Médicos cubanos. Dissecação e taxidermia de uma colonista

por Gilmar Crestani

[Vou tentar destravar o cérebro da porta-voz da direita brasileira, musa do tremsalão do PSDB, Eliane Cantanhêde]

Angeli
Angeli

Avião negreiro

[Como recurso literário, foi uma boa sacada parodiar Castro Alves. Comparar médicos cubanos com escravos africanos só não tendo compromisso nenhum com a ética nem com fatos. Quantos escravos eram ou foram médicos. Mais, quantos deles tiveram a oportunidade de frequentar uma universidade. Mais ainda, gratuitamente!? E podemos continuar: se um escravo africano voltasse à África, quem o acolheria? Só alguém cevada no ódio de classe e investida de polícia política poderia cometer uma raciocinada destas.]

O desembarque dos médicos cubanos
O desembarque dos médicos cubanos

Ninguém pode ser contra um programa que leva médicos, mesmo estrangeiros, até populações que não têm médicos. Mas o meio jurídico está em polvorosa com a vinda de 4.000 cubanos em condições esquisitas e sujeitas a uma enxurrada de processos na Justiça.

[De fato. Ninguém em sã consciência poderia ser contra. Mas Eliana é… se for médico cubano. E, convenhamos, quer situação mais esquisita do que criar e pilotar um Tremsalação na ante-sala onde Eliane trabalha, passar por cima dela e ela sequer mencionar o fato?! Situação esquisita é abrir uma conta da Suíça para reunir vagões de dinheiro desviado das licitações pelo PSDB e Eliana ficar mais quieta que guri cagado? Sujeito à processos na justiça todos estamos.]

A terceirização no serviço público está na berlinda, e a vinda dos médicos cubanos é vista como terceirização estatal –e com triangulação. O governo brasileiro paga à Opas (Organização Pan-Americana da Saúde), que repassa o dinheiro ao governo de Cuba, que distribui entre os médicos como bem lhe dá na veneta.

[Eliana é uma terceirizada da Folha. Tanto que o contrato é como Pessoa Jurídica, PJ para os íntimos. E, a bem da verdade, é uma prática comum nas empresas que faturam encima do negócio da informação. Por que só os médicos cubanos seriam terceirizados? Triangulação existe, por exemplo, quando a SIEMENS e a ALSTOM deposita numa conta suíça para que FHC possa comprar a reeleição, ou José Serra usar este dinheiro para pagar um colonista do Estadão atacar Aécio Neves escrevendo “Pó pará, governador!” Cuba não distribui “como bem dá na veneta”, pois lá o sistema é comunista. Tanto que, ao voltarem, tem garantidos todos os direitos, inclusive ao sustento dos familiares que lá ficaram, pelo governo. É desta forma, inclusive, que Cuba pode continuar investindo na “produção e exportação” de médicos.]

Os R$ 10 mil de brasileiros, portugueses e argentinos não valem para os que vierem da ilha de Fidel e Raúl Castro. Seguida a média dos médicos cubanos em outros países, eles só embolsarão de 25% a 40% a que teriam direito, ou de R$ 2.500 a R$ 4.000. O resto vai para os cofres de Havana.

[Por aí se vê que Eliane não paga imposto. Aliás, quer dizer então que os médicos brasileiros, argentinos, espanhóis e franceses embolsam os dez mil e não pagam impostos? O que confirma a tese da propensão pela sonegação desta categoria?]

Pode um médico ganhar R$ 10 mil, e um outro, só R$ 2.500, pelo mesmo trabalho, as mesmas horas e o mesmo contratante? Há controvérsias legais. E há gritante injustiça moral, com o agravante de que os demais podem trazer as famílias, mas os cubanos, não. Para mantê-los sob as rédeas do regime?

[Pode um jornalista ganhar R$ 1.500,00 e outro R$ 10.000,00? Pode um médico cobrar R$ 100,00 e outro R$ 500,00 por uma consulta? Existem rédeas nos regimes comunistas e nos capitalistas. Ou o que foi que os EUA fizeram com Bradley Manning senão porem freios, algemas e solitária?! No Brasil, quem rouba, se não for do PSDB, a polícia põe rédeas e o judiciário encaminha ao presídio.]

E se dez, cem ou mil médicos cubanos pedirem asilo? O Brasil vai devolvê-los rapidinho para Havana num avião venezuelano, como fez com os dois boxeadores? Olha o escândalo!

[E se dez, cem ou mil pacientes forem salvos por médicos cubanos, a Eliane vai parabeniza-los ou lamentar e pedir para que sejam condenados a viverem no paraíso que os EUA instalaram em Guantánamo?]

O Planalto e o Ministério da Saúde alegam que os cubanos só vão prestar serviço e que Cuba mantém esse programa com dezenas de países, mas e daí? É na base de “todo mundo faz”? Trocar gente por petróleo combina com a Venezuela, não com o Brasil. Seria classificado como exploração de mão de obra.

[O que Eliane não admite é que depois de 20 anos governando São Paulo, o PSDB tenha investido mais em assinaturas da Folha, Estadão e Veja do que na formação de médicos, a ponto de agora a única alternativa de acesso a médicos seja através de médicos cubanos. Cuba investe na formação de médicos. O PSDB investe em trem fantasma. Os espanhóis, ingleses, agentes da CIA e outros parasitas internacionais que aqui trabalham não se enquadram no “todo mundo faz”? Trocar nossa privacidade por agentes da CIA investigando e quebrando o nosso sigilo de emails e telefones combina com o Brasil de Eliane, mas não combina com a Venezuela nem com Cuba.]

Tente você contratar alguém em troca de moradia, alimentação e, em alguns casos, transporte, mas sem pagar salário direto e nem ao menos saber quanto a pessoa vai receber no fim do mês. No mínimo, desabaria uma denúncia de trabalho escravo nas suas costas.

[O que Eliane publicou a respeito das denúncias de trabalho escravo nas grandes fazendas do Daniel Dantas e do Itaú no interior do Pará, e a respeito do trabalho escravo na Zara? Por aí se ve a sua grande preocupação com trabalho escravo. O que ela escreveu sobre a sonegação milionária da Rede Globo? Sobre a corrupção de seus correligionários denunciados pela SIEMENS e ALSTOM?

Por que nós trabalhamos? Para trocar por moradia, alimentação, transporte e nem todos conseguimos. Quantos trabalhadores do Brasil chega no final do mês e não nada sobra. Em Cuba todos têm comida, casa, saúde, educação. Independentemente de salário. SIMPLES ASSIM!

Não sou nem nunca fui comunista. Não gostaria de viver em Cuba. O que me deixa indignado é a burrice travestida de auréola intelectual e na manada que engole tudo sem a menor deglutição.]

chacina

chacina-unai1

chacin

chacina_unaí

Programa Mais Médicos fortalece a saúde pública contra a privatização da medicina

Publica o R7 Notícias:

Contrário à Medida Provisória que institui o programa Mais Médicos, o CFM (Conselho Federal de Medicina) vai iniciar um empreitada contra a medida, apelando para a população, tentando convencê-la de que a ação é negativa.

— Vamos lutar, inclusive esclarecendo a população que se trata de uma farsa, que ela é apenas um engodo porque não faltam médicos no Brasil”, afirmou o presidente do conselho, Roberto D’Ávila.

Segundo D’Ávila, a conscientização dos médicos se dará por meio de panfletos que serão entregues a pacientes e também de orientação boca a boca nos consultórios e hospitais. Para o presidente do CFM, a MP é “improvisada, eleitoreira, imediatista e populista” e atende a “interesses que serão consolidados em 2014”.

— A cada paciente que atendermos, vamos entregar um folheto, vamos orientar, dizer que não é assim que se faz saúde, que isso é fruto apenas de uma maquiagem, ilusionismo para atender interesses que serão consolidados – não espero que aconteça isso – mas serão consolidados em 2014.

 [Bom. Só assim aumenta o tempo da consulta médica que, costumeiramente, não passa dos cinco minutos. Tem médico que nem olha o paciente, um intocável. Intocáveis eram os portadores de certas doenças consideradas heréticas (os leprosos, os loucos, os epilépticos); pessoas em estado de impureza (por exemplo, as mulheres menstruadas); e trabalhadores de profissões malditas (os carrascos, os coveiros).
Faltam médicos em pequenas cidades brasileiras. Outras têm médico de passagem. Médico que passa a manhã numa pequena cidade do interior; a tarde, noutra; e dorme na capital, onde reside. Tem todo tipo de médico caxeiro-viajante. Médico que mora na cidade grande, com uma rapidinha no emprego público em um posto de saúde municipal e/ou hospital do Estado; outra, em uma sala de espera cheia em um hospital privado, que ganha por produtividade (quanto mais consultas, mais trocados); e, para terminar a jornada, as consultas do consultório particular, para manter a tradição de ser um profissional liberal.
No mais, o brasileiro leva seis meses de espera para uma consulta e, no dia marcado, numa sala superlotada, aguarda três, quatro horas para ser atendido. Muitas vezes fica em pé no consultório, posto de saúde ou hospital. Espera meses e horas para uma consulta de menos de cinco minutos.
O médico faz a clássica pergunta cretina: – Que lhe trouxe aqui? O trouxa responde, e o bata branca passa uma bateria de exames. Isso significa: mais filas para marcar os exames, mais tempo de espera, e rezar para que morte não chegue antes da “volta”, para ser medicado.
Isso acontece nas filas do SUS e dos privados planos de saúde cada vez mais caros. Principalmente para os velhos, os idosos, os anciãos.
O programa Mais Médicos significa a melhoria da saúde pública. Contra o programa estão os engajados na privatização, que transforma o médico em um empregado das multinacionais].
maismedicos

Brasil: 1,8 médico por mil habitantes. Motiva filas e consultas “rapidinhas”

BRA^MA_OI médicoBRA^MA_OEDM médico

BRA_CB Dilma médicosBRA_JSC hospital

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, afirmou nesta terça-feira que o programa Mais Médicos, lançado nesta segunda-feira, 8, criará mais vagas para esses profissionais. Padilha sustentou que a discussão a respeito do projeto deve ser realizada “de forma respeitosa e com diálogo”, ante as avaliações feitas por associações médicas.

De acordo com a Agência Brasil, em contestação às regras divulgadas, os médicos anunciaram uma greve. O ministro da Saúde reiterou que a prioridade da administração federal é ocupar os postos com brasileiros. “Estamos deixando claro que o programa não vai tirar vagas de médicos brasileiros, pelo contrário, vai gerar mais empregos para esses profissionais. Com os investimentos de mais de R$ 7 bilhões em infraestrutura que já estão em andamento, e mais de R$ 5 bilhões previstos, serão abertos 35 mil postos de emprego nessa área no Brasil”, afirmou.

Padilha disse que, ao avançar no assunto, o Poder Executivo “enfrenta tabus”, como o conceito de que há profissionais excesso no País e que a questão é a distribuição. “Estamos mostrando, com dados concretos, que faltam médicos no Brasil, não só na comparação com países europeus, mas com países aqui do lado, como a Argentina e o Uruguai”, disse, declarando que nações com alto nível de desenvolvimento econômico e social que adotaram projetos análogos também enfrentaram forças opostas num primeiro momento.

Segundo o Ministério da Saúde, existe no País 1,8 médico por mil habitantes, ao passo que na Argentina a fração é 3,2; no Uruguai, 3,7; em Portugal, 3,9, e na Grã-Bretanha, 2,7. “Vamos continuar dialogando (com os médicos), montamos um grupo de trabalho com entidades médicas, mas a questão é que faltam médicos no Brasil e a culpa não é dos médicos brasileiros. Mas o único interesse que temos de observar são as necessidades de saúde da população”, garantiu.

AE

BRA^MG_CDU médico

Greve dos médicos contra a saúde privatizada

br_atarde. plano de saúde não é serviço essencial, e sim fonte de lucro da medicina privatizada

Que poderes? A ANS tem autonomia, e não fiscaliza. Mais força para o Procon que não tem poder nenhum. É apenas um saco de pancadas
Que poderes? A ANS tem autonomia, e não fiscaliza. Mais força para o Procon que não tem poder nenhum. É apenas um saco de pancadasBRA^GO_HOJE saúde
CAMPANNA NA ESPANHA CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DE SAÚDE
maré

maré 2

maré 3

mare'4

maré 5

maré 6

maré 7