, bem longe daqui. Todos querem ir embora.
Os dias por aqui são longos, custam a terminar, muita gente passa por esse corredor, pessoas que entram por aquela porta sem parar, pessoas que saem, rezando para não voltar, médicos esbarrando em enfermeiros, enfermeiros batendo nas cadeiras dos pacientes, pacientes batendo a cabeça em seus peitos, cochilando entre uma troca de medicamento e outra, cochilando entre um exame de sangue, ou uma eco.
Os dias são longos, mas, as noites são intermináveis, a madrugada passa bem diante da tua frente, e você não consegue se entregar, não consegue dormir, fechar os olhos, o movimento por aqui não para, nem as 4 da manhã.
Você sonha acordado. Eu sonho acordado, tempo todo, me imaginando fora daqui, me imaginando bem de verdade, sem nenhum problema de saúde, imaginando que eu nunca mais vou precisar passar por isso, sonhando com o dia que eu consiga esquecer desse corredor, desse corredor apesar de iluminado, escuro, completamente escuro.
Ė impossível não reparar quando alguém perdeu a luta, quando alguém perde essa batalha, ė impossível não perceber quando uma cadeira está vazia, quando a placa com o nome do seu Antônio ė tirada da parede, ninguém precisa dizer nada, está na cara de quem ficou, na cara dos enfermeiros, está no ar, o ar fica pesado, fica denso, fica tenso.
Com isso é difícil não ter medo, é impossível não se dar conta de que você também está jogando damas com a morte, que você também está lutando por sua vida, e por mais fė, e coragem que se tenha, algumas pessoas perdem essa batalha.
Eu não quero perder a minha, não antes de ganhar, não antes de ficar bem, não quero perder a batalha sentado nessa cadeira preta e brega, quero estar de pé, quero estar firme, quero ter feito meus 23 anos, quero ter realizado minha festa, junto com as pessoas que eu amo, quero ter dançado a madrugada inteira, quero ter ido para a praia, quero ter vivido um grande amor, quero ter ido no rodízio de pizza, quero ter comido muito sushi, quero viver, e não admito morrer, não admito que isso acabe, não admito sair dessa grande festa que ė a VIDA!
Vou rezar, vou orar, e vou continuar acreditando, e vocês também, continuem acreditando, e rezem por mim, por mim, pela dona Maria, pela Cintia, pelo seu José, por todos que estão aqui, que só desocupem as suas cadeiras se for para ganhar o mundo.

Campanha do trabalho de sol a sol

Sem tempo para descanso, sem tempo para a família, sem tempo para o lazer,  sem tempo e dinheiro para as férias, o empregado das multinacionais está sempre correndo contra o relógio, na hora de comer sem mastigar, e na rapidinha do sexo semanal. E no mais, e no mais vai aumentando o crédito no banco de horas, que o tempo é ouro, reclama o patrão ou capataz.

 

trabalho

 

consumo vida salário pobre rico indignados

pobre salário dinheiro indignados

salário divída pessoal indignados

CELSO JAPIASSU E A VISITA DOS AMIGOS MORTOS

Celso

VISITA

Celso Japiassu

 

 

Homens e mulheres que foram meus amigos
penetram no meu sono.
Estão mais jovens do que eram
na hora de sua morte.

Têm o mesmo rosto de quando
havia futuro nos seus dias.

Esses mortos foram meus amigos.
Conheço-os pelo nome, conheci suas almas
e o ritmo dos seus passos.

Agora eles penetram silenciosamente no meu sono.
Trazem algum mistério
que desperta e me convida
para um sono maior e mais profundo.

—-
Seleta de Moacir Japiassu