Os financistas do mundo e a eleição brasileira

Bruno Lima Rocha

 

O segundo turno das eleições brasileiras tem relação direta com: a projeção do país; a aliança estratégica do bloco político do Mercado Comum do Sul (MERCOSUL); o alinhamento do Brasil junto à globalização corporativa. A política externa de Lula e estendida por Dilma (com algumas correções no pragmatismo) é estruturalmente distinta do período de Fernando Henrique. Mudou o eixo e o foco. Em escala mundial, nosso país reforça as relações Sul-Sul, especificamente priorizando os investimentos em infra-estrutura e cadeias produtivas da América Latina e África. O Brasil hoje é um motor do capitalismo mundial. Quem ganhar na urna comandará a 7ª economia do mundo.

No hemisfério norte, o diário Financial Times (FT) já decretou a sentença. Em editorial de 27 de setembro de 2014, o jornal “econômico”, autêntico porta-voz do capital financeiro, anuncia a tragédia das potências emergentes. Aqui, a Carta Maior, portal a favor do governo de coalizão que opera como consciência crítica por esquerda, alertou. Segundo os financistas londrinos, à altura do The Economist (conhecido como The Propagandist), Brasil, assim como Turquia e África do Sul seriam países fadados ao fracasso. Como estaríamos em “crise”, não teríamos outra saída a não ser um arrocho pesado.

A mentira tenta se fazer concreta através da opinião publicada. Em cadeia, os capitais voláteis iriam correr para alimentar a superpotência, deixando à míngua o refinanciamento dos países do G-20. Os Estados Unidos repassam sua dívida pública pelo mundo e com isso financiam o complexo industrial-tecnológico-militar, torrando cerca de UsD 840 bilhões de dólares em 2015. Como não há orçamento capaz de dar conta desse absurdo, sendo que a produção industrial dentro do território dos EUA equivale a menos de 10% de seu Produto Interno Bruto (PIB), por períodos é necessário sugar os recursos financeiros mundiais.

Trata-se de um jogo de força. Se os capitais vão para os EUA, logo fugirão dos emergentes. Para manter os ganhos de bancos e especuladores, o alvo é tomar conta da autoridade monetária das economias que valem à pena serem disputadas. Os porta-vozes dos especuladores apontam suas baterias para o Brasil (líder latino-americano) e os pares do país, respectivamente, a maior economia africana (África do Sul) e do mundo islâmico (Turquia). O mundo observa um novo eixo econômico (através dos BRICS e os países líderes regionais), mas está distante de outra hegemonia financeira. Nesta disputa pelo controle da expansão capitalista, o papel do Brasil é central.

Outrora entusiasta do crescimento brasileiro, hoje o Financial Times é um dos arautos da tragédia que talvez venha, sendo que a antecipação de cenários já deforma o cenário em si. O Brasil é alvo da cobiça do capital financeiro
Outrora entusiasta do crescimento brasileiro, hoje o Financial Times é um dos arautos da tragédia que talvez venha, sendo que a antecipação de cenários já deforma o cenário em si. O Brasil é alvo da cobiça do capital financeiro

O segundo turno será uma colisão entre uma candidatura de centro-direita (o Lulismo e aliados oligárquicos) e um adversário neoliberal. Com Aécio, o país se alinha aos desígnios dos fundos de investimento, bancos privados, aplicadores em paraísos fiscais e outros agentes transnacionais. A Banca nunca perde. Embora prefiram os tucanos, mesmo que Dilma vença, os financistas internacionais vão querer garantir o núcleo duro da equipe econômica do vencedor.

===

Tradução para o espanhol aqui. O discurso do Brasil em crise é repetido por Aécio Neves.

Larvas devoram o rosto e a dignidade de idoso largado no Hospital Geral do Estado de Alagoas

QUATRO DIAS DE DESCASO MÉDICO

por David Soares

 

A cena é de lamentável desrespeito aos Direitos Humanos. E despertou  a inércia deste blog. O paciente José Amaro da Silva, que deu entrada no Hospital Geral do Estado (HGE) no fim da tarde da última quinta-feira (31), desde então, agoniza em uma maca da unidade de saúde administrada pelo governo de Teotonio Vilela Filho (PSDB).

O paciente tem câncer de boca e uma colônia de larvas de moscas se movimentam no ferimento exposto. Não resisti em publicar as fotos sem desfocar sua castigada face, porque a imagem já desfigurada serve para mostrar a realidade da saúde pública no interior e na capital do Estado de Alagoas e deve ajudar a sensibilizar os gestores da unidade de saúde pública que parecem não enxergar tal descaso.

CARA DOS GOVERNADORES TUCANOS. Larvas devoram a dignidade do paciente em corredor do HGE
CARA DOS GOVERNADORES TUCANOS.
Larvas devoram a dignidade do paciente em corredor do Hospital Geral do Estado de Alagoas

 

O paciente é proveniente de Jundiá. E, segundo o denunciante, deveria ter sido atendido por um profissional da odontologia, que chegou a examinar o idoso, mas não fez nenhum procedimento de retirada das larvas ou limpeza do ferimento. Em vez disso, encaminhou o caso para especialistas em cabeça e pescoço, que até as 7h da manhã deste sábado (02) ainda não haviam realizado nenhum procedimento. E apesar de sua situação de risco, sua ficha não foi marcada devidamente, no campo “classificação de risco”.

 

A NECESSIDADE DE MÉDICOS ESTRANGEIROS NAS CAPITAiS. Ficha médica do paciente, que deu entrada na quinta-feira
DA NECESSIDADE DE CONVOCAR MÉDICOS ESTRANGEIROS PARA AS CAPITAiS.
Ficha médica do paciente, que deu entrada na quinta-feira

 

As imagens foram feitas por um profissional de saúde indignado, que chegou a apelar para estagiários de odontologia para encaminhar o paciente para o setor cirúrgico e amenizar a dor do senhor José Amaro, que tenta chamar por socorro, mesmo sem conseguir ser entendido. Os estagiários disseram que precisariam de autorização do odontólogo, que teria dito que “já fez o que poderia fazer”, ao encaminhar o problema para quem ainda não resolveu.

A fala do denunciante, em tom de desabafo, reproduzo na íntegra abaixo:

Paciente com câncer de boca infestado por larvas de mosca- miiase..agonizando no Hge, nos corredores..
Visão do inferno aqui na terra
Alagoas, terra de ninguém
Chamem a polícia, a swat, o Bope , alguma milícia pra fazer algo
Sadam russeim, osama bim ladem!
As larvas estão se mexendo, comendo os tecidos vivos e o resto de dignidade q o paciente ainda tem
Ver isso e nao fazer nada é outro absurdo, outra covardia…
Daí lembrei d vc, com suas palavras e seu poder d comunicação na mao.
Veja o q vc pode fazer q Alagoas agradece.
Abraço!

Corrupto que investe na Folha retorno garantido

por Gilmar Crestani/ Ficha Corrida

 

indignados tucanos

Já não sei qual dos editorias é pior. Se aquele d’O Globo saudando a chegada da ditadura, se este da Folha defendendo a corrupção, desde que praticadas por tucanos. As próprias empresas, ALSTON e SIEMENS declararam e foram julgadas e condenadas em seus países de origem. No Brasil só há um tipo de corrupção que ocupa os grupos mafiomidiáticos e altas esferas do Poder Judiciário e do Ministério Público. Qualquer quadrilha, não sendo do PT, tem salvo conduto. Até parece que a condenação do PT se dê exclusivamente por ameaça ao monopólio. Estariam com medo de concorrência? Não é mero acaso que tenham se reunido, todos as cinco famiglias mafiomidiáticas, para criarem o Instituto Millenium, através do qual podem coordenar as ações e  serem a$$e$$orados pela CIA.

Crítica ao editorial da Folha de S.Paulo

Sugestão de Osvaldo Ferreira

Por fora dos trilhos

Editorial

Cartel delatado pela Siemens lança suspeita grave sobre governos tucanos em SP; PSDB acusa Cade de servir como instrumento político
As sucessivas administrações do PSDB em São Paulo, Estado governado pelo partido desde 1995, estão no epicentro de um escândalo milionário em torno do fornecimento de material ferroviário para linhas de metrô e de trens da CPTM.
O caso foi revelado nesta Folha. Reportagem de 14 de julho relatou a delação de um cartel por um de seus integrantes, a empresa alemã Siemens, ao Cade (agência federal antitruste) e ao Ministério Público, com os quais fizera acordo de imunidade em troca de colaboração.Não há ainda denúncia formal à Justiça. Por ora vieram à tona apenas documentos internos da Siemens que mencionam a combinação de resultados com as concorrentes Alstom (França), Bombardier (Canadá), CAF (Espanha), Mitsui (Japão) e outras empresas menos expressivas. Ao menos seis licitações teriam sido fraudadas.
Há que considerar a investigação com dupla cautela. Os detalhes ainda são nebulosos, mas o que transpirou até aqui indica um conluio entre fornecedores para repartir encomendas e elevar seus preços de 10% a 30%, sem provas de envolvimento das autoridades.

– Observação: Não cabe a um jornal em seu editorial afirmar que não há provas contra autoridades de um partido político ou governo. Cabe a um jornal que mereça receber o nome de jornal exigir das autoridades que abram as suas contas à cidadania, de modo que esta com o respaldo do Ministério Público e da Polícia Estadual e, se for o caso Federal, averiguem qual foi o grau de envolvimento das autoridades públicas na grave denúncia, afinal, não há corruptores sem corruptos. Esta cautela excessiva da Folha de São Paulo com o PSDB jamais, repito, JAMAIS é repetida diante de acusações contra o PT, quando manchetes são postas em letras garrafais, repercutidas durante vários dias ou meses e reputações são assassinadas. Depois há o arquivamento das denúncias e a Folha nem sequer se dá ao trabalho de dar satisfações aos seus leitores sobre isso.

Essa hipótese, nada implausível, aparece em “diários” de executivos da Siemens entregues ao Cade que sugerem um suposto aval ao esquema dos governos tucanos de Mário Covas (1995-2001), Geraldo Alckmin (2001-2006) e José Serra (2007-2010).
Uma nota oficial de Alckmin, atual governador, afirma que surgiram apenas “comunicações entre empresas privadas, sem participação de servidor público estadual”, e que será pedido ressarcimento aos cofres públicos.

Observação: Se o Governador não sabia, deveria saber. É sua obrigação. Se sabia e se aquietou prevaricou. Se sabia, se aquietou e continuou a manter contratos com essas empresas, é um corrupto protegido pela Folha de São Paulo. Como as obras e os serviços continuaram até hoje com pagamentos às empresas corruptoras, a defesa que este editorial safado faz do governo de São Paulo e do partido que está no poder, o PSDB, é simplesmente de dar ânsia de vômito!

Seu chefe da Casa Civil, Edson Aparecido, saiu em ataque contra o governo federal do PT, acusando o Cade de se tornar “instrumento de polícia política”. O ex-governador Serra agiu da mesma forma.
Já o secretário estadual de Transportes da administração Covas, Claudio de Senna Frederico, pronunciou-se em termos mais ambíguos. Ainda que negue ter tomado conhecimento do cartel, ele não o descarta. E afirma não se lembrar de “ter acontecido uma licitação de fato competitiva” no setor.

É uma declaração consternadora. Mesmo que o conluio sob investigação tenha permitido saltar a usual e custosa etapa de ações judiciais após licitações, seria excesso de pragmatismo –ou índice de coisa pior– tolerar o sobrepreço e o desperdício de recursos públicos sob esse pretexto.

Observação: Consternadora é a situação de milhões de pessoas que dependem do transporte público no Estado de São Paulo e na Capital e não a declaração clara e evidente de um ex Secretário Estadual de Transportes confirmando não se lembrar da eficácia de alguma licitação no setor. O jornal em seu editorial, suave, suave, fala em tolerar sobrepreço, como se tolos fôssemos (seus leitores assíduos com certeza devem ser) e não soubéssemos que sobrepreços como os praticados dão azo a apropriação privada de recursos públicos, vale dizer, bola e bola ao PSDB!

Ainda não há como concluir se houve um caso grave de conspiração privada contra o princípio da concorrência ou se foi ultrapassado também o limiar da corrupção pública. Que o Cade e o Ministério Público concluam com o máximo de firmeza e celeridade sua investigação, de modo a confirmar ou afastar de vez a suspeita que paira sobre os trilhos paulistas.

Observação: Interessante como este benefício da dúvida que este editorial concede ao PSDB, partido no governo de São Paulo há 20 anos não é extensivo ao PT no Governo Federal. Muito interessante. Já há declarações de repasses de pelo menos 7% do sobrepreço cobrado a dirigentes do PSDB em cargos no metrô e nas ferrovias paulistanas e essas declarações são das empresas corruptoras, notadamente da Siemens. Logo, este editorial comprova o cinismo, o partidarismo e o desserviço que a imprensa brasileira presta ao cidadão, ocultando o que já é de conhecimento público nas redes sociais e tratando agremiações partidárias de forma absolutamente diferenciada conforme suas conveniências econômicas e políticas. Uma vergonha absoluta e um editorial repulsivo pelo cinismo escancarado!

Crítica ao editorial da Folha de S.Paulo | Brasilianas.Org

BRA_OE corrupçãoBRA_FDSP corrupção licitações

GOVERNO DILMA ACREDITA EM GLOBO E GLOBOPE

Globo vende segundo o IBOPE e a Dilma compra. Ibope? Esse que acerta todas ? Isso vai dar confusão …

De cabo a rabo, rabo entre as pernas...

por Paulo Henrique Amorim

No programa “o eleitor morreu de rir do mensalão”, o Nirlando Beirão e o Mauricio Dias observaram que usar o julgamento do mensalão (o do PT) para desconstruir o PT foi um dos produtos derrotados neste domingo.

O outro derrotado foi o complexo Datafalha/Globope.

A dupla que previu o que a Folha chamou de “tríplice empate”.

Ou seja, o Datafalha e o Globope são o que sempre se soube: peça de marketing político, a ajudar o tucano mais próximo.

Acontece que o Globope desempenha outra função estratégica para o bem-estar da Elite.

O Globope é uma das pernas que sustentam a hegemonia da Rede Globo.

Elas são: o bônus por volume – o BV da Globo é a maior receita das 50 maiores agências de publicidade do Brasil; o Globope da audiência minuto a minuto; e a maciça publicidade das empresas estatais ou para estatais.

O Governo Dilma adora a Globo.

O Palácio deve ter parado nesta segunda-feira para ver o Tufão bater na Carminha.

Aí é que surge o problema.

A Globo vende ao Governo Dilma uma audiência “xis” e por ela cobra “y”.

Quem diz que a verba “y”, que sai do bolso do amigo navegante, de fato, atinge a audiência “xis”?

O Globope!

E se o Globope, ao medir a audiência na tevê, for tão inepto quanto é para prever resultado de eleição?

E se a Globo entregar menos do que vendeu?

Se a Globo faturar por uma audiência que não entrega?

Como é que fica a “transparência”?

Se o Supremo está preocupado com o falso “dinheiro público” da Visanet – clique aqui para ler o Mauricio Dias sobre “despublicização do dinheiro da Visanet” -, imagine se não ficaria com o dinheiro das empresas estatais e para-estatais do Governo Dilma?

Ou o Supremo não vai chegar nem perto do BV da Globo?

(Transcrevi trechos) Leia mais

Tucanos reconhecem que privatizações de FHC tiram votos

O presidente do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), acusou neste sábado a presidente Dilma Rousseff de utilizar a máquina pública para atacar os adversários.

Sem citar FHC, Dilma afirmou que o “antigo e questionável modelo de privatizações das ferrovias torrou o patrimônio público para pagar dívida e ainda terminou por gerar monopólios, privilégios, frete elevado e baixa eficiência”.

“A presidente Dilma se valeu da prerrogativa de convocar uma cadeia nacional de rádio e TV para atacar a política de privatizações adotada pelo governo tucano do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, como se seu governo não tivesse aderido à mesma tese para garantir a retomada do crescimento da economia brasileira e obras indispensáveis para a infraestrutura do país”, diz a nota de Sérgio Guerra.

O único trecho do discurso conservador de Dilma, que irritou os tucanos:

“Minhas amigas e meus amigos,

A redução do custo da energia elétrica não é a única importante decisão que estamos tomando para baixar o custo de produção e, por consequência, aumentar o emprego e diminuir o preço dos produtos brasileiros.

Também acabamos de assinar um conjunto de medidas que vai provocar, no médio e no longo prazo, uma verdadeira revolução no setor de transportes no nosso país.

Criamos a Empresa de Planejamento e Logística que, em parceria com a iniciativa privada, vai promover uma completa reformulação no setor de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos.

Além de restabelecer a capacidade de planejamento do sistema de transporte, o novo modelo vai promover a integração e acelerar a construção e modernização de ferrovias, rodovias, portos e aeroportos.

Para que vocês tenham uma ideia, vamos investir 133 bilhões de reais em rodovias e ferrovias. Isso significa ampliação e melhorias em 10 mil quilômetros de ferrovias e quase 8 mil quilômetros de rodovias.

Este plano significa, também, um novo tipo de parceria entre o poder público e a iniciativa privada, que trará benefícios para todos os setores da economia e para todo o povo brasileiro.

Ao contrário do antigo e questionável modelo de privatização de ferrovias, que torrou patrimônio público para pagar dívida, e ainda terminou por gerar monopólios, privilégios, frete elevado e baixa eficiência, o nosso sistema de concessão vai reforçar o poder regulador do Estado para garantir qualidade, acabar com os monopólios, e assegurar o mais baixo custo de frete possível”.

Fernando Henrique vendeu as privatizações como salvação da economia brasileira, e leiloou mais de 70 por cento das estatais brasileiras. Lula usou o eufemismo rodadas. Dilma, concessões. O entreguismo é o mesmo. Tal política, a troika está impondo aos países em crise do Mercado Comum Europeu: os endividados Portugal, Espanha, Grécia, Irlanda. Isto é, tudo que Fernando Henrique fez: ajuda aos bancos, privatizações, cortes no orçamento dos servicos essenciais, cassação dos direitos do trabalhador e dependência. Na Europa, o povo revoltado está nas ruas. Talvez o protesto brasileiro se manifeste nas urnas. Principalmente este ano. E em 2014.

Álvaro Días: Dilma Rousseff potencia a los gobernantes autoritarios

O periódico ABC Color, financiado pela Mossanto, destaca hoje:

Álvaro Días, líder de su partido PSDB en el Senado brasileño, exgobernador de Paraná, dice estar preocupado por la tendencia que tiene el gobierno de Dilma Rousseff de abroquelarse alrededor de gobernantes autoritarios. En esta entrevista, señala el caso concreto de Hugo Chávez, al que ayudó a ingresar al Mercosur por la ventana, previo marginamiento de Paraguay.

El influyente senador brasileño Álvaro Días califica de bravuconada la exclusión de Paraguay de Mercosur. / ABC Color.

–Para mí no hay ninguna duda. No se puede rechazar la legitimidad del proceso que culminó con la expulsión del presidente Lugo. Está basado en un conjunto de normas jurídicas vigentes en el Paraguay. La velocidad del rito utilizado por el Congreso está consagrada en la Constitución. El artículo 225 de la Constitución define el impeachment. El Parlamento define el rito para el juzgamiento, que puede ser más acelerado o no, de acuerdo a las circunstancias, y pueden ser más acelerados para evitar eventuales turbulencias políticas y sociales que podrían ocurrir. Determinar la forma de destituir a los presidentes por alguna conducta inapropiada en el ejercicio del gobierno es una voluntad soberana de los paraguayos. Mi partido, el PSDB es de respeto al nuevo Gobierno de Paraguay.