Christine Epaud e a magia negra da multiplicação de empresas

 

Fundar empresas no Brasil é coisa fácil para a funcionária pública Christine Epaud.

A última lista que apresentei:

1. Atlantica Estate Investimentos Imobiliários Ltda
2. Nova Dimas Construção 2005 Ltda
3. Sol Brasils Com. & Construção Ltda
4. E Faros Processamento de Computação Ltda
5. C. Epaud
6. Loan Investimentos Imobiliários Ltda
7. Restaurante Marbella Ltda
8. Brazil Real Estate e Construção Ltda
9. RGN Brasil Incorporações Imobiliárias Ltda

 Apresento mais duas:
10. Gege Construcão e Comunicacão Ltda
11. Areia Preta Construtora Ltda
Tem mais empresas. Depois divulgo. Deixa eu pegar o CNPJ.
Olha que usa os termos
Investimentos, duas vezes nos nomes das empresas
Imobiliário ,duas vezes
Imobiliária, uma vez
Construção, três vezes
Processamento de computação, uma vez
Como uma funcionária pública, sem eira nem beira, da noite para o dia, ficou proprietária de tantas empresas?

Rico precisa pagar imposto já

No Rio Grande do Norte, a empresária Christine Epaud  paga imposto. Indireto. Como faz qualquer bolsa-família. Que o ministro da Fazenda mande investigar.

Tem mais empresas que funcionários. Nove empresas na minha última contagem. Vou apresentar mais. Que o ministro do Trabalho mande investigar.

E vive no tráfico. No tráfico aéreo. Paris via Natal. Se morasse no Brasil, por ser funcionária pública, precisava de uma autorização assinada pela governadora Rosalba Ciarlini, e pelo secretário de Administração, e publicada no Diário Oficial. Mas faz publicidade internacional de que é funcionária do Tribunal de Justiça. A lei de turismo é a mesma.

Todo funcionário briga por um birô. Até a presidente Dilma Rousseff tem. Nenhum potiguar sabe onde fica o de Christine. Mais difícil descobrir quanto ganha para não trabalhar. Visivelmente.

O Brasil é o país das Epaud, que tem quatro nacionalidades e, possivelmente, quatro passaportes.

Pedir dinheiro emprestado para ricos. Piada! Eles vão querer juros e mais juros.

O jornalista Sebastião Nery mostra o caminho:

“O governo francês anunciou a revisão de Orçamento de 2012, com aumento de 7,2 bilhões de euros em impostos de setores mais ricos do pais, para reduzir o déficit público. Como o partido de François Hollande, o PS, ganhou a maioria no Parlamento em junho, a proposta deve ser aprovada.

Na campanha eleitoral de maio, Hollande pediu crescimento para os países da zona do euro. Para 2013, seu governo cobrará menos impostos da industria e classe media e 75% sobre fortunas acima de 1 milhão de euros.

No Brasil, a política do PT é tirar da indústria e dar aos banqueiros”.

As relações perigosas do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte

Há muito pantim na manchete para informar quase nada.

Os escândalos dentro do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN) não se resumem apenas ao setor de precatórios. O escândalo da vez diz respeito à venda de decisões judiciais. O juiz da 4ª Vara Criminal de Natal, Raimundo Carlyle acatou denúncia formalizada pelo Ministério Público Estadual contra a funcionária do TJRN Ana Lígia Cunha de Castro, assessora do desembargador Rafael Godeiro a época das investigações, pelo crime de corrupção passiva. A denunciada é acusada de receber R$ 10 mil para influenciar na decisão judicial favorável aos interesses da advogada Sônia Abrantes de Sousa.

Segundo a denúncia do MP, Rafael Godeiro não teria conhecimento dessa negociação.

(Esta notícia valoriza Rafael Godeiro)

Sônia Abrantes ofereceu e pagou R$ 10 mil a Ana Lígia de Castro.

(Dez mil reais. Num dá um precatório. Um precatório tem que ser superior a dez salários mínimos)

Ana Lígia de Castro, servidora cedida pelo Tribunal Regional do Trabalho  ao TJ e filha do advogado e juiz aposentado Lavoisier Nunes de Castro.

(A notícia insinua a negociação de outras sentenças.

E mais: que há nepotismo no TJ-RN.

E que sobram funcionários no TRT. E que estão lotados nos gabinetes presidenciais. Caso de Christine Epaud, aposentada por invalidez no INSS do Brasil, idem no INSS da França, o CRAMIF. E lá, por ser esposa de um francês, Gilles Epaud, com quem continua casada, conseguiu fazer, no século passado, um transplante de rim, que não lhe impediu de continuar funcionária da Secretaria de Administração do Rio Grande do Morte, morando no exterior.

E pra completar: recebeu ou está para receber um gordo precatório do TRT. E, inválida, vive viajando. Possui três cidadanias, isto é três passaportes, e ainda encontra forças para tocar os variados negócios de suas empresas que são perto de vinte, e os alheios como procuradora de estrangeiros, acumulando com o cargo de “bispa” de uma igreja na África, cujo site foi retirado da internet. Só no Chalezinho Francês, na Praia do Meio, em Natal, são quatro. Isso chamei de suingue de empresas.

No TJ-RN não perde nenhuma causa. Talvez por morar na França… na  Rue Lecourb, 253 – sétimo andar, apto 768 – 15 setor – Paris – 75015. Endereço conhecido de muitos colegas de trabalho e/ou turismo. Turismo dela pelo Rio Grande do Norte. Turismo deles quando vão a Paris)

Certidão da Publicação no DJe

Relação : 241/2008 Data de Publicação: 10/10/2008 Data Circulação: : 09/10/2008 Número do Diário: Dje Ano I – Edição 228 Página: Data de Vencimento:

08/10/2008

Aguardando Relação/Publicação no DJe

Relação: 0241/2008

07/10/2008

Decisão Interlocutória

Vistos, etc. CHRISTINE EPAUD, qualificada, assistida por advogado, ajuizou a presente ação ordinária contra o ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, pretendendo, em provimento liminar, o reenquadramento no quadro de pessoal do Tribunal de Contas do Estado, do qual foi relotada para a Secretaria de Estado da Administração e dos Recursos Humanos pela Resolução nº 03/93-TC, publicada no Diário Oficial de 11.01.1993. Aduz que sua relotação foi resultado de uma decisão administrativa caracterizada por falta de contraditório e de ampla defesa. Juntou documentos de fls. 11/64. Relatado, decido. A tutela antecipatória dos efeitos da sentença de mérito é revestida da capacidade de proporcionar ao autor a satisfação antecipada, total ou parcial, da própria pretensão. Para a concessão de tão importante instrumento na busca pela eficácia da prestação juri sdicional, alguns requisitos devem ser inequivocamente demonstrados, consoante preconiza o art. 273 e incisos do CPC, in verbis: Art. 273. O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, desde que, existindo prova inequívoca, se convença da verossimilhança da alegação e: I-haja fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; ou II-fique caracterizado o abuso de direito de defesa ou o manifesto propósito protelatório do réu. No caso em tela, porém, a urgência na medida requerida não se justifica, levando-se em consideração o longo lapso temporal entre o ato de relotação da autora (11.01.1993) e o ajuizamento da presente ação. Note-se que há mais de 15 (quinze) anos a requerente passou por essa mudança funcional sem ter acorrido antes ao Judiciário. Como para a concessão de tutela antecipada, é necessária a verificação simultânea dos pressupostos da verossimi lhança da alegação e do fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação, a ausência de um deles, a urgência, implica a desnecessidade da apreciação do outro pressuposto, e sobretudo impede a concessão do pleito. Nada obsta, entretanto, que a tutela seja concedida por ocasião da prolação da sentença. CONCLUSÃO Diante do exposto, indefiro o pedido liminar requerido pela autora, determinando a citação do ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, por intermédio da Procuradoria Geral, para que possa responder à ação no prazo legal. Se a resposta contiver preliminar ou documento novo, intime-se A demandante para se manifestar em 10 (dez) dias. Em seguida abra-se vista ao Representante do Ministério Público. Defiro o pedido de justiça gratuita. Publique-se. Intimem-se.

(Defiro o “pedido de justiça gratuita”. Esta de justiça gratuita é bem interessante. Para conseguir depende de um atestado de pobreza. Isso porque Christine Epaud nunca pagou imposto de renda. Só na compra do Chalezinho Francês (ela tem outro hotel) apresentou duvidosos recibos para o desembargador Anderson Silvino num valor que passa da conta, e ninguém sabe dizer bem quanto, pra lá de meio milhão. É uma pobre inválida, dependente da justiça gratuita.  Sobre a notícia do Diário de Natal leia mais) Escrevi os textos entre parênteses.


Noruegueses lavavam dinheiro através de investimentos imobiliários

O Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte (MPF/RN)  30 pessoas (lista abaixo) envolvidas na Operação Paraíso, desencadeada pela Polícia Federal em 9 de maio. A operação prendeu 11 pessoas, de origem  principalmente norueguesa, acusadas de diversos crimes, entre eles, lavagem de dinheiro, que atuavam através de investimentos imobiliários no litoral do Rio Grande do Norte.

De acordo com a denúncia do MPF, ao contrário do que se pensava inicialmente, de que  os suspeitos sob investigação integravam uma única organização, chegou-se a conclusão de que há, na verdade, pelo  menos cinco organizações criminosas. Elas possuem condutas e integrantes distintos ou que se entrelaçam, mas que claramente mantêm relação entre si. Por esse motivo, foram ajuizadas quatro denúncias, que classificam os réus de acordo com o modo de operação.

No primeiro grupo, encontra-se a família Rassol, diretamente ligada a organização criminosa norueguesa B-Gang, e os ajudantes diretos. Eles foram denunciados pelos crimes de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e crime contra o sistema financeiro.

Os demais grupos, além de serem denunciados por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, são acusados de praticar dois crimes contra o sistema financeiro (evasão de divisas e prestar informação falsa em operação de câmbio) e falsidade ideológica.

O quinto grupo ficou de fora das primeiras denúncias porque a Polícia Federal continua investigando e os réus não se encontram presos. Além disso, o crime contra a ordem tributária também não foi denunciado porque a Receita Federal  continua em investigação.

As denúncias foram encaminhadas à 2ª Vara da Justiça Federal. Casos sejam condenados, os réus podem pegar até 28 anos de reclusão, além de terem que pagar multa.

Lista de denunciados:

GRUPO 1:
Ghulam Abbas, Zahid Rasool, Shahid Rasool,  Yasir Rasool, Qaiser Rasool, Faisal Rasool, Trygve Kristiansen, Bjorn Thomas Lovstad, Oisten Hansen, Bianca Solan Hansen e Terje Falkenhall.

GRUPO 2:
Trygve Kristiansen, Arvid Birkeland, Odd Vegar Kolstad, Terje Falkenhall, Guilherme Vieira da Silva e Ivan Antas Pereira Pinto Júnior.

GRUPO 3:
Bjorn Thomas Lovstad, Michele Dantas Lovstad, Erlend Vatne e Milton Torres de Carvalho Barbosa Júnior.

GRUPO 4:
Tom Hagbru, Benjamin Murad, Thomas Belseth, Lars Hjelde, Geir Lovseth, Margaret Eidsaeter, Alberto Áulio Medeiros Nelson, Analydce De Brito Guerra Da Silva, Márcio De Castro Fonseca, Oisten Hansen, Bianca Solan Hansen, Odd Arne Hauge, Geir Asbjorn Pettersborg  e Carlos Alberto Da Silva Dantas.

Talita Bulhões
Assessoria de Comunicação
Procuradoria da República no Rio Grande do Norte
Fones: (84) 3232-3960 / 9926-9037

 —
T.A.: Os citados traficantes de moedas ainda atuam na especulação imobiliária do Rio Grande do Norte?
Quais negociam com os tribunais, Governo Estadual, prefeituras, câmaras municipais, Assembléia Legislativa?
O Triegv Kristiansen é parente do Thomas Kristiansen, sócio de Christine Epaud, na empresa Sol Brazils Com. & Construção.
Já noticiei:
Registrada como micro empresa, tendo como sede um quartinho do Chalezinho Francês, apesar de ser uma construtora de edifícios. Sócia responsável Christine Epaud, com 2% do capital. Sócio Administrador Thomas Kristiansen, com 49%. Acontece que nos registros do Ministério da Fazenda não aparece o nome do detentor dos restantes 49%. Não sabia que se podia registrar empresa com proprietário de nome ignorado. Mesmo que seja laranja. É, realmente, uma empresa com sócio fantasma. A Sol Brazils possui vários terrenos praieiros. Onde cantam os grilos anônimos.
Thomas Kristiansen, sócio e genro de Christine Epaud
Thomas Kristiansen, sócio e genro de Christine Epaud

2 – Quem é o sócio de Christine Epaud?

A Noruega não é o Brasil. Lá não tem essa de segredo eterno, sigilo fiscal, justiça secreta com foro especial, segredo de justiça, prêmio oculto da Caixa Econômica. Em um país democrático, onde existe justiça, tudo é transparente.

A Noruega não tem o sol de Natal, paraíso do crime internacional, mas lá reina a claridade. No Brasil reina a escuridão.

As declaracões de imposto de renda estão na internet.

Snorre Fossland
Ganha de 6% acima da média para Londres (£ 265,852)
Impostos 4% acima da média para Londres (£ 97,269)
Tem uma fortuna de 100% menos do que a média para Londres (£ 596,988)
Ganhe £ 32,17 / hora durante todo o ano

Snorre Fossland parece certinho. Parece. Mas tudo indica que esconde a fortuna dele no Brasil, como proprietário de imóveis e empresário. Em Natal tem vida de luxo. Mora em um milionário apartamento.

Ele o sócio da laranja Christine Epaud nos hotéis Beira-Mar e Chalezinho Francês? Isso o desembargador Aderson Firmino desconhece.

Sei que  é sócio de Christine Epaud numa empresa “pequenina”, que registrou na Receita Federal do Brasil. Taí outra dinheirama de origem desconhecida.

Denunciei:

E Faros Processamento de Computação

Registrada como micro empresa de comércio varejista especializado de equipamentos e suprimentos de informática.
Sócio responsável e administrador Christine Epaud. Com 40 % do capital. E Snorre Fossland, com 60% do capital, é apenas um mero sócio. Um empresário sem faro para comandar a micro empresa.

Os negócios dessa empresa são desconhecidos. É uma das quatro ou cinco lavanderias sediadas no Chalezinho Francês. Inlusive duas são de construção de prédios de luxo. E todas micro empresas.

Christine usa o sobrenome Fossland na sociedade de Natal, e Spaud na justiça. Explicando melhor: ora é a esposa de Fossland, ora de Spaud (Gilles, um francês bandido todo, cuja história misteriosa vou contar.). Christine tem duas filhas com o sobrenome Jeytoo. É isso aí. Ninguém sabe qual o verdadeiro nome, nem o sobrenome dessa falsária. Assim considerada pelo então juiz Airton Pinheiro, que engavetou o processo da venda de um (1) hotel, que virou dois (2), por oito (8) anos. Um engavetamento suspeito, escandaloso, vergonhoso.

Todo engavetamento considero um julgamento parcial, encoberto, mascarado. Todo engavetamento beneficia alguém. Sempre. No caso, Dona Flor e seus dois maridos.

(Continua)

 

P.S.: Venho sendo ameaçado. O desembargador Aderson Sivino e o juiz Airton Pinheiro sabem que toda Natal treme de medo dessa bandidagem que cerca Christine Epaud. Em um despacho: garante o desembargador Aderson Sivino que Christine Epaud não ameaça. Quem é fiador de Christine Epaud passa a ser fiador da minha vida. Que não vou parar com as minhas denúncias. Falta Justiça em Natal. As polícias estadual e federal não estão nem aí. O Rio Grande do Norte é um Estado sem lei, sem governo. Os jornais da Noruega chamam Natal de ˜Paraíso do Crime”. Por quê?

Por que a Receita Federal e a Polícia Federal não investigam as cinco empresas sediadas em um mesmo endereço: um quartinho escuro do Chalezinho Francês. Por que permitem tal escândalo?  Empresas cadastradas na Receita Federal. Isso é crime.

Jornalismo se faz com coragem e sonho. Sonho por uma Justiça Justiça. Acredito que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) agirá. Morrerei por este sonho.

Vi nascer a Faculdade de Direito de Natal. O governador Dinarte Mariz me disse:  – Eu não tenho o curso primário, arrimo de família, tive que trabalhar desde menino, mas fundarei a Universidade do Rio Grande do Norte.

Vi a luta de Djalma Aranha Marinho para ver este sonho realizado.

Também fui amigo pessoal das duas primeiras turmas de bacharelandos da Faculdade de Direito de Natal. E de todos os professores.

Eu conheci um Rio Grande do Norte com o povo sem medo, confiante na Justiça.

Natal, a minha amada Natal, foi entregue à bandidagen internacional.

 

 

1 – Quem é o sócio de Christine Epaud?

Thomas Kristiansen de Skien

O genro Thomas Kristiansen de Skien é sócio da sogra Christine Epaud em uma empresa de construção de edifícios de luxo em Natal, registrada como micro empresa.
Pergunto para as autoridades do Brasil (Ministro da Fazenda, Receita Federal, governadora do Rio Grande do Norte, secretário das Finanças do Rio Grande do Norte, Junta Comercial):
– Uma pequena empresa, micro, conforme registro na Receita Federal, pode vender e construir edifícios e condomínios de luxo e comprar valiosos terrenos e outros imóveis?

E mais, como Thomas Kristiansen arranjou dinheiro, que chegou ao Brasil falido, como ex-presidiário, duas vezes preso na Noruega, por sonegação e desfalque?

Vou repetir a denúncia aqui, o criminoso Thomas Kristiansen é sócio da

Sol Brazils Com. & Construção

Registrada como micro empresa. Apesar de ser uma construtora de edifícios. Sócia responsável Christine Epaud, com 2% do capital. Sócio Administrador Thomas Kristiansen, com 49%. Acontece que nos registros do Ministério da Fazenda não aparece o nome do detentor dos restantes 49%. Não sabia que se podia registrar empresa com proprietário de nome ignorado. Mesmo que seja laranja. É, realmente, uma empresa com sócio fantasma. A Sol Brazils possui vários terrenos praieiros. Onde cantam os grilos anônimos.

Este Thomas Kristiansen já foi preso pela Polícia Federal do Brasil, e solto, e negou que fosse sócio de qualquer empresa.

Veja que ele aparece nesta notícia com sócio de outros bandidos:

“Thomas Kristiansen, que ainda é o dono de 47,5 por cento das ações da empresa Solbrasil AS. Os outros dois acionistas são Frode Olafsen com 47,5 por cento, e Ole Bjørn Valen de Skien, com cinco por cento. Valentine é dono das ações através de sua construtora Brevik, empresa que também foi declarada falida“.

Chistine Epaud, ex-empregada doméstica na França, apareceu sem nenhum dinheiro para comprar dois hotéis, e montar cinco empresas em Natal. De onde veio este dinheiro? Na duvidosa e suspeita compra de dois hotéis na Praia do Meio, o Chalezinho Francês e o Beira-Mar, apresentou duvidosos recibos para despacho do desembargador Aderson Sivino. Que validou os recibos. Uma vergonha.

Quero saber de onde veio o dinheiro para quitar esses dois hotéis, com preços para lá de desvalorizados?

O desembargador Aderson Sivino não sabe a origem nem o destino. Mas considerou a existência desse dinheiro. Isto é, eta justiça camarada, considerou como “legítimo”, real, palpável, dedável e contado, esse

* dinheiro não depositado em nenhuma agência bancária
* dinheiro não declarado `a Receita Federal
* dinheiro que entrou ilegalmente no Brasil
* dinheiro de origem duvidosa

E dinheiro em espécie. Dinheiro papel moeda. ˜Vultuosa soma” – reconheceu o desembargador Aderson Sivino em despacho. Seiscentos cinquenta mil reais. Cr$ 650,000,00. Mais de meio milhão. Para transportar esta grana toda, contrataram quantas jamantas de mudança?

E, finalmente, dinheiro com paradeiro ignorado. O desembargador Aderson Sivino também desconhece o destino desse dinheiro fantasma, laranja e invisível.

(Continua)

O bem amado da justiça do RN

A vida livre e nababesca de Thomas Kristiansen em Natal, “Paraíso do Crime”

Thomas Kristiansen, duas vezes preso na Noruega

Jornal da Noruega – DN no – historia como Thomas Kristiansen conquistou Natal.

Tradução do Babel XL:

Thomas Kristiansen (35) é gerente geral da e é dono de metade da empresa Solbrasil. Ele estava de férias em Natal e gostou do lugar. No verão passado, ele estabeleceu uma empresa especializada em comunicação, apartamentos e casas na área de Natal para os noruegueses. Kristiansen tem um fundo na indústria do entretenimento em Porsgrunn. Mas pubs e discotecas dele tinham o péssimo hábito de ir à falência. Ainda em abril do ano passado (2005) Kristiansen tesoureiro, teve o “benefício” de 775,000 milhões. O tribunal distrital decidiu em Skien, em 2000, condenar Kristiansen à prisão por um ano e dois meses. O veredito referia a ele como um cavaleiro falência típico.

Kristiansen motorista Solbrasil não come sozinho.

Ele é sócio com Frode. Frode vive uma vida reclusa, e administra os assuntos internos da empresa, diz o advogado Aslak Rannestad, na Procuradoria Barfod e Propriedade, em Langesund, que coopera com Solbrasil.

Frode Olafsen (30) está ocupado em outras fontes, quando não estava de férias ou a vender apartamentos no Brasil. Através da empresa ProTech, também conhecida como a loja do espião, vendia Olafsen equipamentos de pesos, equipamento de gravação oculta, binóculos noturnos e coletes à prova de balas. 14 dias após o roubo NOKAS, a Polícia entrou em ação contra a loja do espião loja. Vários dos coletes à prova de balas que estavam em uso durante o assalto em Stavanger, foi adquirido na Loja Spy. Olafsen já tinha sido, anteriormente, condenado por receptação e roubo agravado.

De qualquer maneira, as vendas NOK Solbrasils obterá uma torção em um futuro próximo. O gerente-geral e gerente de vendas Thomas Kristiansen, em breve, cumprirá sua segunda condenação por apropriação indébita de fundos. Será um tempo de espera na prisão por um ano.

Jogo fácil. Santiago Hounie, diretor da polícia de imigração e da Interpol, representante em Natal, está fortemente preocupado com o crescente número de criminosos estrangeiros que buscam refúgio na área local. No Rio Grande do Norte.

– Temos um aumento enorme em matéria penal. De Estrangeiros que vêm aqui, disse ele.

– E com eles vem um monte de dinheiro. Se estabelecem no mercado imobiliário, vida nocturna, a prostituição, sim. Eles estão fazendo para tornar lojas regulares no shopping aqui. Porque eles vivem uma vida normal com suas esposas e filhos, é difícil para nós fazer alguma coisa. Este é um grande problema para nós, diz Hounie.

Ele admite que tem recursos limitados para colocar em.

– Infelizmente. Nós não temos tantos que podem monitorar isso. Temos pouca informação sobre os criminosos estrangeiros, e nós temos muito pobre cooperação com as autoridades policiais em seus países de origem. Assim, você pode dizer que é muito inteligente deles para investir aqui.

O policial tem pontos interessantes. Na Noruega, uma mudança recente na legislação, determina que o governo pode confiscar propriedades ou bens se o infrator não provar que os bens foram obtidos legalmente.

Mas talvez não seja tão fácil de encontrar tais ativos ou investimentos se eles estão no Brasil?

– Não há dúvida de que há algo acontecendo no Brasil, diz Jan Erik Nybakk, que até fevereiro era o líder da Seção Interpol de NCIS.


Comentário de Talis Andrade, editor único deste blog:

A empresa de Thomas Kristiansen funciona no Chalezinho Francês, que conforme decisão do judiciário de Natal, foi adquirido pela sogra desse foragido da justiça da Noruega.
O dinheiro para a compra do hotel tem origem desconhecida. E mais desconhecido ainda o destino. Trata-se de um caso que coloca em suspeita juiz, procurador e desembargador envolvidos.

Essa relação da justiça com a família Epoud, Christiane, Gilles e Thomas, dá nojo. O Conselho Nacional de Justiça precisa investigar.

Christiane é sócia do genro na Solbrasil, com 2% do capital. O terceiro sócio, Frode Olafsen, com 49% do capital, também bandido, estranhamente, não aparece na papelada de registro no Ministério da Fazenda, Receita Federal, nem Secretárias da Fazenda das prefeituras e Governo do Rio Grande do Norte. A Solbrasil tem o seguinte nome de registro: Sol Brazils Com. & Construção. 

A Christiane é sócia doutra empresa de construção, de Thomas Kristiansen e
 Arturo Lazaro Rocandio, com 2% do capital – a  Nova Dimas Construção 2005. Todas localizadas em um mesmo endereço, no Chalezinho Francês, doado pelo judiciário do Rio Grande do Norte para Christiane Epaud. Nas praias de Natal você encontra as placas: terrenos da Sol Brazils.