Papa Francisco criticou hoje a exploração da mão-de-obra barata. O trabalho “não pode ser considerado uma variável dependente dos mercados financeiros e monetários”

indignados trabalhador mercadoria

 

O Papa Francisco disse hoje no Vaticano que o “direito fundamental” ao trabalho tem de se sobrepor aos ditames dos mercados, criticando uma economia global que explora a mão-de-obra barata.

“Um dos aspetos do atual sistema económico é a exploração dos desequilíbrios internacionais no custo do trabalho, que conta com milhares de milhões de pessoas que vivem com menos de dois dólares por dia”, advertiu, num encontro com os participantes na assembleia plenária do Conselho Pontifício Justiça e Paz, da Santa Sé.

O Papa sublinhou que este desequilíbrio não só “não respeita a dignidade daqueles que fornecem a mão-de-obra barata” mas também “destrói fontes de emprego nas regiões onde o trabalho é mais protegido”.

Francisco deixou votos de que o Estado Social não seja “desmantelado” e sustentou que o trabalho “não pode ser considerado uma variável dependente dos mercados financeiros e monetários”.

“Coloca-se aqui o problema de criar mecanismos de tutela dos direitos do trabalho, bem como do ambiente, perante uma una crescente ideologia consumista”, advertiu.

A intervenção apelou ainda a “reformas profundas” que promovam a redistribuição da riqueza e a “universalização dos mercados livres” ao serviço das pessoas e das nações.

“Se a globalização aumentou de forma notável a riqueza total do conjunto e de vários Estados individuais, ela exacerbou também as diferenças entre os vários grupos sociais, criando desigualdades e novas pobrezas, mesmo nos países considerados mais ricos”, observou.

O Papa considera que o crescimento destas desigualdades e da pobreza “ameaça a democracia inclusiva e participativa”, que pressupões “uma economia e um mercado que não excluam”.

 

Panamá y Brasil. La corrupción no es cultura popular

Panamá = Brasil
Canal = Ferrovia
Istmo = Berço esplêndido

corrupção democracia

Alainet

 

 

La corrupción viene en muchas formas y tamaños. Lo que caracteriza a la corrupción, en general, es la forma en que los empresarios se apropian de los bienes públicos de manera fraudulenta. La corrupción no es parte de la cultura popular. Es el resultado de las condiciones estructurales que predominan en una sociedad.

La corrupción se presenta especialmente en las luchas para llegar al poder político y/o para conservar el poder político. Los distintos grupos sociales pugnan por alcanzar el poder político y usan – entre sus herramienta – la corrupción. Hay casos en que la corrupción es legalizada (hay leyes que la protegen) y/o legitimada (los valores sociales prevalecientes lo aceptan).

Políticamente, la corrupción en Panamá (y en el resto del mundo) es generalizada. Puede ser perseguida como delito, protegida por la ley y/o aceptada por los valores de la sociedad. En este sentido, hay quienes pretenden decir que la corrupción es parte de la cultura panameña. No hay algo más alejado de la realidad.

¿Qué se entiende por “cultura”? La cultura es lo que heredamos de nuestros antepasados. Hay que incluir todas las influencias que recibieron de otras culturas. Como diría un filósofo, somos dueños de nuestro destino pero subordinados a la realidad (cultura) de la cual formamos parte. Gran parte de la historia de Panamá (colonial y republicana) se asocia a la cultura “comercial” en la zona de tránsito (‘transitista’). Panamá ha experimentado otros momentos – breves – en que sectores o fracciones de clase productivas han logrado apoderarse de las instancias gubernamentales y orientado el país en otra dirección. (Se destacan los periodos del Estado Federal en el siglo XIX y el régimen militar del siglo XX).

El siglo XXI quizás constituye el período de mayor mercantilización de nuestra política. La generación de riqueza ha sido reducida casi exclusivamente a la circulación de mercancías. No hay producción. Panamá tiene, por ejemplo, un PIB de 36 mil millones de dólares según cifras oficiales. Apenas, 4 mil millones, un poco más del 10 por ciento, es generado por el sector productivo. El resto de la riqueza es producto de la especulación, en forma de comercio y de las transacciones internacionales que utilizan a Panamá como plataforma.

Los especuladores imponen una cultural consumista/mercantilista. En política el voto tiene un precio. En cultura la expresión artística tiene un precio. Todos los valores como la lealtad, la honradez y la amistad tienden a cotizarse en el merado. En la actualidad, la corrupción tiene un sabor a comercio.

La duración de este estilo de acumulación sin sustento productivo es históricamente muy breve. Puede durar 10 años. El país no produce, la riqueza pasa de las manos de los pobres a la de los ricos a escala mundial. Panamá que se encuentra en la ‘zona de tránsito’ recoge las migajas de los excedentes que circulan por el mundo.

A diferencia de los especuladores, los sectores productivos impulsan una cultura de trabajo y educación. La corrupción tiene un significado negativo y es condenada por la sociedad. No quiere decir que se erradica la corrupción. Es menos abierta pero igualmente orgánica. La corrupción que presenciamos en Panamá (o en cualquier otro país) es el resultado de las luchas entre los grupos y clases sociales que aspiran al poder. Hay una mala noticia y otra buena. La primera es que el problema de la corrupción no se puede resolver con leyes. Los corruptos meten más gente presa y aparecen muchos más para reemplazarlos. Como ocurre en la actualidad, la mayor parte de la población no cuenta con los recursos para defenderse. La buena noticia es que la corrupción puede resolverse mediante cambios claves o estratégicos en la estructura social. La educación es importante. Pero la educación tiene que concebirse para convertir a todos los jóvenes en trabajadores altamente calificados y productivos contribuyendo a crear nuevas riquezas en el país.

En la actualidad, el gobierno panameño que maneja un presupuesto superior a los mil millones de dólares para la educación manifiesta, abiertamente y en sus documentos, que quiere crear un sistema para formar trabajadores improductivos. El objetivo de quienes controlan políticamente el país es tener mano de obra abundante y barata para apropiarse de riquezas (o despojar a quienes tienen riqueza). Este sistema de educación (que se basa en la noción de “competencias”) sólo favorece a los grupos que acumulan sobre la base de la captura de excedentes de la producción de otros países que utilizan el istmo (sobre el cual se construyó el Canal) para pasar sus mercancías de manera más expedita.

La corrupción es un factor que frena y paraliza el desarrollo del país. Esta realidad panameña tiende a agudizarse desde la década de 1990 hasta el presente. Circula mucho dinero en manos de unos pocos. La gran mayoría de la población tiene “empleos informales” -no produce riqueza social- recibe remuneraciones precarias, se le impide participar políticamente y sus organizaciones son destruidas. Se convierten en “clientes políticos” de los grandes comerciantes y especuladores. El actual sistema político descarta al trabajador informal, lo excluye, lo margina. Eso se llama corrupción.

corrupção geral todo povo

Portugal: Dois terços dos estudantes universitários pretendem emigrar. Que planeja o estudante brasileiro?

O Brasil tem cerca 6,3 milhões de estudantes de graduação, e 173 mil na pós-graduação.

Espanhóis escondem currículo 

Para aumentar suas chances de conseguir emprego, profissionais na Espanha estão escondendo qualificações em seus currículos, segundo uma pesquisa de consultorias e sindicatos.

A grave crise econômica que atinge o país com a maior taxa de desemprego da União Europeia (22,9%) está levando engenheiros, administradores de empresa, técnicos de informática e até ex-diretores a ‘piorar’ currículos em busca de empregos de baixa qualificação.

Também está acontecendo a mesma tragédia no Brasil. Basta dar como exemplo os bacharéis que concorrem a emprego de ensino médio no serviço público.

Em Portugal, um estudo realizado pelas associações e de estudantes conclui que 69% dos universitários inquiridos têm intenções de emigrar após concluírem os seus ciclos de estudos.

“Os dados recolhidos relevam uma percentagem preocupante – cerca de 69% – de estudantes com intenções de emigrar após concluírem os seus ciclos de estudos, essencialmente em busca de melhores condições laborais”, indicam os resultados do inquérito relativo à “Mobilidade Profissional e à Internacionalização do Emprego Jovem”.

O resultado preliminar do estudo realizado a nível nacional por associações académicas e de estudantes revela que a Europa é o “destino preferencial” dos jovens qualificados com intenções de emigrar, indica a Federação Académica do Porto (FAP).

A maior parte dos inquiridos considerou ainda que “não existem mecanismos informativos sobre os diversos países europeus” e que isso significa que há uma “barreira” à internacionalização do emprego.

Existe mercado brasileiro para os bacharelandos?

 Tem que queira abrir as porteiras para a mão de obra estrangeira, quando se sabe que as multinacionais, no primeiro escalão, são dirigidas por estrangeiros. Com contratos firmados na matriz. Que nas filiais brasileiras pagam salários desconformes e humilhantes.
Indicador da desaceleração da economia brasileira no primeiro semestre de 2012, a quantidade de postos de trabalho com carteira assinada caiu. Falta mão de obra qualificada, uma das justificativas.
A imprensa nunca esclarece o que é mão de obra qualificada: O termo tradicionalmente designa o trabalho manual empregado diretamente na produção industrial.
Que falta, realmente, no Brasil: mão de obra especializada ou mão de obra qualificada?
Define a Wikipédia:

Mão de obra especializada

A mão de obra especializada é uma categoria de mão de obra em que o funcionario é treinado para exercer uma função repetidamete, mas não é necessario que ele conheça todas as etapas da produção. É muito empregada em linhas de montagem onde não há necessidade de grande instrução. Por exemplo: Uma empresa de automoveis pode dar cursos a um funcionario sobre como realizar uma função na produção do motor e ele podera realiza-la sem problemas mesmo não entendendo o funcionamento do conjunto completo, o motor. Esse tipo de mão de obra tem baixo salário e vem sendo cada vez mais frequentemente substituidos por maquinas que realizam a tarefa de modo mais eficiente.

Mão de obra qualificada

É uma mão de obra mais instruida que as outras por ter dedicado um longo periodo estudando um conteúdo específico. Ao contrario da mão de obra especializada, esses individuos conhecem o funcionamento do conjunto e são capazes de projetar novos sistemas e solucionar erros no funcionamento de um produto. Nesta categoria estão incluídos os médicos, advogados, engenheiros, professores etc. Geralmente são mais remunerados que a mão de obra especialida por capacidades mais aprofundadas e de dificil e lenta formação.

Mão de obra instável
Justificativa do patrão: O consultor Paulo César Mauro, presidente da Global Franchise, destaca a mão de obra como um problema para investimentos estrageiros:
 “As pessoas ainda encaram o trabalho em uma rede de fast foodapenas como um primeiro emprego”, diz. Segundo ele, muitos funcionários não se interessam em ficar na empresa por muito tempo, o que gera uma busca constante por novos empregados. Marcel Solimeo, economista-chefe da Associação Comercial de São Paulo,  concorda com a tese. “Há uma legislação trabalhista conflitiva. Você paga, por exemplo, R$ 100 como custo de salário de um empregado e outros R$ 100 em encargos trabalhistas. Juntando tudo, isso resulta em um salário baixo para o empregado e, paradoxalmente, em um custo do trabalhador alto para a empresa.”Segundo Mauro, uma particularidade do trabalhador brasileiro é que ele, além de “caro” em comparação com o custo final de outros países, tem um nível de qualificação menor. “A formação média é pior em relação aos países mais desenvolvidos e os custos são altos, devido à carga de impostos e benefícios envolvidos”, avalia.
Faltou dizer quais países. Possivelmente do Terceiro Mundo. Maioria dos trabalhadores brasileiros recebe o salário mínimo do mínimo. Confira. Tem economista que considera a possibilidade do salário durar até o fim do mês.