A “Operação Banqueiro” e como se uniram as duas maiores fábricas de dossiês da República

Por Luís Nassif

 

operacao_banqueiro

O livro “Operação Banqueiro”, do jornalista Rubens Valente, caminha para se tornar um clássico na devassa das relações Estado-lobbies privados, especialmente o capítulo “As ameaças do grande credor”, que descreve a correspondência do super-lobista Roberto Amaral com Daniel Dantas, o banqueiro do Opportunity, reportando e-mails e conversas que manteve em 2002 com o então presidente Fernando Henrique Cardoso e o candidato José Serra.

As mensagens constam de dez CDs remetidos à Procuradoria Geral da República em Brasília – e que permaneceram na gaveta do PGR Roberto Gurgel, que não tomou providência em relação ao seu conteúdo.

Nas mensagens a FHC e Serra, Amaral insiste para que se impeça a justiça de Cayman de entregar a relação de contas de brasileiros nos fundos do Opportunity. Amaral acenava com os riscos de se abrir os precedentes e, depois, o Ministério Público Federal investir sobre as contas do Banco Matrix – de propriedade de André Lara Rezende e Luiz Carlos Mendonça de Barros, figuras ativas no processo de privatização. E, principalmente, sobre as contas de Ricardo Sérgio, colocado por Serra na vice-presidência internacional do Banco do Brasil.

Parte das mensagens havia sido divulgada em 2011 pela revista Época.

São relevantes para demonstrar que o Opportunity tornou-se uma questão de Estado, com envolvimento direto de FHC (tratado como “pessoa” nos emails entre Amaral e Dantas), José Serra (alcunhado de “Niger”) e Andréa Matarazzo (tratado como “Conde”). Dantas era alcunhado de “grande credor”.

Mostra também como Gilmar Mendes, então na AGU (Advocacia Geral da União), foi acionado em questões que interessavam ao Opportunity junto à ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações).

Não apenas por isso, mas pelo levantamento minucioso de decisões do STF (Supremo Tribunal Federal), das pressões sobre procuradores e policiais, da atividade pró-Dantas de advogados ligados ao PT, trata-se de obra definitiva para se entender os meandros da estratégia que resultou na anulação da Operação Satiagraha.

Em entrevista a Sérgio Lyrio, da Carta Capital, Valente afirma que “sem Mendes na presidência do Supremo, nem todo o prestígio de Dantas teria sido capaz de reverter o jogo de forma tão espetacular”.

É mais do que isso. Nem Mendes nem Dantas individualmente teriam o poder de influenciar os quatro grandes grupos de mídia. O único personagem com capacidade de unir todas as pontas em torno de uma bandeira maior – a conquista da presidência da República – era José Serra. É a partir dele que deve ser puxado o fio da meada.

Satiagraha foi a Primeira Guerra Mundial da mídia, um ensaio para as guerras seguintes, nas eleições de 2010 em diante.

As fábricas de dossiês

Valente não aborda o papel da mídia e a maneira como eram construídos os dossiês. Os dados abaixo são de levantamentos antigos do Blog, aos quais se somam algumas revelações adicionais do livro.

Na série “O caso de Veja” havia mostrado a maneira como Dantas e a Veja se valiam de dossiês para fuzilar não apenas adversários políticos, mas magistrados e jornalistas que ousassem investir contra os interesses do banqueiro. É a mesma tecnologia – de dossiês e assassinatos de reputação, com ampla repercussão midiática – reproduzida no modo Cachoeira-Veja de atuar e, antes, no modo Serra exemplificado no caso Lunus.

Dois capítulos da série merecem atenção especial:

O caso Edson Vidigal – (): Desembargador do STJ, Vidigal confirmou uma sentença contra Dantas. Veja fuzilou-o em uma matéria com acusações dúbias.

O caso Márcia Cunha – uma juíza séria, do Rio, foi fuzilada pela Folha por contrariar interesses de Dantas e ter recusado proposta de suborno. Tempos depois, constatou-se sua inocência e comprovou-se a tentativa de suborno.

A montagem da central de dossiês

É na operação Lunus que estão as pistas para se chegar ao início do nosso modelo. Ele nasce com a nomeação de José Serra para Ministro da Saúde. Através da CEME (Central de Medicamentos), Serra monta o embrião da sua indústria de dossiês, contratando três especialistas em trabalhos de inteligência: o subprocurador da República José Roberto Santoro, o policial federal Marcelo Itagiba e o ex-militar Enio Fonteles, dono da Fence Consultoria Empresarial, especializada em arapongagem.

A primeira grande ação do grupo foi a Operação Lunus. Usou-se o poder de Estado para tal.

A aproximação com Cachoeira

O esquema Serra gerou dossiês contra competidores internos no PSDB – Paulo Renato de Souza, Tasso Jereissatti e Aécio Neves.

Já no governo Lula, o passo seguinte do grupo foi na operação Valdomiro Diniz, primeiro petardo contra o então Ministro-Chefe da Casa Civil José Dirceu.

Foi divulgado vídeo de 2002, no qual Valdomiro, servindo no governo Benedita da Silva, pedia propina a Carlinhos Cachoeira. Quando o vídeo vazou, Valdomiro trabalhava como assessor da Casa Civil. A bomba acabou explodindo no colo de Dirceu, que pagou o preço de não ter ouvido assessores sobre o passado de Valdomiro.

Carlinhos Cachoeira e Jairo

A partir dessa primeira abordagem de Santoro sobre Cachoeira, muda o comportamento da mídia. De bicheiro suspeito, passa não apenas a ser blindado como torna-se íntimo colaborador da revista Veja em uma infinidade de escândalos com objetivos políticos. É como se a operação Lunus estivesse sendo reproduzida em uma linha de montagem.

A de maior impacto foi o do grampo no funcionário dos Correios Maurício Marinho, que resultou por linhas tortas no escândalo do “mensalão”.

Os factoides contra a Satiagraha

Quando surgiram os primeiros boatos sobre o cerco a Dantas, a primeira investida foi uma capa de Veja, “Medo no Supremo”, de 22 de agosto de 2007, em que cozinhava um conjunto de informações velhas, para dar a impressão de que o STF estava ameaçado pelo grampo. Mereceu um dos capítulos da minha série “O caso de Veja”

1. Os dois habeas corpus em favor de Daniel Dantas.

Gilmar tratou o caso como se o estado de direito estivesse ameaçado. Sucessivas invasões de escritórios de advocacia pela Polícia Federal forneceram-lhe o álibi necessário. Mas avançou muito além do habeas corpus, com discursos bombásticos que, repercutidos pela mídia, criaram o clima de resistência à Satiagraha. No livro, Valente esmiuça todas as decisões controvertidas de Gilmar para anular a operação.

2. O grampo sem áudio.

O tal grampo de conversa entre Gilmar Mendes e Demóstenes Torres – principal parceiro de Veja na conexão Carlinhos Cachoeira.

Jamais apareceu o áudio. Investigações divulgadas na época mostravam ser impossível grampear telefones do Senado. Sequer se conferiu se, na tal hora do suposto grampo, houve de fato ligações telefônicas entre Gilmar e Demóstenes, ou ao Senado.

Era um grampo consagrador para Demóstenes, onde os dois colegas lembravam as grandes ações cívicas do senador.

3. O grampo no Supremo Tribunal Federal.

Um assessor de segurança do STF passou para a revista Veja a informação de que havia detectado grampo em uma das salas do Supremo. Mereceu capa e, com base no alarido, foi criada a CPI do Grampo

Quando o relatório da segurança do STF foi entregue à CPI, constatou-se que haviam sido captado sinais de fora para dentro do órgão. Logo, jamais poderia ser interpretado como grampo. Coube a leitores do Blog derrubar essa armação.

Na CPI ficou-se sabendo que o relatório com as conclusões falsas saíram do próprio gabinete da presidência do STF.

Foi tão grande a falta de reação dos demais ministros, ante a manipulação do suposto grampo, que chegou-se a aventar a fantasia de que Gilmar teria mandado grampeá-los para mantê-los sob controle.

Nesse período, Jairo Martins, o araponga que armou o grampo dos Correios, assessorava Gilmar.

4. A reunião com Nelson Jobim e Lula.

Mesmo depois da Satiagraha, manteve-se o mesmo modo de operação no julgamento da AP 470. Há um encontro entre Gilmar e Lula no escritório de Nelson Jobim. Passa um mês, sem que nada ocorra. De repente, alguém se dá conta do potencial de escândalo que poderia ser criado. Gilmar concede então uma entrevista bombástica, indignada, dizendo ter sido pressionado por Lula.

Dos três presentes ao encontro, dois – Jobim e Lula – negam peremptoriamente qualquer conversa mais aprofundada sobre o mensalão.

Foi em vão. A versão de Gilmar é veiculada de forma escandalosa pela revista Veja, criando o clima propício ao julgamento “fora da curva” da AP 470. O mesmo Gilmar do grampo sem áudio e da falsa comunicação de grampo no STF.

São quatro episódios escândalos inéditos na história do Supremo, todos os quatro tendo como origem Gilmar Mendes.(Transcrevi trechos. Leia mais)

 

mapa_com_modificacoes2

Helio Fernandes mostra como lobistas e despachantes de luxo perpetuam a miséria do povo

Helio Fernandes mostra como lobistas e despachantes de luxo perpetuam a miséria do povo
Por sugestão do comentarista Carlos Cazé, que enviou o texto, e por cortesia da comentarista Viviane Ramos, que digitou a matéria, vamos republicar hoje mais um memorável artigo de Helio Fernandes, publicado em 1995, no tempo da Tribuna da Imprensa, quando Fernando Henrique Cardoso ainda estava na Presidência, antes da privatização da Vale. Notem que o artigo continua atual.

Matérias de denúncias como esta demonstram por que Helio Fernandes é considerado o maior jornalista do país. Puxa, que falta ele nos faz!

 

###
O PARADOXO DO BELÍNDIA

Helio Fernandes

O paradoxo da Belíndia (país riquíssimo em minérios e terras férteis, ondem vivem alguns “bolsões” e milionários, cercados por um povo paupérrimo e faminto) se explica pela perversa transferência de renda, das atividades diretamente produtivas, que criam empregos e pagam salários a milhares de trabalhadores, como a agricultura e a indústria, para os setores intermediários não produtivos, como bancos, corretoras, “promoters”, e especuladores de toda ordem. Essa transferência de renda se processa por meio dos mecanismos de rolagem das “dívidas” externa e interna.

Sobre a “dívida externa”, já escrevi dezenas de artigos, demonstrando sua ilegitimidade, principalmente pelo fato de ter sido contraída por governos desprovidos de mandato constitucional. E por suas dimensões, que chegaram a níveis absurdos, por força de juros flutuantes, que podiam ser elevados ao bel-prazer dos “banqueiros-exploradores”.
Usando os mais cínicos argumentos, os ministros da Fazenda, presidentes do Banco Central e demais autoridades da área econômica, defendem os juros extorsivos, como “instrumento essencial para manter a inflação “sob controle”. Falam também que “precisam dos juros altos para INIBIR o consumo”. Mistificam a opinião pública, cometem crime de traição, pois o mercado consumidor interno é a melhor e a mais eficiente forma de desenvolvimento. Nenhum país pode crescer sem ter um poderoso mercado consumidor interno.

Não precisamos recuar muito no tempo para encontrar três notórios “ministros da Fazenda”, rigorosamente engajados com os interesses de seus patrões, banqueiros ou empreiteiros.

1º – Maílson “Simbrega” da Nóbrega. Passou toda a sua “gestão” no Ministério da Fazenda, como teleguiado da FIESP e da Febraban. Graças a isso, conquistou prestígio junto ao “empresariado-de-papel”, que vive de privilégios do Banco Central, do BNDES e do Banco do Brasil. Quando saiu do “Governo” Sarney, abriu um escritório de “consultoria” em São Paulo, que, na verdade, é um escritório de lobby e informações governamentais privilegiadas, que vai indo muito bem. E irá ainda melhor quando seu sócio, Gustavo Loyola, começar a dar as cartas no Banco Central.

2º – Marcílio Marques Moreira da Silva, que toda vida foi “assessor-carregador-de-pasta” de Walter Moreira Salles. Esse tinha muito prestígio com Tancredo. Graças a isso, Marcílio foi nomeado “embaixador” em Washington e depois “ministro” da Fazenda. Agora ele é “abridor-de-portas” da corretora Merril-Lynch no Brasil. E quer “privatizar-doar” a Vale do Rio Doce e a Petrobras, para que seus patrões o mantenham no cargo.

3º – Eliseu Rezende, que, depois de ter sido diretor geral do DNER (no tempo de Andreazza, lembram-se?), e “ministro” dos Transportes do General Figueiredo, passou a ser “alto executivo” do Grupo Odebrecht. Nessa função, “ajudou” muito a campanha de Collor em Minas Gerais. Essa ajuda serviu também para eleger o vice-presidente Itamar Franco. O qual, como homem honrado e leal que é, ao assumir a Presidência, viu-se quase na obrigação de retribuir-lhe a ajuda. E convidou-o para o Ministério da Fazenda. Mas, justamente por ser honrado, demitiu-o poucos meses depois, quando ficaram claras as ligações do “ministro” com a Odebrecht. De volta ao setor privado, Eliseu agora trabalha 24 horas por dia pelas “privatizações-doações”.

Em suma: a chave do que se chama de Belíndia é essa ligação permanente dos homens da área econômica, que ficam pulandodo governo para a iniciativa privada, da iniciativa privada para os governos.

 

###
SERVINDO A UM LADO E AO OUTRO

Examinem a lista abaixo, e constatem a “alternância” de todos de um lado para o outro.

1 – Elmo de Araújo Camões – É o exemplo clássico de relação promíscua entre o Banco Central (BC) e o setor privado. Quando as bolsas estouraram, em 1989, por conta do Caso Nahas, sua distribuidora, a Capitânea, era o pivô do escândalo. Ele era presidente do BC e amigo do então presidente da República, José Sarney.

2 – Keyler Carvalho Rocha – Era diretor do BC na gestão de Camões. A CVM chegou a investigar suas operações.

3 – José Luiz Miranda – Foi para o Banco Interatlântico, depois de sair do BC.

4 – Alkimar Moura – Deixou a Diretoria da Dívida Pública para dirigir uma distribuidora, ligada ao grupo Pirelli. Volta ao banco, em 1993, ocupando a mesma função.

5 – Claudio Haddad – Virou sócio do Banco Garantia, cujo grupo controla a Brahma e a Lojas Americanas.

6 – Carlos Brandão – Integrante do conselho de administração do Banco Econômico.

7 – Fernão Bracher – Dono do Banco BBA.

8 – Luiz Carlos Mendonça de Barros – Foi diretor no Plano Cruzado, em 1986. É sócio do Banco Matrix.

9 – Pérsio Arida – Também foi diretor durante o Cruzado. De lá rumou ao Unibanco. É presidente demissionário do BC.

10 – Geraldo Langoni – Foi presidente do Banco Central. Atualmente é diretor do Instituto de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas. Usa o prestígio da Instituição para atuar como “promoter” do Grupo Rotschild, um dos maiores exploradores do Brasil em todos os tempos. É um dos maiores defensores da “privatização-doação”.

11 – André Lara Resende – É sócio do Banco Matrix, que teve um bom desempenho em 1994. O Banco Matrix teve um lucro de 100 milhões de dólares, em 1994.

12 – Antônio Carlos Lemgruber – É diretor do Banco Liberal. Presidiu o BC no início do governo Sarney.

13 – José Julio Senna – É diretor do Banco Graphus, depois de passagens pelo Boavista e pelo Banco da Bahia.

14 – Roberto Castelo Branco – Trabalha no Interatlântico.

15 – Luís Eduardo de Assis – Da diretoria de Política Monetária, no governo Collor, pulou para o Citibank, o maior credor externo do país.

16 – Pedro Bodin – Largou o governo para aterrissar no Icatu, da família Almeida Braga.

17 – Francisco Pinto – Foi executivo do Banco da Bahia de Investimentos.

18 – Armínio Fraga Neto – É um dos mais influentes executivos do especulador húngaro Georges Soros. Ganhou o emprego após ser diretor da Área Internacional do BC. Já trabalhou no Garantia e na corretora americana Salomon Brothers. Está cotadíssimo para retornar ao governo.

19 – Francisco Gros – Deixou a presidência do BC para ser executivo do banco americano Morgan Stanley. Antes, vendeu suas ações no Banco BFC. O Morgan Stanley é um dos maiores interessados nas “privatizações-doações”. Trabalhou com o gângster Sami Khon e foi pela segunda vez presidente do Banco Central.

(Transcrevi trechos.Leia in Tribuna da Imprensa)