Pobreza made in EUA

por Gilmar Crestani

A matéria da BBC revela a pobreza nos EUA. Ponto. E, para quem quiser observar, mostra também toda miséria de nossa dita “grande imprensa”. A Veja que tantas capas deu para denegrir Hugo Chávez, já fez uma capa para dizer que Tio Sam nos salvou. Alguém ainda tem dúvida a respeito de quem financia o tipo de jornalismo perpetrado pela Veja? E os demais jornalões? Eles simplesmente reproduzem o que as agências americanas enviam. Inclusive quando precisam detratar algum governo de esquerda que EUA não tolera. Quem já viu os documentários de Michel Moore sabe que o tão festejado estilo de vida americano é uma superprodução hollywoodiana cheia de efeitos especiais para esconder a podridão que fez existir o império e também é a centelha de sua decadência.

País mais rico do mundo, EUA têm ‘acampamentos da miséria’

‘Minha mãe teve que comer rato’, diz sem-teto nos EUA

A BBC visitou nos Estados Unidos alguns acampamentos de sem-teto, cada vez mais numerosos no país desde o início da crise econômica que explodiu em 2008.

Dados oficiais apontam que cerca de 47 milhões de americanos vivem abaixo da linha pobreza e este número vem aumentando.

Atualmente há 13 milhões de desempregados, 3 milhões a mais do que quando Barack Obama foi eleito presidente, em 2008.

Algumas estimativas calculam que cerca de 5 mil pessoas se viram obrigadas nos últimos anos a viver em barracas em acampamentos de sem-teto, que se espalharam por 55 cidades americanas.

O maior deles é o de Pinella Hope, na Flórida, região mais conhecida por abrigar a Disney World.

Mofo

Várias destas pessoas tinham vidas confortáveis típicas de classe média até pouco tempo atrás. Agora deitam sobre travesseiros tão mofados quanto suas cobertas, em um inverno no qual as temperaturas baixam a muitos graus negativos.

“Esfregamos literalmente nossos rostos no mofo toda noite na hora de dormir”, diz Alana Gehringer, residente de um acampamento no Estado de Michigan, ao programa Panorama da BBC.

O agrupamento de 30 barracas se formou em um bosque à beira de uma estrada, no limite do povoado de Ann Arbor. Não há banheiros, a eletricidade só está disponível na barraca comunitária onde os residentes se reúnem ao redor de uma estufa de madeira para espantar o frio.

O gelo se acumula nos tetos das barracas e a chuva frequentemente as invade. Mesmo assim, cada vez pessoas querem morar ali.

Transcrevi trechos