Toda propaganda enganosa esconde uma ladroagem

Lá na vitrina do shopping, o preço 99.
99 não é 100.

Ou ainda:
Dez prestações de 99 não pesam no bolso de quem recebe o salário mínimo do mínimo de 545 reais.
1.000 reais, sim.

Assim é o anúncio do governo de um salário mínimo de 619,21.
Para o próximo ano.
Depois de setembro, outubro, novembro e dezembro.

No jogo das ilusões, 620 parece menos do que 619,21.
Os quebrados 21 fazem parte do truque da propaganda oficial. E com o cheiro de honestidade. O governo é incapaz de ficar com 21 centavos do povo.

Acontece que no Brasil não existe cédula de um real, e os caixas eletrônicos não cospem moedas. São milhões de trabalhadores e aposentados e pensionistas que perderão os trocados.

Ou melhor explicado: Nada se perde neste mundo. Nem mesmo na bolsa de valores. Algum sabido sempre acha.

A MAGIA DOS NÚMEROS

619,21 parece muito né?
Um carreirão de cinco números.
619, 21.

619,21 é mais do que 1,5.
1,5 bilhão. Dinheiro que Cacciola levou para a Itália.

619,21 é mais do que 13.
13 milhões. Dinheiro que Maluf diz que não é dele.

Taí outro dinheiro que o Brasil deixa lá fora. Sem dono, e perdido para todo sempre, que nem segredo eterno de torturador e de ladrão no foro especial da justiça, que não condena quem compra uma banca blindada de advogados.

619,21
o dinheiro de quem trabalha. E dos aposentados e pensionistas.
619,21

Conheça o mais generoso programa social brasileiro

Indignados e a crise: a revolta dos movimentos sociais na Europa 

Os indignados na EspanhaOs indignados na Espanha e no Galo da Madrugada no BrasilOs indignados no Galo da Madrugada

O ditador Castelo Branco, em 1964, cassou a estabilidade no emprego, e impôs, como compensação, o FGTS – Fundo de Garantia por Tempo de Serviço.

Líderes sindicais & partidos políticos & igrejas consideram o feito justo e democrático.

Não existe mais emprego fixo. Todo emprego passou a ser temporário. E precário. Que Fernando Henrique prosseguiu com o rasga da CLT – Consolidação das Leis do Trabalho. E Lula da Silva finalizou a empreitada.

Consolidação significa permanência, segurança, solidez. A CLT virou uma piada. Desconheço qualquer direito dos trabalhadores.

O Brasil possui mais de três milhões de exilados econômicos

espalhados pelos quatro cantos do mundo. São retirantes da fome, do desemprego, do atraso.

Realizam os serviços sujos e pesados do primeiro mundo. A maioria emigrantes ilegais, vítimas do racismo, do preconceito, dos assédios moral e sexual e da perseguição policial. Recebem abaixo do mínimo de cada país. Como escravos da globalização unilateral. Escravos voluntários. Esta condição mostra a cara de um Brasil cruel.

Melhor ser escravo noutras terras. Que no Brasil das empresas desnacionalizadas

 O patrão é o mesmo. Mais desumano, pela condição de colono.

Esse êxodo constitui o nosso melhor programa social. Que o valor médio do Bolsa Família hoje, R$ 115, não passa dos 60 dólares. Os emigrantes mandam em média 250 dólares para o sustento dos pais, cônjuge e filhos no Brasil.

A esmola do Bolsa sustenta mais de 30 milhões de famílias, ou mais de 90 milhões de brasileiros, considerando uma estrutura nuclear mínima de três pessoas. O governo gasta R$ 16,5 bilhões por ano. Uma “extravagância”, um “esbanjamento”, criticam as elites e a imprensa conservadora.

Quanto o Brasil recebe dos emigrantes continua um dos segredos eternos do governo.

É melhor ser trabalhador ilegal no exterior, do que ter carteira assinada no Brasil. Carteira que perdeu a valia.

Acabou-se a semana inglesa, a santificação do domingo, as horas extras pagas em dobro. Não existe mais tempo para descanso.

O salário mínimo continua congelado, e as pensões e aposentadorias são degradantes

Na Matrix, os trabalhadores falam de crise. Um crise recente. “La crisis es estructural y responde a las contradicciones del sistema capitalista. También, en que estas contradicciones se han traducido en las últimas décadas en la agresiva implementación de políticas neoliberales que, entre otros efectos, han provocado una grave erosión de los derechos de los trabajadores y trabajadoras, han derivado en la devolución de una parte importante de la reproducción y el cuidado a las familias (léase mujeres), han disminuido la participación de los salarios en las rentas estatales y han facilitado la reducción de las inversiones productivas y la desregularización del mundo financiero”.

Afunda o trabalhador e ajuda quem tem

O Banco Nacional do Desenvolvimento Social apenas beneficia empresa estrangeira.
E com o dinheiro do FAT – Fundo de Ajuda ao Trabalhador.

Esta é a desculpa: Dinheiro para gerar empregos. Para eles pagarem salário mínimo. Um dos piores salário mínimo do mundo capitalista.

Supermercados fecham pequenas mercearias, bodegas, lanchonetes, papelarias, farmácias, os pequenos negócios. Provocam a falência dos pequenos comerciantes.
Isso só acontece em país dominado, colonizado, corrupto.
Os supermercados devem ser construídos longe das zonas residenciais.
Para não destruir as pequenas empresas familiares.

Eta Brasil desumano. Que apenas ajuda quem tem.

O segredo eterno dos Neros

Empresários, cartolas, especuladores da bolsa, banqueiros, corsários, agiotas, atravessadores do mercado negro – nenhum come queto vai investir nos Coliseus de Dilma e de um grupo de governadores metidos a imperadores.

Implodiram estádios velhos (que desperdício!) para erguer novos. Quando o Coliseu, em Roma, construído por Nero, continua de pé, e rendendo dinheiro. Recebe mais turistas do que qualquer Copa do Mundo.

Vão edificar os novos estádios do Brasil maluco beleza com o dinheiro do PBH. Do Povo Bobo e Humilde, que recebe salário de fome, o salário mínimo do mínimo. Quanto menor o salário, maior o lucro de quem paga. É com este ganho, é com este roubo, e com o apurado da coleta de impostos diretos e indiretos, que os novos Neros vão erguer os estádios.

Construtoras e cartolas e o pessoal lá de cima do Ministério dos Esportes estão de olho na verba. Olho grande. Que a gastança vai ser imensa . E com dinheiro na moita.

CIRCO SIM, BOLACHA NÃO

Esta a manchete mais repetida da história da imprensa conservadora:
Brasil cresce, mas continua o país da desigualdade.

A imprensa da ditadura militar de 64.
A imprensa das privatizacões de Fernando Henrique e Lula da Silva.
A imprensa tradicional assim justifica o salário mínimo do mínimo e a desestabilidade no emprego.

Esta cantoria de ordem e progresso criminaliza os movimentos sociais e enquadra como terroristas os sem terra, os sem teto, os sem nada.
Que o presidencialismo elitista fez a reforma agrária dos latifúndios. E financia a construção de edifícios e condomínios de luxo.

Para o povo, a construção de estádios de futebol – os Coliseus de Nero, que oferecem circo sem pão.

O alívio passageiro

O adiantamento do décimo terceiro alivia o sofrer do povo hoje.

E amanhã?

Amanhã o bolso continuará vazio.

Do Brasil a perversidade da previdência dos pobres.

E a benevolência, a opulência, o esbanjamento de vários fundos especiais, de desconhecida profundidade, para os marajás e Marias Candelária do executivo, do legislativo e do judiciário.

A previdência dos pobres, o INSS, paga pensões e aposentadorias miseráveis. O mínimo do mínimo. Que o governo tem que economizar dinheiro para pagar os juros da dívida – o imposto humilhante da vassalagem.

O dinheiro que sobra fica reservado para o luxo da corte, o gozo das elites e o enriquecimento rápido e ilícito dos eleitos.

O governo reserva o mínimo do mínimo para o salário mínimo do mínimo dos trabalhadores.

O mínimo do mínimo para as aposentadorias dos trabalhadores.

O mínimo do mínimo para as pensões das famílias dos trabalhadores.

Um mínimo que engana a fome.

Um mínimo que não compra as três refeições/dia.

Um mínimo que não compra medicamentos.

Um mínimo que não compra vestimentas.

Um mínimo de 545 reais.

Um mínimo igual ao do Haiti. Que o Brasil tortura seus filhos com o segundo ou terceiro pior salário mínimo do mundo.

Comparado com um brasileiro, um venezuelano tem vida de rei.

Um argentino, vida de príncipe.

Qualquer ditador das Arábias, qualquer país do chamado eixo do mal, paga melhores salários, pensões e aposentadorias para o povo.