O pai de Marina tem vida de favelado em um alagado do Rio Branco no Acre. Irmã da evangélica presidenciável: “Ela não está fazendo pelo pai. Vai fazer por alguém?”

Art.230 da Constituição Federal – “A Família, a sociedade e o Estado têm o dever de amparar as pessoas idosas, assegurando sua participação na comunidade, defendendo sua dignidade e bem-estar e garantindo-lhes o direito à vida”.

Quarto Mandamento
Quarto Mandamento
A vida sofrida do pai de Marina Silva, que vive em um miserável casebre, em um alagado do Rio Branco, no Acre.

Marina que tem o apoio dos banqueiros, dos empresários, dos industriais, de empresas internacionais, e que

ganhou R$ 1,6 mi com palestras em três anos,

foi ministra do PT, senadora, dispõe de grana para alugar aviões e jatinhos em duas campanhas presidenciais, que fica hospedada em hotéis de luxo ou palacetes dos amigos bilionários, tem décadas que não dorme na casa do pai. Não existe registro de nenhuma visita.

Pedro, pai de Marina, na rede, estendida na varanda de sua casa de taipa, em um alagado do Rio Branco, no Acre. Clique na foto para ampliar
Pedro, pai de Marina, na rede, estendida na varanda de sua casa de taipa, em um alagado do Rio Branco, no Acre. Clique na foto para ampliar

Diz a irmã de Marina, Maria Elizete da Silva, de 52 anos: “Se a Marina ganhar para presidente, não vai deixar papai mais aqui neste bairro. Vai achar que também é demais, né?
O que é que o povo não vai dizer: ‘ela ganhou, o pai dela continua ali, no alagado, e ela não está fazendo pelo pai. Vai fazer por alguém”, questiona Maria.

Maria Elizete da Silva, irmã de Marina Silva, quer que a candidata à Presidência pelo PSB tire seu pai de bairro pobre em Rio Branco (AC).
Maria Elizete da Silva, irmã de Marina Silva, quer que a candidata à Presidência pelo PSB tire seu pai de bairro pobre em Rio Branco (AC).

A reportagem é de Fábio Fabrini, e publicado no insuspeito jornal o Estado de S. Paulo. Observe que a pobre vida do pobre pai de Marina foi bem suavizada. Confira. Leia aqui. E imagine a vida do ancião, que tem o nome de Pedro, o apóstolo, e primeiro papa para os católicos.

Pedro Augusto da Silva tem 87 anos. Há 34 anos reside no mesmo alagado. Para sobreviver vendia tabaco na antiga rodoviária do Rio Branco. Uma profissão que a filha evangélica condena.

Problemas de saúde fez ele desistir de ser camelô.  Tem um salário mínimo de aposentadoria por idade. Que acha muito pouco. E é. Um salário mínimo do mínimo que a equipe econômica de Marina considera alto.

Não sei a irmã Maria recebe o bolsa-família, que Marina pretende extinguir.

IDOSO (1)

Art.4º – Nenhum idoso será objeto de qualquer tipo de negligência, discriminação, violência, crueldade ou opressão, e todo atentado aos seus direitos, por ação ou omissão, será punido na forma da lei.

Art.10º – É obrigação do Estado e da sociedade, assegurar à pessoa idosa a liberdade, o respeito e a dignidade, como pessoa humana e sujeito de direitos civis, político, individuais e sociais, dos espaços e dos objetos pessoais.
§2º – O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, de valores, ideias e crenças, dos espaços e dos objetos pessoais.

§3º – É dever de todos zelar pela dignidade do idoso, colocando-o a salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor.

Art.15º – É assegurada a atenção integral à saúde do idoso, por intermédio dos Sistema Único de Saúde – SUS, garantindo-lhe o acesso universal e igualitário, em conjunto articulado e contínuo das ações e serviços, para a prevenção, promoção, proteção e recuperação da saúde, incluindo a atenção especial às doenças que afetam preferencialmente os idosos.
§2º – Incumbe ao Poder Público fornecer aos idosos, gratuitamente, medicamentos, especialmente os de uso continuado, assim como próteses, órteses e outros recursos relativos ao tratamento, habilitação ou reabilitação.

Art.19º – Os casos de suspeita ou confirmação de maus-tratos contra idoso serão obrigatoriamente comunicados pelos profissionais de saúde a quaisquer dos seguintes órgãos:
I – Autoridade Policial;
II – Ministério Público;
III – Conselho Municipal do Idoso;
IV – Conselho Estadual do Idoso;
V – Conselho Nacional do Idoso;

Art.74º – Compete ao Ministério Público:
I – instaurar o inquérito civil e a ação civil pública para a proteção dos direitos e interesses difusos, individuais indisponíveis e individuais homogêneos do idoso (…)

Campanha da Fetape e do MPPE
Campanha da Fetape e do MPPE

Papa: idosos não sofrem com a doença, mas com o abandono e a exclusão

Os idosos são as primeiras vítimas de uma lógica econômica que exclui e, às vezes, mata: é o que escreve o Papa Francisco na mensagem à Pontifícia Academia para a Vida, por ocasião dos seus 20 anos de atividade.

 

A mensagem, endereçada ao Presidente da Academia, Mons. Carrasco de Paula, recorda seu idealizador, o Beato João Paulo II, que instituiu o organismo com o Motu proprio “Vitae mysterium”. Como especificado neste documento, sua missão é mostrar aos homens de boa vontade que ciência e técnica contribuem ao bem comum se colocadas a serviço da pessoa humana e de seus direitos.

 

A seguir, o Pontífice comenta o tema da Assembleia em andamento nesses dias no Vaticano: “Envelhecimento e deficiência”.

 

“Com efeito, nas nossas sociedades se constata o domínio tirânico de uma lógica econômica que exclui e, às vezes, mata, da qual hoje muitas são as vítimas, a começar pelos nossos idosos”, escreve Francisco.

 

Citando sua Exortação Apostólica Evangelii gaudium, o Papa recorda que a cultura do descartável não somente explora e oprime, mas produz outro fenômeno: a exclusão. Os excluídos não são “explorados”, mas são “resíduos”, sobras. A situação sociodemográfica do envelhecimento revela claramente esta exclusão da pessoa idosa, principalmente se doente, deficiente ou vulnerável. “Com frequência, se esquece que as relações entre os homens são de dependência recíproca, que se manifesta em diferentes graus durante a vida e emerge de maneira mais evidente em situações de doença, deficiência e de sofrimento em geral.
Para o Pontífice, na base das discriminações e das exclusões há uma questão antropológica, do valor do homem e no que se baseia este valor – e a saúde não pode ser considerada um critério. “A falta de saúde ou a deficiência jamais são boas razões para excluir, ou pior, para eliminar uma pessoa; e a privação mais grave que os idosos sofrem não é o enfraquecimento do organismo e suas consequências, mas o abandono, a exclusão e a falta de amor.”
Francisco aponta a família como mestra de acolhimento e solidariedade, porque é em seu seio que se aprende a não cair no individualismo e a equilibrar as relações sociais. “O testemunho da família se torna crucial diante de toda a sociedade em reconfirmar a importância do idoso como sujeito de uma comunidade, que tem sua missão a cumprir”, afirma ainda o Papa, recordando que os anciãos são também “esperança dos povos”, contribuindo com sua memória e a sabedoria da experiência. E conclui:
“Queridos amigos, abençoo o trabalho da Academia para a Vida, muitas vezes difícil porque requer ir contracorrente, sempre precioso porque atento a conjugar rigor científico e respeito pela pessoa humana.”

Papa criticou “a cultura de rejeição” dos idosos

Papa embarcou na manhã desta segunda-feira para a viagem ao Brasilfoto GIAMPIERO SPOSITO/REUTERS
Papa embarcou na manhã desta segunda-feira para a viagem ao Brasil. Foto GIAMPIERO SPOSITO/REUTERS

O papa Francisco, que se encontra, esta segunda-feira, em viagem para o Brasil, insistiu “no risco” de ver toda uma geração de jovens sem trabalho, ao mesmo tempo que criticou “a cultura de rejeição” dos idosos.

“A crise mundial nada fez pelos jovens. Corremos o risco de ter uma geração sem trabalho, e do trabalho provém a dignidade da pessoa”, sublinhou o primeiro papa sul-americano da história, perante os jornalistas que o acompanham no avião com destino ao Rio de Janeiro.

Francisco, que prega desde que foi eleito uma “Igreja pobre para os pobres”, vai chegar a um país onde os jovens realizaram manifestações em massa, em junho, por vezes violentas, contra a incompetência dos serviços públicos e a corrupção.

“O objetivo da minha viagem é encorajar os jovens a viverem inseridos no tecido social com as pessoas de idade”, acrescentou o papa argentino, numa crítica à “cultura de rejeição dos idosos, que transmitem a sabedoria da vida”.

Para o papa, de 76 anos, os jovens “são o futuro dos povos, mas não apenas eles”.

“No outro extremo da vida, as pessoas idosas têm a sabedoria da vida, da história, da pátria e da família, de que precisamos”, sublinhou.

Antes desta intervenção, o papa cumprimentou cada um dos 70 jornalistas a bordo do avião, afirmando não gostar de dar entrevistas. E antes da partida, Jorge Bergoglio garantiu que não faria qualquer declaração no avião, mas acabou por pedir “a colaboração” dos jornalistas na defesa “dos jovens e dos idosos”.

Esta é a primeira viagem ao estrangeiro do jesuíta argentino que em março sucedeu a Bento XVI na chefia da Igreja católica, também em crise, minada sobretudo por escândalos de pedofilia.

“Chego ao Brasil dentro de algumas horas e o meu coração está cheio de alegria porque em breve estarei junto de vós” para celebrar a 28.ª edição das Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ), disse o papa numa mensagem divulgada na rede social Twitter, logo após a partida.

Cerca de 1,5 milhões de peregrinos de todo o mundo são esperados nesta ocasião, no Brasil, o maior país católico do mundo.

O papa deve chegar às 16 horas (20 horas em Lisboa), ao aeroporto internacional do Rio, onde será recebido pela presidente brasileira, Dilma Rousseff.

Francisco, que renunciou ao ‘papamóvel’ blindado, vai saudar a multidão no centro do Rio, a bordo de um jipe descoberto.

Durante a estada, o papa vai visitar uma favela e uma unidade hospitalar para toxicodependentes de ‘crack’, tendo ainda previsto encontros com detidos.

Movimentos de ateus e militantes de ‘Anonymous’ Rio convocaram manifestações para protestar, desde a chegada do papa, contra as despesas públicas (mais de 30 milhões de euros) criadas pelas JMJ.

O movimento ‘Anonymous’ convocou uma segunda manifestação para sexta-feira, na praia de Copacabana, no percurso do calvário das JMJ.

“Não é contra a Igreja católica. É mais um grito contra a corrupção e por serviços públicos dignos”, explicou o grupo na página da rede social Facebook.

As autoridades brasileiras destacaram 30.000 polícias e militares para garantir a segurança do papa e das JMJ, na “maior operação de segurança da história do Rio” de Janeiro, de acordo com a agência noticiosa francesa AFP.

(Jornal de Notícias/ Portugal)

Violência contra idoso aumentou 200%

PAI NOSSO QUE ESTÁ NO CÉU
PAI NOSSO QUE ESTÁ NO CÉU

Entre os atendimentos a idosos, os principais tipos de violação denunciados no ano passado foram 68,7% por negligência, 59,3% de violência psicológica, 40,1% de abuso financeiro, econômico e violência patrimonial, e 34% de violência física

Para apressar a morte dos velhos, quem tem 60 anos, sem emprego e sem dinheiro, fica esperando os 65 anos, quando é idoso, para entrar com um pedido de aposentadoria por idade, para receber miseráveis 330 dólares.

Depois dos 45 anos é difícil arranjar emprego no Brasil. A violência contra os idosos faz parte da cobrança de familiares que ofereceram hospedagem e alimentação antes e durante a velhice. É uma cobrança cruel. Tão danosa quanto os despejos judiciários.

O PAI ETERNO E O ESPÍRITO SANTO
O PAI ETERNO E O ESPÍRITO SANTO

A Campanha de Enfrentamento à Violência Contra a População Idosa promovido pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República foi lançada durante o encontro Nacional de Promotores, Defensores e Delegados. A campanha é uma parceria com o Ministério Público, Ministério da Justiça e órgãos que atuam na promoção dos direitos da pessoa idosa.

Segundo a ministra Maria do Rosário (Secretaria de Direitos Humanos), de janeiro a novembro de 2012, o Disque Direitos Humanos contabilizou um aumento em todos os módulos, considerando o mesmo período de 2011. “No nosso módulo sobre idosos tivemos um crescimento de aproximadamente 200%. Desde o ano de implantação (2011), identificamos abandono, negligência, violência psicológica, violência física, violência sexual e discriminações”, afirmou.

Entre os atendimentos a idosos, os principais tipos de violação denunciados no ano passado foram 68,7% por negligência, 59,3% de violência psicológica, 40,1% de abuso financeiro,econômico e violência patrimonial, e 34% de violência física.

O objetivo da campanha é constituir o apoio necessário para implementar ações governamentais de promoção e defesa dos direitos do idoso, ferramentas adequadas e medidas concretas para valorização da inclusão e independência. “Nós queremos formar uma rede para defender os direitos da população idosa, uma rede que possa trocar experiência, que possa buscar recursos específicos, que possa trabalhar para chegar mais perto da pessoa idosa.”

Que você espera de um velho, de um idoso ou de um ancião na sociedade moderna? Devem apressar a morte?

Hojemente não se sabe quando termina a infância nem a juventude. Que não mais existe nenhum rito de passagem.

Uns pedem a pena de morte para crianças que praticam crimes considerados hediondos. Na Argentina, o governo quer conceder o direito de voto aos 16 anos, a oposição é contra. A idade para adquirir a carteira de motorista ou o término do curso de segundo grau ou, ainda, a permissão da justiça do direito de trabalhar da criança no Brasil sinalizam – para a maioria – a conquista da maioridade.

Antes da nossa era, até os tempos medievais, a medicina recomendava o rompimento do hímen para evitar uma infecção generalizada pelo não corrimento do mênstruo. A medicina e/ou a religião motivavam o casamento das meninas antes ou logo depois da primeira menstruação.

A HISTÓRIA DE JOSÉ O CARPINTEIRO

Esta tela de Rembrant van Rigt falseia as idades de Maria e José
Esta tela de Rembrant van Rigt falseia as idades de Maria e José

I. Jesus fala a seus apóstolos

No Apócrifo A História de José o carpinteiro:  “E estava um dia nosso bom Salvador no monte das Oliveiras com os discípulos à sua volta e dirigiu-se a eles com estas palavras: (…) ‘Este homem justo, de quem estou falando, é José, meu pai segundo a carne, com quem se casou na qualidade de consorte, minha mãe, Maria.

III. Maria no templo

Enquanto meu pai José permanecia viúvo, minha mãe, a boa e bendita entre as mulheres, vivia por sua parte no templo servindo a Deus em toda a santidade, e havia já completado doze anos. Passara os seus três primeiros anos na casa de seus pais, e os nove restantes no templo do senhor. E, ao ver que a santa donzela levava uma vida simples e plena de temor a Deus, os sacerdotes conversaram entre si e disseram: ‘Busquemos um homem de bem e celebremos o casamento com ele até que chegue o momento de seu matrimônio, que não seja por descuido nosso que lhe sobrevenha o período de sua purificação no templo, nem que venhamos a incorrer num pecado grave’.

IV. Bodas de Maria e José

Convocaram então as tribos de Judá e escolheram entre elas doze homens correspondendo ao número das doze tribos. A sorte recaiu sobre o bom velho José, meu pai segundo a carne. Disseram, então, os sacerdotes à minha mãe, a Virgem. ‘Vai com José e permanece submissa a ele até que chegue a hora de celebrar teu matrimônio’. Então José levou Maria, minha mãe, para sua casa. Ela encontrou o pequeno Tiago na triste condição de órfão e o cobriu de carinhos e cuidados. Esta foi a razão pela qual a chamaram Maria a mãe de Tiago. Então, depois de tê-la acomodado em sua casa, José partiu para o local onde exercia o ofício de carpinteiro. Maria viveu dois anos em sua casa até que chegou o feliz momento.

V. A encarnação

E no décimo quarto ano de idade Eu, Jesus, Vossa Vida, vim habitar por meu próprio desejo. E aos três meses de gravidez o solícito José voltou de suas ocupações. Porém, ao encontrar minha mãe grávida, presa à turbação e ao medo, pensou secretamente em abandoná-la. E foi tão grande o desgosto, que não quis comer nem beber naquele dia.

VI. Visão de José

Eis, porém, que durante a noite, mandado por meu Pai, Gabriel, o arcanjo da alegria, lhe apareceu numa visão e lhe disse: ‘José, filho de Davi, não tenhas cuidado em admitir Maria, tua esposa, em tua companhia. Saberás que o que foi concebido em seu ventre é fruto do Espírito Santo. Dará, então, à luz um filho, a quem tu porás o nome de Jesus. Ele aparecerá aos povos com o cajado de ferro. Finalmente o anjo desapareceu. E José, voltando do sono, cumpriu o que lhe havia sido ordenado, admitindo Maria consigo.

XIV Doença de José

(…) Eis aqui, resumida, a vida de meu querido pai José: Ao chegar aos quarenta anos, contraiu matrimônio, no qual viveu outros quarenta e nove. Depois que sua mulher morreu, passou somente um ano. Minha mãe logo passou dois anos em sua casa, depois que os sacerdotes confiaram-na com estas palavras: ‘Guarda-a até o tempo em que se celebre vosso matrimônio’. Ao começar o terceiro ano de sua permanência ali – tinha nessa época quinze anos de idade – trouxe-me ao mundo de um modo misterioso, que ninguém entre toda a criação pode conhecer, com exceção de mim, meu Pai e o Espírito Santo, que formamos uma unidade.

XV. O início do fim

A vida de meu pai José, o abençoado ancião, compreendeu cento e onze anos, conforme determinara meu bom Pai.(…)”

PROTO-EVANGELHO DE TIAGO

Comenta Maria Helena de Oliveira Tricca, que traduziu os Apócrifos – Os Proscritos da Biblia: “A idade de José, na casa dos noventa, ao casar-se com Maria, é confirmada no Proto-Evangelho de Tiago e em todos os demais Apócrifos”.

No Proto-Evangelho de Tiago: “Então o sacerdote disse: ‘A ti coube a sorte de receber sob tua custódia a Virgem do Senhor’. José replicou: ‘Tenho filhos e sou velho, enquanto que ela é uma menina; não gostaria de ser objeto de zombaria por parte dos filhos de Israel”.

O homem é velho aos 60, idoso aos 65. A ancianidade começas aos 70 anos. Um casamento de um ancião com uma menina hoje seria visto com horror.

Um crime, pela lei da maioria dos países cristãos. Um crime contra a natureza. Uma aberração.

A MEDICINA HOJE

Climatério

Estágio, em sentido figurado. Tempo crítico. Os chamados anos da menopausa da mulher, ligados a mudanças mentais. No homem, mais ou menos semelhante a crimacterium virile.

Paradoxismo sexual

Sexualidade exarcebada fora do tempo. Como, por exemplo, no velho.

Cronofilia

Termo usado para se referir a um grupo de parafilias do tipo em que a idade sexo-erótica da pessoa em causa é discordante da sua própria idade cronológica e concordante com a do parceiro.

Efebofilia

Ou hebefilia [do grego “ephebos” – pessoa jovem pós-pubescente, ou “hebe” – juventude, + “philia” – amor ou amizade] é uma orientação ou preferência sexual na qual um adulto tem uma atração sexual primária por adolescentes pubescentes ou pós-pubescentes.

A atração por adolescentes femininas é algumas vezes chamada de Síndrome de Lolita. O termo é relacionado como uma preferência distinta por pessoas a partir da metade da adolescência, que não é relacionado, segundo psicólogos, a uma patologia quando isso não interfere na vida de outras pessoas, ou transcende o espaço social do indivíduo que possui essa preferência.

Na maioria dos países, se o adolescente atingiu a idade de consentimento pela lei local, a relação efebofílica não é crime.

Ginagogia

Tratamento psicoterapêutico (isolado ou em apoio) da mulher em perturbações por causa especificamente sexuais.

Teleiofilia

Termo criado por Kurt Freund, significando a atração sexual de um menor por adultos. Como isto é considerado normal na maioria das sociedades, não é usualmente considerado uma parafilia, e a expressão é raramente usada. Um clássico da música brasileira fala desse amor

Pedofilia

(também chamada de paedophilia erotica ou pedosexualidade) é a perversão sexual, na qual a atração sexual de um indivíduo adulto ou adolescente está dirigida primariamente para crianças pré-púberes (ou seja, antes da idade em que a criança entra na puberdade) ou no início da puberdade.

Segundo o critério da OMS, adolescentes de 16 ou 17 anos também podem ser classificados como pedófilos, se eles tiverem uma preferência sexual persistente ou predominante por crianças pré-púberes pelo menos cinco anos mais novas do que eles.

Andropausa

Término da função sexual no homem (especialmente da atividade sexual)

Anedonia

Falta de prazer sexual em sentido amplo, ou o aparecimento de um vazio afetivo.

Pubertas praecox

Amadurecimento sexual precoce

AS PÍLULAS QUE LIBERARAM A SEXUALIDADE

A pílula branca anticoncepcional libertou a mulher. E para que serve a pílula azul tipo Viagra?

Escreve Karina Haddad Mussa (A pílula anticoncepcional e a emancipação feminina): “Historicamente falando, a chegada das bolinhas brancas contendo hormônios contraceptivos selou uma verdadeira revolução de costumes e hábitos novos, livrando aquela mulher “facultativa”, apagada, do destino de pária a que ela estava fadada. Com tais mudanças, a mulher pôde ensaiar novos passos em seus múltiplos papéis, emergir com suas honestas  potencialidades para poder deliberar sobre suas escolhas, inclusive para poder relacionar-se sem o perigo de uma gravidez indesejada. Chegou a hora de acabar com tanta desigualdade.

Para Maria Andrea Loyola: “Poucas dentre as várias descobertas tecnológicas surgidas no século XX que contribuíram para alterar profundamente os rumos das sociedades contemporâneas, foram objeto de tantas polêmicas como a pílula anticoncepcional. (…) Foi sobre a mulher, seu comportamento e sua posição na sociedade, que a pílula produziu os impactos mais significativos, considerados por muitos como verdadeiramente revolucionários. Graças à pílula, a mulher pôde então usufruir de liberdade sexual e acabou ganhando um forte aliado rumo à conquista de mais espaço na esfera pública, no mercado de trabalho e na igualdade com os homens. Sua utilização acabou provocando avanços nos direitos reprodutivos e sexuais das mulheres, ampliando as possibilidades de realização de um efetivo planejamento familiar e, talvez o mais importante, conferindo total autonomia da mulher na condução desse processo: a pílula é o único anticoncepcional que pode ser utilizado sem a participação do médico e a colaboração ou consentimento do parceiro”.

Nas favelas brasileiras está acontecendo uma mudança de costumes ainda não estudada: os “casamentos” de mulheres avós com adolescentes.
Com quem um homem velho faz sexo? Veja se a resposta está na propaganda do Viagra:
propaganda-viagra

Fernando Henrique aumentou o tempo de aposentadoria dos 60 para os 65 anos. Na Europa, o FMI recomenda que seja aos 76 anos. Assim sendo os velhos, os idosos e os anciãos devem trabalhar. Faz parte desta campanha a mentira de que a previdência social dá prejuízo.

Que motivação tem um velho, um idoso ou um ancião para trabalhar? Que emprego pode arranjar um pé na cova?

ESQUECEU OS BEBÊS

por Carlos Chagas

Deveria ser condenado a prisão perpétua o ministro das Finanças do Japão, Taro Aso, por haver sugerido que os idosos em seu país deveriam ser autorizados a se apressar e morrer para aliviar a pressão sobre as despesas do estado, que paga suas despesas médicas. Digno de figurar entre os generais japoneses da Segunda Guerra Mundial condenados à forca, o indigitado ministro quer que os velhinhos se matem para equilibrar as finanças de seu governo.

Só faltou, mesmo, completar a sugestão recomendando o sacrifício dos bebês. Ou eles também não dão prejuízo?

Fernando Henrique sancionou o pensalão para o idoso. Quem tem 65 anos. Acabou com a malandragem dos velhos

Todas as reformas pretendidas para a Europa, pela troika, comandada pelo FMI, Fernando Henrique fez no governo dele. E o resultado é o pior possível. Para o Brasil, que perdeu todas as estatais e desnacionalizou suas empresas e entregou todas suas riquezas. Para o trabalhador, que perdeu todos os direitos, com o rasga da CLT, que começou com a cassação da estabilidade por Castelo Branco. Para a classe média, que faliu. Para o povo em geral – metade da população brasileira -, apesar de continuar na miséria de sempre. Com um rendimento máximo de cerca de 140 dólares. São cem milhões de brasileiros que não comem as três refeições/dia. Quando o pobre perde seu casebre Alka-Seltzer, que se dissolve em uma chuvarada. Quando o pobre perde a moradia, construída nas chamadas áreas de risco, levada pelas águas de um rio que transborda ou pelo deslizamento da lama de um morro, costuma dizer que perdeu tudo. Antes dos anos 60, havia peixe nos rios e caça nas matas. Hoje os Eikes Batista devoram o que resta da Floresta Atlântica. A caça e a pesca estão agora enlatadas nos supermercados. O que era de graça passou a ter preço remarcado.

Hollande adelanta otra vez la edad de jubilación a los 60 años

El coro neoliberal al unísono nos recitó cansinamente y en todas las escalas musicales posibles su argumentario para retrasar la edad de jubilación. Entre las razones publicadas en los medios corporativos destacaba la rentable apelación al miedo. La reforma aumentaba el cómputo de cálculo hasta los 25 años y retrasaba a edad de jubilación a los 67 basándose en una falacia: la insostenibilidad del sistema.

Esta a ladainha que a catastroika prega na Espanha. No Brasil, a imprensa safada reclama que o povo está morrendo cada vez mais velho. Velho é quem tem 60 anos. Fernando Henrique botou os velhos para trabalhar, mas não garantiu nenhum emprego. E aumentou o tempo de aposentadoria para os 65 anos, quando se é idoso. Aos 70, começa a ancianidade.

Os mais cruéis e infames ditadores da Europa do século XX – Hitler, Mussolini, Stalin, Franco, Salazar – jamais pensaram em aumentar a aposentadoria para os 68 anos.

No Brasil do final do século XIX, da escravidão legalizada, foi sancionada por Pedro II a Lei dos Sexagenários. O liberalismo do final do século XX tornou-se o mais desumano dos regimes.

A fita vermelha do FMI para os países infectados pela crise econômica e por aqueles que têm de permanecer no atraso terceiro-mundista
A fita vermelha do FMI para os países infectados pela crise econômica e por aqueles que têm de permanecer no atraso terceiro-mundista

Veja que hoje, os principais jornais da França não abriram manchetes para a Grécia. Isso fica para os países que padecem da síndrome da imunodeficiência adquirida pela corrupção dos banqueiros. Que temem o efeito domínó. Ou efeito borboleta no Brasil.