INSS quer saber quantos idosos morreram de fome

correio_braziliense. prova de que continua vivo

 

Vai ser um deus nos acuda. Milhões de aposentados – velhos, quem tem mais de 60 anos; idosos, depois dos 65; e anciãos, quem passou dos 70 -, os pés-na-cova, vão fazer filas e mais filas, na Caixa Econômica, para provar que não são zumbis, e sim almas penadas. Miseráveis sobreviventes de um sistema capitalista selvagem.

Com uma indigente aposentadoria ou pensão, no valor de um salário mínimo do mínimo, comer e apagar aluguel constituem um verdadeiro milagre.

Sempre fica faltando tudo que a velhice pede: medicamentos, dinheiro para pagar uma companhia (ou enfermeiro ou assistente social ou um guia de cego), um taxi para ir a um pronto-socorro, vestimenta apropriada para o verão e o inverno, óculos, dentadura, aparelho para surdez, o caixão mortuário, água mineral, água morna para o banho. Não sobra trocado nem para possuir uma vela para clarear um barraco ou um kitinete, e alumiar o caminho de ida para o outro mundo.

Profundamente humilhante receber uma aposentadoria mínima, e um escárnio ir à Caixa Econômica provar que é um vivo honesto. Esta prova não se pede dos que roubam o legislativo, o executivo, o judiciário. Leia a manchete: em 17 estados, repletos de corruptos, pegaram apenas três ladrões com ficha suja.

 

BRA_OG ficha limpa

Ninguém precisava provar que continua vivo. A convocação fúnebre, verdadeira tortura para quem sofre várias enfermidades comuns na velhice, serve apenas como uma confissão do INSS  de que não dispõe de nenhum serviço para atender a domicílio os que recebem medicação contínua, os que padecem de doenças crônicas, inclusive os incapacitados  fisicamente e os moribundos.

Faltam médico, enfermeiro, farmacêutico, fisioterapeuta e assistente social. É um INSS corrupto. Pra lá de corrupto. Que precisa provar muita coisa. Inclusive se continua vivo. Porque sempre foi comandado por “vivos”, por muita gente sabida, sábias em desvios.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Casa para jornalista que recebe salário piso e tem emprego temporário

charge-capitanias

No Brasil as benesses dos governos municipais, estaduais e da União e ONGs estrangeiras são entregues diretamente aos empresários dos meios de comunicação de massa. Certamente que os patrões pagam comissões para os empregados que exercem cargo de confiança.

Não vejo motivo para os jornalistas do Azerbaijão recusar moradirias oferecidas pelo presidente da República. No Brasil não tem disso não para os pobres jornalistas empregados. Fernando Henrique acabou com a pensão especial. E os PJ invadem as redações. E todo emprego é precário e provisório. O salário piso mata de fome.

jornalista trabalho escravo

Tem mais: no Brasil o jornalismo passou a ser profissão de risco. Pelos assassinatos impunes. Por ser campeão em censura judicial. Pelas constantes agressões policiais: prisões, tortura, cacetadas, espadadas, mordidas de cães, patadas de bestas, gás lacrimogêneo, gás de pimenta, balas de chumbo, balas de borracha, choques elétricos e outras brutalidades praticadas pelas polícias dos governadores.

chacina jornalista 1

Tem que proteste contra o presidente da República do Azerbaijão. Escreve

EurasiaNet/IPS
Durante mucho tiempo, los periodistas críticos al gobierno de Azerbaiyán sufrían golpizas y chantajes, y algunos eran asesinados. Pero ahora parece que el poder ha cambiado de estrategia y les ofrece dádivas.El gobierno del presidente Ilham Aliyev tiene antecedentes funestos en términos de libertad de prensa. En los últimos años se dedicó a perseguir a periodistas que exponían irregularidades oficiales o que irritaban a figuras de las altas esferas.Sin embargo, al acercarse las elecciones presidenciales previstas para principios de octubre, las autoridades optaron por ofrecer algunos incentivos con la esperanza de sofocar la cobertura informativa crítica.A fines de julio, el gobierno inauguró un edificio de apartamentos con unidades de uno, dos y tres dormitorios, a ser ocupado exclusivamente por periodistas y sus familias. La estructura de 17 pisos, cuya construcción requirió 6,37 millones de dólares, se ubica en un suburbio de Baku llamado Bibi Heybat.

Muchos de los beneficiarios están afiliados a medios de comunicación favorables al gobierno. Pero unos pocos nuevos inquilinos trabajan para medios de capitales independientes y orientados a la oposición.

Aliyev espera que la inauguración del edificio ayude a mejorar la imagen de su gobierno. El hecho de que “periodistas de varios medios y personas con diferentes puntos de vista políticos hayan recibido apartamentos… muestra la ausencia de toda discriminación política en Azerbaiyán”, dijo el presidente.

Algunos reporteros sostienen que el ofrecimiento de viviendas gratuitas es un soborno mal disfrazado por el gobierno, diseñado para influir en la cobertura informativa.

“Las autoridades finalmente han convertido el derecho fundamental a la libertad de expresión en el derecho a no tener que pagar el alquiler de un apartamento”, bromeó el exeditor Shahveled Chobanoglu en un artículo de opinión publicado en Contact.az.

Dos empleados del periódico Azadliq (Libertad), el más crítico al gobierno y asociado al opositor Partido del Frente Popular de la República Azerbaiyana, se postularon y recibieron apartamentos gratuitos en el edificio de Bibi Heybat. Varios trabajadores de otros diarios de la oposición, como el Yeni Musavat (vinculado al Partido Musavat) y Bizim Yol (Nuestro camino), también son inquilinos.

El editor en jefe de Azadliq, Rahim Hajiyev, dijo a EurasiaNet.org que, pese a sus fuertes objeciones al proyecto, no se negó cuando dos empleados “realmente necesitados” le informaron que querían postularse a los apartamentos.

“Ellos me preguntaron y simplemente no pude decirles que no, porque el periódico no puede satisfacer sus necesidades financieras”, dijo Hajiyev. Sin embargo, subrayó que no está cómodo con su decisión.

“Estoy de acuerdo: es una mala práctica aceptar dádivas y apartamentos del gobierno. No puedo decir que estemos en lo correcto”, planteó. El diario también recibe dinero del gubernamental Fondo de Apoyo a los Medios.

“Trabajamos en condiciones muy duras, privados de todo apoyo de donanets extranjeros y de ganancias derivadas de la publicidad, y tenemos que sobrevivir”, agregó.

Tanto Hajiyev como los periodistas de la oposición que viven en el edificio insistieron en que la aceptación de un apartamento financiado por el gobierno no influirá en su trabajo.

La agencia de noticias Turan fue el único medio de capitales privados y favorable a la oposición que se negó –pese a varias presuntas invitaciones del gobierno- a tramitar apartamentos para sus empleados.

Un reportero de Turan, Huquq Salmanov, sugirió que el gobierno en realidad quería comprometer la integridad periodística de los medios opositores.

Cuando Salmanov, cuya familia padece severas penurias económicas, se postuló a un apartamento a título personal, los funcionarios le dijeron que solo podría obtenerlo “como corresponsal de Turan”.

“Ellos querían tener a Turan en la lista de beneficiarios. Yo no quise entrar en ese juego y me negué”, dijo Salmanov.

El director del Fondo de Apoyo a los Medios, Vugar Aliyev, no estuvo disponible para formular declaraciones a EurasiaNet.org.

Salmanov dista de ser el único periodista que se esfuerza por llegar a fin de mes en Azerbaiyán.

En promedio, los salarios mensuales para reporteros de medios escritos, audiovisuales o de Internet equivale a apenas 574 dólares, mientras que el típico alquiler de un apartamento en el centro de Baku fácilmente puede duplicar esa suma, o incluso superarla. El alto costo de vida en Baku fue lo que empujó a la mayoría, si no a todos los periodistas de la oposición, a postularse para una vivienda en el edificio de Bibi Heybat.

“No es posible tener una vida decente con nuestros salarios cuando uno necesita alquilar un lugar para vivir”, dijo uno de esos reporteros, casado y padre de dos hijos, que pidió preservar su anonimato.

El periodista de la oposición no vio ningún conflicto de intereses en sus acciones. “El edificio no se construyó con el dinero personal de Ilham Aliyev”, argumentó.

“Yo recibí el apartamento del Estado y, por lo tanto, no siento ninguna obligación” para con el gobierno de Aliyev, agregó.

En general, la rebatiña por los apartamentos pareció exponer las deficiencias en el concepto que los periodistas azerbaiyanos tienen de lo que constituye un conflicto de intereses.

Otra periodista de la oposición, Aygun Muradkhanly, corresponsal de Yeni Musavat, cree que el gobierno tiene la obligación de ayudar financieramente a los reporteros. Cuando quitaron su nombre de la lista de beneficiarios, pocos días antes de la inauguración del edificio, ella apeló al presidente Aliyev.

“Tengo 22 años de experiencia y alquilo un apartamento desde hace 14”, relató a EurasiaNet.org. “Yo también merecía uno”.

Su reclamo refleja las ideas heredadas de la era soviética, cuando el Estado brindaba viviendas y otros beneficios a miembros de la “clase creativa”, siempre que acataran la disciplina del gobierno.

Tras ser rechazada su solicitud en el primer edificio destinado a periodistas, Muradkhanly expresó su gratitud porque la Presidencia le prometió otro para el futuro.

Mientras, por lo menos un beneficiario en Bibi Heybat reconoció ser dueño de otra unidad habitacional, en violación de los requisitos para postularse. Rashad Majid, editor en jefe de la privada 525-ci Gazet, admitió en un editorial que posee un apartamento en Baku, pero que no ve nada malo en recibir uno nuevo gratis.

“Llevo muchos años en el periodismo y me lo merecía. Mi hijo, que también es periodista, vivirá en el nuevo apartamento”, escribió Majid. “Quiero que el gobierno me dé dos apartamentos más para mis otros dos hijos”.

Pronto se ofrecerán esas viviendas. A fines de julio, el presidente Aliyev asignó el equivalente a otros 6,37 millones de dólares a la construcción de una nueva residencia para los trabajadores de los medios, que se ubicará junto a la primera. Las obras ya comenzaron.

 salário jornalista

Os salários precários dos jornalistas e a greve de teatro dos pelegos

Vote livre contra o peleguismo. O continuísmo. A greve de teatro
Vote livre contra o peleguismo. O continuísmo. A greve de teatro. Ilustração Juan Soto

Como espaço de democracia, a diretoria dos sindicatos é eleita pela categoria, em mandato definido pelo estatuto. Elas devem correr com transparência, eticidade e democracia, assegurando a todas às chapas as mesmas oportunidades de concorrência.

 Como combater os pelegos da categoria? Se preparar para disputar a eleição contra os pelegos que há anos estão no sindicato e cada eleição diminui o número de filiados para evitar que a categoria se organize.
 
PELEGOS LIDERAM GREVES? O QUE SIGNIFICA GREVE DE TEATRO?
Do jornalista o salário do medo e da fome, negociado pelos pelegos
Do jornalista o salário do medo e da fome, negociado pelos pelegos. Salário baixo é lucro para a empresa. Um pisoteado piso, que a inflação come.  Ilustração de Juan Soto

Os pelegos preocupados com a revolta e a organização da categoria, lideram até greves para tentar enganar os trabalhadores e ser caracterizados como uma “diretoria de luta” e essas greves são apelidadas de “greve de teatro ou peça teatral”, com direito a carro de som, notas e discursos de fazerem invejas. Uma semana depois do final da greve, convida a categoria para assembléia de prestação de contas, a categoria feliz da vida com reajuste do salário e benefício aprova na assembléia sem saber o que foi feito com o seu dinheiro. Como identificar essa greve de teatro, investigue: O sindicato é mesmo combativo? Os diretores visitam frequentemente os trabalhadores? O sindicato entrega jornal/planfletos informativos para categoria?

Principais indicios de teatro sindical! No passe de mágica a diretoria do sindicato muda de atitudes. No ano das eleições no sindicato, conheça as principais ações dos atores sindicais:

a) convidam a categoria para participar de reuniões, o importante é a atenção e o trabalhador ser valorizado.rsrsrsrs

b) Realizam até greve histórica no mesmo ano de eleição do Sindicato? Estranho não é? O verdadeiro motivo é a eleição da nova diretoria e não se iluda pouco depois todos serão convidados para participar de assembléias

c) assembléia de prestação de contas? Se você teve um reajuste salarial e beneficios e depois a diretoria do sindicato lhe convida para participar e aprovar a prestação de contas da entidade. Fala sério!!! você acha que algum trabalhador vai questionar valores gastos pela diretoria “de luta”. É mais fácil ganhar na mega sena.

Obs: Para a realização de uma nova eleição no sindicato e necessário que a atual diretoria apresente e seja aprovado a prestação de contas da última gestão da diretoria.

Cuidado! 90% das greves no ano de eleição do sindicato, são greves de teatro para enganar a categoria e a maioria dos trabalhadores votam na atual diretoria achando que são de luta.

Veja aqui os deveres de cada diretor do sindicato 
Getúlio Vargas, quando ditador, regulou o trabalho. O ditador Castelo Branco acabou com a estabilidade no emprego. O Triunvirato militar, que antecedeu a ditadura de Médici, regulou a profissão de jornalista. O tempo passa, e os pelegos continuam com o mesmo discurso: Promessa de greve. Defender o diploma de jornalista e a liberdade de imprensa do patronato. E o salário vai diminuindo. E o empregado temporário cada vez mais precário
Getúlio Vargas, quando ditador, regulou o trabalho. O ditador Castelo Branco acabou com a estabilidade no emprego. O Triunvirato militar, que antecedeu a ditadura de Médici, regulou a profissão de jornalista. O tempo passa, e os pelegos continuam com o mesmo discurso: Promessa de greve. Defender o diploma de jornalista e a liberdade de imprensa do patronato. E o salário vai diminuindo. E o emprego temporário cada vez mais precário. Ilustração de Juan Soto

Madrasta má a previdência dos pobres

aposentadoria-compulsoria, por Nani

 

Dos 425.199 processos parados nos 14 tribunais conforme a última atualização do Supremo, cerca de 500 se referem à revisão de aposentadoria.

Em um recurso que será julgado, uma mulher pediu o direito de mudar a data de início do benefício, uma vez que isso aumentaria o valor de seu vencimento. Ela esperou para se aposentar com mais idade, em 1980, e percebeu que a aposentadoria foi menor do que se tivesse pedido antes, em 1979, quando já havia atingido os requisitos mínimos para pleitear o benefício. Ela pede ainda o direito a receber a diferença nos mais de 30 anos que se passaram.

Ao analisar o caso, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) afirmou que não há previsão legal para revisar a aposentadoria sem que haja irregularidade na concessão. A aposentada disse que a decisão fere o artigo 5º da Constituição, que estabelece que “a lei não prejudicará o direito adquirido”.

O processo foi discutido pelo plenário do Supremo em fevereiro do ano passado, mas a decisão acabou sendo adiada por um pedido de vista (mais tempo para analisar o processo) do ministro Dias Toffoli.

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) argumentou que, caso o Supremo conceda o pedido, isso poderá aumentar ainda mais o déficit nas contas da Previdência Social.

Na ocasião, a ministra relatora do processo, Ellen Gracie, chegou a conceder o direito da revisão, mas negou o pagamento retroativo. Como Ellen Gracie já votou, a ministra Rosa Weber, que entrou no lugar dela, não votará sobre o tema, segundo a assessoria do Supremo.

[A previdência dos ricos é uma mãe. Uma mãe bem boazinha. Exemplar a aposentadoria dos togados.

Temos que considerar: aposentadoria de pobre é déficit. A dos marajás e Marias Candelária é lucro… eles trabalhando  aumentam as despesas do erário]

 

 

 

 

 

 

Mais um escândalo no Rio: Desembargador devolve pensões de R$ 43 mil a filha ‘solteira’ de magistrado, que é casada e tem dois filhos

por Carlos Newton

Os comentaristas Ricardo Ald e Jésus da Silva nos chamam atenção para uma denúncia impressionante de Raphael Gomide, do site IG, dando conta de que o desembargador Pedro Saraiva de Andrade Lemos, da 10ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio, devolveu a Márcia Maria Machado Brandão Couto, filha de um magistrado morto há 30 anos, o direito a pensões mensais de R$ 43 mil.

A decisão reformou a sentença da juíza Alessandra Tufvesson (15ª Vara de Fazenda Pública), que cortara os benefícios dois dias depois de o iG revelar o caso, em maio de 2012. E a matéria revela que continua a existir no Rio de Janeiro “pensão de filha de funcionário morto até que comece a trabalhar ou se case”. Você sabia?

Márcia no casamento. Que luxo!
Márcia no casamento. Que luxo!

Uma série de reportagens do iG mostrou que a “filha solteira” Márcia Couto casou-se no religioso e teve dois filhos com o marido – de quem depois pediu “alimentos” para os rapazes em juízo, declarando ter sido casada. Na ação popular que pede o cancelamento das pensões, porém, ela tem outra versão: nega ter tido união estável e afirma ser “filha solteira”.

FRAUDE Á LEI

É um escárnio. Embora trabalhe como dentista, a filha do desembargador José Erasmo Brandão Couto recebe duas pensões por conta da morte do pai, em 1982: uma de R$ 24 mil do Tribunal de Justiça e outra de R$ 19,2 mil do RioPrevidência (12 vezes o valor médio pago pela autarquia), somando R$ 43,2 mil mensais. O expediente é visto como uma “fraude à lei” pela Procuradoria do Estado.

A decisão do desembargador Pedro Saraiva que lhe devolve o direito às pensões ocorreu em agravo de instrumento à sentença. Como relator do caso no TJ, ele já vinha mantendo, liminarmente, a pensões de Márcia, antes de a sentença da juíza determinar o corte. Os benefícios somam R$ 559 mil, por ano, ou R$ 2,8 milhões, em cinco anos.

O iG mostrou que o caso de Márcia Couto não é isolado no Estado do Rio: o RioPrevidência paga a 30.239 pensionistas “filhas solteiras”, ao custo anual de R$ 447 milhões . As autoridades desconfiam que muitas mulheres, como Márcia Couto, formam família, mas evitam se casar oficialmente, com o único objetivo de não perder a pensão.

Após as reportagens, o RioPrevidência iniciou recadastramento, para coibir fraudes e pagamentos indevidos, e anunciou o corte de 3.527 pensões de mulheres, casadas de fato, que reconheceram isso em termo de responsabilidade – 122 se recusaram a assinar o documento, e 8.327 nem apareceram.

Reflexão final: e ainda criticam os militares que deixam pensão para as filhas, mas pagam para que isso aconteçam, enquanto no Rio de Sergio Cabral acontecem casos como o de Márcia Couto… Ah, Brasil.

 (Transcrito da Tribuna da Imprensa)

Prova de sobrevivência com uma aposentadoria que mata de fome

Um vexame que vai além da humilhação da aposentadoria mínima e degradante:

O pobre do aposentado pobre (vale para o pensionista), mais morto do que vivo, para receber os trocados do descanso final, precisa provar, duas ou três vezes por ano, na Caixa Econômica, o milagre de que continua vivo.

Certamente os torturadores da previdência não acreditam na magia de se viver com 545 reais por mês. Quando os especiais, os lá de cima, recebem perto de 40 mil ou mais, e querem aumento.

Exige a previdência que o aposentado ou pensionista mude ou confirme a senha, refaça o cadastro, confirme o endereço, isso pessoalmente, duas ou três vezes por ano. Também quando mudam o ministro e o presidente da previdência. O novo mandatário sempre considera que o antigo roubou. E faz esta investigação inócua às custas da contagem física dos velhos, dos idosos, dos anciãos.

Isso é um martírio para quem é doente. Para quem tem o pé na cova. Para quem mora longe.

Tem gente que reside em povoados, sítios. Pior, ainda, nas alturas dos morros ou nas distâncias das periferias.

Para os aposentados e pensionistas especiais nunca pedem nada que não se resolva pelo computador.

Demagogia de dona Dilma

A maioria dos brasileiros ganha uma aposentadoria de fome.
Esse adiantamento da metade do décimo terceiro salário – daqui a 60 dias – não serve para nada.

Representa uma empulhação.
Troça.
Logro.
Zombaria.
Coisa de pulhas.

Não adianta nem para os marajás nem para as Marias Candelárias. Que recebem pensões especiais.
Os príncipes, das previdências especiais, não precisam de grana sequer para viajar de férias para o exterior.
Possuem contas secretas nos paraísos fiscais.

Agosto é mês de comércio fraco. Este o motivo do adiantamento. Os donos de supermercados agradecem.