O bem amado da justiça do RN

A vida livre e nababesca de Thomas Kristiansen em Natal, “Paraíso do Crime”

Thomas Kristiansen, duas vezes preso na Noruega

Jornal da Noruega – DN no – historia como Thomas Kristiansen conquistou Natal.

Tradução do Babel XL:

Thomas Kristiansen (35) é gerente geral da e é dono de metade da empresa Solbrasil. Ele estava de férias em Natal e gostou do lugar. No verão passado, ele estabeleceu uma empresa especializada em comunicação, apartamentos e casas na área de Natal para os noruegueses. Kristiansen tem um fundo na indústria do entretenimento em Porsgrunn. Mas pubs e discotecas dele tinham o péssimo hábito de ir à falência. Ainda em abril do ano passado (2005) Kristiansen tesoureiro, teve o “benefício” de 775,000 milhões. O tribunal distrital decidiu em Skien, em 2000, condenar Kristiansen à prisão por um ano e dois meses. O veredito referia a ele como um cavaleiro falência típico.

Kristiansen motorista Solbrasil não come sozinho.

Ele é sócio com Frode. Frode vive uma vida reclusa, e administra os assuntos internos da empresa, diz o advogado Aslak Rannestad, na Procuradoria Barfod e Propriedade, em Langesund, que coopera com Solbrasil.

Frode Olafsen (30) está ocupado em outras fontes, quando não estava de férias ou a vender apartamentos no Brasil. Através da empresa ProTech, também conhecida como a loja do espião, vendia Olafsen equipamentos de pesos, equipamento de gravação oculta, binóculos noturnos e coletes à prova de balas. 14 dias após o roubo NOKAS, a Polícia entrou em ação contra a loja do espião loja. Vários dos coletes à prova de balas que estavam em uso durante o assalto em Stavanger, foi adquirido na Loja Spy. Olafsen já tinha sido, anteriormente, condenado por receptação e roubo agravado.

De qualquer maneira, as vendas NOK Solbrasils obterá uma torção em um futuro próximo. O gerente-geral e gerente de vendas Thomas Kristiansen, em breve, cumprirá sua segunda condenação por apropriação indébita de fundos. Será um tempo de espera na prisão por um ano.

Jogo fácil. Santiago Hounie, diretor da polícia de imigração e da Interpol, representante em Natal, está fortemente preocupado com o crescente número de criminosos estrangeiros que buscam refúgio na área local. No Rio Grande do Norte.

– Temos um aumento enorme em matéria penal. De Estrangeiros que vêm aqui, disse ele.

– E com eles vem um monte de dinheiro. Se estabelecem no mercado imobiliário, vida nocturna, a prostituição, sim. Eles estão fazendo para tornar lojas regulares no shopping aqui. Porque eles vivem uma vida normal com suas esposas e filhos, é difícil para nós fazer alguma coisa. Este é um grande problema para nós, diz Hounie.

Ele admite que tem recursos limitados para colocar em.

– Infelizmente. Nós não temos tantos que podem monitorar isso. Temos pouca informação sobre os criminosos estrangeiros, e nós temos muito pobre cooperação com as autoridades policiais em seus países de origem. Assim, você pode dizer que é muito inteligente deles para investir aqui.

O policial tem pontos interessantes. Na Noruega, uma mudança recente na legislação, determina que o governo pode confiscar propriedades ou bens se o infrator não provar que os bens foram obtidos legalmente.

Mas talvez não seja tão fácil de encontrar tais ativos ou investimentos se eles estão no Brasil?

– Não há dúvida de que há algo acontecendo no Brasil, diz Jan Erik Nybakk, que até fevereiro era o líder da Seção Interpol de NCIS.


Comentário de Talis Andrade, editor único deste blog:

A empresa de Thomas Kristiansen funciona no Chalezinho Francês, que conforme decisão do judiciário de Natal, foi adquirido pela sogra desse foragido da justiça da Noruega.
O dinheiro para a compra do hotel tem origem desconhecida. E mais desconhecido ainda o destino. Trata-se de um caso que coloca em suspeita juiz, procurador e desembargador envolvidos.

Essa relação da justiça com a família Epoud, Christiane, Gilles e Thomas, dá nojo. O Conselho Nacional de Justiça precisa investigar.

Christiane é sócia do genro na Solbrasil, com 2% do capital. O terceiro sócio, Frode Olafsen, com 49% do capital, também bandido, estranhamente, não aparece na papelada de registro no Ministério da Fazenda, Receita Federal, nem Secretárias da Fazenda das prefeituras e Governo do Rio Grande do Norte. A Solbrasil tem o seguinte nome de registro: Sol Brazils Com. & Construção. 

A Christiane é sócia doutra empresa de construção, de Thomas Kristiansen e
 Arturo Lazaro Rocandio, com 2% do capital – a  Nova Dimas Construção 2005. Todas localizadas em um mesmo endereço, no Chalezinho Francês, doado pelo judiciário do Rio Grande do Norte para Christiane Epaud. Nas praias de Natal você encontra as placas: terrenos da Sol Brazils.

Bandido internacional na sociedade do RN

Thomas Kristiansen

A cidade de Natal foi conquistada por conhecidos bandidos internacionais. Vou começar por um deles. Thomas Kristiansen, que em 2006 montou uma empresa Solbrasil AS, ou Sol Brasils Com & Construção, que funciona, nos registros da Receita Federal, e ministérios da União e secretarias do Rio Grande do Norte, no endereço Avenida Presidente Café Filho, 886, Praia do Meio, Natal.

É um endereço bonito.

Para quem não sabe, trata-se de um pequeno quarto no Chalezinho Francês, um hotel que já mudou de nome várias vezes. O prestígio desse Thomas Kristiansen é tão grande, que a quadrilha dele possui, neste mesmo local, mais quatro empresas, de sociedade com Christine Epaud, vulgo Zânia. Apelido que vem de Tanzânia, onde nasceu. O sobrenome Epaud de um suposto casamento com um francês.

Christine, de tríplice nacionalidade, dizem, que atanaza a justiça do Rio Grande Norte, desde que seus advogados são assessores de desembargadores. Inclusive contratou uma procuradora do Estado. Essas relações perigosas concedem à Christine um tratamento especial da justiça africana do Rio Grande do Norte.

Kristiansen responde a processo em Skien, Noruega, seu país de origem. Voltarei com mais informações.