Declaración del Movimiento Poético Mundial por Palestina

Reda Hafez
Reda Hafez

“Eres aun aquel de la piedra y de la honda, Hombre de mi tiempo” Salvatore Quasimodo

¿Otra vez el genocidio? ¿De nuevo Sabra y Chatila? Quizás sea peor aún: todo esto es la continuación del genocidio, una especie de Sabra y Chatila que no termina nunca. ¿No les han bastado peajes, retenes, alambradas, los muros que recuerdan el gran genocidio del Siglo XX? Ya hicieron de Palestina un guetto: ¿Lo que sigue es el exterminio, la Solución Final? ¿Qué terminó en 1944 y qué comenzó en 1948? No podemos admitirlo, nos negamos al silencio frente a la continuación de una agresión que nos negamos a aceptar como interminable. Mientras el Movimiento Poético Mundial adelanta 500 acciones globales por la Paz Global este mes de julio en más 50 países del Planeta, el Estado de Israel llama a 40.000 reservistas para persuadirlos a la matanza del hermano pueblo Palestino. “Y esa sangre huele como la del día en que el hermano Dijo al otro hermano: vamos al campo” ¡No más! El Movimiento Poético Mundial rechaza y repudia esta nueva pero antigua y terrible agresión al Pueblo Palestino, y llama de manera franca y amorosa a alzar la voz en pro de la paz en el Mundo.

Declaration of World Poetry Movement for Palestine.

“Man of my time Are you still that one of slingshot and stone”. Salvatore Quasimodo.

May we ask: Genocide once again? Or, it is again Sabra and Shatila? Maybe it’s even worst: all this is an ongoing genocide, similar to Sabra and Shatila it never ends. Hasn’t be enough costs, squads, wire fences, walls that remind us the great genocide of the XX Century? They have transformed Palestine into a ghetto: What follows is extermination, the Final Solution? What ended in 1944 and begun in 1948? We can´t accept this; we refuse to silence this ongoing and endless aggression. While the World Poetry Movement organizes 500 global actions for Global Peace in more than 50 countries, the State of Israel calls up 40,000 reservists and persuade them to kill the Palestinian people. “This blood smells the same when the brother told his other brother, let´s go to the country side…” No more! The World Poetry Movement and makes a sincere and caring call for Peace in the World. It rejects and condemns this new but ancient terrible aggression against the Palestinian People.

Declaration of World Poetry Movement for Palestine

K. Satchidanandan, poet, India.

Juan Manuel Roca, poet, Colombia.

Omar González, poet, president of Red de Artistas e Intelectuales en Defensa de la Humanidad, Cuba.

Carmen Bohórquez, historian, president of Red de Artistas e Intelectuales en Defensa de la Humanidad, Bolivarian Republic of Venezuela.

Ariana López, Red de Artistas e Intelectuales en Defensa de la Humanidad, Cuba.

Nechi Dorado, poet, Argentina.

Marko Pogacar, poet and director of Goranovo Proljece, Croacia.

Sergio Iagulli & Raffaella Marzano, directors of Casa della poesía, Baronissi/ Salerno, Italy.

Bernard Nöel, poet, France.

Bengt Berg, poet, Suecia.

Tahar Bekri, poet, Tunisia.

C.K. Stead, poet, New Zealand.

Mohammed Bennmis, poet, Morocco.

Alhaji Papa Susso, poet, griot and musician, Gambia.

Vicente Feliú, musician, Cuba.

Claudia Yaneth Rivera, social activist, Colombia.

Carlos Andrés Martínez, academic, Colombia.

Constantino Escobar, Bolivia.

Susana Peyloubet, academic, Argentina.

Olga Vara Salgado, educator, Argentina.

Atef Saad, Palestina.

Ilaria Catastini, Albeggi Edizioni, Italy.

Nelida Sánchez, educator, Colombia.

Rafael Mendoza, poet and lawyer, El Salvador.

Olga Malaver, poet, Colombia,

Cultural Center Armando Tejada Gómez, Argentina

Gloriana Tejada, president, Centro Cultural Armando Tejada Gómez, Argentina

Dora Giannoni, secretary, Centro Cultural Armando Tejada Gómez, Argentina

Laura Verónica Fleischer, poet and militant, Argentina/Chile.

Rosa Báez, journalist, Cuba.

Luciano Vasapollo, Coordinator REDH-Cuba

Rita Martufi, REDH-Cuba.

Julio Pavanetti, poet, Uruguay/Spain (president of Liceo Poético de Benidorm, España).

Annabel Villar, poet, Uruguay/Spain.

Marvin García, poet, Guatemala.

José Carr, poet, Panamá.

Lenin Pérez Rango, journalist and diplomatic, Bolivarian Republic of Venezuela.

Zein elabdin Fouad, poet, Egypt.

Khal Torabully, poet, Mauritius.

Joseph Powell, poet/writer, United States.

José Urbano, poet, Spain.

Jean Portante, poet, novelist, translator, Luxembourg.

M’Hamed Khalak, editor, thinker, writer, Cactus & Papyrus Editions,

France.

Antonio Acevedo Linares, poet, Colombia.

Linda Vilhjálmsdóttir, poet, Iceland.

Hussein Habasch, poet, Sirya/Germany.

Mifrani Abdelhaq, poet and journalist, Morocco.

Xavier Lainé, writer, France.

Elham Bussiere, France.

Eddy Banaré, educator, Martinique / New Caledonia.

Metin Cengiz, poet, Turkey.

Nathalie Bleser, educator, Spain.

Caroline Ortoli, poet and cultural promoter, France.

Cristian Ortoli, poet and educator, France.

Miguel Sotomayor, poet, Cuba.

Rolando Revagliatti, writer, Argentina.

Francisco Morales Santos, poet, Guatemala.

Aqiil Gopee, poet, Mauritius.

Fred McNeill, poet, songwriter and activist, Scotland

Abdelmajid Benjelloun, poet. Marruecos.

Younisos, Morocco, poet, Morocco.

Ibrahim Nasrallah, poet, Palestine, Jordan.

Andrei Khadanovich, poet and president PEN de Bielorrusia.

Ahmed Ben Dhiab, artist, France.

María Piedad Ossaba, activist, France.

Mario Ossaba, painter, France.

Álvaro Marín Vieco, painter, Colombia.

Mirimarit Paradas, poet and writer, Bolivarian Republic of Venezuela

Leonardo Omar Onida, poet and founder of Festival Ottobre in Poesa and MoRePoSt: Movimento Restituzione Poetica Stupore, Italy.

Nilson Muniz, poet slammer, actor, singer, performer, Brazil.

Mario Castro Navarrete, poet, translator. Member Union of Writers of Romania.

Müesser Yeniay, poet, writer, translator, Turquía.

Sophie Boisson, poet and writer, Reunion Island.

Ingrid Wickström, Sweeden.

Annamaria Sottani, Italy.

Mary Mottahedeh, employed, United States.

Sarah Page, writer, United States.

Robert Boucher, poet, writer and engineer, United States.

Patricia Laranco, writer, Mauritius/France.

Alessandro Pugno, poet and filmmaker, Italia.

Josefa del Valle, Argentina.

Aixa Mendoza, sicologyst, Colombia.

Zelma Helena White, poet, Monserrat.

Haydeé S. Villar, social worker, Argentina.

Silvina Tettamanti Otamendi, lawyer, Argentina

Silvia Gómez, poeta, Argentina

EPEV- Poerrante, República Bolivariana de Venezuela.

Marisa. M. Pedini, educator, Argentina

Yury Weky, educator, República Bolivariana de Venezuela.

Emma Alcira Le Bozec, writer, Argentina,

Rocío Ailén Parafioriti, student, Argentina.

Arturo Santos Ditto, poet and journalist, Ecuador.

Gladys Mabel Suárez, poet and writer, Argentina.

Nora Salas, social sicologyst, Argentina.

Yanis Taieb, autor, Francia.

Jim Smith, poet, Estados Unidos.

María Isabel García Mayorca, poet, Colombia.,

Armando Orozco, poet, Colombia.

Tim Cleary, worker, writer, translator, Reino Unido.

Francesca Pirrone, Inglaterra.

Dyma Ezban, poet, México.

Alga Marina Elizagaray, writer, Cuba.

Imelde Sans, Junin, Argentina.

Fransiles Gallardo, poet and engineer, Perú.

 

O muro das lamentações palestinas
O muro das lamentações palestinas

Holocausto em Gaza. Protestos em Londres e Paris

Protestas masivas en Londres y París contra la operación israelí en Gaza

Londres contra o holocausto em Gaza. Foto Luke MacGregor
Londres contra o holocausto em Gaza.
Foto Luke MacGregor

Alrededor de 15.000 personas marcharon hoy por las calles de Londres, desde la residencia del primer ministro británico hasta la embajada de Israel, para protestar contra la operación de Tel Aviv en Gaza, según el periódico ‘The Guardian’.

En París, donde las acciones de protesta fueron prohibidas por el Gobierno “para mantener el orden público”, según el presidente francés, François Hollande, centenares de personas se unieron para apoyar a Palestina, chocando con la policía, que intentó a dispersarlos. También se han registrado protestas en otras ciudades francesas.

aujourd_hui.

the_independent.

A emergência humanitária agrava-se enquanto continuam os conflitos entre Israel e Hamas

L’Osservatore Romano – Enquanto continuam os conflitos entre Israel e Hamas, a população da Faixa de Gaza está cada vez mais exangue: morreram pelo menos 311 palestinos, na maioria civis, durante os doze dias de conflito, e são mais de 2.200 os feridos. «O número de pessoas que procuram abrigo nas estruturas da Unrwa entre ontem e hoje – informou a porta-voz da organização da Onu, Chris Gunness – aumentou de 22.000 para mais de 40.000».

As organizações internacionais que trabalham em Gaza lançam alarme todos os dias sobre a situação, falando sem meios termos de emergência humanitária. Segundo os dados revelados pelos operadores da Oxfam (confederação de 17 organizações não governamentais que trabalham no mundo inteiro contra a pobreza) são 260 as casas destruídas durante mais de 3.800 ataques israelitas realizados nos últimos dez dias. Quem paga as consequências mais terríveis da guerra são as camadas mais frágeis da população. Em apenas dez dias, desde quando iniciaram as hostilidades, em Gaza morreram 48 crianças, «em média quatro todos os dias» declarou Maria Calivis, directora regional da Unicef para o Médio Oriente e a África do Norte. E os conflitos continuam sem trégua.

Os discursos do Papa na Terra Santa

Raúl Arias
Raúl Arias

 

O Papa pediu hoje “perdão” pelas divisões que existem entre cristãos e pediu um compromisso de todos para chegar à “plena comunhão”, evocando no Vaticano os gestos ecuménicos da sua recente viagem à Terra Santa.

“Mais uma vez, como fizeram os Papas precedentes, eu peço perdão por tudo aquilo que fizemos para favorecer esta divisão”, declarou Francisco, perante dezenas de milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro para a audiência pública semanal.

“Peço ao Espírito Santo que nos ajude a curar as feridas que provocamos nos outros irmãos. Todos somos irmãos em Cristo”, acrescentou, recordando o encontro com o patriarca ecuménico de Constantinopla (Igreja Ortodoxa), Bartolomeu, na Basílica do Santo Sepulcro, em Jerusalém.

A inédita oração ecuménica, que decorreu no domingo, contou com a presença do patriarca greco-ortodoxo, Teófilo III, e do patriarca arménio apostólico, Nourhan, para além de arcebispos e bispos de outras Igrejas.

“Naquele lugar, onde ressoou o anúncio da ressurreição, sentimos toda a amargura e o sofrimento das divisões que ainda existem entre os discípulos de Cristo”, observou o Papa.

“Isto faz verdadeiramente muito mal, mal ao coração, ainda estamos divididos”, prosseguiu.

Francisco afirmou ainda que na celebração marcada pela “recíproca fraternidade, estima e afeto”, todos sentiram “a voz” de Jesus que “quer fazer de todas as suas ovelhas um só rebanho”.

“Sentimos o desejo de curar as feridas ainda abertas e de prosseguir com tenacidade o caminho para a plena comunhão”, declarou.

O Papa retomou algumas das questões abordadas na declaração conjunta que assinou com o patriarca Bartolomeu e apelou a fazer “tudo o que é possível fazer” para que os cristãos caminhem juntos.

“Rezar juntos, trabalhar em conjunto pelo rebanho de Deus, a paz, cuidar da criação, tantas coisas que temos em comum. Como irmãos, devemos ir em frente”, precisou.

Francisco realçou que a sua peregrinação à Terra Santa, entre sábado e segunda-feira, quis assinalar o 50.º aniversário do “histórico encontro” entre o Papa Paulo VI e o patriarca Atenágoras, de Constantinopla, que classificou como um “gesto profético”.

“Por isso, o meu encontro com sua santidade Bartolomeu, amado irmão em Cristo, representou o momento culminante da visita”, sustentou.

O Papa disse que esta viagem, com passagens por Amã, Belém, Jerusalém e Telavive, foi um “grande dom para a Igreja”.

 

– Como artesãos pacientes – na missa em Aman o convite do Papa a ser artífices de paz

A paz não se pode comprar, não está à venda. A paz é um dom que se deve buscar pacientemente e construir «artesanalmente» através dos pequenos e grandes gestos que formam a nossa vida diária. Consolida-se o caminho da paz, se reconhecermos que todos temos o mesmo sangue e fazemos parte do género humano; se não nos esquecermos que temos um único Pai no Céu e que todos nós somos seus filhos, feitos à sua imagem e semelhança.

 

– Por detrás dos mercadores de armas – um novo apelo a favor da Síria durante o encontro com os jovens refugiados e deficientes

Todos queremos a paz! Mas, vendo este drama da guerra, vendo estas feridas, vendo tantas pessoas que deixaram a sua pátria, que foram forçadas a partir, eu pergunto-me: quem vende as armas a esta gente para fazer a guerra? Eis aqui a raiz do mal! O ódio e a avidez do dinheiro, no fabrico e na venda das armas. Isto deve-nos fazer pensar em quem está por detrás, que fornece, a todos aqueles que estão em conflito, as armas para continuar o conflito! Pensamos e, do fundo do nosso coração, dizemos também uma palavra a esta pobre gente criminosa: que se converta.

 

– Chegou a hora da coragem – ao chegar a Belém o Pontífice convidou a gestos generosos e criativos para pôr fim ao conflito

Há decénios que o Médio Oriente vive as consequências dramáticas do prolongamento de um conflito que produziu tantas feridas difíceis de curar e, mesmo quando, felizmente, não se alastra a violência, a incerteza da situação e a falta de entendimento entre as partes produzem insegurança, negação de direitos, isolamento e saída de comunidades inteiras, divisões, carências e sofrimentos de todo o tipo.

 

– A violência não se vence com a violência – com as crianças no campo prófugos de Dheisheh

Nunca deixeis que o passado vos determine a vida. Olhai sempre para diante. Trabalhai e lutai para conseguir as coisas que vós quereis. Mas estai certos de uma coisa! A violência não se vence com a violência. A violência vence-se com a paz; com a paz, com o trabalho, com a dignidade de fazer progredir a pátria.

 

O sinal da criança – a homilia da missa celebrada na praça da Manjedoura em Belém

Infelizmente, neste mundo que desenvolveu as tecnologias mais sofisticadas, ainda há tantas crianças em condições desumanas, que vivem à margem da sociedade, nas periferias das grandes cidades ou nas zonas rurais. Ainda hoje há tantas crianças exploradas, maltratadas, escravizadas, vítimas de violência e de tráficos ilícitos. Demasiadas são hoje as crianças exiladas, refugiadas, por vezes afundadas nos mares, especialmente nas águas do Mediterrâneo. De tudo isto nos envergonhamos hoje diante de Deus, Deus que Se fez Menino.

Quem somos nós diante das crianças de hoje? Somos como Maria e José que acolhem Jesus e cuidam d’Ele com amor maternal e paternal? Ou somos como Herodes, que quer eliminá-Lo? Somos como os pastores, que se apressam a adorá-Lo prostrando-se diante d’Ele e oferecendo-Lhe os seus presentes humildes? Ou então ficamos indiferentes? Por acaso limitamo-nos à retórica e ao pietismo, sendo pessoas que exploram as imagens das crianças pobres para fins de lucro? Somos capazes de permanecer junto delas, de «perder tempo» com elas? Sabemos ouvi-las, defendê-las, rezar por elas e com elas? Ou negligenciamo-las, preferindo ocupar-nos dos nossos interesses?

 

Na minha casa de paz – o Papa Francisco convidou os presidentes palestinianos e israelianos a um encontro de oração no Vaticano

Todos desejamos a paz; tantas pessoas a constroem dia a dia com pequenos gestos; muitos sofrem e suportam pacientemente a fadiga de tantas tentativas para a construir. E todos – especialmente aqueles que estão colocados ao serviço do seu próprio povo – temos o dever de nos fazer instrumentos e construtores de paz, antes de mais nada na oração.

Construir a paz é difícil, mas viver sem paz é um tormento.

 

Do sonho para a realidade – ao chegar a Israel o Pontífice repropôs o convite a rezar pela paz e relançou a solução dos dois Estados

Venho peregrino à distância de cinquenta anos da histórica viagem do Papa Paulo VI.

Jerusalém significa «cidade da paz». Assim Deus a quer e assim todos os homens de boa vontade desejam que seja. Mas, infelizmente, esta cidade é ainda atormentada pelas consequências de longos conflitos. Todos nós sabemos quão urgente e necessária seja a paz, não só para Israel, mas também para toda a região.

 

A pedra removida do sepulcro – o Papa Francisco na celebração ecuménica em recordação do encontro entre Paulo VI e Atenágoras

Detenhamo-nos em devoto recolhimento junto do sepulcro vazio, para redescobrir a grandeza da nossa vocação cristã: somos homens e mulheres de ressurreição, não de morte. Aprendamos, a partir deste lugar, a viver a nossa vida, as angústias das nossas Igrejas e do mundo inteiro, à luz da manhã de Páscoa. Cada ferida, cada sofrimento, cada tribulação foram carregados sobre os próprios ombros do Bom Pastor, que Se ofereceu a Si mesmo e, com o seu sacrifício, abriu-nos a passagem para a vida eterna. As suas chagas abertas são como que a passagem através da qual se derrama sobre o mundo a torrente da sua misericórdia. Não nos deixemos roubar o fundamento da nossa esperança, que é precisamente este: Christòs anesti! Não privemos o mundo do feliz anúncio da Ressurreição! E não sejamos surdos ao forte apelo à unidade que ressoa, precisamente deste lugar, nas palavras d’Aquele que, já Ressuscitado, chama a todos nós «os meus irmãos» (cf. Mt 28, 10; Jo 20, 17).

Enquanto como peregrinos fazemos uma pausa nestes Lugares santos, a nossa recordação orante vai para a região inteira do Médio Oriente, tantas vezes marcada, infelizmente, por violências e conflitos. E não esquecemos, na nossa oração, muitos outros homens e mulheres que sofrem, em várias partes do mundo, por causa da guerra, da pobreza, da fome; bem como os inúmeros cristãos perseguidos pela sua fé no Senhor Ressuscitado. Quando cristãos de diferentes confissões se encontram a sofrer juntos, uns ao lado dos outros, e a prestar ajuda uns aos outros com caridade fraterna, realiza-se o ecumenismo do sofrimento, realiza-se o ecumenismo do sangue, que possui uma eficácia particular não só para os contextos onde o mesmo tem lugar, mas, em virtude da comunhão dos santos, também para toda a Igreja. Aqueles que matam por ódio à fé, que perseguem os cristãos, não lhes perguntam se são ortodoxos ou se são católicos: são cristãos. O sangue cristão é o mesmo.

 

Ninguém instrumentalize o nome de Deus – o apelo durante a visita ao grã-mufti de Jerusalém

desejei ardentemente vir como peregrino visitar os lugares que viram a presença terrena de Jesus Cristo. Mas esta minha peregrinação não seria completa, se não contemplasse também o encontro com as pessoas e as comunidades que vivem nesta Terra e, por isso, sinto-me particularmente feliz por me encontrar convosco, fiéis muçulmanos, irmãos amados.

Neste momento, o meu pensamento volta-se para a figura de Abraão, que viveu como peregrino nestas terras. Embora cada qual a seu modo, muçulmanos, cristãos e judeus reconhecem em Abraão um pai na fé e um grande exemplo a imitar. Ele fez-se peregrino, deixando o seu povo e a própria casa, para empreender aquela aventura espiritual a que Deus o chamava.

Um peregrino é uma pessoa que se faz pobre, que se põe a caminho, propende para uma grande e suspirada meta, vive da esperança duma promessa recebida (cf. Heb 11, 8-19). Esta foi a condição de Abraão, esta deveria ser também a nossa disposição espiritual. Não podemos jamais considerar-nos auto-suficientes, senhores da nossa vida; não podemos limitar-nos a ficar fechados, seguros nas nossas convicções. Diante do mistério de Deus, somos todos pobres, sentimos que devemos estar sempre prontos para sair de nós mesmos, dóceis à chamada que Deus nos dirige, abertos ao futuro que Ele quer construir para nós.

 

Nunca mais – no Yad Vashem a invocação do Papa

Homem, quem és? Já não te reconheço.
Quem és, ó homem? Quem te tornaste?
De que horrores foste capaz?
Que foi que te fez cair tão baixo?

 

– Juntos contra qualquer discriminação – aos grão-rabinos de Israel

Somos chamados, como cristãos e como judeus, a interrogarmo-nos em profundidade sobre o significado espiritual do vínculo que nos une. É um vínculo que vem do Alto, ultrapassa a nossa vontade e permanece íntegro, não obstante todas as dificuldades de relacionamento vividas, infelizmente, na história.- A paz exige o respeito de todos – ao presidente Peres o Papa renovou o apelo a superar controvérsias e conflitos

 

Muro das Lamentações. Papa Francisco repete Bento XVI

br_diario_comercio. papa muro

int_newyork_times. papa muro

As três religiões do deserto – o judaísmo, o cristianismo e o islamismo – adoram um mesmo Deus.

Repetindo Bentro XVI, o papa Francisco rezou em silêncio pela paz diante do Muro das Lamentações, o lugar mais sagrado do judaísmo, e depositou no local um bilhete escrito, com a oração do pai-nosso, ensinada por Jesus.

Francisco foi recebido pelo rabino chefe Samuel Rabinovitch, que preside à Fundação que gere este lugar santo judaico, e ouviu uma explicação histórica, em inglês, sobre a história do Templo de Jerusalém, diante de uma pequena maqueta.

O rabino recitou depois um salmo dedicado à cidade santa de Jerusalém, recitado também na liturgia católica.

O Papa aproximou-se depois do Muro e rezou em silêncio durante alguns minutos, retirando o bilhete do envelope para recitar a oração, escrita pela sua própria mão, em espanhol.

Fotos de Bento XVI

papa muro

 

papa coloca oração

Os shoppings foram construídos para manter os negros do lado de fora. Nada de rolezinho

charge_racismo_brasil

 

* Existe o apartheid negro no Brasil

* Os shoppings, novos templos do capitalismo branco

* A Polícia Militar, com um efetivo de praças negros, exerce o papel de feitor que, na escravidão legalizada do Brasil Colônia e do Brasil Império, era um serviço sujo realizado por negros também escravos

* Os muros do prefeito Eduardo Paes, no Rio de Janeiro, cercam os negros em guetos

* Não temos mais os negros fugidos e perseguidos pelo Exército, mas as polícias estaduais conquistam favelas em nome de uma paz das prisões sob vara, da tortura e da morte. São milhares de negros desaparecidos, sendo recente o caso Amarildo

 

ditadura racismo branco governo política

Os novos “vândalos” do Brasil

O rolezinho, a novidade deste Natal, mostra que, quando a juventude pobre e negra das periferias de São Paulo ocupa os shoppings anunciando que quer fazer parte da festa do consumo, a resposta é a de sempre: criminalização. Mas o que estes jovens estão, de fato, “roubando” da classe média brasileira?

por Eliane Brum/ El País, Espanha

O Natal de 2013 ficará marcado como aquele em que o Brasil tratou garotos pobres, a maioria deles negros, como bandidos, por terem ousado se divertir nos shoppings onde a classe média faz as compras de fim de ano. Pelas redes sociais, centenas, às vezes milhares de jovens, combinavam o que chamam de “rolezinho”, em shopping próximos de suas comunidades, para “zoar, dar uns beijos, rolar umas paqueras” ou “tumultuar, pegar geral, se divertir, sem roubos”. No sábado, 14, dezenas entraram no Shopping Internacional de Guarulhos, cantando refrões de funk da ostentação. Não roubaram, não destruíram, não portavam drogas, mas, mesmo assim, 23 deles foram levados até a delegacia, sem que nada justificasse a detenção. Neste domingo, 22, no Shopping Interlagos, garotos foram revistados na chegada por um forte esquema policial: segundo a imprensa, uma base móvel e quatro camburões para a revista, outras quatro unidades da Polícia Militar, uma do GOE (Grupo de Operações Especiais) e cinco carros de segurança particular para montar guarda. Vários jovens foram “convidados” a se retirar do prédio, por exibirem uma aparência de funkeiros, como dois irmãos que empurravam o pai, amputado, numa cadeira de rodas. De novo, nenhum furto foi registrado. No sábado, 21, a polícia, chamada pela administração do Shopping Campo Limpo, não constatou nenhum “tumulto”, mas viaturas da Força Tática e motos da Rocam (Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas) permaneceram no estacionamento para inibir o rolezinho e policiais entraram no shopping com armas de balas de borracha e bombas de gás.

Se não há crime, por que a juventude pobre e negra das periferias da Grande São Paulo está sendo criminalizada?

Primeiro, por causa do passo para dentro. Os shoppings foram construídos para mantê-los do lado de fora e, de repente, eles ousaram superar a margem e entrar. E reivindicando algo transgressor para jovens negros e pobres, no imaginário nacional: divertir-se fora dos limites do gueto. E desejar objetos de consumo. Não geladeiras e TVs de tela plana, símbolos da chamada classe C ou “nova classe média”, parcela da população que ascendeu com a ampliação de renda no governo Lula, mas marcas de luxo, as grandes grifes internacionais, aqueles que se pretendem exclusivas para uma elite, em geral branca.

Antes, em 7 de dezembro, cerca de 6 mil jovens haviam ocupado o estacionamento do Shopping Metrô Itaquera, e também foram reprimidos. Vários rolezinhos foram marcados pelas redes sociais em diferentes shoppings da região metropolitana de São Paulo até o final de janeiro, mas, com medo da repressão, muitos têm sido cancelados. Seus organizadores, jovens que trabalham em serviços como o de office-boy e ajudante geral, temem perder o emprego ao serem detidos pela polícia por estarem onde supostamente não deveriam estar – numa lei não escrita, mas sempre cumprida no Brasil. Seguranças dos shoppings foram orientados a monitorar qualquer jovem “suspeito” que esteja diante de uma vitrine, mesmo que sozinho, desejando óculos da Oakley ou tênis Mizuno, dois dos ícones dos funkeiros da ostentação. Às vésperas do Natal, o Brasil mostra a face deformada do seu racismo. E precisa encará-la, porque racismo, sim, é crime.

“Eita porra, que cheiro de maconha” foi o refrão cantado pelos jovens ao entrarem no Shopping Internacional de Guarulhos. O funk é de MC Daleste, que afirma no nome artístico a região onde nasceu e se criou, a zona leste, a mais pobre de São Paulo, aquela que todo o verão naufraga com as chuvas, por obras que os sucessivos governos sempre adiam, esmagando sonhos, soterrando casas, matando adultos e crianças. Daleste morreu assassinado em julho com um tiro no peito durante um show em Campinas – e assassinato é a primeira causa de morte dos jovens negros e pobres no Brasil, como os que ocuparam o Shopping Internacional de Guarulhos.

A polícia reprimiu, os lojistas fecharam as lojas, a clientela correu. Uma das frequentadores do shopping disse a frase-símbolo à repórter Laura Capriglione, na Folha de S. Paulo: “Tem de proibir este tipo de maloqueiro de entrar num lugar como este”. Nos dias que se seguiram, em diferentes sites de imprensa, leitores assim definiram os “rolezeiros” (veja entrevista abaixo): “maloqueiros”, “bandidos”, “prostitutas” e “negros”. Negros emerge aqui como palavra de ofensa.

 “As novelas já vendiam uma vida de luxo há muito tempo, só que nelas os ricos eram os que pertenciam ao mundo de riqueza. Nos videoclipes de funk ostentação, são os pobres que aparecem neste mundo.”

O funk da ostentação, surgido na Baixada Santista e Região Metropolitana de São Paulo nos últimos anos, evoca o consumo, o luxo, o dinheiro e o prazer que tudo isso dá. Em seus clipes, os MCs aparecem com correntes e anéis de ouro, vestidos com roupas de grife, em carros caros, cercado por mulheres com muita bunda e pouca roupa. (Para conhecer o funk da ostentação, assista ao documentárioaqui). Diferentemente do núcleo duro do hip hop paulista dos ano 80 e 90, que negava o sistema, e também do movimento de literatura periférica e marginal que, no início dos anos 2000, defendia que, se é para consumir, que se compre as marcas produzidas pela periferia, para a periferia, o funk da ostentação coloca os jovens, ainda que para a maioria só pelo imaginário, em cenários até então reservados para a juventude branca das classes média e alta. Esta, talvez, seja a sua transgressão. Em seus clipes, os MCs têm vida de rico, com todos os signos dos ricos. Graças ao sucesso de seu funk nas comunidades, muitos MCs enriqueceram de fato e tiveram acesso ao mundo que celebravam.

Esta exaltação do luxo e do consumo, interpretada como adesão ao sistema, tornou o funk da ostentação desconfortável para uma parcela dos intelectuais brasileiros e mesmo para parte das lideranças culturais das periferias de São Paulo. Agora, os rolezinhos – e a repressão que se seguiu a eles – deram a esta vertente do funk uma marca de insurgência, celebrada nos últimos dias por vozes da esquerda. Ao ocupar os shoppings, a juventude pobre e negra das periferias não estava apenas se apropriando dos valores simbólicos, como já fazia pelas letras do funk da ostentação, mas também dos espaços físicos, o que marca uma diferença. E, para alguns setores da sociedade, adiciona um conteúdo perigoso àquele que já foi chamado de “funk do bem”.

A resposta violenta da administração dos shoppings, das autoridades públicas, da clientela e de parte da mídia demonstra que esses atores decodificaram a entrada da juventude das periferias nos shoppings como uma violência. Mas a violência era justamente o fato de não estarem lá para roubar, o único lugar em que se acostumaram a enxergar jovens negros e pobres. Então, como encaixá-los, em que lugar colocá-los? Preferiram concluir que havia a intenção de furtar e destruir, o que era mais fácil de aceitar do que admitir que apenas queriam se divertir nos mesmos lugares da classe média, desejando os mesmo objetos de consumo que ela. Levaram uma parte dos rolezeiros para a delegacia. Ainda que tivessem de soltá-los logo depois, porque nada de fato havia para mantê-los ali, o ato já estigmatizou-os e assinalará suas vidas, como historicamente se fez com os negros e pobres no Brasil.

Jefferson Luís, 20 anos, organizador do rolezinho do Shopping Internacional de Guarulhos, foi detido, é alvo de inquérito policial, sua mãe chorou e ele acabou cancelando outro rolezinho já marcado por medo de ser ainda mais massacrado. Ajudante geral de uma empresa, economizou um mês de salário para comprar a corrente dourada que ostenta no pescoço. Jefferson disse ao jornal O Globo: “Não seria um protesto, seria uma resposta à opressão. Não dá para ficar em casa trancado”.

Por esta subversão, ele não será perdoado. Os jovens negros e pobres das periferias de São Paulo, em vez de se contentarem em trabalhar na construção civil e em serviços subalternos das empresas de segunda a sexta, e ficar trancados em casas sem saneamento no fim de semana, querem também se divertir. Zoar, como dizem. A classe média até aceita que queiram pão, que queiram geladeira, sente-se mais incomodada quando lotam os aeroportos, mas se divertir – e nos shoppings? Mais uma frase de Jefferson Luiz: “Se eu tivesse um quarto só pra mim hoje já seria uma ostentação”. Ele divide um cômodo na periferia de Guarulhos com oito pessoas.

Neste Natal, os funkeiros da ostentação parecem ter virado os novos “vândalos”, como são chamados todos os manifestantes que, nos protestos, não se comportam dentro da etiqueta estabelecida pelas autoridades instituídas e por parte da mídia. Nas primeiras notícias da imprensa, o rolezinho do Shopping Internacional de Guarulhos foi tachado de “arrastão”. Mas não havia arrastão nenhum. O antropólogo Alexandre Barbosa Pereira faz uma provocação precisa: “Se fosse um grupo numeroso de jovens brancos de classe média, como aconteceu várias vezes, seria interpretado como um flash mob?”. Leia mais 

Mujeres del Muro

por Uri Avnery 

 

muro

Había un hombre israelí que de vez en cuando ponía tiras de papel en las grietas entre las piedras del Muro de las Lamentaciones, pidiendo favores a Dios, tal como han hecho los judíos durante siglos. Ellos creen que las puertas del cielo están situadas justamente encima del Muro, lo que facilita que sus misivas lleguen rápidamente.

Este hombre siempre se había preguntado qué es lo que las demás personas le pedían al Todopoderoso. Una noche su curiosidad pudo con él. A primera hora de la mañana se acercó al Muro, extrajo todos los trozos de papel y los comprobó. Todo ellos tenían el sello de “Denegado”.

Esta broma es típica de la actitud de muchos israelíes hacia la construcción que cada ciertos meses desencadena un alboroto político y religioso.

muro das

 

Ahora está ocurriendo de nuevo. Un grupo de mujeres judías feministas (la mayoría de origen estadounidense, por supuesto) insiste en rezar en el Muro vestidas con los velos de rezo (talith) y llevando filacterias (tefilin). Los ortodoxos las atacan físicamente, la policía tiene que impedirlo, la Knéset y los tribunales intervienen.

¿Por qué? De acuerdo con la ley religiosa judía, las mujeres no tienen permitido llevar velos de rezo ni por supuesto filacterias, las cuales se ponen los hombres ortodoxos en la frente y el antebrazo. No se les permite tampoco mezclarse con los hombres en el lugar más sagrado del judaísmo.

La parte del Muro dedicada a la oración mide unos 60 metros de largo. De ellos, doce están reservados a las mujeres, separados por una pequeña división.

Parece que la mayoría de las religiones están obsesionadas con el sexo. Suponen que si un hombre religioso ve a una mujer, sin importar su edad o aspecto, se va a excitar y no podrá pensar en nada más. Así que, lógicamente, las mujeres deben esconderse.

Las “Mujeres del Muro”, de las cuales muchas no son ni siquiera religiosas, quieren romper el tabú mediante la provocación. Ahí lo tenéis.

muro das lamentações

 

Dos años antes del nacimiento de Israel, fui a mirar el Muro de las Lamentaciones por primera vez. Fue una experiencia conmovedora.

Para llegar al lugar tenías que pasar un laberinto de estrechos callejones árabes. Al final te encontrabas en un estrecho enclave de unos tres metros de ancho. A tu izquierda estaba el Muro, una imponente estructura monumental compuesta por enormes rocas. Para ver la parte de arriba tenías que echarte para atrás y mirar al cielo.

Al otro lado había un muro mucho más bajo, detrás del cual se encontraba el antiguo y pobre barrio de Mugrabi (maghribi, o sea magrebí, marroquí).

(…)

Hasta entonces, el Muro de las Lamentaciones no era el principal lugar de oración de los judíos.

Peregrinos de todo el mundo llegaban a Jerusalén y rezaban en la cima del Monte de los Olivos, con vistas a Monte del Templo. Pero este lugar sagrado ya no era seguro porque mientras que el Imperio de los Mamelucos estaba desmoronándose, beduinos vagabundos había estado robando a los peregrinos.

Además, para los judíos de la ciudad que vivían junto a los musulmanes, el Muro de las Lamentaciones estaba mucho más cerca de sus hogares. Así que se abandonó el lugar sagrado del Monte de los Olivos. Hoy encontramos allí un hotel de lujo.

Muchos israelíes creen que el Muro de las Lamentaciones debería ser declarado monumento nacional laico, independientemente de sus connotaciones religiosas. Pero el Estado de Israel lo ha declarado lugar sagrado y lo ha puesto bajo la única jurisdicción del rabino jefe. Una pena para las Mujeres del Muro.

Recientemente Nathan Sharansky ha propuesto un compromiso: acomodar un espacio adicional cerca del muro y permitir que pueda rezar allí todo el mundo: hombres o mujeres, con o sin velo de rezo, presuntamente hetero o gay o lesbiana. La panacea.

Puede que los rabinos acepten el compromiso, o puede que no. Puede que se permita que las mujeres recen sin arriesgarse a ser arrestadas, o puede que no. Pero la verdadera pregunta es por qué el estado ha dado control absoluto de este lugar, que es tan importante para tanta gente, a los rabinos. Después de todo, solo representan a una minoría de Israel como para todos los judíos del mundo.

Puede que la respuesta sea política, pero afecta a un asunto mucho más importante: la falta de separación entre estado y religión.

La situación ha sido justificada – incluso por israelíes ateos – con el argumento de que Israel depende del apoyo del mundo judío. ¿Y qué une al mundo judío? La religión. (Por cierto, Leibowitz me dijo una vez que lo que une al mundo judío es el recuerdo del holocausto).

Bajo una doctrina de estado, Israel es la nación-estado del pueblo judío. Bajo la doctrina sionista, el pueblo judío y la religión judía son una única y misma cosa. Por lo tanto, no hay ni puede haber separación.

Si alguien quiere convertir Israel en un país normal debe rechazar estas dos doctrinas. Los israelíes son una nación y el Estado de Israel pertenece a su nación. Cada ciudadano, hombre o mujer, debería poder rezar a quién quiera, en cualquier sitio público, incluido el Muro de las Lamentaciones.

El Monte del Templo (conocido por los musulmanes como Haram Sharif, el santuario venerable), incluyendo el Muro de las Lamentaciones y, a una corta distancia, la Iglesia del Santo Sepulcro, son inmensamente importantes para miles de millones de personas y deberían ser un factor para la paz.

Solo podemos esperar que en algún momento en el futuro cumplirán con esta misión. Leer más