Juiz de Fora capital do tráfico internacional de drogas. Presa uma das quadrilhas que contava com importante rede de influências para garantir a manutenção das práticas ilícitas. Esconderam os nomes dos milionários traficantes. Tratamento vip pra bandido rico

E Aécio, será que ele teria coragem de desencadear
uma campanhapelo tráfico livre para helipóperos pelo Brasil
como já acontece em Juiz de Fora, Minas Gerais?!
Será mera coincidência que a cocaína vinda dos países limítrofes
seja distribuída pelo Brasil a partir da cidade mineira de Juiz de Fora?
Será por que a história com um helicóptero com 450 kg virá pó
no noticiário dos velhos parceiros mafiomidiáticos?
Gilmar Crestani

br_agora. drogas 2013 cocaína

POLÍCIA FEDERAL DESARTICULA QUADRILHA QUE FATURAVA 20 MILHÕES POR MÊS
Cocaína saía da Bolívia, passava pelo Paraguai, Triângulo e interior de São Paulo e seguia para Juiz de Fora, onde era distribuída para Rio e Nordeste

por Guilherne Parnaíba

EM Com Br/ ADPF

Um golpe na maior organização criminosa de tráfico internacional de drogas investigada pela Polícia Federal em Minas Gerais nos últimos anos. Foi dessa forma que o delegado regional de Combate ao Crime Organizado da PF, Paulo Henrique Barbosa, caracterizou a quadrilha desarticulada ontem, cuja maior presença está em Juiz de Fora, na Zona da Mata. Os traficantes faturavam cerca de R$ 20 milhões por mês, segundo estimativas da polícia, já que o esquema distribuía duas toneladas de cocaína por mês a R$ 10 mil cada quilo. Dezessete pessoas foram presas, incluindo 12 em Juiz de Fora e duas em Belo Horizonte. Outros dois alvos de mandado de prisão preventiva já estavam detidos na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Grande BH.

.
“A droga vinha da Bolívia e passava pelo Paraguai, Triângulo Mineiro e interior de São Paulo antes de chegar à Zona da Mata. De Juiz de Fora, seguia principalmente para o Rio de Janeiro e o Nordeste”, informou o gerente operacional do Setor de Inteligência da PF, Alexandre Mees. Além das prisões, a PF conseguiu junto à Justiça o confisco de R$ 70 milhões em bens do grupo, marcado pelo alto padrão de vida e ostentação de imóveis, carros, aviões e lanchas de luxo.

.
A investigação começou há cerca de seis meses. Segundo o delegado da PF de Uberlândia, no Triângulo Mineiro, Carlos Henrique Cotta Dângelo, o inquérito é fruto de uma informação obtida pelos agentes no ano passado. “Tivemos uma série de ocorrências com aeronaves do tráfico aqui no Triângulo. Com base nisso, foi repassada a informação de um grupo que agia em Juiz de Fora”, disse o policial. Esse núcleo sediado na Zona da Mata mineira, segundo a PF, recebia a droga que chegava de duas rotas. Uma delas saía da Bolívia passando pelo interior de São Paulo. Antes de chegar aos arredores da cidade paulista de Aguaí, a droga também podia passar pelo Paraguai, sempre usando aeronaves no transporte. De São Paulo, a cocaína seguia para Juiz de Fora pelas rodovias do país. “Outra possibilidade era seguir direto da Bolívia de avião até o Triângulo Mineiro, para depois terminar o caminho de carro até Juiz de Fora”, afirma Alexandre Mees.

.
BENS Na cidade mineira, um laboratório de preparo e manuseio de drogas foi estourado ontem pelos policiais, que também encontraram no local cerca de R$ 1 milhão em cheques. Na lista de bens bloqueados pela Justiça está uma cobertura em Juiz de Fora avaliada em R$ 1,5 milhão. Segundo as investigações, o núcleo mineiro da quadrilha, radicado na cidade, usava agências de compra e venda de veículos para lavar o dinheiro obtido com o tráfico de drogas.

.
No interior de São Paulo, foi constatada a atividade de transporte de passageiros para garantir a lavagem da quantia arrecadada de forma ilícita. Além dos núcleos responsáveis por transportar e preparar a droga para revenda, a PF verificou também a presença de financiadores, pessoas que injetavam dinheiro no esquema para obter lucros de modo fácil e rápido. Uma dessas pessoas, procurada em São Paulo, esteve envolvida em uma fraude bancária recente e teve rendimentos que totalizaram R$ 120 milhões em um ano.

.
Além das 17 prisões de ontem, a PF já tinha capturado outros 16 envolvidos no esquema, todos em flagrante, durante o curso das investigações. Um dos próximos passos é abrir um inquérito para investigar especialmente a lavagem de dinheiro, além de continuar a caça aos foragidos para prender todos os alvos da operação. Três pessoas ainda não foram localizadas. As investigações apontam que o grupo usava documentos falsos e contava com uma importante rede de tráfico de influências para garantir a manutenção das práticas ilícitas.

BRA_DN cocaína

Está errado! Níveis de investigação para resolver crimes são baixos

BRA_CB crime luxo

por Livia Scocuglia

Os níveis de investigação criminal para resolver crimes são baixos. A maior parte dos detentos de São Paulo foi presa em flagrante e não por causa de investigação. A constatação é o resultado da pesquisa divulgada nesta semana, pela Fundação Getulio Vargas. Ao todo, 65,8% dos presos foram detidos no dia em que cometeram o delito.

Quando analisado o crime de roubo, a porcentagem de presos no próprio dia da ocorrência é ainda maior: 78,2%, o que pode indicar baixo nível de investigação criminal no Estado. Para um dos coordenadores do projeto, José de Jesus Filho, da Pastoral Carcerária, esses dados apontam que as pessoas estão sendo presas de forma errada no país. “A investigação no Brasil não acontece. Nós não prendemos o criminoso do colarinho branco, não prendemos o corrupto ou as lideranças do tráfico de drogas”, afirmou Jesus Filho ao jornal O Estado de S. Paulo.

Em relação ao processo, só uma pequena minoria dos entrevistados conseguia entender muito (13,5%) ou mais ou menos (14,7%) do que estava acontecendo nas audiências. A maioria entendia pouco ou nada das audiências e do processo judicial.

Além disso, o estudo mostrou que existem variações significativas na duração dos processos de acordo com o tipo de crime pelo qual foram condenados. Os condenados por homicídio doloso tiveram os processos mais longos (média de 24,9 meses) e aqueles condenados por furto/furto qualificado tiveram os processos mais curtos (média de 8,8 meses).

A pesquisa também levou em conta a corrupção usada para evitar prisões. Entre os entrevistados, 62,6% deles disseram que poderiam ter evitado a prisão se tivessem recursos para corromper a polícia e 31,8% dos entrevistados disseram que a polícia realmente pediu dinheiro ou algum pertence a partir do momento da prisão até a sentença.

No Judiciário, a proporção de presos que relatou algum pedido de dinheiro ou de algum bem por parte de juiz é quase nula (0,3%). Segundo a pesquisa, isso indica uma instituição judicial muito menos inclinada a este tipo de corrupção.

Cor da pele

A maioria dos policiais militares da capital envolvidos em ocorrências com mortes são brancos (79%), entre 25 e 39 anos (73%) e homens (97%). Já quanto às vítimas, a maioria é de negros (61%), menores de 24 anos (57%) e homens (97%), segundo noticiou a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo.

Os números foram coletado em pesquisa da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) que entre 2009 e 2011 analisou 734 processos com 939 vítimas. A coordenação foi feita pela professora Jacqueline Sinhoretto. Em relação a cor da pele, a população do estado é formada por 30% de afrodescendentes, mas há três vezes mais negros mortos do que brancos. Só 1,6% dos autores foi indiciado. Para 98% deles, as investigações apontaram que não houve crime ou que agiram em legítima defesa.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública informou que vai avaliar os dados do estudo para decidir se eles “podem subsidiar aprimoramentos das políticas públicas de segurança”. Declara também que “os policiais são preparados para lidar com a diversidade racial e que, na PM, cerca de 40% dos homens são afrodescendentes”.

Fonte: Consultor Jurídico
Transcrição: Fenapef

BRA^PA_DDP crime morte

BRA_DG crime

BRA^PA_DDP idoso crime

BRA_OPOVO morte crime

BRA_NOTA crime violência jovem classe média

Brasil encarcera muito, mas prende mal. Criminosos violentos e ladrões do dinheiro público ficam livres

Presos por corrupção apenas 0,1%

Metade dos presos é acusada de crimes contra o patrimônio; só 0,5% responde por crimes contra a administração pública
Metade dos presos é acusada de crimes contra o patrimônio; só 0,5% responde por crimes contra a administração pública

Os condenados por corrupção no julgamento do mensalão, como o ex-ministro José Dirceu, o empresário Marcos Valério Fernandes e os deputados Valdemar Costa Neto (PR-SP), Pedro Henry (PP-MT), João Paulo Cunha (PT-SP) e José Genoino (PT-SP), vão reforçar uma estatística reveladora do sistema penitenciário brasileiro. Das 548 mil pessoas que superlotam as unidades prisionais do país, somente 722 estão lá acusadas de terem praticado corrupção. Isso equivale a 0,1% do total de presos no Brasil, entre aqueles que já cumprem algum tipo de pena ou aguardam o julgamento na prisão.

Amarildo
Amarildo




Por outro lado, na mesma época, 38 mil pessoas (7%) acusadas de praticar furto, que é a subtração de coisa alheia sem uso de violência ou ameaça, dividiam a cela com criminosos violentos, como estupradores e assassinos. Na avaliação de juristas ouvidos pelo site, os dados oficiais indicam que o Brasil encarcera muito, mas prende mal. Encarcera pessoas acusadas de crime de menor potencial ofensivo e deixa de fora denunciados por crimes violentos e de roubar o dinheiro público.


A pesquisa anual do Depen, que deve ser atualizada em janeiro, escancara como o Estado brasileiro ainda tem dificuldade para punir os crimes contra a administração pública, dos quais a corrupção e o desvio de dinheiro público fazem parte. Os crimes contra a administração são responsáveis por levar à prisão apenas 2.703 pessoas – o equivalente a 0,5% de todos os presos do país. Ainda assim, houve um crescimento de 133% nas prisões por essa categoria de crime nos últimos quatro anos.


Distrito Federal


Em dezembro do ano passado, apenas seis pessoas estavam presas no Distrito Federal por corrupção passiva (funcionário público que recebe propina) ou peculato (desvio ou apropriação de recurso público por servidor em razão do cargo que ocupa), outra modalidade de crime contra a administração pública. Mais seis eram acusadas de corrupção ativa, ou seja, de ter tentado corromper um agente do Estado. Esse número mais que dobrou nos últimos dias, com a prisão dos condenados no processo do mensalão.


Entre os 25 réus considerados culpados pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento, 19 foram condenados por corrupção (oito por corrupção ativa e 11 por passiva). Nove deles estão presos em Brasília: José Dirceu, José Genoino, Delúbio Soares, Marcos Valério, Cristiano Paz, Ramon Hollerbach, Simone Vasconcellos, Romeu Queiroz e Jacinto Lamas.


Também foi condenado pelo crime o ex-diretor do Banco Central Henrique Pizzolatto, atualmente foragido da Justiça. A ex-presidente do Banco Rural Kátia Rabello e o ex-executivo da instituição José Roberto Salgado também estão detidos. Mas cumprem pena por outros crimes (lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta, evasão de divisas e formação de quadrilha). Veja as penas dos condenados no mensalão

Veríssimo justiça PT PSDB tucano versus petista



Contra o patrimônio


Eles, porém, são exceção. Quase metade dos presos brasileiros (49%) é acusada de ter cometido crimes contra o patrimônio, como furto, roubo, extorsão, estelionato, latrocínio e apropriação indébita. Outros 24% estão presos por tráfico de drogas, e 12% são acusados de crimes contra a pessoa, como homicídio e sequestro. “Continuamos prendendo muita gente errada. Apenas o criminoso violento tem de estar lá. O sistema penitenciário só ensina a pessoa a ser violenta”, critica o ex-juiz e ex-promotor Luiz Flávio Gomes, professor de Direito Penal e Processo Penal. “Muita gente não precisava estar na cadeia, mas está. Vai explodir o sistema carcerário brasileiro”, acrescenta.


Para o coordenador da Comissão Pastoral Carcerária, padre Valdir João Silveira, a prisão de políticos abre caminho para que o país conheça a realidade trágica do sistema carcerário. “Conhecer os porões dos cárceres é novidade para a sociedade mais alta, mais rica, mas não para os pobres”, diz o coordenador da entidade ligada à Igreja Católica.


Luiz Flávio Gomes diz que o baixo índice de prisões por corrupção no Brasil é histórico. “Esse crime sempre teve privilégio porque envolve pessoas com status, não envolve o pobre. Nunca foi diferente”, afirma o especialista. Ainda assim, o número de presos por corrupção pode ser considerado “o maior da história” do país, avalia. “Nunca foi mais do que isso.”



Condenado a empobrecer


Como solução, o ex-magistrado defende uma posição polêmica: em vez de irem para a cadeia, os condenados por corrupção no Brasil deveriam ser condenados à miséria, na opinião dele. “A corrupção não é um crime violento e nunca deveria dar cadeia. Nunca. Deveria existir uma pena de empobrecimento, deixar o corrupto pobre. Hoje, o corrupto é preso e continua rico”, critica. “Corrupção não provoca temor. Gera indignação. A sociedade não tem medo do corrupto”, reforça.


Coordenador do Movimento Paraná Sem Corrupção, o promotor Eduardo Cambi defende que os crimes contra a administração pública sejam tratados como hediondos, ou seja, passíveis da punição mais rigorosa possível. Segundo ele, a falta de punição para os casos de corrupção e desvio de dinheiro público servem de estímulo para novas fraudes ao erário, retirando recursos de áreas essenciais, como saúde e educação.


“O Brasil não é o país da impunidade. Mas aqui não se pune com regime fechado os crimes mais graves. Se não mudarmos esse perfil, os sistemas judiciário e policial brasileiro vão trabalhar para fazer controle social do pobre”, afirma.


Sistema seletivo


Integrante da Associação Juízes para a Democracia (AJD), Luís Carlos Valois também entende que a punição é seletiva no Brasil. “O sistema prisional está abarrotado de gente pobre. Todos os traficantes presos são pobres. São bodes expiatórios para a população achar que o sistema prisional resolve. Eles estão misturados com homicidas. É um absurdo”, critica o juiz, titular da Vara de Execuções Penais em Manaus e defensor da descriminalização das drogas.


Para ele, o país precisa discutir um novo modelo de punir seus cidadãos. Mas não pode depositar as esperanças de resolver problemas sociais no Direito penal. “Daqui não vai sair solução alguma de problema social. Direito penal é consequência de uma falta de estrutura. Só ameniza uma situação negativa. É como tomar remédio pra dor de cabeça, é só analgésico”, compara Valois. O magistrado defende a maior aplicação de penas alternativas para desafogar o sistema penitenciário e favorecer a reinserção de pessoas acusadas de crime na sociedade.


“A prisão é a pior das soluções. É deletéria, destrói o cara, que sai de lá pior. Hoje é utópico falar em fim da prisão, que faz parte do sentimento popular. Mas o sistema penitenciário não serve para nada, nem aqui nem em lugar algum do mundo. Ninguém vai aprender em viver em sociedade preso. Ninguém vai aprender jogar futebol treinando em elevador”, avalia Valois.

Graf_PresosCrime_GDE-1

Tab_PresosCrime3

Fonte: Congresso em Foco

Transcrito do Fenapef

Deputado tucano entra no rol de suspeitos por tráfico internacional de drogas

duke droga cocaína perrella

Advogado do piloto Rogério Almeida Antunes, preso por transportar mais de 400 Kg de cocaína no helicóptero do deputado estadual Gustavo Perrela (Solidariedade-MG), Nicácio Pedro Tiradentes afirmou, em entrevista, que seu cliente aponta o parlamentar, aliado dos tucanos, como proprietário da droga apreendida, domingo, durante uma batida policial. Almeida Antunes, ao site de notícias Viomundo, afirmou que o deputado Perrella, do interior mineiro, “mentiu ao dizer, em entrevista, que o piloto roubou o helicóptero que estava em nome da Limeira Agropecuária e foi apreendido em uma fazenda no município de Afonso Cláudio, Espírito Santo, com mais de 400 quilos de cocaína a bordo”.

O advogado, contratado pela família do piloto, esteve com o acusado, na véspera, e após deixar o encontro, revelou que Rogério Antunes “era homem de confiança” do deputado Perrella, a ponto de ocupar um cargo na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, onde ganhava sem sequer aparecer no local do serviço. O fato também foi confirmado na edição desta quarta-feira do diário conservador mineiro O Estado de Minas, o qual afirma que o piloto era “agente de serviço de gabinete da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). Com salário de R$ 1,7 mil”.

“Antunes está lotado desde abril deste ano na 3ª Secretaria da ALMG, presidida pelo deputado Alencar da Silveira Júnior (PDT). O pedetista informou que Rogério seria demitido nas próximas horas”, afirma.

Segundo o advogado, antes de decolar com o carregamento da droga, que tinha como destino a Europa, segundo fontes policiais, o piloto fez duas ligações para o deputado Perrella. A viagem, de acordo com o advogado, tratava-se de um frete para o transporte de “suplementos agrícolas”. Ambos sustentam desconhecer que se tratava de cocaína. Antunes também disse ao seu advogado que o parlamentar estaria tentando “empurrar o pepino” para ele, que era o piloto da aeronave.

Antunes também sugeriu que estaria

em curso a tentativa de livrar outro envolvido, pessoa “de posses” que acompanhava o vôo,

mas não identificou esta pessoa, com a qual o advogado deve se encontrar nas próximas horas, para obter novas informações. Além do piloto foram presos o co-piloto Alexandre José de Oliveira Júnior, de 26 anos, o comerciante Róbson Ferreira Dias, de 56, e Everaldo Lopes de Souza, de 37.

“O advogado disse que a fazenda destino da carga era de propriedade do senador Zezé Perrella (PDT-MG), ex-presidente do Cruzeiro e pai de Gustavo Perrella. Segundo o advogado, a propriedade está em nome da Limeira Agropecuária e teria sido comprada ‘por cinco vezes o valor’ de mercado. Nicácio Tiradentes informou que pretende entrar nas próximas horas com habeas corpus para tirar o piloto da cadeia”, afirma o Viomundo.

– O deputado não poderia enlamear o menos favorecido pela sorte – disse o advogado, se declarando “magoado”.
Segundo ele, o piloto “não fez nada sem autorização”. Para provar isso, Nicácio pretende pedir quebra do sigilo telefônico do piloto:
– Deu duas ligações (para o deputado). Aí que mora o perigo – concluiu.

Transcrito do Correio do Brasil, que tem como fonte entrevista do advogado ao editor do Viomundo, Luiz Carlos Azenha.

Perrella coca minas

Na mídia, a história dos 450 kg de cocaína no helicóptero dos Perrella virou pó

por Renato Rovai

A imprensa brasileira e o tráfico de drogas, por Carlos Latuff
A imprensa brasileira e o tráfico de drogas, por Carlos Latuff

Ontem os portais destacavam com excessivo cuidado que o helicóptero de um deputado havia sido apreendido com 450 kg de cocaína. Depois informaram que o piloto havia viajado sem autorização dos proprietários. E agora, registram que o piloto nega o fato.

Deputado e 450 quilos de cocaína. Será esse um fato tão comum que não merece tanto destaque? Principalmente se vier a se levar em consideração que este deputado é filho de um senador aliadíssimo de um candidato a presidente da República?

Estamos falando dos Perrellas e do presidente do PSDB, Aécio Neves. Aliados políticos históricos.

Mas vamos lá. Vamos imaginar que um dos filhos de Marta Suplicy fosse deputado. E um helicóptero dele fosse apreendido pela PF com 450 quilos de cocaína. Você acha que este fato teria a mesma cobertura discreta e cuidadosa que o dos Perrellas está tendo? Você acha que o Uol daria apenas registros aqui e ali do caso? Ou acha que a casa da atual ministra teria filas de repórteres tentando pular o muro para falar com ela?

Talvez o exemplo não seja o melhor. Tentemos, pois, outro exercício hipotético. Imagine que ao invés do helicóptero do filho de Marta Suplicy fosse o de um irmão do senador carioca Lindbergh. O que você acha que aconteceria? Quantos minutos isso renderia no Jornal Nacional? Quantas páginas do jornal O Globo?

Mas podemos ir ainda mais longe. Imagine que o helicóptero fosse de alguém que tivesse relação com o ex-presidente Lula. Alguém, por exemplo, que tivesse feito churrasco na casa dele uma ou outra vez. O que será que aconteceria com Lula e com o suposto churrasqueiro de Lula?

Como você acha que seria a cobertura dessa história se o avião fosse do Zeca Dirceu, deputado pelo Paraná e filho de José Dirceu? Ou de um filho do vereador Donato, que ontem voltou à Câmara para enfrentar do legislativo a quadrilha do ISS? Ou se fosse da Miruna, filha de José Genoíno?

Não se deve responsabilizar os Perrellas, Aécio ou quem quer que seja sem que seja realizada uma investigação cuidadosa. E não é disso que se trata aqui. Há, porém, indícios, que ensejam uma cobertura bem mais atenta do que a que foi feita até agora pelos principais veículos da mídia tradicional. São 450 quilos de cocaína. Não são meia dúzia de sacolinhas. É coisa de uma quadrilha extremamente profissional. E essa imensa quantidade de droga era transportada num helicóptero de uma família tradicional da política mineira.

A questão é que a cobertura midiática só tem se interessado por aquilo que leve à criminalização do PT. Independente do mérito. O que importa não é mais o crime, mas a legenda do criminoso. E por isso Demóstenes Torres flanava todo pimpão por aí. Fazendo discursos moralistas e ao mesmo tempo armando falcatruas com Cachoeira.

Aliás, você ouviu falar de Cachoeira e Demóstenes por aí? Você viu a indignação da direção do PSDB com a investigação do escândalo do metrô de SP? Pois é. É disso que se trata. Eles sabem que são midiaticamente impunes.

 

Duke
Duke

PF faz nova operação contra tráfico de drogas. O helicóptero do pó continua sendo a maior apreensão

Duke
Duke

A operação da Polícia Federal tem o nome de “piloto”, mas não é o comandante do helicóptero do deputado Gustavo Perrella do Solidariedade, e eleito pelo PSDB de Minas Gerais.

Parece mais uma operação abafa, que não passou pelos lugares em que o helicóptero recebeu e descarregou uma carga de meia tonelada de cocaína em pasta, com destino pra lá de desconhecido. Dizem que a droga veio da Bolívia, isso sem saber que meio de transporte foi utilizado, e quais os narcotraficantes envolvidos, principalmente quem vendeu e comprou.

Publica a Globo, porta-voz da PF: A Polícia Federal (PF) realiza uma operação para combater o tráfico internacional de drogas no Paraná e em outros cinco estado brasileiros desde a madrugada desta segunda-feira (2). A ação foi batizada de “Operação Piloto” e serão cumpridos 46 mandados de prisão e 53 de busca e apreensão. No Paraná, os mandados serão cumpridos em Umuarama, Foz do Iguaçu, Londrina, Cascavel, Cambé, Ibiporã e Xambrê. Os outros estados envolvidos na operação são SP, SC, MS, ES e SE. Até as 12h30, 33 mandados de prisão tinham sido cumpridos, além de um caseiro preso em  flagrante por porte ilegal de armas.

De acordo com a PF, as investigações começaram há sete meses em Londrina, quando um empresário do ramo de transportes de Umuarama, no noroeste paranaense, estava usando sua frota para transportar drogas vindas do Paraguai. “A partir desses dados, descobrimos que eram várias quadrilhas atuando da mesma forma naquela região, tanto para o tráfico de drogas quanto para o tráfico de armas”, disse o delegado-chefe da PF em Londrina, Nilson Antunes da Silva.

Segundo o delegado, são 16 quadrilhas que atuavam na região. Elas compravam maconha, crack, armas de fogo e munição no Paraguai e transportava para o Brasil. “As quadrilhas agiam de forma muito parecida. As drogas e as armas vinham do Paraguai, entrava no país por Foz do Iguaçu ou pelo Mato Grosso do Sul, e chegava em Umuarama, onde era feita toda uma logística de transporte e distribuição, principalmente par ao estado de São Paulo, além dos outros estados onde estão sendo cumpridos os mandados de busca e de prisão”, explicou.

O delegado informou que uma das quadrilhas chegou a abrir uma empresa formalmente para a fabricação de carrocerias-furgões, que eram fornecidas para outras quadrilhas. “Mais da metade dos grupos investigados utilizavam esse tipo de veículo para o transporte das drogas e armas”, contou.

Desde o início das investigações, 67 pessoas foram presas e mais de 50 veículos, apreendidos. Os policiais também apreenderam 49 toneladas de maconha, 383 quilos de cocaína, 125 quilos de crack, 8.052 comprimidos de ecstasy, 15 armas e munição.

Pelo noticiário da Globo, pode-se perceber a presença de empresários. Não é todo mundo que pode possuir uma frota de caminhões de carga pesada, e fabricar carrocerias-furgões. Parece que se acabou, finalmente, o tempo de fazer o maior alarde com a prisão de traficantes pés-raspados bodegueiros, donos de miseráveis pontos de revenda nas favelas, esquecendo os poderosos e ricos narcotraficantes com seus múltiplos e sofisticados e milionários negócios.

Assim sendo, o dono da carga transportada pelo helicóptero do pó é uma persona de muitas posses e milagrosos poderes. Tão poderoso que diferentes justiças não desejam em suas mãos essa batata quente.

Publica Novo Jornal:

Enquanto a sociedade aguarda uma resposta das autoridades, apresentando os verdadeiros responsáveis pelo tráfico de 450 quilos de cocaína utilizando o helicóptero da família Perrella, as autoridades do Poder Judiciário estadual e federal do Espírito Santo recusam-se a assumir suas funções, utilizando justificativas que não convencem.

Exemplo? Segundo fontes do TRF, o juiz federal do Espírito Santo ao receber o processo transferido pelo juiz estadual solicitou parecer do Ministério Público, indagando se o caso não seria da “Justiça Militar” sob a alegação de que o crime “ocorreu dentro de uma aeronave”.

Evidente que o crime não ocorreu dentro da aeronave, mas sim se utilizando de uma aeronave. Juristas que acompanham o caso afirmam que esta apreensão não é um fato novo, pois nos últimos anos a maioria do tráfico de drogas tem utilizado aeronaves.
Embora guardada a sete chaves, Novojornal teve acesso agora à tarde a movimentação do processo0010730-56.2013.4.02.5001, que passou a tramitar a partir desta sexta-feira (29) na Justiça Federal capixaba, demonstrando ser verdadeira a informação de nossas fontes sobre o despacho do Juiz Federal. A versão corrente é que nenhum magistrado quer assumir o feito devido aos envolvidos.

coca cocaína tráfico

A imprensa e o maior caso de tráfico de cocaína transportada pelo helicóptero do pó

Meia tonelada de cocaína não é notícia, porque envolve milionários ou bilionários traficantes. Prender um pobre jovem negro, com uma grama,  é um espanto para a TV Globo. Quantos negros a polícia matou, quando conquista os morros, as favelas, para sequestrar e torturar pequenos ‘aviões do tráfico’, quando os lá de cima pedem pressa no inquérito e liberação já do helicóptero do pó?

O senador Aécio Neves também quer pressa. Diz ele: O deputado Augusto Perrella, dono do helicóptero, tem que se explicar rapidamente sobre o ocorrido. “Ele tem que explicar. Até hoje não vi nada que o vinculasse a essa questão”.

Ainda de acordo com Aécio, o deputado deve ter a oportunidade de defesa. “Temos que dar a ele o direito de defesa, mas é preciso que isso seja rapidamente esclarecido”, analisou.

Escreve um tal de “jornalista” Wando, sem sobrenome:

Quem é o dono desta meia tonelada de cocaína pura?
Quem é o dono desta meia tonelada de cocaína pura?

A imprensa está sendo acusada de minimizar um suposto caso de tráfico internacional que supostamente envolveria parlamentares oposicionistas supostamente ligados a Aécio Neves. Até o insuspeito Zé Simão entrou na onda acusatória:

“Se o helicóptero fosse de alguém do PT, seria abertura do Jornal Nacional”. Rarará!”

Pesquisei o assunto com cuidado e posso garantir aos meus leitores que trata-se do mais absoluto trololó. Vamos aos fatos: Gustavo Perrella, deputado estadual mineiro pelo Solidariedade e filho do senador Zezé Perrella, foi traído por um de seus melhores funcionários. Infelizmente, o empregado abusou da confiança – e vocês sabem como está complicada essa gente hoje em dia! – e foi flagrado usando o helicóptero particular de Perrella para transportar quase meia tonelada de pasta de cocaína.

A confiança que o deputado depositava no piloto era tanta que chegou a lhe empregar numa das empresas da família, além de indicá-lo para um cargo na Assembleia Legislativa de Minas. Lá ele ganhava um salário e uma ajuda de custo pra encher o tanque do possante voador de Perrelinha.

O deputado mineiro foi tão surpreendido com a barbaridade que estava sendo cometida em sua aeronave, que imediatamente acusou o piloto de outro crime: o roubo do helicóptero. Diante do desmentido do funcionário, Perrela subitamente lembrou que havia autorizado aquela viagem através de duas mensagens de celular, e então mudou sua versão. Admitiu que a aeronave não tinha sido roubada e confirmou a liberação do transporte de “insumos agrícolas”.

Bom, por que a acusação dirigida a nós da grande imprensa é injusta? Ora, com Dirceu, Delúbio e Genoíno presos, estádios da Copa desabando, e todo o caos político, econômico e social que vivemos, um caso desses automaticamente ganha menor importância. Um simples piloto que trafica drogas escondido do patrão não é e não deve ser um assunto do interesse público.

Eu e outros colegas da imprensa, por exemplo, mal estávamos “acompanhando esse caso”:

wandvogel
Entenderam por que não damos tanto destaque ao assunto? Isso é papo de piloto, uma pauta no máximo para o jornalismo especializado em aviação civil, não para quem cobre os acontecimentos políticos do dia a dia.

Perguntam também o que nos levou a abafar um suposto escândalo de 2011 envolvendo a família de Aécio Neves, apenas porque esta é intimamente ligada à família Perrella. Conto-lhes mais este trololó: Tancredo Aladin Rocha Tolentino, primo de Aécio, carinhosamente conhecido como “Quêdo”, foi preso por chefiar uma quadrilha acusada de vender absolvições para traficantes de drogas, além de ter sido condenado em 97 por crime contra o patrimônio e contra a economia popular. Quase na mesma época, outro primo de Aécio, Rogério Lanza Tolentino, havia sido condenado a 7 anos e 4 meses de prisão por lavagem de dinheiro. Todos esses assuntos não tiveram destaque no Jornal Nacional, não tocaram na CBN e não foram analisadas na A2 da Folha. Claro! As provas contra eles são escassas. Isso fica claro quando constatamos que Quêdo conseguiu um habeas corpus e, logo em seguida, tentou sair candidato à prefeitura de Claudio (MG) pelo PV, quando foi barrado pelo Ficha Limpa.

Poucos sabem, mas Quêdo é uma pessoa muito família, um cara do bem. Organiza as cavalgadas com familiares seus (e dos Perrella) em sua fazenda, comanda a cachaçaria da família Neves em Cláudio (MG) e sempre foi muito querido por todos da região. Quando Aécio caiu do cavalo quebrando 5 costelas, quem estava lá oferecendo o ombro amigo? Ele, o dono da fazenda, o primão Quêdo.

Mas o que o helicóptero de Perrellinha fazendo tráfico internacional* tem a ver com Aécio Neves, que indicou Zezé Perrella para o Senado e cujo primo vendia absolvição para traficantes de drogas? Absolutamente nada. Mas, claro, os patrulhadores da pauta alheia insistem em enxergar nuvens nesse céu de brigadeiro. Tudo isso para tirar foco do que realmente interessa: a prisão dos mensaleiros e os escândalos que a envolve. A gente sabe muito bem como se comporta essa gente chicaneira. #AcordaBrazil
* (Atualização via @rei_lux) “Faltou informar que o helipóptero fez uma parada em Divinópolis, onde o primo Tancredinho (Quêdo) liberava traficantes.”