Dilma: “A investigação do juiz Sérgio Moro é melhor que o STF?”

“Prerrogativa de foro não é impedir a investigação, é fazer em determinada instância, e não em outra. E por que eu vou achar que a investigação do juiz Sérgio Moro é melhor que o STF?”, pergunta Dilma Rousseff. Esta é a resposta certa para quem critica a nomeação de Lula da Silva para a Casa Civil.

Moro não é o único juiz honesto do Brasil.

Supremo Tribunal Federal (STF) é a mais alta instância do poder judiciário brasileiro e acumula competências típicas de uma Suprema Corte (tribunal de última instância) e de um Tribunal Constitucional (que julga questões de constitucionalidade independentemente de litígios concretos). Sua função institucional fundamental é de servir como guardião da Constituição Federal de 1988, apreciando casos que envolvam lesão ou ameaça a esta última. De suas decisões não cabe recurso a nenhum outro tribunal.

Um juiz é apenas um juiz. Não é Deus. E não pode fazer do cargo um trampolim para ser desembargador e, depois, ministro. Pior, ainda, partidarizar a Justiça, por ter pretensões eleitorais.

“Haveria uma desconfiança” de Moro, de Gilmar Mendes, “sobre a suprema corte do País?”

Esta é a verdadeira Dilma. A que lutou contra a ditadura militar, que foi delatada por um dedo duro e foi presa e torturada.

Dilma não é Getúlio, que a república golpista do Galeão levou ao suicídio.

Não é Jânio, que renunciou, com medo das “forças ocultas”.

Não é Jango, que correu com medo dos milicos da direita.

Finalmente, Dilma saiu da defensiva.

Quem quer golpe tem uma lista de presos políticos. Presos que serão torturados para delatar companheiros de partido.

Basta de endeusamento de Silvério dos Reis, que delatou Tiradentes, que foi preso e enforcado.

Liberdade sempre, mesmo que tarde.

Independência ou morte.

DILMA REBATE GILMAR: MORO É MELHOR QUE O STF?

247 – A presidente Dilma Rousseff rebateu as críticas de que a ida do ex-presidente Lula para o ministério da Casa Civil seja uma espécie de fuga da Justiça, uma vez que ele é investigado na Operação Lava Jato pelo juiz Sérgio Moro. Como ministro, ele passa a ter prerrogativa de foro e se torna alvo do Supremo Tribunal Federal (STF).

“O STF não pode punir, investigar absolver? É a suprema corte do País! Haveria então uma desconfiança sobre a suprema corte do País? É isso que as oposições querem colocar?”, questionou Dilma, em coletiva de imprensa em que comentou a nomeação, anunciada hoje pelo Palácio do Planalto. A oposição já anunciou que recorrerá contra a nomeação de Lula para o ministério.

“Prerrogativa de foro não é impedir a investigação, é fazer em determinada instância, e não em outra. E por que eu vou achar que a investigação do juiz Sérgio Moro é melhor que o STF?”, voltou a perguntar Dilma, sobre o ministro que cuida dos processos da Lava Jato em primeira instância. Segundo ela, achar que a decisão de Moro seria hipoteticamente superior à do STF é uma “inversão de hierarquia”.

Mais cedo, o ministro do STF Gilmar Mendes colocou a corte sob suspeita ao dizer que Lula comete uma “grave interferência” política no processo judicial ao ir para a Casa Civil. “Precisamos limitar as coisas”, defendeu Gilmar (leia mais).

Dilma ressaltou que a ida de Lula para o seu governo é importante e relevante, pela experiência política de Lula. E que o ex-presidente terá compromisso com a estabilidade fiscal e o combate à inflação, como foi mostrado ao longo de seus oito anos de governo. “Lula terá os poderes necessários para ajudar o País”, afirmou.

Moro para ser eleito presidente tem que eliminar os adversários Lula e Aécio

Nos protestos deste domingo (13), o juiz federal Sergio Moro foi lançado candidato a presidente do Brasil nas eleições de 2018. Ele disse que ficou “tocado” com o apoio dos manifestantes. Fica implícito que aceitou a candidatura, e tem como principais adversários Lula da Silva e Aécio Neves, figuras que ele deve eliminar da disputa. São os únicos nomes que, nas urnas, podem derrotá-lo.

Partidarismo

Moro vem sendo acusado de partidarizar a Lava Jato. Inclusive mandou sequetrar Lula, para depor debaixo de vara. Fez vazar depoimentos em que Aécio aparece como acusado de receber propina. Que Aécio se cuide, vai chegar a vez dele…

Moro afirmou em nota que as “autoridades eleitas e os partidos” devem ouvir a “voz das ruas” e se comprometer com o combate à corrupção, “cortando, sem exceção, na própria carne, pois atualmente trata-se de iniciativa quase que exclusiva das instâncias de controle”. Isto é, iniciativa dele.

O juiz foi lembrado nos protestos em faixas, bonecos, camisetas e recebeu uma série de homenagens.

Íntegra da nota

“Neste dia 13, o povo brasileiro foi às ruas. Entre os diversos motivos, para protestar contra a corrupção que se entranhou em parte de nossas instituições e do mercado.

Fiquei tocado pelo apoio às investigações da assim denominada Operação Lavajato. Apesar das referências ao meu nome, tributo a bondade do povo brasileiro ao êxito até o momento de um trabalho institucional robusto que envolve a Polícia Federal, o Ministério Público Federal e todas as instâncias do Poder Judiciário.

Importante que as autoridades eleitas e os partidos ouçam a voz das ruas e igualmente se comprometam com o combate à corrupção, reforçando nossas instituições e cortando, sem exceção, na própria carne, pois atualmente trata-se de iniciativa quase que exclusiva das instâncias de controle. Não há futuro com a corrupção sistêmica que destrói nossa democracia, nosso bem estar econômico e nossa dignidade como país.
13/3/2016, Sergio Fernando Moro”

El protagonismo de Lula

Luego de la reciente “Alianza del Pacífico”, la cual fue propuesta como una alternativa a la integración de algunos países de América Latina, el ex presidente brasileño reapareció en escena y visitó Colombia, Ecuador y Perú para recordar la importancia de la política llevada a cabo entre los gobiernos de la región.

GIRA DE LULA DA SILVA
GIRA DE LULA DA SILVA
por Pedro Brieger

En estos últimos días se habló mucho de la consolidación de la “Alianza del Pacífico” como una alternativa a los gobiernos progresistas en América Latina y el Caribe. Tanto la Casa Blanca como políticos y comunicadores alineados con el pensamiento neoliberal han resaltado las bondades de esta alianza, y no parece casual que esto se produzca poco tiempo después de la muerte de Hugo Chávez. Es indiscutible que la desaparición del venezolano deja un hueco en la política regional; entre otros motivos porque tenía la capacidad de proponer ideas y generar proyectos estratégicos.

 

“El presidente Rafael Correa no solo lo condecoró, también dijo que ‘sería maravilloso’ que fuera el próximo secretario general de Unasur.”

En este contexto reapareció Lula. El ex presidente de Brasil realizó una gira por Colombia, Perú y Ecuador que no tuvo gran cobertura mediática por parte de los grandes grupos periodísticos, que tampoco reprodujeron algunas de sus declaraciones de alto valor político.  Lula fue al Perú para participar del Foro “10 Años de la Alianza Estratégica Brasil-Perú 2003-2013″ donde recordó que en su momento le habían sugerido que era mucho mejor aliarse con Alemania o con Francia que tejer una alianza estratégica entre “dos países miserables, dos paisitos pobres”. En Perú también recordó que lo habían criticado mucho por oponerse al ALCA, y se mantuvo firme al respecto. Más aún, dirigiéndose al presidente Ollanta Humala dijo “usted fue muy amigo de Chávez como lo fui yo y yo siempre le decía: mira, Chávez, ya deja de hablar de Simón Bolívar. Está todo bien. Ya no hay integración con la espada, ahora es con bancos de desarrollo, con financiamiento, con tasas de intereses bajas”. Es interesante que -en una entrevista concedida al influyente diario colombiano El Tiempo- utilizara conceptos similares, pero también agregó que se debía desarrollar el Banco del Sur “y hacer de él una palanca de crecimiento”. Jugando de visitante y ante un Juan Manuel Santos que declaró hace apenas dos semanas que la Alianza del Pacífico era el nuevo motor de América Latina, Lula le respondió con el Banco del Sur, un proyecto bolivariano, aunque mantuvo un tono diplomático para no chocar abiertamente con los impulsores de la nueva alianza. Es así que a lo peruanos les dijo que era “natural poder integrar un bloque bioceánico Atlántico-Pacífico, porque la salida natural del Brasil al Pacífico es por Perú y la proyección natural de Perú hacia el Atlántico es por Brasil”.

En otras palabras, la integración se hace entre todos y no solamente entre los que quieren relanzar un proyecto neoliberal con el argumento de que el futuro está en el Pacífico. En Ecuador el presidente Rafael Correa no solo lo condecoró, también dijo que “sería maravilloso” que fuera el próximo secretario general de Unasur, sin duda para ganar aún más protagonismo.

(In Télam)

Lula gobernó Brasil con inteligencia para no alarmar al imperio y recibir sus golpes

por Pedro Echeverría V.

Lula cartoon

1. Luiz Inacio Lula da Silva –expresidente de Brasil- se convirtió en figura internacional. Dice el periódico La Jornada después de entrevistarlo: “es un ser práctico, intuitivo, que busca la resolución concreta de los problemas. Fue en buena medida gracias a esa capacidad, que se desarrolló en Brasil un complejo proceso de articulación política que tornó posible la prioridad de lo social y la promoción de políticas igualitarias, la soberanía externa y la recuperación del papel activo del Estado en la construcción de los derechos ciudadanos”. Sin embargo Lula tuvo que enfrentar a las derechas e izquierdas en Brasil y en el mundo por la fuerza que tuvo en su mandato. No hacer escarnio de su gobierno, pero tampoco halagarlo, porque pudo trabajar más para el pueblo.

2. Las tesis de Lula: a) Era plenamente posible crecer distribuyendo riqueza, que no era necesario esperar el crecimiento para distribuir. b) Era posible aumentar los salarios sin inflación. Explica: En 10 años, los trabajadores tuvieron un aumento real en sus ingresos; el salario mínimo creció casi 74 por ciento y la inflación estuvo controlada. c) Aumentamos nuestro comercio exterior y aumentamos nuestro mercado interno sin que eso entrase en conflicto. Explica: decían antes que no era posible que crecieran al mismo tiempo el mercado externo y el mercado interno. d) Probamos que poco dinero en mano de muchos es distribución de la riqueza y que mucho dinero en mano de pocos es la puerta para todo tipo de injusticias. Esos fueron algunos tabúes que nosotros rompimos.

3. Nos ironizaron, declara Lula: el Programa Beca Familia, el aumento del crédito para la agricultura familiar, el programa Luz para Todos y otras políticas sociales que desarrollamos; aquellos que los despreciaban diciendo que era limosna, que era mero asistencialismo, percibieron que fueron esos millones de personas, cada una con un poquito de dinero en la mano, las que comenzaron a dar estabilidad a la economía brasileña, haciendo que creciese, generase empleo y más riqueza. Llegaremos al 2016 como la quinta economía del mundo. Pero lo más importante mejorar día a día la calidad de vida del pueblo brasileño, sea desde el punto de vista del salario, de la vivienda, del saneamiento básico, de la educación. Creamos 14 universidades nacionales nuevas, 126 nuevos campus y 214 escuelas técnicas superiores. Esto entre 2003 y 2010.

4. No debe olvidarse que Lula recibió muchas críticas de los trabajadores o Movimiento Sin Tierra (MST) de Brasil, como se dice: probablemente, la organización social más importante del mundo. Surgido hace 20 años en plena dictadura militar en Brasil, el MST aglutina a los excluidos de la sociedad brasileña tanto del campo como de las ciudades. Brasil es de los países con una peor distribución de las tierras y la riqueza. El 50% de las tierras cultivables en Brasil están en manos del 1% de terratenientes; creando así millones de familias sin tierra y sin futuro que se agolpan en favelas miserables rodeadas de pobreza y violencia. El Movimiento Sin Tierra lucha por la reconquista del campo. Además de críticas de la parte radicalizada de su partido: el PT. Lula no fue el causante pero sí el gobernante.

5. Brasil tiene actualmente el segundo lugar en habitantes en América (200 millones) y el tercero en territorio más extenso del continente; suficiente para saber del poderío histórico que ha tenido y tendrá en las próximas décadas en América y en el mundo. Pero no sólo está presente su gran tamaño, sino además –y es lo más importante- el papel económico y político que han jugado en el mundo sus gobiernos. En el caso de Brasil se han manifestado convulsiones por golpes de Estado y revueltas armadas; por ejemplo en la Primera Guerra Mundial parece haberse iniciado un ciclo prolongado de inestabilidad financiera, política y social que se extendería hasta la década de 1920, manteniendo al país asolado por diversas rebeliones que poco a poco minaron el régimen.

6. El “nacionalismo” fue importante: Así como hubo un gobierno de Lázaro Cárdenas (1934-40) en México, hubo otro en Argentina, Juan D. Perón, (1946-55); también en EEUU: F. D. Roossevelt (1933-45), hubo también en Brasil un personaje que dominó de 1930 a 1990: Getúlio Vargas. Fue un político brasileño cuatro veces Presidente de la República (1930–1934 en el Gobierno Provisorio; 1934–1937, en el gobierno constitucional; 1937–1945, en el Estado Novo; 1951–1954, presidente electo por voto directo. Se suicidó de un tiro al corazón, dentro de su cuarto en el Palacio de Catete, en la ciudad de Río de Janeiro, por entonces capital del país y que fue probablemente –se escribe- el más importante y polémico político brasileño del siglo XX.

7. Quizá el Brasil moderno se inicia con el corrupto Color de Melo (1990-92) a quien le siguen Itamar Franco (1992-94), Henrique Cardozo (1995-2002) y la socialdemocracia sea creación de Lula Da Silva (03-11) y Dilma Roussett que parece ser la continuidad. Antes una serie de generales unidos al partido Arena mantuvieron sometido a Brasil: Castelo Branco, Costa e Silva, Medici, Geisel, Feguereido, hasta que llegó Sarney en 1985. No se sabe si Brasil ahora, en su nuevo rol como parte del BRICS conformado con China, India, Rusia y Sudáfrica, se transforme en unos años en una importante potencia económica o, –ahora sí- sea víctima de ataques económicos del bloque yanqui. Hasta hace 25 años, casi emparejado con México y Argentina, formaban una especie de liderazgo en América; hoy Brasil está muy por encima de los dos.

8. No hay que aminorar al gobierno de Lula. Su prestigio en la política mundial se hizo grande después de gobernar. Se ha dicho que si Dilma no busca su reelección Lula podría ser nuevamente el candidato. Buscar ser presidente del Brasil hace intervenir a fuerzas mundiales en pugna; no puede ser sólo decisión de los brasileños en un país donde los yanquis, China, el Mercomun, Alemania, intervienen para inclinar la balanza a su favor. Tampoco se puede asegurar que una segunda etapa de Lula será más beneficiosa o más perjudicial para los explotados y marginados de Brasil. En estos tiempos lo más importante no es la posición localista o nacionalista; al contrario: debe buscarse jugar un papel internacional contra la explotación, las guerras de rapiña y, sobre todo, contra toda idea imperialista mundial.

Das relações de Lula com a rosa da Operação Porto Seguro

Quem não corre o risco de escolher amigos, cônjuge, sócios e funcionários errados?

A imprensa anda a destacar que Lula da Silva falou 122 vezes ao telefone nos últimos dezenove meses, com sua amiga e chefe de gabinete da Presidência da República em  São Paulo, Rosemary Nóvoa de Noronha, segundo revela reportagem de Marcelo Freitas e Raphael Veleda para a edição brasiliense do Metro, jornal do Grupo Bandeirantes de Comunicação. Em média, uma ligação a cada cinco dias, entre março de 2011 e outubro de 2012, quando Lula já não era presidente da República.

Os telefonemas foram monitorados pela Polícia Federal, com autorização judicial, no âmbito da Operação Porto Seguro, deflagrada sexta-feira, 23, que prendeu seis pessoas, incluindo o nº 2 da Advocacia Geral da União, José Weber Holanda Alves, e dois dois irmãos dirigentes de agências reguladoras, Rubens Vieira, da Ana (Águas), e Paulo Vieira, da Anac (Aviação Civil). Um terceiro irmão, Marcelo, empresário, também foi preso [E todos soltos pela, mais que amiga, justiça federal].
A quadrilha é acusada de corrupção e tráfico de influência. Amiga íntima de Lula, que a nomeou e, ao final do governo, pediu para que ela fosse mantida no cargo, Rosemary é suspeita de ser uma das cabeças do esquema, que também vendia por até R$ 300 mil pareceres técnicos de servidores federais a empresas interessadas em negócios com o governo. Informa Dimas Oliveira.
Pouca interessa, neste caso as amizades. O importante para o Brasil é descobrir que empresas foram beneficiadas. Esse jornalismo investigativo a imprensa não tem coragem e interesse de realizar. Destacar a amizade de Lula vale como despiste.
Despistar tem como sinônimo:

1. desencaminhar, desnortear.

2. enganar, ludibriar, misturar.

3. baralhar, confundir, desorientar, enlear, iludir.

Fugir dos assuntos polêmicos, engavetar notícias, informar meias-verdades, o jeitinho brasileiro da imprensa esconder empresários e empresas.

Nenhuma autoridade é responsável pelas nomeações. Isso acontece em qualquer empresa com excelente serviço de RH. Nos governos existem os serviços de informações. Na ditadura militar tinha o SNI. Hoje eles existem em qualquer polícia militar que monitora todos os cidadãos. Nas forças armadas. Nos serviços de proteção ao crédito. No fisco. No sistema bancário. As operadoras de telefonia gravam todas as conversas. Todos os computadores são varridos. Cada edifício e milhares de ruas possuem câmaras de filmagem interna (sorria, você está sendo filmado). O Big Brother é

– Onisciente: Aquele que possui todo o conhecimento, toda a ciência.

– Onipresente: Aquele que está presente em toda parte.

– Onipotente: Aquele que pode todas as coisas.

Para facilitar, o TRE pretende um título eleitoral cujo número seja o mesmo para todos os documentos: identidade, carteira de motorista, carteira de trabalho, CPF…  A eficácia do método ficou comprovada nos campos de concentração de Hitler. Cada prisioneiro tinha um número marcado no braço.

Máquina de tatuagem nazista
Máquina de tatuagem nazista. Fique sabendo mais 

Determinaram tudo seria mais fácil
se em lugar de um nome
Sibonei tivesse um número.
A prática se mostrou bastante útil
nos campos de Treblinka e Dachau.
E Sibonei foi marcada
como o ferro marca o gado.

Um único número
para todos os documentos (…)
Um único número
economiza papel
e tinta.
Um único número
aligeira a burocracia
e facilita a localização de Sibonei
entre as demais jovens da boiada.


Leia mais. Transcrevi trechos do poema O Retrato de Sibonei

Buchenwald_Survivor_Tattoo_

Tatuagem de números nos campos de concentração nazista

Ate as crianças eram numeradas nos campos de concentração de Hitler
Ate as crianças eram numeradas nos campos de concentração de Hitler

Neste mundo dominado pelas multinacionais, um ex-presidente “é um velho caquético”, assim Rosemary (que amiga da onça!) definiu Lula.

Publica R7 Notícias: Uma conversa de Rosemary Noronha grampeada pela Polícia Federal em maio deste ano mostra a ex-chefe de gabinete da Presidência em São Paulo comparando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a “um velho caquético”. Ela dizia a Paulo Vieira, que estava preocupada com a imagem pública de Lula após um suposto tombo levado em casa. As informações são do Jornal Folha de S.Paulo.

A imprensa brasileira usa e abusa das palavrinhas  “suposto” e “suspeito”, com a desculpa do politicamente correto.

A queda de Fidel Castro
A queda de Fidel Castro

-rei-ruan

O tropeção do rei Juan Carlos
O tropeção do rei Juan Carlos

As nomeações para as agências reguladoras são sabatinadas e aprovadas pelo Senado.

Não é da competência de um presidente, de um rei, ou mesmo de um ditador, investigar a vida alheia. Isso é função dos serviços de informações estratégicas, da polícia, das promotorias e da imprensa.

Do governante o poder de nomear e demitir. A presidente Dilma Rousseff exonerou todos os funcionários denunciados pela Operação Porto Seguro. Que a Justiça faça sua parte. Coloque na cadeia os  corruptos e os corruptores.

ARMARAM A CAMA DE GATO PARA A DILMA (E O LULA) ?

SE A DILMA NÃO CONTROLAR A PF E A SSI


por Paulo Henrique Amorim

Controlar a Polícia Federal e a SSI é medida preliminar de qualquer Presidente que preze 8 horas de sono. A Polícia Federal, na mão do Cerra ou de um especialista em fogo amigo, derruba o Presidente da República.

A função da SSI é proteger as instituições e, num regime presidencial, a prioridade é proteger a Presidência.

Se a SSI funcionasse, o Presidente Lula teria sido advertido das atividades do Valdomiro, do Marcos Valério, do Mensalão e da família da Ministra Erenice.

A SSI é para tirar o pino da granada que inimigos e aliados jogam no Palácio.

Controlar a Polícia Federal e a SSI é medida preliminar de qualquer Presidente que preze 8 horas de sono.

A Polícia Federal, na mão do Cerra ou de um especialista em fogo amigo, derruba o Presidente da República.

Fogo amigo é o que não falta

Oposição representa contra Lula e defende Gilmar Mendes. Mas não explica a escolha de Gilmar, de exclusivamente Gilmar

Foi encaminhada à primeira instância da Justiça Federal a representação contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, apresentada pelos partidos de oposição à Procuradoria Geral da República. O entendimento do procurador-geral, Roberto Gurgel, é de que, como Lula não tem mais foro privilegiado, uma investigação contra ele deve ser analisada pelo Ministério Público Federal do Distrito Federal e não pela PGR.

Líderes do PSDB, DEM, PSOL e PPS (ex PCB) representaram contra o ex-presidente, acusando-o de praticar os crimes de tráfico de influência, coação no curso do processo penal e corrupção ativa pela suspeita de ter feito “pressão” junto ao ministro Gilmar Mendes para que o Supremo Tribunal Federal adiasse o julgamento do escândalo do Mensalão. A informação foi publicada pela revista Veja desta semana a partir de entrevista de Gilmar Mendes.

Interessante se Lula cantou Gilmar. Diz mais de Gilmar do que de Lula.

Lula indicou oito ministros para o STF, com uma composição atual de 11 juízes. Os ministros nomeados pelo ex-presidente petista são Eros Grau, Carlos Alberto Menezes Direito, Ayres Britto, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Cezar Peluso, Joaquim Barbosa e Dias Toffoli. Os dois primeiros não atuam mais como magistrados do STF.

Dilma Rousseff, atualmente com um ano e meio de governo, escolheu dois:  Luiz Fux e Rosa Weber.  Sarney, Collor e  Fernando Henrique nomearam  Celso de Mello, Marco Aurélio e Gilmar Mendes, respectivamente.

Interessante que Lula procurasse um ministro designado por Fernando Henrique do PSDB, partido da oposição.

O peita de Lula a Gilmar Mendes teria sido feita no escritório do ex-ministro da Justiça e ex-ministro do STF Nelson Jobim. Em troca, Lula teria oferecido a Gilmar Mendes “blindagem” na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) mista que investiga as relações de Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com agentes públicos e privados.

Lula divulgou nota dizendo-se indignado e, negando o pedido de adiamento do julgamento do Mensalão, admitiu ter se encontrado com Gilmar Mendes no escritório de Nelson Jobim. O ex-ministro da Justiça também confirmou o encontro, mas negou os termos da entrevista de Gilmar Mendes.

O Brasil precisa acabar com o foro especial, criado por Fernando Henrique, e com os julgamentos secretos.  Que a Veja plante notícia, entendo. Que sempre usou o “jornalismo” marrom praticado por Cachoeira, e Cachoeira sempre foi a principal fonte da Veja. Só não compreeendo porque, se verdadeiro, Lula apenas “pressionou”  Gilmar Mendes…

Também interessante que a grande imprensa não destaque  porque  o Ministério Público Federal do Distrito Federal não investiga a “blindagem”: as relações do bicheiro Cachoeira com agentes públicos e privados. No caso, em que esse escudo beneficiaria Gilmar.