Polícia tucana prende a jornalista Karinny de Magalhães, 19 anos

Karinny de Magalhães
Karinny de Magalhães

Em Minas Gerais a polícia prende e arrebenta jornalistas. Nada mais fascista. É a continuação de ditadura de 64, imposta pelos tucanos. Os soldados estaduais dos governadores do PSDB usam e abusam de armas letais, e estão envolvidos nos assassinatos de jornalistas, e prisões e costumeiros espancamentos e invasões de domicílios.

Os casos mais recentes: a prisão de Marco Aurélio Carone, a invasão e roubo de ferramentas de trabalho de Geraldo Elísio.

Notica o Seles Nafes: A integrante da Casa Fora do Eixo Amapá, Karinny de Magalhães, foi presa em Belo Horizonte na tarde da última quinta-feira, 12, durante os protestos contra a Copa do Mundo. A ativista, que tem apenas 19 anos, foi acusada de ter participado de um ato de depredação a um carro da Polícia Militar de Minas Gerais.

A prisão teve grande repercussão nas redes sociais do Amapá. Karinny estaria participando do ato “Copa sem povo, tô na rua de novo”, e transmitia ao vivo, pela internet, as ações dos manifestantes que estavam no centro de BH. A transmissão pela internet é chamada de “Mídia Ninja”.

Karinny Magalhães estava transmitindo os protestos pela internet
Karinny Magalhães estava transmitindo os protestos pela internet

A prisão gerou protestos de partidos de esquerda. O senador do Amapá e pré-candidato a Presidência do Brasil Randolfe Rodrigues (PSOL) divulgou nota repudiando a ação e clamou por uma investigação mais detalhada por parte da Polícia Militar de Minas para averiguar possíveis excessos. Até o fim da tarde desta sexta-feira, Karinny continuava presa.

Pelos parâmetros de Aécio Neves, o Mineirão tem razão

por Renato Roval

 

 

Aécio Neves deu uma declaração arrasadora no dia de ontem em relação ao “Ei, Dilma, vai tomar no c…” entoado por parcela da torcida da área VIP do Itaquerão. “Dilma colhe o que plantou”. Ou seja, Aécio acha que as pessoas colhem o que plantam quando são vaiadas e atacadas em um estádio de futebol.

Em 2007, no jogo Brasil x Argentina, boa parte do Mineirão cantou: “O Maradona vai se f….., que o Aécio cheira mais do que você”.

Aécio considera que ele colheu o que plantou?

Uma senhora, mãe e avo, presidenta eleita democraticamente e que governa nos limites da Constituição é atacada violentamente por um grupo e ao invés de se solidarizar com ela, Aécio Neves diz que ela foi merecedora dos ataques. Depois, seu marqueteiro deve ter lhe dado um telefonema dizendo que falara uma grande bobagem e mostrando um pouco mais do seu caráter volátil, o candidato a presidente sinaliza um recuo na declaração.

O mesmo Aécio que dias antes solicitou busca e apreensão na casa de uma jornalista carioca por supostamente ter sido atacado por ela na Internet. O mesmo Aécio que pediu busca e apreensão de computadores da UFRJ por supostamente ter sido atacado por alguém que estuda na universidade. O mesmo Aécio que não disse uma unica palavra em relação à violência sofrida pela repórter Ninja, Karinny de Magalhães, de 19 anos, que apanhou ate ficar desacordada da polícia mineira. E que foi presa de forma arbitrária e sem nenhuma prova.

Hoje, o sociólogo mineiro Rudá Ricci afirma que essas atitudes do senador demonstram que ele é misógino e apela para que as pessoas votem em qualquer candidato, menos em Aécio. É uma declaração forte, de uma pessoa que tem criticado constantemente o governo Dilma. E sinaliza um novo momento desta eleição, Aécio Neves vai se comportar como um coronel, mas há um Brasil que vai lutar muito para que esse tipo de liderança que se impõe pela força e que se alia à intolerância e ao que há de mais atrasado na sociedade não volte a estar no centro do poder.

Mas de qualquer forma, vale repetir a pergunta: Aécio Neves julga que, da mesma forma que Dilma, colheu o que plantou no Mineirão?

 

Enquanto isso em Belo Horizonte MG (BH)…

Aécio cheira

A volta do caso Perrela

Perrela
Perrela

Aécio e a pergunta proibida