Crise institucional por Miriam Leitão

mesme fora cunha

.

A Velha Senhora sempre foi mensageira de notícias ruins. Diz que a crise piorou nos últimos dias.  Lá na Europa. Ela se desdobra em ramificações que se cruzam, elevando o grau de tensão nos países satélites.

A Velha Senhora, quando fala do Brasil, acredita que a presidente da República vai se transformando em uma figura simbólica, sem qualquer capacidade de comandar a agenda.

Miriam Leitão, para enganar o povo bobo da Globo, confunde administração pública com registro de compromissos e pauta jornalística. Diz que os poderes se acusam. Isto é, confunde ações isoladas de Eduardo Cunha com votações do Congresso. E inventa brigas: do Supremo Tribunal Federal com a Câmara dos Deputados e Senado Federal, que brigam com a Presidência da República.

Acredita Miriam ser a reencarnação de Cassandra. E faz suas previsões: A economia se afunda em recessão, inflação alta e dívida crescente. Dívida que Miriam jamais pediria que fosse auditada.

Porque suas previsões de destruição são desacreditadas, Cassandra da direita apela para os economistas que aparecem nos programas dos telejornais da Globo. Garante Miriam que eles estão revendo para 2% a 2,5% o encolhimento do PIB de 2015.

Quando a Miriam fala, a gente nota que o silêncio lhe cai bem. Quando nada diz, pode-se ter esperança de que ela esteja entendendo o grau de confusão que cria para agradar os patrões. Ao falar, Miriam confunde confissões extraídas sob tortura na ditadura com delações previstas em lei, feitas por criminosos à Justiça, em pleno Estado de Direito. Nas reuniões de pauta, que faz para as redações do monopólio da família Marinho, Miriam mistura governo com partido.

Miriam acredita em pesquisa de opinião. Nunca perguntou quem paga. Crente, jura que existe uma crise política derivada da perda de apoio popular à presidente. Pela lógica do modelo do presidencialismo de coalizão, a desaprovação dos eleitores acaba desidratando a força política do chefe do executivo. Nos ciclos do modelo brasileiro, o poder atrai, a perda do poder afugenta. E discursa Miriam que Dilma perdeu o apoio dos bolsa-família, do MST, dos sem teto, dos movimentos sociais.

De Miriam a crença de que os políticos da base governista se afastam do chefe do executivo quando ele perde aprovação popular. Momentos assim exigem da Presidência grande habilidade para comandar a agenda política e voltar a ser um polo de atração dos políticos mercenários. Esse atributo parece não ser o forte da atual presidente. Esquece que Dilma conseguiu conquistar a maioria dos eleitores, e derrotar Aécio Neves, candidato dos patrões de Miriam, e de outros barões da mídia.

Há uma crise política (?) por uma situação peculiar do momento, em que os comandantes das duas Casas do Congresso estão sob investigação e sendo citados como beneficiários de propina. A reação deles é acusar o Executivo de estar por trás das ações da Polícia Federal, Ministério Público e Justiça. Por elementar, se pode afastar essa visão persecutória. Se tivesse capacidade de manipular o órgão policial e as instituições do Ministério Público e Justiça, o governo o faria em seu próprio benefício. Não tem conseguido no MP nem na Justiça de primeira instância. Isso prova quanto a polícia, o MP, a Justiça atuam livres. Coisa de um governo democrático.

Sid
Sid

A reação do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, é uma tentativa de se desvincular de um escândalo que o pega de frente. Na sua declaração se vê a tentativa inútil de camuflar algo que está visível. “Essa lama, eu não vou aceitar estar junto dela.” Cunha rompeu com o governo, mas não pode se separar da Operação Lava-Jato, a menos que se prove que a acusação feita pelo delator Júlio Camargo, de que deu a ele US$ 5 milhões, não é verdadeira.

Miriam acreditava que Cunha era governista, eleito que foi presidente da Câmara com os votos da extrema-direita (Bolsonaro e bancada da bala e pastores fundamentalistas), da direita, do DEM, do PSDB, do pelego Paulinho da Força, um Central de Trabalhadores que apóia a terceirização.

Cazo
Cazo

Miriam profetiza o reinado de um primeiro-ministro, um parlamento comandado por um César. Miriam não escuta as vozes dos congressistas que se rebelam contra a ditadura de Cunha. Cega pela ódio não vê que Cunha perde apoio em todos os partidos.

debanda

Argumenta Miriam: Esse ambiente indica que o segundo semestre será pior do que o primeiro na política. Cunha tem grande poder sobre a pauta do Congresso, como se viu, e sabe exercê-lo. O governo é inoperante e inábil. Isso faz com que qualquer proposta que vá para o legislativo, mesmo que seja excelente do ponto de vista fiscal, pode se transformar em um projeto bomba. Eles fizeram isso no primeiro semestre, ao pendurar sobre uma MP que reduzia o custo com as viúvas jovens o projeto mais desestabilizador das contas previdenciárias.

votação camara cunha

Cassandra continua com suas costumeiras lamentações: Na economia, as perspectivas pioraram nos últimos dias. Esta semana, foram vários os especialistas de bancos e de consultorias que revisaram para pior as projeções da recessão. Economistas (eleitores de Dilma ou de Aécio?) como Marcelo Carvalho, do BNP Paribas; Silvia Matos, do Ibre/FGV; ou Luiz Carlos Prado, da UFRJ, não tiveram dúvidas em dizer que houve uma piora no quadro econômico recente. Silvia disse que a Fundação tem colhido uma deterioração cada vez maior nas sondagens de confiança dos setores empresariais e dos consumidores. Marcelo Carvalho disse que o país vai viver a pior recessão em uma geração. A última queda do PIB significativa foi a de 1990, do governo Collor. Para Miriam o PIB bom, e gostoso, o de Fernando Henrique. Não existe outro igual.

Essa mistura é explosiva: uma crise econômica com desemprego, inflação, recessão e piora fiscal; uma crise política que desfaz a coalizão de governo; um processo de investigação criminal que avança sobre algumas das principais lideranças do país. Não pelo que Cunha falou ontem, mas por tudo o que aconteceu este ano, já se pode dizer que o país não está apenas com dificuldades na governabilidade. O país está entrando numa crise institucional. Para acabar com essa guerra, Dilma tem que mandar parar qualquer investigação que envolva o presidente da Camara e do Senado. Imitar FHC que nunca mandou investigar coisa nenhuma. Inclusive deu uma de Mateus, criou o foro especial, a justiça secreta. Leia a versão original deste artigueto pessimista. 

Samuca
Samuca

O povo bobo da Globo confia em pesquisa, propaganda, CPI e outras safadezas cujos olhos engordam o gado do dono

Toda pesquisa é comprada. É o negócio mais safado do mundo. Vende a mentira como verdade. Donos de jornais, federações de empresários e partidos políticos contratam as pesquisas. O resultado depende do preço e da vontade de quem paga.

Em política, a vontade do povo se conhece nas eleições, decididas pelo voto direto, livre e democrático.

Quem defende pesquisa faz campanha contra referendo e plebiscito.

plebiscito referendo

Veja que propaganda enganosa. Coisa de jornalismo marrom.

JORNAL DA BAHIA DE PROPAGANDA DA FAMÍLIA ANT6ONIO CARLOS MAGALHÃES E DO DEM, EX ARENA NA DITADURA E PFL
JORNAL DA BAHIA DE PROPAGANDA DA FAMÍLIA ANTONIO CARLOS MAGALHÃES E DO DEM, EX ARENA NA DITADURA E PFL
Antônio Carlos Magalhães fundou o Correio da Manhã, e como ministro das Comunicações se transformou no maior barão da mídia no Nordeste. Apoiou a ditadura militar e sempre foi o inimigo n. 1 do PT
Antônio Carlos Magalhães fundou o Correio da Manhã, e como ministro das Comunicações se transformou no maior barão da mídia no Nordeste. Apoiou a ditadura militar
e sempre foi o inimigo n. 1 do PT
JORNAL DE PROPAGANDA TUCANA DE PROPRIEDADE DO GRUPO DE AÉCIO NEVES EM MINAS GERAIS JORNAL DE PROPAGANDA TUCANA DE PROPRIEDADE DO GRUPO DE AÉCIO NEVES EM MINAS GERAIS

Quando o povo existe para a imprensa que mente

O povo sabe diferenciar o que é e não é notícia, porque ama a verdade.

Os jornais brasileiros mentem, e perdem leitores. Deixaram a informação de lado pra fazer propaganda dos interesses dos seus proprietários.

As manchetes dos jornais de hoje são vergonhosas. Venderam a notícia de que o povo foi pra rua, ontem, para pedir o fora Dilma, e o retorno da ditadura militar.

O Jornal do Comércio do Recife informa que 450 mil protestaram nesta domingo 12 de abril, nas ruas de todas capitais.  E informa que, apenas nas escolas de pernambuco,  "temos 650 mil alunos sem aulas". Teve jornais que noticiaram uma multidão de 100 mil na cidade de São Paulo
O Jornal do Comércio do Recife destaca que 450 mil protestaram neste domingo, 12 de abril, nas ruas de todas capitais. E informa que, apenas nas escolas de Pernambuco, “temos 650 mil alunos sem aulas”. Os jornais noticiaram uma multidão de 100 mil na cidade de São Paulo
A Gazeta de Vitória contou 30 mil pessoas. Qual foto tem mais gente
A Gazeta de Vitória contou 30 mil pessoas. Qual foto tem mais gente?
A Folha de São Paulo ora conta para mais ora para menos...
A Folha de São Paulo ora conta para mais ora para menos…

 

O Zero Hora de Porto Alegre parte para a comparação. E aumenta os 100 mil da Folha de S. Paulo para 250 mil
O Zero Hora de Porto Alegre parte para a comparação. E aumenta os 100 mil da Folha de S. Paulo para 250 mil

manifestação  estatística multidão pm

Multidao mentira

Acontece que o povo não apóia os partidos da extrema-direita e direita, PSDB e PMDB, que votaram a terceirização, o emprego indireto e precário, o trabalho escravo.

Destaca a Veja, que vem perdendo leitores:

Mãe publica foto de biquíni na internet e tem quase 500 mil curtidas; entenda o motivo

mãe

Mãe de três filhos, a americana Rachel Hollis estava de férias com o marido em Cancun quando ela pediu para ele tirar uma foto sua, aproveitando o sol e a areia branca, num biquíni laranja incrível. Feito o clique, a moça percebeu que a imagem mostrava as marcas deixadas pelos nascimentos de seus filhos em sua barriga.

Foi então que ela resolveu compartilhar a imagem em seu Facebook, junto com uma impactante mensagem sobre amor próprio:

“Eu tenho estrias e eu uso um biquíni.
Eu tenho uma barriga que é permanentemente flácida de carregar três bebês gigantes e eu uso um biquíni.
Meu umbigo é caído (e isso é algo que eu nem sabia que era possível) e eu uso um biquíni.
Eu uso um biquíni porque eu tenho orgulho do meu corpo e cada marca nele.
Essas marcas provam que eu fui abençoada por carregar meus filhos e a flacidez comprova que eu batalhei para perder peso.
Eu uso um biquíni porque o único homem cuja opinião importa sabe pelo que eu passei para ser assim.
E este mesmo homem diz que ele nunca viu nada mais sexy que o meu corpo, com marcas e tudo mais.
“Elas não são cicatrizes. São listras amigas, e você as mereceu.
Exiba seu corpo com orgulho“

Rachel-Hollis

Veja vídeo

Acontece com a nudez. Que pode ser indecente, pornográfica, humilhante, mas que pode ser também uma exaltação à beleza, glorificante e divina. Leia aqui O Vermelho e o Cinza

Assim são todas as marcas do corpo. Notadamente as marcas do tempo.

caras e bundas

Marlene Senna divulgou esta foto, no Facebook, das manifestações desde domingo 12 de abril, pelo retorno da ditadura, indagando: “Terceirizaram as roupas das gúrias?…”

 

Plano de saúde HapVida faz campanha de morte do governo Dilma

Para derrubar a CPI dos Planos de Saúde, uma campanha vem sendo realizada contra o Governo Dilma Rousseff.

No monopólio dos Associados no Nordeste, adquirido pelo HapVida, rádios, televisões e jornais do sistema pregam abertamente o golpe militar.

Manchete de hoje

DP

 

No jornalismo on line, HapVida divulga memes que são cartazetes de propaganda política.

 

pesquisa do se

Eis o tipo de pesquisa safada, divulgada por um jornal de propriedade de um plano de saúde interessado no golpe, e que faz a apologia da ditadura militar.

SE a eleição fosse hoje, Lula derrotaria Fernando Collor (eleito em 1989), derrotaria Fernando Henrique (eleito em 1994), derrotaria, novamente, Fernando Henrique (eleito em 1998).

Pesquisa do SE é jornalismo rasteiro, para fazer propaganda duvidosa.

SE Chatô não tivesse criado o sistema de condomínio, os Associados continuariam sendo o maior império jornalístico da América Latina – o Diário de Pernambuco não teria sido vendido, a preço de banana, para o Grupo HapVida.

SE Aécio não fosse acionista do Estado de Minas, o faturamento
do jornal não seria tão lucrativo nos governos de Aécio e Anastasia. Quantos milhões investidos?

A Confederação Nacional dos Transportes, que pagou a pesquisa do SE, patrocinou, este mês, um boicote promovido por frotas de caminhões de carga, para desestabilizar o governo de Dilma.

Veja o titulo escandaloso do DP da HapVida:

Avaliação do governo Dilma é negativa para 64,8% dos brasileiros aponta pesquisa

Pela pesquisa do SE, o governo da presidente Dilma Rousseff atingiu a pior avaliação positiva medida pela pesquisa Confederação Nacional dos Transportes (CNT)/MDA desde outubro de 1999. Segundo duvidoso levantamento divulgado nesta segunda-feira (23), o governo da petista  “é avaliado positivamente por 10,8% dos entrevistados, em comparação a 8% alcançados no segundo mandato do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB)”.

Apenas 1,9% considerou o governo Dilma como “ótimo” e 8,9% dos entrevistados o avaliaram como “bom”. Para 23,6% dos entrevistados, a administração Dilma  seria “regular”, de acordo com a CNT/MDA, que pagou a pesquisa.

Já quando se trata da situação política atual, SE a eleição presidencial fosse hoje, 55,7% das pessoas entrevistadas teriam votado em Aécio Neves no 2º turno, 16,6% em Dilma Rousseff e 22,3% teriam votado em branco ou nulo.

 

 

 

 

 

 

 

 

Recife constrói os caminhos do shopping e não faz nada que preste para o povo

A noite começou com festa no Recife Antigo. Em meio às celebrações dos 478 anos do Recife, o prefeito Geraldo Julio e o governador Paulo Câmara realizaram o corte do bolo que, em Olinda,
A noite começou com festa no Recife Antigo. Em meio às celebrações dos 478 anos do Recife, o prefeito Geraldo Julio e o governador Paulo Câmara realizaram o corte do bolo que, em Olinda, pesou 480 quilos

O Diário de Pernambuco publica hoje: “Prefeito Geraldo Julio tem 75% de aprovação. Pesquisa mostra que gestão do socialista no Recife tem deixado satisfeita a maioria da população da capital pernambucana”.

Pesquisa no Brasil é meio de propaganda super, super faturada.

A Prefeitura do Recife não informou quanto pagou por essa pesquisa. Quanto gasta, todo santo mês, com propaganda. E qual agência de publicidade leva 30 por cento de comissão, e muito mais, dessa grana de milhões e milhões.

O governo municipal investe quanto em saúde, em educação, e com propaganda? Duvido que se divulgue um estudo comparativo.

A Prefeitura não faz nada que preste para o povo. É de fritar bolinhos e coxinhas e de construir os caminhos do shopping…

Quantos mercados públicos existem no Recife? Desde quando a Prefeitura não constrói nenhum? É isso aí: não se faz nada para o povo. Nada que preste.

 

 

 

A elite acredita que o povo é bobo e medroso

Nunca vi nenhuma propaganda competente fazer campanha positiva para o adversário político. Esta manchete do jornal O Globo reforça a imagem da Marina Silva coitadinha, frágil, lacriminosa, doentia, que não convenceu o eleitorado:

Para cientistas políticos, queda de Marina se deve a propaganda negativa contra ela

Fausto
Fausto

A queda da candidata do PSB, Marina Silva, nas pesquisas se deve à campanha negativa feita contra ela pelas candidaturas da presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) e do tucano Aécio Neves. É o que afirmam especialistas ouvidos pelo GLOBO. A nove dias para a eleição, Dilma ampliou para 13 pontos a vantagem sobre sua principal adversária. Se a eleição fosse hoje, a candidata petista teria 40% das intenções de voto, contra 27 % de Marina, segundo levantamento do Datafolha divulgado nesta sexta-feira. O ex-governador de Minas Gerais Aécio Neves (PSDB) oscilou positivamente [?] um ponto e aparece com 18% das intenções de voto. O número de eleitores que não sabem em quem votar oscilou de 7% para 6%. Votos brancos e nulos são 5%.

– Essa campanha negativa produziu efeitos, sobretudo quando Dilma e Aécio mostraram a inconsistência do programa de governo e da sua capacidade de governabilidade de Marina – disse Fernando Antonio Azevedo, cientista político da Universidade Federal de São Carlos. [Discursos, debates, peças de propaganda têm essa finalidade: persuadir o eleitor a mudar de opinião (ação passiva), de atitude  (predisposições e indecisões) e de comportamento (ação ativa). Propaganda não se faz conforme o estabelecido pelo Tribunal Superior Eleitoral e estaduais: de que todo candidato possui ficha limpa, e com as velhas promessas de sempre]

Alecrim
Alecrim

Para Azevedo, Marina foi beneficiada pela comoção na morte de Eduardo Campos, mas sofreu uma queda brusca logo que começou a ser questionada por seus adversários:
– Historicamente, quem vence o primeiro turno, normalmente ganha a eleição no segundo turno. Salvo mudanças de última hora, é possível afirmar que Dilma conseguirá renovar seu mandato.

[Mais do que a comoção, a propaganda emocional de Marina apelou para o voto de vingança. No velório, no enterro, inclusive com faixas e cartazes, apressadamente fixados nas ruas, os gritos de “justiça, justiça” pediam a condenação dos responsáveis pela morte de Eduardo Campos. As paredes das ruas de Pernambuco continuam pichadas com a frase “O PT matou Eduardo Campos”. Este linchamento funcionou em Pernambuco. O candidato Armando Monteiro que ia vencer disparado o primeiro turno, hoje perde. Tudo indica que a legenda não vai eleger nenhum deputado federal. E o candidato a senador, João Paulo, ex-prefeito do Recife, a cada dia perde votos. A incompetência da campanha não conseguiu demonstrar que os beneficiados com a morte de Eduardo foram os inimigos do PT. A campanha de Marina, em Pernambuco, é um apedrejamento. É uma campanha de ódio, de puro terrorismo. Não se vence uma campanha emocional de Marina viúva, vestida de negro, no mais pesado luto, com uma campanha racional como faz Armando Monteiro para governador de Pernambuco. Vale o mesmo para capirotar os mitos e lendas de “fada da floresta”, de “várias vezes ressuscitada”, de salva pela Providência Divina, de santa Nossa Senhora das Dores, de primeira presidenta negra, ex-empregada doméstica, de alfabetizada pelo Mobral da ditadura militar, de herdeira política de Chico Mendes, da criança que passou fome, de seringueira aos dez anos]

Enio
Enio

 

Para o professor de Ciência Política da Universidade de Brasília (UnB) Paulo José Cunha, o crescimento de Dilma é resultado da campanha agressiva conduzida pelo PT nas últimas semanas.

– A pesquisa indica que Dilma aumentou sua intenção de voto em cima dos eleitores da Marina, o que significa que a agressividade da campanha da presidente funcionou. É uma campanha discutível do ponto de vista ético, mas conseguiu atingir seu objetivo. [Não existe ética em propaganda política. O mais próximo da verdade que se pode chegar é o slogan tipo “rouba, mas faz”. Em uma campanha política não funciona o slogan publicitário “lava mais branco”]

A perda de terreno de Marina principalmente no Nordeste mostra, para Cunha, que o discurso da campanha petista de ameaça de fim do Bolsa Família caso outro candidato vença a eleição está entre os principais fatores para sua recuperação.
– Esse é o eleitorado que mais se sensibiliza com esse discurso do medo. [Toda campanha política, toda campanha religiosa, toda campanha filosófica, para ser eficaz, cria o inimigo n.1. Isso vem sendo feito. Dilma é comunista, e foi guerrilheira. Todo comunista é ateu, e contra a propriedade privada, e inimigo dos Estados Unidos. Dilma é contra a família, defende os gays e o aborto. E a mensagem velada, elitista: Dilma é contra a tradição. Defende as quotas para os negros nas universidades, estimula a malandragem com o bolsa-família, penaliza a classe média com a lei que regulamenta o trabalho das empregadas domésticas etc.]

Cunha destacou uma fragilidade de Marina.
– De todos os candidatos, ela é a que tem maior volume de eleitores volúveis e isso pode explicar também o ritmo da queda dela nas últimas semanas. [Marina faz um discurso que não acredita e, politicamente, é uma candidata inconstante, sem fidelidade partidária. Fez carreira política no PT. Foi candidata a deputado federal derrotada, depois vereadora mais votada do Rio Branco, deputada estadual do Acre, Senadora duas vezes e ministra. Todas vitórias e conquistas que teve foram no PT. Nos últimos cinco anos, mudou de partido quatro vezes. Saiu do Partido dos Trabalhadores, fundou o Partido Verde, tentou criar o Partido Rede, entrou no PSB]

Nani
Nani

Em relação ao segundo turno, o professor acredita que é cedo para fazer prognósticos e que a igualdade de tempo de TV no horário eleitoral entre os candidatos na próxima fase pode mudar o cenário de desvantagem de Marina.
– Eu arrisco dizer que será um jogo muito apertado no segundo turno. [Neste primeiro turno, o crescimento de Marina se deu nos dez dias de trégua de luto de todos os partidos pela morte de Eduardo Campos. Apenas o PSB, com o apoio dos meios de comunicação de massa, não respeitou o pacto. Uma possível mudança do comportamento do eleitorado acontece logo depois de apurado os votos, antes da campanha do segundo turno recomeçar. Dou um exemplo: Jarbas Vasconcelos perdeu a primeira campanha para senador. Se a votação tivesse sido adiada por três dias, ou se existisse segundo turno, teria ganho. É o chamado pique (timig). Apesar da propaganda ser plágio, nenhuma campanha se parece. Como tudo pode acontecer (atos e fatos improváveis), um bom propagandista planeja várias estratégias]

  Roque Sponholz
Roque Sponholz

De acordo com o Datafolha, no segundo turno, a presidente teria 47% das intenções de voto, contra 43% de Marina. Na semana passada, a ex-senadora aparecia na frente, com 46% contra 44% da presidente. Como a margem de erro é de dois pontos percentuais para cima ou para baixo, as duas seguem tecnicamente empatadas. [O que derrota Marina é o programa de governo que apresentou. As mudanças, os ajustes que fez enalteceram o governo de Dilma. Marina deu uma de propagandista de Dilma, ao executar uma das mais importantes leis da propaganda: a do exemplo, por ressaltar tudo de bom que o atual governo fez, e que deve ser mantido, em benefício do povo.

Esta entrevista com cientistas políticos, da empresa Globo, repetida nos portais estrangeiros, é antiética, porque se trata de uma peça de propaganda indireta. E o que é mais grave: uma propaganda enganosa, por fazer tudo que condena. Propaga o mais puro terrorismo. Pretende que o leitor acredite como negativa, agressiva e ameaçadora, inclusive por criar o medo, a campanha do PT.

Tem mais. A Folha de S. Paulo também faz campanha contra Dilma. Pesquisa do Datafolha sempre beneficia Marina, como antes dava como certa a eleição de Aécio.

Tiago
Tiago

 

UMA CAMPANHA POLÍTICA SINGULAR (COM DESEJO DE MUDANÇA)

por Tereza Cruvinel/
Correio Braziliense
images
Márcia Cavallari, presidente do Ibope Inteligência, é uma das maiores conhecedoras da alma do eleitorado brasileiro. Em entrevista ao portal El País Brasil, ela resume a sorte de Dilma, ao dizer que “há um desejo de mudança, mas o problema é que, por enquanto, as pessoas não estão vendo na oposição quem possa representar essa mudança. Nas pesquisas que a gente fez, não vemos os candidatos da oposição se apropriando desse sentimento. Dilma ainda tem uma grande vantagem”.
.
[“Há um desejo de mudança”. Leitura: Há um desejo do eleitorado de mudar, de não reeleger Dilma.
“As pessoas não estão vendo na oposição quem possa representar essa mudança”. Não estão vendo mesmo não. Eduardo Campo foi ex-ministro de Lula. É apoiado por outros ex-ministros, inclusive Marina Silva. E o povo, nas urnas, derrotou toda elite tucana para presidente depois do governo de Fernando Henrique.
“Não vemos candidatos da oposição se apropriando desse sentimento”. Qual sentimento? Mudar por mudar? Mudar o quê? Diz Eduardo Campos: o jeito de fazer política. Isso não quer dizer nada.   Reclama Aécio: tem faltado “generosidade” ao PT para reconhecer que os avanços sociais dos governos Lula e Dilma se apoiam em contribuições de administrações anteriores.
Dilma, Aécio e Campos não possuem carisma, e são pessimamente assessorados, pela crença de que propaganda política é marketing]
.
.
Afora o baixo conhecimento que o eleitorado tem dos candidatos Aécio Neves e Eduardo Campos, ela aponta a desconcentração eleitoral decorrente da realização da Copa do Mundo aqui. “Vão chegar as delegações, vai estar aquela convivência com outras pessoas e tal, então as pessoas só estarão focadas nas questões eleitorais depois que acabar a Copa, a partir de 13 de julho.
.
[Feio dizer que um ex-presidente do Congresso e ex-governador de Minas Gerais não é conhecido. Vale para o ex-ministro e governador de Pernambuco. Quer dizer: Não realizaram nada que seja lembrado.
Desconhecido era Fernando Collor, ex-prefeito de Maceió e governador das Alagoas.
“Vão chegar as delegações, vai estar aquela convivência com outras pessoas e tal”. Esse randevu não existirá. O povão vai assistir a Copa pela TV. E como aconteceu na Copa das Confederações, a polícia estará na rua para evitar qualquer contato fora do campo. Dentro dos estádios, todo mundo sentado. E na horizontal, nos motéis e hotéis, que toda Copa concentra milhares de prostitutas.
“As pessoas só estarão focadas nas questões eleitorais depois que acabar a Copa”. Não é verdade. Desde junho que o povo está nas ruas. E política se faz todos os dias profanos e santos. Basta a leitura das capas dos jornais, ou ficar enquadrado no jornal dito nacional da TV Globo. Ou o exemplo deste artigo que começa com a propaganda “há um desejo de mudança”]
.
.
A campanha pegará o fim de julho, agosto e setembro. Vai ser uma campanha muito curta, o que dificulta as ações. A partir do horário eleitoral gratuito na televisão, que começa em 19 de agosto, é que todos os candidatos passarão a ser conhecidos de uma forma mais homogênea pela população.”
.
[A campanha permitida por lei é curta, por que assim desejam os grandes partidos, e os mercadores de legendas, que vendem o tempo de propaganda paga pelo povo na tv e rádio. Os pequenos partidos ficam sem espaço para eleger uma zebra no primeiro turno]
.
.
Hoje, diz ela, não dá para dizer com certeza que influência terá a Copa: “Vai depender muito do que acontecer. Quero dizer: a gente vai passar vergonha? Tudo vai ser entregue? Vai estar tudo remendado? Não vai? Isso é algo que a gente vê. A população, a opinião pública, não quer passar vergonha com a Copa. E aí tem as manifestações, que a gente também não sabe se vão voltar.”
.
[Certamente “vai depender muito do que acontecer”. As perguntas são obscuras ou abrangentes (parece mais palavreado de cartomante, de horóscopo: “A gente vai passar vergonha?” De quê? De não ser campeão? Pela continuação dos protestos? Por faltar transporte? Faltar luz?]
.
.
“Vai estar tudo remendado”.
.
.
[improvisado?
As manifestações são as mesmas de junho. Gastar com a Copa e não se fazer nada que preste para o povo.
Quem tiver a resposta certa para o povo deu um passo para a vitória. Que uma eleição não é um samba de uma nota só.]