DE LA CALLE AL CONGRESO. Líderes estudiantiles chilenos buscan ser diputados

[No Brasil, os líderes estudantis são presos. E fichados, pela polícia, como membros de facções criminosas. O Brasil é mais pinochetista que o Chile]

Camila-Vallejo h

A poco más de un mes de convertirse en madre primeriza, Camila Vallejo cierra su campaña a diputada por la populosa comuna de La Florida, donde ella creció.

Sube al escenario sonriente, con jeans y su cabello a medio recoger, pero ahora no le habla sólo a estudiantes. Padres, niños y ancianos se congregaron para escuchar a una de las mayores figuras del movimiento estudiantil que en 2011 sacó a miles de personas a las calles, en reclamo de una educación pública, gratuita y de calidad.

En la tarima, Camila, de 25 años y egresada recién de Geografía, llama a todos a votar el domingo y afirma que éste es el “inicio de una nueva primavera, de un nuevo ciclo político en Chile” con la misma convicción con la que llamó a derribar el sistema educativo heredado de la dictadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

Vallejo, que saltó a la fama tras presidir la poderosa Federación de Estudiantes de la Universidad de Chile, postula por el Partido Comunista, que para esta elección se unió al pacto Nueva Mayoría, la coalición de la exmandataria socialista Michelle Bachelet, favorita para ganar la elección presidencial del domingo, que se realiza junto con la parlamentaria.

Su apoyo a Bachelet es visto por algunos como una traición. En enero de 2012, afirmó que “jamás estaría dispuesta a hacer campaña por Bachelet ni llamar a los jóvenes a votar por ella”.

Pero ahora la respalda con fuerza. En sus carteles aparece apoyada en su hombro, bajo el lema “juntos vamos al Congreso”.

“Es una decisión política que asumimos para poder hacer viable y materializables las demandas de la calle en un futuro gobierno, en un futuro parlamento”, explica Vallejo en una entrevista con la AFP.

El Partido Comunista, relegado por años de la primera línea de la política chilena, resolvió tempranamente apoyar a Bachelet, a cambio de asegurar el respaldo a sus candidatos al Parlamento, entre ellos Vallejo, que tiene casi asegurada su elección.

Un camino distinto

El expresidente de la federación de Estudiantes de la Universidad Católica Giorgio Jackson optó por un camino distinto. Formó un movimiento político, Revolución Democrática, y decidió postularse como independiente por la comuna de Santiago, al no lograr un acuerdo con Nueva Mayoría para definir los candidatos de la comuna en primarias.

Pero por expresa petición de Bachelet, el pacto no inscribió competidores en esa comuna, apoyando a Jackson, que a sus 26 años y recién titulado como Ingeniero Civil, tiene también casi asegurada su elección

“No quiero ser un espectador, sino un actor. Y ser un actor es también asumir responsabilidades y poder aprovechar esa responsabilidad”, dice Jackson a la AFP, tras reunirse con un grupo de amas de casa y jubiladas en un club social de Santiago, a la mitad de su campaña.

El movimiento que lo apoya, integrado por jóvenes profesionales desconfiados de los partidos políticos tradicionales, resolvió no apoyar a Bachelet aunque en una eventual segunda vuelta Jackson ha señalado que apoyaría a la exmandataria, que ha comprometido una profunda reforma educacional.

De las calles al Congreso

En 2011, Giorgio y Camila lideraron más de 40 multitudinarias marchas por Santiago, haciendo tambalear el gobierno del derechista Sebastián Piñera. Camila deslumbró al mundo por su belleza, la convicción y serenidad para plantear la necesidad de cambios radicales.

Giorgio, por su parte, fue alabado por su templanza pero también por el manejo de cifras y elementos técnicos. Otros dirigentes estudiantiles de esa época, como la comunista Karol Cariola, y los independientes de izquierda Gabriel Boric y Francisco Figueroa postulan también al congreso.

¿Qué aprendieron de la calle?

“Aprendí a desconfiar. Aprendí a organizarme, aprendí a presionar y también aprendí a comunicar algunas cosas. Y a escuchar mucho, eso es lo que uno más hace”, dice Jackson a la AFP.

Ahora, desde el Congreso, ambos buscan ser la voz de los estudiantes pero también de otros movimientos sociales que irrumpieron a la par de los estudiantes.

“La educación fue mi leitmotiv para poder ingresar al parlamento, es mi razón, pero ya avanzando en el tema educacional, yo creo que también hay otros temas, el tema de las pensiones, el tema de la salud, que viven la misma crisis que la educación y también los temas medioambientales”, dice Camila, que debió hacer un alto en el acto para amamantar a su pequeña hija, Adela.

(República, Uy)

Mestranda detida e agredida pela PM de Eduardo Campos

Carta de agradecimento
Eu, Carolina Figueiredo de Sá, estudante do mestrado em Educação neste centro, gostaria de, por meio desta, agradecer publicamente o forte apoio e solidariedade prestados por diversos professores da UFPE, estudantes e advogados quando de minha detenção na última manifestação estudantil em defesa do passe livre.
No dia 23 de outubro, participei do 10º protesto pelo passe livre em Recife, que contou inicialmente com cerca de 300 estudantes. As escolas da região central tiveram suas aulas canceladas (!) pela manhã, no intuito de diminuir a participação estudantil no ato. Porém, jovens de pouca idade, mas muito entusiasmo, mantêm-se mobilizados desde os grandes protestos de junho. Tribos e estilos variados, mas com reivindicações comuns, e uma clara percepção de que é preciso lutar para obter mudanças.
Renovadas as esperanças de minha geração e de outras que me antecederam, o que vi foi que nem mesmo a violência desmedida e injustificável da polícia contra os estudantes os fizeram desanimar.
Vinha acompanhando as notícias sobre os protestos dos últimos meses, mas desta vez, presenciei aquilo que vem sendo frequentemente denunciado em diversos estados: as arbitrariedades e a brutalidade ostensiva das forças de repressão, bem como a distorcida (se não, mentirosa) cobertura da grande imprensa sobre os fatos, salvo algumas exceções.
Logo pela manhã os programas de rádio ‘alertavam’ a população de que haveria uma manifestação de “baderneiros e mascarados” na cidade. Vejo um duplo objetivo nisto: influenciar os pais dos estudantes a não permitirem que estes fossem ao protesto, e, ao mesmo tempo, gerar um ambiente de temor que legitimasse antecipadamente a violência policial perante a sociedade.
De fato, a polícia pressionou muito desde o início da manifestação, com diversas provocações, tomando à força bandeiras e escudos dos estudantes, sem nenhum motivo. Na Visconde de Suassuna, alguns policiais adentraram na passeata e um adolescente foi preso simplesmente porque portava um deles. Vários estudantes tentaram impedir sua prisão, mas a polícia abriu fogo generalizado; uma verdadeira saraivada de balas de borracha, de uma ponta à outra da rua, acertando mais de uma dezena de estudantes que corriam – perplexos e indignados.
Carolina Figueiredo de Sá
Terrorismo policial
Após o cuidado com os feridos (socorro este, dificultado pela polícia), a manifestação prosseguiu em direção à GPCA, delegacia para a qual o jovem detido havia sido levado, para exigir sua libertação. No caminho, vi uma jovem de 16 anos ser brutalmente jogada no chão pelo oficial militar que comandava a operação, dando início à outra confusão. Ela, juntamente com outros estudantes, apenas gritava palavras-de-ordem contra a cobertura da imprensa. Ao tentar defendê-la, também fui agredida, derrubada no chão, tendo o rosto pisado contra o asfalto pelo policial militar, e levado dois tapas na cara, já imobilizada. Ambas fomos conduzidas para a GPCA, e, no trajeto, a adolescente ainda continuou sendo agredida com puxões de cabelo pela policial feminina – ao que reagi, coibindo novas agressões.
Diante do quadro que temos visto em todo o país, em que estudantes e professores detidos em protestos são frequentemente acusados de “formação de quadrilha”, “aliciamento de menores”, dentre outros crimes, a preocupação era de que o mesmo acontecesse comigo e os dois adolescentes presos. No entanto, todo o apoio político e jurídico recebido por nós foi fundamental para que fôssemos soltos no mesmo dia.
Assim, agradeço à direção do Centro de Educação, na pessoa do professor Daniel Rodrigues, e os professores Rui Mesquita, Socorro Gomes e Luís Momesso, que estiveram pessoalmente na delegacia, transmitindo força e confiança naquele momento, bem como à professora Ana Cláudia R. Pessoa, minha orientadora, que prestou seu apoio e solidariedade.
Agradeço também aos advogados Maria José (que esteve presente mesmo tendo outros planos para seu dia de aniversário), Noélia Brito (que nos defendeu em meio às suas férias), Érik de Souza (que também tem acompanhado vários protestos estudantis) e à ADUFEPe, que disponibilizou sua assessoria jurídica.
Ao Diretório Acadêmico de Pedagogia da UFPE e a todos os estudantes que se mantiveram em vigília até o final do dia, pressionando por nossa liberação imediata, meu agradecimento e admiração pela dedicação à luta.
[O título da carta é do editor do blogue. Os governadores comandam as polícias militares. Eles ordenam as agressões contra os manifestantes, inclusive crianças e adolescentes].

España. Los estudiantes piden una huelga de tres días de toda la comunidad educativa

1es

2es

6es

Fotos Fernando Sánchez
Fotos Fernando Sánchez

Cientos de miles de profesores, padres y estudiantes llenaron ayer las calles de más de medio centenar de ciudades para protestar contra la reforma educativa del ministro de Educación, José Ignacio Wert, y sus recortes. La huelga también fue calificada de “éxito” por la Plataforma Estatal de la Escuela Pública, integrada por sindicatos y colectivos de enseñanza, que cifró el seguimiento en más de un 80%.

Sin embargo, el Sindicato de Estudiantes ha dejado claro que una huelga de un día no es suficiente para parar la “contrarreforma” de Wert. Los estudiantes han parado no un día, sino tres, y es lo que pretenden repetir acompañados por toda la comunidad educativa. “El próximo mes de noviembre tiene que ser de intensa movilización, por eso pedimos a los padres y a los profesores que para entonces preparemos una huelga de 72 horas en la que estemos todos juntos”, ha demandado Ana García, secretaria general del Sindicato de Estudiantes, al término de la manifestación este jueves.

La dirigente sindical advirtió a Wert que, ante la multitudinaria movilización, al día siguiente debería “comparecer” para “rectificar” los recortes en educación, readmitir a los profesores despedidos -unos 60.000 según la Plataforma- retirar la Lomce. Algo que, como era previsible, no ha ocurrido. “Hoy hemos dado una lección de unidad de toda la comunidad educativa, una verdadera demostración de fuerza”, aseguró, tras lo que advirtió que el Sindicato de Estudiantes continuará con la lucha por una educación pública.

¿Hacia una huelga indefinida de la educación?

La huelga indefinida en Baleares el mes pasado abrió un camino nuevo en la lucha por la educación pública. Una idea que se lleva reivindicando muchos meses por parte de algunos colectivos integrantes de la marea verde, como Soy Pública. El Sindicato de Estudiantes no se ha pronunciado claramente a favor de esta iniciativa, pero sí ha dejado claro que no descartan “absolutamente nada, ni siquiera la huelga indefinida”.

Por parte de los sindicatos de profesores que integran la Plataforma, la cosa no parece estar tan clara. “Las huelgas son muy problemáticas y sólo organizar una jornada de huelga tiene detrás mucho trabajo y sacrificio”, apuntó Augusto Serrano, de STES, el mes pasado. “La prioridad es buscar puntos de consenso en las movilizaciones, buscar puntos de trabajo conjunto”, añadió Francisco García, de CCOO.

En una entrevista con La Marea hace unos meses, Ana García aseguró: “Estamos decidido a ir a por todas. Queremos que [Wert] retire la subida de tasas, el decreto de becas y la Lomce. Que devuelva todo el dinero que está robando a la educación pública y que readmitan a los profesores. Vamos a empezar por ahí y vamos a ver si es capaz de aguantar la presión”.

 

117 professores da USP assinaram uma carta aberta para se posicionarem contra a greve estudantil

 charge_latuff_usp

A carta e os nomes dos assinantes. que deixam claro qual o papel dos professores.  

Uma vez mais, vivemos na FFLCH a paralisação de grande parte de nossas atividades

acadêmicas. Embora decorrência de um movimento político legítimo do corpo discente,

não se pode deixar de notar que a imposição forçada da greve ao conjunto da Faculdade

se dá por métodos de coerção inaceitáveis e inapropriados ao convívio universitário.

Também não se pode deixar de alertar para os efeitos deletérios que tal situação impõe

ao processo educacional e à pesquisa.

Diante desse quadro, temos optado automaticamente por uma adesão ilimitada ao

movimento estudantil em nome da solidariedade. Temos abdicado de apontar e condenar

as derivas autoritárias e truculentas de uma parcela nem sempre representativa dos

alunos. Temos, sobretudo, cultivado a irresponsabilidade de comportamento ao sinalizar

que, seja qual for a duração da paralisação, o conjunto dos alunos não será prejudicado.

Essa postura tem promovido um aviltamento da importância das atividades de ensino e

pesquisa que são ciclicamente interrompidas, tem alimentado a escalada de

agressividade e conflito entre os membros da comunidade, tem, por fim, esvaziado o

próprio potencial político das lutas por uma melhor universidade.

Acreditamos que é mais do que hora de mudar vigorosamente de atitude.

Não desconhecemos que as atuais estruturas de poder da USP sejam pouco permeáveis

às aspirações coletivas, mas reconhecemos, igualmente, o esgotamento das soluções

que afetam irrecuperavelmente nosso cotidiano de trabalho e estudo. Manifestamo-nos,

não contra a greve estudantil, e sim contra métodos de ação como “cadeiraços”,

barricadas e piquetes, que impedem o livre acesso às salas de aula e o diálogo entre

professores e estudantes.

É excepcionalmente grave que se tenha tornado tão banal a interrupção forçada de um

trabalho universitário sério e precioso, que nutre nossas esperanças de um futuro mais

digno e socialmente justo. Não podemos mais aceitar passivamente essa insana espiral.

Desde que as barricadas se levantam para impedir aulas, a obstrução física se impõe,

esvaziando toda possibilidade de concerto e tolhendo as liberdades de cada um. Desde

que os piquetes começam, a vontade da minoria militante impera, dificultando ouvir as

vozes dissonantes, mesmo majoritárias, sepultando o diálogo entre os próprios

estudantes e destes com os docentes. Desde que invasões e ocupações são

apresentadas como primeira estratégia, os canais de comunicação com a administração,

já rarefeitos, afunilam-se ainda mais e minguam, abrindo caminho para o pior.

Reafirmamos o nosso respeito ao direito dos alunos de mobilizarem-se em torno das suas

reivindicações. Ao mesmo tempo, condenamos firmemente a ação política que faz uso de

métodos coercitivos e autoritários, afastando mais do que mobilizando a maioria dos que

frequentam e trabalham em nossos prédios. É necessário recuperar a capacidade de

mobilização por meio do diálogo e do convencimento, características que definem a

própria natureza da Universidade. Ao abrirmos mão dessas qualidades, igualamo-nos a

um regime qualquer, no qual as vontades se impõem pela força, esvaindo-se não muito

tempo depois, sem deixar conquistas, apenas traços de intolerância e isolamento.

 Os nomes dos professores que repudiam o movimento estudantil. Uma vergonha! Eis a resposta dos estudantes

A USP dos Dinossauros Excelentíssimos?

prof_dinossauro

Sobre os professores que fazem um abaixo assinado contra métodos aprovados em assembleias estudantis, dizendo que é uma minoria de extremistas que promovem baderna. Sua opinião sequer deve ser respeitada. Isso é muito absurdo.

O piquete no meu curso, a Letras, ganhou em todas as assembleias. Inclusive na última, na segunda-feira, dia 21, quando mais de 500 estudantes estiveram presentes. O piquete só teve de ser aprovado, pois professores se achavam no direito de quando votamos pela greve na primeira semana de mobilização, dar aulas, provas e trabalhos.

Mais de 1.000 estudantes da FFLCH votam greve e piquete em assembleias de curso com discussões de dias, comandos de greve e mobilização, saem às ruas, apanham da polícia, correm risco de punição acadêmica…parte deles ocupam a reitoria e sofrem sem água e luz em situação quase insalubre.

Já os 150 professores, cuja maioria sequer saiu de seus gabinetes para debater com a própria categoria, assinam seu nome precedido do famoso “Dê-Erre” num manifesto de repúdio, e querem ser a voz moral de uma comunidade acadêmica de humanidades com mais de 15 mil membros.

É sobre essa pretensão de poder, que nós, grevistas há 23 dias estamos tratando. Chega de decisões por cima de uma burocracia inócua e adaptada ao fechamento político, à repressão, ao sucateamento do ensino. Chega da voz dos “Dê-Erres” serem ouvidas 500 vezes mais alto que a voz de cada estudante nos órgãos de poder da USP. (R.G.)

Recife. A velha imprensa conta uma história; e os jovens, outra

A versão da imprensa é a mesma da polícia do governador Eduardo Campos.

BRA^PE_JDC guerra rec

O Resistência Pernambucana repudia os atos de abuso de autoridade por parte da polícia militar contra uma integrante menor de idade do Resistência Pernambucana na tarde de ontem.

Uma de nossas bravas guerreiras foi vítima da truculência do nosso órgão de segurança pública, sem nenhuma resistência à detenção, a nossa companheira recebe um “mata-leão” do policial (sem identificação, como sempre).

Essa atitude por parte da PM é uma ofensa ao Estatuto da Criança e Adolescente. Nossa companheira foi humilhada e agredida e levada para GPCA, mas nossa luta é maior que a repressão policial!

Nosso governador quer calar a juventude, mas nossa geração é valente e não vamos nos deixar abalar por mais um ato de repressão, vamos tomar todas as medidas possíveis para denunciar esse abuso à integridade da nossa companheira. A luta continua!

Esperamos que a mesma mídia que tenta denegrir, diariamente, a imagem dos movimentos sociais, perceba que, na implantação de uma ditadura plena, eles serão os primeiros a ‘chiar’.

No vídeo, a PM impedindo que alguns jornalistas independentes do vermelho à esquerda filmem suas arbitrariedades.

Cenas de dois jovens manifestantes, uma delas com 13 anos, feridos na manifestação, com balas de borracha!

Muita repressão policial. Muita bala de borracha nos manifestantes, cacetete, spray de pimenta, tornando cada vez mais clara a situação emergencial de crise na democracia de Pernambuco e do Brasil.

Vários companheiros nossos estão presos, inclusive menores na GPCA. Confira vídeo de uma companheira nossa sendo detida

La marea amarilla vuelve a inundar la capital catalana para defender la educación pública

elperiodico. Espanha

Una vez más, la comunidad educativa catalana ha hecho una demostración de fuerza en las calles de Barcelona. Decenas de miles de personas, entre las que había una presencia predominante de estudiantes, han completado una masiva manifestación en la capital catalana en contra de la reforma de la ley de educación.

Decenas-Barcelona-LOMCE-EDU-BAYER_EDIIMA20131024_0421_14

Decenas-Barcelona-LOMCE-EDU-BAYER_EDIIMA20131024_0554_13

La marcha está encabezada por una pancarta que dice: ‘La educación del pueblo en manos del pueblo. No volveremos a las épocas grises”.

Veja vídeo

Temos que aprender com os espanhóis. Promover marchas com crianças. Uma manifestação do povo, principalmente dos estudantes, é uma lição de civismo. Veja o vídeo. Um dia o brasileiro, como acontece nas marchas pela paz e por Jesus, dos padres e pastores eletrônicos, irá para as ruas para defender o direito de uma vida feliz: moradia, emprego digno, um futuro para os filhos da Pátria Amada Brasil.

ensino educação

Polícia do governador Eduardo Campos contra os estudantes

Escreve a Folha de S. Paulo: Um protesto (…) no Recife nesta quarta-feira (23) terminou em confronto entre manifestantes e policiais e teve ao menos dois adolescentes apreendidos.

O ato foi convocado pela Frente Independente Popular de Pernambuco, e foi o décimo realizado pelo grupo desde os protestos de junho. Segundo a Secretaria de Defesa Social [Secretaria de Segurança Pública], cerca de 70 pessoas participaram do ato, algumas usando máscaras ou com os rostos pintados. [Os caras-pintadas promoveram várias manifestações que culminaram no impeachment de Collor, em 1992]

A concentração ocorreu pela manhã no parque Treze de Maio, próximo à Câmara Municipal, de onde o grupo saiu em caminhada pela cidade até por volta das 15h (horário local).

balas de borracha foram disparadas

Imagens publicadas na internet pelos manifestantes em uma página intitulada Resistência Pernambucana mostram uma estudante ferida na perna, possivelmente por bala de borracha, e outra sendo deitada no chão por um policial.

No início da noite, a Secretaria da Defesa Social divulgou nota afirmando um grupo “mais exaltado ” começou o confronto por volta das 12h10, havendo correria e arremesso de objetos contra os policiais, que revidaram com balas de borracha e gás pimenta.

A PM informou que apreendeu dois adolescentes, ambos de 17 anos. Um deles estava, segundo a PM, pichando um ônibus, e o outro, obstruindo uma avenida. Eles foram levados [presos] à GPCA (Gerência de Polícia da Criança e do Adolescente).

Noélia de Brito, que acompanhou a jovem prisioneira, agredida pelos policiais: “Um policial a jogou no chão e, em seguida, aplcou-lhe uma gravata. Ela sofreu, ainda, escoriações no ombro e no braço, declarou a advogada. A menor realizou exame de corpo delito no Instituto de Medicina Legal (IML). Já sobre o rapaz, Noelia informou que “não ficou provado que foi ele”.

Cínica e descaradamente, a assessoria de imprensa da PM informou que: “caso a adolescente deseje, pode fazer uma denúncia sobre a conduta do policial na Corregedoria da SDS”. Denúncia? Para que serve o exame de corpo delito?

Qualquer favelado do Recife sabe: polícia bateu, está batido. Polícia matou, está matado. E tem uma lei que proíbe os pais espancarem os filhos. Polícia não é pai. É pau-mandado do governador. É pau no lombo do povo. Povo é que nem criança. Povo calado, povo educado. O cacetete da polícia substitui a palmatória.

 

Um bando de selvagens para prender uma garota de 17 anos
Um bando de selvagens para prender uma garota de 17 anos

Resistência Pernambucana repudia os atos de abuso de autoridade por parte da polícia militar contra uma integrante menor de idade do Resistência Pernambucana na tarde de hoje(23/10/2013) no décimo ato em prol do passe livre. Uma de nossas bravas guerreiras foi vítima da truculência do nosso órgão de segurança pública, sem nenhuma resistência à detenção, a nossa companheira recebe um “mata-leão” do policial (sem identificação, como sempre). Essa atitude por parte da PM é uma ofensa ao estatuto da criança e adolescente, nossa companheira foi humilhada e agredida e levada para GPCA, mas nossa luta é maior que a repressão policial! Nosso governador quer calar a juventude, mas nossa geração é valente e não vamos nos deixar abalar por mais um ato de repressão, vamos tomar todas as medidas possíveis para denunciar esse abuso à integridade da nossa companheira. A luta continua! 

Vídeos do prende e arrebenta policial