Falta água em quase todo Estado de São Paulo. Mágica de Alckim pela nova reeleição

Está na hora do gigante acordar. São Paulo é o maior pib do Brasil, e um estado rico em recursos hídricos.

Faltar água em São Paulo é sacanagem com o povo, muito descaso e desgoverno.

 

ACORDA SÃO PAULO! 

 

água alckmin

 

A maioria dos paulistanos enfrentou problema de falta d’água nos últimos 30 dias, aponta pesquisa Datafolha. O levantamento, divulgado na edição desta segunda-feira (20) do jornal “Folha de S.Paulo”, indica que 60% dos moradores da cidade de São Paulo ficaram com as torneiras secas no período.

A situação é pior para moradores de casas: 67% dos entrevistados disseram ter sofrido com a falta de água nos últimos 30 dias. Já quem vive em apartamentos teve menos dor de cabeça: 26% deles relataram o problema no mesmo período.

Os edifícios de luxo possuem outorga para poço tubular, também conhecido como poço artesiano. A outorga é concedida pelo Estado, para os amigos do rei, e os industriais da seca, que vendem água em caminhões-pipa, e em garrafas e garrafões plásticos. Aqui entram as fábricas de água, a maioria pertencentes a multinacionais.

No Brasil vende-se muito água de poço como água mineral. Também existem poços clandestinos. Tudo indica que o edifício residência de Geraldo Alckmin, um oásis de luxo, possui um poço tubular.

 

Condomínio onde Alckmin tem apartamento mantém 5 piscinas cheias, de acordo com o colunista Chico Felitti: http://uol.com/bjdYkY.
Condomínio onde Alckmin tem apartamento mantém 5 piscinas cheias, de acordo com o colunista Chico Felitti: http://uol.com/bjdYkY.

Vários moradores não usam a piscina coletiva. Os apartamentos de máximo luxo, de dois a três andares, possuem piscina particular.

 

Racionamento decretado em 54 municípios

 

Mais de 5o % dos moradores de São Paulo Capital culpam o governador Geraldo Alckmin pela seca em São Paulo. Este reconhecimento não existia antes do segundo turno, que a Imprensa escondia o racionamento.

Uma em cada cinco cidades do estado de São Paulo que não são abastecidas pela Sabesp já pratica racionamento de água, segundo levantamento feito pelo Bom Dia São Paulo. São 54 municípios nessa situação, de um total de 282 não abastecidas pela companhia.

Outras cinco cidades estudam começar um racionamento em até duas semanas e 12 admitem que falta água em alguns momentos devido à estiagem.

Veja lista das 54 cidades não atendidas pela Sabesp com racionamento já decretado:

Aguaí
Águas de Lindoia
Américo Brasiliense
Araras
Ariranha
Barretos
Batatais
Bauru
Bebedouro
Casa Branca
Cordeirópolis
Cosmópolis
Cravinhos
Cristais Paulista
Cruzeiro
Dobrada
Dois Córregos
Guaiçara
Guararapes
Guarulhos
Indaiatuba
Itápolis
Itapura
Itu
Jardinópolis
Mauá
Mirassolândia
Morro Agudo
Neves Paulista
Nova Odessa
Nuporanga
Paraíso
Patrocínio Paulista
Pereiras
Pitangueiras
Rio das Pedras
Saltinho
Salto
Santa Cruz das Palmeiras
Santa Fé do Sul
Santa Isabel
Santa Rita d’Oeste
São Joaquim da Barra
São José do Barreiro
São Pedro
Sorocaba
Taiúva
Tambaú
Uchoa
Urupês
Valinhos
Vargem Grande do Sul
Vera Cruz
Vinhedo

 

Alckmin embolsa 50% dos lucros da Sabesp e ainda reduz investimentos

 

por Conceição Lemes

na Região Metropolitana de São Paulo, a causa fundamental da crise da água é outra: a decisão política dos sucessivos governos tucanos de não investir em novos mananciais desde 1985, apesar dos estudos e alertas de especialistas.

Não foi por falta de dinheiro em caixa!

Em 2005, o Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (DAEE), por delegação da Agência Nacional de Águas (ANA),outorgou à Sabesp o uso da água reservada no Sistema Cantareira exclusivamente para fins de abastecimento público (veja o PS do Viomundo).

Pois bem, de 2005 a 2013, os lucros da Sabesp, em valores corrigidos, atingem R$ 13,7 bilhões.Seu patrimônio líquido, R$ 12,9 bilhões. O que significa rentabilidade média neste período (lucro frente ao patrimônio líquido) foi de 11,86%. Os dados são de balanços da própria empresa.

A Sabesp, portanto, é altamente lucrativa e poderia reaplicar os ganhos na ampliação dos serviços à população.

Rentabilidade da Sabesp

água-sabesp-1-001

 

Os lucros de 2005 a 2013 dariam para construir seis vezes o Sistema Produtor de Água São Lourenço, cujas obras tiveram início somente em 10 de abril deste ano.

São Lourenço irá ampliar a capacidade de abastecimento da Região Metropolitana de São Paulo. A obra ficará pronta apenas em 2019. O investimento total previsto é de R$ 2,21 bilhões.

Ou seja, se desde 2005 a Sabesp tivesse reinvestido parte dos lucros na construção do Sistema Produtor de Água São Lourenço, ele já estaria pronto e evitado a falta de água na Região Metropolitana de São Paulo, mesmo com a forte estiagem.

Mas há outro dado que demonstra que realmente o abastecimento de água não foi prioridade da Sabesp nos últimos anos: a diminuição de investimentos na tanto na Região Metropolitana quanto no interior paulista. Os dados também de balanços da empresa.

Sabesp: Investimento em água no Estado de São Paulo

agua-sabesp-2

 

Na Região Metropolitana, os investimentos caíram, em valores corrigidos, de R$ 721 milhões, em 2011, para R$ 652 milhões, em 2013. Queda de mais de 9%.

No interior, a diminuição foi de 21%. Em valores corrigidos, em 2011 foram investido R$ 572 milhões; em 2013, R$ 451 milhões.

Detalhe: dos valores investidos pela Sabesp em água em 2013, 30% foram bancados pelo governo federal, via bancos públicos.

De 2005 a 2013, o total investido em água pela Sabesp na Região Metropolitana de São Paulo atingiu R$ 5,1 bilhões. Média de R$ 575 milhões em valores corrigidos.

No mesmo período, no interior, a Sabesp investiu R$ 3,2 bilhões no interior. Média por ano de R$ 359 milhões e uma diferença de 60% a menos em relação à Região Metropolitana.

Daí as perguntas que todos devem estar fazendo: por que o governo Alckmin não exigiu que a Sabesp investisse em novos mananciais, já que estudos alertavam para essa necessidade?

Por duas simples razões: insensibilidade política e falta de planejamento a médio e longo prazos.

Para começar, foi Geraldo Alckmin, lá atrás, quem decidiu vender 49,74% das ações da Sabesp ao mercado.

O governo paulista deteve 50,26% do capital da empresa. Consequentemente, ficou com R$ 6,9 bilhões dos R$ 13,7 bilhões lucrados pela empresa 2005 a 2013. Aos acionistas privados couberam R$ 6,8 bilhões dos lucros.

Alckmin, talvez contando com a ajuda do céu, preferiu embolsar os lucros da Sabesp e engordar os bolsos dos acionistas do mercado a exigir a ampliação da captação de água. São Pedro resolveu não colaborar, fazendo aflorar o descaso e irresponsabilidade dos tucanos.

 

Adán Iglesias Toledo
Adán Iglesias Toledo

Leia também:

Sabesp entope as torneiras de propaganda dizendo que falta d’água é planetária

Alckmin tira o corpo fora. A propaganda tucana convida o povo para que se torne “guardião das águas” e economize.

Seria uma “versão líquida” daqueles fiscais que o ex-presidente José Sarney convocou para monitorar o preço da carne no pasto, nos tempos da inflação descontrolada.

 

Tambores de água e banho de canequinha voltam à cena em SP

A represa Jaguari, localizada na divisa de Minas Gerais, reservatório escolhido por Alckmin para a solenidade de bombeamento do volume morto.

O cenário presenciado é caótico. A represa está praticamente seca. A água só pode ser vista em pontos isolados da região.

Para se ter uma ideia da gravidade da situação, vários moradores para encurtar o trajeto entre os bairros, optam por caminhar dentro do que antes foi o leito da represa Jaguari, uma das duas principais reservas hídricas da Cantareira, o mais importante sistema de abastecimento de água da Sabesp.

Vestígios de casas de um antigo vilarejo, que foi inundado pelas águas quando a represa foi construída, também podem ser vistos no que já foi o fundo do reservatório. Piers que serviam de ancoradouro para os barcos dos moradores dos condomínios de luxo que existem à beira da represa despencam por falta de água.

Viúva, Maria de Lurdes enfrenta a falta de água com a filha, o genro e o neto, de 13 anos, mas considera ainda mais grave o caso de famílias que têm filhos pequenos. “Pra quem tem criança a situação é ainda pior. A gente pode juntar e lavar uma vez por semana, mas quem tem criança pequena faz o quê?” questiona.

Esse é o caso professora de educação infantil Gislaine Ferreira, 35 anos. Mãe de um adolescente de 16 anos e uma menina de um ano e cinco meses, ela ressalta que passa o dia todo fora de casa e que no horário em que retorna não tem água nas torneiras para executar as tarefas do lar. “A gente trabalha o dia todo fora, meu tempo disponível pra fazer as coisas em casa é à noite, mas não posso, porque não tem água. Aí fica complicado.”

“Para onde vai tanto dinheiro”, pergunta, ao se referir à falta de investimentos para evitar o racionamento de água. “Quem tá no comando não vai fazer nada? Vai ficar assistindo? No Palácio dos Bandeirantes não falta água, lá é tudo bem limpinho”, critica.

O aposentado Zélio Pinheiro, de 75 anos, morador às margens da represa Jaguari, também conta que nunca passou por um problema parecido. “Nunca vi uma coisa assim na minha vida. A gente fica preocupado com a água sumindo. Como é que a gente vai ficar?”, pergunta apreensivo.

Mas não só os mais idosos que se preocupam com a falta de água. Os estudantes universitários Caio Custódio, de 18 anos, e sua namorada, Ana Carolina Poleti, de 19 anos, tiraram a tarde do último sábado, 17, para fazer uma visita ao que já foi uma imponente represa. “Antigamente, a gente vinha com os pais aqui, para pescar. Hoje é triste voltar… Nossa… como tá seca”, afirma surpreso. Leia outros testemunhais. E veja vídeo

 Represa Jaguari
Represa Jaguari

 

“Os Marinho preconizam para a Petrobras e Brasil o que Sabesp fez em SP”

A Sabesp, em São Paulo, conforme mostram reportagens do Viomundo e de Carta Maior, fez exatamente o que os Marinhos preconizam para a Petrobrás e para o Brasil.

Afastou o interesse público do comando estratégico da gestão.

Em vez de investir, tucanos distribuíram nos últimos anos cerca de R$ 500 milhões, em média, aos acionistas da empresa.

Sobrou para a sociedade o volume morto da Cantareira.

A partir deste domingo, as torneiras de milhões de residências estarão gotejando neoliberalismo líquido.

A sociedade que emergiu das conquistas sociais e econômicas acumuladas a partir de 2002 não cabe nos limites estreitos que essa lógica oferece.

Dito de outra forma.

A coexistência de um Brasil urgente, disposto a comandar seu próprio destino, é imiscível com a estrutura de riqueza e comunicação simbolicamente condensada no caricato papel que a família Marinho e seus negócios protagonizam no país.

Seu poder desmedido para manipular conflitos, desqualificar projetos e usufruir privilégios distorce e constrange as vozes que precisam ser ouvidas nesse Rubicão da nossa história.

A travessia só se completará de forma emancipadora se o campo progressista souber erguer linhas de passagem feitas de reformas, prazos e metas críveis aos olhos da população.

Trata-se de estender o horizonte da sociedade para além do volume morto, ao qual os campeões da Forbes gostariam de circunscrevê-la. Leia mais. Entenda porque os barões da mídia defendem o Retrocesso. 

Os irmãos Marinho de braços cruzados para a falta de água em São Paulo. O racionamento escondido para eleger Alckmin e Aécio
Os irmãos Marinho de braços cruzados para a falta de água em São Paulo. O racionamento escondido para eleger Alckmin e Aécio

 

As águas e os tucanos: Sabesp segue Sanepar e privilegia acionistas

Para o geólogo e deputado estadual Adriano Diogo (PT-SP), líder da minoria (PT – PSOL – PCdoB) na Assembleia Legislativa de São Paulo, a lógica do lucro na Sabesp é anterior à década de 90, e remonta à época da ditadura militar. “Vem desde o Maluf, mas os tucanos intensificaram a mercantilização da água ao abrir o capital da Sabesp em Bolsa. Isso agudizou o problema, porque os acionistas não querem abrir mão do lucro para se fazer os investimentos necessários, por exemplo, na ampliação dos mananciais.”

Apesar de não ter sido privatizada nos moldes tradicionais, na prática a Sabesp deixou de ser pública. Em 2000, a companhia teve inclusive seu capital acionário aberto na Bolsa de Nova York. “Com a abertura do capital, a companhia deixou de ser uma empresa de saúde pública e virou um balcão de negócios. Só se preocupa com o lucro dos acionistas, que estão muito satisfeitos”, afirma o professor Julio.

Com faturamento anual na casa dos R$ 10 bilhões e lucro líquido em torno de R$ 2 bilhões, a Sabesp tem repassado anualmente a seus acionistas aproximadamente R$ 500 milhões. “Os acionistas estão dando risada, enquanto os usuários choram”, ironiza o professor, ao se referir à falta de água que atinge os moradores da região metropolitana de São Paulo.

O professor conta que dez anos após o capital da companhia ter sido aberto na Bolsa de Nova York, a Sabesp foi premiada nos Estados Unidos por ser a empresa que mais se valorizou no período. “Sucesso financeiro e fracasso completo em saúde pública…”, sentencia.

Lucro X Investimento

Para ele, a abertura das ações na Bolsa de Nova York é um dos principais motivos da falta de investimento na ampliação dos mananciais para o abastecimento de água da população de São Paulo. “Não investe porque só quer ter lucro para repassar aos acionistas. Estar na Bolsa de Nova York é sintomático. A Sabesp entrou na lógica do lucro, deixou de se preocupar com água e saneamento básico, para se preocupar com seus acionistas.”

O deputado petista destaca que o comportamento da Sabesp é diametralmente oposto ao da Petrobras, que também tem ações em Bolsa, mas não abriu mão de investir. “A Petrobras não deixou de fazer os investimentos necessários, tanto é que descobriu o pré-sal”, alfineta. Adriano Diogo também é critico em relação ao valor da tarifa cobrada dos usuários pela Sabesp. “É uma das contas de água mais caras do mundo. Isso é para dar lucro para os acionistas.”

Para o ex-governador do Paraná, senador Roberto Requião (PMDB-PR), “o aumento da tarifa e a fantástica distribuição dos lucros nas bolsas” são consequências da privatização do interesse público. “O objetivo não é mais o saneamento básico e a purificação da água, mas dar lucro aos acionistas. Transformaram a água numa commodity [mercadoria]”, critica.

Requião afirma que o resultado de uma empresa de água deve ser medido pelo serviço que presta à população e não pelo lucro que gera a seus acionistas. Ele teme que seus adversários também abram o capital acionário da Sanepar, a companhia de água e saneamento do Paraná, em Bolsa. Parte dela já havia sido vendida por seu antecessor.

“Empresa de água tem de ser pública. Quando saí do governo, deixei em caixa na Sanepar R$ 1 bilhão. O Beto Richa (atual governador do Estado) chegou e aumentou a participação (dos acionistas) de 25% para 50% e passou a não fazer mais investimentos. O Estado não tem de tirar dinheiro da empresa, tem de reinvestir.”

O governador Beto Richa, do Paraná, é do mesmo partido de Geraldo Alckmin, seu colega paulista: PSDB.

Represa da Cantareira
Represa da Cantareira

 

Dilma: “Fizemos lá (no Nordeste) o que o Alckmin não fez em SP”

No Nordeste, até o final do mandato Dilma deverá entregar 750 mil cisternas como parte do programa Água para Todos.

Segundo a presidente Dilma Rousseff, além de garantir o abastecimento de milhões de pessoas as cisternas reduziram a corrupção, ao eliminar os carros-pipa que eram usados por autoridades para conquistar eleitores. De acordo com Dilma, os carros-pipa que hoje fazem o serviço em casos de emergência são do Exército.

750 mil cisternas no Nordeste

 

 

 

Tá chegando a hora da salvação do Nordeste

BRA_OPOVO chuva esperança

Todo o Nordeste depende da chuva. Chuva é vida. No livro Sertões de Dentro e de Fora, escrevi:

XOTE

Chuva é bem
que dura pouco
é ouro
é prata
que corre
para o mar

Quando a chuva
vai embora
seca o rio
seca o chão
seca o verde
de repente
seca tudo
no sertão

 Siham Zebiri
Siham Zebiri

Exclusivamente os industriais da seca permanecem contra a Transposição do Rio São Francisco, que tem o profético nome de Rio da Redenção.

BRA_OPOVO chuva seca

Com a transposição, vamos ter rios e açudes cheios o ano inteiro. E água no imenso de-sertão. Em lugares nunca sonhados.

 Miguel Villalba Sánchez
Miguel Villalba Sánchez

Açudes

O projeto de integração – maior obra de infraestrutura hídrica do Brasil e uma das 50 maiores do mundo – construído em dois eixos (Norte e Leste) para atender um maior número de municípios, propiciando, assim, melhor distribuição de água para o Norte e o Nordeste brasileiro.

Por meio do Eixo Norte, a água será levada para os rios Brígida (PE), Salgado (CE), do Peixe e Piranhas-Açu (PB e RN) e Apodi (RN), garantindo o fornecimento para os açudes Chapéu (PE), Entremontes (PE), Castanhão (CE), Engenheiro Ávidos (PB), Pau dos Ferros (RN), Santa Cruz (RN) e Armando Ribeiro Gonçalves (RN).

Já o Eixo Leste, levará agua para os reservatórios de Areias (PE), Barro Branco (PE) e Poções (PB) e abasteceráos açudes Poço da Cruz, em Pernambuco, e o Rio Paraíba, responsável pela manutenção dos níveis do açude Epitácio Pessoa (PE), também conhecido como Boqueirão. Além disto, está previsto atender as bacias do Pajeú, do Moxotó e do rio Ipojuca, na região agreste de Pernambuco.

tunel

 

tunel 2

tunel 3

tunel 4

tunel dentro

52,2% das obras já foram executadas. Estão em construção, no Eixo Norte com 260 km de extensão, 3 estações de bombeamento, 9 aquedutos, 3 túneis e 17 reservatórios de pequeno porte. Já no Eixo Leste, com 217 km de comprimento, 6 estações de bombeamento, 4 aquedutos, 1 túnel e 14 reservatórios.

O Projeto de Integração do Rio São Francisco faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Federal. Orçado em R$ 8,2 bilhões, o empreendimento prevê recursos de quase R$ 1 bilhão para programas básicos ambientais, o que representa cerca de 11,8% do investimento total. Trata-se do mais significativo volume de investimentos nas questões socioambientais e arqueológicas do semiárido setentrional.

Tais investimentos estão proporcionando conhecimentos aprofundados do bioma caatinga, não só no que se refere à fauna e à flora, mas também em diversos aspectos econômico-sociais, arqueológicos e na melhoria de condições de vida de comunidades indígenas e quilombolas, existentes na área de impacto do projeto.

agua cachoeira

finalmente água

agua 1

água até o fim do mundo

Transposição do São Francisco

Rio da Integração

São Francisco
BRA_OPOVO seca CearáBRA^MG_EDM seca MG
A maior obra hídrica da América Latina, que vai levar água para 12 milhões de nordestinos, teve hoje o último contrato (da chamada Meta 3Norte) assinado. Agora, 100% das frentes de serviço do Projeto de Integração do Rio São Francisco estarão remobilizadas em muito breve.

As atividades do empreendimento que estavam suspensas passando por Mauriti, no Ceará, e em São José de Piranhas, na Paraíba, serão retomadas. A proposta, no valor de R$ 587,5 milhões, apresentada pela empresa Queiróz Galvão SA foi vencedora da licitação. Com a assinatura deste contrato, todas as frentes de serviço da maior obra de infraestrutura do país estarão em atividade.

Atualmente, o Projeto de Integração do Rio São Francisco já emprega 6,3 mil funcionários. Sendo que mais de 2,3 mil postos de trabalho foram criados neste ano de 2013. O empreendimento conta ainda com 1,8 mil máquinas e quatro trechos da obra que atuam 24 horas por dia: Salgueiro (PE), Cabrobó (PE), São José de Piranhas (PB) e Jati (CE).

#IntegraçãoSãoFrancisco #Pernambuco #Ceará #Paraíba #RioGrandedoNorte

Fonte José Truda Jr.

BRA^MA_OEDM seca Maranhão

OS RIOS DE FOGO

por Talis Andrade

Oito rios correm pela terra
Quatro conduzem as almas
ao inferno
Quatro rios de fogo
o Cete
o Cocito
o Aqueronte
o Flegetonte
Os quatro rios
em que serão derramadas
as setes taças da ira divina

Nas ondas agitadas ferventes do Aqueronte
o atazanamento dos industriais da morte
que negam o alívio a cura os medicamentos
para as epidemias do Terceiro Mundo
doença de chagas malária dengue
filariose tuberculose esquistossomose
leptospirose leishmaniose
cólera tifo antraz

Nas ondas ardentes do Flegetonte o flagelo
eterno para os industriais da seca
que matam de fome e sede
os retirantes do Sertão
Nas ondas ardentes do Flegetonte
as queimaduras que supliciarão os governantes
que roubam o leite das crianças
esvaziam os celeiros de trigo
os fundos de pensão

No rio Cocito o padecer
pelo fogo e pelo enxofre
dos televisivos falsos profetas
vendedores de milagres
mercadores de indulgências
No rio Cocito as lamentações
dos vendedores de ilusões
os ditadores os demagogos os políticos
mercadores da esperança

No Lete arremessados os demônios
os que ordenam os genocídios
os que anunciam a morte de Deus
No rio Lete o infinito tormento
dos que fabricam os armamentos atômicos

Ilustração Siham Zebiri
Ilustração Siham Zebiri

Dona Maria: “O que mais dói é a Fome. Fome. Fome. Fome, meu filho! E a falta de água” (veja vídeo) Este o Brasil que a Copa esconde

por Ian Junior

Maria de Nazaré (nome da mãe de Jesus)
Maria de Nazaré (nome da mãe de Jesus)

O Brasil Hoje vive em meio à miséria, à fome e ao desprezo das pessoas. O País em que só visa o Luxo e não olham as pessoas carentes, pessoas que realmente precisam do dinheiro em que é gasto nos Estádios de Futebol, em Obras do Governo Federal para a Copa do Mundo.

O Brasil é um Pais em que poderia ser umas das maiores potencias do Mundo, se não houvesse tanta corrupção, tanto político que entra no governo apenas para beneficiar a se próprio, corruptos que prometem e não cumprem o que dizem, verdadeiros Bandidos, e por causa deles é que muitas famílias e pessoas sofrem com a fome, sofrem em meio a miséria, a falta de Educação, de saúde, pessoas que não tem nada para comer no dia-a-dia, pessoas que não tem como sustentar suas famílias. Muita gente trabalhando em lixões para tentar dar algo e trazer algo para sua casa.

O Nordeste que passa por uma grande seca no momento e que não vem quase nenhum recurso financeiro para ajuda, se vem é muito pouco. Imagine só, se todo esse dinheiro investido na Copa, fosse investido na Seca, ou na Transposição do Rio São Francisco, que faz muitos anos que está parado, ai sim seria melhor e ajudaria muitas famílias que sofrem com a Seca. Mais infelizmente parece que não passa de uma obra “Fuleira”, esquecida e que não estão nem ai.

 Paradas obras da transposição do Rio São Francisco
Paradas obras da transposição do Rio São Francisco

Tiramos por fato a vida da Dona Maria Nazaré, uma mulher que vive em meio à fome, que se quer tem água em sua casa para tomar um banho.

Iai? Será que precisamos mesmo de uma Copa do Mundo? Fica a pergunta no ar…

(Transcrito do Folha do Sertão)

Veja para onde irá a água do rio São Francisco após a conclusão da transposição

ÓRFÃOS DA SECA

por Mauri König

1 seca

Em Salgueiro (PE), água bombeada do reservatório passará 180 metros acima do leito do São Francisco e dali a força da gravidade vai distribuí-la para 4 estados. Alexandre Mazzo
Em Salgueiro (PE), água bombeada do reservatório passará 180 metros acima do leito do São Francisco e dali a força da gravidade vai distribuí-la para 4 estados. Alexandre Mazzo

A RESPONSABILIDADE DO VELHO CHICO

Metade da transposição do rio São Francisco está pronta, para socorrer os flagelados da seca. Vozes contrárias acham o projeto inócuo

Esvaído em seu leito minguado, ao Velho Chico caberá uma responsabilidade maior do que as riquezas dele subtraídas. A mata ciliar escasseou, os minerais sumiram, os peixes desapareceram, e ainda assim as águas amansadas pelo assoreamento terão a missão de aplacar a sede no sertão nordestino. A transposição do rio São Francisco, que transpôs governos desde d. Pedro II, há século e meio, tem conclusão prevista para 2015. É o grande orgulho do governo brasileiro no combate às secas que assolam o semiárido, mas há quem diga ser uma sangria desnecessária do Velho Chico.

INFOGRÁFICO: Veja para onde irá a água do rio São Francisco após a conclusão da transposição

FOTOS: Confira mais imagens das obras da transposição

Maior obra de infraestrutura em andamento no Brasil, a transposição se arrasta há cinco anos. Deveria ter sido concluída em 2012, mas só 45% estão prontos, em trechos que não se conectam. Em alguns deles as obras estão paradas. O projeto começou orçado em R$ 4,7 bilhões e está em R$ 8,2 bilhões. O Tribunal de Contas da União encontrou R$ 734 milhões em irregularidades. O rio corta o sertão de Minas Gerais a Alagoas, e, concluída a transposição, 600 quilômetros em canais de concreto vão levar a água para quatro estados, passando pelas regiões mais secas do Brasil.

Discrepâncias

Responsável pela transposição, o Ministério da Integração Nacional diz ter havido muita discrepância entre o projeto básico, concluído em 2001, e o projeto executivo realizado em campo. Não houve revisão ou atualização no início das obras, em 2007. Ao mesmo tempo, houve falhas no estudo geológico. Daria para ter desviado pedreiras, que encarecem a obra, ou ter evitado determinadas escavações em terreno macio, como no caso do desabamento de um túnel de 120 metros em abril de 2011. Para o ministério, esses contratempos retardaram e encareceram a obra.

Um dos pontos mais adiantados do projeto fica em Salgueiro, Pernambuco, onde está sendo construído um grande reservatório de onde a água será bombeada para o ponto mais alto da transposição. A água passará 180 metros acima do leito do São Francisco e dali para frente a força da gravidade vai fazê-la percorrer mais de 100 quilômetros, distribuindo-a por canais de concreto em dois grandes eixos (norte e leste) ao longo do território de Pernambuco, Paraíba, Ceará e Rio Grande do Norte. Ao longo do caminho, o projeto prevê a construção de nove estações de bombeamento de água.

A polêmica nasceu junto com a ideia da transposição. Para grupos contrários, o desvio das águas põe o rio em perigo, não resolve o problema da seca e só beneficiará o grande capital, em especial os carcinicultores (criadores de camarão), industriais e empreiteiras. O professor de recursos hídricos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, João Abner Guimarães Júnior, considera um erro apostar num programa de desenvolvimento regional a partir da transposição do São Francisco. “É um programa inócuo”, avalia Abner, doutor em hidráulica e saneamento pela Universidade de São Paulo.

Primeiro, a transposição terá alcance restrito, a área de influência chega a apenas 5% do semiárido. Segundo, na prática a obra só irá transferir estoques de água do rio para grandes reservatórios já abastecidos. Para o agrônomo e pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco João Suassuna, grandes obras não darão cabo do sofrimento imposto pela estiagem. O problema não é a falta de água, mas a má distribuição.

O governo entre obras e ações emergenciais

Além do projeto de transposição do rio São Francisco, que ambiciona levar água para 12 milhões de pessoas em quatro estados do Nordeste, o governo federal, junto com os governos estaduais, financia centenas de empreendimentos que buscam gerar soluções para a falta de água na região do semiárido. Serão R$ 26 bilhões pelo Programa de Aceleração do Crescimento, o PAC 2. As obras de infraestrutura hídrica para expandir a oferta de água no semiárido incluem barragens, adutoras e canais. A meta até 2015 é ampliar a capacidade de armazenagem de água em 7 bilhões de metros cúbicos com novas barragens.

Até a conclusão das obras estruturais, o governo investe em ações emergenciais. Desde janeiro de 2012, destinou R$ 563 milhões para a Operação Carro-Pipa. Sob a coordenação do Exército, foram contratados 4.649 carros-pipa para levar água a mais de 3,5 milhões de pessoas em 763 municípios. Além disso, para a garantia de abastecimento imediato em regiões comprometidas pela seca, o governo federal autorizou um incremento de R$ 202 milhões para contratar 30% a mais de carros-pipa, totalizando 6.170 veículos. O recurso é liberado mediante solicitação dos estados.

Até dezembro do ano que vem, o governo vai instalar 750 mil cisternas para consumo no semiárido. Serão entregues 130 mil até julho deste ano e 240 mil até dezembro. As demais 750 mil serão entregues até dezembro de 2014. Serão instaladas, ainda, 91 mil cisternas para produção.

O Serviço Geológico do Brasil investirá R$ 40 milhões do Ministério da Integração Nacional na perfuração de 20 novos poços profundos de grande vazão. A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba e o Departamento Nacional de Obras contra as Secas investirão R$ 93,3 milhões na perfuração de 1,1 mil novos poços e na recuperação de 1,4 mil outros. Além disso, o Exército investirá R$ 75 milhões na aquisição de equipamentos para perfuração de 30 poços por mês.

Desigualdade
Água existe, mas falta política de distribuição para quem precisa

O problema não é a falta de água, mas a má distribuição. Não serão grandes obras que darão cabo do sofrimento imposto pela seca, diz o agrônomo e pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco João Suassuna. As 70 mil represas existentes no Nordeste acumulam 10 bilhões de metros cúbicos de água, com capacidade para represar 37 bilhões, o maior volume de água represada em regime semiárido do mundo. “Mas não existe uma política para captar essa água e levar para quem precisa”, observa o pesquisador.

Suassuna é contra a transposição do São Francisco porque ela foi “vendida” como a obra que vai resolver o problema da seca no Nordeste. A água chegará aonde já existe em abundância. “A população no entorno dessas represas vai continuar passando sede e sendo abastecida por caminhões-pipa mesmo depois da transposição”, avalia. Somando-se o Norte de Minas Gerais, apenas 2% do território atingido pelas secas são passíveis de irrigação. O problema é o que fazer com os 98% restantes.

Para o pesquisador, o que está claro é que a transposição vai abastecer as represas, vai abastecer o grande capital. Não está claro como a água vai chegar à população, que continuará sendo atendida por caminhões-pipa. “É aí que está a verdadeira ‘indústria da seca’”, pondera Suassuna. Em 1994, durante congresso da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), hidrólogos reunidos em Recife alertavam para a necessidade de uma melhor distribuição da água no semiárido. “Todos os alertas já foram feitos”, diz o agrônomo.

Socorro
Agricultores atingidos pela seca terão suas dívidas renegociadas

A presidente Dilma Rousseff anunciou em abril novas medidas para apoio a produtores rurais afetados pela estiagem no semiárido brasileiro. Os investimentos totalizam R$ 9 bilhões. Somados aos R$ 7,6 bilhões já aplicados em ações estruturantes e emergenciais de enfrentamento à seca, o governo federal está investindo R$ 16,6 bilhões em medidas para mitigar os efeitos da estiagem. Uma das principais ações diz respeito à renegociação da dívida dos agricultores afetados pela seca.

Outra medida anunciada é a manutenção dos programas Garantia-Safra e Bolsa Estiagem enquanto durar o período da seca. Serão incorporados um total de 361.586 novos beneficiários ao Bolsa Estiagem, que beneficia atualmente 880 mil agricultores em 1.311 municípios. Da mesma forma, o Garantia-Safra atende hoje 769 mil agricultores em 1.015 cidades.

Estiagem castiga o interior da Paraíba

por Valéria Sinésio

BRA_JP seca Paraíba

 

 

“O sertanejo é, antes de tudo, um forte”. Foi com essa frase que Euclides da Cunha classificou o homem do campo quando escreveu a obra “Os Sertões”, em 1902. Mais de um século depois, o sertanejo continua forte na luta pela sobrevivência diante da seca que assola a Região Nordeste desde o ano passado e deixa marcas de destruição por onde passa. O cenário desolador da estiagem na Paraíba será mostrado a partir de hoje em uma série de reportagens.

Para conhecer de perto as consequências da estiagem no interior do Estado, o JORNAL DA PARAÍBA percorreu 1,5 mil quilômetros e visitou oito cidades no Sertão e no Cariri durante três dias. Em cada lugar foi possível encontrar histórias emocionantes de paraibanos que perderam tudo o que foi construído ao longo da vida por conta da falta de chuvas. São histórias que misturam dor e sofrimento, mas que ao mesmo tempo revelam a bravura do homem do campo. Nessa luta desigual, o sertanejo perde tudo, menos a esperança de dias melhores.

A estiagem no Semiárido secou barragens, açudes e rios, acabou com lavouras e matou o rebanho. Para o homem do campo, pouco restou diante dessa realidade. A Federação da Agricultura e Pecuária da Paraíba (Faepa) estima que já houve redução de 50% do rebanho, levando em conta as mortes e a venda precoce dos animais. A falta de crédito para recuperação e manutenção, segundo a Faepa, agrava ainda mais a situação.

Esta seca já é considerada a pior dos últimos 50 anos por técnicos de órgãos ligados à agricultura, pecuária, economia e meteorologia, além de historiadores. A falta de água e alimentos vem dizimando o rebanho em vários municípios paraibanos. A carcaça do gado sendo atacada por urubus às margens das estradas é um sinal de que a situação é grave no interior. Em muitas cidades, a reportagem encontrou cemitérios clandestinos a céu aberto, como em Pedra Branca, São José de Piranhas, Monteiro, Zabelê e Sousa. Para evitar mais mortes, o Governo estadual distribuiu variedades de palma forrageira, resistentes à cochonilha.

Mas não foi só o rebanho que sofreu com fome e sede. A realidade da seca na Paraíba consegue ser ainda mais cruel.

Na zona rural do município de Pedra Branca, por exemplo, uma família teve que matar um tamanduá para comer assado no almoço. O desespero tinha um motivo fácil de ser entendido: a carne do animal era a única alternativa à mesa da família composta por cinco pessoas.

No Alto Sertão da Paraíba, como em São José de Piranhas, a 500 quilômetros de João Pessoa, a fome e a sede assombraram a vida de dezenas de famílias, como a do aposentado José Bento da Silva, 67 anos. Segundo ele, faltou água até para beber. “A gente só não morreu de sede porque meu genro foi comprar água em garrafa de refrigerante em Cajazeiras, mas nem todo dia eu tinha dinheiro para isso”, contou.

Na zona rural de Aparecida, a população teve que tomar água esverdeada e barrenta, intragável em condições normais de vida, mas essencial para quem luta contra a sede.

Em Patos, moradores do sítio Retiro também foram castigados pela seca e tiveram que tomar a água suja do açude Jatobá.

Esse problema se repete em outras cidades da Paraíba, onde a população clama por providências e padece diante da estiagem.

 

A SECA CONTINUA

 

por Maria Lívia Cunha
Considerada a pior dos últimos 50 anos, a seca que atinge o Nordeste já provocou, pelo menos, R$ 3,5 bilhões em perdas diretas nas lavouras da região. O número faz parte de um balanço organizado pelo economista-chefe do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em Natal, Aldemir Freire, com base na produção das principais lavouras nordestinas de 2012 e do ano anterior.

Para se ter uma ideia do impacto desta estimativa, o montante calculado é quase a metade do valor total da obra de Transposição do Rio São Francisco – a mais importante da região e que está orçada em R$ 8,2 bilhões. Segundo o levantamento, as safras nordestinas que mais deram prejuízo foram a do feijão (-68,46%), da castanha de caju (-66,52%) e a do arroz (-39,37%).

“A grande questão é que a seca continua porque as chuvas que tivemos foram escassas e insuficientes. O primeiro semestre ainda conta com o alívio das chuvas, mas no segundo deveremos ter um problema agudo na região. Deveremos ter uma nova perda de safra, os rebanhos passarão por mais dificuldades – inclusive porque o milho doado pelo governo federal não chega com facilidade para alimentá-los – e a pior repercussão é que o abastecimento urbano de água começa a ser prejudicado”, alertou.

No Nordeste, a Paraíba tem a segunda maior taxa de municípios em situação de emergência. O percentual paraibano (89,23%) perde apenas para o do Ceará (96,19%) e, hoje, dos 223 municípios do Estado, 195 fazem parte da lista da seca.

Aqui, a estiagem vem derrubando a economia aos poucos. O saldo de empregos no campo sofreu uma grande queda chegando ao menor nível dos últimos dez anos. A exportação de produtos, a exemplo do mel, caiu pela metade, e a seca elevou, em muitas centenas de reais, a dívida do produtor rural.

 

CONSEQUÊNCIAS PODEM DURAR ANOS

O pesquisador Pedro Gama, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), disse que as consequências da seca podem perdurar por muito tempo depois, pois após o período da seca chegará a vez dos agricultores e criadores tentarem recuperar o que foi perdido, o que nem sempre é possível. “Isso geralmente leva anos. Ninguém consegue repor o rebanho de um mês para o outro”, afirmou o pesquisador.

No Semiárido nordestino, conforme Gama, a produção de leite foi reduzida a 1/3 do que era obtido antes, o que representa uma queda brusca na renda de centenas de famílias. Houve redução também no efetivo bovino. “Isso se deu não apenas pela morte dos animais, como também pelo abate”, explicou.

“Podemos dizer que houve uma sangria muito forte desse rebanho”, completou. Segundo ele, a categoria mais afetada foi a de bovinos, seguida dos ovinos e, em menor proporção, a de caprinos.

O pesquisador também apontou a morte das pastagens como outro problema sério, que leva tempo para ser recuperado. “Em muitos campos a pastagem precisa ser completamente reimplantada”, disse. “As consequências da seca variam dependendo de quem a observa. O meteorologista e o homem do campo têm conceitos distintos sobre a estiagem, porque cada qual a analisa conforme sua realidade”, explicou.

De acordo com Gama, o grande problema da seca no Nordeste é a falta de investimento permanente. “Se o Nordeste tivesse programas consistentes de convivência com a seca, o impacto não seria tão forte. Seria preciso a implantação de programas de apoio a atividades produtivas, a exemplo da agricultura irrigada, que de certa forma apresentou êxito”, comentou.

Iniciativas como o Bolsa Família e abastecimento por carros-pipa são, segundo o pesquisador, medidas emergenciais que não resolvem, apenas amenizam a situação das famílias que sentem os efeitos da seca. “Também é necessário o investimento hídrico e novas pesquisas para buscar novas alternativas econômicas”, considerou. “O mais indicado seria uma combinação de fatores, e não medidas isoladas”, disse. (Valéria Sinésio)