Juiz condena Bradesco por chamar funcionários de “meiabocas”

Bradesco: a empresa foi denunciada por adotar política de estímulo à produção considerada "agressiva e humilhante"
Bradesco: a empresa foi denunciada por adotar política de estímulo à produção considerada “agressiva e humilhante”

O juiz Carlos Hindemburg de Figueiredo, da 9ª Vara do Trabalho em João Pessoa (PB), condenou o banco Bradesco a pagar indenização de R$ 800 mil por danos morais coletivos pela prática de assédio moral, discriminação e demissões abusivas contra funcionários. A decisão, tomada no dia 9 de agosto e divulgada nesta quinta-feira, é fruto da ação civil pública do procurador Cláudio Cordeiro Queiroga Gadelha, que recebeu as denúncias da Vara do Trabalho de Santa Rita (PB).

Segundo o MPT, a empresa foi denunciada por adotar política de estímulo à produção considerada “agressiva e humilhante”, com a divisão dos bancários em três grupos: o dos “bambambam”, que produziam mais; o dos “meiabocas” e o das “tartarugas”, prática considerada “dano à integridade emocional” dos funcionários. “A conduta ilícita ofende toda a coletividade”, informou o procurador Gadelha.

De acordo com a procuradoria, o inquérito civil que apurou o assédio moral apontou ainda que a “prática de metas” era reiterada, combinada com humilhações àqueles que não as alcançassem. “O comportamento do assediante não incomoda apenas o empregado atingido, mas todos que trabalham no mesmo ambiente, que se revela absolutamente conflitivo, altamente tenso e, por tudo isso, inadequado para todos”, relatou Gadelha.

Outra denúncia do MPT contra o Bradesco aponta que o banco não contrata trabalhadores que possuam o CPF “restrito”, ou seja, com nome no cadastro do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e Serasa. Para o MPT, essa prática é “discriminatória, um abuso de direito e fere a Constituição Federal”.

 

OS CACHORROS DA DITADURA

Ninguém tem ficha suja para se eleger prefeito, vereador, governador, deputado e senador.
Ou para ser nomeado ministro, presidente de banco etc.
Um sem teto, sim.

A Serasa, o SPC – e outros sebosos e descontrolados serviços de espionagem e quebra dos sigilos fiscal e bancário dos trabalhadores – são os raivosos cães de guarda da ditadura econômica. Talvez mais cruel que uma ditadura militar.

Conheça as gestapos de uma cruel ditadura

Um prestamista brasileiro, para comprar um fogão, uma cama, seja o que for para sua pobre moradia, tem a vida devassada.

Entrega cópias da carteira de identidade, do CPF, da declaração do imposto de renda, do cheque salário, de uma postagem dos correios como comprovação do endereço, número de telefone e mais e mais informações e documentos.

Os lá de cima roubam o Brasil, e permanecem protegidos pelo sigilo fiscal, pelo sigilo bancário, pelo segredo de justiça, pelo foro especial, pelos cães de guarda, pelas empresas de segurança, pelos advogados blindados de porta de palácio; e possuem dupla nacionalidade, contas secretas nos paraísos fiscais, e casas de praia, de campo, na cidade e no exterior, e passaporte e jatinho para todo tipo de fuga.

O brasileiro comum é espionado pelas Gestapos do SPC e da Serasa e outros famigerados farejadores serviços de informações, e perseguidos por cobradores, stalkings e oficiais de defunto.

E a imprensa do apartheid social louva a nossa democracia capitalista. Quando vivemos em uma ditadura econômica das transnacionais, que esfola, mata e come.

Por que o governador treme?

Toda notícia no condicional é mentirosa.
Não se faz jornalismo com teria. Nem histeria.

 

Que esconde o governador Tarso, para ter medo dos hackers?

Os piratas da internet buscam o quê?

 

A Cerasa e o SPC possuem os dados da maioria dos brasileiros. A imprensa até aplaude essa invasão da privacidade.

As empresas do governador Tarso devem usar os serviços da Gestapo Cerasa, SPC e outros sistemas de espionagem.

 

Os hackers podem invadir meu computador.

O ruim é quando os hackers são espiões doutras nações. Que os satélites artificiais, que estão no céu do Brasil, servem para isso. Espiar. Ver de perto nossas riquezas desnacionalizadas. Doadas. O Brasil é o país das concessões. Dos leilões das estatais. Da Amazônia devastada pelo tráfico de madeira. Pelos latifúndios da lavoura de exportação. Pelas mineradoras. É o país colônia internacional.