Encurtemos as distâncias entre o salário mínimo e o salário dos desembargadores, dos coronéis da PM, dos senadores, entre um favelado e um banqueiro, entre os palácios e favelas

justiça social Amorim

Essa distância o papa Francisco vem mostrando nos sermões.

No Brasil as desigualdades são cruéis. Pastores, com seus palacetes e aviões de luxo, pregam o fanatismo religioso. É difícil neste mundo cruel ser cristão, pregar o amor, que apenas existem – ensinou Jesus – dois mandamentos que é um só: amar a Deus e amar o próximo.

Não existe justiça social nos despejos judiciários. Não existe amor em uma sociedade que convive com o trabalho escravo, o tráfico de pessoas e 500 mil prostitutas infantis.

Os governantes apenas trabalham pelos empresários financiadores de campanhas eleitorais. Nada se faz que preste para o povo. O Rio de Janeiro possui 1 mil e 100 favelas. São Paulo, 2 mil 627 favelas.

Jesus-prega-ao-povo

Aproximar-se das pessoas marginalizadas, encurtar as distâncias até chegar a tocá-las sem ter medo de se sujar: eis a «proximidade cristã» que nos mostrou concretamente Jesus libertando o leproso da impureza da doença e também da exclusão social. A cada cristão, à Igreja inteira, o Papa pediu que tenha uma atitude de «proximidade»; fê-lo durante a missa na manhã de sexta-feira, 26 de Junho, na capela da Casa de Santa Marta. A próxima celebração está prevista para terça-feira 1 de Setembro.

«Quando Jesus desceu do monte, grandes multidões o seguiam»: Francisco iniciou a homilia repetindo precisamente as primeiras palavras do Evangelho de Mateus (8, 1-4) proposto pela liturgia. E toda aquela multidão, explicou, «tinha ouvido as suas catequeses: ficaram maravilhados porque falava “com autoridade”, não como os doutores da lei» que eles estavam habituados a ouvir. «Ficaram maravilhados», especifica o Evangelho.

Portanto, precisamente «estas pessoas» começaram a seguir Jesus sem se cansar de o ouvir. A ponto que, recordou o Papa, elas «permaneceram o dia inteiro e, por fim, os apóstolos» deram-se conta de que tinham certamente fome. Mas « para eles ouvir Jesus era motivo de alegria». E assim «quando Jesus terminou de falar, desceu do monte e as pessoas seguiam-no» reunindo-se «em volta dele». Aquela gente, recordou, «ia pelas estradas, pelos caminhos, com Jesus».

Contudo, «havia também outras pessoas que não o seguiam: observavam-no de longe, com curiosidade», perguntando-se: «Mas quem é ele?». Aliás, explicou Francisco, «não tinham ouvido as catequeses que tanto surpreendiam». E assim havia «pessoas que olhavam da calçada» e «outras que não podiam aproximar-se: era-lhes proibido pela lei, porque eram «impuros». Precisamente entre elas estava o leproso do qual fala Mateus no Evangelho.

«Este leproso – realçou o Papa – sentia no coração o desejo de se aproximar de Jesus: tomou coragem e aproximou-se». Mas «era um marginalizado», e portanto «não podia fazê-lo». Porém, «tinha fé naquele homem, tomou coragem e aproximou-se», dirigindo-lhe «simplesmente o seu pedido: “Senhor, se quiseres, podes purificar-me”». Disse assim «porque era “impuro”». Com efeito, «a lepra era uma condenação definitiva». E «curar um leproso era tão difícil quanto ressuscitar um morto: por esta razão eram marginalizados, estavam todos ali, não podiam misturar-se com as pessoas».

Porém havia, prosseguiu Francisco, «também os automarginalizados, os doutores da lei que olhavam sempre com aquele desejo de pôr Jesus à prova para o fazer cair e depois condenar». Ao contrário, o leproso sabia que era «impuro, doente, e aproximou-se». E «o que fez Jesus?», questionou-se o Papa. Não ficou parado, sem o tocar, mas aproximou-se ainda mais e estendeu-lhe a mão curando-o.

«Proximidade», explicou o Pontífice, é uma «palavra tão importante: não se pode construir comunidades a sem proximidade; não se pode fazer a paz sem a proximidade; não se pode fazer o bem sem se aproximar». Na realidade, Jesus poderia ter-lhe dito: «Que tu sejas curado!». Ao contrário, aproximou-se dele e tocou-o. «Mais ainda: no momento em que Jesus tocou o impuro, tornou-se impuro». E «este é o mistério de Jesus: assumir as nossas sujidades, as nossas impuridades».

É uma realidade, prosseguiu o Papa, que são Paulo explica bem quando escreve: «Sendo igual a Deus, não considerou esta divindade um bem irrenunciável; aniquilou-se a si mesmo». E, em seguida, Paulo vai além afirmando que «se fez pecado»: Jesus tornou-se ele mesmo pecado, Jesus excluiu-se, assumiu a impureza para se aproximar do homem. Por conseguinte, «não considerou um bem irrenunciável ser igual a Deus», mas «aniquilou-se, aproximou-se, fez-se pecado e impuro».

«Muitas vezes penso – confidenciou Francisco – que é, não quero dizer impossível, mas muito difícil fazer o bem sem sujar as mãos». E «Jesus sujou-se» com a sua «proximidade». Mas depois, narra Mateus, foi inclusive além, dizendo ao homem libertado da doença: «Vai ter com os sacerdotes e faz aquilo que se deve fazer quando um leproso é curado».

Em síntese, «aquele que estava excluído da vida social, Jesus inclui-o: inclui-o na Igreja, inclui-o na sociedade». Recomenda-lhe: «Vai para que todas as coisas sejam como devem ser». Portanto, «Jesus nunca marginaliza, nunca!». Aliás, Jesus «marginalizou-se a si mesmo para incluir os marginalizados, para nos incluir a nós, pecadores, marginalizados, na sua vida». E «isto é bom», comentou o Pontífice.

Quantas pessoas seguiram Jesus naquele momento e seguem Jesus na história porque ficaram maravilhadas com o seu modo de falar», realçou Francisco. E «quantas pessoas observam de longe e não compreendem, não estão interessadas; quantas pessoas observam de longe mas com um coração maldoso, a fim de pôr Jesus à prova, para o criticar e condenar». E, ainda, «quantas pessoas observam de longe porque não têm a coragem que teve» aquele leproso, «mas desejariam muito aproximar-se». E «naquele caso Jesus estendeu a mão primeiro; não como neste caso, mas no seu ser estendeu-nos a mão a todos, tornando-se um de nós, como nós: pecador como nós mas sem pecado; mas pecador, sujo com os nossos pecados». E «esta é a proximidade cristã».

«Palavra bonita, a da proximidade, para cada um de nós», prosseguiu o Papa. Sugerindo que nos questionemos: «Mas sei aproximar-me? Eu tenho a força, a coragem de tocar os marginalizados?». E «também para a Igreja, as paróquias, as comunidades, os consagrados, os bispos, os sacerdotes, todos», é bom responder a esta pergunta: «Tenho a coragem de me aproximar ou me distancio sempre? Tenho a coragem de encurtar as distâncias, como fez Jesus?».

E «agora no altar», sublinhou Francisco, Jesus «aproximar-se-á de nós: encurtará as distâncias». Portanto, «peçamos-lhe esta graça: Senhor, que eu não tenha medo de me aproximar dos necessitados, dos que se vêem ou daqueles que têm as chagas escondidas». Esta, concluiu, é «a graça de me aproximar».

Saad Murtadha
Saad Murtadha

Dois grupos de PMs atuaram no assassinato de Cláudia: um que atirou e outro que carregou o cadáver

O trio que assassinou Cláudia Silva Ferreira, no Morro da Congonha, no Rio de Janeiro, jamais foi preso.

Apenas o trio que carregava o cadáver, possivelmente, como aconteceu com Amarildo, para um cemitério clandestino, teve uma prisão relâmpago, para enganar os bestas. Aconteceu de serem filmados.

O trio assassino e o trio violador de cadáver são partes de uma mesma quadrilha de soldados bandidos. Dois, comprovadamente, seriais quillers.

OS ASSASSINOS

Relata testemunha: “Os policiais dobraram a esquina e deram de frente com Cláudia (ela tinha saído de casa para comprar leite e pão). Um deles apontou a arma (um fuzil) e atirou umas seis vezes”. Falta investigar, conforme foi noticiado, se apenas três PMs participaram da execução.

OS COVEIROS  

Relata testemunha: “O corpo da Cláudia ficou abandonado na rua por mais de meia hora (um tiro penetrou o coração). Os policiais voltaram na maior calma”.

Assim o cadáver foi colocado em uma viatura policial. Afirmam os policiais coveiros que iam levar o cadáver para um hospital. O lugar menos provável para fazer desaparecer um defunto, quando apenas existiam dois destinos possíveis: o necrotério, para a autopsia, ou um cemitério clandestino, que o Rio de Janeiro é a capital dos desaparecidos. Tornou-se uma ação costumeira a velha expressão popular: negro não morre, desaparece.

brutaalidade AA

 

por Advogados Ativistas

████████████████ O Ministério Público Militar acatou o pedido de liberdade dos três PMs envolvidos na morte de Cláudia Silva Ferreira. De acordo com várias testemunhas, dentre elas alguns familiares, Cláudia foi executada sem qualquer motivo aparente e existe o vídeo chocante dela sendo arrastada pelas ruas do Rio. Mesmo assim o promotor do caso afirmou que não há elementos para mantê-los presos.

Não é novidade para ninguém que a polícia brasileira executa os cidadãos e camufla o fato sob autos de resistência. Um ponto importante que justifica esta ação é exatamente o “resgate” dos feridos, que na maioria das vezes já chegam mortos aos hospitais. Em São Paulo, após a proibição de o resgate ser feito por PMs, o número de mortos em confrontos caiu 35% de 2012 para 2013. Esta medida talvez tenha inibido a chacina escancarada que é promovida, porém, está longe de ser a solução.

Mesmo com tais fatos sendo públicos e notórios, o Ministério Público acha que não há elementos para manter os acusados presos. Voltando um pouco no tempo, mais precisamente em setembro de 2013, neste mesmo Rio de Janeiro, diversos manifestantes foram presos e encaminhados a Bangu, permanecendo por diversos dias presos. Como justificar esta seletividade?

Em um caso bastante parecido, assaltantes arrastaram e mataram o garoto João Hélio, de 06 anos, e a comoção foi enorme, a pauta novamente era o endurecimento de penas, redução da maioridade penal. A diferença para o caso da Claudia é que os autores eram pobres e negros, além da vítima ser uma criança filha de pessoas da classe média. Não que a histeria resolva a questão, mas o silêncio atual é bastante sintomático.

Países com melhor saúde democrática que a nossa estão menos suscetíveis ao bom humor de governantes e opinião pública. A lei anda em linha reta, os cães ladram, mas a caravana não para. Demos aqui alguns exemplos da falta de critério que acomete nossos órgãos e representantes públicos. A ação estatal de brutalização e restrição de direitos vai ser para sempre uma regra enquanto a seletividade continuar imperando.

Cláudia e as duas juízas

Subtenente matou 63 favelados e mais a mulher arrastada pelo carro da polícia de Sérgio Cabral

Como é possível um serial killer ficar solto nas ruas, depois de 63 mortes, a procurar nas favelas, na chamada ação pacificadora da polícia, sua próxima vítima?

Foi preso agora, porque filmado, na viatura militar que arrastou um mulher viva, pelas ruas da cidade do Rio de Janeiro. Uma trabalhadora negra, mãe de quatro filhos, que se transformou na vítima n. 64. Isto é, apenas um número na longa e sangrenta lista de assassinatos de um bandido, pistoleiro fardado.

arrastada

mulher arrastada

mulher-arrastada

mulher-ferida-durante-uma-acao-policial-na-comunidade-da-congonha-em-madureira-zona-norte-do-rio-de-janeiro-e-arrastada-no-caminho-do-hospital-apos-o-porta-malas-onde-havia-sido-colocada-pela-policia

 

Informa o portal Terra: Os três policiais militares (PMs) presos por terem arrastado a auxiliar de serviços Claudia Silva Ferreira, no Rio de Janeiro, constam como envolvidos em 62 autos de resistência (mortes de suspeitos em confrontos com a polícia). Pelo menos 69 pessoas morreram em supostos tiroteios com os três soldados estaduais desde 2000. As informações foram publicadas no jornal O Estado de S. Paulo.

O recordista é o subtenente Adir Serrano Machado, com envolvimento em 57 registros de autos de resistência (com 63 mortos). O subtenente Rodney Archanjo aparece em cinco ocorrências (com seis mortos). Já o sargento Alex Sandro da Silva Alves não tinha participação em nenhum auto de resistência até o último domingo, quando um adolescente de 16 anos, suspeito de envolvimento com o tráfico, morreu durante a operação no Morro da Congonha, em Madureira, zona norte, onde Claudia morava.

Os policiais foram presos em flagrante no domingo, por determinação do comando do 9º Batalhão da PM. Eles são acusados de negligência na prestação de socorro à auxiliar de serviços Cláudia Ferreira da Silva, após ser baleada no Morro da Congonha, durante operação da PM no último sábado, que acabou arrastada depois de cair do porta-mala do carro dos policiais. O trio foi enquadrado no crime de “deixar, no exercício de função, de observar lei, dando causa direta à prática de ato prejudicial à administração militar”, previsto no artigo 324 do Código Penal Militar.

Deviam ser acusados pelas monstruosidade de mais um assassinato frio, covarde, impiedoso, com a marca da brutalidade das invasões da polícia nas favelas.

E os outros trucidamentos serão investigados? Certamente que não.

Para a polícia, comandada por Sérgio Cabral, foi cousa de pouca conta, um “ato prejudicial à administração’, que teve um protesto sem importância política, com a presença de 50 moradores.

rjprotestomadureiramulherarrastada2

rjprotestomadureiramulherarrastada6mauropimentel

Protesto de 50 negros. Isso não quer dizer nada
Protesto de 50 negros. Isso não quer dizer nada

Até agora a PM não liberou os retratos dos bandidos fardados.

Kali, a boca

________________________________________

Eles são bandidos, eles são inconsequentes, eles são despolitizados, eles são vândalos, eles são vendidos, eles são fascistas, eles são anti-éticos.

Eles não.

Vocês. A cada noite que sai, a cada mascara que cai, a cada bomba que explode eles querem mais, enquanto você segue sentado vendo os jornais ditarem o que você deve saber. Eles morrem, eles apanham, eles são julgados, eles correm, eles assanham, eles são encarcerados. Enquanto você segue apontando dedos, procurando culpados, eles tentam mudar o mundo. Eles são utópicos, eles são caóticos, eles são voláteis, eles são neuróticos. Eles são vocês. O que os preocupa não é o grito dos corruptos, dos assassinos do Estado, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética, sua única preocupação é o silencio dos que sonham. Hoje existe uma guerra acontecendo bem embaixo dos seus olhos, essa guerra não tem matiz política, não tem lado, é uma batalha ambidestra contra o status quo, contra os conservadores, contra o estabelecido. Uma batalha pela vida, pelo ser humano, pela destruição dos padrões e a reconstrução de uma nova sociedade.

Bem vindos ao Ano de Kali do sânscrito Kālī काली (que significa, literalmente, “A Negra”)A lenda conta que, numa luta entre Durga e o demônio Raktabija, cada gota do sangue deste demônio se criava um novo demônio. Durga e Shiva, ao tentar matar os vários demônios que surgiam a cada gota de sangue, criavam ainda mais demônios. Quando estão prontos para desistir da batalha, surge Kali, que a cada corte que faz, bebe o sangue de seu inimigo, acabando assim com os demônios. Mas Kali não é uma deusa ou deus do mal pois, na verdade, o papel de ceifadora de vidas é absolutamente indispensável para a manutenção do mundo.

________________________________________
FOTO: Fotógrafos Ativistas
TEXTO: Fotógrafos Ativistas

AUDIODESCRIÇÃO: Foto colorida. Em uma truculenta ação dos policiais do batalhão de choque de São Paulo, um dos policiais segura uma escopeta apontando para manifestante que estão no chão e rendidos. Segundos depois o mesmo policial atira contra uma manifestante de joelhos no chão.

bar

Seus pés são lindos

________________________________________

“Seus pés são lindos. E deles saem seus passos, seu caminho rumo ao espaço. Tua liberdade é como um jardim. Seus pés, pra mim, são anjos que te trouxeram até aqui. (…)

E esse texto poderia continuar assim, brincando de poetizar, não fosse a foto em questão. Nela são retratados pés horríveis. Não pela forma, pelo tamanho, mas pelo propósito. São pés a mando do Estado. São pés que agridem qualquer um que ousar discordar.

Esse manifestante foi PISADO não apenas pelo policial da Tropa de Choque. Ele foi pisado por todo aquele que discorda de movimentos sociais que brigam por um #naovaitercopa.

Esse manifestando foi PISADO não apenas pelo Estado. Essa bota em cima da nuca dele é teu descaso. Sabemos que esse é o mesmo coturno que sobe o morro e desce bala. Essa foto esquenta os ânimos, mas te garanto: a gente NÃO se cala.

Copa é o CARALHO.”

________________________________________
FOTO: Fotógrafos Ativistas
TEXTO: Fábio Chap – FA

AUDIODESCRIÇÃO: Foto preto e branco. Em uma truculenta ação dos policiais do batalhão de choque de São Paulo, um dos policiais segura uma escopeta apontando para perto da cabeça de um manifestante não mascarado e pisando com o pé direito na cabeça do mesmo.

pés

Juiz envolvido na morte de dois jornalistas de Minas Gerais

Justiça censura jornalista

Vários juízes substituíram os coronéis da ditadura militar nos serviços sujos de censura a jornalistas.

Sempre repito: a morte de um jornalista é a solução final da censura.

Que fique sabendo o Conselho Nacional de Justiça, CNJ, presidido pelo ministro Joaquim Barbosa, que tem um juiz acusado de participar da quadrilha que chacinou os jornalistas Walgney Carvalho e Rodrigo Neto.

Em Ipatinga, a sede de um grupo de extermínio com juiz, médico legista (Jose Rafael Miranda Americano), entre outras autoridades,  corre o boato do envolvimento do presidente da Câmara, Werley Glicério Furbino. Só tem gente fina. Os executores das mortes são policiais. Foi preso o investigador José Cassiano Guarda.

O Brasil precisa federalizar já! os inquéritos dos jornalistas martirizados, pela participação, em 99 por cento dos casos, de policiais ou ex-policiais.

Uma semana antes de morrer, Rodrigo Neto apresentou, para a Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa de Minas Gerais, uma relação de crimes em Ipatinga e outras cidades mineiras. O depoimento vazou. Que a AL divulgue o depoimento. Nele estão os nomes dos assassinos.

Na Assembléia, quando Aécio Neves era governador, um deputado deu um tapa na cara de uma jornalista diretora da assessoria de imprensa parlamentar. Um coronel da guarda do governador fez uma jovem jornalista ajoelhar, com um revólver engatilhado na cabeça.

Com coragem, idealismo e amor ao jornalismo, escreve Heron Guimarães:

jornalista ameaça censura

Extermínio em Ipatinga
 
A mais nova denúncia do presidente da Comissão dos Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, deputado Durval Ângelo, que aponta a participação de um juiz no extermínio de jornalistas no Vale do Aço, lança mais um sinal de alerta para os poderes constituídos do Estado.

Isso porque os assassinatos dos dois repórteres no Vale do Aço não podem, de forma alguma, ser tratados como homicídios comuns, que, apesar de igualmente inadmissíveis, não despertam mais, na população e nos próprios órgãos de segurança pública, a comoção que deveriam.

Ao que tudo indica, o repórter Rodrigo Neto, acostumado a fazer coberturas policiais, encontrou uma linha investigativa que ligava policiais de Ipatinga a crimes bárbaros e a um grupo de extermínio. Acabou sendo fuzilado após deixar uma bar que tinha o hábito de frequentar. Morreu cedo e abreviou sua passagem pela vida, deixando esposa e filhos.

Um mês depois, seu colega de profissão, o fotógrafo Walgney Carvalho, morreu em circunstâncias semelhantes. Assim como Neto, deixou família e filhos. Assim como Neto, foi covardemente fuzilado após um momento de descontração. Ele também participava das “investigações” que deixariam em maus lençóis homens da “lei” que mudaram de lado.

Neto e Carvalho sabiam demais e, certamente, por saberem demais, escarafunchavam demais, aliás, o que todo bom jornalista, por convicção ou por dever de ofício, honraria em fazer, desde que munido de coragem.

A situação é bem mais grave e vai além da necessidade de se fazer a justiça tão rogada pelos familiares e pelos amigos dos dois profissionais mortos; assim como no caso Tim Lopes, quando traficantes cariocas popularizaram o termo “micro-ondas”, estamos diante de um verdadeiro atentado à liberdade de imprensa e à democracia.

Evidências que apontam para o envolvimento de policiais já seriam o bastante para que todas as forças de Minas se unissem e reforçassem as investigações, tirando de Ipatinga o comando central das investigações.

Agora, com essa nova hipótese lançada por Durval, colocando no rol de suspeitos um membro do Judiciário, a gravidade aumenta. É preciso dar uma resposta ainda mais clara para a sociedade, apresentando, com o máximo de urgência, os responsáveis por tais barbaridades.

As vagas dos repórteres assassinados não estão sendo preenchidas por outros jornalistas por causa do temor que se abateu sobre a região de Ipatinga, mas o medo deve ser de todos. Não o medo de boçais que resolvem suas podres questões e escondem suas sujeiras matando e fazendo desaparecerem provas vivas, mas o medo de um Estado inerte, incapaz de agir.