Los desahucios matan

Listado de sucesos consecuencia de la crisis, los recortes y los desahucios.
suicídio crise indignados3

Suicidios por la crisis, es imprescindible hacer un listado.

El número de suicidios, las estadísticas generales que se publican sobre esta actitud personal, no habla de números concretos referidos a casos que tengan que ver directamente con la situación social de crisis que se sufre actualmente. El suicidio hasta ahora ha merecido un tratamiento discreto porque afectaba de forma personal e individual, y se producía por motivos y circunstancias particulares de cada persona. Los datos generales hablan de diversas causas para auto infringirse la muerte, desamor, depresión, motivos familiares…, pero empiezan a hablar de la crisis como la principal responsable del terrible aumento que están experimentando estas situaciones en estos años. Y esta circunstancia debería tener una mirada hacia esta nueva situación mucho más generalizada.

Tratados individualmente, los suicidios son casos que pasan generalmente desapercibidos. Exceptuando casos de gente popular o casos especialmente dramáticos que llaman la atención de los medios de forma puntual, en general son noticias tratadas como sucesos locales que, en los casos que conllevan motivos de desesperación económica, el tratamiento individualizado y local no permite tener una idea real de las consecuencias directas que la situación económica y social que vivimos tiene sobre la ciudadanía. Hablo de realidades que ya se están viviendo, no de estadísticas, realidades desesperadas hasta el punto máximo imaginable, angustia y desamparo desbordadas.

El drama es inmenso, inenarrable, y debería ser tratado de forma muy diferente. Es fundamental evitar que estos casos desaparezcan por el desagüe de la desinformación, entre el desprecio calculado de un premeditado e interesado olvido, porque los motivos de todos estos dramas son consecuencia de la irresponsabilidad y de la frivolidad con la que financieros, políticos y economistas aceptaron y aceptan llevar a cabo una estrategia conscientemente indecente.

Es necesario concienciar de este drama real y diario, es imprescindible que seamos conscientes en el día a día de los casos que puedan ir sucediéndose, como una imprescindible forma de concienciar del espanto que algunos se empeñan en seguir provocando, ignorando que las políticas de austeridad condenan al sufrimiento, a la exclusión social y en ocasiones a la muerte.

Si se ha considerado importante y se ha conseguido concienciar para llevar una contabilidad y una información puntual sobre los casos de violencia de género, como una forma vital de sensibilizar sobre este nuevo drama real, se debe hacer un esfuerzo por hacer públicos y dejar constancia de todos los casos que avergüencen la realidad que en este país se vive como consecuencia de decisiones que, después de 5 años, no sólo no aportan solución alguna, sino que condenan a los más débiles, a los más desprotegidos.

En los medios en estos días, podemos encontrar artículos que hablan de un aumento significativo de los casos motivados por la situación social o de todo lo contrario, que la realidad apenas afecta a esta cuestión, basándose en ambos casos en diferentes estadísticas que presentan para su explicación.

En el listado que aquí se presenta, se incluyen los casos de suicidio (o claro intento en algunos casos) de este año 2012 que, después de haber buscado en la Web, se han podido encontrar reflejados en algunos medios. Pretendemos enumerar los casos de forma objetiva, nada de estadísticas.

En vista de las consecuencias que están provocando las políticas de recorte que se vienen aplicando, hemos decidido incluir también los casos de muerte producida por  la decisión de  limitar los presupuestarios establecidos en servicios públicos.

Relación de casos encontrados en publicaciones online de 2012:

1 de Febrero.  Se suicida un hombre en Tarancon desesperado por su inminente desahucio. Tenía dos hijos.

10 de Febrero. Un hombre se quema a lo bonzo en Valencia tras perder su empleo.

3 de Abril. J. albañil «La maldita crisis mató a mi marido» (R., esposa) Intervención de R. en Punto Radio

7 de Julio. Alarmante aumento de suicidios en España motivados por la crisis. I., divorciada de 56 años, minusválida.

12 de Julio. Se suicida un empresario de 64 años justo antes de que subasten su casa por embargos en Jaén.

14 de Julio. Testimonio en Twitter de un suicidio. 

5 de Septiembre. Un hombre de 74 años mata a su hijo discapacitado y posteriormente se suicida.

4 de Octubre. Se suicida un vigilante de una empresa denunciada por impagos que le adeudaba varias nóminas por valor de 10.000€.

8 de Octubre. Acampada en Sevilla para recordar a ‘Pepito’, J. R. “Un hombre cansado de luchar contra todo”. 

23 de Octubre. Las Palmas De Gran Canaria. Joven se suicida por desahucio. 

25 de Octubre. Granada. Un hombre se ahorca antes de sufrir un desahucio.

26 de Octubre. Un hombre se tira por el balcón en Valencia antes de ser desahuciado. 

29 de Octubre El desahucio de un piso en Galdakao termina con el propietario en el hospital

30 de Octubre Mijas (Málaga): Fallece un hombre de 57 años de un infarto tras esperar 30 minutos una ambulancia.

9 de Noviembre Se suicida lanzándose por la ventana en Barakaldo cuando iban a desahuciarla.

11 de Noviembre ¿Recortes en dependencia? Muere una mujer tras fallecer su madre y no recibir cuidados.

16 de Noviembre Un hombre se suicida por la mañana cuando iba a ser desahuciado en Córdoba. En este caso, parece ser que los motivos son familiares, no un impago de hipoteca. El banco no es el que inicia el proceso de desahucio. Este caso nos ha provocado una reflexión plasmada en la entrada: “El desarraigo, consecuencia directa en la crisis /estafa”

28 de Noviembre Se suicida un hombre de 59 años en Santesteban, Navarra por una deuda de 4200€.

29 de Noviembre Fallece un pasajero en el aeropuerto de Ibiza. El servicio médico está suspendido desde Septiembre.

7 de Diciembre Un pasajero procedente de Madrid falleció en el vestíbulo del aeropuerto de Ibiza como consecuencia de un paro cardiaco. El aeropuerto suprimió el servicio médico en Septiembre.

9 d e Diciembre Hallan muerta a una mujer que iba a ser desalojada en Peñafiel (Valladolid)

10 de Diciembre Los recortes matan, y son directamente responsables de situaciones inauditas. Un taxista muere de un infarto en el aeropuerto de Bilbao,donde el servicio médico estaba cerrado.

15 de Diciembre Se suicida una mujer en Málaga tres días después de recibir la orden de desahucio.

Un hombre se suicida por problemas económicos en Málaga. Con dos hijos, había logrado renegociar la hipoteca para evitar un desahucio pero tenía deudas.

16 de Diciembre La Plataforma de Afectados por la Hipoteca evita un suicidio en La Rioja.

31 de Diciembre Un constructor de la localidad toledana de Villafranca de los Caballeros se suicida por las deudas.

2 de Enero 2013 Un hombre con problemas económicos se quema a lo bonzo en plena calle. (Ampliación de la noticia 4 de Enero)

4 de Enero 2013 Se confirma el fallecimiento del hombre quemado a lo bonzo en Málaga 

4 de Enero 2013 Muere el segundo suicida que se prendió fuego a lo bonzo en Málaga.

18 de Enero 2013 Se suicida un comerciante tras conocer que iba a ser desahuciado de su negocio.

2 de Febrero de 2013 Un vecino de un pueblo que se quedó sin urgencias muere durante el traslado a Trujillo.

8 de Febrero de 2013 Un activista de Stop Desahucios se suicida en Córdoba.

11 de Febrero de 2013 Stop Desahucios denuncia un suicidio en Basauri por un impago hipotecario.

12 de Febrero de 2013  Un matrimonio d jubilados se suicida cuando iban a desahuciarles en Mallorca.

13 de Febrero de 2013 Un hombre se suicida en Alicante cuando iba a ser desahuciado.

13 de Febrero de Muere en Cáceres la primera persona por no disponer de ambulancia ni de servicio de urgencias.

16 de Febrero de 2013 Un francés se quita la vida en Calvià.

16 de Febrero de 2013  Recortes que matan. Sanidad.

18 de Febrero de 2013 Una mujer se prende fuego en una entidad bancaria de Almassora.

22 de Febrero de 2013 Fallece boliviana por falta de atención médica

26 de Febrero de 2013 Un parado de 45 años se quita la vida en Cartagena.

6 de Marzo de 2013 Un hombre se suicida cuando iba a ser desahuciado por impago del alquiler.

6 de Marzo de 2013 Muere una mujer mientras esperaba en las urgencias del Hospital de Vigo.

8 de Marzo de 2013 Se suicida mujer de 41 años ya desahuciada en Atarfe (Granada) por motivos de deudas en alquiler.  

10 de Marzo de 2013 Hospitalizado un hombre desahuciado en Jaca tras intentar suicidarse. 

Según las estadísticas seguramente son más, muchos más. Evitemos que la desinformación oculte una realidad tan dolorosa. Se inicia este blog con la intención de dejar constancia del listado de sucesos que como consecuencia de las políticas de austeridad, recortes sociales, desahucios, preferentes, etc…, se sucedan a partir de este momento.

La desesperación no debe ser ni ocultada, ni ignorada. Ni mucho menos despreciada.

  Foto de Nabel Babau

SUICÍDIO NO BRASIL
Nos depejos da justiça PPV, na marra. promovidos pelas polícias militares, a lista de mortes, os suicídios, a  desagregação familiar, a perda da moradia e outros danos, principalmente psicológicos e sociais, viram segredo eterno. Os raios da deusa são sagrados.
A chacina do Pinheirinho, que o presidente do maior tribunal do mundo, o de São Paulo, chamou de simples episódio, é bem exemplar como uma mancha sangrenta. Teve de tudo. Até estupro da polícia de Alkcmin.
170 mil famílias vão ser despejadas para possibilitar a realização da Copa do Mundo, com seus Coliseus superfaturados, inclusive com privatizações com carta marcada.
Charge_HitlerJornal_despejo Pinheirinho indignados

despejo copa

“Nenhuma notícia sobre as denúncias à OEA e ao CNJ saiu na grande imprensa”

por Conceição Lemes   Vio Mundo

Para Marcio Sotelo Felippe, que foi procurador-geral no governo Mário Covas, silêncio da grande imprensa sobre denúncias relacionadas à desocupação violenta do Pinheirinho é “uma demonstração inequívoca de que a mídia tem lado e blinda, mesmo, as autoridades paulistas”. “É um absurdo que nenhuma notícia sobre essas denúncias tenha saído na chamada grande imprensa”, indigna-se Felippe.

Na segunda quinzena de junho, duas graves denúncias foram feitas sobre a desocupação violenta do Pinheirinho, em São José dos Campos (SJC-SP), em 22 de janeiro de 2012. Curiosamente, nada na mídia até hoje. É como se não tivessem acontecido.

A primeira denúncia, no dia 19 de junho, foi a Reclamação Disciplinar ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) contra cinco autoridades do Judiciário paulista: Ivan Sartori, presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP); Cândido Além, desembargador TJ-SP; Rodrigo Capez, juiz assessor da presidência do TJ-SP; Marcia Faria Mathey Loureiro, juíza da 6ª Vara Cível de São José dos Campos; e Luiz Beethoven Giffoni Ferreira, juiz da 18ª Vara Cível do Fórum Central João Mendes Júnior, em SP.

Assinada por advogados, ex-moradores e movimentos de direitos humanos, ela pede apuração das irregularidades do procedimento judicial.

A segunda denúncia, divulgada no dia 22 de junho, foi dirigida à Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA) Além dos cinco membros do Judiciário já denunciados ao CNJ, ela incrimina também o governador Geraldo Alckmin, o prefeito Eduardo Cury e o coronel da Polícia Militar Manoel Messias, comandante da operação policial. Acusação: violação de direitos humanos.

Assinam-na vários advogados e entidades de peso: os professores de Direito Fábio Konder Comparato, Celso Antonio Bandeira de Mello, Dalmo de Abreu Dallari e José Geraldo de Sousa Junior; o ex-presidente da OAB-Brasil César Britto; o procurador do Estado de São Paulo Marcio Sotelo Felippe; o presidente do Sindicato dos Advogados de São Paulo Carlos Alberto Duarte; a Rede Social de Justiça e de Direitos Humanos, representada legalmente por Aton Fon Filho. Também os advogados Antonio Donizete Ferreira, Aristeu Cesar Pinto Neto Nicia Bosco, Giane Ambrósio Álvares e Camila Gomes de Lima.

“É um absurdo que nenhuma notícia sobre essas denúncias tenha saído na chamada grande imprensa”, indigna-se Marcio Sotelo Felippe, que foi procurador-geral no governo Mário Covas (1995-2001). “Uma demonstração inequívoca de que a mídia tem lado e blinda, mesmo, as autoridades paulistas.”

“A mídia tem também um lado ideológico e faz de conta que não tem”, acrescenta. “Esses setores conservadores fazem a defesa estratégica da propriedade e do que pensam ser ‘lei e ordem’. Para eles é o que tem de ser preservado, não importa o custo humano, o indizível sofrimento das pessoas, a iniquidade do ato. Os excluídos são invisíveis. Não saem no jornal. Eles ainda pensam como se pensava na velha sociedade escravocrata.”

O terreno do Pinheirinho consta como propriedade da Selecta, do megaespeculador Naji Nahas. O procurador Marcio Sotelo analisou minuciosamente a documentação referente ao processo de falência dessa empresa e descobriu que toda a ação para expulsar as mais de 6 mil pessoas do local — homens, mulheres, crianças de todas as idades, idosos e enfermos – serviu única e exclusivamente para beneficiar Nahas.

“Passados cinco meses não há nenhum procedimento para apurar responsabilidades”, observa Marcio Sotelo. “Imperioso então recorrer a uma corte internacional. Afinal, o aconteceu no Pinheirinho foi crime contra a humanidade e toda a estrutura política e jurídica está envolvida. Ela não se pune a si mesma”. Leia mais

CASO PINHEIRINHO: Juristas pedem que o Tribunal Penal Internacional investigue governador Alkmin e Ivan Sartori presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo

por Carlos A. Lungarzo

Polícia comandada por Ivan Sartori invade comunidade de Pinheirinho
Polícia comandada por Ivan Sartori invade comunidade do Pinheirinho
A polícia destruiu as casas de 7 mil moradores. Uma ocupação militar com espancamentos, prisões, estupros, feridos  e denúncias de mortes
A polícia destruiu as casas de 7 mil moradores. Uma ocupação militar com espancamentos, prisões, estupros, feridos e denúncias de mortes

A Opinião dos Especialistas

Em vários artigos que escrevi sobre a pertinência de julgar o caso de Pinheirinho no Tribunal Penal Internacional, eu acredito ter mostrado que os abusos cometidos pelo Estado de São Paulo e o Judiciário Paulista constituem claros paradigmas de Crimes contra a Humanidade, que é uma das variantes de crimes que podem autorizar o julgamento dos responsáveis por esta corte.

A existência de Crime Contra a Humanidade (e não apenas “abuso de poder”) está justificada por vários incisos do Estatuto de Roma que foram violados por essa criminosa e fanaticamente sanguinária ação. Veja aqui meu primeiro artigo sobre o assunto, mas não esqueça que na época não se sabia o caso de abuso sexual; ele deve ser acrescentado!

Minha convicção se viu reforçada quando, na semana passada, alguns operadores jurídicos progressistas manifestaram sua opinião sobre o assunto. Especialmente preciosa é a posição do procurador do estado de São Paulo, Márcio Sotelo Felippe, que, usando tanto raciocínios factuais como as profundas teorias que ajudaram a entender o nazismo (como a banalidade do mal, de H. Arendt), aprovam o encaminhamento deste processo ao Tribunal Penal Internacional.

Ele confirmou a suspeita de que os crimes cometidos em Pinheirinho são crimes contra a humanidade, e que a caterva que dirigiu o democídio pode ser julgada pelo Tribunal Penal Internacional.

Da mesma opinião é o ex-magistrado Walter F Maierovitch.

A Banalidade do Mal

No mais brilhante dos textos do procurador Márcio Felippe, ele compara o marco ideológico em que se inscrevem as atrocidades de Pinheirinho com os crimes do nazista Adolf Eichmann, coordenador do holocausto judeu. (Vide)

Felippe aceita a teoria da Banalidade do Mal, com a qual Hanna Arendt explica a frieza do megacriminoso, e a naturalidade com que confessa sua crença de que aquela tarefa de extermínio era mais uma obrigação militar imposta pelo princípio de obediência devida.

Para Eichmann o importante era acatar ordens, único referencial ético que parecia entender, pois todo o mal derivado daquelas ordens (como assassinar 6 milhões de judeus) era para ele apenas uma consequência banal da sacralidade do dever. Felippe compara esta visão do mundo com a conduta de juízes, policiais e agentes do estado, que constroem uma estrutura onde todos os valores são banais, salvo o direito de propriedade.

Numa entrevista à Radio Brasil Atual, Felippe qualifica os crimes cometidos em Pinheirinho como de lesa humanidade, e afirma que o Tribunal Penal Internacional deve expedir mandados de prisão contra o governador do Estado e o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP). Ele acrescenta ainda entre os que devem ser condenados, o especulador Naji Narras, porque a ação contra o povo de Pinheirinho tinha por objetivo beneficiá-lo economicamente.

Problemas e Atores

Finalmente, o mais importante: HOUVE OU NÃO MORTOS?

A última informação era que a denúncia foi um erro, mas, então, onde está a lista de todos os que realmente passaram pelo IML? Quantos eram exatamente, os moradores que estavam no cenário da chacina, e quantos foram contados depois.

Observe-se que ainda hoje não se sabe com precisão quantos habitantes tinha a comunidade no dia 22 de janeiro.

O coordenador da Comissão de DH da OAB de São José dos Campos, Aristeu César Pinto Neto tinha dito que alguns moradores denunciaram a morte de pessoas, entre elas crianças. Observe a reflexão do advogado registrada na mídia de 23 de janeiro:

“Requisitamos ao IML (Instituto Médico-Legal) relatório sobre as ocorrências do domingo e solicitamos aos hospitais que forneçam a documentação pertinente, já que houve narrativas por parte dos moradores de que houve mortes. São muitos relatos convergentes, como o de um episódio em que uma bomba de gás foi lançada em uma tenda com uma mãe e crianças que depois saíram em ambulâncias”
(Vide)

Aliás, durante semanas foi condicionado o acesso de jornalistas, foi impedido o acesso de pessoas independentes, foi descartada qualquer nova investigação, e incluso o deputado Adriano Diogo esteve em risco de ser sequestrado pela polícia, quando tentou fazer algo tão básico e humano como conhecer o estado dos feridos.

O advogado da OAB que fez a denúncia de assassinatos foi imediatamente removido, num clima de notório constrangimento por parte da instituição. Não teria sido mais consistente exigir provas de sua afirmação, do que mandar ele calar a boca? O fato de que as autoridades da OAB que puniram o advogado por seu comentário se tenham mostrado tão afobadas não é, sem dúvida, uma prova, mas deixa no ar uma grande suspeita de que setores independentes da comunidade podem ter tido algum grau de cumplicidade com os crimes do governo e o judiciário.

Proposta

Face a esta obscura situação, acredito que há numerosas razões para pedir que o Tribunal Penal Internacional inicie uma investigação sobre o caso Pinheirinho e, como medida cautelar, expeça ordens de captura contra:

· O governador do Estado de São Paulo
· O Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo.
· O Secretário de Segurança do Estado de São Paulo.
· O Prefeito da cidade de São José dos Campos.
· A juíza da comarca de SJ dos Campos, que interveio neste problema.

Transcrevi trechos.

Todos somos Pinheirinho aqui e agora

Por Lúcio Flávio Rodrigues de Almeida

Os lutadores e lutadoras do Pinheirinho foram desalojados e vivem uma situação muito difícil, extremamente difícil. No entanto, sua luta, que é nossa luta, continua. Sob certos aspectos, cresce e deve crescer ainda mais.

Propaganda

A política parafascista de Geraldo Alckmin não é simples sadismo de um tresloucado. Possui certo grau de coerência, desfruta de sólidas bases sociais e expressa uma aposta clara. Como alguns analistas já observaram, trata-se de apresentar São Paulo como o estado que premia todos os que querem prosperar, dos cidadãos contribuintes, que vencem por seus próprios méritos e possuem o legítimo direito de manter o que conquistaram fora do alcance dos desordeiros e fracassados e, portanto, inimigos do alheio.

Caso ganhe, ele se cacifa como o grande paladino da direita brasileira. Neste sentido, incrementa a militarização da cidade de São Paulo, viola direitos de dependentes químicos pobres, suja as mãos com o sangue do Pinheirinho e, se achar que deu certo, continuará na mesma toada. Já anuncia novos e violentos despejos de sem-teto ou, para usar uma linguagem elegante, “reintegrações de posse”.

O pessoal ligado à especulação imobiliária sorri até as orelhas, mas não percebo aplausos entusiásticos de amplos setores da burguesia. É melhor não cutucar o povo com vara curta e, se o governo federal – na cola do anterior – sabe como lidar com ele, que dê certo enquanto dure. O neonacionaldesenvolvimentismo não atropela os interesses da grande burguesia (capital imperialista incluso). Por outro lado, caso a situação fuja ao controle, é importante que alguém se apresente para restaurar a ordem.

Sinais

Neste complexo tabuleiro onde a pequena e a grande política se misturam o tempo todo, talvez já seja possível sinalizar alguns elementos de análise.

O primeiro deles é que o Pinheirinho produziu a mais radical e politizada manifestação coletiva de sem-teto, ao menos neste início de século. Depois dos mitos do fim da questão agrária no Brasil; da impossibilidade de articulação de lutas de empregados e desempregados; da inércia final e fatal de amplas categorias de trabalhadores (como na construção civil, setor bancário, metalúrgicos etc.); cai o lero-lero de que os impactos da presença estatal, da indústria cultural e do narcotráfico tornavam impossível a ação política dos sem-teto nos grandes centros urbanos.

O segundo é que, por mais que a chamada grande imprensa tente ocultar, o assunto é político. Na conjuntura, a linha divisória principal passa entre quem é a favor da vitória ou da derrota do Pinheirinho. É claro que existe um amplo meio de campo dos sem informação, sem posição formada, onde se encontram milhões a serem sensibilizados pelos que ousaram se levantar sem pedir favor aos dominantes. Mas uma coisa é certa: com toda a heterogeneidade deste campo, se alguém é a favor do Pinheirinho e contra a política do governo Alckmin, dá pra conversar. Se for a favor do açougueiro do Morumbi, não tem acordo. Do contrário, com ou sem a presença de Alckmin, esta política parafascista se expandirá rapidamente pelo país.

(Transcrevi trechos)

Vizinha do Pinheirinho abriga sete ‘expulsos’ nos fundos de casa

Pinheirinho, campo de guerra

 

por Daniella Cambaúva e Murilo Machado

Quem abre o portão da casa de dona Raimunda é Gerson. Ex-morador do Pinheirinho, convida para entrar e logo mostra sua perna: ainda cicatriza uma ferida de cerca de vinte centímetros causada por uma bomba de gás lacrimogêneo que enroscou na barra de sua calça quando ele deixava a ocupação.

Quarto onde vivem sete expulsos do Pinheiro no quarto de vizinha. Foto: Murilo Machado
Quarto onde vivem sete expulsos do Pinheiro no quarto de vizinha. Foto: Murilo Machado

Apesar da dificuldade para andar, conta que acorda diariamente às 4h da manhã para trabalhar. Ali se sente em casa. Desde a reintegração de posse, é um dos seis adultos que dividem um cômodo de 15 m² nos fundos do terreno – entre eles Laura Furtado (mulher de David Furtado, baleado nas costas e levado ao hospital) e o filho do casal, Vinicius, de dez meses.

Na parte exterior da casa formada apenas por quarto, banheiro e cozinha, além do quartinho nos fundos, um corredor estreito de chão e parede acabados com cimento leva ao abrigo provisório de Gerson e os amigos.

Aquele cômodo é tudo: sala, quarto, cozinha. Cabe lá dentro o que eles conseguiram resgatar antes da demolição – dois armários – e mais alguns móveis que obtiveram por meio de doações: uma cama de casal, uma geladeira, um fogão, uma tevê pequena e alguns colchões.
Na outra ponta do corredor dorme dona Raimunda, a proprietária da casa. Pernambucana, viúva há 18 anos, ela é revendedora de cosméticos e de lingerie. Costumava vender produtos a moradores do Pinheirinho. Passa o dia todo trabalhando na rua e não se preocupa em deixar a casa com os novos moradores: “Aqui é tudo trabalhador, não tem nenhum vagabundo”, explica.

A disposição dela para ajudar é imensa, mas limitada pelo espaço físico. “Tudo o que eu tenho é isso aqui, está bem apertado para nós. Eu moro em uma cozinha com quarto e banheiro”.

Os novos moradores estão lá desde o domingo 22, dia em que a reintegração de posse começou. Raimunda conta que não hesitou ao disponibilizar sua casa. “Vi eles chegando aqui nos gritos, correndo e chorando, com a polícia atrás. Abri meu portão para eles. Estamos vivendo aqui do jeito que Deus quer”.

Laura não consegue visitar o marido David todos os dias. Para percorrer os quinze quilômetros que separam a casa de Raimunda do hospital, precisa pegar quatro ônibus. Cada passagem custa R$ 2,80 e não há bilhete de integração das linhas. Ainda assim, ela deseja que ele não tenha alta tão cedo porque, quando David sair do hospital, serão oito pessoas no cômodo. “Como ele vai se recuperar ali dentro? Quem vai cuidar dele? Como ele vai fazer fisioterapia? Eu falo pra ele: ‘pelo menos no hospital tem quem cuide de você’”.


Nota do editor do blogue: Mais um testemunhal sobre o “episódio” comandado pelo desembargador Ivan Sartori, presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo.

“Episódio Pinheirinho”. Campo dos Alemães e os grileiros assassinos de São José dos Campos

Pinheirinho é apenas um pedacito de terra da fazenda antigamente denominada Chácara Régio, que pertencia a Familia Kubitzky. Seus donos se chamavam Hermann, Artur, Erma e Frida. Nesta fazenda se produziam hortifrutigranjeiros e ovos que eram vendidos nas quitandas da região.

Porém esta família de imigrantes alemães, foi brutalmente assassinada em meados do ano de 1969.  A área, sem herdeiros, pois seus donos eram bem idosos e solteiros, passaou para o domínio da União. (Fonte Wiquipédia)

Quais os nomes dos grileiros que chacinaram a família Kubitzky?

“Uma luva preta é a única pista do trucidamento da família Kubitzky (Folha de São Paulo, 1 de julho de 1969). Veja fac-símile da página.

Que juiz fez a arrecadação dos bens?

Quem hoje reside na Chácara Régio, residência da família Kubitzky?

Por que a União, então uma ditadura militar, deixou que a propriedade ficasse nas mãos de fazendeiros e especuladores imobiliários?

Atualmente o Campo dos Alemães tem uma estrutura completa, incluindo escolas de ensino fundamental e médio, hospital de pronto atendimento (UPA), vasta rede de comércio e linhas de ônibus que ligam-no a toda cidade.

No início dos anos 2000 o Campo dos Alemães passou por uma importante mudança estrutural na qual destaca-se a pavimentação asfáltica, condomínios de luxo e vários projetos de construção de edifícios.

Ainda no início dos anos 2000 o açude (conhecido popularmente como “lagoa”) localizado próximos aos limites do bairro com o Jardim União foi drenado para dar lugar à construção de um centro poliesportivo. O Campo dos Alemães ficou famoso, também, por apresentar a maior proporção de evangélicos verificado no Vale do Paraíba.

Galeria de fotos  clique 

Tem até pista de skate em Campo dos Alemães.

Herança Jacente e Vacante

Herança Jacente

Herança jacente é aquela cujos herdeiros ainda não são conhecidos, ou, se conhecidos, renunciaram à herança, não havendo outros.

Fases da herança jacente

1ª fase
Arrecadação dos bens

Verificado o óbito, deve o juiz do domicilio do falecido, fazer a arrecadação de todos os seus bens. O juiz vai nomear um curador para administrar e conservar os bens. Na impossibilidade do juiz não comparecer para fazer a arrecadação, ele nomeará autoridade policial para que o faça. A autoridade responsável pela arrecadação dos bens tem que listar os bens e depois fazer um auto de arrecadação. Tem que ter com o policial, 2 testemunhas que assinaram com ele o auto de arrecadação.

2ª fase
Apuração Judicial

O juiz não pode se contentar com o laudo feito pelo perito, então ele deve chamar as pessoas que conheciam o falecido (vizinhos/ amigos) para fazer perguntas sobre a vida dele. Esse ato chama-se Auto de inquirição, arrecadação e informação. O juiz vai expedir três editais que serão afixados nos locais de costume e tem que ter um intervalo de 30 dias da publicação de um edital para o outro, até completar 1 ano da publicação do primeiro edital. O edital tem que ser publicado no diário oficial e diário de grande circulação da comarca.

Se nesse tempo o juiz descobrir algum possível herdeiro, deve expedir um mandado de citação. O credor ou interessado tem até o trânsito em julgado da sentença de vacância para se habilitar. Alienação de bens só ocorre com autorização do juiz, da seguinte forma:

  • bens móveis de difícil conservação
  • bens semoventes somente se não forem empregados na exploração de alguma atividade comercial do falecido ou ainda se sua conservação for antieconômica.
  • títulos e papéis de crédito podem ser vendidos quando há findado receio da desvalorização
  • bens imóveis, se estiverem em estado de ruína, não sendo conveniente a reparação.
  • objetos pessoais só podem ser vendidos depois de ser declarada a vacância.

Não se deve fazer nenhuma venda se após a publicação o habilitando se propuser a pagar a despesa.

Herança Vacante

A Herança Jacente passa a ser Herança Vacante quando depois de praticadas todas as diligências, ainda não houver aparecido interessados. Isto acontece no prazo de um ano depois de publicado o primeiro edital. (art. 1820, CC)

A herança é arrecadada jacente e permanece assim até o decurso de 1 ano e dia, contado da publicação do edital, não havendo habilitado depois de 1 ano, o juiz declara a herança vacante por sentença. Essa sentença gera uma presunção de que todos os atos necessários para se achar os herdeiros foram praticados.

Declarada a vacância, contam-se 5 anos da abertura da sucessão para que os bens se incorporem definitivamente ao patrimônio do Município, ao do Distrito Federal ou ao da União.

Os colaterais so podem se habilitar até a declaração de vacância ter transitado em julgado.

O Município é obrigado a aplicar o dinheiro em fundações, destinadas ao desenvolvimento do ensino universitário, sob a fiscalização do Ministério Público.