Thomas Kristiansen, bandido norueguês acoitado pela justiça do RN

Thomas Kristiansen, rei de Natal

Thomas Kristiansen, várias vezes preso na Noruega, comanda negócios imobiliários no Rio Grande do Norte. Faz parte da quadrilha que transformou Natal em “Paraíso do Crime” internacional

Kristiansen, foragido no Brasil, é genro do casal Epaud. Para quem o judiciário do Rio Grande do Norte deu de presente o Chalezinho (do) Francês, na Praia do Meio, em Natal. O nome, a marca proprietária do francês Gilles Epaud, casado com Christine, natural da Tanzânia.

O escandaloso cobertor da justiça

Uma das parte podres do caso Christine Epaud é que no processo, com despacho do desembargador Aderson Sivino, os nomes dos donos desse hotel permanecem encobertos.

A lavadaria da justiça do RN

A negociação do Hotel Chalezinho tem vários lobos. E muita grana no chapeuzinho vermelho. Dinheiro de desconhecida origem, e ignorado destino. Dinheiro isento de imposto de renda.
Trata-se de uma “vultuosa soma”, declarou o desembargador Aderson Sivino. Ele não sabe o montante. Parece piada. Somados, os recibos duvidosos, apresentados por Christine Epaud, passam de um milhão de reais.

– E por quanto foi vendido o Chalezinho?
– 500 mil reais?
– 600 mil reais?

Os recibos passam de um milhão. Ou de um milhão e 200 mil. Não é uma gracinha? Nem Kafka explica.

Trata-se de dinheiro lavado. Nem uma lavadaria lava mais branco que a justiça.

Neste hotel, o criminoso Thomas Kristiansen, juntamente com a sogra Christine Epaud, montou uma empresa imobiliária. Neste mesmo pequeno hotel existem, de Christine Epaud, mais quatro empresas.
Quatro empresas. Todas em um único apartamento. Apertado quarto lata de sardinha.
E duas são de construção. Tudo ao arrepio da lei.

Ministro Guido Mantega veja só:

Sol Brazils Com. & Construção

Registrada como micro empresa. Apesar de ser uma construtora de edifícios. Sócia responsável Christine Epaud, com 2% do capital. Sócio Administrador Thomas Kristiansen, com 49%. Acontece que nos registros do Ministério da Fazenda não aparece o nome do detentor dos restantes 49%. Não sabia que se podia registrar empresa com proprietário de nome ignorado. Mesmo que seja laranja. É, realmente, uma empresa com sócio fantasma. A Sol Brazils possui vários terrenos praieiros. Onde cantam os grilos da justiça.

Nova Dimas Construção 2005

Sócio administrador e responsável Cristine Epaud. Com apenas um por cento. 
Arturo Lazaro Rocandio possui os restantes 99% das quotas.
 Esta micro empresa também atua na construção de edifícios.His Brazil do crime

Com a Sol Brazils, na Natal His Brasil, “Paraíso do Crime” , o norueguês Thomas Kristiansen começou seus negócios de grilagem de terra, compra de imóveis – um deles seria o Chalezinho Francês. Ou Chalezinho Tanzaniano. Ou Chalezinho Norueguês.
Jornal da Noruega conta como começaram os negócios criminosos de Thomas Kristiansen

Continua

Suingue de empresas no Rio Grande do Norte

Pirataria estrangeira em Natal

Em um único endereço, num apertado quarto de hotel de uma estrela de Natal, estrangeiros acusados de lavagem de dinheiro e outros crimes, montaram um randevu de empresas. São quatro empresas sediadas na Avenida Presidente Café Filho, 886, Praia do Meio, Natal. Tudo micro. O que justifica a confissão de Christine Epaud, em juízo, de jamais ter pago um único tostão furado de imposto. Esta história depois eu conto.

Escreveu o jornalista Geir Kvile, do Bergensavisem: “Em uma sociedade brasileira, que é muito mais volátil do que a norueguesa, não é incomum que existem sequestros e assassinatos em ações de vingança, nos casos em que as pessoas perdem dinheiro. Assim sendo, Allan Karlsen, ex-sócio de Christine Epaud, e sua família estariam ameaçados de extinção no Brasil”.

Para a autoridade policial Ole Bjorn, da Noruega, Christine Epaud e o genro, Thomas Krisstiansen, fizeram parte de uma quadrilha de noruegueses de lavagem de dinheiro.

O caso Karlsen e Epaud terminou na Justiça da Noruega. E o jornal não conseguiu provar nenhuma relação criminosa entre os dois.

Mas essa é outra história.

As empresas que apresento estão todas registradas na Receita Federal do Brasil. Aqui relacionadas conforme documentos oficiais.

Acrescente-se que fui avisado que menciono nomes capazes de vendeta. Quem é jornalista verdadeiro está acostumado com ameaças.

Eis o suingue:

Primeira empresa
Chalezinho Francês

O nome denunciaria o verdadeiro dono: o francês Gilles Auguste Eugene Epaud.
Mas quem aparece como proprietária é Cristiane Epaud, que se apresenta como esposa de Gilles. Daí a origem do sobrenome . Há quem duvide que nome e sobrenome sejam verdadeiros, mas não há como desacreditar. Com essa assinatura foi nomeada alta funcionária do Tribunal de Contas do Rio Grande do Norte. Demitida, está requerendo uma volta triunfal, e o recebimento de todos os atrasados.

Segunda empresa
Sol Brazils Com. & Construção

Registrada como micro empresa. Apesar de ser uma construtora de edifícios. Sócia responsável Christine Epaud, com 2% do capital. Sócio Administrador Thomas Kristiansen, com 49%. Acontece que nos registros do Ministério da Fazenda não aparece o nome do detentor dos restantes 49%. Não sabia que se podia registrar empresa com proprietário de nome ignorado. Mesmo que seja laranja. É, realmente, uma empresa com sócio fantasma. A Sol Brazils possui vários terrenos praieiros. Onde cantam os grilos anônimos.

Terceira empresa
E Faros Processamento de Computação

Registrada como micro empresa de comércio varejista especializado de equipamentos e suprimentos de informática.
Sócio responsável e administrador Christine Epaud. Com 40 % do capital. E Snorre Fossland, com 60% do capital, é apenas um mero sócio. Um empresário sem faro para comandar a micro empresa.

Quarta empresa
Nova Dimas Construção 2005

Sócio administrador e responsável Cristine Epaud. Com apenas um por cento.
Arturo Lazaro Rocandio possui os restantes 99% das quotas.
Esta micro empresa também atua na construção de edifícios.

Quinta empresa
Restaurante Marbella

Sócio administrador e responsável Christine Epaud com apenas um por cento do capital. José Ignacio Baranano Zuazua tem 48% e Teodoro Bello Ruizpere, sócio majoritário, com 5l% por cento. Atividades restaurantes e similares. Apesar dos restaurantes (no plural), acredito que o melhor da empresa fica para os similares.
Esta empresa funciona no Ponta Negra Flat, na Avenida Engenheiro Roberto Freire. O restaurante Marbella é outra micro empresa.