Tratado geral das lamas

por Laerte Braga

Na década de 60 o escritor e teatrólogo Guilherme Figueiredo lançou o TRATADO GERAL DOS CHATOS. Uma preciosa digressão sobre os vários tipos de chatos existentes e por isso mesmo sucesso imediato. A guisa de explicação Guilherme Figueiredo era irmão do presidente João (rima) e naquele momento que escreveu o livro, comunista. Autor também de A RAPOSA E AS UVAS, peça que ficou um ano em cartas num teatro em Moscou.

Que venha urgentes um TRATADO GERAL DE LAMAS. Que mostre as mais variadas espécies de lamas que se derramam sobre o Brasil e levam de roldão desde o País, a brasileiros inocentes, como no caso da SAMARCO/VALE/BPH. Ou as PMs em sua faina diária de matar, tiro ao alvo em negros que estejam em carros brancos, por puro tédio e talvez uma questão de estatística, quem mata mais?

E talvez convocar Marina da Silva (não falo, não vejo, não ouço) para emitir seu parecer sobre lamas, numa coletiva com um painel do ITAU e da VALE ao fundo, compondo o cenário.

A lama da SAMARCO/VALE/BPH matou um rio, destruiu cidades, levou História, pessoas, no que é considerado por especialistas o quinto maior desastre ecológico dos nossos tempos. Liquidou e continua liquidando a perspectiva de qualquer espécie de vida numa região que abrange dois estados, Minas Gerais e o Espírito Santo.

Não houve uma intervenção decisiva do governo federal e tampouco do estadual. A VALE é uma das maiores acionistas do Estado brasileiro. Todos os implicados continuam soltos. Há cerca de uns seis meses, mais ou menos, um vereador da cidade mineira de Juiz de Fora e seu companheiro de pescaria e caça, foram presos por matar duas capivaras. Custou o mandado de sua excelência, que não era mesmo grande coisa.

A lama Eduardo Cunha, que traz consigo a praga evangélica, disseminada por todo o Brasil e também engolida (ou bebida?) pelo governo nos acordos espúrios para evitar o impeachment de Dilma Roussef. Passeia impávida a chantagem por Brasília e outros quintais na busca desesperada e cretina da sobrevivência. É incrível que Rodrigo Janot, dito Procurador Geral da República, tenha pedido a prisão preventiva de Delcídio Amaral, senador e líder do governo na chamada Câmara Alta, deixando de fazer idêntico pedido em relação a Eduardo Cunha, pelo mesmo motivo. Atrapalhar e prejudicar o andamento das investigações sobre suas falcatruas.

A lama tucana no desespero de entregar o pré-sal e receber o combinado pelos serviços prestados, num embrulho que quando se liga as pontas, múltiplas, percebe-se que todos estão no mesmo pacote. Já a lama branca dos 450 quilos de cocaína num helicóptero do senador José Perrela e que se reabasteceu no aeroporto do tio do senador Aécio Neves, essa sumiu. Aécio continua sonhando acordado e dormindo com a faixa presidencial.

A lama Lava Jato, objeto de comentários de um jornal inglês, o SUNDAY TIMES, sobre o fora da lei Sérgio Moro, juiz que preside o inquérito e monta uma espécie de Estado Islâmico no Brasil, numa faixa de terra do Paraná.

De positivo mesmo só a lei Requião (existem senadores e deputados sérios) que abre o direito de resposta às mentiras constantes e criadas pela mídia de mercado, GLOBO à frente. A partir de agora, bateu sem provas e o grande alvo tem sido Lula, vai ter o levou.

Um TRATADO GERAL DAS LAMAS é de extrema importância para o Brasil, do contrário o número de zumbis vai crescer e o mal se tornar irreversível.

Ah! Um outro dado positivo. Estudantes paulistas ocupam escolas que o governador Geraldo Alckmin quer fechar com sua política educacional. Tudo indica que nasce uma geração capaz de enfrentar as lamas que teimam em escorrer pelos furos do poder e pela incúria da iniciativa privada.

666 km de lama e morte: o assassínio do Rio Doce

por LÚCIO TAMINO

O desastre socioambiental causado pela mineradora Samarco (Vale, antes ‘Vale do Rio Doce’ e BHP Billiton) com o rompimento de suas barragens de rejeitos de minério no município de Mariana, em Minas Gerais, é um dos maiores na história do país. A área afetada ultrapassa os 600 Km, chegando inclusive ao Oceano Atlântico.

Clique para ampliar
Clique para ampliar

A lama é resultado de décadas de exploração mineradora da região, e além do poder destrutivo da avalanche e inundações de lama, há controvérsias sobre o nível de toxicidade desse material. A Samarco, para ganhar tempo, afirma que a lama não é tóxica, mas há inúmeras suspeitas e indícios de que há uma grande quantidade de metais pesados altamente tóxicos no material, que contaminariam toda essa enorme extensão atingida pela lama, o que inclui o solo, inúmeras bacias hidrográficas, e a população.

Centenas de pessoas estão desabrigadas e ao redor de 30 pessoas morreram por conta do desastre, incluindo idosos e crianças, sendo que a grande maioria segue desaparecida. Não havia nenhum sistema de alarme para evacuação da população caso um acidente ocorresse. Já os números de mortes de animais e da natureza que foi destruída é incalculável. Incontáveis animais domesticados como cachorros, gatos, galinhas, patos, cavalos, etc, morreram. As matas da região foram atingidas, matando assim grande parte da fauna e flora dessas áreas. O ecossistema aquático foi com certeza o mais afetado, causando a morte de milhões de peixes e de praticamente toda a vida das bacias hidrográficas atingidas, sendo por asfixia ou contaminação. A imagem da tartaruga morta é do Parque Estadual do Rio Doce, a maior área de Mata Atlântica de Minas Gerais e terceira maior área alagada do Brasil (depois da Amazônia e Pantanal), localizado a mais de 150 km das barragens, o que demonstra o poder destrutivo e mortal do material liberado.

O ferro extraído dessas minas é transportado por minerodutos para os portos no litoral, utilizando uma quantidade absurda de água, ao mesmo tempo em que a população sofre com a falta d’água e é obrigada a economizar. O minério segue então para o exterior, o que deixa claro que o saque das riquezas naturais do Brasil continua a todo vapor, com pouco ou nenhum retorno para o país, e o meio ambiente não é sequer considerado como sujeito de direito. Tudo isso para beneficiar os acionistas das empresas em questão, que lavam as mãos e seguem anônimos, comprando e vendendo as ações das empresas conforme lhes convém, sem consideração nenhuma com a ética, mas sim com o lucro, simples e frio. Não há compensação possível para esse ecocídio, dinheiro nenhum vale as vidas de tantos seres vivos e da saúde da própria terra.

A informação é uma de nossas maiores armas nesse momento. É imperativo refletirmos sobre esse modelo explorador e ganancioso que é imposto sobre as populações. Que esse desastre seja a gota d’água para sairmos desse mar de lama e pararmos essa máquina de destruição e morte.

Não existe golpe sem uma lista de presos políticos

presos

FHC fatiou a Petrobras e vendeu só de uma primeira tacada: 30 por cento das ações na bolsa de Nova Iorque.

FHC depois vendou a Vale do Rio Mais do que Doce para os piratas, por apenas 2,2 bilhões, quando custava mais de 3 trilhões – o maior roubo da história da humanidade.

Para completar, FHC rasgou a CLT.

Em 64, as federações do patronato apoiaram a ditadura em troca da cassação da estabilidade do trabalhador, dada por Getúlio Vargas.

Agora os patrões, para apoiar o golpe, pedem o emprego terceirizado.

Nas redes sociais, tucanos, e os oportunistas da banda podre do PMDB, mais outros partidos da direita pedem a cabeça de Dilma. Trata-se de uma morte anunciada. Não existe golpe sem prisões e tortura e morte.

Eduardo Cunha, a bancada da bala, os pastores eletrônicos, os nazistas da TFP, Bolsonaro e outros fascistas já terminaram a lista dos que vão morrer?

Dos que vão ser presos?

Dos que vão ser torturados para dizer onde está o ouro de
Cuba?

Moro u?

jornalista tortura morte Alfredo Martirena

Os piratas que atacaram o Brasil na era FHC

Para leiloar, FHC avaliou em quantas moedas este prédio? Trinta moedas?
Para leiloar, FHC avaliou em quantas moedas este prédio? Trinta moedas?

Fernando Henrique deu de presente a Vale do Rio Mais do que Doce para um amigo se transformar na principal riqueza do mundo, e fez essa doação sem levar nada, jura ele por todos os santos, pois é um crente de muita e piedosa fé.

Crique nos links para conhecer a história de um traficante de moedas e ladrão do Brasil.

Dessa gente bandida, historia Brasil 29: Um vazamento de informações no braço suíço do HSBC revelou que o banco ajudou mais de 100 mil clientes a abrirem contras secretas na Suíça. Os documentos trazem informações sobre a movimentação de contas bancárias entre 1988 e 2007, que somam mais de US$ 100 bilhões em depósitos.

O Brasil aparece em quarto lugar entre os países com maior número de clientes com contas secretas no banco, registradas desde a década de 1970 até o ano de 2006. Mais de 8,7 mil brasileiros depositaram US$ 7 bilhões no período.

Dois bilionários brasileiros já foram identificados, Edmond Safra e membros da família Steinbruch. Edmond Safra vendeu os bancos da família para o HSBC. Uma transa que não se pagou nenhum tostão de imposto. E dos bancos da família Safra outras histórias do tráfico de dinheiro para os paraísos fiscais.

Diversos membros da família Steinbruch, fundadores do conglomerado Vicunha, também foram identificados. O grupo detém indústrias de tecidos, a Vicunha Têxtil, e de aço, Vale do Rio Doce e a Vicunha Siderurgia, que controla a Cia. Siderúrgica Nacional (CSN) e o banco Fibra.

Os dois irmãos herdeiros do império, Mendel e Eliezer, eram clientes do HSBC. Mendel era beneficiário de seis contas e foi conectado a outras cinco. Os dois irmãos faleceram em 1994 e 2008, respectivamente.

A esposa de Mendel, Dorothea Steinbruch, controlava parte do conglomerado e também era cliente do banco. Ela foi ligada a doze contas diferentes. Todos os seus filhos também são clientes do banco, segundo a ICIJ.

Dentre os filhos está Benjamin Steinbruch, Filho de Mendel Steinbruch e Dorothea Steinbruch, foi incumbido de procurar novos negócios para o grupo no governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) em 1999. Entrou nas privatizações liderando os consórcios que compraram a Companhia Siderúrgica Nacional e a Companhia Vale do Rio Doce, entre outras. Acabou por abrir mão de suas ações na Vale para aumentar sua participação na CSN, empresa da qual atualmente é o principal acionista. Ocupou também a posição de gestor executivo no Banco Safra, na gestão 2008-2011. Durante sua gestão faturou equivalente a 200 milhões de reais.

genildo hsbc paraíso

Os irmãos de Benjamin

Clarice, Leo e Fabio listados nesta em outra investigação da ICIJ. Em 2013, o consórcio de jornalismo investigativo divulgou, em parceria com 38 veículos, uma lista de milionários com contas secretas nas Ilhas Virgens Britânicas, outro paraíso fiscal. Eles aparecem como acionistas e diretores da empresa Peak Management Inc.

Foi apontado pela Folha de São Paulo como o Primeiro Bilionário da “Era Tucana”

O ex-funcionário do HSBC em Genebra, Herve Falciani, é o homem por trás do maior vazamento de dados na história dos bancos. As informações obtidas por ele em 2007 mostravam que a filial suíça do segundo maior banco do mundo “ajudou” clientes ricos a driblar o pagamento de milhões de dólares em impostos.

Oito anos depois, ele disse, em entrevista à BBC, que se sente “vingado” e “aliviado”, já que os dados revelados por ele finalmente vieram à tona e o escândalo vem sendo investigado em várias partes do mundo.

Segundo Falciani, estamos longe do fim da história, já que ainda há muitas informações sobre o esquema do HSBC.

Aliás, para ser bem preciso, há um milhão de bits em dados, afirma o ex-funcionário.

O rei mundial das privatizações e o preço mais do que doce da Vale

FHC borboleta

Franklin Tavares, no Facebook, apresenta uma lista de escândalos do governo Fernando Henrique.

Acredito que o maior roubo da História Mundial foi a simulação da venda da empresa do povo brasileiro Vale do Rio Doce (compreendendo campos de minérios, latifúndios, ferrovias, portos) por apenas 2 bilhões e 200 milhões.

Um negócio mais do que doce para os piratas. A Vale vale trilhões. Opera em 13 estados brasileiros e nos cinco continentes, e possui mais de dez mil quilômetros de malha ferroviária e nove terminais portuários.

É a maior produtora de minério de ferro do mundo, e a segunda de níquel. A Vale destaca-se ainda na produção de manganês, cobre, carvão, cobalto, pelotas, ferroligas, fertilizantes como os fosfatados (TSP e DCP) e nitrogenados (ureia e amônia).

Explora nossos diamantes.

Todo esse patrimônio, imensurável riqueza, vendido por 2 bilhões e 200 milhões. O preço de apenas dois estádios da Copa do Mundo: o de Brasília e a reforma do Maracanã.
Para outra comparação. Foi vendida por um preço que não construiria uma refinaria de petróleo. Quanto investiram na Abreu e Lima, em Suape, Pernambuco?
Quanto custa um terminal portuário? A Vale tem nove.
Quanto custa um mil quilômetros de malha ferroviária? A Vale tem dez mil.
Quanto custa uma mina?
Até hoje ninguém contou quantas minas tem a Vale. São minas gerais espalhadas por treze estados brasileiros. É uma imensidão de terras e de botijas, inclusive de ouro e prata e diamantes.

Para leiloar, FHC avaliou em quantas moedas este prédio? Trinta moedas?
Para leiloar, FHC avaliou em quantas moedas este prédio? Trinta moedas?

Toda essa riqueza, o doutor honoris causa e professor Fernando Henrique vendeu, em um leilão fajuto, por 2 bilhões e 200 milhões. Uma verdadeira quermesse.

Tem brasileiro safado que avalia a Vale alienada por um preço mais do que justo. Um grande negócio para o Brasil. Quando uma transa-ção promovida pela máfia das privatizações. Um grande assalto. O maior roubo da História. Um crime de traição à Pátria.

Coisa de farsante acusado, mais de uma vez, de ser espião de nação estrangeira.

O Brasil um país que entrega os mais altos cargos a agentes estrangeiros e indivíduos que possuem dupla nacionalidade.
Tais pessoas, nos Estados Unidos, pegariam prisão perpétua ou cadeira elétrica. Na China, seriam fuziladas.

No Brasil, criminosos são endeusados por uma imprensa vendida, e colecionam processos engavetados. Ou julgados pela justiça secreta do foro especial, criada por uma lei de anistia tucana sancionada por Fernando Henrique, no último mês do oitavo ano terminal do seu governo.

vale última 1

A corrupção seja investigada no executivo, no legislativo e no judiciário

Faixa da passeata deste 15 de março
Faixa da passeata deste 15 de março

 

O povo pediu nas ruas o fim da corrupção.

Que ela seja investigada já! no executivo, no judiciário e no legislativo.

Que o “Abre-te, Sésamo” aconteça em todas as cavernas das prefeituras, das câmaras municipais, dos governos estaduais, das assembléias legislativas, dos tribunais, do governo da União, do Congresso Nacional.

Que todas as cavernas sejam aclaradas. Nas reitorias, nos cartórios, nas estatais, nos quartéis, no fisco, nos serviços terceirizados, nos leilões da justiça, nas quermesses do executivo, nas Anas, nos pedágios…

Que sejam analisadas todas as outorgas, notadamente de fontes de água, de entrega de ilhas marítimas e oceânicas; todas as concessões para explorar os minérios do Brasil, a começar pelo ouro, pelo nióbio, pelos diamantes, pelos meios de comunicação de massa; todos os precatórios assinados pelos desembargadores, e pagos por prefeitos e governadores; todas as isenções fiscais que beneficiam as castas, as elites protegidas pelo sigilo (fiscal e bancário); todas as anistias concedidas pela justiça secreta do foro especial.

Que seja fiscalizado todo o dinheiro arrancado do povo, via impostos diretos e indiretos, para autarquias, planos de saúde, serviços de informações estratégicas, pesquisas de opinião pública, fundações, ONGs, hospitais, igrejas, maçonaria, partidos políticos, promotores culturais, proxenetas e pedófilos dos esportes amadores, escolas e hospitais particulares…

Que sejam exterminados o tráfico de dinheiro, de minérios, de órgãos humanos, de prostitutas infantis; o mercado negro de venda de sentenças judiciais, do dólar paralelo; o contrabando de medicamentos, de madeira nobre; as máfias dos fiscais, dos alvarás, das obras e serviços fantasmas e dos agiotas das campanhas eleitorais…

 

Que prometem o judiciário e o legislativo? Apenas o governo da União anuncia o combate do bem contra as almas sebosas

jc anti
A presidente Dilma Rousseff esteve reunida com nove ministros e o vice, Michel Temer, no Palácio do Planalto. Após o encontro, os ministros da Justiça, Jose Eduardo Cardozo, e de Minas e Energia, Eduardo Braga, fizeram um pronunciamento a respeito das manifestações do último fim de semana e reafirmaram que o governo está ouvindo as manifestações e aberto ao diálogo. Cardozo reconheceu que o país precisa passar por uma mudança, pois, só assim, conseguirá superar os desafios. Além disso, os ministros disseram que não vão retirar os programas sociais.

 .

Não vão retirar os programas sociais

.

Durante o pronunciamento do ministro da Justiça, Jose Eduardo Cardozo, a palavra “humildade” foi usada para dizer que o governo reconhece que é preciso mudar, e que para chegar a essa mudança é preciso à união de todos os que estão no poder, seja da base aliada ou da oposição.

“Reitero que até o final da semana, a presidente da República, assim como anunciou no seu programa de reeleição, irá lançar um projeto para auxiliar as empresas a implementar um mecanismo que ajude a coibir e investigar a corrupção. É preciso ter humildade para reconhecer que o momento é delicado e que é necessário uma mudança. O governo está aberto ao diálogo com todos, oposicionistas ou não, e estamos abertos a debater com a sociedade brasileira. A presidente Dilma Rousseff governa para 200 milhões e não apenas para os que votaram nela”, comentou Cardozo.

Já o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, reforçou as palavras de Jose Eduardo Cardozo:

“O governo sabe que temos um desafio grande, e que é preciso enfrentá-lo. O governo buscou até o esgotamento da sua capacidade com o Tesouro para combater esse momento, e tentando manter todos os programas sociais. Todos esses ajustes são com o único objetivo de continuar crescendo, e alcançando o nível que queremos chegar. Mas para vencer desafios, é preciso coragem para mudar. Reforço que esses novos ajustes serão necessários para que possamos deixar a nossa economia saudável por emprego e distribuição de renda. Um governo que tem compromisso com a transparência e a eficiência, não pode se esconder neste limite, e é isso que nós estamos fazendo, anunciando que chegamos a esse limite”, anunciou o titular da pasta de Minas e Energia.

Ao ser questionado sobre como a presidente ficou após ver todas aquelas pessoas nas ruas protestando contra a corrupção e contra seu governo, o ministro Eduardo Cunha lembrou-se do passado político de Dilma Rousseff para mostrar que ela aceita qualquer manifestação, desde que democrática.

“A presidenta Dilma sofreu uma prisão lutando pela democracia, ela perdeu a sua liberdade para que conseguíssemos nossa democracia, portanto, ela encarou as manifestações de ontem com esse sentimento. Sentimento de quem prega a liberdade de reivindicações, desde que democráticas, e as reivindicações que tivemos nos últimos dias foram totalmente democratas”, explicou Cunha.

Para encerrar, o ministro da Justiça, Jose Eduardo Cardozo, comparou as manifestações do último fim de semana com as que aconteceram em 2013, e que ao contrário do que ocorreu há um ano e meio, desta vez existe uma causa direta, a corrupção.

 .

Desta vez existe uma causa direta, a corrupção

.

“As manifestações de ontem, foram totalmente diferente das manifestações de 2013, antes foram reclamados outras coisas difusas, hoje o povo se manifesta pela corrupção. A grande verdade, é que a corrupção é muito antiga no Brasil, mas hoje ela é investigada e punida. Na história brasileira, desde a constituição de 88, passando por todos os governos, o Brasil trabalha para que possamos investigar coisas como essas”, encerrou Cardozo. Fonte Jornal do Brasil 

Propaganda dos predadores internacionais da Petrobras

petrobras BBC

Na imprensa internacional, três meios conservadores foram escalados, pelas multinacionais, para promoção de uma campanha que visa privatizar a Petrobras, e conquistar os campos de petróleo e gás do Pré-sal.

Depois da conquista da Vale do Rio Doce, ex-estatal entregue por Fernando Henrique, que disputa com a Petrobras o ranking da maior empresa da América Latina, e da entrega do nióbio por Fernando Collor, os piratas pretendem o mesmo entreguismo de Dilma, o dá ou desce, o dá ou sai da presidência do Brasil.

É uma campanha golpista internacional, que tem no Brasil o apoio dos quinta-coluna, traidores da Pátria.

Os três mosqueteiros barra pesada são El País da Espanha, El Clarín da Argentina, e a British Broadcasting Corporation (BBC), todos com versões em português, e edições diárias, especialmente para o Brasil.

O noticiário de propaganda tem verberação na imprensa brasileira, como sempre aconteceu com os jornais em língua nativa dos Estados Unidos, Inglaterra, França, Espanha e Itália, países que sediam as multinacionais que compraram as estatais brasileiras em leilões fajutos, e (pasmem!) com dinheiro emprestado pelo BNDES. E acreditem se quiser: venderam as empresas brasileiros a preço de banana, e oferecendo mil e uma facilidades a troco de nada.

Os caras de pau entregam as riquezas do Brasil e não recebem nada. Traem o Brasil sem levar as trinta moedas de praxe. Taí o exemplo da santa honestidade de um Daniel Dantas, um dos leiloeiros de Fernando Henrique, o príncipe da privataria.

Ruth Costas, da BBC, propaga que o mercado não recebeu com agrado a indicação do novo presidente da Petrobras. Carla Gimènez, do El País, reforça: “Nome de Bendine traz de volta incerteza ao cenário financeiro”.

“A indicação, feita pela presidenta Dilma Rousseff, foi mal recebida no mercado, pela pouca afinidade do executivo com o mundo do petróleo, uma vez que a sua experiência se resume apenas ao maior banco público do país, onde ingressou em 1978”.

Carla seleciona seus entrevistados, todos esquecidos que, desde que foi fundada, os presidentes da Petrobras, na sua maioria, eram   militares, inclusive vários marechais.

.

Por que o “minimizou”?

Eis a continuação da Reportagem de Ruth: Em Belo Horizonte, onde participou de um evento em comemoração aos 35 anos do PT, o ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, minimizou a importância da má recepção do nome do ex-presidente do Banco do Brasil pelo mercado. “Às vezes, (o mercado) faz avaliações que depois não se confirmam”, disse.

[“Má recepção” de quem? Se dos piratas, dos especuladores, dos predadores internos e externos da Petrobras, excelente para o Brasil a indicação do Bendine. O bem para uma Petrobras do Brasil e dos brasileiros. A adjetivação de “minimizou” de Ruth não tem nenhum peso]

Petro patrimonio

E Ruth doutrina:]  Abaixo, confira quais serão os principais desafios a serem superados pelo novo presidente da Petrobras:

.
Credibilidade nacional ou internacional?

.
Desde setembro, a estatal perdeu dois terços de seu valor na bolsa de São Paulo em função da crise em que está mergulhada.

petrobras golpe
Bendine precisará restaurar a confiança de parceiros e investidores – o que não será tarefa fácil, a julgar pela queda no valor das ações da empresa provocada pelo anúncio de sua nomeação, nesta sexta-feira.
Essa reconstrução da credibilidade passa, em parte, por evitar que a empresa perca o grau de investimento, o que dificultaria a captação de recursos para grandes projetos.
Analistas [quais analistas? Os predadores da Petrobras?] dizem que o novo presidente precisará ter uma postura firme de colaboração com a investigação da Lava Jato, mas também deve ser rápido em sinalizar que o escândalo não continuará a ‘paralisar’ as atividades da empresa.

.
[Os desafios apontados são os mesmos colocados pelos defensores do retorno da ditadura, do terceiro turno, dos golpistas que tramam o impeachment de Dilma. Dos que querem politizar a Lava Jato, na mão de delegados e togados que participaram da campanha eleitoral como fanáticos eleitores de Aécio Neves]

Petrobras historia
Também há certa apreensão sobre como ele [Bendine] responderá às pressões políticas. Para alguns analistas, as finanças da Petrobras sofreram nos últimos anos em função de a companhia ter subordinado sua política de preços ao interesse do governo de segurar a inflação.
O fato de Bendine ter afirmado em algumas ocasiões, quando era presidente do Banco do Brasil, que o papel do banco público “não é dar lucro”, alimenta algumas dúvidas sobre se ele priorizará a saúde financeira da Petrobras em suas decisões.

.
[Politicamente, o importante é presidir a Petrobras com uma visão patriótica, nacionalista. O papel de uma estatal não é a ganância do lucro, o capitalismo selvagem, a prioridade de aumentar o preço do gás e da gasolina para enriquecer 1% da população mundial]

petrobras produção

Moral dos funcionários intacta

.
Por muito tempo, trabalhar para a Petrobras foi motivo de orgulho. Hoje, há funcionários que escondem símbolos da empresa ao sair de sua sede, no centro do Rio, para evitar comentários desagradáveis.
Há um desânimo entre técnicos que, aos olhos da sociedade, deixaram de ser parte de uma das empresas mais eficientes do país para serem funcionários de uma “máquina de desviar recursos”.
O novo presidente precisará reverter esse pessimismo para conseguir os melhores resultados dos quadros da estatal.

.
[Afirmativas mentirosas, de propaganda marrom.

A verdade verdadeira é que o orgulho de trabalhar na Petrobras jamais foi abalado. Os pretoleiros estão nas ruas do povo reivindicando a nacionalização e a estatização da Petrobras, livre, para todo o sempre, dos predadores internacionais.

A Federação Única dos Petroleiros lançou campanha nacional para assinatura do seu manifesto “Defender a Petrobras é defender o Brasil”, e declara seu apoio a Dilma e condena a conspiração golpista. Clique aqui  

Passeata no Rio de Janeiro
Passeata no Rio de Janeiro

Os comentários entre colchetes são do editor desde blogue, que preferiu responder propaganda com contrapropaganda. T.A.]

Cartazete publicado no portal da Federação Única dos Petroleiros
Cartazete publicado no portal da Federação Única dos Petroleiros