A misteriosa morte de Lady Di

daily_star.750

Uma fonte policial francesa afirmou neste domingo ao jornal britânico The Independent que a princesa Diana estava grávida quando morreu em um acidente de carro em 31 de agosto de 1997, em Paris.

Segundo o relato do policial ao The Independent, as provas da gravidez da princesa foram “encobertas” no dia seguinte ao acidente. Ele afirmou que os boletins médicos que atestavam a gravidez nunca foram divulgados.

Daily Star publica hoje a confirmação da gravidez, e que a princesa foi assassinada por atiradores das Forças Armadas Britânicas disfarçados em fotógrafos.

Uma gravidez de alto risco... político
Uma gravidez de alto risco… político

A RAINHA TINHA UM PÉ NA COZINHA

por Marcia Lobo

 Imagem

Esta linda e inocente garotinha de 7 anos é Elizabeth Angela Marguerite Bowes Lyon, que se tornaria rainha da Inglaterra e, depois, quando a filha subiu ao trono como Elizabeth II, passou a usar o título de rainha-mãe – embora os súditos gostassem de chamá-la de “a avó de todos os ingleses”. 

Morreu em 2002, com 102 anos e ilibada reputação.  Nunca se disse uma única palavra maldosa sobre ela. Agora, porém, um livro inteiro foi escrito para revelar o segredo de sua origem: a digna esposa do rei    e mãe da atual rainha seria na verdade filha de uma cozinheira francesa.

 Imagem

Terá a doce velhinha passado 102 anos iludida?

Resumidamente, a história é a seguinte: depois de dar três herdeiros ao marido e perder a primogênita (Violet), vítima de difteria em 1893, lady Cecilia Glamis pirou e os médicos proibiram uma nova gravidez, o que na época significava proibir o sexo. 

Mas lord Glamis, 14o Conde de Strathmore e Kinghorne, não era homem de abstinências e imediatamente botou olho grande na bela francesa Marguerite Rodiere, que trabalhava ali mesmo, na cozinha da mansão de St Paul’s Waldenbury. Tiveram dois filhos – Elizabeth e David –, adotados pela esposa, o que não chegava a ser  raro entre os casais aristocráticos da Inglaterra vitoriana.

 Imagem

 Imagem

Os irmãos Elizabeth e David, em 1904 e 1915.
Tal filiação explicaria o incomum “Marguerite” no nome da moça, que em nada se parecia com a pobre Cecilia – nem com o pai, a bem da verdade. E certamente era desconhecida da família real, ou George V não permitiria que o filho Bert (segundo na linha de sucessão) se casasse com ela. Parece, porém, que Eduard, o irmão mais velho que abdicou do trono para ficar com a plebéia Wallis Simpson, descobriu a verdade no curto período em que foi rei. Ele e a mulher detestavam Elizabeth (era recíproco) e lhe deram o até agora incompreensível apelido de “Cookie”.

 Imagem

Com a “mãe”, lady Cecilia.

 Imagem

Com o noivo (e futuro rei) e os pais.

A obra que está tirando o sono da família real e “ameaça” ser lançada ainda este mês tem um longo e sugestivo título: The Queen Mother, The Untold Story of Elizabeth Bowes Lyon, Who Became Queen Elizabeth the Queen Mother. 

A autora é lady Colin Campbell, mulher indiscreta e habituada com histórias escabrosas que já foi responsável por outras insônias da corte: primeira  a revelar ao mundo os podres do casamento de lady Di, escreveu duas biografias da princesa e espalhou o caso de Diana com o rei Juan Carlos da Espanha durante um cruzeiro em agosto de 1986.

 Imagem

A biógrafa lady Campbell, que nunca foi exatamente uma dama.

Também conhecida como Georgie Campbell,  a biógrafa várias vezes não-autorizada é ela própria um escândalo ambulante. Nascida em 1949 na família Ziadie, um dos mais influentes clãs da Jamaica, seu nome de batismo é George William, pois teria nascido com “um defeito físico” que carregou até os 18 anos, quando se operou e passou a se vestir como mulher. Tornou-se modelo em Nova York, fisgou o nobre inglês Colin Campbell (irmão caçula do 12o  duque de Argyll), circulou entre a aristocracia durante 14 meses, tempo que o marido demorou para descobrir que “tinha se casado com um travesti”.

Incomparavelmente mais vexaminosa é a saia justa em que a família Windsor está agora. Afinal, se Elizabeth II não sabia da avó cozinheira, foi passada para trás. Se sabia, fez todos os súditos de bobos.

 Imagem

Transcrito do blogue Antes que eu me esqueça de Marcia Lobo. Conheça outras impressionantes biografias