Exclusivo. Os cartazes das campanhas de Aécio, Eduardo Campos e Dilma

A polícia avaliou em um milhão de dólares uma notícia. Para a Sobornne pernambucana constitui um preço justo. Idem a justiça absolutista que bateu o martelo.

Um cartaz publicitário deve valer muito mais. Que os melhores marqueteiros são os que cobram a campanha mais cara, e possuem contas em paraísos fiscais.

Dizem que propaganda é plágio. Que seja. Ofereço de graça aos cientistas políticos de Dilma, Aécio, Eduardo Campos, Marina Silva, Serra, Joaquim Barbosa e outros presidenciáveis, algumas sugestões que a imprensa espanhola – La Marea – apresenta como “aberrações de ontem e de hoje”.

 

 

 

1.- Cañete corporativo.
1.- Cañete corporativo.

 

2.- Acuarela de abrazos y buen rollo socialista.
2.- Acuarela de abrazos y buen rollo socialista.
3.- Conciencia de clase, él la tenía.
3.- Conciencia de clase, él la tenía.
3.- Ilusionando desde 1990
4.- Ilusionando desde 1990
4.- Hijos de buena estirpe caminando.
5.- Hijos de buena estirpe caminando.
5.- Nos gobernó ocho años, dejando descendencia.
6.- Nos gobernó ocho años, dejando descendencia.
6.- Vota PSOE, y ¿volverá el feudalismo? ¿Haremos castillos e iglesias?
7.- Vota PSOE, y ¿volverá el feudalismo? ¿Haremos castillos e iglesias?
7.- Ejem…
8.- Ejem…
8.- Regenerándose.
9.- Regenerándose.
9.- E vaia que se volveron
10.- E vaia que se volveron (Aqui a foto de Tancredo ou Arraes com o neto no colo)
10.- Si no votas, Stalin y Sabino Arana se hacen un selfie
11.- Si no votas, Stalin y Sabino Arana se hacen un selfie
11.- También le votaron, y gobernó…la culpa es de los políticos.
12.- También le votaron, y gobernó…la culpa es de los políticos.
12.- Todos tenemos un pasado.
13.- Todos tenemos un pasado.
15.- Quiso volver a entrar.
14.- Quiso volver a entrar.
16.- Falacia Ad Hitlerum. Adolf Hitler también hizo campaña electoral
15.- Falacia Ad Hitlerum. Adolf Hitler también hizo campaña electoral

PDS de Agamenon e Eduardo Campos presidente

William
William

A campanha presidencial de Eduardo Campos começa por eliminar, em Pernambuco, as lideranças populares (os Antonios Joaquim de Medeiros, o “Chapéu de couro”, preso pela polícia de Arraes em 1964)  e estudantis (os Demócritos de Sousa Filho) de Dilma Rouseff.

E proteger os  aliados no primeiro e, com certeza, no segundo turno, que são Aécio Neves (PSDB + DEM + dissidência do PMDB) e Marina Silva.

Quero dizer que estarão juntos, seja no primeiro, seja no segundo turno: Eduardo Campos, a família Lira de Caruaru, a família Coelho de Petrolina, Sérgio Guerra, Jarbas Vasconcelos. Para esta aliança faltam os acordos com Armando Monteiro e Marco Maciel.

Uma campanha dos netos. O de Arraes (Eduardo Campos), o de Tancredo (Aécio Neves) e o de Agamenon Magalhães (Armando Monteiro).

Pernambuco continua um feudo político de Agamenon. Vejamos quais os governadores herdeiros do “China gordo“: Barbosa Lima Sobrinho (este sobrinho vem do governador Alexandre José Barbosa Lima, 1892-96); Etelvino Lins, que tentou uma aliança idêntica a de Eduardo Campos para disputar a presidência da República; Miguel Arraes de Alencar (protegido de Barbosa Lima); Paulo Guerra, Nilo Coelho, Moura Cavalcanti, Marco Maciel, Joaquim Francisco, todos da escola do PSD de Agamenon; e Roberto Magalhães (sobrinho de Agamenon).

Um feudo de barões ruralistas, delegados de polícia e de familiares.

Para não repetir o fracasso de Etelvino, de Agamenon (vetado pela poderosa filha de Getúlio, Alzira Vargas), de Arraes (uma história nebulosa, e baseada em uma profecia), Eduardo Campos precisa selar os pactos pernambucanos e nacionais.

Em Pernambuco, calar os gritadores de rua. Daí a repressão policial contra os estudantes.

Tem como trunfos de propaganda o julgamento do Mensalão e, na imprensa internacional, a força do nome do Partido Socialista Brasileiro (PSB), que preside.

Pernambuco do imperador Eduardo Campos. Documento comprova que é Wilson Damásio quem manda a Polícia prender arbitrariamente manifestantes e agredi-los

por Noelia Brito

DITADURA
O Boletim de Ocorrência abaixo, a que o Blog teve acesso comprova que o secretário Wilson Damázio deu ordens para que integrantes dos principais movimentos participantes dos protestos em Pernambuco fossem perseguidos e presos ilegalmente pela Polícia.
Já havia suspeitas de que o secretário estivesse ordenando as prisões ilegais e o arbitramento de fianças altíssimas como forma de perseguir politicamente, através do aparato policial comandado por ele, todos que protestam ou fazem qualquer tipo de oposição independente ao governo Eduardo Campos, agora está aí a prova documental que faltava.
Esse BO comprova que integrantes do grupo “Resistência Pernambucana” foram detidos ilegalmente por ordem expressa do Secretário que, segundo informações que nos chegaram, assistia aos protestos pelas Câmeras da SDS e escolhia pessoalmente a quem a polícia deveria prender.
Não foi à toa que foram detidos cirúrgica e sem qualquer motivação, integrantes dos grupos autonomistas, como os militantes da Unidade Vermelha, Rodrigo Dantas (levado para a Delegacia de Boa Viagem) e da Resistência Pernambucana, o militante Cristiano Vasconcelos (levado para a Delegacia de Santo Amaro).
O militante André, sempre presente nas manifestações foi vítima de detenção arbitrária também, quando estava comprando água em um restaurante próximo à Delegacia de Santo Amaro (foi levado com dois menores que também estava comprando àgua e levado para a GPCA)
BO que comprova a existência de prisões políticas em Pernambuco por ordem  direta do Secretário de Defesa Social, Wilson Damázio
BO que comprova a existência de prisões políticas em Pernambuco por ordem
direta do Secretário de Defesa Social, Wilson Damázio
Militante Rodrigo Dantas recebeu spray de pimenta dentro do olho  quando já estava imobilizado no chão
Militante Rodrigo Dantas recebeu spray de pimenta dentro do olho
quando já estava imobilizado no chão
Militante foi algemado e teve machucados ocasionados  pelos excessos da polícia de Damázio e Eduardo
Militante foi algemado e teve machucados ocasionados
pelos excessos da polícia de Damázio e Eduardo

PACTO PELA VIDA?

Policiais sob o comando de Wilson Damázio e Eduardo Campos realizam prisões arbitrárias, agridem manifestantes e ainda mandam “tomar no **”. O registro foi feito pela reportagem do Diário de Pernambuco.

Wilson Damásio, o braço armado de Eduardo Campos
Wilson Damásio, o braço armado de Eduardo Campos

 

 

[Nota do redator do blogue: acrescentei as adjetivações “braço armado” e o apelido “imperador”, divulgado pelo jornalista Ricardo Antunes que, por sua vez, foi chamado de “infame” por Eduardo Campos]

 

No governo de Eduardo Campos impera a condução debaixo de vara

Constitue uma duvidosa prática da polícia do governador Eduardo Campos ordenar o comparecimento de cidadãos livres à Sorbonne, sob pena de condução coercitiva. Isto é, na marra – o famoso manda quem pode, obedece quem tem juízo.

Este o modelo ditatorial que Eduardo Campos – ele que odeia ser chamado de “Imperador” – oferece aos brasileiros se eleito presidente. O caso da estudante de direito Vatsyani Ferrão é um exemplo, entre outros.

Reclama o advogado André Fonseca:  “A Polícia Civil é um dos órgãos mais corporativos. Até hoje, não nos foi fornecido os nomes nem as matrículas dos agentes envolvidos na agressão”.

Eis a cena tenebrosa: dois desconhecidos pegam uma pessoa na rua, e sem se identificar, e comprovar que são policiais, jogam a presa em um carro. Qual deve ser a reação dessa vítima , neste Brasil de sequestros?

O secretário de Defesa Social de Pernambuco Wilson Damázio: ”Os agentes apresentaram o documento, [mas] ela rasgou o mandado e resistiu à prisão, chegando a dar uma tapa em um dos agentes. Saíram lesionados os próprios agentes, que foram encaminhados para corpo de delito. Eles tiveram arranhões e hematomas inclusive. Esperamos os laudos das perícias para poder saber a extensão das lesões”
 Vatsyani Marques Ferrão, 41 anos, além de estudante de direito, deve praticar artes marciais. “Uma tapa” dela causa hematomas em dois homens.
Cenas de prisões em protestos de rua:
Barcelona
Barcelona
Chile
Chile

Acho impressionante dois policiais treinados levar uma pisa de uma mulher de 41 anos, considerada parte fraca.

Vatsyani Ferrão escreve hoje no Facebook: “Nunca recebi nenhuma intimação. Vão ter que comprovar”, desmentido a afirmação de que rasgou o mandato de condução coercitiva.

Somente por Mandado Judicial pode-se Intimar sob pena de Condução Coercitiva: Privativo do Poder Judiciário

Habeas corpus concedido para obstar ordem de comparecimento sob pena de condução coercitiva. (TRF – 3ª Região, Hábeas Corpus nº 12399 (2002.03.00.000731-1), 2ª Turma, Relª. Juíza Federal Conv. Marianina Galante, Rel. p/acórdão Juiz Federal Conv. Souza Ribeiro, DJU 26.03.2004)

Muito do que ocorre, com a truculência policial, advém dos longos 450 anos de nossa história ser totalitária e absolutista. Somados os períodos esparsos de Estado de Direito, o Brasil conta apenas 50 anos, e na história recente, apenas 32 anos.

Assim, muito das normas policiais que eram legítimas no Estado Novo de Getúlio Vargas (época de nosso Código de Processo Penal), não mantém substrato perante a nova Ordem Constitucional.

Assim não pode a Polícia Civil, nem a Militar, nem o Órgão do Ministério Público expedir mandado de intimação para comparecimento em data, hora e local determinado, sob pena de condução coercitiva, pois fere o direito inviolável de liberdade de ir e vir.

Somente os órgãos judiciais têm essa atribuição constitucional.

Ademais, como pode a Polícia Civil expedir um Mandado de Intimação, SOB PENA DE CONDUÇÃO COERCITIVA (também chamado de condução DEBAIXO DE VARA) determinando que o indivíduo saia de sua casa, trabalho ou lazer, para comparecer a determinado local, sob pena de desobediência e condução coercitiva.

E todos os dias é o que vemos. Pessoas sendo tolhidas no seu direito constitucional de liberdade de ir e vir, de exercer a plena defesa, e de permanecer calada.

No entanto a Polícia Civil expede Mandados de Intimação de Comparecimento sob pena de condução coercitiva (debaixo de varas), tanto às testemunhas, quanto ao ofendido ou contra o agente.

E nessas intimações policiais nenhum fundamento, motivo ou tipo penal é expresso. É um chamado às escuras, onde o Intimado deve comparecer sem saber do que se trata: Se é testemunha; réu; ou vítima; ou se existe ou não Inquérito Oficial instaurado; e contra quem; ou sobre o quê. Leia mais

Da escuridão do Reluz recifense as ameaças de morte à Noelia Brito

noelia brito foto

Aconteceu com Mosquito, e o stalking terminou com um misterioso suicídio. Vem sucedendo com o mais conhecido, internacionalmente, cartunista brasileiro Carlos Latuff, ameaçado pela polícia do governador Sérgio Cabral. No exílio permanece o premiado jornalista Mauri König, ameaçado de morte pelos delegados caça níqueis do governador  Beto Richa.

Em Recife, a polícia prendeu o jornalista Ricardo Antunes, por seis meses, pela plantação de ter negociado com o bacharel em Jornalismo, Antônio Lavareda, uma notícia por um milhão de dólares – a notícia mais cara do mundo. Preço jamais visto na História da Imprensa. Contra esta arbitrariedade fui anticandidato a presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Pernambuco. Coloquei Ricardo Antunes como vice-presidente. A chapa registrada, e única concorrente da chapa continuísta, deu, sem querer, uma nada consta contra Ricardo Antunes. Fiz o domado sindicato, indiretamente, defender Ricardo Antunes contra os secretários jornalistas do governador Eduardo Campos, que chamou Ricardo Antunes de “pobre coitado” e “infame”.

É neste Pernambuco ditatorial, da antiga Sorbonne, que se promove o assédio a Noelia Brito. Exemplo dessas costumeiras mensagens no Brasil:

Mosquito ameaça polícia terrorismo

Da escuridão do Reluz, Noelia Brito vem recebendo os corruptos, criminosos, nefastos, fúnebres avisos de morte anunciada: “os imeios contendo xingamentos e ameaças para que não fizesse qualquer menção ao caso da licitação do Reluz em nenhum dos espaços onde escreve. Dois dias após as ameaças, portanto, no dia 23 de agosto, o jornal Correio Braziliense revelou que um apadrinhado de Geraldo Julio fora o vencedor da licitação milionária destinada à instalação de luminárias na capital pernambucana. O resultado dessa licitação já havia sido anunciado, com antecedência, nos classificados de jornais e pelo Blog Carta Polis”.

Acrescenta Noelia Brito: “Antes das ameaças por email, esta blogueira já vinha sendo vítima de uma série de ataques difamatórios em postagens realizadas por perfis falsos plantados no grupo Direitos Urbanos, do Facebook, no Blog de Jamildo, onde assina coluna semanal, e no Facebook, em perfis “fakes”.

O caso já foi denunciado à Polícia Federal, “já que as verbas do Reluz são federais, e os crimes cometidos pelos bandidos que tentam calar a voz desta blogueira são federais”, informa Noelia Brito. Leia mais

denúncia

noelia brito retrato

SÓ ENTRA NOS ESTÁDIOS GENTE FINA, BEM EDUCADA E COM DINHEIRO NO BOLSO

BRA^MG_EDM mineirão estádio

Essa de futebol paixão das multidões já era. Privatizado pela Fifa, os estádios construídos com o dinheiro do povo têm os espectadores selecionados pelos preços dos ingressos. Uma autoridade até sugeriu o uso de paletó e gravata. Mas os cartolas ingleses ficaram contra. Pode ir com camisa comprada em grifes autorizadas. É isso aí: Todos os produtos vendidos dentro e nas imediações de cada estádio precisam ser de patrocinadores da Copa das Confederações e da Copa do Mundo.

Em Salvador as negras baianas exigiram vender acarajé. Vão arranjar pra elas um cantinho bem escondidinho e de difícil acesso. Essa exceção  ficou aberta depois de muita agitação nos terreiros da Bahia. Precisou baixar uma romaria de pais de santo. Os cartolas ficaram com medo de algum feitiço. Aconteceu o consentimento quando se descobriu que uma ventania mais forte pode derrubar o Engenhão no Rio, e o teto do Maracanã desabou com uma chuva.

Informa Ricardo Antunes: “Só teremos seis baianas, na Fonte Nova, vendendo acarajé na Copa das Confederações”.

Vão ser proibidos no Minerão: pão com queijo e cachaça de alambique.

Pernambuco não pode vender o tradicional bolo pé-de-moleque. No Rio de Janeiro, Sérgio Cabral vende Pezão.

Acrescenta Ricardo: “Futebol no Brasil virou Teatro de Ópera. Pelo menos nos jogos da seleção será assim. Povo não entra pois o ingresso é caro e a FIFA privatizou a outrora paixão popular. Todo mundo branco, bonito e bem comportado. Antes gente fina ia pra cadeira; e gente, que não  tinha grana, ia pra geral. Meninos eu vi. Era preto, branco, mestiço, mulato, moreno, sarará e amarelo. Todos juntos. Esperamos 64 anos para, numa nova Copa, celebrarmos ao mundo nossa ‘democracia racial’ e a inserção ‘dos pobres rumo à classe média’. Será que aconteceu mesmo? Tiraram o povo da festa”.

Dizem que o ministro Joaquim Barbosa vai de toga. Para não passar nenhum vexame.

+++

P.S. O blogue de Ricardo Antunes, Leitura Crítica,  continua censurado por algum juiz ou desembargador. Que a justiça brasileira anda fazendo o serviço sujo da censura, realizado na ditadura militar por um coronel, gorila fardado. A censura judicial explica porque os tribunais funcionaram sem parar nos tempos que Jango, que vice-presidentes e governadores foram cassados, e o Congresso fechado. Proibido de escrever sobre política, e de trabalhar, Ricardo, para não enferrujar, arrisca falar de futebol e variedades numa página do Facebook. E de graça. Uma notícia de Ricardo era cotada, pela polícia de Eduardo Campos, em um milhão de dólares. Para completar, Ricardo, depois de torturado nos porões da Sorbonne – foram quase seis meses de prisão ilegal, arbitrária e inquisitorial system – vem sofrendo stalking, por parte de parlamentares da linha dura do governador de Pernambuco.

Outro abuso nos estádios: os luxuosos camarotes dos governadores. Oferecem do bem bão e do melhor. Não sei quem paga. Tem ar condicionado ambiente. Várias dependências. Sala de estar, com dois ambientes, mesa de reuniões e bar, uma bela sala de jantar e amplo quarto com closet e banheiro. O quarto para um sono tranquilo, ou descansar ou fazer outras coisas. Acesso a Internet Wi-Fi. Tv a cabo. Varanda para assistir os jogos. Um luxo só.

A mesma farra dos camarotes no carnaval, e no carnaval fora de época. No São João de Caruaru são 31 dias de festa, ou melhor, 31 um dias de camarote do prefeito.

No Coliseu de Roma, que funcionou durante 500 anos, os imperadores tinham camarote.

Os camarotes voltaram no esplendor da Renascença com os teatros. Uma divina mordomia da realeza. Um privilégio, um abuso, uma ostentação, um desperdício de dinheiro público, uma exibição de riqueza e luxo e luxúria que precisa acabar. E já.

camarotes_da_arena_pernambuco2arena

Depois de cinco meses preso na Sobornne, solto Ricardo Antunes sob censura prévia

Unknown

O jornalista pernambucano Ricardo Antunes foi solto na noite desta terça-feira (26), às 22h. Ele já está em casa, onde tomou hoje seu primeiro café da manhã livre. O anúncio oficial da sua soltura deve ser realizado pela Secretaria de Defesa Social (SDS) às 11h.

Blogueiro nacional sai em defesa de Ricardo Antunes e vê ação política do Estado

O jornalista, editor do blog Leitura Crítica, foi preso em flagrante por suposta tentativa de extorsão ao marqueteiro político Antônio Lavareda. Ricardo Antunes havia denunciado um suposto esquema de corrupção que teria incomodado o marqueteiro. O jornalista teria exigido R$ 2 milhões para deixar de produzir as matérias.

Jamildo Melo
Jamildo Melo

Um dia depois de a blogueira cubana Yoani Sanchez ter deixado o Brasil, o jornalista Ricardo Antunes, colunista político do site leituracritica.com, teve revogada sua prisão e está em liberdade desde o final da noite de ontem quando recebeu o alvará de soltura.

O jornalista foi preso a 48 horas das eleições municipais de 05 de outubro, acusado de tentar extorquir o marqueteiro Antônio Lavareda em cerca de R$ dois milhões) em 30 parcelas de R$ 50 mil. A prisão foi feita pelo GOE – Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil do Estado de Pernambuco.

A juíza da 9ª Vara Criminal do Recife, Sandra Beltrão, contrariou o parecer do Ministério Público e negou pedido dos advogados de Lavareda pela manuntenção da prisão e decidiu pela revogação da preventiva.

“Peço vênia à douta Promotora de Justiça”, mas “não posso manter a custódia cautelar uma vez que o acusado se encontra preso há quase cinco meses, sem que tenha sequer audiência designada”.

No despacho, a juíza também argumentou que, embora constem outros processos contra o acusado, em sua grande maioria eles se referem a causas cíveis, não envolvem matéria criminal.

“Logo, ele é primário e não vejo como dizer de periculosidade reconhecida”, consignou a juíza ao não acolher o parecer da Promotora Sueli Araújo Costa, que opinou pela manutenção da prisão preventiva.

A juíza Sandra Beltrão disse, ainda, que a gravidade do suposto crime “não é motivo suficiente para manter a prisão preventiva, principalmente quando a prisão se deu há quase 05 meses, sem que tenha se iniciado a instrução criminal. Ademais, ele tem endereço fixo e profissão definida”, sentenciou.

Os advogados do jornalista comemoram a decisão, mas disseram estranhar o fato de a promotora ter demorado quase 40 dias para dar seu parecer, retardando o exame do pedido de revogação da prisão preventiva. Segundo os advogados, o prazo para o Ministério Público emitir parecer é de 5 dias.

“Não vamos entrar nessa discussão agora, mas todos sabem que o processo teve um cunho politico muito forte, até mesmo pelos atores envolvidos. Talvez seja o único caso na literatura forense em que alguém tenha sido preso por tentar fazer uma extorsão de US$ um milhão de dólares, por matérias reconhecidamente verdadeiras e, ainda por cima, em 30 parcelas mensais”, ironizou Polyana Accioly, do escritorio MC Advogados Associados, que defende o jornalista Ricardo Antunes.

A próxima “batalha” dos advogados do jornalista será contra o que consideram “censura prévia” imposta por decisão do TJPE, que, em outro processo movido pelo publicitário Antônio Lavareda, proibiu Ricardo Antunes de fazer qualquer menção ao nome do marqueteiro e de suas empresas em seu blog, sob pena do pagamento de multa de R$ cinco mil reais por citação.

O marqueteiro também tentou retirar do blog todas as matérias citando o nome do empresário, sob o argumento de que elas seriam “difamatórias e denegriam a imagem e os negócios” do marqueteiro. O pedido não foi acatado pelo TJPE.

Anteriormente, no mesmo processo, a juíza da 6ª Vara Cível de Jaboatão dos Guararapes, Catarina Vila-Nova Alves de Lima, também havia negado a retirada das matérias do blog leituracritica.com, afirmando que não vislumbrava, em nenhuma delas, nada de ofensivo à honra ou à imagem do empresário e que as mesmas foram frutos do trabalho “imparcial e crítico” da imprensa, garantido pela Constituição Federal.

Blog de Jamildo

Prisão motel

Tem preso que fica incomunicável. Caso de Ricardo Antunes. Pela máxima culpa de ser pobre.

Milhares e milhares de presos – sequestradores, assaltantes de banco, pistoleiros – vão ter indulto natalino. Ricardo Antunes vai passar o Natal e o Ano Novo em uma masmorra de segurança máxima. Simplesmente por que está “sem dinheiro e socialmente desamparado”. Que sofra! Quem mandou escrever os podres do Leão do Norte.

O Aníbal Bruno, o maior presídio do mundo, denunciado como campo de concentração nazista, matadouro e centro de tortura, desde que se pague, vira motel para encontros sexuais. Acontece o mesmo em outros Estados.

Para comemorar o aniversário, o goleiro Bruno Fernandes recebeu a visita da amante  Ingrid Oliveira na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Seds), Ingrid deixou a cadeia por volta das 14h deste domingo, após pernoitar no local.

O bicheiro Cachoeira também recebia a visita da amante (que a imprensa chama de noiva).

E para comemorar o encontro sexual, a imprensa fotografou

imagembeijo

Quero ver os jornalistas “safados” (assim classificados pelo presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa), empregados que recebem o salário de fome e medo, ousar o registro da via crúcis de Ricardo Antunes, preso político da Sorbonne.

Sobre Ricardo publicaram, nos dias 5 e 6 de outubro último, um release parcial e interesseiro da polícia do governador Eduardo Campos, sentenciando o coleguinha jornalista, e decretando a lei do silêncio.

Ricardo Antunes entrou com pedido de reconsideração da prisão preventiva. A justiça entra em recesso forense nesta sexta-feira

charge-preso1

O jornalista Ricardo Antunes encontra-se preso incomunicável, em algum tenebroso cárcere da Sorbonne, desde 5 de outubro último, antevéspera das eleições municipais.

Uma prisão que lembra os tempos da ditadura militar. Estranho, bem esquisito, que a grande rede que publicou o press release da prisão de Ricardo,  o press release da polícia do governador Eduardo Campos, não informou ainda o parecer da juíza Catarina Vila-Nova Alves de Lima que negou o pretensioso desejo de Antônio Lavareda apagar o blog Leitura Crítica.

A decisão da juíza Catarina Vila-Nova Alves de Lima enobrece a Justiça do Brasil e é uma importante e histórica defesa da Liberdade de Imprensa. Precisa ser lido por todos os brasileiros, principalmente os jornalistas e estudantes de Jornalismo.

A juiza negou o pedido e disse que as matérias de Ricardo, em princípio, nada continham de ofensivo e representavam o exercício da Liberdade de Imprensa. Citou, inclusive, diversos trechos da relevante decisão do Supremo que revogou a lei de imprensa da ditadura.

Corre o boato de que Ricardo Antunes vem sofrendo tortura. Isso se deve ao silêncio cúmplice.

No processo em que responde por suposta extorsão, e no qual se decretou sua prisão preventiva, o advogado entrou com petição pedindo a reconsideração dessa preventiva. Deu entrada no pedido no dia 5 último. O recesso forense começa nesta sexta-feira (21/12), a partir das 14 horas.
 jaula medo pássaro preso polícia

A trama do governador para prender o jornalista Ricardo Antunes

Espera Eduardo Campos fazer uma dobradinha com Aécio Neves, para concorrer contra Dilma Rousseff. Que dupla!

Em 2014, uma semelhante cobra criada
Em 2014, uma semelhante cobra criada

Um coronel da Casa Militar, quando Aécio era governador, com uma arma engatilhada na cabeça da vítima, fez uma jornalista ajoelhar.

Tal barbaridade aconteceu em uma solenidade de inauguração de alguma obrazinha, que uma jovem jornalista, estagiária da TV do governo, foi cobrir.

Sem desmerecer, a tv Globo faz de Tim Lopes o mártir da imprensa brasileira, para que fiquem esquecidos os jornalistas que morreram na ditadura militar e na atual pós-ditadura.

A chapa presidencial anfisbena constitui uma ameaça para liberdade de imprensa.

Que fez Ricardo Antunes para ser preso?  Chamou Eduardo Campos de “Imperador”.

Resultado: está amordaçado, e ajoelhado, em algum cárcere da Sorbonne. Foi preso e sentenciado pela polícia do governador.

“Segundo a Polícia Civil, o atrito começou em março, quando o blog foi criado. Após ter recusado o convite para ser sócio ou patrocinador da página, (Antonio) Lavareda passou a ser alvo de matérias que denegriam sua imagem. As reportagens eram publicadas semanalmente, mas nos últimos meses os textos passaram a ser veiculados quase diariamente”. Isso é mentira. De março a outubro, da abertura ao apagão ditatorial, Ricardo escreveu apenas umas cinco notícias contra Lavareda. Vou retranscrever todas.  Para provar que tal afirmação policial é:

balão, balela, caraminhola, embuste, falsidade, impostura, invencionice, novela, patarata, potoca, chute, mistificação, fraude, impostura.

“De acordo com informações, Antunes teria pedido R$ 2 milhões para tirar todas as matérias do ar e ameaçou a fazer as publicações em nível nacional”.

“Tirar do ar todas as matérias”, isto é, apenas (exclusivamente) do blogue Leitura Crítica. Cobrar um milhão de dólares para fazer tal serviço é pedir muito. O blogue, comercialmente, não vale uma titica de galinha.

Que poder tem Ricardo para “fazer publicações em nível nacional”? Se tivesse não estava preso.

O delegado Claudio Castro comentou a ação. “Ele usou dessa forma para exigir um dinheiro, sem nenhum parâmetro para isso, na condição de retirar essas matérias do blog. Ele vai responder em juízo pelo crime de praticou e somente o juiz pode liberá-lo, com o pagamento de fiança. Na delegacia isso não acontece, tendo em vista que o crime tem uma pena que varia de quatro a dez anos de prisão”, disse ao G1.

O crime sentenciado pela polícia é inafiançável. É considerado hediondo. Equivale a sequestro.

Leia todas as matérias publicadas por Ricardo Antunes com a tag Antônio Lavareda.

Leia todas as matérias publicadas por Ricardo Antunes com a tag governador Eduardo Campos.

Leia todo o noticiário publicado. E dê um preço estrambólico. Vale um milhão de dólares?

Talvez, por este preço, alguma notícia que Ricardo bravateou publicar. Quiçá.

Tal notícia escondida, que vale um milhão de dólares, fica para algum sócio da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. Falta coragem.