Papa: Dói ver as pessoas tratadas como mercadoria. Os pobres são vítimas da falta de igualdade da nossa economia

Francisco critica exclusão dos pobres e dos doentes

Newton Silva
Newton Silva

O papa Francisco criticou hoje (21) a exclusão dos pobres e dos doentes da sociedade, um fenômeno que se deve, na sua opinião, a uma “crise antropológica” para a qual é preciso desenvolver anticorpos.

“A exclusão dos pobres e a dificuldade dos indigentes para receber assistência e medicamentos necessários é uma situação que, lamentavelmente, ainda está presente nos dias de hoje”, afirmou o pontífice.

Para o papa, houve grandes avanços na medicina e na assistência social, mas houve também a disseminação de uma cultura de desprendimento, resultado de uma crise antropológica que não coloca o homem no centro das prioridades, mas sim o consumo e os interesses econômicos.

As declarações do papa foram dadas durante visita à Igreja da Pequena Casa da Divina Providência de Turim, no norte da Itália, que presta assistência a pessoas pobres e doentes.

Papa Francisco: ‘Duele ver a personas que son tratadas como mercancía’

* ‘No a la ideología del dinero que hace que unos pocos se enriquezcan’

* ‘No a la mafia, a los engaños y a la corrupción. No a la desigualdad’

 Anne Derenne
Anne Derenne

por SORAYA MELGUIZO/ Especial para EL MUNDO/ Milán

“Los pobres son víctimas de la falta de igualdad de nuestra economía. Duele ver en estos días personas que son tratadas como mercancía. No a la ideología del dinero que hace que unos pocos se enriquezcan con la crisis a costa de otros muchos que se empobrecen hasta llegar a pasar hambre. No a la mafia, a los engaños y a la corrupción. No a la desigualdad que genera violencia. No podemos esperar sólo la recuperación. Es necesario que toda la sociedad colabore para que el trabajo sea para todos”. Y ojo con culpabilizar a los inmigrantes, porque ellos son víctimas de esta desigualdad. Con este mensaje el Papa Francisco ha comenzado su viaje apóstolico de dos días a Turín, en el norte de Italia, la región de sus antepasados. A su llegada a la ciudad, el Pontífice ha sido recibido por una multitud que desde primera hora de la mañana esperaban en la Plaza Real y las calles de alrededor, completamente colapsadas.

Turín, donde nació Fiat, símbolo de la industria italiana del automóvil, es una ciudad tradicionalmente industrial y motor económico del país. Y también una de las que ha sufrido la crisis más profundamente, con el cierre de grandes fábricas y reestructuraciones. La ciudad es además la capital del Piamonte, la región de origen de Bergoglio y desde donde los antepasados del Papa emigraron a Argentina. Quizá por esa razón el Pontífice ha querido que este viaje, en ocasión de la Ostensión de la Síndone y del bicentenario del nacimiento de Don Bosco, no tenga sólo un carácter religioso sino también social.

Junto al Papa, en el palco de la Plaza Real, estaba Sergio Marchionne, administrador delegado de Fiat -que ha sido abucheado cuando ha abrazado al Pontífice-, y varias personas anónimas que han contado las dificultades por las que están atravesando: un pequeño empresario, un agricultor, y una obrera con dos hijos y un marido en paro. Tras sus intervenciones, el Papa expresó su cercanía a los jóvenes desempleados y a las personas que tienen un trabajo precario, pero también a los empresarios, artesanos y trabajadores de cualquier sector “a los que más les cuesta salir adelante”. “El trabajo -dijo el Papa- no sólo es necesario para la economía sino para la dignidad de las personas”. El Pontífice recordó además como en Turín se siente especialmente la crisis y “han aumentado las desigualdades económicas y sociales”.

Visita a la Síndone y almuerzo con los desfavorecidos
Francisco sonríe durante la misa que ha celebrado en Turín. ALBERTO PIZZOLI AFP
Francisco sonríe durante la misa que ha celebrado en Turín. ALBERTO PIZZOLI AFP

Tras su discurso en la Plaza Real, el Papa se dirigió a la Catedral de Turín donde está expuesta la Sábana Santa. El Santo Padre dedicó varios minutos en silencio a rezar frente a la Síndone con la mirada concentrada en la tela que, según la tradición, envolvió el cuerpo de Jesús. “Este rostro tiene los ojos cerrados, es el rostro de un difunto, y sin embargo, misteriosamente nos ve, y en el silencio nos habla. ¿Cómo es posible? ¿Por qué el pueblo fiel, como ustedes, quiere detenerse ante este icono de un hombre flagelado y crucificado?”, se preguntó el Papa. “Porque el hombre de la Síndone nos invita a contemplar a Jesús de Nazaret. Esta imagen, impresa en el lino, habla a nuestro corazón y nos impulsa a subir el Monte del Calvario, a ver la madera de la Cruz, a sumergirnos en el silencio elocuente del amor”.

Después de celebrar la Eucaristía y el Ángelus, el papa almorzó en el Arzobispado de Turín con un grupo de jóvenes detenidos en la cárcel de menores ‘Ferranti Aporti’, una familia de etnia gitana, y varios inmigrantes residentes en Italia procedentes de Eritrea, Brasil, Perú, Tanzania y Filipinas.

El encuentro fue estrictamente privado, lejos de las cámaras, al igual que su posterior visita a la Iglesia de Cottolengo donde saludó, uno por uno, a un grupo de enfermos, ancianos y discapacitados. “La difusión de la cultura del descarte”, dijo el Papa, hace que consideremos que las vidas de estas personas “no son dignas de ser vividas”. “Desarrollemos anticuerpos contra esta cultura que descarta ancianos y discapacitados”, propuso el Pontífice.

En una jornada rica en encuentros, el Papa no quiso olvidar sus orígenes piamonteses. Su padre, Mario Bergoglio, nació precisamente en Turín. “He pensado tanto qué decir que lo que he escrito es muy formal”, dijo al iniciar su discurso después de reunirse con los salesianos en la Basílica de Santa María Auxiliadora.

Y comenzó a improvisar un discurso lleno de anécdotas y recuerdos personales. “Estoy muy agradecido a los salesianos por todo lo que han hecho por mi familia”, dijo el Pontífice. “A mi madre y a mi padre les casó un salesiano, misionero en Patagonia, originario de Lodi -una provincia del norte de Italia– que me ayudó mucho en mi vocación”. “Mi madre después del quinto parto se quedó paralítica y nos mandó a un colegio salesiano, y ahí aprendí a amar a la Vírgen”, ha explicado el papa. “Los salesianos me formaron, al trabajo y a la afectividad”.

Caritas: “as pessoas que cada vez se tornam sem-abrigo e passam fome”. Laudato si: Papa apela a responsabilidade ecológica

Francisco adianta preocupação com os mais pobres na nova encíclica

Rita Angus
Rita Angus

Cidade do Vaticano, 17 jun 2015 (Ecclesia) – O Papa Francisco revelou hoje no Vaticano que a sua próxima encíclica, ‘Laudato si’, quer ser um apelo à “responsabilidade” ambiental e em favor dos mais pobres.

“Amanhã [quinta-feira], como sabeis, será publicada a encíclica sobre o cuidado da casa comum que é a criação. Esta nossa casa está a ficar em ruínas e isso prejudica todos, especialmente os mais pobres”, disse, na audiência pública semanal que decorreu na Praça de São Pedro.

Perante milhares de pessoas, Francisco afirmou que o novo documento é “um apelo à responsabilidade, com base na missão que Deus deu ao ser humano na criação: ‘cultivar e guardar’ o ‘jardim’ em que o colocou”.

“Convido todos a acolher com espírito aberto este documento, que surge na linha da Doutrina Social da Igreja”, acrescentou.

Francisco tinha pedido no último domingo que a sua nova encíclica promova uma maior atenção de “todos” sobre os problemas do meio ambiente.

“Convido a acompanhar este acontecimento com uma renovada atenção sobre a situação de degradação ambiental, mas também de recuperação, nos territórios de cada um”, disse, perante milhares de pessoas reunidas para a oração do ângelus.

“Esta encíclica dirige-se a todos: rezemos para que todos possam receber a sua mensagem e crescer na responsabilidade para com a casa comum que Deus nos confiou”, acrescentou.

‘Laudato si, sobre o cuidado da casa comum’ é o título da encíclica que vai ser lançada no Vaticano, com a presença do presidente do Conselho Pontifício Justiça e Paz, cardeal Peter Turkson; do metropolita de Pérgamo, Ioannis Zizioulas, representante do Patriarcado Ecuménico e da Igreja Ortodoxa; de John Schellnhuber, cientista do Instituto Potsdam para a Investigação da Impacto Climático (Alemanha) e autor da proposta de limitar o aumento médio de temperatura em 2º; e a economista Carolyn Woo, natural de Hong Kong e presidente do ‘Catholic Relief Services’ (EUA), congénere norte-americana da Cáritas.

A encíclica é o grau máximo das cartas que um Papa escreve; entre os principais documentos do atual pontificado estão a encíclica ‘Lumen Fidei’ (A luz da Fé), que recolhe reflexões de Bento XVI, e a exortação apostólica ‘Evangelii Gaudium’ (A alegria do Evangelho), estando a decorrer um Sínodo sobre a Família, em duas sessões.

A expressão ‘Laudato si’ (louvado seja) remete para o ‘Cântico das Criaturas’ (1225), de São Francisco de Assis, o religioso que inspirou o Papa argentino na escolha do seu nome, após a eleição pontifícia.

“Bomba” climática

“A Encíclica do Papa Francisco chega num momento-chave para o desenvolvimento. A Caritas espera que nos dê todo o ímpeto e a inspiração necessária para alcançar a transformação da mudança climática à mudança pessoal e política. Em meados dos anos 80 não sabíamos se íamos ser eliminados da terra a qualquer momento”, escreve Michelle Hough, da Caritas Internacional.

Nesse sentido, refere que passados 30 anos a bomba que caiu “não é nuclear mas climática”, com eventos extremos como “o aumento do nível do mar, o degelo da calote polar e as pessoas que cada vez se tornam sem-abrigo e passam fome”. Michelle Hough destaca que pelas informações recolhidas, a Encíclica do Papa Francisco vai encorajar a olhar para a relação com o meio ambiente e a viver com simplicidade.

A Caritas Internacional está animada com a publicação da Encíclica e contextualiza que muitas organizações do braço caritativo da Igreja Católica em todo o mundo trabalham sobre o clima e o meio ambiente e exemplifica que, com as comunidades, distribuem ajuda durante o período da seca e dos tufões, auxiliando as pessoas a reconstruírem as suas casas, os meios de subsistência e a reduzir o impacto dos desastres.

Michelle Hough adianta também que trabalham com comunidades devastadas por indústrias extrativas e promovem uma mudança fundamental nas questões políticas pessoais e ambientais. Neste contexto, a Caritas Internacional relaciona o tema do documento do Papa com o tema de trabalho da instituição para os próximos quatro anos – “Uma família humana, cuidando de criação”.

Oito mitos sobre o meio ambiente, segundo a Caritas 
Miguel Villalba Sánchez
Miguel Villalba Sánchez

A Cáritas Internacional publicou um artigo onde aborda oito “mitos” sobre o clima, no contexto da encíclica ‘Laudato si, sobre o cuidado da casa comum’, do Papa Francisco.

Mito 1: Os cientistas não concordam sobre se existe ou não o aquecimento global.

FATO: A grande maioria dos cientistas concorda que a atividade humana é responsável pelo aquecimento global. Eles também concordam que o clima está mudando pela atividade humana.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas ( IPCC) é considerado a principal autoridade científica sobre a mudança climática . É constituída por 2.000 cientistas de mais de 150 países. O seu relatório em 2013/14 – Quinto Relatório de Avaliação ( ‘ AR5 ” ) – fornece as informações mais detalhadas e atualizadas sobre o estado da nossa informação climática. As conclusões do IPCC são aprovados pelos seus 195 países membros.

MITO 2: E apenas parte da mudança natural.

FATOS: O clima sempre mudou ao longo da história da terra , no entanto, as enormes mudanças que ocorrem ao nosso clima hoje não são devido a causas naturais . As variações naturais ocorrem a milhões de anos. A investigação científica mostra que a última era glacial terminou cerca de 11.000 anos atrás, e desde então o clima da Terra tem sido relativamente estável, em cerca de 14° C.

No entanto, durante o último século, o nosso clima começou a mudar rapidamente, com um aumento anormal da temperatura global, acompanhada de mau tempo. Há evidências científicas de que o IPCC sugere que isso é devido a um aumento da quantidade de gases de efeito estufa na atmosfera . Gases do efeito estufa ocorrem naturalmente na atmosfera, mas a atividade humana, a queima de combustíveis fósseis como o carvão e o petróleo, aumenta.

MITO 3: O mundo parou de aquecer-se

FATOS: Os registros das temperatura mostram claramente que o mundo se aqueceu gradualmente ao longo do século passado e continua a fazê-lo agora. A intensidade do aquecimento varia, mas a tendência é sempre para cima. Por exemplo, os últimos 30 anos foram os mais quentes que o hemisfério norte experimentou durante os últimos 1.400 anos. Este aquecimento começou a ter um impacto sobre o sistema climático e os projetos não só no aumento da temperatura global, mas também alterou os padrões de precipitação e um aumento de eventos climáticos extremos. Os seus efeitos já se fazem sentir em todo o mundo.

MITO 4: Os vulcões emitem mais dióxido de carbono que os humanos.

FATO: Em média, os vulcões emitem menos de 1% de CO2 que os seres humanos deixam na atmosfera em um ano. Esta percentagem está diminuindo, porque as emissões resultantes da atividade humana estão a aumentar.

MITO 5: O dióxido de carbono não é um poluente; é natural e essencial à vida.

FATOS: O “natural” nem sempre significa “seguro”. As altas concentrações de CO2 e de outros gases do efeito estufa estão aumentando rapidamente, geradas pela atividade humana, estão provocando mudanças climáticas e ameaçam a sobrevivência humana, a saúde e o bem-estar.

MITO 6: Voltando no tempo, episódios de aquecimento global não tinham nada a ver com os níveis de dióxido de carbono.

FATOS: O papel do dióxido de carbono, na história do planeta, está razoavelmente bem compreendido. Embora as mudanças nos níveis de CO2 certamente não são a única força que influencia o clima, as mudanças em curso no fenômenos meteorológicos não poderiam ser explicada sem compreender os efeitos do dióxido de carbono no aquecimento.

MITO 7: Alguns países sempre tiveram secas, ondas de calor e condições meteorológicas extremas. Não há nenhuma relação com as alterações climáticas.

FATOS: Os efeitos das mudanças climáticas estão causando o aumento de eventos extremos, como ondas de calor e secas, que por sua vez afetam nossos modos de vida e saúde. Esses eventos climáticos extremos, segundo as previsões, vão piorar nas próximas décadas.

Mito 8: O aquecimento global é bom para nós!

FATOS : Sem qualquer intervenção, a mudança climática tornará a vida muito mais difícil para muitas pessoas, especialmente pobres do mundo, aqueles que menos podem dar ao luxo de se adaptar. Se as previsões do IPCC se tornarem realidade, as alterações climáticas influenciarão tudo, desde o abastecimento de alimentos até a saúde global. O maior impacto dos efeitos da mudança climática no futuro, como agora, ocorrerá nas comunidades mais pobres e vulneráveis ​​do planeta.

Papa prega a Teologia da Pobreza: «quando a fé não chega aos bolsos, não é uma fé genuína»

Riqueza e pobreza

.

Foi a «teologia da pobreza» o nó central da homilia do Papa Francisco na missa celebrada na terça-feira, 16 de Junho, em Santa Marta. A reflexão do Pontífice partiu do trecho da segunda carta aos Coríntios (8, 1-9), no qual são Paulo «está a organizar na Igreja de Corinto uma colecta para a Igreja de Jerusalém, que vive momentos difíceis de pobreza». Para evitar que a colecta se verificasse de forma errada, o apóstolo «faz algumas considerações», uma espécie de «teologia da pobreza».

Especificações necessárias porque, explicou Francisco, «pobreza» é uma palavra «que causa sempre perplexidade». Com efeito, quantas vezes ouvimos dizer: «Mas este sacerdote fala demasiado sobre a pobreza, este bispo fala de pobreza, este cristão, esta religiosa falam de pobreza… Mas são um pouco comunistas, não é?». E, ao contrário, sublinhou o Papa, «a pobreza está precisamente no centro do Evangelho», a ponto que «se nós tirássemos a pobreza do Evangelho, nada se entenderia da mensagem de Jesus».

Eis então explicada a catequese de Paulo «sobre a esmola, a pobreza e as riquezas» que começa com um exemplo tirado da experiência da Igreja da Macedónia. Ali, «na grande prova da tribulação – porque sofriam tanto devido às perseguições – na pobreza extrema, a sua alegria superabundou e superabundaram na riqueza da sua generosidade». Ou seja, «ao dar, ao suportar as tribulações enriqueceram-se, tornaram-se jubilosos. É, acrescentou Francisco, o que se encontra numa das Bem-aventuranças: «Bem aventurados sois vós quando vos insultarem, e perseguirem…».

Depois de ter feito este exemplo, Paulo dirige-se de novo para a Igreja de Corinto: «E dado que vós sois ricos, pensai neles, na Igreja de Jerusalém». Mas, perguntou o Papa, de qual riqueza fala Paulo? A resposta lê-se imediatamente depois: «Sois ricos em todas as coisas: na fé, na palavra, no conhecimento, em cada zelo e na caridade que vos ensinamos». Segue-se uma exortação: «Assim, dado que sois ricos, abundai também nesta obra de generosidade». Ou seja, fazei com que, explicou Francisco, esta riqueza tão grande – o zelo, a caridade, a palavra de Deus, o conhecimento de Deus – chegue aos bolsos». Porque, acrescentou, «quando a fé não chega aos bolsos, não é uma fé genuína»; e esta é «uma regra de ouro» que deve ser recordada.

Do trecho paulino sobressai, portanto, uma «contraposição entre a riqueza e a pobreza. A Igreja de Jerusalém é pobre, está em dificuldade económica, mas é rica, porque tem o tesouro do anúncio evangélico». E foi precisamente «esta Igreja de Jerusalém, pobre», que enriqueceu a Igreja de Corinto «com o anúncio evangélico: deu-lhe a riqueza do Evangelho». Quem era rico economicamente, na realidade, era pobre «sem o anúncio do Evangelho». Há, disse o Pontífice, «um intercâmbio recíproco» e assim «da pobreza vem a riqueza».

É neste ponto, explicou o Papa, que «Paulo com o seu pensamento, chega ao fundamento daquilo a que podemos chamar “teologia da pobreza”, porque a pobreza está no centro do Evangelho». Lê-se na epístola: «De facto, conheceis a graça do nosso Senhor Jesus Cristo: era rico e fez-se pobre por nós, a fim de que vos torneis ricos por meio da sua pobreza». Portanto, «foi precisamente o Verbo de Deus que se fez carne, o Verbo de Deus nesta condescendência, neste abaixamento, neste empobrecimento, que nos tornou ricos nos dons da salvação, da palavra, da graça». Este «é o centro da teologia da pobreza» que, de resto, se encontra na primeira bem-aventurança: «Felizes os pobres de espírito». Francisco explicou: «Ser pobre é deixar-se enriquecer pela pobreza de Cristo e não querer ser rico com outras riquezas excepto as de Cristo, é fazer o que Cristo fez». Não é só fazer-se pobre, mas é «dar mais um passo», porque, disse, «o pobre me enriquece».

Citando um exemplo concreto do dia-a-dia, o Papa explicou que «quando oferecemos uma ajuda aos pobres, não fazemos de modo cristão obras de beneficência». Estamos diante de um acto «bom», «humano», mas «não é a pobreza cristã que Paulo menciona e prega». Porque pobreza cristã significa «que eu ofereço ao pobre do que é meu e não do que é supérfluo, também do necessário, porque sei que ele me enriquece». E por que me enriquece o pobre? «Porque Jesus disse que ele próprio está no pobre».

O mesmo conceito é afirmado por Paulo quando escreve: «Nosso Senhor Jesus Cristo de rico que era fez-se pobre por vós, para que vós vos tornásseis ricos por meio da sua pobreza». Isto acontece «cada vez que me despojo de algo, mas não só do supérfluo, para dar a um pobre, a uma comunidade pobre, a tantas pessoas pobres às quais falta tudo», porque «o pobre me enriquece» enquanto «é Jesus quem age nele».

Eis porque, concluiu o Papa, a pobreza «não é uma ideologia». A pobreza «está no centro do Evangelho». Na «teologia da pobreza» encontramos «o mistério de Cristo que se abaixou, se humilhou e se empobreceu para nos enriquecer». Assim, compreende-se «porque a primeira das bem-aventuranças é: “Bem-aventurados os pobres de espírito”». E «ser pobre de espírito – frisou o Pontífice – é ir por este caminho do Senhor», o qual «se abaixou» a ponto de se fazer «pão por nós» no sacrifício eucarístico. Isto é, Jesus «continua a abaixar-se na história da Igreja, no memorial da sua paixão, no memorial da sua humilhação, no memorial do seu abaixamento, no memorial da sua pobreza, e enriquece-nos com este “pão”».

Eis a sugestão final para a oração: «Que o Senhor nos faça entender o caminho da pobreza cristã e a atitude que devemos assumir quando ajudamos os pobres». In Osservatore Romano/ Vaticano

Tico Santa Cruz
Tico Santa Cruz