O partidarismo político de uma manchete

villa bôas

O general Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, 63 anos, está no comando geral do Exército brasileiro desde fevereiro. Nesta semana, esteve pela primeira vez em Pernambuco depois de assumir a função. Em passagem pelo Recife, concedeu entrevista aos jornais e falou sobre drogas, crise, transposição do Rio São Francisco, golpe militar e mulheres no Exército. O currículo de Villas Bôas inclui a função de adido militar na China, chefe da assessoria parlamentar do Exército e comandante militar da Amazônia. Além disso, em 2014, respondeu pelo comando de operações terrestres, com atuação na estratégia de defesa da Copa do Mundo.

O título de uma notícia pode se transformar em slogan de propaganda política, e tendencioso, por destacar uma frase fora do contexto, inclusive por orquestrar uma meia verdade.

Transcrevo a entrevista de Villas Bôas, e que título escolheu o Diário de Pernambuco, um jornal sectário e facioso?

.

Transposição
Ontem (quinta-feira passada) fomos a Paulo Afonso conhecer as obras da transposição do Rio São Francisco. É realmente de importância transcendental. Pela primeira vez se empreendeu projeto capaz de mudar a realidade do Nordeste. O Brasil entrou no século 20 e saiu do século 20 com a mesma realidade. Hoje sabemos que não sairemos do século 21 da mesma forma. São quinze anos de atraso, o que sacrifica uma geração, mas é um avanço incrível de qualquer forma.

Crise
O orçamento dos sete projetos estratégicos do Exército sofreu corte de 40%. O que considero mais importante para a sociedade é o Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron), iniciado em 2012 para melhorar o controle da fronteira e avaliado em R$ 12 bilhões em dez anos. A previsão era concluir em 2022, mas hoje, com o ritmo orçamentário que nós temos, ele não estará pronto antes de 2035. São tecnologias sensíveis, que correm o risco de ficar obsoletas até lá. A Polícia Federal estima que 80% da criminalidade urbana são ligadas ao tráfico de drogas. E tudo passa pela fronteira. Nos preocupa também o fato de as empresas contratadas serem obrigadas a interromper os serviços.

Descriminalização das drogas
É uma questão sensível. Preocupa bastante. As polícias se manifestam contra. Em um pronunciamento, o presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria disse ser veementemente contra. Ele disse que as pessoas não imaginam a relação entre droga e suicídio. Isso nos afeta. Não posso admitir a discriminalização no Exército. Não posso admitir militar armado de serviço consumindo droga.

Golpe
As manifestações de rua que pedem a volta do regime militar são uma questão complexa. Nossa interpretação é que as pessoas não pedem a volta do governo militar, com algumas exceções. Estão reclamando dos valores. Estamos em crise econômica, política e ética. Se transformar em crise social, pode gerar problemas de segurança pública e o Exército pode ser chamado a intervir.

Mulheres
Hoje 5% do nosso efetivo são formados por mulheres, mas na área técnica, e não na operacional. Em 2016 faremos concurso para elas ingressarem em 2017 pela primeira vez na Academia Militar das Agulhas Negras. Teremos mulheres cadetes.

Título
Destaquei em azul os possíveis títulos. A entrevista de Villas Bôas aborda variados temas do mais alto interesse público.

Mas o Diário de Pernambuco preferiu um escandaloso. Que oferece esperança de uma intervenção militar para derrubar Dilma Rousseff.

Nem é preciso esclarecer, em defesa da paz em um grave momento de crise social, “o Exército pode ser chamado a intervir”.

Apologia
O Diário de Pernambuco tascou o seguinte título de apologia da ditadura militar:
“O Exército pode ser chamado a intervir”, diz comandante geral do Exército”

É um título que parece vago, não explicativo, mas que deixa a impressão de que o Exército está pronto para…

Urariano Mota: Dilma e a seca humana em Cabrobó

 

DCIM100MEDIA

Clique para ampliar
Clique para ampliar

O jornalista e escritor pernambucano Urariano Mota, em sua coluna Prosa, Poesia e Política, fala sobre a chegada de água com as obras de transposição do Rio São Francisco numa das regiões mais secas do Brasil, Cabrobó (PE). Urariano também questiona a postura da grande mídia que não faz a cobertura que deveria para um acontecimento desse porte.

“E ninguém fez (o combate à seca), desde o império, desde as lagrimas de crocodilo choradas pelo ditador Médici, quando visitou o Nordeste na seca. Mas por enquanto, até esta hora, Dilma não apareceu na notícia nem as obras existem. Que venham as águas para distribuir a verdade”, disse o escritor.

Clique para ampliar
Clique para ampliar

DCIM102GOPRO

Ouça Urariano Mota

Tomar ou não tomar banho eis a questão do eleitor de Alckmin

ONG francesa dará aulas em São Paulo sobre como viver sem banho

suvaco-nova-modalidade-de-emprego

Tem que ser uma ONG européia. Ô povinho sujo!

Toda maldade deste vasto mundo possui seu lado bom. Com a seca planejada pela Sabesp, o povo ficou conhecendo as almas sujas dos governadores tucanos de São Paulo. Quase quatro décadas de mando. Desde o governo de Montoro, eleito em 1982.

O que fizeram pelo abastecimento d’água para o povo? Nadinha. Neca de pitibiriba. Principalmente Serra e Alckmin.

Alckmin
Alckmin

Aproveitaram para roubar mais, lá na Sabesp. Deram meio milhão para a fundação de Fernando Henrique. Que é uma imensa parede para pendurar os diplomas emoldurados de doutor honoris causa de FHC. Que a profissão de ladrão do povo tem reconhecimento internacional, por beneficiar os piratas estrangeiros.

A única obra importante foi vender a Sabesp. Ou melhor dito, entregar a preço de banana para a felicidade geral da bolsa de Nova Iorque. O povo paga água, que custa o olho da cara, e a dinheirama vai parar em estranhas mãos.

Um país que privatiza a água, não ama o povo. A água vale mais que o ouro. É uma bênção de Deus, afirmam os sertanejos no (de)sertão do Nordeste brasileiro. “Se liga aí, paulistano”, aconselha Marcos Simões.

Certo que essa história da ONG é uma piada: “A solidariedade entre os povos chegou a um nível comovente. Sensibilizados pelo drama dos paulistanos, franceses estão em nosso país exclusivamente para ensinar como viver sem tomar banho”.

O paulista não toma banho porque falta água. Daí o aparecimento na imprensa de notícias para rir da crise. E outras verdadeiras:

Durante o verão, as altas temperaturas nos faz ter que tomar uma série de banhos para conseguirmos nos sentir confortáveis. Apesar da crise hídrica, não resta muita opção quando não se tem um ar-condicionado sempre por perto. Quem é rico se vira, tem ar frio em casa, a temperatura ideal, e pode tomar banho de água mineral.

O brasileiro branco, de origem européia, costume indígena, adquiriu o hábito de tomar ao menos um banho por dia, coisa que nem sempre é feita em alguns países, mesmo os mais desenvolvidos.

Mas você já se perguntou se realmente é necessário tomar banho todos os dias? Segundo o artigo de Rachel Wilkerson Miller, do BuzzFeed, alguns especialistas afirmam que não precisamos tomar banhos com tanta frequência como somos acostumados.

A autora falou com dois dermatologistas sobre o assunto, e eles explicaram um pouco mais sobre o assunto.

Eles contaram que os norte-americanos – que tomam banho na mesma frequência que os brasileiros – usam o chuveiro muito mais do que o necessário. Segundo Dr. Joshua Zeichner, professor assistente de dermatologia do Hospital Mount Sinai, em Nova York, a frequência que tomamos banho e o que notamos como odor corporal é “muito mais um fenômeno cultural”.

A dermatologista Dr. Ranella Hirsch, de Boston, concorda com seu colega. Ela disse: “Nós tomamos muitos banhos neste país, e isso é perceptível. Uma boa parte da razão por que fazemos isso é devido a normas sociais”.

Tais normas são resultados, principalmente, de uma boa publicidade. Até o final da década de 50, os homens não usavam perfume nem sabonete com cheiro.

As mulheres entraram no mercado de trabalho, e mais homens começaram a trabalhar em fábricas, ocasionando em outro foco cultural de limpeza, gerando o ato de necessidade de banho.

Outro problema é que nossa pele, ao ser exposta a banhos com muitas frequências – especialmente em águas quentes – pode ressecar e irritar, atém de retirar bactérias boas que existem na epiderme e servem para nos proteger. Isso pode causar fissuras de ressecamento que podem levar a infecções. [Cuidado com certas informações, que a sujeira pode causar as mais graves doenças]

Os dois médicos dizem que os pais não devem dar banhos em bebês e crianças diariamente. Isso porque a exposição à sujeira pode fazer com que a pele se torne menos sensível e consiga evitar alergias e doenças como eczema.

Para os especialistas um banho a cada 2 ou 3 dias é o ideal. Eles indicam que limpar apenas os pontos mais críticos é a medida que devemos tomar, principalmente no inverno, quando sentimos menos necessidade de banhos.

No verão o indicado é usar produtos mais suaves nos banhos, evitando assim irritar a pele. Esses produtos mais suaves custam uns dois salários mínimos.

É isso aí.  Nem precisa lavar o corpo, nem trocar de roupa.

Não é lenda. Pura verdade. As índias tinham nojo dos brancos. As índias brasileiras eram amantes de banhos de rio. E andavam nuas, cheirosas. Cheiro gostoso de corpo molhado, refrescado. Os europeus fediam. As índias eram forçadas a fazer sexo, na escravidão e nos estupros das guerras de conquista.

ÍNDIOS TOMANDO BANHO NO RIO XINGU/PA. Clau Barbosa
ÍNDIOS TOMANDO BANHO NO RIO XINGU/PA. Clau Barbosa

 

Governos tucanos enriquecem os industriais da seca

Santo
Santo

 

O governo do PSDB em São Paulo está devendo uma explicação aos paulistas. O estado mais rico do Brasil, infelizmente, está passando por uma crise sem precedentes no abastecimento de água. Segundo pesquisa do Datafolha, 60% dos moradores da capital paulista dizem ter ficado sem água em casa em algum momento nos últimos 30 dias. Mas os tucanos precisam explicar por que só agora passaram a admitir o problema, mesmo sendo alertados pelos técnicos da área há praticamente um ano.

A situação é “gravíssima”, como finalmente reconheceu Dilma Pena, presidenta da Sabesp, a estatal do governo paulista responsável pelo abastecimento da Capital. Sua declaração, dada uma semana depois da vitória do tucano Geraldo Alckmin no primeiro turno, mostra o quanto o PSDB foi irresponsável com a população, ao subordinar um tema tão vital aos interesses eleitorais dos tucanos.

Pior ainda: no mesmo depoimento à CPI da Sabesp, na Câmara Municipal, Dilma Pena disse que estaria proibida pelo TRE de fazer a publicidade que julgava correta para alertar a população. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, a Justiça Eleitoral nega esse veto. Mas certamente nada a teria impedido — a não ser a conveniência eleitoral — de ter sido transparente e falar tudo o que desejava numa entrevista ou comunicado da Sabesp, por exemplo.

Se na economia, os tucanos gostam de plantar inflação para colher juros altos, no caso da crise da água está evidente que plantaram desinvestimento e agora estão obrigando a população a colher racionamento. Em Cristais Paulista, por exemplo, 1.600 crianças estão sem aulas, suspensas por causa da falta de água nas escolas.

Se os governos do PSDB tivessem feito as obras planejadas para aumentar a reservação no Estado e diminuir a dependência da Capital do Sistema Cantareira, o quadro seria outro.

O primeiro passo agora para atenuar o problema é o governo estadual em São Paulo abandonar a postura arrogante. Durante a eleição, o governador Geraldo Alckmin chegou a dizer que não faria racionamento porque as chuvas sempre vem nos meses que têm a letra “r”. O povo paulista acreditou nele quando a chuva não veio em maio, junho, julho ou agosto. Mas qual é a explicação do governador, agora que setembro passou e outubro está quase no fim e a chuva ainda não chegou?

Reconhecer a gravidade do problema e ter humildade para aceitar a ajuda do governo federal é o que a população de São Paulo espera dos tucanos. A presidenta Dilma anunciou que está autorizando um empréstimo de R$ 1,8 bilhão da Caixa Econômica Federal, a juros subsidiados, para o consórcio responsável pelas obras do Sistema São Lourenço, que vai reforçar o abastecimento de São Paulo. É mais uma ação de Dilma, responsável pelo maior pacote de investimentos e obras da história de São Paulo.

Além disso, Dilma colocou seu governo inteiramente a disposição para qualquer ajuda que alivie o sofrimento dos paulistas em relação a crise da água, mas a Constituição determina que esse auxílio precisa ser pedido pelo governador.

Infelizmente, pelo que se viu na CPI da Sabesp, os tucanos preferem a chacota à seriedade no enfrentamento da questão. Uma gravação feita durante uma das sessões da CPI captou diálogo entre a presidenta da Sabesp, Dilma Pena, e o vereador do PSDB Andrea Matarazzo. Eles classificaram os trabalhos da CPI como “teatrinho”. Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, “Matarazzo tentava tranquilizá-la e afirmou que a comissão ‘não tem a menor consequência (efeito)’”. Ao que a presidente da Sabesp respondeu: ‘teatrinho’. O tucano, então, concordou dizendo: ‘totalmente’”. Um diálogo que parece servir como epílogo da encenação eleitoral com que os tucanos trataram a crise da água.

Na origem do problema está o equivocado modelo de gestão do PSDB. E não a seca, como os tucanos tentam justificar para a população. No lugar de usar uma parte do lucro das empresas estatais para fazer as obras que teriam evitado o atual sofrimento da população, os governos tucanos optaram por pagar os maiores dividendos aos acionistas das empresas estatais, incluindo especuladores da Bolsa de Nova York. Foi pensando e agindo assim que os tucanos levaram o Brasil ao racionamento de energia, em 2000. Agora, infelizmente, o mesmo quadro se repete em São Paulo, onde a insensibilidade do PSDB provocou algo impensável até pouco tempo atrás: o paulista já está vivendo sem a garantia de ter água em casa para as atividades mais simples, como tomar banho ou lavar louça.

seca água FHC

Governador tucano enganou o povo. “Socorro, Itu pede água”

capitalismo genocídio pobre
 

Itu – Há 20 dias não chega água na casa de Fabiana. Ela, seus vizinhos e outras 70 pessoas fazem fila em uma fonte pública para tentar encher alguns galões. O estado de São Paulo atravessa uma seca histórica, e os moradores de Itu pedem socorro.

“Tenho cinco filhos e não posso limpar minha casa. Uso pratos e copos descartáveis. Minhas filhas tomam banho no colégio. A situação é muito triste”, contou à Agência Efe Fabiana Silveira.

Na entrada das casas de outros moradores, cartazes foram afixados. Vários deles trazem a seguinte mensagem: “Socorro, Itu pede água”.

Situada a cerca de 100 quilômetros da capital paulista, a vida na periferia da cidade foi reorganizada em torno da chegada esporádica do caminhão pipa. A cada passagem, moradores correm para encher vários recipientes, de todos os tamanhos, para poder ter um pouco de água e realizar as tarefas cotidianas do lar.

Em bairros onde o caminhão não passou, os ituanos se amontoam em filas ao longo do dia para encher garrafas e galões, a fim de enfrentar uma seca que há vários meses atinge a região Sudeste, especialmente em São Paulo.

Depois de caminhar por mais de 45 minutos, Henrique Moretto chega ao local com sua mulher. Trazem com eles cerca de 20 garrafas de água vazias e um carrinho de mão enferrujado para ajudar a transportar a carga. Com 60 anos, ele se diz cansado e indignado com a situação e, como outros vizinhos, acredita que ela poderia ter sido evitada.

“Esse problema reflete uma falta de investimento. Por um longo tempo há essa falta de planejamento, mas a seca só nos tem tirado a energia”, diz Mariece Silvena.

A empresa responsável pelo abastecimento no município, a Águas de Itu, informou que está fazendo o possível para atenuar o problema, agravado pela ausência de chuvas. [Este é o resultado da privatização da água. A água não é um negócio. É um alimento, consagra a ONU]

Apesar de a cidade no interior ser uma das mais afetadas pela seca, os bairros da capital paulista também estão sofrendo com a crise, que passou a ser admitida pelo próprio governador, só depois das eleições do último 5 de outubro.

Reeleito no primeiro turno, Geraldo Alckimin enganou o povo.

 

 

Sid
Sid

Para não faltar água na véspera e domingo dia da eleição, Alckmin gasta o segundo volume morto

É “pré-tragédia”, diz presidente da ANA

 

Amorim
Amorim

 

O presidente da ANA (Agência Nacional de Águas), Vicente Andreu Guillo, se referiu ao uso da segunda cota do volume morto (água que fica no fundo das represas) do sistema Cantareira como a “pré-tragédia”. Ele participou na manhã desta terça-feira (21) de um debate na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) sobre a crise da falta de água no Estado.

Reportagem publicada nesta terça-feira em “O Estado de São Paulo” mostra que a Sabesp já retirou 3,2 bilhões de litros da segunda cota do volume morto na Represa Atibainha, em Nazaré Paulista, um dos reservatórios do sistema. O uso dessa segunda reserva profunda de água, que fica abaixo do nível das comportas, ainda não foi formalmente autorizado. A Sabesp nega descumprir a regra.

“[A Sabesp] quer retirar o segundo volume morto, que é a pré-tragédia. Mas não há alternativa para São Paulo que não seja chover ou tirar água do volume morto do Cantareira”, afirmou.

Na última sexta-feira (17), a ANA concordou com a proposta da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) de retirar uma segunda parte da reserva técnica do sistema, com 106 bilhões de litros de água. A companhia precisa ainda do aval do DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica) para começar a usar essa água.

A primeira cota do volume morto começou a ser captada pela Sabesp em maio deste ano, quando o Cantareira estava em 8,2%. Com a reserva, o nível de água disponível aumentou para 26,7%. Hoje, o sistema, que abastece um terço da população da Grande São Paulo (6,5 milhões de pessoas), está em 3,3% de sua capacidade de armazenamento. Esse percentual é o que resta da primeira parte do volume morto.

 

Nicolielo
Nicolielo

 

Sem água, moradores de Campinas enchem galões em Itupeva

foto_morador

fonte-itupeva fila

Morador do Campo Belo enfrentou fila para conseguir pegar água na fonte.
Bairro estaria sem galões de água para vender no comércio, diz morador.

Moradores da região do bairro Campo Belo, em Campinas (SP), decidiram buscar água mineral em uma fonte na cidade de Itupeva (SP) nesta segunda-feira (13). Imagens registradas pelo representante comercial Vanderley Oliveira, de 28 anos, mostram uma fila no local, às margens da Rodovia Miguel Melhado, que liga a cidade a Vinhedo (SP) e ao Aeroporto de Viracopos. Segundo Oliveira, a água mineral está em falta no comércio da região.

“Estava um sol de rachar. A fonte fica a oito quilômetros da minha casa, levei dois galões. Mas tinha gente com oito, 10 e garrafas pet”, disse o representante que esteve na fonte por volta das 13h. No local ele também encontrou moradores do bairro São Domingos, que fica perto da fonte. “Soube que teve gente durante a madrugada pegando água”, afirmou.

A alternativa de pegar água na fonte foi considerada porque, segundo Oliveira, ele não encontrou mais água mineral para comprar no comércio do Campo Belo. “Liguei até na distribuidora e eles disseram que não têm previsão”, contou ao G1.

 

Cazo
Cazo