Propaganda para sacrificar os aposentados: Mundo terá 2 bilhoes de idosos em 2050, diz OMS

Quem tem hoje 15 anos será um idoso em 2050. Obviamente, desde que consiga ficar vivo.

Baseado neste tipo de estatística, a troika recomenda diminuir o valor e aumentar o tempo para a aposentadoria por idade. Isso Fernando Henrique já fez. Aumentou dos 65, quando se é velho, para os 65, quando se é idoso.

Já existem propostas para os 70 anos, quando começa a ansianidade.

A Organização Mundial da Saúde chama atenção, por ocasião do Dia Mundial da Saúde, para aumento do número de pessoas com mais de 60 anos. Em quatro décadas, 80% dos idosos viverão em países em desenvolvimento e emergentes.

A população mundial está envelhecendo rapidamente. Em poucos anos, já haverá no mundo mais pessoas acima dos 60 anos do que crianças menores de cinco, informou a OMS. E o problema não se restringe ao países ricos.

 Informações  deste tipo criam hostilidades contra os velhos e idosos e anciões, senão bastasse a propaganda safada antipedofilia.
Segundo o critério da OMS, adolescentes de 16 ou 17 anos também podem ser classificados como pedófilos, se  tiverem uma preferência sexual persistente ou predominante por crianças pré-púberes, pelo menos, cinco anos mais novas do que eles. Uma verdade que é escondida.
Passam para os jovens a idéia de que estão sustentando os mais velhos.
Que o dinheiro, que os governos poderiam investir na educação dos jovens, vai todo para os aposentados.
E pior: esse desvio de verbas aumenta o desemprego dos jovens e congela os salários.
Quando a previdência dá lucro. Falo da previdência dos pobres. Dela o dinheiro para bancar obras de infra-estrutura. Existe a proposta indecente de o Ministério da Previdência financiar os doze estádios da Copa do Mundo.
Do FAT- Fundo de Amparo ao Trabalhador, via BNDES, o dinheiro para ajudar empresas estrangeiras, principalmente montadoras e oficinas.
Manchete de jornal português:

Prova de sobrevivência com uma aposentadoria que mata de fome

Um vexame que vai além da humilhação da aposentadoria mínima e degradante:

O pobre do aposentado pobre (vale para o pensionista), mais morto do que vivo, para receber os trocados do descanso final, precisa provar, duas ou três vezes por ano, na Caixa Econômica, o milagre de que continua vivo.

Certamente os torturadores da previdência não acreditam na magia de se viver com 545 reais por mês. Quando os especiais, os lá de cima, recebem perto de 40 mil ou mais, e querem aumento.

Exige a previdência que o aposentado ou pensionista mude ou confirme a senha, refaça o cadastro, confirme o endereço, isso pessoalmente, duas ou três vezes por ano. Também quando mudam o ministro e o presidente da previdência. O novo mandatário sempre considera que o antigo roubou. E faz esta investigação inócua às custas da contagem física dos velhos, dos idosos, dos anciãos.

Isso é um martírio para quem é doente. Para quem tem o pé na cova. Para quem mora longe.

Tem gente que reside em povoados, sítios. Pior, ainda, nas alturas dos morros ou nas distâncias das periferias.

Para os aposentados e pensionistas especiais nunca pedem nada que não se resolva pelo computador.