Não existe golpe sem uma lista de presos políticos

presos

FHC fatiou a Petrobras e vendeu só de uma primeira tacada: 30 por cento das ações na bolsa de Nova Iorque.

FHC depois vendou a Vale do Rio Mais do que Doce para os piratas, por apenas 2,2 bilhões, quando custava mais de 3 trilhões – o maior roubo da história da humanidade.

Para completar, FHC rasgou a CLT.

Em 64, as federações do patronato apoiaram a ditadura em troca da cassação da estabilidade do trabalhador, dada por Getúlio Vargas.

Agora os patrões, para apoiar o golpe, pedem o emprego terceirizado.

Nas redes sociais, tucanos, e os oportunistas da banda podre do PMDB, mais outros partidos da direita pedem a cabeça de Dilma. Trata-se de uma morte anunciada. Não existe golpe sem prisões e tortura e morte.

Eduardo Cunha, a bancada da bala, os pastores eletrônicos, os nazistas da TFP, Bolsonaro e outros fascistas já terminaram a lista dos que vão morrer?

Dos que vão ser presos?

Dos que vão ser torturados para dizer onde está o ouro de
Cuba?

Moro u?

jornalista tortura morte Alfredo Martirena

Motivação política aprisiona jornalista em Pernambuco

O jornalista Ricardo Antunes foi preso na antevéspera das eleições, perseguido pela polícia do governador Eduardo Campos. Era Ricardo o único jornalista que fazia, abertamente, oposição ao governo estadual.

Informa Gilberto Léda:

Lavareda: vítima de extorsão?

O jornalista e blogueiro Ricardo Antunes, de Recife (PE), foi preso, nesta sexta-feira (5), pela Polícia Civil de Pernambuco, acusado de extorquir o marqueteiro Antônio Lavareda – que já fez várias campanhas no Maranhão, inclusive da governadora Roseana Sarney (PMDB) em 2006.

Segundo a Assessoria de Imprensa da Civil, o blog Leitura Crítica, de responsabilidade de Antunes, vinha publicando matérias contra o marqueteiro. Numa das mais recentes, o blogueiro dizia que Lavareda foi contratado para fazer o “jogo sujo” da campanha do PSB (veja aqui).

Ele teria exigido R$ 2 milhões para deixar de produzir as matérias. Foi quando a vítima decidiu procurar a polícia.

Eles marcaram um encontro no escritório do cientista político, na Ilha do Leite, no Recife, na tarde desta sexta, para efetuar a primeira parte do valor. Neste momento, foi dada voz de prisão ao jornalista. Confira 

Acrescento: dois milhões de reais pagos em prestações de 50 mil. Um resgate para ser pago durante um longo tempo. Pra lá de três anos. O mais principiante e burro extorsionário jamais aceitaria uma proposta dessa. Trinta prestações, informou a polícia. Quem cairia em tal cilada? Significaria viver em uma corda bamba. Na aflição de ser preso toda vez que fosse pegar a grana. Trinta meses de suspense, de medo, de rezas para escapar ileso.  Certamente seria preso no recebimento da primeira prestação. Assim teria acontecido com Ricardo Antundes. (T.A.)