Vil dra til Brasil

por David DAVID STENERUD

Bjørn Løvstad har i flere år investert i ferieeindommer i Brasil. Han mener helerisiktelsen mot han i forbindelse med den såkalte «Operasjon Paradis» er et resultat av bakvaskelser fra et konkurrerende eiendomsselskap. Foto: David Stenerud
Bjørn Løvstad har i flere år investert i ferieeindommer i Brasil. Han mener helerisiktelsen mot han i forbindelse med den såkalte «Operasjon Paradis» er et resultat av bakvaskelser fra et konkurrerende eiendomsselskap. Foto: David Stenerud

– Jeg skjønner at det høres helt vilt ut, sier helerisiktet i Natal-saken, Bjørn Løvstad.

Den knallharde etterforskningslederen, og leder for organisert kriminalitet i Rio do Norte, Romulo Berredo sa denne uken at han ønsker å få utlevert nordmennene som er siktet i hvitvaskingssaken i Natal i Brasil.

NA24 – din næringslivsavis

Det må for de fleste av dem stå som det verst tenkelige mareritt – spesielt etter at de to fengslede gjengmedlemmenes advokat Marius Dietrichsons gikk ut og beskrev soningsforholdene som «verre enn helvete».

Drar gjerne
Til sammen er fem nordmenn buret inne i Brasil etter onsdagens store politiaksjon rettet mot gjengmiljøet. Forholdene skal være så ille at de to gjengmedlemmene som har sittet der siden i mars må sove på skift i frykt for å bli drept av medfanger.

Bjørn Løvstad forklarer seg gjerne for etterforskningslederen, og leder for organisert kriminalitet i Rio do Norte, Romulo Berredo.Bjørn Løvstad forklarer seg gjerne for etterforskningslederen, og leder for organisert kriminalitet i Rio do Norte, Romulo Berredo.Foto: Ole Peder Giæver

Nå sier eiendomsinvestor og tidligere nattklubbeier Bjørn Løvstad, som er helerisiktet i saken, likevel at han er villig til å la seg utlevere for å gi brasiliansk politi sin versjon av saken.

– Jeg skjønner at det høres helt vilt ut, sier 40-åringen til NA24.

Mandag vil han sette seg ned med sin advokat og utforme en konkret redegjørelse for sin versjon. Denne vil han oversende til Brasil, med beskjed om at han veldig gjerne kommer ned og forklarer seg direkte overfor etterforskerne der.

Har kone og datter i Brasil
Løvstad forklarer ønsket med hensynet til familien – han har kone og en datter på tre år i Natal.

– Jeg er veldig glad i min kone og datter. Det er de to mest verdifulle tingene i mitt liv, sier han til NA24.

– Du vil vel be om en forsikring fra politiet i Brasil om at du ikke blir fengslet?

– Ja, selvfølgelig.

– Men kan du stole på en slik forsikring?

– Det er en risk. Den er jeg villig til å ta, sier Skien-mannen.

Siktet for heleri
Bjørn Løvstad var en av 17 personer som ble pågrepet i politiets storaksjon i Oslo onsdag. Samtidig ble 10 personer innbrakt i Brasil, blant dem tre nordmenn og Løvstads brasilianske kone.

40-åringen er siktet for heleri i den store hvitvaskingssaken, men slapp ut etter noen timers avhør onsdag. 11 av de 17 arresterte i Oslo, blant dem flere medlemmer av B-gjengen, mottok fredag fengslingskjennelser på mellom én og sju uker.

Bjørn Løvstad hevder han aldri har gjort noen forretninger med B-gjengen.

Mener kameratens svigermor står bak
Løvstad har en egen teori om hvem som står bak mistanken som har blitt rettet mot ham og flere andre han mener er helt uskyldige i saken.

Han mener det konkurrerende eiendomsselskapet SolBrasil er ute etter å sverte sine konkurrenter og samtidig forsøke å dekke til sin egen kontakt med B-gjengen.

SolBrasil drives av nordmannen Thomas Kristiansen, men Løvstad mener det er dennes brasilianske svigermor som står bak og trekker i trådene. Han viser til flere eksempler og episoder han mener underbygger mistanken.

LES OGSÅ: Svigermor slår tilbake

SolBrasil-leder Thomas Kristiansen vil ikke kommentere Bjørn Løvstads påstander.SolBrasil-leder Thomas Kristiansen vil ikke kommentere Bjørn Løvstads påstander.

Beskyldninger i epost
22. april mottok Bjørn Løvstad det han mener er en feilsendt e-post, fra en person med tilknytning til eiendomsselskapet SolBrasil i ferieparadiset Natal i Brasil.

NA24 har sett eposten som inneholder grove beskyldninger mot det konkurrerende eiendomsselskapet Blue Marlin – om blant annet hvitvasking av penger og utpressing.

Bak Blue Marlin står en kjent utelivskonge fra Trondheim.

– Har noe på deg også
– Jeg ringer ham og forelegger ham eposten. Da sier han at det er sjokkerende, men at han har noe på meg også forteller Bjørn Løvstad til NA24.

Trondheims-investoren skal nemlig ha hørt at Løvstad og hans brasilianske kone har gått i dekning etter å ha blitt beskutt av colombiansk mafia. Bilen hans skal, ifølge ryktene, være gjennomhullet av kuler. SolBrasil-lederen Thomas Kristiansens svigermor skulle angivelig ha sett kulehullene i bilen med egne øyne.

– Det er jo så vilt at du nesten ikke kan tro det er sant, sier Løvstad om ryktespredningen.

Tok bilde med B-gjengen
En annen indikasjon Løvstad ser på at SolBrasil driver et spill er bildet av ham selv sammen med to B-gjengen-medlemmer, som dukket opp i Dagens Næringsliv denne uken.

Bildet er tatt av Thomas Kristiansen.

– Jeg ville i utgangspunktet ikke bli tatt bilde av, men Thomas Kristiansen insisterte og sa at han hadde fått et nytt kamera. Skulle jeg si at jeg ikke ville bli tatt bilde av fordi det var med dem? Det hadde ikke vært så bra, sier Løvstad.

Løvstad hevder det i alt ble tatt tre bilder. I tillegg til bildet med ham selv og gjenggutta, ble det tatt ett med Thomas Kristiansen og de to norskpakistanerne, og ett av alle fire, som en forbipasserende ble bedt om å ta.

– De to siste bildene har han visst glemt å vise til media, sier Løvstad lakonisk.

Vil ikke uttale seg
Brasiliansk politi mener selskapene Blue Marlin, Natal Invest, og Løvstads eget Tarpoon har forbindelser til B-gjengen, men har ikke satt noe søkelys mot SolBrasil – og Thomas Kristiansen kunne denne uken «berolige alle kjente med at jeg overhodet ikke er involvert i denne saken», ifølge Telemarksavisa.

Det synes Løvstad er påfallende, ettersom han mener SolBrasil-lederen er den personen som har hatt mest med B-gjengen å gjøre av alle nordmennene i Natal.

Thomas Kristiansen selv vil ikke kommentere Bjørn Løvstads påstander overhodet.

– Jeg har ingen kommentarer i det hele tatt. Beklager. Hei, er alt NA24 får ut av ham før han legger på.

 —
Confira. Veja a razão de Natal ser considerada Paraíso do Crime pela imprensa norueguesa. Thomas Kristiansen é sócio de  Christine Epaud na Sol Brazils, e genro.
Christine empresária, proprietária de mais de dez empresas.
E funcionária pública. Não diz de onde. Sempre esconde o local do trabalho. Por quê?
Cosa nostra. Bem brasileira: funcionária e empresária. Bem legal para Chistine.

1 – Quem é o sócio de Christine Epaud?

Thomas Kristiansen de Skien

O genro Thomas Kristiansen de Skien é sócio da sogra Christine Epaud em uma empresa de construção de edifícios de luxo em Natal, registrada como micro empresa.
Pergunto para as autoridades do Brasil (Ministro da Fazenda, Receita Federal, governadora do Rio Grande do Norte, secretário das Finanças do Rio Grande do Norte, Junta Comercial):
– Uma pequena empresa, micro, conforme registro na Receita Federal, pode vender e construir edifícios e condomínios de luxo e comprar valiosos terrenos e outros imóveis?

E mais, como Thomas Kristiansen arranjou dinheiro, que chegou ao Brasil falido, como ex-presidiário, duas vezes preso na Noruega, por sonegação e desfalque?

Vou repetir a denúncia aqui, o criminoso Thomas Kristiansen é sócio da

Sol Brazils Com. & Construção

Registrada como micro empresa. Apesar de ser uma construtora de edifícios. Sócia responsável Christine Epaud, com 2% do capital. Sócio Administrador Thomas Kristiansen, com 49%. Acontece que nos registros do Ministério da Fazenda não aparece o nome do detentor dos restantes 49%. Não sabia que se podia registrar empresa com proprietário de nome ignorado. Mesmo que seja laranja. É, realmente, uma empresa com sócio fantasma. A Sol Brazils possui vários terrenos praieiros. Onde cantam os grilos anônimos.

Este Thomas Kristiansen já foi preso pela Polícia Federal do Brasil, e solto, e negou que fosse sócio de qualquer empresa.

Veja que ele aparece nesta notícia com sócio de outros bandidos:

“Thomas Kristiansen, que ainda é o dono de 47,5 por cento das ações da empresa Solbrasil AS. Os outros dois acionistas são Frode Olafsen com 47,5 por cento, e Ole Bjørn Valen de Skien, com cinco por cento. Valentine é dono das ações através de sua construtora Brevik, empresa que também foi declarada falida“.

Chistine Epaud, ex-empregada doméstica na França, apareceu sem nenhum dinheiro para comprar dois hotéis, e montar cinco empresas em Natal. De onde veio este dinheiro? Na duvidosa e suspeita compra de dois hotéis na Praia do Meio, o Chalezinho Francês e o Beira-Mar, apresentou duvidosos recibos para despacho do desembargador Aderson Sivino. Que validou os recibos. Uma vergonha.

Quero saber de onde veio o dinheiro para quitar esses dois hotéis, com preços para lá de desvalorizados?

O desembargador Aderson Sivino não sabe a origem nem o destino. Mas considerou a existência desse dinheiro. Isto é, eta justiça camarada, considerou como “legítimo”, real, palpável, dedável e contado, esse

* dinheiro não depositado em nenhuma agência bancária
* dinheiro não declarado `a Receita Federal
* dinheiro que entrou ilegalmente no Brasil
* dinheiro de origem duvidosa

E dinheiro em espécie. Dinheiro papel moeda. ˜Vultuosa soma” – reconheceu o desembargador Aderson Sivino em despacho. Seiscentos cinquenta mil reais. Cr$ 650,000,00. Mais de meio milhão. Para transportar esta grana toda, contrataram quantas jamantas de mudança?

E, finalmente, dinheiro com paradeiro ignorado. O desembargador Aderson Sivino também desconhece o destino desse dinheiro fantasma, laranja e invisível.

(Continua)

O bem amado da justiça do RN

A vida livre e nababesca de Thomas Kristiansen em Natal, “Paraíso do Crime”

Thomas Kristiansen, duas vezes preso na Noruega

Jornal da Noruega – DN no – historia como Thomas Kristiansen conquistou Natal.

Tradução do Babel XL:

Thomas Kristiansen (35) é gerente geral da e é dono de metade da empresa Solbrasil. Ele estava de férias em Natal e gostou do lugar. No verão passado, ele estabeleceu uma empresa especializada em comunicação, apartamentos e casas na área de Natal para os noruegueses. Kristiansen tem um fundo na indústria do entretenimento em Porsgrunn. Mas pubs e discotecas dele tinham o péssimo hábito de ir à falência. Ainda em abril do ano passado (2005) Kristiansen tesoureiro, teve o “benefício” de 775,000 milhões. O tribunal distrital decidiu em Skien, em 2000, condenar Kristiansen à prisão por um ano e dois meses. O veredito referia a ele como um cavaleiro falência típico.

Kristiansen motorista Solbrasil não come sozinho.

Ele é sócio com Frode. Frode vive uma vida reclusa, e administra os assuntos internos da empresa, diz o advogado Aslak Rannestad, na Procuradoria Barfod e Propriedade, em Langesund, que coopera com Solbrasil.

Frode Olafsen (30) está ocupado em outras fontes, quando não estava de férias ou a vender apartamentos no Brasil. Através da empresa ProTech, também conhecida como a loja do espião, vendia Olafsen equipamentos de pesos, equipamento de gravação oculta, binóculos noturnos e coletes à prova de balas. 14 dias após o roubo NOKAS, a Polícia entrou em ação contra a loja do espião loja. Vários dos coletes à prova de balas que estavam em uso durante o assalto em Stavanger, foi adquirido na Loja Spy. Olafsen já tinha sido, anteriormente, condenado por receptação e roubo agravado.

De qualquer maneira, as vendas NOK Solbrasils obterá uma torção em um futuro próximo. O gerente-geral e gerente de vendas Thomas Kristiansen, em breve, cumprirá sua segunda condenação por apropriação indébita de fundos. Será um tempo de espera na prisão por um ano.

Jogo fácil. Santiago Hounie, diretor da polícia de imigração e da Interpol, representante em Natal, está fortemente preocupado com o crescente número de criminosos estrangeiros que buscam refúgio na área local. No Rio Grande do Norte.

– Temos um aumento enorme em matéria penal. De Estrangeiros que vêm aqui, disse ele.

– E com eles vem um monte de dinheiro. Se estabelecem no mercado imobiliário, vida nocturna, a prostituição, sim. Eles estão fazendo para tornar lojas regulares no shopping aqui. Porque eles vivem uma vida normal com suas esposas e filhos, é difícil para nós fazer alguma coisa. Este é um grande problema para nós, diz Hounie.

Ele admite que tem recursos limitados para colocar em.

– Infelizmente. Nós não temos tantos que podem monitorar isso. Temos pouca informação sobre os criminosos estrangeiros, e nós temos muito pobre cooperação com as autoridades policiais em seus países de origem. Assim, você pode dizer que é muito inteligente deles para investir aqui.

O policial tem pontos interessantes. Na Noruega, uma mudança recente na legislação, determina que o governo pode confiscar propriedades ou bens se o infrator não provar que os bens foram obtidos legalmente.

Mas talvez não seja tão fácil de encontrar tais ativos ou investimentos se eles estão no Brasil?

– Não há dúvida de que há algo acontecendo no Brasil, diz Jan Erik Nybakk, que até fevereiro era o líder da Seção Interpol de NCIS.


Comentário de Talis Andrade, editor único deste blog:

A empresa de Thomas Kristiansen funciona no Chalezinho Francês, que conforme decisão do judiciário de Natal, foi adquirido pela sogra desse foragido da justiça da Noruega.
O dinheiro para a compra do hotel tem origem desconhecida. E mais desconhecido ainda o destino. Trata-se de um caso que coloca em suspeita juiz, procurador e desembargador envolvidos.

Essa relação da justiça com a família Epoud, Christiane, Gilles e Thomas, dá nojo. O Conselho Nacional de Justiça precisa investigar.

Christiane é sócia do genro na Solbrasil, com 2% do capital. O terceiro sócio, Frode Olafsen, com 49% do capital, também bandido, estranhamente, não aparece na papelada de registro no Ministério da Fazenda, Receita Federal, nem Secretárias da Fazenda das prefeituras e Governo do Rio Grande do Norte. A Solbrasil tem o seguinte nome de registro: Sol Brazils Com. & Construção. 

A Christiane é sócia doutra empresa de construção, de Thomas Kristiansen e
 Arturo Lazaro Rocandio, com 2% do capital – a  Nova Dimas Construção 2005. Todas localizadas em um mesmo endereço, no Chalezinho Francês, doado pelo judiciário do Rio Grande do Norte para Christiane Epaud. Nas praias de Natal você encontra as placas: terrenos da Sol Brazils.

Thomas Kristiansen, bandido norueguês acoitado pela justiça do RN

Thomas Kristiansen, rei de Natal

Thomas Kristiansen, várias vezes preso na Noruega, comanda negócios imobiliários no Rio Grande do Norte. Faz parte da quadrilha que transformou Natal em “Paraíso do Crime” internacional

Kristiansen, foragido no Brasil, é genro do casal Epaud. Para quem o judiciário do Rio Grande do Norte deu de presente o Chalezinho (do) Francês, na Praia do Meio, em Natal. O nome, a marca proprietária do francês Gilles Epaud, casado com Christine, natural da Tanzânia.

O escandaloso cobertor da justiça

Uma das parte podres do caso Christine Epaud é que no processo, com despacho do desembargador Aderson Sivino, os nomes dos donos desse hotel permanecem encobertos.

A lavadaria da justiça do RN

A negociação do Hotel Chalezinho tem vários lobos. E muita grana no chapeuzinho vermelho. Dinheiro de desconhecida origem, e ignorado destino. Dinheiro isento de imposto de renda.
Trata-se de uma “vultuosa soma”, declarou o desembargador Aderson Sivino. Ele não sabe o montante. Parece piada. Somados, os recibos duvidosos, apresentados por Christine Epaud, passam de um milhão de reais.

– E por quanto foi vendido o Chalezinho?
– 500 mil reais?
– 600 mil reais?

Os recibos passam de um milhão. Ou de um milhão e 200 mil. Não é uma gracinha? Nem Kafka explica.

Trata-se de dinheiro lavado. Nem uma lavadaria lava mais branco que a justiça.

Neste hotel, o criminoso Thomas Kristiansen, juntamente com a sogra Christine Epaud, montou uma empresa imobiliária. Neste mesmo pequeno hotel existem, de Christine Epaud, mais quatro empresas.
Quatro empresas. Todas em um único apartamento. Apertado quarto lata de sardinha.
E duas são de construção. Tudo ao arrepio da lei.

Ministro Guido Mantega veja só:

Sol Brazils Com. & Construção

Registrada como micro empresa. Apesar de ser uma construtora de edifícios. Sócia responsável Christine Epaud, com 2% do capital. Sócio Administrador Thomas Kristiansen, com 49%. Acontece que nos registros do Ministério da Fazenda não aparece o nome do detentor dos restantes 49%. Não sabia que se podia registrar empresa com proprietário de nome ignorado. Mesmo que seja laranja. É, realmente, uma empresa com sócio fantasma. A Sol Brazils possui vários terrenos praieiros. Onde cantam os grilos da justiça.

Nova Dimas Construção 2005

Sócio administrador e responsável Cristine Epaud. Com apenas um por cento. 
Arturo Lazaro Rocandio possui os restantes 99% das quotas.
 Esta micro empresa também atua na construção de edifícios.His Brazil do crime

Com a Sol Brazils, na Natal His Brasil, “Paraíso do Crime” , o norueguês Thomas Kristiansen começou seus negócios de grilagem de terra, compra de imóveis – um deles seria o Chalezinho Francês. Ou Chalezinho Tanzaniano. Ou Chalezinho Norueguês.
Jornal da Noruega conta como começaram os negócios criminosos de Thomas Kristiansen

Continua