Qual o futuro da profissão de jornalista?

Ilustração Alfredo Sábat
Ilustração Alfredo Sábat

 

Todo pai, que faz parte da realeza, prepara o caminho do filho como sucessor.

Na monarquia brasileira, acontece entre os togados, os militares, os políticos. E noutras profissões que pagam bem: medicina, engenharia…

Por que nenhum jornalista sonha com o filho jornalista?

 

 Ilustração Dario Castillejos
Ilustração Dario Castillejos

 

 

 

 

Que todos os brasisleiros recebam o ‘carnê’ da fome de um juiz

Brasil, país dos miseráveis, com mais da metade da população com rendimento mensal de 375 reais, precisa acabar já com os salários além do teto constitucional. Com os privilégios das elites. Com o sistema de castas.

Ao acusar Eliana Calmon de “ditadora”, o desembargador Henrique Nélson Calandra, presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), mostra a cara da justiça.

Inacreditável o que revela ao Estadão, jornal conservador e golpista:

O ministro Cezar Peluso, presidente do STF, recebeu R$ 700 mil de uma só vez a título de atrasados. O sr. também recebeu?

Não tenho notícia de que o ministro tivesse recebido valores a maior que ninguém. Nem com relação ao ministro Ricardo Lewandowski, que foi meu colega no Tribunal de Justiça de São Paulo. Ele sempre recebeu o que era pago para todo mundo, ninguém recebeu vantagens que não tivessem sido pagas aos demais magistrados. Se houve erro por parte do tribunal que seja corrigido.

O sr. recebeu?

Quem me dera tivesse recebido a mais, não estaria devendo cheque especial. Recebemos não de uma vez só, mas uma pequena fração todo mês, a gente chama carnê da fome, são 87 prestações para pagar diferenças de salários. Valor pequeno, mil e poucos reais cada parcela. E agora o plano de equivalência ao qual tivemos direito. Teve aumento para a Câmara dos Deputados, a vantagem foi estendida aos juízes, fracionada a perder de vista.

Acha moral os pagamentos?

São valores legalmente devidos. Um juiz quando se aposenta tem que entrar com ação para receber coisas que a ele são devidas. Muitas vezes perde. Não tirou férias porque não quis, alegam. O pagamento é ético. Surgem defasagens salariais que geram diferenças. Houve governos que não davam verbas. Ficava aquele débito, formando acervo volumoso, correção, juros. Não é nada demais.

“87 prestações para pagar diferenças de salários.Valor pequeno, mil e poucos reais cada parcela”.

A maioria dos trabalhadores brasileiros, dos aposentados e dos pensionistas recebe apenas 545 reais.

Quanto ganha Calandra por mês, para viver pendurado no cartão de crédito? Um juiz, no ínicio de carreira,  tem (ou tinha) um salário de 21 mil reais. Os juízes realizaram greve, recentemente, por um aumento de mais de 50 por cento. Quanto deverão receber neste novo ano de 2012?

No Brasil dos sem teto, 700 mil davam para comprar quantas casas para os moradores de ruas, de cortiços, de favelas. Ou quantos sítios para os sem terra?

Só o Tribunal de Justiça de São Paulo sustenta 360 desembargadores na ativa. E quantos aposentados como desembargador? Quantas pensões de desembargador?  Se todos  receberam 700 mil, “nada demais”.

Calandra fala em diferenças pagas de salários. Não revela os valores dos salários. Nem sequer o valor líquido.

Polícia de choque do governador de Brasília

 

Os guardas de trânsito do governador de Brasília não usarão suas pistolas de choque em juízes, ou nos desembargadores e ministros das supremas cortes. Isso eu garanto.

Nem contra outras polícias (o governador não é doido): a federal, a civil, a militar, a rodoviária (eta país cheio de polícias, seguranças e guardas por todos os lados). Nem contra os oficiais das forças armadas.

 

As pistolas foram compradas exclusivamente para maltratar, ferir os 99% dos pobres brasilienses, o cidadão comum sem foro especial, sem delegado especial, sem salário especial, sem teto, sem terra grilada, sem nada.

Dividiram a Nação em duas classes: os especiais em tudo, os filhos da mãe gentil, pátria amada, Brasil; e os sem mãe, os filhos da rua, os salário piso, os pejotas, os salário mínimo, os bolsa família, os desempregados.