Lugar de estudante é na cadeia. A USP quartel de Alckmin

Ao menos 20 estudantes da Universidade de São Paulo (USP) seguiam acampados em frente ao 91º Distrito Policial da capital paulista, na Vila Leopoldina, Zona Oeste da cidade, no fim desta manhã, segundo o Diretório Central Estudantil (DCE). Eles protestam contra a prisão dos dois estudantes. Leia a versão da Globo que ama os cantores de rock e faz da coleta de dinheiro do Brasil Esperança o mais rendoso programa de salvação das 250 mil crianças prostitutas e dos filhos da rua.

Estudante "vândalo", "terrorista", "bandido", "quadrilheiro", membro de perigosa "facção criminosa", preso pela mansa  polícia de Alckmin
Estudante “vândalo”, “terrorista”, “bandido”, “quadrilheiro”, membro de perigosa “facção criminosa”, preso pela mansa polícia de Alckmin
usp-livre-144

A Justiça acaba de conceder o relaxamento judicial da prisão de Inauê Taiguara e João Vitor, presos arbitrariamente no último dia 12, durante a reintegração de posse da reitoria.

Eles estão no Centro de Detenção Provisória Osasco II e serão liberados ainda hoje. O processo contra eles, com as acusações de formação de quadrilha, furto qualificado e depredação ao patrimônio público, continuará existindo e é preciso lutar contra estes processos.

Chile. “Facção criminosa estudantil” contra privatização do ensino

Para os velhos coronéis da PM, na USP existe uma “facção criminosa”. O governador Alckmin trava um heróico combate. Rodas de estudantes são expulsos da universidade, e presos no campus e nas ruas. Veja link USP. Quando os estudantes são tratados como se fossem bandidos, sinal de que persiste a ditadura de 64.

O mesmo acontece na Espanha de Franco. No Chile de Pinochet. Apresento “a facção criminosa dos estudantes do Chile”, que luta contra a positivista “ordem e progresso” desde os tempos de Pinochet. Um direitista advertia: “Nas marchas estudantis eles usam meninas bonitas para atrair o povo. Parecem xucretes”. Na aparência física, não vou negar, lembram as adolescentes de Xuxa, douradas princesas que nem a Branca de Neve, que seguiam à moda Barbie, a boneca da ditadura brasileira. Joffre Dumazedier, meu professor no Ciespal, dizia que as chilenas são as mulheres mais bonitas da América do Sul.

O Brasil era feliz e nem sabia do que acontecia nas favelas e senzalas e porões do DOI-Codi.

CUANDO EL LUCRO ESTÁ EN EL REGLAMENTO

derecho-en-paro-fotografo-Juan-Josè-Toro-Letelier

Año 2013 y el movimiento estudiantil sufre los embates de haber tenido su máximo auge hace dos años. Lejos de ser negativo, las organizaciones que han conformado la movilización han buscado y encontrado formas de agruparse en torno a ejes comunes y objetivos claros. Es así como las universidades privadas han logrado organizarse dentro de este nuevo panorama, aunque con ciertos obstáculos. Originalmente publicada en el número 59 de la RBP.

por Ricardo Pérez, Francisco Solís y Ángel Martin

Daniela López, ex presidenta FEUCEN
Daniela López, ex presidenta FEUCEN

Cuando ya se cumplen dos años de las históricas movilizaciones de 2011, los estudiantes de las universidades privadas se encuentran mejor articulados que nunca. No obstante, aún deben sortear algunas dificultades como el rechazo rotundo de ciertas instituciones a que los alumnos discutan, o puedan organizarse en centros de estudiantes. También hay que considerar la firma de un contrato de matrícula, en donde se acepta un reglamento que remite al estudiante solamente a su pupitre. Así, se convierte lo más rápido posible en capital humano para la injusta sociedad que queremos cambiar.

El Movimiento de Estudiantes de Educación Superior Privada, MESUP, nació en el contexto del movimiento estudiantil durante 2011. Está conformado por distintas formas organizativas del estudiantado (asambleas, coordinadoras, federaciones, estudiantes de base), y se plantea como objetivo principal el “levantamiento político-organizacional de los estudiantes de educación superior privada”.

Camila Vallejo, ex presidenta da Fech
Camila Vallejo, ex presidenta da Fech

Utilizando las virtudes de las redes sociales, y descubriendo a Facebook como una de las tantas formas de hacer entrevistas, pillamos a Manuel Erazo, estudiante de la Universidad ARCIS y vocero del Mesup. Manuel nos ayudó a entender mejor la situación de los compañeros con respecto a sus posibilidades de organización.

“Por acreditación no se les debe prohibir a los estudiantes tener federaciones o centros de estudiantes, ya que ésta es una de las condiciones para que la universidad sea acreditada. Pero en la U. de las Américas, por ejemplo, se les prohíbe a sus alumnos organizarse”, explica.

Indignado, Manuel nos manda el link de los estatutos internos de la U. Andrés Bello, casa de estudios que hoy cuenta con el mayor número de estudiantes matriculados. En su artículo 7 indica las infracciones graves: “repartir panfletos o dar a conocer públicamente información no oficial que dañe la imagen de la Universidad. Incitar, promover o participar en la suspensión arbitraria de las actividades académicas, o en paros estudiantiles”. Y las gravísimas: “participar o inducir a la toma de alguna dependencia de la Universidad, en cualquiera de sus campus”.

Las sanciones van desde amonestaciones hasta la expulsión de la institución. “Esto ocurre también en el DuocUC, el INACAP y en el Instituto Profesional de Chile”, denuncia Manuel.

La labor ha sido compleja, pero de todas formas los estudiantes del Mesup han encontrado la forma de seguir sumando compañeros a partir de la solidaridad y el apoyo mutuo. “Nuestro aporte como Mesup se basa en ayudar a sus alumnos, asesorarlos en cómo pueden levantar sus organizaciones, sin correr riesgo de suspensión. También nosotros vamos a aquellas universidades para entregar panfletos, dado que si lo hacen sus propios estudiantes quedan automáticamente sancionados”.

Desde la organización, en este momento apuntan a las instituciones y a los decretos que les niegan la libre asociación. Asimismo, apelan a una democratización interna que les permita trabajar junto a sus académicos y funcionarios.

chile educ indignados

El negocio millonario que los estudiantes de la U. Central supieron cuestionar

Mientras a comienzos de 2011, en las universidades pertenecientes al CONFECH, los estudiantes discutían cuáles eran las mejores formas de movilización para hacer del conflicto por la educación, un tema de debate público; los estudiantes de la U. Central vivían las contradicciones del mercado de manera mucho más explícita. Se trataba de la compra de su casa de estudios, en 35 mil millones de pesos, por parte de la sociedad de inversiones Norte Sur, estrechamente ligada a la Democracia Cristiana.

“Esto generaría un negocio redondo, y a la vez se lucraría con el esfuerzo de nuestras familias que se endeudan continuamente. La clase política actual y el empresariado nuevamente se saldrían con la suya, si no fuera por la organización estudiantil y el empoderamiento al derecho a ser estudiante” señala Daniela López, presidenta de la Federación de Estudiantes (Feucen) entre 2011 y 2012. La suspensión de la venta sería a la larga una de las pocas victorias del movimiento el 2011.

“Si bien ha existido una autocrítica al cómo participamos como universidad en el movimiento estudiantil, y qué pasó con los estudiantes luego de siete meses entre paros y tomas, debemos tener la sabiduría de entender que nada ha acabado. Todavía debemos cuestionarnos muchas prácticas existentes al interior de nuestra universidad. Seremos vitales para el proceso de constitución y organización de nuevos actores políticos en las luchas sociales” afirma.

Hoy, los compañeros de la Universidad Central se encuentran en pleno proceso de elección de su federación. El fortalecimiento de la organización estudiantil se ve reflejado en la madurez de un proceso democrático, que se propone como tarea constituir un actor en el mundo de las privadas que concibe un modelo de educación distinto. “Porque creemos en una sociedad de derechos, en donde las relaciones humanas no están mediadas por el dinero” señala Daniela.

Entre la crisis y la indiferencia: El caso SEK

En lo más alto de Peñalolén, donde sólo se llega en un bus de acercamiento y los árboles reinan sobre los edificios, se encuentra el campus Parque Arrieta de la Universidad Internacional SEK. En el lugar, declarado Monumento Histórico Nacional, se imparten las carreras de Arqueología, Historia del Arte y Conservación.

“Es todo súper raro, nunca hemos tenido estatutos que permitan la organización estudiantil” afirma Amparo Barros, estudiante de Conservación y Restauración, y actual presidenta del centro de alumnos de su carrera. Los estudiantes no cuentan con ninguna base jurídica para organizarse, por lo que la realización de elecciones es muy difusa. “Para las elecciones votó como un cuarto de la carrera, fue súper poco serio y eso nos hace poco representativos”, agrega. Además, la reglamentación de la universidad, a pesar de permitir que los estudiantes tengan representantes, no les confiere voz ni voto.

Lo anterior es preocupante, particularmente ahora que el rector de dicha universidad, Alejandro Ormeño, será formalizado por posible soborno en la entrega de la acreditación. En caso de que la situación llegue a un extremo, los estudiantes no tienen ningún estamento para defenderse. Sin embargo, Barros advierte que “la gente que viene acá sólo se interesa por ir a clases. Citamos a asambleas y llegan diez personas, nadie se preocupa de lo que pueda pasar”.

¿Y qué van a hacer si pasa lo peor, si cierran la universidad? La estudiante mira preocupada. “No podemos hacer nada, no tenemos una estructura que nos represente, que nos defienda”. Como universidad, tampoco cuentan con una federación, y los consejos en los que participan representantes de las carreras, no son periódicos ni constructivos. Según Barros “nos juntamos, conversamos, pero nunca llegamos a ninguna conclusión”. ¿Y qué haría ella? Concluye certera: “Yo me iría a Buenos Aires”.

Existe, sin duda, una curiosa paradoja. Mientras algunos estudiantes se enfrentan a sus rectores e instituciones por su derecho a la organización, hay muchos otros que simplemente se enajenan del conflicto, aun siendo una de las partes más afectadas.(Revista Bello Público)

estudantes chile

educ chile 17 nov

Os 72 da USP

por Pedro Abelardo

72

72 estudantes acusados de dano ao patrimônio publico

Quatro secretarias da Polytecchique de São Paulo

Quatrocentos mil reais em hora extra

.

72 estudantes acusados de formação de quadrilha

Diretor do campus da Harvard paulistana

Dois milhões de reais em fundação

.

72 estudantes acusados de pichação

Diretor do Programa de Corrupção Continuada da Polytecchique de São Paulo

Tapete persa de quarenta mil reais

.

72 estudantes acusados de descumprimento da ordem judicial

Diretor da Sorbonne brasileira

Recusa-se a pagar os salários dos funcionários da limpeza

.

O que o ministério publico entende por justiça?

Para que servem as leis (?) para o publico?

O dinheiro e as leis deste publico… não são privados?

.

Para uma sociedade retrócida pelo medo

A violência e a cura de sua hipocrisia

O sangue inocente e a tinta da felicidade

.

“A violência e tão fascinante…”  “E o fascismo e fascinante deixa a

gente ignorante e fascinada.”

.

“…mas o ódio cega e você não percebe, mas o ódio cega e você

não percebe, mas o ódio cega”

Jornal da USP

usp 3

2 usp

São Paulo: Coronel da PM dá aula na USP amanhã

USP demonstra quem dá as cartas no campus. Exatamente um ano após a Tropa de Choque invadir a universidade, oferecerá a um coronel da PM o espaço privilegiado de uma sala de aula para que ele possa ensinar aos estudantes os motivos pelos quais eles devem se submeter a uma vida vigiada. Imperdível!
Os magníficos
Os magníficos

Sob o pretexto de discutir o tema “Segurança e Privacidade”, a Comissão de Ética da USP e o Instituto de Estudos Avançados (IEA) realizarão amanhã, às 15 horas, na sala de eventos do IEA, a primeira mesa-redonda do ciclo Ética e Universidade, que contará com a exposição do coronel Glauco Carvalho, da Polícia Militar.

Credenciais do Coronel

Glauco dirige desde junho o Comando de Policiamento de Área Metropolitana-7, responsável pela “polícia ostensiva e pela preservação da ordem pública” nos municípios de Guarulhos, Arujá, Santa Isabel, Franco da Rocha, Francisco Morato, Caieiras, Cajamar e Mairiporã [região que entre junho e setembro registrou mais de 75 homicídios].

Mas as credenciais da figura são mais graúdas. O coronel atuou por cinco anos no comando geral da PM e Casa Militar, responsável pela segurança direta do palácio do governo do estado, nas gestões Claudio Lembo e Geraldo Alckmin.

Cabe lembrar que foi durante o governo de Claudio Lembo, em 2006, que ocorreram os extensos conflitos e assassinatos em série entre o PCC e a polícia, conflitos que agora voltam à tona. Ao final de 2006, o dedicado ajudante de ordens do governador teceu elogios ao chefe pelo apoio dado à corporação: “queremos agradecer em nome da sociedade paulista a forma com que o senhor conduziu o Estado e pelas virtudes demonstradas neste tempo todo”.

Glauco Carvalho foi também assessor do núcleo de estudos políticos da Fecomercio, presidido pelo ex-governador.Além dele, a mesa terá como debatedores o recém-eleito diretor da FFLCH, Sérgio Adorno, que apoia a divisão da faculdade e a presença da PM no campus, e Leandro Carneiro, do Instituto de Relações Internacionais da USP, defensor da política de segurança do governo do estado de São Paulo e adepto da política do punir mais é punir melhor.

Essa é a ética que nos quer ensinar João Grandino Rodas!

É a mesma ética das câmeras escondidas no bandejão, a mesma do código de ética que serviu para dar verniz democrático às expulsões de estudantes não apenas baseadas no regimento ditatorial de 1972, e que agora a burocracia nos quer empurrar garganta abaixo.Precisamos dizer não a essas regras de conduta que nada mais querem do que naturalizar a presença da PM no campus, não apenas reprimindo e vigiando, mas ditando os rumos da universidade.

Não aos coronéis nas salas de aula!

Fora com os milicos da USP!

O túnel das muitas rodas do tráfico

Eles descobriram por acaso o túnel de venda de drogas na USP.

O lugar foi descoberto ontem, sem querer, por policiais que cumpriam sete mandados de prisão contra suspeitos de matarem um policial militar da Rota em setembro.

Uma das extremidades do túnel fica a cerca de 50 metros de um muro que divide a favela da Cidade Universitária. Nesse muro, havia um buraco por onde era possível vender drogas para estudantes e frequentadores da USP.

“A pessoa não precisava nem entrar na favela. Só chegava no muro, dava o dinheiro para o ‘aviãozinho’ e ele voltava com a droga que ela quisesse”, afirmou o coronel César Augusto Morelli, comandante do Policiamento de Choque de São Paulo.

Além de servir para transportar a droga até o usuário, o túnel era utilizado como rota de fuga pelos criminosos.

Buraco de entrada na favela São Remo via muro da USP

A favela da USP
A favela da USP: convivência pacífica

A apatia do universitário brasileiro aprova a corrupção. A UNE morreu com a ditadura militar

Continua solto no campus da Universidade Federal de Juiz de Fora um estuprador. Ou vários. Neste começo de ano letivo, uma estudante menor de 17 anos foi desflorada. Talvez uma curra promovida pelos organizadores da calourada.  O reitor Henrique Duque proibiu qualquer protesto. Ninguém sabe do andamento de nenhuma investigação. O reitor anunciou que existe uma da própria universidade. Uma segunda da Polícia Federal. Uma terceira da Polícia Militar. Uma quarta da Polícia Civil. Demasiadas investigações para nenhum preso. Qual menina da tradicional família mineira será a próxima vítima?

O reitor  João Grandino Rodas militarizou a USP. Desalojou e expulsou alunos. Também este ano. O medo impera na USP. Um medo que persiste desde os idos de março de 1964. O governo Alkmin repete na USP o “episódio do Pinheirinho”.

Reinam na maioria das universidades sucateadas e de cartões corporativos e obras superfaturadas e serviços fantasmas: o stalking, o bullying, o assédio moral, o assédio sexual, as gangues de sexo, de tráfico, de drogas, o nepotismo e o magnífico poder dos reitores absolutistas. Idem nos lucrativos negócios das universidades particulares. É um Brasil desconhecido, jamais investigado.

Revolta pacífica dos estudantes de Sorocaba. E um recado exemplar para USP

Protesto estudantil em Sorocaba
Protesto estudantil em Sorocaba

O que vem acontecendo na UFSCar Sorocaba? RESUMO DOS ÚLTIMOS CAPÍTULOS hehe

Tudo começou com uma reunião de professores, onde eles discutiriam a criação de uma comissão que relataria ao Pró-Reitor Administrativo (que viria para a Formatura) os problemas que Sorocaba enfrenta. Nesta reunião, que não foi divulgada para a comunidade, discentes foram “moralmente” expulsos com a justificativa de que “demanda de discente é diferente de demanda de docente”.

Diante do descontentamento do grupo de docentes (que não representavam todos de Sorocaba, na medida em que uma parte considerável deles se recusou a participar deste processo), o Reitor anunciou que faria uma reunião com eles, já que estaria no campus, mais ao anoitecer, em uma reunião com a Pós-graduação. Diante deste fato, os docentes prepararam bilhetes que foram distribuídos por todo o campus, incitando colegas a incitarem alunos a pressionarem o Reitor. Foi exatamente isto o que aconteceu: no dia 08/03 um grupo de cerca de 100 alunos cercou o carro do Reitor, onde se leu uma carta com as principais demandas dos discentes. Ali, o Reitor se comprometeu em voltar no dia 15/03 a Sorocaba para ter uma série de reuniões com as diferentes classes do campus.

No dia 15/03 todos os cursos paralisaram de manhã, graças ao fato de o Reitor ter realizado uma reunião com o corpo docente. No período da tarde, nem todos fizeram a mesma coisa, tendo alguns professores NÃO DISPENSADO os discentes. Porém, às 16h, o Maracatu e a Bateria da UFSCar entraram pelo prédio de aulas teóricas e forçaram uma paralisação, fazendo um arrastão pelo campus para levar os discentes até o auditório. O que aconteceu aí foi algo que há muito não vimos: cerca de 600 alunos apresentaram por 3h30 suas demandas ao Reitor, Vice-Reitor, Diretor do Campus, Vice-Diretor do REUNI e alguns Pró-Reitores.

Além de todas as demandas infraestruturais (quedas de energia, falta de água, falta de professores, falta de bibliografia básica etc), questionou-se a transparência dos processos administrativos e de planejamento da Universidade, propondo-se que as entidades estudantis estejam diretamente envolvidas nestes através de comissões mistas.

Ainda, o D.A. exigiu que discentes estejam efetivamente representados na reformulação do Plano de Desenvolvimento Institucional, principalmente no que tange os aspectos organziacionais, para que se elabore soluções para a falta de comunicação que acontece entre São Carlos, Sorocaba e Araras e entre Administração, Docentes, Discentes e TAs.

Também foram criadas as seguintes comissões: que discutirão na próxima semana, junto ao Reitor e Pró-reitores: viagens técnicas, assistência estudantil, comunicação e aspectos organizacionais.
Cabe ressaltar que o Reitor voltará na próxima semana, desta vez durante a noite, para que se continue o debate sobre os problemas do campus e apresentação de alguns encaminhamentos. Ainda, o Reitor se comprometeu em trazer o Ministro da Educação, Aloízio Mercadante, para que o movimento estudantil de Sorocaba o pressione pessoalmente sobre alguns pontos que o competem.

E é isso o que vem acontecendo! Movimento Estudantil ressurgindo de uma forma lindona, além de mostrar para outros reitores de universidades (né Rodas) que a universidade pública É democrática e que os discentes SÃO maioria e, portanto, devem ser respeitados, ouvidos e atendidos em suas demandas.

Leia mais, principalmente os comentários

Cartaz do movimento estudantil de Sorocaba
Cartaz do movimento estudantil de Sorocaba

Por que o reitor da USP chama a polícia para prender e espancar estudantes?

Uma universidade tem que ser livre. Autônoma apenas nos negócios com o dinheiro do povo. Uma reitoria com gastos jamais investigados. Sem interferência da polícia, da justiça, do governo.

Mas que os estudantes sejam vigiados, policiados, e proibidos de expressar suas idéias. Que o reitor pensa por eles.

Reitor que manda espancar e prender estudantes. E que expulsa.

Lá na Espanha, os reitores estäo com os estudantes. Condenam qualquer invasão policial. Qualquer interferência da justiça. A palavra universidade vem de universal. Isso quer dizer cultura universal. Conhecimento universal.

Indignados Colômbia. Os estudantes contra a militarização das universidades
Indignados Colômbia. Os estudantes contra a militarização das universidades

180 mestrandos e doutorandos da USP contra invasão policial

Nós, pesquisadores da Universidade de São Paulo auto-organizados, viemos, por meio desta nota, divulgar o nosso posicionamento frente à recente crise da USP. No dia 8 de novembro de 2011, vários grupamentos da polícia militar realizaram uma incursão violenta na Universidade de São Paulo, atendendo ao pedido de reintegração de posse requisitado pela reitoria e deferido pela Justiça. Durante essa ação, a moradia estudantil (Crusp) foi sitiada com o uso de gás lacrimogêneo e um enorme aparato policial. Paralelamente, as tropas da polícia levaram a cabo a desocupação do prédio da reitoria, impedindo que a imprensa acompanhasse os momentos decisivos da operação. Por fim, 73 estudantes foram presos, colocados nos ônibus da polícia, e encaminhados para o 91º DP, onde permaneceram retidos nos veículos, em condições precárias, por várias horas. Ao contrário do que tem sido propagandeado pela grande mídia, a crise da USP, que culminou com essa brutal ocupação militar, não tem relação direta com a defesa ou proibição do uso de drogas no campus. Na verdade, o que está em jogo é a incapacidade das autoritárias estruturas de poder da universidade de admitir conflitos e permitir a efetiva participação da comunidade acadêmica nas decisões fundamentais da instituição. Essas estruturas revelam a permanência na USP de dispositivos de poder forjados pela ditadura militar, entre os quais: a inexistência de eleições representativas para Reitor, a ingerência do Governo estadual nesse processo de escolha e a não-revogação do anacrônico regimento disciplinar de 1972.

El rector demana a la delegada del Govern que retire els càrrecs contra els estudiants, i li trasllada el malestar universitari per la desmesura policial

El rector de la Universitat de València, Esteban Morcillo, ha demanat a la delegada del Govern, Paula Sánchez de León, que retire els càrrecs contra els estudiants detinguts els darrers dies. La petició s’ha efectuat en el transcurs d’una reunió, celebrada a instàncies de Sánchez de León, aquest dimecres, a la seu de la Delegació. El rector ha traslladat a la delegada el malestar de nombrosos col·lectius universitaris (sindicats, centres, departaments…) amb l’actuació policial dels darrers dies.

També es trobava present el rector de la Universitat Politènica, Juan Juliá. El rector Esteban Morcillo ha remarcat la importància dels valors de l’educació pública i de la universitat pública, especialment en un context de crisi econòmica, i ha recordat el compromís de la comunitat universitària en el manteniment d’un sistema d’ensenyament superior públic de qualitat.

Esteban Morcillo ha explicat que un rector representa la comunitat universitària. Finalment, ha demanat l’establiment de ponts de diàleg, i ha reiterat que les universitats són espais de debat i d’intercanvi d’idees. “La Universitat és un espai plural i obert al diàleg”, ha afegit. I ha conclòs: “Sense estudiants no hi ha universitat”.

Prèviament a la reunió amb la Delegada del Govern, el rector s’ha reunit amb els sindicats CCOO, STEPV, UGT i CSIF, amb els quals han signat un conveni. En el transcurs d’aquest acte, el rector ha recollit la preocupació dels representants sindicals sobre l’acció policial durant les mobilitzacions d’aquesta setmana.
Veja vídeo 

Greve estudantil no Chile contra a privatização do ensino
Greve estudantil no Chile contra a privatização do ensino

Compare os universitários de São Paulo com os secundaristas de Valência

 

Doze pessoas foram retiradas de uma moradia estudantil ocupada desde 2010 na Universidade de São Paulo (USP) na madrugada deste sábado. Os estudantes foram colocados em um ônibus e levados para o 14º Distrito Policial. Entre os envolvidos está uma adolescente de 17 anos e uma grávida de 8 meses. Eles ocupavam o bloco G do Conjunto Residencial (Crusp).

O grupo foi surpreendido pela ação de mais de cem policiais iniciada às 5h30 ainda antes do amanhecer. No local, vivem cerca de 45 pessoas, mas a maioria não estava presente durante o domingo de carnaval. Os doze ocupantes não resistiram fisicamente, mas insistiram para ver a documentação o que, segundo colegas, não teria ocorrido. Outros estudantes de moradias regulares fizeram menção de impedir a reintegração e a polícia usou balas de borracha contra os edifícios. Lei mais . Fizeram menção.

Em dezembro do ano passado, o reitor João Grandino Rodas expulsou seis alunos que participaram dessa ocupação. Segundo a reitoria, eles foram, entre outras coisas, responsabilizados pelos prejuízos causados.

Logo em seguida houve a retomada do Diretório Central Acadêmico ocupado, que servia também de local de reuniões para o movimento. A ação ficou marcada pela violência de um policial contra o estudante Nicolas Menezes.

Os universitários ficaram divididos. Uns defenderam a polícia de Alckmin. Outros contra. Passivamente contra. Quem lutou foi preso e/ou expulso.

Resultado: a USP continua ocupada pela polícia, que espanca, estupra e prende.

 Veja

Vídeo de aluno sendo agredido.

Vídeo de aluna grávida de 8 meses carregada presa pela polícia de Alckmin

Vídeo de aluna estuprada por policial na invasão da USP. O nome do policial bandido, psicopata e agressor de mulheres, não foi revelado. Veja a cara dessa alma sebosa.

Vídeo de aluna expulsa da USP. Tais expulsões políticas aconteciam na ditadura militar. Nada mudou.

Leia testemunhal de aluna torturada 

Na Espanha a missa é outra:

Miles de personas llenan el centro de la ciudad en la protesta más multitudinaria de los últimas días para condenar la violencia policial

Valencia se brinda con libros para...
Valencia se brinda con libros para...
... defenderse de las porras
... defenderse de las porras

A pesar de la dureza de las cargas de las fuerzas de seguridad de ayer en Valencia, las reivindicaciones continúan e, incluso, se intensifican. Miles de personas han llenado el centro de la ciudad de manera pacífica, junto al Instituto Lluís Vives, símbolo de la ya conocida como ‘primavera valenciana’ , en la jornada de protesta más multitudinaria de los últimas días.

“Gran manifestación”

La protesta sirve de preludio a la “gran manifestación” convocada para mañana a las 18 horas. La marcha, que será comunicada hoy oficialmente a la Administración del Estado, partirá del Lluís Vives y culminará frente a la sede de la Delegación del Gobierno. Esta medida ha sido pactada en una reunión urgente celebrada en el teatro El Micalet entre una veintena de colectivos cívicos, asociaciones estudiantiles, sindicatos y partidos políticos, entre ellos el PSPV-PSOE, Esquerra Unida y la coalición Compromís.

El principal objetivo de la manifestación es apoyar a los estudiantes, “los únicos que están dando la cara de verdad”, según ha subrayado la madre de una menor que fue detenida durante las concentraciones de la pasada semana.

(Transcrevi trechos). E viva neste blogue a Primavera Valenciana.

Cansados do carnaval, os estudantes dormirão nesta quarta-feira de cinzas. Uma ressaca que só terminará na próxima semana.

USP. Grávida entre 12 estudantes presos no domingo de Carnaval

A polícia de Alckmin continua a prender estudantes. O diabo que tudo é conforme a lei.

por Alceu Luís Castilho, do Blog Outro Brasil

Uma estudante grávida está entre as seis mulheres e seis homens presos na manhã deste domingo, na Cidade Universitária, durante reintegração de posse de parte do bloco G, no Conjunto Residencial da USP (Crusp). O prédio estava ocupado pelos alunos desde maio de 2010.

A estudante de cursinho vestibular está no quinto mês de gravidez. Ela já tinha sido retirada durante o despejo de ocupantes do antigo espaço do DCE-Livre, em janeiro. Na época os estudantes divulgaram uma foto de um portão sobre seus ombros. Ela foi levada carregada – em uma cadeira, por quatro policiais- para o ônibus.

O major Marcel Lacerda Soffner, porta-voz da Polícia Militar, disse inicialmente que “provavelmente” ela não era estudante da USP. Depois foi mais categórico: afirmou que ela não estuda na universidade. De fato, ela não estuda – é companheira de um ocupante da Moradia Retomada, estudante de Física.

Segundo Soffner, 3 entre os 12 estudantes detidos não são estudantes da USP. Uma jovem de 16 anos foi presa – sem que alguém percebesse que ela tinha direitos específicos. O blog também apurou que pelo menos uma das pessoas presas, do Sul, estava de passagem exatamente nestes dias, durante o carnaval, hospedada no apartamento do amigo – também preso.
“Antes de amanhecer o dia, em pleno domingo de carnaval, juridicamente não se pode nem final de semana, muito menos feriado”, afirmou um estudante.
Os estudantes que moram no bloco vizinho protestaram contra a reintegração e fizeram imagens do cerco da polícia.Segundo os alunos, os PMs dispararam balas de borracha que atingiram os vidros da cozinha do bloco F. Estudantes revidaram jogando lixo.

Adolescente de 16 anos estava entre doze presos na USP

A Polícia Militar não percebeu. Conselheiro Tutelar, não havia – apesar de determinação da juíza nesse sentido. A Polícia Civil também não percebeu, inicialmente. Depois, deixou-a numa cela comum por mais de três horas. Mas uma entre os 12 presos na Cidade Universitária, na manhã deste domingo, tem apenas 16 anos.

Seus direitos, previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente, foram ignorados sucessivas vezes, durante reintegração de posse no bloco G do Conjunto Residencial da USP.

O blog Outro Brasil conversou na tarde deste domingo, com exclusividade, com a estudante, moradora de Nova Odessa. Durante uma hora de entrevista ela se mostrou calma, sem se considerar assustada. (O ECA não permite a divulgação de seu nome, nem das iniciais.)

A jovem chegou ontem à tarde em São Paulo, com uma amiga, maior de idade, que veio declarar interesse na espera da quarta chamada da Fuvest. Passou somente uma noite na Moradia Retomada, em um quarto – a amiga havia saído quando os policias chegaram. Acordou por volta das 6 horas, com barulho de rojão – utilizado pela Polícia Militar como sinalização, durante a desocupação – e, da janela, logo viu a Tropa de Choque.

Dois ou três minutos depois, enquanto ainda arrumava suas coisas, um policial (e não um oficial de justiça) da Tropa de Choque entrou no quarto e perguntou se ela era moradora. Ela respondeu que não. Foi informada que era para descer, que seria liberada. Mas foi encaminhada para uma sala, junto com os demais 11 ocupantes do bloco. Lá, todos forneceram o RG. Nenhum policial e nenhum assistente social – entre os destacados pela USP para acompanhar o caso viu que ela nasceu em setembro de 1995.

O mandado judicial previa a presença de um Conselheiro Tutelar. Mas não havia. “Deverá a Universidade de São Paulo providenciar a presença de integrante do Conselho Tutelar para acompanhar a diligência da remoção coercitiva”, escreveu a juíza Ana Paula Sampaio de Queiroz Bandeira Lins encaminhado para oficiais de justiça e para o comando da Polícia Militar do Estado de São Paulo.

Da sala, em vez de serem liberados, como fora sinalizado, todos seguiram para um ônibus. De lá, para o 14º Distrito Policial, em Pinheiros. Lá, foi encaminhada para uma cela comum, junto com os demais. Foi quando ela falou para uma carcereira, antes de ser revistada, que era menor de idade. A resposta foi que ela não poderia ficar na mesma cela – mas ficaria em outra, separada. E lá ficou, por mais de três horas.

– Era muito suja. Tinha cerca de 2 metros por 1 metro e pouco. Estava inteira escrita. A privada era muito nojenta, tinha merda ali. Na parede algo que me pareceu ser sangue.Recebeu um pão com refrigerante, sem queijo – ela é vegan. Provavelmente enviado pelas pessoas que, do lado de fora da delegacia, esperavam os doze presos.Por volta de 12h30 ela foi falar com o delegado. Não lembra o nome dele. O delegado de plantão, Noel Rodrigues, não quis dar entrevista, nem de manhã, ainda na Cidade Universitária, nem à tarde. Respondeu a uma bateria de perguntas – sem a presença de assistente social, Conselheiro Tutelar, alguém que defendesse especificamente direitos de uma adolescente. Apenas a advogada dos estudantes da USP – ligada à Conlutas.
Entre as perguntas, quem ela conhecia entre os estudantes, por que estava ali. Uma das afirmações, conta ela, era na linha “jogar verde para colher maduro”:– Fiquei sabendo que um deles é namoradinho seu – disse o delegado.

Ela negou prontamente. Eram 12h40 quando deixou a delegacia. A advogada responsabilizou-se por sua saída.

BALANÇO DO DIA

Acima, o relato. Mas o que a estudante achou de tudo o que vivenciou? Primeiro, ela diz que deveriam ter percebido logo que ela tem 16 anos:

– Eu não deveria ter ficado na cela, é muito ridículo. E estranho. Ficaram com o documento desde quando estávamos na sala, tiraram xerox, fizeram não sei o quê, e não perceberam que eu era menor?

Ela considera que, a partir do momento em que foi falar com o delegado, sentiu que queriam se livrar logo dela. O caso quase não foi mencionado pela grande imprensa – apenas uma rápida menção no portal G1, sem detalhes.

A estudante não conseguiu ver as identificações dos policiais. “O que entrou no meu quarto estava com aquele negócio pendurado, não deu para ver o nome”. Ela observa que havia três pessoas gravando ou tirando fotos – mas não o oficial de justiça, um conselheiro tutelar ou assistente social.

Sobre a reintegração de posse, a estudante diz que não era necessário nada daquilo.

– O pessoal precisa morar em algum lugar, eles não têm condição, não têm para onde ir. Totalmente desnecessário ter 150, 200 policiais. Tem outras coisas que eles poderiam fazer.

“Informes” levaram juíza a decidir pela desocupação no feriado

A juíza Ana Paula Sampaio de Queiroz Bandeira Lins escreve, no mandado de reintegração de posse datado do dia 17 de fevereiro, que “novos informes” motivaram o prosseguimento da reintegração de posse na Moradia Retomada, no bloco G do Conjunto Residencial da USP, neste domingo de carnaval.

Há alguns dias, estudantes montaram barricadas para impedir a reintegração. Mas a reitoria informou que ela não estava prevista. E, de fato, uma consulta ao processo mostrava que não havia ainda mandado judicial – expedido na sexta-feira por Ana Paula.

Uma cópia do documento foi entregue pelo porta-voz da PM aos jornalistas. Ele mostra que a juíza mantinha-se informada sobre o que acontecia no Crusp, e que o esvaziamento durante o carnaval foi motivo para a reintegração de posse.

Veja o principal trecho do mandado:

“Novos informes referentes à ocupação da área em que anteriormente estava estabelecida a Coordenadoria de Assistência Social da USP (Bloco G do Crusp) chegaram a essa unidade.
Segundo as notícias ora veiculadas, a situação começou a se acalmar, tendo sido retirados os obstáculos anteriormente utilizados como barreiras de acesso ao interior do imóvel.
Esse novo panorama está a sugerir a possibilidade de prosseguimento da diligência de reintegração sem maiores riscos à incolumidade dos ocupantes da área em litígio, dos agentes do Poder Público envolvidos na operação e de todos os estudantes, professores e funcionários da Universidade.
Determino, pois, sejam designados Oficiais de Justiça dessa unidade para cumprimento da ordem reintegratória”.

Em seguida a juíza determina à USP que providencie os meios necessários para embalar os pertences dos ocupantes. Discorre sobre o destino dos móveis, cabendo também à universidade disponibilizar caminhões e carregadores “de forma célere”.

Ana Paula determina a presença de assistente social da própria USP – que, segundo alguns estudantes, foi hostilizado ao chegar ao local. Ela também diz que poderiam existir menores no local, e que por isso a USP deveria providenciar a presença de integrante do Conselho Tutelar para acompanhar a “remoção coercitiva”.

“No cumprimento do ato, ficam autorizados, se necessário, o arrombamento e o reforço policial, observada, em sua utilização, a máxima cautela”, escreve a juíza. “A ordem de arrombamento estende-se a todos os acessos internos ou externos existentes na área ocupada, bem como compartimentos trancados do mobiliário ali existente”.O estudante William Santana Santos, porta-voz dos moradores do Crusp, disse que os professores Jorge Souto Maior, da Faculdade de Direito da USP, e Luiz Renato Martins, da Escola de Comunicações e Artes (ECA), fizeram um inventário da Moradia Retomada, para mostrar que ela era, de fato, utilizada para moradia.

Abuso sexual: aluna da USP é estuprada por PM. Veja vídeo. Aconteceu o mesmo em Pinheirinho. Até quando tais barbaridades continuarão a acontecer. Sempre. Sempre. São crimes que ficam impunes.

Leia Rodas e a USP dos nossos piores pesadelos. Por Rogério Beier

Quando Rodas na Rota tudo pode acontecer: tortura, estupro, morte


Polícia de Alckmin agride estudantes dentro da USP (vídeo)

A invasão da USP pela polícia militar visa intimidar o movimento estudantil que denuncia a ditadura de um reitor que abusa do poder de ser magnífico.

Estudante foi agredido na USP porque é negro, diz testemunha

Covarde capanga do reitor, soldado de Alckin
Covarde capanga do reitor, soldado de Alckmin
esmurra várias o estudante negro
esmurra o estudante negro
por MAURICIO TONETTO

Uma estudante de pós-graduação da Universidade de São Paulo (USP), ouvida pelo Terra, não tem dúvidas de que a agressão ocorrida na manhã desta segunda-feira na sede do Diretório Central dos Estudantes (DCE) foi por motivos raciais. A jovem, que não quis se identificar por medo de represálias, estava presente na sala, que fica ao lado da moradia estudantil, quando um PM deu tapas e apontou uma arma para um estudante negro. Ao tentar ler o nome do policial na farda, ela escutou: ‘que história é essa? você não vai ler nada!’.

“Ele atravessou no meio de todos nós, brancos, e foi no único negro do grupo, que estava de braços cruzados, atrás de um balcão. O PM agiu de forma maluca, pesada, e julgou que o nosso colega não era aluno por ser negro. A gente conversava e questionava porque eles queriam nos tirar do espaço sem nenhuma ordem por escrito ou identificação, o clima era absolutamente tranquilo”, relatou a estudante.

A PM foi até a sede do DCE sob pretexto de desocupar o espaço para uma reforma, que já se arrasta desde 2005 e é anterior à gestão do atual reitor, João Grandino Rodas. Segundo ela, havia um grupo de 10 alunos. Com o início da confusão, outros jovens da moradia estudantil e trabalhadores da universidade foram até o local ver o que acontecia. “Mesmo que não houvesse alunos da USP, ele não teria motivo algum para agredir. Mesmo assim, quando o PM viu a carteirinha do nosso amigo, recuou e saiu de perto. A guarda universitária, em vez de tentar acalmar os ânimos, ficou apenas observando”, criticou ela.


A pós-graduanda relatou também que outra

jovem quase teve um braço quebrado

depois de tentar fotografar a confusão. “Uma garota foi bater fotos do PM agressor e quase teve o braço quebrado. Ele ficou torcendo e foi tão forte que quando soltou, ela caiu no chão e começou a chorar”, conta ela.

A jovem disse ainda que a PM ficou no local por cerca de uma hora. “O DCE é um espaço estudantil, onde as pessoas param para trocar ideias, fazer política, estudar. É sempre assim quando os estudantes tentam rever o espaço de alguma forma. A resposta é truculenta. Dessa vez, com a PM, foi isso que aconteceu. Estamos com medo de represálias”, lamentou ela.

‘Ainda não caiu a ficha’, diz estudante agredido

 Por CLARA ROMAN
Estudante de Ciências da Natureza na Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP, Menezes foi abordado com tapas por um policial militar que participava de operação para fechar a antiga sede do Diretório Central dos Estudantes (DCE). Um vídeo (clique aqui para ver) que circula na internet registrou a cena, inclusive o momento em que o PM aponta a arma para o estudante.

Horas depois da agressão, ele ainda tentava entender o que aconteceu. Segundo ele, a cena foi apenas mais um episódio de um histórico de “opressão” promovido pela Polícia Militar na Universidade. “Eu sou o bode expiatório dessa vez, mas tem um histórico de agressões da USP nos últimos anos”, disse ele.

Tenso, Menezes contou que ainda não sabia se faria algum exame para comprovar o espancamento, o que poderia resultar num processo judicial.“Ainda nem tomei banho. Estou vendo como vou fazer perícia, porque o vídeo já traz todas as provas”, diz. O estudante relatou que tem arranhões e cortes na mão.

Para ele, a tensão entre estudantes e policiais está ligada às atuais reivindicações do Movimento Estudantil da USP. Os alunos pedem a saída do atual reitor João Grandino Rodas, a suspensão de convênio com a Polícia Militar, uma comissão estatuinte para rediscutir o código que rege a instituição, além da não punição dos 73 alunos presos em 2011 e retirada de processos administrativos contra estudantes. Em outras entrevista, Menezes afirma que, no momento da agressão, ele dizia aos policiais que os estudantes estavam ocupando o espaço, cuidado por eles.

Veja o vídeo da gestapo tucana em ação