Milionário traficante solto pela justiça de óio verdes de Goiás

E os óio da cobra verde
Hoje foi que arreparei
Se arreparasse a mais tempo
Não amava quem amei

Vanja Orico

 

 

 

247 – Marcelo Gomes de Oliveira, também identificado como José Marcelo Gomes de Oliveira, considerado um dos maiores traficantes de drogas de Goiás, foi libertado ontem do Núcleo de Custódia do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. O alvará de soltura que colocou “Marcelo Zói Verde” na rua, assinado pelo juiz Leão Aparecido Alves, da 11ª Vara Federal, é lacônico, citando que atende a despacho do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) e que Marcelo, 34 anos, é réu em outros dois processos que tramitam na 1ª e na 2ª varas de Execução Penal de Goiânia.

Escreve Marcos Simões: “Pena de morte para várias pessoas foi decretada pela Justiça que soltou o traficante (embora eu acredite que ele seja testa de ferro de alguém mais poderoso e influente, que a polícia não investiga porque não quer ou não pode). Mas a pena de morte (dezenas, centenas, milhares de vidas?) foi decretada com a soltura..

Bem dito pela amiga Maria Imaculada Rezende: ‘Por isso muita gente prefere que sejam presos na Indonésia. Pode parecer demagogia e muita gente não vai gostar, mas é verdade. Imaginem quanto mal e quantas mortes essa criatura vai causar?”.

 

mega

247 – O traficante foi preso em Brasilia em maio de 2014, na Operação Esmeralda, ação da Delegacia Estadual de Repressão a Narcóticos de Goiás (Denarc), que teve apoio da Coordenação de Repressão às Drogas da Polícia Civil do Distrito Federal (CORD-PCDF) nas prisões. Marcelo estava em uma casa no Park Way, bairro nobre da capital federal, avaliada em R$ 4 milhões. Foram apreendidos com ele dinheiro, armas e munição pesada, 22 carros importados e nacionais e até um livro com dedicatória assinada por um delegado goiano, já morto.

Na época da prisão foram apreendidos 200 quilos de pasta-base de cocaína em um imóvel em Taguatinga (DF). Antes, a quadrilha havia deixado outro volume semelhante de droga em Goiânia. A prisão aconteceu após quase um ano de investigações, escutas telefônicas autorizadas pela Justiça e diversas campanas policiais.

A prisão do megatraficante goiano foi tão importante que houve ao longo de 2014 escassez de cocaína no mercado, resultando em alta substancial de preços. O volume anual de pasta base movimentado por Zói Verde chegaria a 10 toneladas por ano. Refinado em cocaína de qualidade mediana, a droga renderia à quadrilha perto de R$ 600 milhões.

Não está claro ainda o motivo da soltura de “Marcelo Zói Verde”. Um delegado consultado pelo Brasil247 que participou da operação acredita que tenha sido em razão da morosidade da própria Justiça no primeiro grau, um excesso de prazo irrazoável. O traficante foi detido em maio de 2014 e estava preso provisoriamente desde então, sem que o processo fosse concluído. A Denarc finalizou o inquérito e remeteu ao Judiciário no prazo legal de 60 dias, após pedido de prorrogação.

Inicialmente, o processo estava sob jurisdição da Comarca de Itapuranga, no interior de Goiás, juízo que autorizou as escutas telefônicas. O juiz da localidade, em parceria com o Ministério Público, no entanto, considerou o crime como tráfico internacional de drogas, transferindo a competência para a Justiça Federal. Para a polícia, o crime poderia muito bem ter sido classificado como tráfico interestadual, mantendo a jurisdição em Itapuranga e dando alguma celeridade ao processo.

A morosidade do Judiciário em relação ao traficante Zoi Verde é notória. Ele responde a outros processos por crimes diversos praticados desde o ano 2000. Três desses processos simplesmente desapareceram da 3ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça de Goiás e tiveram de ser reconstituídos. Ele ainda não foi julgado em nenhum deles. Em 2000, Marcelo foi condenado a 21 anos de prisão por latrocínio (roubo seguido de morte). Teve progressão de pena ao regime semiaberto três anos depois e fugiu em seguida.

Espantosamente, em 2013, apesar da ficha corrida, o juízo de Aruanã, com a anuência da promotoria pública, autorizou Marcelo Gomes de Oliveira a mudar de nome para José Marcelo Gomes de Oliveira. Chamou a atenção dos policiais o custo da ação de retificação de nome: R$ 300 mil em honorários advocatícios.

Zói Verde teria, segundo a polícia, um patrimônio avaliado em cerca de R$ 80 milhões provenientes de atividades ilícitas. Entre os bens estão duas fazendas com mais de 7 mil hectares.

 

http://www.letras.com.br/#!vanja-orico/sodade-meu-bem-sodade

 

 

A morte encomendada de Valério Luiz

Ontem teve passeata em Goiânia contra a impunidade do mandante chefe de uma quadrilha de pistoleiros, formada por soldados estaduais, que matou o jornalista Valério Luiz.

O mandante, o rico cartolário Maurício Sampaio, cartola, e agiota imobiliário amigo de Cachoeira e de policiais assassinos
O mandante, o rico cartolário Maurício Sampaio, cartola, e agiota imobiliário amigo de Cachoeira e de policiais assassinos

Leia aqui

Goiânia, a escalada da violência na terra governada por Cachoeira

Em terra que assassino de jornalista tem ex-desembargadores como advogados, nem a Força Nacional controla a violência.

Em ritmo de pagode universitário todo tipo de crime acontece em Goiânia. Capital em que impera o terrorismo policial e o mando de Cachoeira.

BRA^GO_DDM jornalista morte goiania

BRA^GO_HOJE Goiás tem 2. 950

BRA^GO_DDM goiânia crime

BRA_OP crime Goiânia

BRA_OP 101 presos em Goiânia

BRA^GO_DDM jogo em Goiás

BRA_OP políicia de Goiás parada , assembléia parda,

BRA^GO_DDM silêncio Colônia Santa Marta Goiânia

BRA^GO_HOJE Em Goiânia serial

BRA^GO_HOJE crime Goiânia

BRA_OP morte violência Goiânia

Criminoso Maurício Sampaio, o turista milionário da justiça falha de Goiás, mandou matar o jornalista Valério Luiz

por Galtiery Rodrigues

BRA^GO_HOJE Mandante da morte do jornalista Valério Luiz

“BANDIDO RICO NÃO FICA PRESO”

O cartorário Maurício Sampaio [o cartório dele está sob investigação, mas continua funcionando a todo vapor], acusado de ter mandado matar o radialista e cronista esportivo Valério Luiz em julho do ano passado, foi solto ontem, após conseguir mais um habeas-corpus na Justiça. Por 3 votos a 2, os desembargadores da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ/GO) acataram os argumentos da defesa de Sampaio e concederam a liminar favorável. O réu estava preso desde o dia 14 de março no Núcleo de Custódia do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. A família de Valério informa que vai entrar com representação no Ministério Público de Goiás (MP/GO) para que nova prisão seja decretada.

Desde que foi preso preventivamente pela primeira vez, no dia 2 de fevereiro deste ano, Maurício viveu um vaivém constante entre a prisão e a liberdade concedida. Este foi o terceiro habeas-corpus favorável a ele. Dessa vez, foram dois meses e oito dias preso. Sampaio deixou o complexo prisional ontem, no início da noite, acompanhado pelos advogados. Os desembargadores que deram voto a favor do cartorário foram: Ivo Fávaro, Sílvio Rabuski e Nicomedes Borges. Já os contrários foram o relator do caso, Jairo Ferreira Júnior, e Avelirdes Almeida Pinheiro de Lemos.

O pedido de habeas-corpus entrou na pauta de votação, inicialmente, no último dia 14, mas o desembargador Ivo Fávaro pediu vistas do processo. Ele questionou o relator do caso, que considerou que os fatos novos apresentados pela defesa de Maurício Sampaio eram baseados apenas “em meras declarações” e que, portanto, não passaram pelo crivo do contraditório. Mas Fávaro rebateu afirmando que, se as mesmas declarações serviram para a decretação da prisão, elas teriam de servir também para a soltura. Foi a partir daí que outros dois desembargadores o acompanharam no voto favorável a Sampaio.

Sílvio Rabuski apresentou, ainda, o argumento de que, de acordo com o artigo 312 do Código Penal, a prisão preventiva só pode ser decretada para garantir a ordem pública, econômica, assegurar a aplicação da lei penal e a instrução processual. O caso em questão, segundo ele, não se enquadra em nenhum desses quesitos. O relator, Jairo Ferreira, votou contrário ao habeas-corspus, sob o princípio da segurança jurídica, ou seja, qualidade conferida à sentença judicial contra a qual não cabem mais recursos.

Os advogados de defesa alegaram no pedido que a prisão de Maurício Sampaio era nula, já que o indício de autoria, que é pressuposto indispensável para a decretação da prisão preventiva, não foi objeto de análise pelo Tribunal. Pontuaram, também, que novos depoimentos de Marcus Vinícius Pereira Xavier, o Marquinhos, mostravam que Maurício jamais o ameaçou ou lhe ofereceu vantagem econômica, situações inseridas no inquérito. Tais depoimentos serviram, em contrapartida, para o embasamento do voto do relator, que preferiu ser cauteloso frente à mudança da versão apresentado por Marquinho. Na primeira vez, ele fez menção do risco de morte e, na segunda, já afirmou que isso nunca existiu sem, no entanto, explicar tal contradição.

Familiares de Valério contestam soltura

Tanto a promotoria como a família de Valério Luiz estranharam a forma como o pedido de habeas-corpus foi apresentado. No entender deles, não houve fato novo capaz de fundamentar o pedido, tampouco a mudança de opinião dos desembargadores. O advogado Valério Luiz, filho do radialista de mesmo nome, adiantou que vai recorrer para o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e que, referente ao habeas-corpus de ontem, vai enviar representação ao Ministério Público para um novo pedido de prisão. “Esse habeas-corpus foi um completo absurdo”, afirma. A viúva Lorena Oliveira vai hoje ao MP se encontrar com o promotor Maurício Nardini para decidir que atitude tomar.

Ontem, ao falar com a reportagem, Lorena expressou certo desânimo, em relação ao caso. Apesar de ressaltar que vai insistir e lutar pela Justiça até o final, ela não deixou de pontuar a frustração frente ao que chama de impunidade e tristeza. “Bandido rico não fica preso”, disse. A revolta foi expressada também pelo pai do radialista, Mané de Oliveira, que acompanhou, ontem, a audiência no Tribunal de Justiça. Ele saiu pelos corredores gritando e chamando de absurda a decisão. O advogado de Maurício Sampaio, Ney Moura Teles, reafirmou a inocência do cliente e disse que o certo é que ele aguarde o andamento do processo em liberdade. O cartorário deixou ontem o Complexo Prisional reforçando a versão da inocência e descrevendo os dias na prisão como momentos difíceis, mas de muita fé.