Buracos da morte. No Rio Grande prefeito caça transeuntes

As calçadas vão ficando cada vez mais estreitas. E cheias de arapucas. Que os prefeitos só pensam naquilo. No Rio Grande é assim. E noutras grandes cidades. Recife é um buraco só. E pior: Não existe nenhum passeio público.

O engraçado é que reclamam metrôs para os estádios da Copa. E avenidas. E ruas. Para os carros.

E ninguém pensou nas calçadas.

A gente conhece uma cidade andando pelas ruas. Caminhando. Não existe outro jeito.

 

br_agora.Rio Grande

Nota dos movimentos em defesa dos rolezinhos, contra o racismo e a discriminação social

Latuff
Latuff
Neste final de semana, ao menos 5 estados vão presenciar a realização de vários Rolezinhos em diversos shoppings das suas capitais. Esses Rolezinhos assumiram um caráter de protesto pelo o que ocorreu no último final de semana no Rolezinho parte 3, no Shopping Metrô Itaquera, na capital paulista.

Os rolezinhos surgiram no final do ano passado, em que jovens da periferia paulistana combinaram através das redes sociais um encontro no shopping para se divertirem, encontrarem colegas, amigos, conhecerem pessoalmente as pessoas com quem conversam na internet. Sim, os objetivos eram simples, nada muito diferente do que jovens de 14, 15, 16 anos tem interesse de fazer nessa fase da vida. Ocorre que essa forma de integração social e a posterior repressão sofrida no último final de semana pela ação truculenta da PM expressam muito além disso.

Em primeiro lugar, a busca dos jovens pela integração social dentro dos shoppings demonstra que há poucas alternativas de cultura, lazer e integração para os jovens da periferia. A maioria está de férias, os cinemas são caros, as iniciativas de envolvimento dos jovens em atividades culturais, por parte dos governos, são precárias e a recente restrição da meia entrada fechou mais ainda as possibilidades de um programa bacana para a juventude.

É claro que para justificar a ação da polícia, construiu-se um rol de justificativas infundadas de que os jovens promoveram algo parecido com arrastão, furtos e roubos, etc. Isso não é verdade. Houve sim uma correria pelo shopping, isso é parte do rolezinho, mas não com o objetivo de roubar ou fazer arrastão. Os jovens se animaram com o programa “daora” que organizaram e para quem já frequentou alguma sala de aula de jovens dessa faixa etária sabe que a energia da idade promove euforia, risada por qualquer coisa, bagunça, etc. Mas essa iniciativa de correr também tem um fundo político, não necessariamente consciente da parte dos jovens: eles são moradores da periferia, a maioria negros. Isso assusta em ambiente de rico e os shoppings são isso: ambiente de quem tem dinheiro pra gastar e não ambiente de quem não tem dinheiro para se divertir e improvisa diversões, como os jovens fizeram.

A reação dos donos dos shoppings expressa a defesa exata desse propósito desses ambientes de consumo. E o rolezinho atrapalha esse propósito. A ação da PM expressa o compromisso do governo com os donos dos shoppings e, portanto com essa concepção restrita, elitista e excludente de cultura, lazer e diversão. A ação da PM reproduziu no shopping o que ocorre todos os dias nas periferias brasileiras. Os jovens são reprimidos de graça, os negros já são identificados como bandidos. O recente acontecimento no bairro do Ouro Verde na periferia de Campinas não deixa dúvida: ser pobre, negro e morar na periferia é um atraente para a violência policial.

Os rolezinhos ganharam um caráter de protesto mesmo. Ganharam o apoio e a força dos movimentos sociais sim. E com certeza, a reação dos donos dos shoppings, da PM e do governo faz com que esses jovens que só queriam se divertir reflitam os problemas políticos e sociais que o rolezinho e suas consequências destamparam.

O Movimento Mulheres em Luta, o Movimento Nacional Quilombo Raça e Classe, a CSP Conlutas e a ANEL vão pro rolê. Vamos expressar nossa indignação contra o racismo, contra o preconceito, a discriminação social e a repressão. Queremos dizer que a juventude deve ter direito à cultura, lazer e diversão, e que isso é responsabilidade dos governos. Vamos demonstrar que somos contra a restrição da meia entrada, e se quiserem comparar com os protestos de Junho, nós vamos dizer: sim, tem tudo a ver.

Mais uma vez, expressamos nossa indignação com o descaso dos governos sobre a população. A diversão e “boa recepção” dos turistas que vem para Copa é alvo de grande preocupação dos governos, mas a juventude, os trabalhadores e o povo pobre do país sofrem com o caos no transporte, saúde, educação e nem direito ao lazer tem. Partiu role, partiu protesto. 2014 começou.

Central Sindical e Popular Conlutas
Movimento Nacional Quilombo Raça e Classe
Movimento Mulheres em Luta
Assembleia Nacional dos Estudantes – Livre!
Blog de Júnior Lima
Blog de Júnior Lima

Seleta de charges sobre rolezinhos (rolê quer dizer encontro)

Por que o Recife não tem nenhum passeio público?

bacia

Mangue%20rio%20Pina1

Bacia do Pina - Beleza Roubada
Bacia do Pina – Beleza Roubada

bacia do pina2

Na Bacia do Pina – um dos lugares previstos para construir áreas de lazer – vão levantar torres de edifícios para novos ricos e estrangeiros, construir shoppings e condomínios de luxo. Toda  beleza da paisagem vai ser proibida para o povo.

Compare com Curitiba. Leia reportagem publicada hoje pela Gazeta do Povo

Parque Iguaçu
Parque Iguaçu
Bosque do Papa
Bosque do Papa
Bosque Gutierrez
Bosque Gutierrez

Novas ideias para um outro Passeio

por Cristiano Castilho

uem deu suas pernadas pelo Passeio Público na última semana percebeu algo diferente. Em meio às mesas do restaurante do espaço, pranchas de papel eram vistas penduradas em um aramado improvisado. Nelas, diversas representações do primeiro parque da cidade. Algumas, futuristas, traziam a imagem de um prédio em espiral, todo envidraçado. Outras, mais modestas, mostravam um grande parque a céu aberto, repleto de crianças, e totens com fatos históricos acontecidos ali, no banhado que virou parque há 127 anos.

As mais novas ideias para a revitalização do Passeio Público vêm dos alunos do curso de especialização em Construções Sustentáveis da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), coordenado pelo professor doutor Eloy Casagrande Júnior, um teimoso. Pois foi ele que, em março, desengavetou um projeto concebido por alunos norte-americanos em 2006 – que não foi para frente na época.

Agora, sua turma de arquitetos e engenheiros civis e ambientais teve como tarefa propor sugestões para uma revitalização arquitetônica-ambiental do parque que quer voltar a estar na moda. Os 25 alunos se dividiram em seis equipes. Cada uma apresentou um projeto, que ficou exposto no Passeio Público por oito dias, – de 4 a 12 de maio.

“Colocamos em exposição para os frequentadores criticarem e comentarem”, justifica o professor, também criador do original e premiado Escritório Verde, em 2011.

Os alunos entrevistaram frequentadores do Passeio, moradores do entorno e trabalhadores do local. Na carona das respostas, montaram projetos que envolvem cultura, arquitetura e meio ambiente. “Muito factíveis”, garante. Algumas soluções propostas já são utilizadas no exterior, provando que o que há de comum entre os projetos é a ousadia. “Não são pequenas ações, remodelações ou ajustes. São projetos ousados e arquitetonicamente atrativos”, afirma.

Contato

Assim como aconteceu em março, Casagrande já manteve contato com Sérgio Pires, presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc). Segundo o professor, Pires teve uma impressão geral “excelente”. Sua opinião foi reforçada pelo secretário de Meio Ambiente, Renato Eugênio de Lima, que “acha que algumas ideias podem ser abordadas.”

A exposição do que pode vir a ser o “futuro Passeio” segue agora para o Ippuc e também para algumas universidades. Quanto mais pitacos, neste caso, melhor. “Queremos participar da ação e participar das discussões, já que temos todas essas ideias”, justifica Casagrande, o “teimoso do Passeio”.

No papel
Integrando os seis projetos, algumas propostas elaboradas pelos alunos do professor Eloy Casagrande Júnior se destacam:

Gaiolas interativas

Criação do sistema phantom mesh, utilizado em zoológicos da Nova Zelândia e Austrália. Com uma tela fina, quase transparente, substitui as de arame e facilita a visualização dos animais.

Restaurante

“Como está hoje, o restaurante não funciona”, diz Casagrande. Os alunos propuseram a criação de quiosques e cafés pelo parque. Outra ideia é transformar o restaurante em uma praça de alimentação para diversificar as opções de refeição.

Feira orgânica

Aumentar a interação com a feira que ocorre aos sábados. Utilizar parte do Passeio Público como uma horta orgânica, possibilitando também a educação ambiental para crianças.

Água

Utilizar a água como “tema”. Criar aquário ampliado e interativo.

Museu

Fotos antigas, exposições culturais e relatos de epi­sódios acontecidos no Passeio fariam par­te do museu, um link físico entre passado e presente.

Playground

Remodelar o parquinho das crianças, e modernizar o espaço através do incentivo ao arborismo.

Mirante

_passeio_

Em forma de espiral – “ou de DNA” –, um edifício envidraçado ofereceria uma visão panorâmica. No topo, um mirante. “Ninguém nunca viu o Passeio de cima”, argumenta Casagrande.

Palco

Reformar e criar uma agenda de shows para o palco do parque: mais um espaço para bandas curitibanas.

[Quais são os espaços públicos do Recife?
A Cidade está cada vez mais cinzenta e feia.
Isto é, o cimento cobre o que resta de verde e vai comendo o azul das beiradas dos rios e das lagoas.
Veja a diferença:
Parque Tanguá à noite
Parque Tanguá à noite
Túnel do Parque Tanguá
Túnel do Parque Tanguá
Trilha João e Maria no Bosque Alemão
Trilha João e Maria no Bosque Alemão
A Casa Encantada no Bosque Alemão
A Casa Encantada no Bosque Alemão